Conteúdo verificado

Adi Shankara

Assuntos Relacionados: figuras e líderes religiosos

Informações de fundo

Arranjar uma seleção Wikipedia para as escolas no mundo em desenvolvimento sem internet foi uma iniciativa da SOS Children. Antes de decidir sobre o patrocínio de uma criança, por que não aprender sobre as diferentes instituições de caridade de patrocínio primeiro ?

Adi Shankaracharya

Adi Shankara com Disciples, por Raja Ravi Varma (1904)
Nascido Shankara
788 CE
Kaladi, Chera Unido
hoje Kerala , ?ndia
Morreu CE 820
Kedarnath, Pala Império
dias de hoje Uttarakhand, ?ndia
Guru Govinda Bhagavatpada
Filosofia Advaita Vedanta

Adi Shankara (oito do início do século CE), pronuncia- [ADI ɕəŋkəɾə], também conhecida como ADI Śaṅkarācāri, Śaṅkara Bhagavatpādācārya e Adi Śaṅkarācārya era um filósofo indiano de Kaladi no dia de hoje Eranakulam distrito, Kerala que consolidasse a doutrina de Advaita Vedanta.

Suas obras em sânscrito estabelecer a doutrina da advaita, a unidade da ātman e brahman nirguna, brahman, sem atributos. Suas obras elaborar sobre idéias encontradas na Upanishads. Ele escreveu comentários copiosas sobre o cânone védica ( Brahma Sutra, Upanishads principais e Bhagavad Gita) em apoio da sua tese.

O principal adversário em seu trabalho é a Mimamsa escola de pensamento, embora ele também oferece argumentos contra os pontos de vista de algumas outras escolas como Samkhya e certas escolas de budismo .

Shankara viajou por todo o Subcontinente indiano para propagar sua filosofia através de discursos e debates com outros pensadores. Ele estabeleceu a importância da vida monástica como é permitido no Upanishads e Brahma Sutra, em um momento em que a Escola Mimamsa estabelecido rigoroso ritualismo e ridicularizado monaquismo. Ele é conhecido por ter fundado quatro mathas ("monastérios"), que ajudaram no desenvolvimento histórico, renascimento e propagação de Advaita Vedanta de que ele é conhecido como o maior revivalista. Adi Shankara é acreditada para ser o organizador do Dashanami ordem monástica e fundador da Shanmata tradição de adoração.

Biografia

Nascimento

Datas

Várias datas diferentes têm sido propostos para Shankara:

  • 788-820 CE: Esta é a opinião acadêmica mainstream, colocando Shankara em meados de final de oitavo século EC. Estas datas são baseadas em registros no Śṛṅgeri Sarada pitha, que é a única matha ter mantido um registro relativamente ininterrupta de sua Acharyas; a partir do terceiro Acharya, uma lata com data razoável confiança que os outros a partir do século 8 até o presente. Os registros Sringeri afirmar que Shankara nasceu no ano 14 do reinado de "Vikramaditya", mas não está claro como a que o rei deste nome se refere. Embora alguns pesquisadores identificar com o nome Chandragupta II (4. C. CE), estudos modernos aceita a Vikramaditya como sendo da Chalukya de Badami, o mais provável Vikramaditya II (733-746 dC), o que o colocaria no meio do 8º c. Max Muller, MacDonnel, Pathok, Deussen e Radhakrishnan todos aceitam as datas 788-820 CE. A data 788-820 também está entre aqueles considerados aceitáveis pela Swami Tapasyananda, embora ele levanta uma série de perguntas.
  • 509-477 BCE: O namoro, mais de um milênio antes de todos os outros, é baseado em registros dos chefes da Shankara Matha sa Dvaraka e Pitha Govardhana matha eo quinto Peetham em Kanchi. No entanto, a sucessão de acharyas nestes dois mathas foram muitas vezes interrompidas por realidades geopolíticas e esses registros não são considerados tão confiável quanto a cronologia Sringeri. Além disso, uma data tão cedo estaria em conflito com muito mais na cronologia indiana. De acordo com esses modelos revisionistas, estas são as datas reais, e é outras datas colaterais, como a data de Gautama Buda (que serve como uma âncora para a história acadêmica moderna da ?ndia), que precisam ser movidos de volta. No entanto, uma data tão cedo não é consistente com o fato de que Sankara cita o lógico budista Dharmakirti, que encontra mencionar em Xuanzang (7º c.). Além disso, seu quase-contemporâneo Kumarila Bhatta é geralmente datada de ca. 8 c. CE. A maioria dos estudiosos acham que devido a invasões e outras descontinuidades, os registros dos mathas Dwaraka e Govardhana não são tão confiáveis como os de Sringeri. Assim, enquanto existe um debate considerável, as datas era pré-cristã são normalmente descontado, eo período mais provável para Shankara é durante a 8ª c. CE.
  • 44-12 BCE: Anandagiri acreditava que ele nasceu em Chidambaram em 44 aC e morreu em 12 aC.
  • 6º século CE: Telang o colocou neste século. Sir RG Bandarkar acreditava que ele nasceu em 680 dC.
  • 805-897 CE: AD não Venkiteswara única coloca Adishankara mais tarde do que a maioria, mas também tinha a opinião de que não teria sido possível para ele ter alcançado todas as obras rateados com ele, e tem-lo viver 92 anos.

Casta

Adi Sankara era filho de Sivaguru e Śhivatārakā (Aryamba), que pertencia à Vishwakarma e Nambudiri brâmanes.

Sankaracharya foi contemporâneo do grande santo Tamil Kulashekhara Alwar que também era um Chera rei.

Infância

O local de nascimento de Adi Shankara em Kalady
Adi Sankara Keerthi Sthampa Mandapam, Kalady, Kerala

Shankara nasceu em Kaladi na atual Kerala central, o antigo reino do Tamil Cheras. Segundo a lenda, foi depois que seus pais, que tinham sido por muitos anos sem filhos, rezavam no Vadakkunnathan templo, Thrissur, que Shiva apareceu para ambos, marido e mulher em seus sonhos, e ofereceu-lhes uma escolha: um filho medíocre que iria viver uma vida longa, ou um filho extraordinário que não viveria por muito tempo. Ambos os pais escolheu o último; assim nasceu um filho para eles. Ele foi nomeado Shankara (sânscrito, "doador da felicidade"), em honra de Shiva (um de cujos epítetos é Shankara). Seu pai morreu quando Shankara era muito jovem. Shankara de Upanayanam., a iniciação à estudante de vida, teve de ser adiada devido à morte de seu pai, e foi então realizada por sua mãe. Como uma criança, Shankara mostrou notável erudição, dominar a quatro Vedas por oito anos de idade.

Sannyasa

Na idade de 8, Shankara estava inclinado para sannyasa, mas foi só depois de muita persuasão de que sua mãe finalmente deu o seu consentimento. Ele só recebeu o seu consentimento de uma forma muito interessante. Ao banhar-se no rio Poorna um dia, um crocodilo agarrou sua perna. Shankara apelou para sua mãe, que tinha chegado a Poorna, pedindo permissão para se tornar um sanyasi. Sua mãe finalmente deu consentimento, só para ter o crocodilo soltou jovem Shankara. Um crocodilo nunca tinha sido encontrado em Poorna desde Shankara, em seguida, deixou Kerala e viajou em direção Norte da ?ndia em busca de uma guru. Nas margens do Rio Narmada, ele conheceu Govinda Bhagavatpada o discípulo de Gaudapada em Omkareshwar. Quando Govinda Bhagavatpada pediu a identidade de Shankara, ele respondeu com um verso de improviso que trouxe o Filosofia Advaita Vedanta. Govinda Bhagavatapada ficou impressionado e levou Shankara como seu discípulo.

O guru instruído Shankara para escrever um comentário sobre o Brahma Sutras e propagar a filosofia Advaita. Shankara viajou para Kashi , onde um jovem chamado Sanandana, vindos de Chola território em Sul da ?ndia, tornou-se seu primeiro discípulo. Segundo a lenda, quando se dirigia para o Vishwanath Temple, um intocável acompanhado por quatro cães veio na forma de Sankara. Quando pediu para mover de lado por discípulos de Shankara, o intocável respondeu: "Você quer que eu passo o meu nunca duradoura Ātman ("o Self"), ou este corpo feito de carne? "Percebendo que o intocável não era outro senão deus Shiva si mesmo, e seus cães a quatro Vedas, Shankara prostrou-se diante dele, compondo cinco shlokas conhecido como Manisha Panchakam.

Em Badari ele escreveu seu famoso Bhashyas ("Comentários") e granthas Prakarana ("tratados filosóficos").

Encontro com Mandana Mishra

Sharada Peeth (Sarvajnapeetha) templo, agora em Caxemira administrada pelo Paquistão

Um dos mais famosos debates de Adi Shankara foi com o ritualista Mandana Misra. Mandana Misra realizada a visão de que a vida de um chefe de família era muito superior ao de um monge. Este ponto de vista foi amplamente compartilhada e respeitada por toda a ?ndia naquela época. Assim, teria sido importante para Adi Shankara para debater com ele. Guru de Madana Mishra foi o famoso filósofo Mimamsa, Kumarila Bhatta. Sankara procurou um debate com Kumarila Bhatta e conheci em Prayag onde ele próprio tinha enterrado em uma pira queima lenta para se arrepender pelos pecados cometidos contra o seu guru: Kumarila Bhatta tinha aprendido Filosofia budista de seu guru budista sob falsos pretextos, a fim de ser capaz de refutá-la. Aprender qualquer coisa sem o conhecimento de seu guru, ainda sob a sua autoridade constitui um pecado de acordo com os Vedas. Kumarila Bhatta, assim, pediu Adi Shankara para avançar para Mahismati para atender Mandana Misra e debate com ele em seu lugar. (Mahishmati fica às margens do sagrado rio -... Narmada, em Madhya Pradesh Mahishmati é agora conhecido como Mandala Mandala encontra menção na literatura Pauranic como a capital do Sahasrabahu Kartyaveer Arjun que tinha obstruído o rio por seus mil braços por seu brincando, em sua capital Mahishmati),

Após debater por mais de 15 dias, com Mandana Misra 's esposa Ubhaya Bharati na qualidade de árbitro, Mandana Misra aceitou a derrota. Ubhaya Bharati, em seguida, desafiou Adi Shankara ter um debate com ela, a fim de "completar" a vitória. Ela perguntou-lhe perguntas relacionadas com o congresso sexual entre homem e mulher - um assunto em que Shankaracharya não tinha conhecimento, desde que ele era um verdadeiro celibato e sannyasi. Sri Shankracharya pediu um "recesso" de 15 dias. De acordo com lenda, ele usou a arte de "para-kaya pravesa" (o espírito deixando o próprio corpo e entrando de outro) e saiu de seu próprio corpo, que perguntou aos seus discípulos para cuidar, e psiquicamente entrou no corpo morto de um rei . A história diz que a partir de duas esposas do rei, ele adquiriu todo o conhecimento da "arte de amar". As rainhas, emocionado com o intelecto aguçado e robusto amor-making of do "reviveu" King, deduziu que ele não era o seu marido, como antigamente. A história continua que eles enviaram seus factotums para "olhar para o corpo sem vida de um jovem sadhu e para cremar-lo imediatamente", para que o seu "rei" (Shankracharya no corpo do rei) continuaria a viver com eles. Assim como os retentores empilhados corpo sem vida de Shankracharaya sobre uma pira e estavam prestes a atear fogo a ele, Shankara entrou em seu próprio corpo e recuperou a consciência. Finalmente, ele respondeu todas as perguntas que lhe foram colocadas por Ubhaya Bharati; e ela permitiu Mandana Misra para aceitar sannyasa com o nome monástico Sureśvarācārya, conforme o acordado regras do debate.

Passeio filosófico

Sharada no templo Sringeri Sharada Peetham, Sringeri

Adi Shankara, em seguida, viajou com os seus discípulos para Maharashtra e Srisailam. Em Srisailam, compôs Shivanandalahari, um hino devocional em louvor a Shiva. O Madhaviya Shankaravijayam diz que quando Shankara estava prestes a ser sacrificado por um Kapalika, o deus Narasimha apareceu para salvar Shankara em resposta a A oração de Padmapadacharya a ele. Como resultado, Adi Shankara compôs a stotra Laksmi-Narasimha.

Sarvajna Peetha, sobre Kodachadri pico, próximo Kollur onde Adi Shankara é acreditada para ter meditado

Ele então viajou para Gokarna, o templo de Hari-Shankara ea Templo Mūkambika em Kollur. No Kollur, ele aceitou como seu discípulo um menino acreditava ser mudo por seus pais. Ele deu-lhe o nome, Hastāmalakācārya ("um com o amalaka fruta na palma da mão ", ou seja, aquele que tem claramente realizou o Ser). Em seguida, ele visitou Sringeri para estabelecer o Sarada pitham e fez Sureśvarācārya seu discípulo.

Depois disso, Adi Shankara começou uma "tour de conquista"-vijaya Dig para a propagação da filosofia Advaita por controverter todas as filosofias opostas a ela. Ele viajou por toda a ?ndia, do sul da ?ndia para Kashmir e Nepal, pregando para a população local e debatendo filosofia com hindus, budistas e outros estudiosos e monges ao longo do caminho.

Com o Malayali Rei Sudhanva como companheiro, Shankara passou por Tamil Nadu, Andhra Pradesh e Vidarbha. Ele então começou a direcção Karnataka, onde ele encontrou um grupo de armado Kâpâlikas. Rei Sudhanva, com seus Nairs, resistiu e derrotou o Kâpâlikas. Eles chegaram com segurança Gokarna onde Shankara derrotado no debate a Estudioso Shaiva, Neelakanta.

Prosseguindo para Saurashtra (a antiga Kambhoja) e tendo visitado os santuários de Girnar, Somnath e Prabhasa e explicar a superioridade da Vedanta em todos esses lugares, ele chegou ao Dwarka. Bhatta Bhaskara de Ujjayini, o proponente da filosofia Bhedābeda, foi humilhado. Todos os estudiosos da Ujjayini (também conhecido como Avanti) aceitou a filosofia de Adi Shankara.

Em seguida, ele derrotou o Jainistas em debates filosóficos em um lugar chamado Bahlika. Depois disso, o Acharya estabeleceu sua vitória sobre vários filósofos e ascetas em Kamboja (região de North Caxemira ), Darada e muitas regiões situadas no deserto e que cruzam poderosos picos, entrou Caxemira. Mais tarde, ele teve um encontro com um tântrico, Navagupta em Kamarupa.

Adesão à Sarvajnapitha

?dolo da Adi Shankara em seu Samadhi Mandir, atrás Kedarnath Temple, em Kedarnath, ?ndia

Adi Sankara visitou Sarvajñapīṭha ( Sharada Peeth) na Caxemira (agora em POK, Paquistão). Os Madhaviya Shankaravijayam estados esta templo tinha quatro portas para os estudiosos dos quatro pontos cardeais. A porta sul (representando sul da ?ndia) nunca tinha sido aberta, indicando que nenhum estudioso do sul da ?ndia tinha entrado no Sarvajna Pitha. Adi Shankara abriu a porta do sul ao derrotar no debate todos os estudiosos há em todas as várias disciplinas escolares, tais como Mimamsa, Vedanta e outros ramos da Filosofia hindu; ele ascendeu ao trono da sabedoria transcendente daquele templo.

Para o fim de sua vida, Adi Shankara viajou para a área de Himalayan de Kedarnath- Badrinath e alcançou mukti videha ("liberdade de incorporação"). Há um Samadhi Mandir dedicado a Adi Shankara atrás do templo Kedarnath. No entanto, existem tradições variantes sobre a localização de seus últimos dias. Uma tradição, exposta por Keraliya Shankaravijaya, coloca seu local de mahasamadhi (deixando o corpo) como Templo Vadakkunnathan em Thrissur, Kerala. Os seguidores do Kanchi kamakoti pitha afirmam que ele subiu ao Sarvajñapīṭha e alcançou mukti videha em Kanchipuram ( Tamil Nadu).

Mathas

(Templo Vidyashankara) a Sringeri Sharada Peetham, Shringeri

Adi Sankara fundou quatro Mathas (sânscrito: मठ) para orientar a religião hindu. Estas são em Sringeri em Karnataka, no sul, Dwaraka em Gujarat, no oeste, Puri em Odisha, no leste, e Jyotirmath (Joshimath) em Uttarakhand, no norte. Tradição hindu afirma que ele colocou no comando dessas mathas seus quatro discípulos principais: Suresvara, Hastamalakacharya, Padmapada, e Totakacharya respectivamente. As cabeças dos mathas traçar sua autoridade de volta para estes números. Cada um dos chefes dessas quatro mathas leva o título de Shankaracharya (o "Shankara aprendido") após a primeira Shankaracharya. A tabela abaixo dá uma visão geral dos quatro Mathas Amnaya fundada por Adi Sankara e seus detalhes.

Shishya Direção Matha Mahavakya Veda Sampradaya
Hastāmalakācārya Leste Govardhana pitham Prajnanam brahma (Brahman é Conhecimento) Rig Veda Bhogavala
Suresvara Sul Sarada pitham Brahmasmi Aham (Eu sou Brahman) Yajurveda Bhūrivala
Padmapada Ocidente Dvaraka pitham Tattvamasi (que tu és) Sama Veda Kitavala
Toṭakācārya Norte Jyotirmaṭha pitham Ayamātmā brahma (Este Atman é Brahman) Atharva Veda Nandavala

Depois de estabelecer estes 4 mathas, o próprio Adi Shankara ocupada Sarvajna Peetha -o Trono de onisciência em Kanchi.

De acordo com a tradição em Kerala, depois de samadhi de Sankara em Vadakkunnathan Temple seus discípulos fundaram quatro mathas em Thrissur, ou seja, Naduvil Madhom, Thekke Madhom, Idayil Madhom e Vadakke Madhom.

Filosofia e pensamento religioso

Advaita ("não-dualismo") é muitas vezes chamado de sistema monista de pensamento. A palavra "Advaita" refere-se essencialmente à identidade do Self ( Atman) ea Whole ( Brahman ). Advaita Vedanta diz que a uma entidade imutável (Brahman) só existe, e que a mudança de entidades não tem existência absoluta, tanto como ondas do oceano não têm existência na separação do oceano. Os textos-fonte-chave para todas as escolas do Vedanta são o -Os Prasthanatrayi textos canônicos que consistam na Upanishads, o Bhagavad Gita eo Brahma Sutras.

Adi Shankara foi o primeiro na tradição para consolidar o siddhanta ("doutrina") de Advaita Vedanta. Ele escreveu comentários sobre a Prasthana Trayi. A famosa citação de Vivekacūḍāmaṇi, um de seus granthas prakarana que sucintamente resume sua filosofia é:

Brahma Satyam jagat mithyā, jīvo Brahmaiva nāparah

Brahman é a única verdade, o mundo espaço-temporal é uma ilusão, e definitivamente não há diferença entre Brahman e Atman (individual auto).

Advaita Vedanta baseia-se śāstra ("escrituras"), Yukti ("razão") e anubhava ("experiência"), e auxiliado por karmas ("práticas espirituais"). Esta filosofia fornece uma maneira clara de vida a ser seguido. A partir da infância, quando a aprendizagem tem de começar, a filosofia tem de ser realizada na prática ao longo da vida de alguém, mesmo até a morte. Esta é a razão por que esta filosofia é chamado de filosofia, o princípio subjacente experiencial sendo "Isso és tu", significando que, em última análise, não há diferença entre o experimentador eo experiente (o mundo), bem como o espírito universal ( Brahman ). Entre os seguidores de Advaita, bem como aqueles de outras doutrinas, não são acreditados para ter aparecido Jivanmuktas, queridos libertado enquanto vivo. Estes indivíduos (comumente chamados Mahatmas, grandes almas, entre Hindus) são aqueles que perceberam a unicidade de sua auto eo espírito universal chamado Brahman.

Bhashyas de Adi Shankara (comentários) sobre a Upanishads, o Bhagavad Gita eo Brahma Sutras são as suas principais obras. Embora a maioria aderiu aos meios tradicionais de comentar sobre o Brahma Sutra, há uma série de idéias originais e argumentos para demonstrar que a essência do Upanishads é Advaita. Ele ensinou que era apenas com o conhecimento direto que se pode perceber Brahman . "A percepção do facto de que o objecto é visto de uma corda irá remover o medo e dor que resulta da ideia ilusória que é uma serpente". Citado a partir de Shankara "Vivekachuudaamani" / verso nº 12 / traduzido por Mohini M Chatterji. Essa metáfora foi emprestado de Yogacara budistas pensadores, que o usaram em um contexto diferente.

Os oponentes da Adi Shankara acusou-o de ensinar o budismo com a roupagem do hinduísmo, porque seus ideais não-dualistas parecia bastante radical de filosofia hindu contemporâneo, e por isso ele ganhou o título de "pracchannabauddha". Ele elogiou ainda o Buda como o "imperador dos iogues na Era de Kali." No entanto, embora Advaita propõe a teoria de Maya, explicando o universo como um "truque de um mágico", Adi Sankara e seus seguidores vêem isso como uma conseqüência de sua premissa básica de que Brahman sozinho é real. Sua idéia de Maya emerge de sua crença na realidade de Brahman, em oposição às doutrinas budistas de vazio, que emergem da abordagem empírica budista de observar a natureza da realidade.

Impacto histórico e cultural

Por causa de sua unificação das duas doutrinas filosóficas aparentemente díspares, Atman e Brahman , os ocidentais que sabem sobre ele percebê-lo como o " Santo Tomás de Aquino do pensamento indiano "e" a personalidade mais brilhante na história do pensamento indiano. "

Na época da vida de Adi Shankara, hinduísmo foi aumentando em influência na ?ndia em detrimento de Budismo e Jainismo. Hinduísmo foi dividido em inúmeras seitas, cada brigar com os outros. Os seguidores de Mimamsa e Filosofia Sankhya eram ateus, de modo que eles não acreditam em Deus como um ser unificado. Além desses ateus houve numerosas seitas teístas. Havia também aqueles que rejeitaram os Vedas, como o Charvakas.

Adi Shankara realizada discursos e debates com os principais estudiosos de todas essas seitas e escolas de filosofia de contradizer suas doutrinas. Ele unificou as seitas teístas em um quadro comum de Sistema Shanmata. Em suas obras , Adi Shankara salientou a importância dos Vedas, e seus esforços ajudaram hinduísmo recuperar a força e popularidade. Muitos traçar o presente proeminência mundial de Vedanta as suas obras. Ele viajou a pé a várias partes da ?ndia para restaurar o estudo do Vedas.

Mesmo que ele viveu apenas 32 anos o seu impacto na ?ndia e no Hinduísmo era impressionante. Ele reintroduziu uma forma mais pura de Pensamento védico. Seus ensinamentos e tradição formam a base de Smartism e ter influenciado Linhagens Sant Mat. Ele é a figura principal na tradição de Advaita Vedanta. Ele foi o fundador do Dasanami sampradaya de Hindu monaquismo e Ṣaṇmata de Smarta tradição. Ele introduziu o Pañcāyatana forma de adoração.

Adi Shankara, juntamente com Madhva e Ramanuja, foi fundamental para o renascimento do hinduísmo. Estes três professores formaram as doutrinas que são seguidas por suas respectivas seitas até hoje. Eles têm sido as figuras mais importantes na história recente da Filosofia hindu. Em seus escritos e debates, forneceram polêmica contra as escolas não-Vedânticos de Sankhya, Vaisheshika etc. Assim que abriu o caminho para Vedanta ser a tradição dominante e mais amplamente seguido entre as escolas da filosofia hindu. A escola Vedanta salienta mais sobre o Upanishads (que são eles próprios chamados Vedanta, End ou culminação do Vedas), ao contrário das outras escolas que deram importância à ritualística Brahmanas, ou textos de autoria de seus fundadores. As escolas de Vedanta sustentam que os Vedas (que incluem os Upanishads) são unauthored, formando uma tradição contínua de sabedoria transmitida oralmente. Assim, o conceito de apaurusheyatva ("ser unauthored") passou a ser a força condutora por trás das escolas de Vedanta. No entanto, juntamente com salientando a importância da védica tradição, Adi Shankara deu igual importância à experiência pessoal do aluno. Lógica, gramática, Mimamsa e assuntos afins formar principais áreas de estudo em todas as escolas de Vedanta.

Quanto meditação, Shankara refutou o sistema de Yoga e suas disciplinas como um meio direto para atingir moksha, rebatendo o argumento de que ele pode ser obtido através da concentração da mente. Sua posição é que os estados mentais descobertas através das práticas de Yoga pode ser ajudas indirectas para o ganho de conhecimento, mas não podem se dar origem a ele. De acordo com sua filosofia, conhecimento de Brahman brota do inquérito sobre as palavras dos Upanishads, eo conhecimento de Brahman que shruti proporciona não pode ser obtida de qualquer outra forma. Tem que ser notado que é geralmente considerado que, para Shankara a Realidade Absoluta é sem atributos e impessoal, enquanto que para Madhava e Ramanuja, a Verdade Absoluta é Vishnu . Este tem sido um tema de debate, interpretação e controvérsia desde o próprio Shankara é atribuída a compor a composição devocional Hindu século 8 populares Bhaja Govindam (significado literal, "Worship Govinda"). Este trabalho de Adi Shankara é considerado como um bom resumo do Advaita Vedanta e ressalta a visão de que a devoção a Deus, Govinda, não é apenas uma parte importante da espiritualidade em geral, mas as unidades verso de conclusão por meio da mensagem de Shankara: "Adoração Govinda, adoração Govinda, adoração Govinda, Oh tolo! Diferente do cantar dos nomes do Senhor, não há outra maneira de atravessar o mar da vida ". Bhaja Govindam invoca o todo-poderoso no aspecto de Vishnu; portanto, é muito popular não só com os seguidores imediatos de Sri Adi Shankaracharya, o Smarthas, mas também com Vaishnavas e outros.

Um verso conhecido, recitado na tradição Smarta, em louvor de Adi Shankara é:

श्रुतिस्मृतिपुराणानामालयं करुणालयम् |
नमामि भगवत्पादशंकरं लोकशङ्करम् ||
Śruti smṛti purāṇānāṃālayaṃ karuṇālayaṃ |
Namāmi Bhagavatpādaśaṅkaraṃ lokaśaṅkaraṃ ||
Saúdo a morada compassivo dos Vedas, Smritis e Puranas conhecidos como Shankara Bhagavatpada, que faz o mundo auspicioso.

Adi Shankara começa sua Gurustotram ou Versos ao Guru com a seguinte sânscrito Sloka, que se tornou um amplamente cantado Bhajan:

Guru Brahma, Vishnu Guru, Guru Deva Maheshwara. Guru Sakshath Parambrahma, Tasmai Shri gurave Namaha.
Tradução: Guru é o criador Brahma, Guru é o preservador Vishnu , Guru é o destruidor Shiva . Guru é diretamente o espírito supremo - Ofereço minhas saudações a este Guru.

O grande filósofo indiano muçulmano Muhammad Iqbal considerava-o um dos maiores pensadores da ?ndia medieval e reconheceu a influência por ele.

Trabalho

As obras de Adi Shankara lidar com o estabelecimento logicamente a doutrina da Advaita Vedanta como ele viu no Upanishads. Ele formula a doutrina de Advaita Vedanta, validando seus argumentos com base em citações do Vedas e outros Escrituras hindus. Ele dá uma grande prioridade à svānubhava ("experiência pessoal") do aluno. Suas obras são em grande parte polêmica na natureza. Ele dirige sua polêmica principalmente contra o Sankhya, Buda, Jaina, Vaisheshika e outros não-Vedantic Filosofias hindus.

Tradicionalmente, suas obras são classificados no bhasya ("comentário"), Prakaraṇa grantha ("tratado filosófico") e Stotra ("hino devocional"). Os comentários servem para dar uma interpretação uniforme dos textos bíblicos a partir da perspectiva de Advaita Vedanta. Os tratados filosóficos fornecer vários metodologias para o aluno a compreender a doutrina. Os hinos devocionais são ricos em poesia e piedade, que serve para destacar a relação entre a devoto eo divindade.

Adi Shankara escreveu Bhashyas sobre a dez major Upanishads, o Brahma Sutras ea Bhagavad Gita. Em suas obras, ele cita Shveshvatara, Kaushitakai, mahanarayana e Jabala Upanishads, entre outros. Bhashyas em Kaushitaki, Nrisimhatapani e Shveshvatara Upanishads são sobrevivente, mas a autenticidade é duvidoso. Adi Shankara é o mais antigo do comentário existente na Brahma Sutras. No entanto, ele menciona comentários mais antigos como os de Dravida, Bhartrprapancha e outros.

No seu Brahma Sutra Bhashya, Adi Sankara cita os exemplos de Dharmavyadha, Vidura e outros, que nasceram com o conhecimento de Brahman adquirido em nascimentos anteriores. Ele menciona que os efeitos não podem ser impedidas de trabalhar por conta de seu nascimento presente. Ele afirma que o conhecimento que surge do estudo da Vedas pode ser tido através do Puranas eo Itihasas. No Taittiriya Upanishad Bhashya 2.2, ele diz:. {{Quote Sarveśāṃ cādhikāro vidyāyāṃ ca śreyaḥ kevalayā vidyāyā veti Siddhaṃ - Foi estabelecido que todos têm o direito ao conhecimento (de Brahman) e que o objectivo supremo é alcançado por esse conhecimento sozinho} }

Adi Shankara, a fim de trazer a unidade entre as várias seitas hindus daqueles tempos, escreveu cinco stotras pancharathnam para cada um dos seguintes divindades principais. As divindades foram Shiva , Vishnu , Shakti, Ganesh e Surya. A idéia era que, se você acredita no Senhor Shiva, você iria cantar Shiva pancharathnam stotra colocando o ídolo de Shiva no centro outros quatro divindades hindus redor dele, dois de cada lado. Da mesma forma, se você acredita em Vishnu, você colocaria Vishnu no centro. Esses cinco são stotras Ganesha e pancharathnam Lalitha pancharathnam.

Alguns acadêmicos ocidentais considerar apenas o Upadeśasāhasrī como uma autêntica obra de Shankara entre as obras filosóficas independentes. Há uma diferença de opinião entre os estudiosos sobre a autoria Viveka Chudamani, embora seja "tão intimamente entrelaçada com a herança espiritual de Sankara que qualquer análise de sua perspectiva, que deixa de considerar [esse trabalho] seria incompleta".

Adi Shankara também escreveu comentários sobre outras obras bíblicas, como a Vixnu Sahasranama eo Sānatsujātiya. Como o Bhagavad Gita, ambos estão contidos no Mahabharata .

Filme

Em 1983, um filme dirigido por GV Iyer nomeado Adi Shankaracharya foi estreada, o primeiro filme feito inteiramente em sânscrito língua em que todas as obras de Adi Shankaracharya foram compilados. O filme recebeu o Prêmio Nacional de Cinema para Melhor Filme, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia e Melhor Audiography.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Adi_Shankara&oldid=542537747 "