Conteúdo verificado

Atlantis

Assuntos Relacionados: Mitos

Informações de fundo

Crianças SOS têm produzido uma seleção de artigos da Wikipedia para escolas desde 2005. SOS mães cada um cuidar de uma família de crianças apadrinhadas .

O mapa de Athanasius Kircher da Atlântida, no meio do Oceano Atlântico. De Mundus Subterraneus 1669, publicada em Amsterdã. O mapa está orientado com o sul na parte superior.

Atlantis (em grego , Ἀτλαντὶς νῆσος, "ilha de Atlas ") é um lendária ilha mencionado pela primeira vez em Platão diálogos 's Timeu e Crítias, escrito cerca de 360 aC. Segundo Platão, a Atlântida foi um mentira poder naval "em frente ao Colunas de Hércules "que conquistaram muitas partes da Europa Ocidental e ?frica 9.000 anos antes do tempo de Solon, ou aproximadamente 9600 aC. Após uma tentativa fracassada de invadir Atenas, Atlantis afundou no oceano "em um único dia e noite de infortúnio".

Estudiosos discutem se e como história ou conta muito de Platão foi inspirada por tradições mais antigas. Em Crítias, Platão afirma que as suas contas da antiga Atenas e Atlantis resultam de uma visita ao Egito pelo legislador ateniense lendário Solon no século 6 aC. No Egito, Solon conheci um sacerdote de Sais, que traduziu a história da antiga Atenas e Atlantis, gravado em papiros em Hieróglifos egípcios, em grego . Alguns estudiosos afirmam Platão inspirou-se em memórias de eventos passados, como o Thera erupção ou a Guerra de Tróia , enquanto outros insistem que ele se inspirou em acontecimentos contemporâneos como a destruição de Helike em 373 aC, ou o fracassado Invasão ateniense da Sicília em 415-413 aC.

A possível existência de uma verdadeira Atlântida foi discutido ao longo antiguidade clássica, mas foi geralmente rejeitadas e, ocasionalmente parodiada por autores posteriores. Alan Cameron afirma: "É somente nos tempos modernos que as pessoas tenham tomado a história da Atlântida sério, ninguém o fez na antiguidade". O Timeu permaneceu conhecido em um Latina rendition por Calcidius através dos Idade Média , eo aspecto alegórico da Atlântida foi retomada por humanistas em obras utópicas de vários Renascença escritores, como Francis Bacon 's Nova Atlântida e Thomas More 's Utopia. Atlantis inspira literatura de hoje, de ficção científica para revistas em quadrinhos para filmes. Seu nome tornou-se sinónimo de toda e qualquer supostas civilizações perdidas pré-históricos avançados.

Relato de Platão

A tradução latina do século 15 de Timeu de Platão

Platão diálogos 's Timeu e Crítias, escrito em 360 aC, contêm as primeiras referências à Atlântida. Por razões desconhecidas, Platão nunca completou Crítias. Platão introduziu Atlantis no Timeu:

Para ela está relacionada em nossos registros como era uma vez o seu Estado suspendeu o curso de um poderoso exército, que, a partir de um ponto distante no oceano Atlântico, foi insolentemente avançar para atacar toda a Europa e ?sia para arrancar. Para o oceano não havia naquele tempo navegável; para na frente da boca, que lhe gregos chamam, como você diz, 'os pilares de Heracles,' lá estava uma ilha que foi maior que a Líbia ea ?sia juntas; e era possível para os viajantes da época a cruzar com ele para as outras ilhas e das ilhas ao conjunto do continente defronte deles, que engloba que verdadeiro oceano. Por tudo o que nós temos aqui, que encontra-se dentro da boca da qual falamos, é, evidentemente, um paraíso com uma entrada estreita; mas que lá é um verdadeiro oceano, eo terreno circundante pode mais ser justamente chamado, no sentido mais pleno e mais verdadeiro, um continente. Agora nesta ilha de Atlântida existiu uma confederação de reis, de grande e maravilhoso poder, que detinham o poder sobre toda a ilha, e ao longo de muitas outras ilhas e também partes do continente.

As quatro pessoas que aparecem nesses dois diálogos são os políticos Crítias e Hermocrates, bem como os filósofos Sócrates e Timeu de Locri, embora apenas Crítias fala de Atlantis. Em suas obras Platão faz uso extensivo da Diálogos socrático a fim de discutir posições contrárias dentro do contexto de uma suposição.

O Timeu começa com uma introdução, seguida por um relato das criações e estrutura do universo e civilizações antigas. Na introdução, Sócrates comenta sobre a sociedade perfeita, descrito em Platão República (c. 380 aC), e se pergunta se ele e seus convidados podem recordar uma história que exemplifica tal sociedade. Crítias menciona um conto supostamente histórico que faria o exemplo perfeito, e segue descrevendo Atlantis como está registrado no Crítias. Em seu relato, antiga Atenas parece representar a "sociedade perfeita" e Atlantis seu oponente, o que representa a própria antítese dos traços "perfeitos" descritos na República.

Crítias

De acordo com Critias, os helênicos deuses de velho dividiu a terra de modo que cada deus pode possuir um monte; Poseidon foi apropriadamente, e de seu agrado, legou a ilha de Atlântida. A ilha era maior do que Líbia antiga e ?sia Menor combinado, mas depois foi afundado por um terremoto e tornou-se um banco de areia lama intransponível, inibindo a viajar para qualquer parte do oceano. Os egípcios, Platão afirmou, descreveu Atlantis como uma ilha que compreende principalmente montanhas nas porções norte e ao longo da costa, e que abrange uma grande planície de uma forma oblonga no sul "que se estende em uma direção de três mil estádios [cerca de 555 km; 345 mi], mas em todo o centro interior que era há dois mil estádios [cerca de 370 km; 230 mi] "Cinquenta estádios [9 km;. 6 mi] a partir da costa era uma montanha que foi baixa em todos os lados ... quebrou-a toda ao redor ... a ilha central em si era cinco estádios de diâmetro [cerca de 0,92 km; 0,57 mi].

No mito de Platão, Poseidon se apaixonou por Cleito, filha de Evenor e Leucippe, que lhe deu cinco pares de gêmeos do sexo masculino. O mais velho dos dois, Atlas, foi feita legítimo rei de toda a ilha e para o mar (chamado de Oceano Atlântico em sua honra), e foi dado a montanha de seu nascimento e os arredores como o seu feudo. Atlas do gêmeo Gadeirus, ou Eumelus em grego, foi dada a extremidade da ilha em direção aos pilares de Hércules. Os outros quatro pares de gêmeos-Ampheres e Evaemon, Mneseus e autóctones, Elasippus e Mestor, e Azaes e Diaprepes-se também dado "regra ao longo de muitos homens, e um grande território."

Poseidon esculpida da montanha onde seu amor habitou em um palácio e fechado com três circular fossos de largura crescente, variando de um a três estádios e separados por anéis de terra proporcionais em tamanho. Os atlantes, então, construiu pontes do norte da montanha, fazendo uma rota para o resto da ilha. Eles cavaram um grande canal para o mar, e ao lado das pontes túneis esculpidos nas argolas de rocha para que os navios poderia passar para a cidade em torno da montanha; eles esculpiram docas das paredes rochosas dos fossos. Cada passagem para a cidade foi guardado por portões e torres, e uma parede rodeado cada um dos anéis da cidade. As paredes foram construídas de rocha vermelho, branco e preto extraído a partir dos fossos, e foram cobertas com latão, estanho e o metal precioso oricalco, respectivamente.

De acordo com Critias, 9.000 anos antes de sua vida uma guerra ocorreu entre aqueles que estão fora das Colunas de Hércules na Estreito de Gibraltar e os que viviam dentro deles. Os atlantes haviam conquistado as partes da Líbia dentro das colunas de Hércules até o Egito eo continente europeu, na medida do Tyrrhenia, e submetido seu povo à escravidão. Os atenienses levou uma aliança de resistências contra o império da Atlântida, e como a aliança se desintegrou, prevaleceu sozinho contra o império, liberando as terras ocupadas.

Mas em um momento posterior ocorreram terremotos e inundações portentosas, e um dia de tristeza e de noite se abateu sobre eles, quando todo o corpo de seus guerreiros foi engolido pela terra, ea ilha de Atlântida na forma como foi engolida pelo mar e desapareceu; Por isso também o oceano naquele local agora se tornou intransitável e insondável, bloqueados pela lama cardume que a ilha criada como se estabeleceu.

O logographer Hellanicus de Lesbos escreveu um trabalho anterior intitulado Atlantis, dos quais apenas alguns fragmentos sobreviver. Trabalho Hellanicus 'parece ter sido um genealógica acerca das filhas de Atlas (Ἀτλαντὶς no meio "de Atlas" gregos), mas alguns autores sugeriram uma possível conexão com a ilha de Platão. John V. Luce observa que, quando ele escreve sobre a genealogia dos reis de Atlântida, Platão escreve no mesmo estilo como Hellanicus e sugere uma semelhança entre um fragmento da obra de Hellanicus e uma conta no Crítias. Robert Castleden sugere Platão pode ter emprestado seu título de Hellanicus, e que Hellanicus pode ter baseado o seu trabalho em um trabalho anterior sobre Atlantis.

Gunnar Rudberg sugeriu que tentativa de Platão para realizar suas idéias políticas na cidade de Siracusa, Sicília poderia ter fortemente inspirado a conta Atlantis.

Interpretações

Antigo

Alguns escritores antigos viram Atlantis como ficção, enquanto outros acreditavam que era real. O filósofo Crantor, um estudante de estudante de Platão Xenocrates, é frequentemente citado como um exemplo de um escritor que pensou que a história seja fato histórico. Sua obra, um comentário sobre Timeu de Platão, está perdido, mas Proclus, um Neoplatonist do século 5 dC, relata ele. A passagem em questão tem sido representado na literatura moderna, quer como alegando que Crantor realmente visitou o Egito, teve conversas com os sacerdotes, e viu os hieróglifos que confirmam a história ou como a reivindicação de que ele aprendeu sobre os de outros visitantes para o Egito. Proclus escreveu:

Como para toda a esta conta dos atlantes, alguns dizem que é a história sem adornos, como Crantor, o primeiro comentarista de Platão. Crantor também diz que os contemporâneos de Platão usado para criticá-lo, brincando, por não ser o inventor de sua República mas copiar as instituições dos egípcios. Platão levou os críticos a sério o suficiente para atribuir aos egípcios esta história sobre os atenienses e atlantes, de modo a torná-los dizer que os atenienses realmente viveu de acordo com esse sistema.

A frase seguinte é muitas vezes traduzida como "Crantor acrescenta que este é testemunhado pelos profetas dos egípcios, que afirmam que estas informações [que são narrados por Platão] são escritos em pilares que ainda estão preservados." Mas, no original, a frase não começa com o nome Crantor mas com a Ele ambígua, e se essa referida Crantor ou para Platão é o assunto do debate considerável. Os defensores de ambos Atlantis como um mito e história Atlantis como têm argumentado que a palavra refere-se a Crantor.

Alan Cameron defende que deve ser interpretada como referindo-se a Platão, e que quando Proclus escreve que "devemos ter em mente a respeito de toda essa façanha dos atenienses, que não é nem um mero mito, nem história sem adornos, embora alguns tomá-lo como história e outros como mito ", ele está tratando" A visão de Crantor como mera opinião pessoal, nada mais; na verdade, ele primeiras citações e, em seguida, descarta-lo como representando um dos dois extremos inaceitáveis ".

Cameron também aponta que se ele se refere a Platão ou para Crantor, a declaração não suporta conclusões tais como Otto Muck do "Crantor veio a Sais e viu ali no templo de Neith a coluna, completamente coberto de hieróglifos, em que a história da Atlantis foi gravado. Scholars traduzido por ele, e ele deu testemunho de que a sua conta concordou plenamente com o relato de Platão sobre a Atlântida "ou sugestão de JV Luce que Crantor enviou" um inquérito especial para o Egito "e que ele pode simplesmente estar se referindo a próprias reivindicações de Platão.

Outra passagem do comentário Proclus "no Timeu dá uma descrição da geografia da Atlantis:

Que uma ilha de tal natureza e tamanho existiu uma vez fica evidente a partir do que é dito por certos autores que investigaram as coisas em torno do mar exterior. Pois de acordo com eles, havia sete ilhas no mar, que em seu tempo, sagrado para Persephone, e também três outros de tamanho enorme, um dos quais era sagrado para Hades, outro para Ammon, e outra entre eles para Poseidon, cuja extensão era mil estádios [200 km]; e os habitantes de it-acrescentam preservada a memória de seus antepassados do imensamente grande ilha de Atlântida, que tinha realmente existido e que durante muitos séculos tinha reinou sobre todas as ilhas no mar Atlântico e que se tinha like-wise sido sagrado para Poseidon. Ora, estas coisas Marcellus escreveu em seu Aethiopica ".

Marcellus permanece não identificado.

Outros historiadores antigos e filósofos que acreditam na existência de Atlantis foram Estrabão e Posidonius.

Um busto de Posidonius.

Relato de Platão da Atlântida também pode ter inspirado imitação paródico: escrever apenas algumas décadas após o Timeu e Crítias, o historiador Theopompus de Chios escreveu de uma terra além do oceano conhecido como Meropis. Esta descrição foi incluído no Livro 8 de seu volumoso Philippica, que contém um diálogo entre o rei Midas e Sileno, um companheiro de Dionísio. Sileno descreve o Meropids, uma raça de homens que cultivam a duas vezes o tamanho normal, e habitam duas cidades na ilha de Meropis (Cos?): Eusebes (Εὐσεβής, "Pio-town") e Machimos (Μάχιμος, "Luta da cidade" ). Ele também relata que um exército de dez milhões de soldados cruzaram o oceano para conquistar Hyperborea, mas abandonou essa proposta quando perceberam que os hiperbóreos foram as pessoas mais sortudas do mundo. Heinz-Günther Nesselrath argumentou que estes e outros detalhes da história Sileno "são entendidas como imitação e exagero da história da Atlântida, com a finalidade de expor as idéias de Platão ao ridículo.

Zoticus, uma Filósofo neoplatônico do século 3 dC, escreveu um poema épico baseado em relato de Platão da Atlântida.

O quarto historiador do século Amiano Marcelino, contando com um trabalho perdido por Timagenes, um historiador escrevendo no século 1 aC, escreve que o Druids de Gália disse que parte dos habitantes da Gália havia migrado lá de ilhas distantes. Alguns entenderam o testemunho de Ammianus como uma afirmação de que no momento do naufrágio real do Atlantis para o mar, seus habitantes fugiram para a Europa Ocidental; mas Ammianus de fato diz que "o Drasidae (Druids) lembrar que uma parte da população é indígena, mas outros também migraram dentro de ilhas e terras além do Reno "(Res Gestae 15,9), uma indicação de que os imigrantes vieram para a Gália do norte (Grã-Bretanha, Holanda ou Alemanha), não a partir de uma localização teorizada no Oceano Atlântico ao sul-oeste. Em vez disso, os celtas que habitavam ao longo do oceano foram relatados para venerar deuses gêmeos ( Dioscori) que lhes apareceu vindo daquele oceano.

Judaica e cristã

O filósofo judeu helenista Philo no início do primeiro século dC, escreveu sobre a destruição do Atlantis em seu Sobre a eternidade do mundo, xxvi. 141:

... E a ilha de Atalantes que foi maior do que a ?frica ea ?sia, como diz Platão no Timeu, em um dia e noite foi esmagada sob o mar em consequência de um terremoto e inundação extraordinário e de repente desapareceu, tornando-se o mar, não de fato navegável, mas cheio de golfos e turbilhões.

Alguns estudiosos acreditam Clemente de Roma enigmaticamente refere o Atlantis em sua Primeira Epístola de Clemente, 20: 8:

... O oceano que é intransitável para os homens, e os mundos além dele, são dirigidos pelos mesmos preceitos do Mestre.

Nesta passagem o teólogo Joseph Barber Lightfoot (. Padres Apostólicos, 1885, II, p 84) observou: "Clemente pode, eventualmente, estar se referindo a algum conhecido, mas terra de difícil acesso, encontrando-se sem os pilares de Hércules Mas, mais provavelmente ele contemplava alguma terra desconhecida no momento. oeste além do oceano, como a lendária Atlântida de Platão ... "

Outros escritores cristãos escreveu sobre Atlantis, apesar de terem opiniões divergentes sobre se existiu uma vez ou era um mito não confiável de origem pagã. Tertuliano acreditava Atlantis já foi real e que escreveu no Oceano Atlântico, uma vez existiu "(a ilha), que foi igual em tamanho à Líbia ou na ?sia" referindo-se a descrição geográfica de Atlantis de Platão. O início escritor apologista cristão Arnobius também acreditava Atlantis existiu uma vez, mas culpou sua destruição em pagãos.

Cosmas Indicopleustes no século 6 escreveu de Atlantis em sua Topografia cristã em uma tentativa de provar sua teoria de que o mundo era plano e cercado por água:

... De modo semelhante, o filósofo Timeu também descreve a Terra como cercado pelo Oceano, e do Oceano como rodeado por terra mais remota. Para ele supõe que há para Westward uma ilha, Atlantis, que encontra-se no mar, na direção de Gadeira (Cadiz), de uma enorme magnitude, e relaciona-se que os dez reis tendo procurado mercenários das nações nesta ilha veio de a terra longe, e conquistou a Europa e ?sia, mas foram posteriormente conquistada pelos atenienses, enquanto que a própria ilha foi submerso por Deus sob o mar. Tanto Platão e Aristóteles elogiar este filósofo, e Proclus escreveu um comentário sobre ele. Ele se expressa pontos de vista semelhantes ao nosso próprio com algumas modificações, transferindo a cena dos acontecimentos a partir do leste para o oeste. Além disso, ele menciona esses dez gerações, bem como que a terra que está além do oceano. E, em uma palavra, é evidente que todos eles emprestado de Moisés, e publicar suas declarações como a sua própria.

A hebraico tratado sobre computacional astronomia datado AD 1378-1379, faz alusão ao mito da Atlântida em uma discussão sobre a determinação dos zero pontos para o cálculo da longitude:

Alguns dizem que eles [as regiões habitadas] começar no início do oceano ocidental [Atlântico] e além. Para nos primeiros tempos [literalmente: os primeiros dias] houve uma ilha no meio do oceano. Havia lá estudiosos, que se isoladas em [a busca da] filosofia. Em seu dia, que foi o [começando para medir] a longitude [s] do mundo habitado. Hoje, tornou-se [coberto pela?] Mar, e é dez graus no mar; e eles contar do início da longitude a partir do início do mar ocidental.
Um mapa mostrando a suposta extensão do Império Atlante. A partir de De Inácio L. Donnelly Atlantis: o Antediluviano Mundo de 1882.

Moderno

Além de Platão conta original 's, interpretações modernas sobre Atlantis são uma amálgama de diversos movimentos especulativos, que começou no século 16. Percepções contemporâneas de raízes partes Atlantis com Mayanism, que podem ser rastreados para o início da Idade Moderna , quando imaginações europeus foram alimentados por seus encontros iniciais com os povos indígenas da Novo Mundo. Deste Sprang época apocalíptico e visões utópicas de que iria inspirar muitas gerações subseqüentes de teóricos.

A maioria destes interpretações são considerados pseudohistory, pseudociência, ou pseudoarqueologia, como eles têm apresentado as suas obras como acadêmica ou científica , mas carecem de normas e / ou critérios.

Atlantis pseudohistory

Literatura influente precoce

O termo " utopia "(de" não-lugar ") foi cunhado por Sir Thomas More em Utopia, seu trabalho do século 16 da ficção . Inspirado por Platão contas do 's Atlantis e os viajantes' Américas, mais descrito um conjunto terra imaginária na Novo Mundo. Sua visão idealista estabelecido uma ligação entre as Américas ea sociedades utópicas, um tema que foi ainda mais solidificado por Sir Francis Bacon em The New Atlantis (c. 1623). Bacon descreve uma sociedade utópica que ele chamou de "Bensalem," localizado ao largo da costa ocidental da América. Um personagem na narrativa dá uma história da Atlântida que é semelhante à de Platão e coloca Atlantis na América. As pessoas tinham começado a acreditar que o maia e asteca ruínas poderiam ser os restos de Atlântida.

Impacto da Mayanism

Muita especulação começou como para as origens dos Maias , que levam a uma variedade de narrativas e publicações que tentaram racionalizar as descobertas dentro do contexto da Bíblia e que tinha conotações de o racismo em suas conexões entre o Velho eo Novo Mundo. O Os europeus acreditavam que o povos indígenas de ser inferior e incapaz de construir o que era agora em ruínas e compartilhando um comum história insinuam que uma outra raça deve ter sido responsável.

No meio e final do século 19, vários de renome Mesoamericano estudiosos, começando com Charles Etienne Brasseur de Bourbourg, e incluindo Edward Thompson e Herbert Augustus Le Plongeon, propôs formalmente que a Atlântida estava de alguma forma relacionada com maia e asteca cultura.

Estudioso francês Brasseur de Bourbourg viajou extensivamente através Mesoamérica em meados de 1800, e era conhecido por suas traduções do Textos maias, mais notavelmente o livro sagrado Popol Vuh, bem como uma abrangente história da região. No entanto, logo após estas publicações, Brasseur de Bourbourg perdeu sua credibilidade acadêmica, devido à sua alegação de que o Povos maias tinham descido da Toltecas, que ele acreditava serem a população sobrevivente da racialmente superiores civilização de Atlântida. Sua obra combinado com os habilidosos, ilustrações românticos de Jean Frederic Waldeck, que visualmente aludido Egito e outros aspectos do Velho Mundo, criando um autoritário fantasia e muito interesse emocionante nas conexões entre os mundos.

Inspirado pelas teorias de difusão de Brasseur de Bourbourg, pseudoarchaeologist Augustus Le Plongeon viajou para Mesoamérica e realizou algumas das primeiras escavações de muitas famosas ruínas maias. Le Plongeon inventado narrativas, como o reino de Moo saga, que romanticamente desenhou conexões entre ele, sua esposa Alice, e Deidades egípcias Osiris e Isis , bem como com Heinrich Schliemann, que tinha acabado de descobrir a antiga cidade de Troy de Homer 's épicos. Ele também acreditava que tinha encontrado ligações entre o grego e As línguas maias, que produziram um narrativa da destruição de Atlântida.

Ignatius Donnelly

A publicação de 1882 Atlantis: o mundo antediluviano por Ignatius L. Donnelly estimulou muito interesse popular em Atlântida. Ele foi muito inspirada pelos primeiros trabalhos em Mayanism, e como eles tentaram estabelecer que todos os conhecidos civilizações antigas eram descendentes de Atlantis, que ele via como um tecnologicamente sofisticado, mais avançada cultura . Donnelly traçou paralelos entre histórias da criação nos mundos velhos e novos, atribuindo as conexões para Atlantis, onde ele acreditava que existia o bíblico Jardim do Éden. Como implícito no título de seu livro, ele também acreditava que a Atlântida foi destruída pelo Dilúvio mencionado na Bíblia.

Donnelly é creditado como o "pai do século 19. renascimento Atlantis" e é a razão pela qual o mito perdura hoje. Ele involuntariamente promovido um método alternativo de pergunta para a história ea ciência ea idéia de que mitos contêm informações que lhes abre a interpretação "engenhoso" por pessoas que acreditam que têm uma visão nova ou especial escondido.

Madame Blavatsky e os teosofistas

O místico russo Helena Petrovna Blavatsky e seu parceiro Henry Steel Olcott fundou sua Sociedade Teosófica na década de 1870 com uma filosofia que combina ocidental romantismo e conceitos religiosos orientais. Blavatsky e os seus seguidores deste grupo são frequentemente citados como os fundadores da Nova Era e outros movimentos espirituais.

Blavatsky assumiu As interpretações de Donnelly quando ela escreveu A Doutrina Secreta (1888), que ela alegou foi originalmente ditada em si Atlantis. Ela afirmou que os atlantes eram heróis culturais (ao contrário de Platão , que os descreve principalmente como uma ameaça militar). Ela acreditava em uma forma de racial evolução (em oposição a evolução primata), em que os atlantes foram o quarto " Root Race ", sucedido por a quinta e mais superior" Raça ariana "(sua própria raça). A Teosofistas acreditavam que a civilização da Atlântida atingiu o seu pico entre um milhão e 900 mil anos atrás, mas destruiu-se através interno guerra provocada por uso perigoso dos habitantes de psíquica e os poderes sobrenaturais.

Rudolf Steiner, o fundador da Antroposofia e Escolas Waldorf, juntamente com outros bem conhecidos Teosofistas, como Annie Besant, também escreveu sobre cultural evolução da mesma veia.

O nazismo eo ocultismo

Blavatsky também tinha sido inspirado pelo trabalho do século 18- astrônomo Jean-Sylvain Bailly, que tinha a Atlantis "orientalizado" mito em seu continente mítico de Hyperborea, uma referência a mitos gregos que caracteriza uma região da Europa do Norte com o mesmo nome, a casa de um gigante, raça divina. Sua reformulação dessa teoria em A Doutrina Secreta, desde que os nazistas com um precedente mitológico e pretexto para a sua plataforma ideológica e genocídio subseqüente.

A escrita de Julius Evola em 1934 também sugeriu que os atlantes eram Hyperborean, Super-homens nórdicos que se originaram no Pólo Norte (ver Thule). Da mesma forma, Alfred Rosenberg (em O Mito do Século XX, 1930) falou de uma "Nordic-atlântico" ou "ariano-Nordic" raça superior.

Edgar Cayce

Edgar Cayce foi um homem humilde em educações Kentucky que supostamente possuída habilidades psíquicas, as quais foram realizadas a partir de um estado de transe. Além de curar os doentes a partir deste estado, ele também falou freqüentemente sobre o tema da Atlantis. Em suas "leituras de vida", ele supostamente revelou que muitos de seus súditos eram reencarnações de pessoas que viveram na Atlântida, e batendo em sua consciência coletiva, o " Akashic Records "(um termo emprestado da Teosofia), ele foi capaz de dar uma descrição detalhada do continente perdido. Ele também afirmou que a Atlântida iria "subir" de novo na década de 1960 (que provocou muita popularidade do mito nessa década), bem como que há um " Hall of Records "sob a Sphinx egípcio que contém os textos históricos de Atlantis.

Nos últimos tempos,

Como deriva continental tornou-se mais amplamente aceita nos anos 1960, e ao aumento da compreensão das placas tectônicas demonstrada a impossibilidade de um continente perdido no passado geológico recente, a maioria dos "continente perdido" teorias da Atlântida começou a diminuir em popularidade.

Platão estudioso Dr. Julia Annas, Regents Professor de Filosofia na Universidade do Arizona, teve este a dizer sobre o assunto:

A indústria continua de descobrir Atlantis ilustra os perigos do ler Platão. Por que ele está usando claramente o que se tornou um dispositivo padrão de ficção-sublinhando a historicidade de um evento (ea descoberta de autoridades até então desconhecidas) como uma indicação de que o que se segue é uma ficção. A idéia é que devemos usar a história para examinar nossa idéias de governo e poder. Perdemos o ponto, se em vez de pensar sobre essas questões nós vamos fora de explorar o fundo do mar. O mal-entendido contínuo de Platão como historiador aqui nos permite ver por que sua desconfiança da escrita imaginativa às vezes é justificada.

Kenneth Feder sublinha que a história de Crítias no Timeu fornece uma pista importante. No diálogo, Critias, diz, referindo-se à sociedade hipotética de Sócrates:

E quando você estava falando ontem sobre sua cidade e os cidadãos, o conto que eu só foram repetindo para você entrou na minha mente, e eu observei com espanto como, por alguma misteriosa coincidência, você concordou em quase todos os especial com a narrativa de Solon . ...

Feder cita AE Taylor, que escreveu: "Nós não poderia ser dito muito mais claramente que toda a narrativa da conversa de Solon com os sacerdotes e sua intenção de escrever o poema sobre Atlantis são uma invenção da imaginação de Platão."

Localização hipóteses

Desde o dia de Donnelly, tem havido dezenas de locais propostos para Atlantis, até o ponto onde o nome tornou-se um conceito genérico, divorciado das especificidades do relato de Platão. Isso se reflete no fato de que muitos sites de propostas não estão dentro do Atlântico em tudo. Poucos hoje são hipóteses acadêmicas ou arqueológicos, enquanto outros foram feitas por psíquica ou outra meios pseudocientíficas. Muitos dos sítios propostos partilhar algumas das características da história de Atlantis (água, final catastrófica, período de tempo relevante), mas nenhuma tem sido demonstrado ser um verdadeiro Atlantis histórico.

Imagem de satélite das ilhas de Santorini . Do Evento erupção minóica, ea descoberta de 1964 Akrotiri, na ilha, este local é um dos muitos sites suposto ter sido o local da Atlântida

Em ou perto do mar Mediterrâneo

A maioria dos locais historicamente propostas estão em ou perto do Mar Mediterrâneo: ilhas, como Sardenha, Creta, Santorini , Sicília, Chipre e Malta ; cidades em terra e nos estados, tais como Troy, Tartessos, e Tântalo (na província de Manisa, Turquia ); Israel - Sinai ou Canaã; e noroeste da ?frica. O Thera erupção, datado do século BC 17o ou 16o, provocou um grande tsunami que alguns especialistas hipótese devastou a civilização minóica na vizinha ilha de Creta, ainda mais levando alguns a acreditar que esta pode ter sido a catástrofe que inspirou a história.

AG Galanopoulos argumentou que o namoro de Platão de 9.000 anos antes da época de Solon foi o resultado de um erro de tradução, provavelmente do egípcio em grego, que produziu "milhares" em vez de "centenas". Tal erro também redimensionar Atlantis de Platão com o tamanho da ilha de Creta, deixando a cidade do tamanho da cratera em Thera; 900 anos antes de Sólon seria o século 15 aC. Na área do Mar Negro têm sido propostos nos seguintes locais: Bósforo e Ancomah (um lugar lendário perto Trabzon).

No Oceano Atlântico e na Europa

Em 2011, uma equipe, trabalhando em um documentário para a National Geographic Channel, liderada pelo professor Richard Freund do Universidade de Hartford, afirmou ter encontrado evidências de Atlantis no sudoeste Andaluzia. A equipe identificou sua possível localização dentro do pântanos do Parque Nacional de Doñana, em a área que uma vez foi o Lacus Ligustinus, entre o Huelva, Cádiz e Sevilha províncias, e especulou que a Atlântida tinha sido destruída por um tsunami , extrapolar os resultados de um estudo anterior realizado por pesquisadores espanhóis, publicado quatro anos antes.

Cientistas espanhóis têm rejeitado especulações de Freund, alegando que ele sensacionalista seu trabalho. O antropólogo Juan Villarías-Robles, que trabalha com o Conselho Nacional de Pesquisa espanhol, disse: "Richard Freund era um recém-chegado ao nosso projeto e parecia estar envolvido em sua própria questão muito controversa a respeito de busca do Rei Salomão para o marfim e ouro em Tartessos, o assentamento bem documentado na área de Doñana estabelecida no primeiro milênio aC ", e descreveu as alegações de Freund como" fantasiosa ".

Uma teoria semelhante já havia sido apresentada por um pesquisador alemão, Rainer W. Kühne, mas apenas com base em imagens de satélite e colocando no Atlantis Marismas de Hinojos, ao norte da cidade de Cádiz. Antes disso, o historiador Adolf Schulten tinha afirmado em 1920 que Platão tinha usado Tartessos como base para seu mito da Atlântida.

A localização do Atlantis no Oceano Atlântico tem um certo apelo dado os nomes intimamente relacionados. A cultura popular, muitas vezes coloca lá Atlantis, perpetuando a definição platônica originais. Várias hipóteses colocar a ilha afundada no norte da Europa, incluindo Doggerland no Mar do Norte e Suécia (por Olof Rudbeck em Atland, 1672-1702). Alguns propuseram a Celta prateleira como um possível local, e que há uma ligação para Irlanda.

O Ilhas Canárias e Arquipélago da Madeira, também foram identificadas como uma possível localização, a oeste do Estreito de Gibraltar, mas em relativa proximidade com o Mar Mediterrâneo. Várias ilhas ou grupos de ilhas no Atlântico também foram identificados como possíveis locais, nomeadamente os Açores. estudos geológicos No entanto detalhadas das ilhas Canárias, dos Açores, da Madeira, e o fundo do oceano em torno deles encontrou uma completa falta de qualquer evidência para a subsidência catastrófica destes ilhas a qualquer momento durante a sua existência e uma completa falta de qualquer evidência de que o fundo do oceano em torno deles nunca foi terra seca, em qualquer momento no passado recente, com excepção do que parecia ser praias. A ilha submersa de Spartel perto do Estreito de Gibraltar também tem sido sugerido.

Outros locais

Vários escritores têm especulado que a Antártida é o local de Atlantis, enquanto outros propuseram Caribe locais como a alegada cidade submersa cubano ao largo da península de Guanahacabibes, em Cuba , as Bahamas , e do Triângulo das Bermudas. Áreas no Pacífico e Índico também foram propostos, incluindo a Indonésia (ie Sundaland). Da mesma forma alguns têm especulado que o continente da América do Sul apresenta semelhanças notáveis ​​com a descrição da Atlântida por Platão, particularmente a região do Altiplano Andes . As histórias de um continente perdido ao largo da costa da Índia , com o nome " Kumari Kandam ", que inspiraram algumas traçar paralelos para Atlantis.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Atlantis&oldid=543775332 "