Conteúdo verificado

14º Dalai Lama

Assuntos Relacionados: figuras e líderes religiosos

Você sabia ...

Esta seleção Escolas foi originalmente escolhido pelo SOS Children para as escolas no mundo em desenvolvimento sem acesso à internet. Ele está disponível como um download intranet. Crianças SOS tem cuidado de crianças na ?frica por 40 anos. Você pode ajudar o seu trabalho na ?frica ?

Tenzin Gyatso
Sua Santidade o 14º Dalai Lama
Reinar 17 de novembro de 1950 - presente
Antecessor Thubten Gyatso
Primeiros-ministros
Tibetano བསྟན་ འཛིན་ རྒྱ་མཚོ་
Wylie Bstan 'dzin rgya mtsho
Pronúncia [Tɛ ETI càtsʰo]
THDL Tenzin Gyatso
Pinyin Dānzēng Jiācuò
Pai Choekyong Tsering
Mãe Diki Tsering
Nascido (1935/07/06) 06 de julho de 1935
Taktser, China
Assinatura Assinatura do 14º Dalai Lama

O 14º Dalai Lama ( nome religioso: Tenzin Gyatso, encurtado de Jetsun Jamphel Ngawang Lobsang Yeshe Tenzin Gyatso, nasceu Lhamo Dondrub, 06 de julho de 1935) é o 14º e atual Dalai Lama , bem como o operador histórico mais longo viveu. Dalai Lamas são os principais monges da Linhagem Gelugpa de Budismo tibetano. Ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1989, e também é bem conhecido por sua defesa ao longo da vida para os tibetanos dentro e fora do Tibete.

O Dalai Lama nasceu em Taktser, Qinghai (também conhecido por tibetanos como Amdo), e foi escolhida como a renascimento do 13º Dalai Lama dois anos mais tarde, embora ele só foi formalmente reconhecido como o 14º Dalai Lama, em 17 de Novembro de 1950, com a idade de 15. O O governo da escola Gelug administrada uma área que corresponde aproximadamente à Região Autônoma do Tibet, assim como as nascentes República Popular da China que pretendam defender o controle central sobre ele. Há uma disputa sobre se os respectivos governos alcançado um acordo para uma administração conjunta sino-tibetano.

Durante o 1959 revolta tibetana, que a China considera como uma revolta de senhores feudais, o Dalai Lama, que considera a revolta como uma expressão de descontentamento generalizado, fugiu para a ?ndia , onde ele denunciou a República Popular e estabeleceu um Governo tibetano no exílio. Desde então, ele viajou pelo mundo, defendendo o bem-estar dos tibetanos, ensinando o budismo tibetano e falar sobre a importância da compaixão como a fonte de uma vida feliz. Em todo o mundo, as instituições enfrentam pressão da China para não aceitá-lo. Ele falou sobre a ambiente, economia , direitos das mulheres , não-violência, diálogo inter-religioso, saúde reprodutiva, sexualidade, juntamente com vários Mahayana e Tópicos Vajrayana.

Início da vida e fundo

O Dalai Lama como um menino

Lhamo Dondrub (ou Thondup) nasceu em 06 de julho de 1935 em uma família de negociação agrícola e cavalo na pequena aldeia de Taktser, na fronteira oriental da antiga região tibetana de Amdo, então já assimilado na província chinesa de Qinghai. Ele foi um dos sete irmãos para sobreviver infância. O mais velho era sua irmã Tsering Dolma, 18 anos mais velhos. Seu irmão mais velho, Thupten Jigme Norbu, tinha sido reconhecida com a idade de oito como a reencarnação do alto Lama Taktser Rinpoche. Sua irmã, Jetsun Pema, passou a maior parte de sua vida adulta na Projeto das crianças tibetanas Villages. Primeira língua do Dalai Lama era, em suas próprias palavras, "um quebrado Xining linguagem que foi (um dialeto do) a língua chinesa ", como sua família não falou a língua tibetana.

Um grupo de busca foi enviado para localizar o novo encarnação quando o menino que viria a se tornar o 14º foi cerca de dois anos de idade. Diz-se que, entre outras presságios, a cabeça do corpo embalsamado do XIII Dalai Lama, em primeira virada a sul-leste, havia misteriosamente virou-se para enfrentar a direção em que seu sucessor seria encontrado indicando-nordeste. O Regent, Reting Rinpoche, pouco depois, teve um visão no lago sagrado de Lhamo La-tso indicando Amdo como a região para procurar especificamente uma casa térrea com caleiras distintivo e ladrilhos. Após uma extensa pesquisa, a casa Thondup, com as suas características semelhantes às da visão de Reting, foi finalmente encontrado.

Thondup foi apresentado com várias relíquias, incluindo brinquedos, alguns dos quais haviam pertencido ao 13º Dalai Lama e alguns dos quais não tinha. Foi relatado que ele havia identificado corretamente todos os itens de propriedade do anterior Dalai Lama, exclamando: "Isso é meu! É meu!"

Casa onde o 14º Dalai Lama nasceu

O general muçulmano chinês Ma Bufang não queria que o 14º Dalai Lama para suceder seu antecessor. Ma Bufang estacionados seus homens para colocar o Dalai Lama em detenção domiciliária efectiva, dizendo que era necessário para "proteção", recusando-se a permitir a sua saída para o Tibete. Ele fez tudo o que podia para atrasar o transporte do Dalai Lama a partir de Qinghai ao Tibete, exigindo enormes somas de dinheiro em prata. O pagamento exigido pela Ma Bufang era 100.000 chineses dólares de prata.

Lhamo Thondup foi reconhecido formalmente como o Dalai Lama reencarnado e renomeado Jetsun Jamphel Ngawang Lobsang Yeshe Tenzin Gyatso (Santo Senhor, Glória Gentil, compassivo, Defensor da Fé, Oceano de Sabedoria), embora ele não foi formalmente entronizado como o Dalai Lama até a idade de 15; em vez disso, o regente agiu como a cabeça do Kashag até aquele momento. Os budistas tibetanos normalmente se referem a ele como Yishin Norbu (Desejo-cumprindo Gem), Kyabgon (Salvador), ou apenas Kundun (Presença). Seus devotos, assim como grande parte do mundo ocidental, muitas vezes chamá-lo de Sua Santidade o Dalai Lama, o estilo empregado no site do Dalai Lama.

Educação monástica começou com a idade de seis anos, sendo seus principais professores Yongdzin Ling Rinpoche (tutor sênior) e Yongdzin Trijang Rinpoche (tutor júnior). Na idade de 11 ele conheceu o Alpinista austríaco Heinrich Harrer, que se tornou seu cinegrafista e tutor sobre o mundo exterior Lhasa . Os dois permaneceram amigos até a morte de Harrer em 2006.

Em 1959, com a idade de 23 anos, ele entrou para o seu exame final em Lhasa 's Templo de Jokhang durante a anual Monlam ou oração Festival. Ele passou com honras e foi premiado com o Lharampa grau, o mais alto nível grau de Geshe, equivalente a um doutorado em Filosofia budista.

A vida como o Dalai Lama

Lhasa de Palácio de Potala, hoje um UNESCO património mundial , retratado em 2006

Historicamente, o Dalai Lamas teve influência política e religiosa na área tibetana ocidental de Ü-Tsang em torno de Lhasa , onde a Escola Gelug de Budismo tibetano era popular e os Dalai Lamas realizada terra sob a sua jurisdição. Em 1939, com a idade de quatro, o atual Dalai Lama foi levado em uma procissão de lamas para Lhasa.

Infância do Dalai Lama foi gasto entre o Palácio de Potala e Norbulingka, sua residência de verão, sendo que ambos são agora UNESCO Património Mundial .

China afirma que o Governo Kuomintang ratificou o 14º Dalai Lama e que um representante Kuomintang, Wu Zhongxin Geral, presidiu a cerimônia. Ele cita uma ordem de ratificação datada de fevereiro de 1940, e um documentário da cerimônia. Conforme Tsering Shakya, Wu Zhongxin, juntamente com outros representantes estrangeiros estava presente na cerimônia, mas não há nenhuma evidência de que ele presidiu. Ele também escreveu:

"Em 8 de Julho de 1949, o Kashag [Parlamento tibetano] chamado Chen Xizhang, o diretor interino do escritório mongol e Comissão de Assuntos tibetano em Lhasa. Ele foi informado de que o Governo tibetano tinha decidido expulsar todos os chineses ligados ao Governo Guomingdang. Temendo que os chineses poderiam organizar protestos nas ruas de Lhasa, a Kashag impôs um toque de recolher até que todos os chineses tinham deixado. Isso eles fizeram nos dias 14, 17 e 20 de Julho de 1949. Ao mesmo tempo, o governo tibetano enviou um telegrama ao general Chiang Kai-shek e ao presidente Li Zongren informando-os sobre a decisão. "


Durante o seu reinado, uma crise eclodiu fronteira com a República Popular da China em 1942. Sob as ordens do Governo do Kuomintang de Chiang Kai-shek, Ma Bufang reparado aeroporto Yushu para evitar separatistas tibetanos de buscar a independência. Chiang também ordenou Ma Bufang para colocar seus soldados muçulmanos em alerta para uma invasão do Tibete em 1942. Ma Bufang cumprido, e mudou-se vários milhares de tropas para a fronteira com o Tibete. Chiang também ameaçou os tibetanos com bombardeio aéreo se eles trabalharam com os japoneses. Ma Bufang atacaram o monastério budista tibetano Tsang em 1941. Ele também atacou constantemente o mosteiro Labrang.

Em outubro de 1950, o exército dos República Popular da China marchou até a borda do território do Dalai Lama e enviou uma delegação após derrotar uma legião do exército tibetano no controlada pelo senhor da guerra Kham. Em 17 de Novembro de 1950, com a idade de 15, o 14º Dalai Lama foi entronizado formalmente como o governante temporal do Tibete.

Cooperação e conflitos com a República Popular da China

Regra formal do Dalai Lama foi breve. Ele enviou uma delegação a Pequim, que ratificou a Acordo Seventeen Ponto para a Libertação Pacífica do Tibete. Ele trabalhou com o governo chinês: em setembro de 1954, juntamente com o 10 Panchen Lama ele foi para a capital chinesa para atender Mao Zedong e assistir à primeira sessão do Congresso Nacional do Povo como um delegado, discutindo principalmente Constituição da China. Em 27 de setembro de 1954, o Dalai Lama foi selecionado como um vice-presidente do Comité Permanente do Congresso Nacional do Povo, cargo que ocupou até 1964 oficialmente.

Em 1956, em uma viagem para a ?ndia para celebrar o Aniversário de Buda, o Dalai Lama pediu a O primeiro-ministro da ?ndia, Jawaharlal Nehru, se ele permitiria que ele asilo político, ele deve escolher para ficar. Nehru desencorajado isso como uma provocação contra a paz, e lembrou-o do Governo indiano de postura não-intervencionista acordados com a sua 1.954 tratado com a China. O CIA, com a Guerra da Coréia apenas recentemente, ofereceu a assistência Dalai Lama. Em 1956, uma grande rebelião estourou no leste Kham, uma região etnicamente tibetano no Província de Sichuan. Para apoiar os rebeldes, a CIA lançou uma campanha de ação encoberta contra os comunistas chineses. Um campo de treinamento militar secreta para os guerrilheiros Khampa foi estabelecido em Acampamento Hale perto de Leadville, Colorado, em os EUA Os guerrilheiros atacaram forças comunistas em Amdo e Kham, mas foram gradualmente empurrados para Tibet Central.

Exile para a ?ndia

No início do 1959 revolta tibetana, temendo por sua vida, o Dalai Lama e sua comitiva fugiu do Tibete com a ajuda da CIA de Atividades Especiais Divisão, cruzando para a ?ndia em 30 de março de 1959, atingindo Tezpur em Assam em 18 de abril. Algum tempo depois, ele montou o Governo do Tibete no exílio em Dharamshala, índia, que é muitas vezes referida como " Pequena Lhasa ". Após a fundação do governo exilado restabeleceu os cerca de 80 mil refugiados tibetanos que o seguiram para o exílio em assentamentos agrícolas. Ele criou um sistema educacional tibetano a fim de ensinar as crianças tibetanas os língua, história, religião e cultura . O Instituto Tibetano de Artes Dramáticas e foi criada em 1959 eo Instituto Central de Altos Estudos Tibetanos se tornou a principal universidade para os tibetanos na ?ndia. Ele apoiou a refundação de 200 mosteiros e conventos em uma tentativa de preservar os ensinamentos budistas tibetanos ea forma de vida tibetano.

O Dalai Lama apelou à Organização das Nações Unidas sobre os direitos dos tibetanos. Este apelo resultou em três resoluções aprovadas pela Assembléia Geral em 1959, 1961, e 1965, antes de tudo a República Popular foi autorizada representação nas Nações Unidas. As resoluções exortou a China a respeitar os direitos humanos de Tibetanos. Em 1963, ele promulgou uma constituição democrática, que se baseia na Declaração Universal dos Direitos Humanos , a criação de um eleito parlamento e um administração para defender sua causa. Em 1970, ele abriu a Biblioteca de Trabalhos e Arquivos Tibetanos em Dharamsala, que abriga mais de 80.000 manuscritos e recursos importantes conhecimentos relacionados à tibetanos história, política e cultura. É considerada uma das instituições mais importantes para Tibetology no mundo.

Antigos bairros abandonados do Dalai Lama no Potala. A vestimenta vazio colocado no trono simboliza sua ausência

Advocacy internacional

No Congressional Caucus de Direitos Humanos em 1987, em Washington, DC , o Dalai Lama fez um discurso delineando suas ideias para o futuro estatuto do Tibete. O plano chamado para o Tibete para se tornar uma "zona de paz" democrática sem armas nucleares , e com o apoio para os direitos humanos , que barrou a entrada de Chineses han. O plano viria a ser conhecida como a "proposta de Estrasburgo", porque o Dalai Lama expandido sobre o plano em Estrasburgo em 15 de junho de 1988. Lá, ele propôs a criação de uma auto-regulam Tibet "em associação com a República Popular da China." Este teria sido perseguido por negociações com o governo do PRC, mas o plano foi rejeitado pelo Governo no exílio tibetano em 1991. O Dalai Lama indicou que deseja retornar ao Tibete somente se a República Popular da China não concorda fazer qualquer pré-condição para seu retorno. Na década de 1970, o então- Líder Paramount Deng Xiaoping definir única exigência retorno da China ao Dalai Lama como que ele "deve [voltar] como um cidadão chinês .... isto é, patriotismo".

O Dalai Lama comemorou seu septuagésimo aniversário em 6 de julho de 2005. Cerca de 10.000 refugiados tibetanos, monges e turistas estrangeiros se reuniram em frente a sua casa. Patriarca Aleixo II do Igreja Ortodoxa Russa afirmou relações positivas com os budistas. Em seguida, o Presidente da República da China (Taiwan), Chen Shui-bian, participou de uma noite que comemora o aniversário do Dalai Lama no Chiang Kai-shek Memorial Hall, em Taipei. Em outubro de 2008, no Japão, o Dalai Lama dirigiu-se ao 2.008 violência tibetano que tinha entrado em erupção e que o governo chinês acusou-o de fomentar. Ele respondeu que tinha "perdido a fé" nos esforços para negociar com o governo chinês, e que era "até o povo tibetano" para decidir o que fazer.

Atividades de ensino

Sala principal ensinamento do Dalai Lama em Dharamshala

O Dalai Lama tem realizado inúmeras iniciações públicas na Kalachakra, e é o autor de muitos livros, incluindo livros sobre o tema da Dzogchen, uma prática em que ele é realizado. Suas atividades de ensino em os EUA incluem o seguinte:

Em fevereiro de 2007, o Dalai Lama foi nomeado presidencial Professor Emérito da Universidade Emory, em Atlanta, Geórgia ; foi a primeira vez que ele aceitou um cargo universitário. Em sua turnê pelos Estados Unidos abril de 2008, ele deu palestras na Universidade de Michigan, Ann Arbor e em Colgate University (Nova York) Mais tarde, em julho, o Dalai Lama deu uma palestra pública e realizou uma série de ensinamentos em Lehigh University (Pennsylvania). Em 8 de maio de 2011, a Universidade de Minnesota deu-lhe o seu maior prêmio, um Doutor Honorário de Letras.

Diálogo inter-religioso

O Dalai Lama reuniu-se com O Papa Paulo VI, no Vaticano , em 1973. Ele se encontrou com o Papa João Paulo II em 1980, 1982, 1986, 1988, 1990 e 2003. Em 1990, ele conheceu em Dharamshala com uma delegação de professores judeus para um amplo diálogo inter-religioso. Desde então, ele visitou Israel três vezes e se reuniu em 2006 com o rabino-chefe de Israel. Em 2006, ele se reuniu em particular com o Papa Bento XVI . Ele reuniu-se com o Arcebispo de Canterbury , Dr. Robert Runcie, e outros líderes da Igreja Anglicana em Londres, Gordon B. Hinckley, que na época era o presidente da A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons), bem como sênior Igreja Ortodoxa Oriental , Muçulmano, Hindu, judaica , e Funcionários Sikh. O Dalai Lama também é atualmente um membro do Conselho de Líderes Religiosos mundo como parte de O Instituto Inter-religioso Elijah e participou da Terceira Reunião do Conselho de Líderes religiosos no mundo Amritsar, na ?ndia, em 26 de novembro de 2007 para discutir o tema de amor e perdão.

Em 6 de janeiro de 2009, em Gujarat de Mahuva, o Dalai Lama inaugurou um interconfessionais "Religiões-Diálogo do Mundo e Symphony" conferências convocadas pelo pregador Hindu Morari Bapu. Esta conferência explorado "formas e meios para lidar com a discórdia entre as principais religiões", de acordo com Morari Bapu. Ele afirmou que as descobertas científicas modernas deve ter precedência sobre refutada se for caso disso superstição religiosa.

Em 12 de maio de 2010, em Bloomington, Indiana (EUA), o Dalai Lama, acompanhado por um grupo de seletos estudiosos, lançou oficialmente o Projeto Common Ground, que ele e Príncipe Ghazi bin Muhammad da Jordânia tinha planejado ao longo de vários anos de conversas pessoais. O projeto é baseado no livro Common Ground entre o Islã eo Budismo.

Posturas sociais

Aborto

O Dalai Lama tem mostrado uma posição diferenciada e relativamente flexível em aborto. Ele explicou que, a partir da perspectiva dos preceitos budistas, o aborto é um ato de matar. Ele também esclareceu que, em certos casos o aborto pode ser considerado eticamente aceitável "se o feto será retardado ou se o parto vai criar sérios problemas para os pais ", que só poderia ser determinada numa base caso-a-caso.

Democracia, não-violência, a harmonia religiosa e no relacionamento do Tibete com a ?ndia

O Dalai Lama diz que ele está ativo em difundir a mensagem da não-violência e da harmonia religiosa da ?ndia em todo o mundo. "Eu sou o mensageiro de pensamentos antigos da ?ndia em todo o mundo." Ele disse que a democracia tem raízes profundas na ?ndia. Ele diz que considera o mestre ?ndia e Tibet seu discípulo, como grandes estudiosos como Nagarjuna passou de Nalanda para o Tibete para pregar o budismo no século VIII. Ele observou que milhões de pessoas perderam as suas vidas na violência e as economias de muitos países foram arruinados devido a conflitos no século 20. "Deixe o século 21 será um século de tolerância e diálogo."

Em 1993, o Dalai Lama participou da Conferência Mundial sobre Direitos Humanos e fez um discurso intitulado "Direitos Humanos e Responsabilidade Universal".

Em 2001, ele respondeu a pergunta de uma menina em um Seattle escola dizendo que é permitido atirar em alguém com uma arma em legítima defesa, se essa pessoa estava "tentando matá-lo", e enfatizou que o tiro não deve ser fatal.

Dieta e bem-estar animal

"As pessoas pensam de animais como se fossem vegetais, e isso não é certo. Temos que mudar a maneira como as pessoas pensam sobre animais. Eu encorajo o povo tibetano e todas as pessoas a se mover em direção a uma dieta vegetariana que não cause sofrimento ".
-Dalai Lama

O Dalai Lama defende compaixão pelos animais e freqüentemente pede às pessoas para tentar vegetarianismo ou pelo menos reduzir o seu consumo de carne. No Tibete, onde historicamente carne foi o alimento mais comum, a maioria monges têm sido historicamente onívoros, incluindo o Dalai Lamas. O décimo quarto Dalai Lama foi criado em uma família de comer carne, mas convertido ao vegetarianismo depois de chegar na ?ndia, onde os vegetais são muito mais facilmente disponíveis. Ele passou muitos anos como um vegetariano, mas depois de contrair Hepatite na ?ndia e que sofrem de fraqueza, os médicos ordenaram que ele a comer carne em dias alternados, o que fez por vários anos. Ele tentou de voltar para uma dieta vegetariana, mas mais uma vez voltou para consumo limitado de carne. Isso atraiu a atenção do público quando, durante uma visita à Casa Branca, ele foi oferecido um menu vegetariano, mas se recusou, respondendo, como ele é conhecido por fazer na ocasião quando jantar na companhia dos não-vegetarianos, "Eu sou um monge tibetano , não um vegetariano ". Sua própria cozinha de casa, no entanto, é completamente vegetariana.

Economia

O Dalai Lama se referiu a si mesmo como um marxista e articulou críticas do capitalismo. Ele relata audiência de comunismo quando ele era muito jovem, mas apenas no contexto da destruição de Mongólia comunista. Foi só quando ele passou em sua viagem a Pequim que ele estudou A teoria marxista. Naquela época, ele relata: "Eu estava tão atraído para o marxismo, eu mesmo expresso meu desejo de tornar-se um Membro do Partido Comunista ", citando seus conceitos favoritos de auto-suficiência e da igualdade distribuição da riqueza. Ele não acredita que a China implementou "verdadeira política marxista", e acha que a histórica Estados comunistas como a União Soviética "eram muito mais preocupados com seus estreitos interesses nacionais do que com o Internacional dos Trabalhadores ". Do capitalismo, ele disse que na China, "milhões de padrões de vida das pessoas melhorou", mas que "é apenas como fazer lucros", enquanto que o marxismo tem "ética moral".

"De todas as teorias econômicas modernas, o sistema econômico do marxismo é fundada em princípios morais, enquanto o capitalismo está preocupado apenas com o ganho e rentabilidade. O marxismo está preocupado com a distribuição da riqueza numa base de igualdade e a utilização equitativa da meios de produção. Está também relacionada com o destino do classes que trabalham é, a maioria-bem como com o destino daqueles que são desfavorecidos e necessitados, eo marxismo se preocupa com as vítimas de-imposto minoria exploração. Por estas razões, o sistema me atrai, e parece justo. Eu li recentemente um artigo em um jornal onde Sua Santidade o Papa também destacou alguns aspectos positivos do marxismo ".
-Dalai Lama
"Eu acho que a grande falha dos regimes marxistas é que eles têm colocado muita ênfase sobre a necessidade de destruir a classe dominante, na luta de classes, e isso faz com que eles incentivar ódio e à negligência compaixão. Embora o seu objectivo inicial poderia ter sido para servir a causa da maioria, ao tentar implementá-lo toda a sua energia é desviada em atividades destrutivas Uma vez que a revolução acabou e da classe dominante é destruído, não há nem resta muito a oferecer ao povo;. Neste ponto, o todo país é pobre e, infelizmente, é quase como se o objetivo inicial era para se tornar pobre. Eu acho que isso é devido à falta de solidariedade humana e de compaixão. A principal desvantagem de um tal regime é a insistência colocada em ódio, em detrimento dos compaixão ".
-Dalai Lama

Ambiente

O Dalai Lama é sincero em suas preocupações sobre os problemas ambientais, frequentemente dando palestras públicas sobre temas relacionados ao meio ambiente. Ele apontou que muitos rios na ?sia originam no Tibete, e que o derretimento das geleiras do Himalaia poderiam afetar os países em que os rios fluem. Ele reconheceu leis chinesas oficiais contra desmatamento no Tibete, mas é cínico, devido a possíveis a corrupção oficial. Ele foi citado como dizendo "ecologia deve ser parte de nossa vida diária"; pessoalmente, ele leva chuveiros em vez de banhos, e transforma as luzes quando deixa um quarto. Por volta de 2005, ele começou a fazer campanha para conservação da vida selvagem, incluindo através da emissão de um decreto religioso contra o uso de peles de tigre e leopardo como vestimentas. O Dalai Lama apoia a posição anti-caça às baleias no baleação polêmica, mas criticou as atividades de grupos como a Sea Shepherd Conservation Society (que realiza atos de o que chama agressivo não-violência contra a propriedade). Antes da Conferência sobre Mudança Climática das Nações Unidas 2009 , ele pediu aos líderes nacionais para pôr de lado as preocupações internas e tomar uma ação coletiva contra a mudança climática .

Direitos das mulheres

Em igualdade de gênero e sexismo, o Dalai Lama proclamada no Museu Nacional de Direitos Civis em Memphis, Tennessee, em 2009: "Eu me chamo uma feminista Não é isso que você chama alguém que luta por. dos direitos das mulheres ? "

Controvérsias

Dorje Shugden

Durante uma turnê de ensino do Reino Unido em Maio de 2008, os membros do Associação Shugden Ocidental saiu para protestar contra a proibição de uma oração a Dorje Shugden, que eles chamam de perseguição religiosa. Protestos semelhantes ocorreram em Sydney quando o Dalai Lama chegou à Austrália em junho de 2008. O Dalai Lama diz que não tinha proibido a prática, mas fortemente desencoraja-lo como ele sente que promove um espírito como sendo mais importante do que Buda, e que pode encorajar práticas de culto-como e sectarismo dentro budismo tibetano. Os devotos de Shugden na ?ndia protestar que lhes é negada a admissão aos hospitais, lojas e outros serviços sociais prestados pela comunidade tibetana local. O governo chinês exige monges venerar Shugden, em conjunto com a forçá-los a denunciar o Dalai Lama e fazer o Bandeira nacional chinesa.

Reconhecimento do 17º Karmapa

Outra controvérsia associada com o Dalai Lama é o reconhecimento do XVII Karmapa. Duas facções da Kagyu escola do budismo tibetano ter escolhido dois Karmapas diferente, levando a uma profunda divisão dentro da escola Kagyu. O Dalai Lama deu seu apoio a Urgyen Trinley Dorje, enquanto os apoiantes de Trinley Dorje Thaye afirmam que o Dalai Lama não tem autoridade no assunto, nem há um precedente histórico para uma Dalai Lama envolvendo-se em uma disputa interna Kagyu. Em seu discurso de 2001 na Conferência Internacional Karma Kagyu, Shamar Rinpoche-Kunzig um dos quatro regentes-Karma Kagyu acusou o Dalai Lama de adotar uma "dividir e conquistar" política para eliminar qualquer rivalidade política potencial decorrente de dentro da escola Kagyu. Por seu lado, o Dalai Lama aceitou a carta de predição apresentado por Tai Situ Rinpoche (outro regente Karma Kagyu) como autêntico e, portanto, o reconhecimento de Tai Situ Rinpoche Urgyen Trinley Dorje de, também como correta. Tibet observador Julian Gearing sugere que pode haver motivos políticos a decisão do Dalai Lama: "O Dalai Lama deu a sua bênção para o reconhecimento de [Urgyen] Trinley, ansioso para conquistar a seita anteriormente problemático [da escola Kagyu], e com a Esperamos que o novo Karmapa poderia desempenhar um papel em uma solução política da «Questão do Tibete." ... Se as alegações são para ser acreditado, um menino nômade simples foi transformado em um peão político e religioso. " No entanto, de acordo com a Tsurphu Labrang, artigos de Julian Gearing sobre este assunto são tendenciosos, não foi verificado e sem verificação cruzada de fatos básicos.

CIA apoio

Em outubro de 1998, a administração do Dalai Lama reconheceu que recebeu 1,7 milhões dólares por ano na década de 1960 do governo dos EUA através do Agência Central de Inteligência (CIA). Quando perguntado pelo agente da CIA John Kenneth Knaus, em 1995, se a organização fez uma coisa boa ou ruim em fornecer o seu apoio, o Dalai Lama respondeu que embora ele ajudou a moral daqueles que resistem os chineses ", milhares de vidas foram perdidas na resistência" e, ainda, que "o governo dos EUA havia se envolvido em assuntos de seu país não para ajudar o Tibete, mas apenas como uma tática de guerra fria para desafiar os chineses."

Laços com a ?ndia

O Imprensa chinesa criticou o Dalai Lama por seus estreitos laços com a ?ndia. Seus 2.010 observações no Conferência Internacional budista em Gujarat dizendo que ele era "tibetano na aparência, mas um índio na espiritualidade" e encaminhamento para si mesmo como um "filho da ?ndia", em particular, levou o Diário do Povo para opinar, "Desde que o Dalai Lama considera-se um índio ao invés de chinês, então por que ele está habilitado a representar a voz do povo tibetano?" Dhundup do Gyalpo Tibet Sun disparou de volta que a religião tibetana poderia ser rastreada até Nalanda na ?ndia, e que os tibetanos não têm ligação para Chinês "apart ... a partir de um punhado de pratos culinários". O Diário do Povo destacou os vínculos entre Budismo chinês e Budismo tibetano e acusou o Dalai Lama de "trair sul do Tibete para a ?ndia ". Dois anos antes, em 2008, o Dalai Lama disse pela primeira vez que o território, que a ?ndia reivindica como parte de Arunachal Pradesh, é parte da ?ndia, citando o contestado 1914 Simla Accord.

Imagem pública

Sua Santidade reunião com o presidente americano Barack Obama em 2011.

Apelo do Dalai Lama é diversamente atribuída à sua personalidade carismática, fascínio internacional com o budismo, o seu valores universalistas, simpatia internacional para os tibetanos, e ocidental sinophobia. Na década de 1990, muitos filmes foram lançados pela Indústria cinematográfica norte-americana sobre o Tibete, incluindo biografias do Dalai Lama. Isto é atribuído a ambos 1,989 Prêmio Nobel da Paz do Dalai Lama, bem como para a euforia após a Queda do comunismo. Os filmes mais notáveis, Kundun e Sete Anos no Tibete (ambos lançados em 1997), retratou "um idílico pré-1950 Tibet, com um sorriso, de fala mansa Dalai Lama no comando - um Dalai Lama jurado não-violência ": representações do governo chinês acusado de a-histórica. Um funcionário Sul Africano criticou publicamente a política do Dalai Lama e lamentou um tabu na crítica a ele, dizendo: "Para dizer nada contra o Dalai Lama é, em alguns setores, o equivalente a tentar atirar Bambi ".

Críticos da cobertura da mídia de notícias e entretenimento da carga polêmica que feudal Tibet não foi tão benevolente como popularmente retratado. O código penal antes de 1913 incluiu formas de judicial mutilação e pena capital para impor um sistema social controversa descrito como escravidão e servidão. Em resposta, o Dalai Lama concordou muitas das práticas do Tibete necessária reforma de idade. Seu antecessor tinha proibido punições extremas e à pena de morte. E ele tinha começado algumas reformas, como a remoção de herança da dívida durante os primeiros anos de seu governo sob a República Popular da China em 1951.

O Dalai Lama tem sua própria página no Facebook .

Recepção Internacional

O Dalai Lama tem sido bem sucedida em ganhar a simpatia ocidental para si e para a causa de uma maior autonomia ou a independência tibetana, incluindo o apoio vocal de várias celebridades de Hollywood, mais notavelmente os atores Richard Gere e Steven Seagal, bem como legisladores de vários países importantes.

Prêmios e honras

O Dalai Lama receber um Medalha de Ouro do Congresso em 2007. A partir da esquerda: Speaker Nancy Pelosi, presidente pro tempore do Senado Robert Byrd e presidente dos EUA, George W. Bush
O Medalha de Ouro do Congresso foi adjudicado à Tenzin Gyatso em 2007.

O Dalai Lama recebeu inúmeros prêmios ao longo de sua carreira espiritual e político. Em 1959, ele recebeu o Ramon Magsaysay Award para a liderança comunitária. Em 22 de junho de 2006, ele se tornou um dos apenas cinco pessoas de sempre a ser reconhecida com Cidadania Honorária pela Governador Geral do Canadá. Em 28 de maio de 2005, ele recebeu o Natal Award Humphreys do Buddhist Society, no Reino Unido. Após os protestos da Praça de Tiananmen de 1989 , o Comitê Norueguês do Nobel concedeu ao Dalai Lama a 1989 Prêmio Nobel da Paz . O Comité deu oficialmente o prêmio ao Dalai Lama para "a luta da libertação do Tibete e os esforços para uma resolução pacífica" e "em parte um tributo à memória de Mahatma Gandhi", embora o presidente da Comissão disse também que o prêmio foi destinado a exercer pressão sobre a China, que foi alegadamente enfureceu que o prêmio foi dado a um separatista. O Dalai Lama foi um destinatário do 2007 Congressional Gold Medal, a mais alta condecoração civil concedida pelos legisladores americanos. Em 2012, o Dalai Lama recebeu o Prêmio Templeton. Mais tarde, ele doou todo o dinheiro do prêmio para uma instituição de caridade indiana, Save the Children.

Aposentadoria

Viena, ?ustria, em 2012.

Em maio de 2007, Chhime Rigzing, um porta-voz sênior para seu escritório, afirmou que o Dalai Lama estava se mudando para "aposentadoria", mas em 2008 o próprio Dalai Lama descartou tal movimento, dizendo que "Não há ... questão da aposentadoria." Rigzing afirmou: "A liderança política serão transferidos durante um período de tempo, mas ele continuará inevitavelmente a ser o líder espiritual". O Dalai Lama anunciou que ele gostaria que o Parlamento tibetano no exílio a ter mais responsabilidade sobre a Administração Central Tibetana.

Em resposta à agitação tibetana de 2008, em 18 de Março de 2008, o Dalai Lama ameaçou demitir-se, o que seria uma primeira vez para um Dalai Lama. Assessores mais tarde esclareceu que esta ameaça foi baseada em uma nova escalada de violência, e que ele não tem no momento a intenção de deixar os seus cargos políticos ou espirituais.

A Arte da Felicidade no Trabalho, em co-autoria com Howard C. Cutler, MD, Riverhead, 2003, ISBN 978-1-59448-054-6

  • Der Weg des Herzens. Gewaltlosigkeit und Dialog zwischen den Religionen (O Caminho do Coração: A não-violência e do diálogo entre as religiões) , em co-autoria com Eugen Drewermann, PhD, Patmos Verlag, 2003, ISBN 978-3-491-69078-3
  • The Wisdom of Forgiveness: conversas íntimas e Journeys, em co-autoria com Victor Chan, Livros Riverbed, 2004,ISBN 978-1-57322-277-8
  • A Nova Física e Cosmologia: Diálogos com o Dalai Lama , editado por Arthur Zajonc, com contribuições de David Finkelstein, George Greenstein, Piet Hut, Tu Wei-ming, Anton Zeilinger, B. Alan Wallace e Thupten Jinpa, Oxford University Press, 2004, ISBN 978-0-19-515994-3
  • O Universo em um Átomo Único: A Convergência da Ciência e Espiritualidade, Morgan Estrada Books, 2005,ISBN 978-0-7679-2066-7
  • Como Expandir Love: ampliar o círculo dos Relacionamentos Amorosos, traduzido e editado por Jeffrey Hopkins,Atria Books, 2005,ISBN 978-0-7432-6968-1
  • Viver com sabedoria Sua Santidade o Dalai Lama, com Don Farber,Sounds True, 2006,ISBN 978-1-59179-457-8
  • Ocupe-se em conforto e facilidade: The Vision of Enlightenment na Grande Perfeição, comPatrick Gaffney,Matthieu Ricard eRichard Barron,Wisdom Publications, 2007,ISBN 978-0-86171-493-3
  • Caminho do Líder, co-autoria com Laurens van den Muyzenberg,Nicholas Brealey Publishing, 2008,ISBN 978-1-85788-511-8
  • Como Praticar: O Caminho para uma vida significativa, traduzido e editado por Jeffrey Hopkins,ISBN 978-0-7434-5336-3
  • Kalachakra Tantra: Rito de Iniciação, editado por Jeffrey Hopkins, Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-151-2
  • O Bom Coração: Uma Perspectiva Budista sobre os ensinamentos de Jesus, traduzido por Geshe Thupten Jinpa, Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-138-3
  • Abrindo o Olho de Nova Consciência, Traduzido por Donald S. Lopez, Jr., Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-155-0
  • Imagine todas as pessoas: Uma conversa com o Dalai Lama em dinheiro, política e vida como poderia ser, em co-autoria com Fabien Ouaki, Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-150-5
  • Um coração aberto , editado por Nicholas Vreeland; Little, Brown; ISBN 978-0-316-98979-4
  • Praticar Sabedoria: A Perfeição do Bodhisattva Caminho de Shantideva, traduzido por Geshe Thupten Jinpa, Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-182-6
  • Retrato tibetano: O Poder da Compaixão, fotografias porPhil Borges com provérbios por Tenzin Gyatso.ISBN 978-0-8478-1957-7
  • O Coração da Compaixão: Uma Abordagem Prática para uma vida significativa,Twin Lakes, Wisconsin: Lotus Press,ISBN 978-0-940985-36-0
  • Meu Tibet, em co-autoria com o fotógrafoGalen Rowell,ISBN 978-0-520-08948-8
  • Sono, sonho, e morrendo, editada porFrancisco Varela, Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-123-9
  • Como ver-se como realmente é, traduzido e editado por Jeffrey Hopkins,ISBN 978-0-7432-9045-6
  • MindScience: Um Diálogo Leste-Oeste, com contribuições deHerbert Benson,Daniel Goleman,Robert Thurman, eHoward Gardner, Publicações de Sabedoria,ISBN 978-0-86171-066-9
  • O poder do budismo, em co-autoria comJean-Claude Carriere,ISBN 978-0-7171-2803-7
  • Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=14th_Dalai_Lama&oldid=543996528 "