classicistranieri.com / Fernando Pessoa – Alvaro de Campos – Ode Triunfal

Skip to content

Tag Archives: Pessoa

Fernando Pessoa – Alvaro de Campos – Ode Triunfal

10-dic-11

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Á dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, féra para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fóra e dentro de mim, [...]

Fernando Pessoa – O Marinheiro

10-dic-11

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Um quarto que é sem duvida num castello antigo. Do quarto vê-se que é circular. Ao centro ergue-se, sobre uma eça, um caixão com uma donzella, de branco. Quatro tochas aos cantos. Á direita, quasi em frente a quem imagina o quarto, ha uma unica janella, alta e estreita, dando [...]

Fernando Pessoa – Entre o sono e o sonho

24-lug-11

Entre o sono e sonho, Entre mim e o que em mim Corre um rio sem fim. Passou por outras margens, Diversas mais além, Naquelas várias viagens Que todo o rio tem. Chegou onde hoje habito A casa que hoje sou. Passa, se eu me medito; Se desperto, passou. E quem me sinto e morre [...]

Fernando Pessoa – Gato que brincas na rua

24-lug-11

Gato que brincas na rua   Como se fosse na cama,   Invejo a sorte que é tua   Porque nem sorte se chama. Bom servo das leis fatais Que regem pedras e gentes, Que tens instintos gerais E sentes só o que sentes. És feliz porque és assim, Todo o nada que és é [...]

Fernando Pessoa – Sonho. Não sei quem sou neste momento.

24-lug-11

Sonho. Não sei quem sou neste momento. Durmo sentindo-me. Na hora calma Meu pensamento esquece o pensamento, Minha alma não tem alma. Se existo é um erro eu o saber. Se acordo Parece que erro. Sinto que não sei. Nada quero nem tenho nem recordo. Não tenho ser nem lei. Lapso da consciência entre ilusões, [...]

Fernando Pessoa – Ao longe, ao luar

24-lug-11

Ao longe, ao luar, No rio uma vela Serena a passar, Que é que me revela? Não sei, mas meu ser Tornou-se-me estranho, E eu sonho sem ver Os sonhos que tenho. Que angústia me enlaça? Que amor não se explica? É a vela que passa Na noite que fica.