classicistranieri.com / Antero de Quental – Entre sombras

Skip to content

Tag Archives: Quental

Antero de Quental – Entre sombras

16-ago-13

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Vem ás vezes sentar-se ao pé de mim —A noite desce, desfolhando as rosas— Vem ter commigo, ás horas duvidosas, Uma visão, com azas de setim… Pousa de leve a delicada mão —Rescende amena a noite socegada— Pousa a mão compassiva e perfumada Sobre o meu dolorido coração… E diz-me [...]

Antero de Quental – Os vencidos

16-ago-13

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Tres cavalleiros seguem lentamente Por uma estrada erma e pedregosa. Geme o vento na selva rumorosa, Cae a noite do céo, pesadamente. Vacilam-lhes nas mãos as armas rotas, Têm os corceis poentos e abatidos, Em desalinho trazem os vestidos, Das feridas lhe cae o sangue, em gotas. A derrota, traiçoeira [...]

Antero de Quental – Numa noite de Primavera

21-ott-11

Esta quadra d’amor quanto nos punge, Com tão doce pungir! Como sorrindo Nos mata de desejos; nos esmaga Sob o peso infinito dos anhelos, Que esta vida e mil outras não fartaram! Esta quadra d’amor, com seus sorrisos, Quanto nos punge o peito, ai, quanto mata! Tal é a essencia do Amor; tal Deus ha [...]

Antero de Quental – Paz em Deus

21-ott-11

…pax hominibus bona voluntate. O Deus que me creou pôz-me no peito Um thesouro tão rico de esperança, Que não ha quem m’o roube ou quem m’o gaste; E pôz-me n’alma fonte tão perenne D’aquelle Eterno-Amor, que de lá desce, Que não ha sol ou calma que m’a seque. A fonte que nasceu em solo [...]

Antero de Quental – Força Amor

21-ott-11

O que destroe os mundos, E dá que os mar’s frementes, Em volta aos continentes, Cavem abysmos fundos; A mão que faz que a noite, Sem luz, amor, encanto, Se envolva em negro manto Aonde o mal se acoite; Que pôs no olhar o brilho, E deu ao labio o riso, Á planta o pomo [...]

Antero de Quental – Laço d’Amor

21-ott-11

Que heide dar de melhor? Ai, n’estes tempos De pobres affeições, de tibias crenças, —Fonte que os sóes do estio tem seccado— Aonde ha fé tam viva, que trasborde, Enchendo um peito n’outro peito amigo? Que esperanças cá da terra ha hi tam firmes, Tam ricas de futuro, que dois sêres Possam firmar-se n’ellas sem [...]

Antero de Quental – Palavras Aladas

21-ott-11

Raios de extincta luz, eccos perdidos De voz que se sumiu no espaço absorta— Meus cantos voarão de edade em edade, Como folhas que ao longe o vento espalha. Não sabe a folha já mirrada e secca, Que um sôpro do tufão levou revolta, Que outro sopro talvez desfaça em breve— Não sabe a triste [...]

Um escorso biografico de Antero De Quental

21-ott-11

Bem conhecida é esta alta individualidade, que se manifestou entre a moderna geração com um extraordinario temperamento de luctador, e que de repente caíu em uma apathia invencivel, em um desalento moral progressivo, em uma decadencia physica precoce, e por ultimo no desespero, que em 11 de setembro de 1891 determinou o suicidio. Quando em [...]