Conteúdo verificado

Babilônia

Informações de fundo

Crianças SOS, que corre cerca de 200 sos escolas no mundo em desenvolvimento, organizado esta selecção. Para comparar instituições de caridade de patrocínio esta é a melhor ligação de patrocínio .

Babilônia era um estado no sul da Mesopotâmia , no moderno Iraque , combinando os territórios de Sumer e Akkad. A primeira menção da cidade de Babilônia pode ser encontrado em um tablet a partir do reinado de Sargon de Akkad, que remonta ao BC século 23.

História

O Akkadians, um Povo semita, tinha no início passaram a dominar a região em torno Kish - incluindo Babilônia e as partes da Mesopotâmia apenas ao norte de Sumer , cuja civilização profundamente influenciado a de Akkad. Uma área intensamente irrigada, e estrategicamente localizado para rotas de comércio e comércio, foi muitas vezes sob a ameaça de estranhos ao longo de sua história.

Até o "neo-sumério" ou Período de Ur-III, Babilônia tornou-se um centro para Migrantes amorreus de oeste dos Eufrates que se tinham estabelecido norte da Suméria. Os amorreus eram outro povo de língua semita, que estavam em primeiro considerado como pastores nômades incivilizados e pelos mais estabelecidos, colheita de crescimento, Akkadians.

Período babilônico antigo

Por volta de 2000 aC, após o colapso do " Ur-III "dinastia nas mãos do Elamites, semita Amorreus do oeste do rio Eufrates ganhou o controle sobre a maior parte da Mesopotâmia, onde formaram uma série de pequenos reinos. Durante os primeiros séculos do que é chamado de "período amorreus", a mais poderosa cidade-estado era Isin, embora Shamshi-Adad I, esteve próximo de unir as regiões mais setentrionais. Uma dessas dinastias amorreus foi estabelecido no cidade-estado de Babilônia, o que acabaria por assumir os outros e formar o primeiro império babilônico, durante o que também é chamado de Período Babilônico Antigo.

A extensão do Império Babilônico no início e no final do reinado de Hammurabi

A cidade de Babilônia obtido hegemonia sobre a Mesopotâmia sob seu sexto governante, Hammurabi (c. 1780- c. 1750 aC; Datas altamente incerto). Ele foi um governante muito eficiente, escrever um código de leis influente, Código de Hammurabi e dando a estabilidade região após tempos turbulentos, transformando-a, assim, para o poder central da Mesopotâmia.

Crenças babilônicas segurou o rei como um agente de Marduk, ea cidade de Babilônia como uma "cidade santa", onde qualquer governante legítimo da Mesopotâmia teve de ser coroado. Um desenvolvimento natural foi o estabelecimento de uma burocracia, com a tributação e de governo centralizado, para permitir que o rei de exercer o seu controlo.

Um grande renascimento literário seguiu a recuperação da independência babilônico. Uma das obras mais importantes deste " Primeira Dinastia da Babilônia ", como era chamado pelos historiadores nativos, era a elaboração de um código de leis. Isto foi feito por ordem de Hammurabi após a expulsão do Elamites e à resolução de seu reino. Em 1901 , uma cópia do Código de Hamurabi foi descoberto por J. De Morgan e V. Scheil em Susa, onde ele tinha sido levado como despojo. Essa cópia é agora no Louvre.

Os babilônios envolvidas no comércio regular com cidades-estado ao oeste; com funcionários ou soldados às vezes passam para a Síria e Canaã babilônicos, e comerciantes que operam em toda a Mesopotâmia amorreus. Conexões ocidental da monarquia babilônica permaneceu forte por algum tempo. Amorreu chamado Abi-ramu ou Abrão era o pai de uma testemunha de um ato datado do reinado do avô de Hammurabi; Ammi-Ditana, bisneto de Hammurabi, ainda intitulou-se "rei da terra dos amorreus". Pai e filho de Ammi-Ditana também tinham nomes cananeus: Abi-e Eshuh Ammisaduqa.

Os exércitos da Babilônia foram bem-disciplinado, e eles conquistaram as cidades-estados da Isin, Eshnunna, Uruk, eo reino de Mari. Mas não tinha Mesopotâmia, fronteiras defensáveis naturais, tornando-o vulnerável a ataques. Comércio e cultura prosperou por cerca de 150 anos, até a Babilônia foi saqueada pelos hititas, no reinado de Samsu-Ditana, inaugurando a idade do Kassites que preencheu o vácuo de poder.

A data do saque de Babilônia pelo rei hitita Mursilis I é considerado crucial para os vários cálculos do início Cronologia do antigo Oriente Próximo, uma vez que tanto um solar e um eclipse lunar são disse ter ocorrido no mês de Sivan nesse ano, de acordo com registros antigos. O evento foi por diversas vezes calculada para datas que vão de 1499 aC a 1659 aC; o "Middle Cronologia" mais amplamente utilizado hoje coloca-lo em 1595 aC.

A extensão do Império Babilônico durante a dinastia Kassite

Período Kassite

A 15ª rei da dinastia era Samsu-Ditana, filho de Ammisaduqa. Ele foi derrubado após o saco de Babilônia, pela Rei hitita Mursili I, e da Babilônia foi entregue ao Kassites (Kossaeans) desde as montanhas do Irã, com quem Samsu-Iluna já havia entrado em conflito em seu sexto ano.

A queda da Babilônia é tomado como um ponto fixo na discussão do cronologia do Antigo Oriente Próximo. Sugestões sua data precisa para variar em até 150 anos, correspondente à incerteza em relação à duração do "Idade das Trevas" do que se seguiu Colapso da Idade do Bronze, resultando na mudança de toda a cronologia da Idade do Bronze da Mesopotâmia que diz respeito ao cronologia do Antigo Egito. Possíveis datas para o saco de Babylon são:

  • ultra-curto cronologia: 1499 aC
  • cronologia curta: 1531 aC
  • cronologia do meio: 1595 aC
  • longa cronologia: 1651 aC

A dinastia Kassite foi fundada por Kandis ou Gandash de Mari. O Kassites renomeado Babylon "Kar-Duniash", e seu governo durou 576 anos. Com este domínio estrangeiro - que oferece uma impressionante analogia à regra contemporânea do Hicsos no Egito antigo - Babilônia perdeu seu império sobre a ?sia ocidental. Os alto-sacerdotes de Ashur se deram a reis da Assíria . A maioria dos atributos divinos atribuídas aos reis semitas da Babilônia desapareceu neste momento; o título de Deus nunca foi dado a um soberano Kassite. No entanto, a Babilônia continuou a ser a capital do reino e da cidade "sagrada" de ?sia ocidental, onde os sacerdotes eram todo-poderoso, eo único lugar onde o direito à herança do antigo império babilônico pode ser conferido.

O período Kassite durou vários séculos, até 1125 aC, quando a Babilônia foi conquistada por Shutruk-Nahhunte de Elam, e re-conquistado alguns anos mais tarde por Nabucodonosor I.

No início da Idade do Ferro

Na Idade do Ferro precoce , 1125-732 aC, a Babilônia foi novamente governada por dinastias nativas, começando com Nabucodonosor I de Isin (Dinastia IV). Dynasty IX começa com Nabonassar, cujo governo (de 748 aC) lidera Ptolomeu Canon dos Reis. Em 729 aC, a Babilônia foi conquistada no Império Neoassírio por Tiglath-Pileser III e permaneceu sob domínio assírio durante um século, até que o 620S BC revolta de Nabopolassar.

Neo-Império Babilônico (caldeu Era)

O Oriente Médio, c. 600 aC, mostrando extensão da regra caldeu.

Através dos séculos de dominação assíria, Babilônia gozava de um estatuto proeminente, ou revoltado com a menor indicação de que isso não aconteceu. Os assírios sempre conseguiu restabelecer a fidelidade da Babilônia, no entanto, seja por meio de concessão de aumento dos privilégios, ou militarmente. Que finalmente mudou em 627 aC, com a morte do último forte governante assírio, Assurbanipal, Babilônia e se rebelaram sob Nabopolassar o Caldeu no ano seguinte. Com a ajuda do Medes, Nínive foi saqueada em 612 aC, e a sede do império foi novamente transferido para a Babilônia.

Nabopolassar foi seguido por seu filho Nabucodonosor II, cujo reinado de 43 anos fez a Babilônia uma vez mais a dona do mundo civilizado, incluindo a conquista de Phoenicia em 585 aC. Apenas um pequeno fragmento de seus anais foi descoberto, relacionadas com a sua invasão do Egito em 567 aC, e referindo-se a "Phut dos Ionians".

Do reinado do último rei da Babilônia, Nabonido (Nabu-na'id), e da conquista da Babilônia por Ciro , há uma boa quantidade de informações disponíveis. Isto é principalmente derivado de um tablet cronológica contendo os anais da Nabonidus, completada por outra inscrição de Nabonido, onde ele relata sua restauração do templo do deus-lua em Harran; bem como por uma proclamação de Ciro emitido pouco depois de seu reconhecimento formal como rei da Babilônia. Foi no sexto ano de Nabonido ( 549 aC) que Ciro, o persa Aquemênida "rei de Anshan "em Elam, revoltou-se contra o seu suserano Astyages, "rei da Manda" ou Medes, em Ecbatana. Exército 'Astyages traiu a seu inimigo, e Cyrus se estabeleceu em Ecbatana, pondo assim fim ao império dos medos. Três anos mais tarde Cyrus tornou-se rei de toda a Pérsia, e estava envolvido em uma campanha no norte da Mesopotâmia . Enquanto isso, Nabonidus tinha estabelecido um acampamento no deserto, perto da fronteira sul do seu reino, deixando seu filho Belsazar (Belsharutsur) no comando do exército.

Em 539 aC Ciro invadiu Babilônia. A batalha foi travada em Opis no mês de junho, onde os babilônios foram derrotados; e imediatamente depois Sippara rendeu-se ao invasor. Nabonidus fugiu para a Babilônia, onde ele foi perseguido por Gobryas, e no dia 16 de Tamuz, dois dias após a captura de Sippara, "os soldados de Ciro entrou em Babilônia sem lutar." Nabonido foi arrastado de seu esconderijo, onde os serviços continuaram sem interrupção. Cyrus não chegar até o dia 3 de Marchesvan (outubro), Gobryas ter agido por ele em sua ausência. Gobryas foi feito agora governador da província de Babilônia, e alguns dias depois, o filho de Nabonidus morreu. Um luto público seguido, com duração de seis dias, e Cambyses acompanhou o cadáver à sepultura.

Cyrus agora se acredita ser o sucessor legítimo dos antigos reis babilônicos e vingador de Bel-Marduk, que foi assumido como sendo furioso com a impiedade de Nabonido em remover as imagens dos deuses locais de seus santuários ancestrais, para sua capital Babilônia. Nabonido, de fato, havia provocado um forte sentimento contra si mesmo, tentando centralizar a religião da Babilônia, no templo de Merodach (Marduk) na Babilônia, e enquanto ele tinha, assim, alienado os sacerdócios locais, o partido militar desprezou por conta de sua gostos antiquário. Ele parece ter deixado a defesa de seu reino para os outros, ocupando-se com o trabalho mais agradável de escavar os registros da fundação dos templos e determinar as datas de seus construtores.

A invasão da Babilônia por Ciro foi, sem dúvida, facilitada pela existência de um partido desafeto no estado, bem como pela presença de exilados estrangeiros forçados, como os judeus , que tinham sido plantadas no meio do país. Um dos primeiros atos de Cyrus em conformidade era permitir que esses exilados a voltar para suas casas, levando consigo as imagens dos seus deuses e seus vasos sagrados. A permissão para fazer isso foi incorporado em uma proclamação, em que o vencedor se esforçaram para justificar a sua pretensão ao trono babilônico. O sentimento era ainda forte que nenhum tinha o direito de governar ?sia ocidental até que ele havia sido consagrada ao escritório por Bel e seus sacerdotes; e, consequentemente, Cyrus já assumido o título imperial de "Rei da Babilônia."

Um ano antes da morte de Ciro, em 529 aC, ele elevou seu filho Cambises II no governo, fazendo-o rei de Babilônia, enquanto ele reservou para si o título mais completa do "rei dos (outros)" províncias do império. É apenas quando estava Darius Hystaspis adquiriu o trono persa e governou-lo como um representante da Religião de Zoroastro, que a velha tradição foi quebrada e que o pedido de Babilônia, a conferir legitimidade aos governantes da ?sia ocidental deixou de ser reconhecido.

Imediatamente após Darius apreendidos Pérsia, Babilônia brevemente recuperou a sua independência sob Nidinta-Bel, que tomou o nome de Nabucodonosor III, e reinou a partir de outubro 522 aC a agosto 520 aC, quando Darius tomou a cidade pela tempestade. Alguns anos mais tarde, provavelmente 514 aC, a Babilônia novamente se revoltaram com Arakha; nesta ocasião, após a sua captura pelos persas, as paredes foram parcialmente destruídos. E-Saggila, o grande templo de Bel, no entanto, continuou a ser mantido no reparo e para ser um centro de patriotismo babilônico, até que por fim o fundamento da Seleucia desviado da população para a nova capital da Babilônia e as ruínas da antiga cidade tornou-se uma pedreira para os construtores da nova sede do governo.

Persa Babilônia

Caldeu Babilônia foi absorvido pelo Aquemênida Império no 539 aC. O nome do satrapia foi alterado para Asuristan no Sassanid período. Excetuando breves interlúdios de Roman conquista ( Roman Assíria, Mesopotâmia Roman; AD 116 a 118), e um período mais longo de Regra helenístico (o Império Selêucida, 330-250 aC), Mesopotâmia permaneceu sob controle persa até o Conquista islâmica no 630S AD.

Conquistas

Arte e Arquitetura

Em Babilônia, uma abundância de argila , e falta de pedra , levou a uma maior utilização de mudbrick; Templos da Babilônia são estruturas maciças de tijolo cru, apoiados por contrafortes, a chuva, a sair pelo sistema de esgotos. Um tal de drenagem no Ur era feito de chumbo. O uso de tijolo levou ao desenvolvimento precoce da pilastra e coluna, e de afrescos e telhas esmaltadas. As paredes foram brilhantemente colorido, e por vezes, revestida com zinco ou ouro, bem como com as telhas. Pintado cones de terracota para lanternas também foram incluídos em gesso.

Em Babilônia, no lugar do baixo-relevo, há uma maior utilização de figuras tridimensionais na rodada - os primeiros exemplos sendo as estátuas de Telloh, que são realistas, se um tanto desajeitado. A escassez de pedra na Babilônia feitos todos os preciosa seixo, e levou a uma alta perfeição na arte de corte de jóia.

O lendário Jardins Suspensos da Babilônia e do Torre de Babel são vistos como símbolos do poder luxuoso e arrogante, respectivamente.

Astronomia

Entre as ciências, astronomia e astrologia ocupava um lugar visível na sociedade babilônica. Astronomia era de posição velha na Babilônia, eo padrão de trabalho sobre o assunto, escrito a partir de um ponto de vista astrológico, posteriormente traduzido para grego por Berossus, foi acreditado para data a partir da idade de Sargon de Akkad. O zodíaco foi uma invenção babilônico de grande antiguidade; e eclipses do sol e da lua pode ser predito. Existem dezenas de registros cuneiformes de observações do eclipse da Mesopotâmia originais (ver "Cronologia da Babilônia e Assíria" da Wikipedia). Observatórios foram anexados aos templos, e os relatórios foram enviados regularmente pelos astrônomos para o rei. As estrelas foram numerados e nomeados, numa data próxima, e nós possuímos tabelas de longitudes lunares e observações de Venus . Grande atenção foi, naturalmente, pago ao calendário, e nós encontrar um semana de sete dias e um outro de cinco dias de utilização.

Astrologia babilônica foi baseada na crença de que todo o universo foi criado em relação à terra . Assim, os antigos viam-lo como por acaso que as estrelas e os planetas foram criados em uma determinada ordem divina no momento da criação.

A primeira evidência de reconhecimento de que fenômenos astronômicos são periódicas e da aplicação da matemática à sua previsão é babilônico. Tablets remonta ao Old documento período babilônico a aplicação da matemática para a variação do comprimento da luz do dia durante um ano solar. Séculos de observações babilônicos de fenômenos celestes são registrados na série de tabuletas cuneiformes conhecido como o 'Enuma Anu Enlil'. O mais antigo texto astronômico significativo que possuímos é Tablet 63 de 'Enuma Anu Enlil', o tablet de Venus Ammi-saduqa, que lista os primeiros e últimos levantamentos visíveis de Vênus ao longo de um período de cerca de 21 anos e é a mais antiga evidência de que os fenômenos de um planeta foram reconhecidos como periódica. O mais antigo rectangular astrolábio remonta a Babilônia cerca de 1100 aC. O MUL.APIN, contém catálogos de estrelas e constelações, bem como esquemas para predizer levantes heliacal e as configurações dos planetas, comprimentos de luz medido por um relógio de água, gnomon, sombras, e intercalações. O texto babilônico GU organiza estrelas em 'cordas' que se encontram ao longo círculos de declinação e, assim, medir-ascensões certas ou intervalos de tempo, e também emprega as estrelas do zênite, que também são separadas por diferenças dadas-ascensional direita.

Durante os dias 8 e 7 aC, os astrônomos babilônios desenvolveram uma nova abordagem para a astronomia. Eles começaram a estudar filosofia lidando com a natureza ideal do início do universo e começou uma empoying lógica interna nos seus sistemas planetários preditivos. Esta foi uma importante contribuição à astronomia e à filosofia da ciência e alguns estudiosos têm, assim, a que se refere a esta nova abordagem, a primeira revolução científica. Esta nova abordagem da astronomia foi adoptado e desenvolvido na astronomia grega e helenística.

Em Seleucid e Partas vezes, os relatórios astronômicos eram de um caráter completamente científica; quanto mais cedo os seus conhecimentos e métodos advanced foram desenvolvidos é incerto. O desenvolvimento babilônico de métodos para predizer os movimentos dos planetas é considerado para ser um episódio no história da astronomia.

O único astrônomo babilônico conhecido por ter apoiado um heliocêntrica modelo de movimento planetário foi Seleuco de Selêucia (b. 190 aC). Seleuco é conhecida a partir dos escritos de Plutarco. Ele apoiou a teoria heliocêntrica em que a Terra girava em torno do seu próprio eixo, que por sua vez, girava em torno do Sol . Conforme Plutarco, Seleucus mesmo provou o sistema heliocêntrico, mas não se sabe quais os argumentos que ele usou.

Astronomia babilônica foi a base para muito do que foi feito em Astronomia grega e helenística, em clássico Astronomia indiana, em Sassanian , bizantina e sírio astronomia, em medieval Astronomia islâmica, e em ?sia Central e Astronomia da Europa Ocidental.

Matemática

O sistema babilônico da matemática era sexagesimal, ou uma base 60 sistema de numeração (ver: Numeração babilônia). A partir disso, derivam do uso moderno dia de 60 segundos em um minuto, 60 minutos em uma hora, e 360 (60 x 6) graus em um círculo. Os babilônios foram capazes de fazer grandes avanços em matemática, por duas razões. Em primeiro lugar, o número 60 tem muitas divisores (2, 3, 4, 5, 6, 10, 12, 15, 20, e 30), tornando mais fácil cálculos. Além disso, ao contrário dos egípcios e romanos, os babilônios tinham um sistema de valor verdadeiro lugar, onde dígitos gravados na coluna da esquerda representada valores maiores (tanto quanto em nosso sistema de base dez: 734 = 7 × 100 × 3 + 10 + 4 × 1). Entre as realizações matemáticas dos babilônios foram a determinação do raiz quadrada de dois correctamente a sete lugares ( YBC 7289 argila comprimido). Eles também demonstraram conhecimento do teorema de Pitágoras bem antes de Pitágoras, como evidenciado por este tablet traduzido por Dennis Ramsey e datando de ca. 1900 aC:

4 é o comprimento e 5 é a diagonal. Qual é a abrangência? O seu tamanho não é conhecido. 4 vezes 4 é 16. E 5 vezes 5 é 25. Você toma 16 a partir de 25 e lá permanece 9. Qual vezes o que eu devem tomar a fim de obter 9? 3 vezes 3 é 9. 3 representa a largura.

O ner de 600 eo sar de 3600 foram formados a partir da unidade de 60, correspondendo com um grau do equador . Os comprimidos de quadrados e cubos, calculadas de 1 a 60, foram encontradas em Senkera, e um povo familiarizados com o relógio de sol, a clepsidra, a alavanca ea polia, deve ter tido nenhum conhecimento médio de mecânica. Uma lente de cristal, ligou o torno, foi descoberto por Austen Henry Layard em Nimrud junto com vasos de vidro com o nome de Sargão; isto poderia explicar a minúcia excessiva de alguma da escrita nas Assírias comprimidos, e uma lente também pode ter sido utilizada na observação do céu.

Os babilônios poderia ter sido familiarizado com as regras gerais para a medição das áreas. Mediram a circunferência de um círculo como três vezes o diâmetro e a área como um doze avos do quadrado da circunferência, o que seria correcto se π foram estimados como 3. O volume de um cilindro foi tomado como o produto da base e a altura, no entanto, o volume do tronco de um cone ou uma pirâmide quadrada incorrectamente foi tomado como o produto da altura e metade da soma das bases. Além disso, havia uma descoberta recente em que um comprimido usado como π 3 e 1/8. Os babilônios também são conhecidos por a milha babilônico, que foi uma medida de distância igual a cerca de sete milhas hoje. Esta medição de distâncias, eventualmente, foi convertida para um tempo de milha utilizado para medir o curso do Sol, por conseguinte, que representa o tempo. (Eves, capítulo 2)

Medicina

Os mais antigos textos babilônicos sobre medicina datam do Primeira Dinastia da Babilônia, no primeiro semestre do Segundo milênio aC. O mais extenso texto médico Babilônico, no entanto, é o manual de diagnóstico escrito pelo médico Esagil-kin-apli de Borsippa, durante o reinado do Rei da Babilônia Adad-apla-iddina (1069-1046 aC).

Junto com contemporâneo medicina egípcia, os babilônios introduziu os conceitos de diagnóstico, prognóstico, exame físico e prescrições. Além disso, o Manual de Diagnóstico introduzidos os métodos de e uma terapia etiologia eo uso de empirismo , lógica e racionalidade no diagnóstico, prognóstico e terapia. O texto contém uma lista de médicos sintomas e frequentemente empírico detalhado observações juntamente com as regras lógicas utilizadas na combinação de sintomas observados no corpo de um paciente com seu diagnóstico e prognóstico.

Os sintomas e doenças de um paciente foram tratados através de meios terapêuticos tais como a ligaduras, cremes e comprimidos. Se um paciente não podia ser curada fisicamente, os médicos muitas vezes invocado babilônicos exorcismo para limpar o paciente a partir de qualquer amaldiçoa. Manual de Diagnóstico do Esagil-kin-apli foi baseado em um conjunto lógico de axiomas e hipóteses, incluindo a visão moderna de que através do exame e inspecção dos sintomas de um paciente, é possível determinar o paciente da doença , a sua etiologia e desenvolvimento futuro, e as possibilidades de recuperação do paciente.

-Esagil-kin apli descobriu uma variedade de doenças e doenças e descreveu seus sintomas em seu Manual de Diagnóstico. Estes incluem os sintomas de muitas variedades de epilepsia e afins doenças , juntamente com o seu diagnóstico e prognóstico.

Literatura

Havia bibliotecas na maioria das cidades e templos; uma antiga Suméria provérbio declarou que "aquele que quer se destacar na escola de escribas devem subir com o amanhecer." Mulheres, assim como os homens aprenderam a ler e escrever, e em tempos semitas, este conhecimento envolvido do extinto Língua suméria, e um silabário complicado e extenso.

Uma quantidade considerável de literatura babilônica foi traduzido a partir de originais sumérios, ea linguagem da religião e da lei longo continuou a ser a velha língua aglutinante da Suméria. Vocabulários, gramáticas, traduções e interlineares foram compilados para o uso dos alunos, bem como comentários sobre os textos mais antigos e explicações de palavras e frases obscuras. Os personagens do silabário foram todos organizados e nomeados, e as listas elaboradas deles foram elaborados.

Há muitas obras literárias babilônicos cujos títulos tenham chegado até nós. Um dos mais famoso deles foi o Épico de Gilgamesh , em doze livros, traduzido do sumério original por um certo Sin-Liqi-unninni, e providenciado mediante um princípio astronômico. Cada divisão contém a história de uma aventura única na carreira de Gilgamesh. A história toda é um produto composto, e é provável que algumas das histórias são artificialmente ligado à figura central.

Filosofia

As origens do babilônico filosofia pode ser rastreada até ao início da Mesopotâmia sabedoria, que encarna certas filosofias de vida, particularmente a ética , nas formas de dialética, diálogos, poesia épica, folclore , hinos, letras, prosa, e provérbios. Babilônico raciocínio e racionalidade desenvolveram para além empírica observação.

É possível que a filosofia da Babilônia teve uma influência sobre Grego, particularmente Filosofia helenística. O texto babilônico diálogo de pessimismo contém semelhanças com o agonista do pensamento sofistas, o Doutrina de Heráclito de contrastes, e os diálogos de Platão , assim como um precursor para a maiêutica Método socrático de Sócrates . O Milesian filósofo Thales também é conhecido por ter estudado filosofia na Mesopotâmia.

Tecnologia

Babilônios inventaram muitas tecnologias, que incluem metais, cobre -trabalhar, vidraria , tomada de lâmpada, tecelagem , controle de enchentes, armazenamento de água, bem como a irrigação . Mais cedo nesta eles usaram de cobre , bronze e ouro , e mais tarde eles usaram ferro . Palácios eram decoradas com centenas de quilos destes metais muito caros. Além disso, cobre, bronze, ferro e foram usadas para armadura, bem como para diferentes armas tais como espadas, punhais, lanças, e maças.

Um século 16 descrição dos Jardins Suspensos da Babilônia (por Martin Heemskerck). O Torre de Babel é visível no fundo.

Babilônia em cultura

Babilônia, e particularmente sua capital Babilônia, há muito tempo ocupou um lugar no Religiões abraâmicas como um símbolo do excesso e dissoluto poder. Muitas referências são feitas para Babilônia, no Bíblia , literal e alegórica. A menciona no Tanakh tendem a ser histórica ou profética, enquanto Referências do Novo Testamento são mais propensos figurativo, ou referências crípticas para Roma pagã. O lendário Jardins Suspensos da Babilônia e do Torre de Babel são vistos como símbolos do poder luxuoso e arrogante, respectivamente.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Babylonia&oldid=213666142 "