Conteúdo verificado

Livro de Oração Comum

Assuntos Relacionados: textos religiosos

Informações de fundo

Arranjar uma seleção Wikipedia para as escolas no mundo em desenvolvimento sem internet foi uma iniciativa da SOS Children. Clique aqui para mais informações sobre Crianças SOS.

O Livro de Oração Comum é o título curto de um número de relacionados livros de oração usados na Comunhão Anglicana , bem como pelo Continuando Anglicana, " Realinhamento Anglicana "e de outras igrejas anglicanas. O livro original, publicado em 1549 (Church of England 1957), no reinado de Edward VI , foi um produto da Reforma Inglês após a ruptura com Roma . Livros de oração, ao contrário dos livros de orações, contêm as palavras de estruturado (ou serviços litúrgicos) de culto. O trabalho de 1549 foi o primeiro livro de orações para incluir os formulários completos de serviço para o culto diário e domingo em Inglês. Continha Oração da manhã, A oração da noite, o Ladainha, e Sagrada Comunhão e também os serviços ocasionais em plena: as ordens para Batismo, Confirmação, Casamento, ' orações de ser dito com o doente "e um Serviço fúnebre. Também disponível por completo o " PROPER "(isto é, as partes do serviço que variou semana a semana ou, às vezes, diariamente ao longo do ano da Igreja): o Coletar e do Epístola e Leituras do Evangelho para a Comunhão Serviço domingo. Antigo Testamento e Novo Testamento leituras para a oração diária foram especificados em formato tabular como foram os Salmos; e Cânticos, principalmente bíblicos, que foram fornecidas a ser dito ou cantado entre as leituras (Careless 2003, 26 p.).

O livro 1549 logo foi sucedido por uma revisão mais reformada em 1552 sob o mesmo lado editorial, a de Thomas Cranmer , arcebispo de Canterbury . Foi utilizado apenas por alguns meses, como depois da morte de Edward VI em 1553, sua meia-irmã Mary I restaurado culto católico romano. Ela própria morreu em 1558, e em 1559 Elizabeth I reintroduzido o livro 1552 com algumas modificações para torná-lo aceitável para mais tradicionalmente ocupados adoradores, nomeadamente a inclusão das palavras de administração do 1549 Comunhão Serviço junto aos de 1552.

Em 1604 James Eu pedi algumas outras alterações, a mais significativa delas sendo a adição ao Catecismo de uma seção sobre os Sacramentos. Na sequência dos acontecimentos tumultuosos levando, inclusive, à Guerra Civil Inglês , outro grande revisão foi publicado em 1662 (Church of England 1662). Essa edição se manteve o livro de oração oficial da Igreja da Inglaterra, embora no século 21, um livro alternativo chamado Culto comum em grande parte deslocou o Livro de Oração Comum na principal culto de domingo da maioria dos ingleses igrejas paroquiais.

Um livro de oração comum com variações locais é usado nas igrejas dentro e fora da Comunhão Anglicana em mais de 50 países diferentes e em mais de 150 idiomas diferentes (Careless 2003, p. 23). Em muitas partes do mundo, outros livros já substituiu-o no culto semanal regular.

Inglês tradicional Luterana, Metodista e Livros de oração presbiterianas ter emprestado a partir do Livro de Oração Comum, e que o casamento e ritos funerários têm encontrado o seu caminho para os de outras denominações e no idioma Inglês. Como o Rei James Autorizado Bíblia e as obras de Shakespeare , muitas palavras e frases do Livro de Oração Comum entraram linguagem comum.

Nome completo

O nome completo do 1662 Livro de Oração Comum é o Livro de Oração Comum e da Administração dos Sacramentos e de outros ritos e cerimônias da Igreja de acordo com o uso da Igreja da Inglaterra, juntamente com o Saltério ou Salmos de David apontado como eles são para ser cantado ou recitado em igrejas e a forma eo modo de fazer, ordenação e consagração de bispos, padres e diáconos.

História

Fundo

As formas de adoração paróquia da igreja medieval na Inglaterra, que se seguiu ao Latina Rito romano, variou de acordo com a prática local. De longe a forma mais comum, ou "utilização", encontrado no sul da Inglaterra foi o de Sarum (Salisbúria). Não houve único livro; os serviços que seriam prestados pelo Livro de Oração Comum vier a ser encontrada no Missal (a Eucaristia), o Breviário (diário escritórios), Manual (os serviços ocasionais de batismo, casamento, etc. Burial), e Pontifícias Obras (serviços apropriados a um bispo-confirmação, ordenação). (Harrison & Sansom 1982, p. 29) O canto ( cantochão, cantochão) para o culto estava contido no Gradual para a missa e no Antiphoner para os escritórios. O Livro de Oração Comum nunca continha música prescrita ou cântico, no entanto John Merbecke produziu seu livro de Praier Comum observou em 1550 que estabeleceu o que teria sido o correcto da Missa (Kyrie, Gloria, Credo, etc) na nova BCP para cantochão simples, inspirado em Sarum Use. O trabalho de produção de uma liturgia nos livros de língua inglesa foi em grande parte realizado por Thomas Cranmer , arcebispo de Canterbury , começando com cautela no reinado de Henrique VIII , e depois mais radicalmente sob seu filho Edward VI . Em seus primeiros dias Cranmer foi um pouco conservador, um admirador, se uma crítica, de John Fisher. Pode ter sido sua visita à Alemanha em 1532 (onde ele se casou secretamente com), que começou a mudança na sua perspectiva. Então, em 1538, como Henry começou negociações diplomáticas com príncipes luteranos, Cranmer ficou cara a cara com uma embaixada Luterana (MacCulloch 1996, p. 215). O Exortação e Ladainha, o primeiro serviço em língua Inglês da Igreja da Inglaterra, foi a primeira manifestação ostensiva de suas opiniões em mudança. Não foi por mera tradução do latim: a sua Caráter protestante é claro pela redução drástica do lugar de santos, comprimindo o que tinha sido a maior parte em três petições (Procter & Frere 1965, p. 31). Publicado em 1544, ele emprestou muito de Martin Luther 's Ladainha e De Myles Coverdale Novo Testamento e foi o único serviço que pode ser considerado " Protestante "para ser concluído dentro do tempo de vida do Rei Henry VIII .

Livros de Oração de Edward VI

1549

Livro de oração de Cranmer de 1549.

Não era até a morte de Henry em 1547 ea adesão de Edward VI que a revisão poderia avançar mais rapidamente. Cranmer terminou seu trabalho em um Inglês Rito da Comunhão, em 1548, obedecendo a uma ordem de Convocação do ano anterior que foi de Comunhão a ser dada ao povo como tanto o pão eo vinho. O rito romano ordinário da Missa tinha feito nenhuma disposição para qualquer congregação presente para receber a Comunhão. Então, Cranmer composto em Inglês um rito adicional de preparação congregacional e comunhão (com base na forma do rito Sarum para a Comunhão dos Enfermos), a ser realizado imediatamente após a Comunhão, em ambos os tipos, do sacerdote.

Mais desenvolvida e totalmente traduzido para o Inglês, este serviço Comunhão foi incluído, um ano depois, em 1549, em um livro de orações completo, estabelecido com escritórios diários, leituras para domingos e dias santos, o Serviço de Comunhão, Público Batismo, de Confirmação, de Matrimônio, A visitação do Doente, Em um enterro eo ordinal (adicionado em 1550) (Gibson 1910). O prefácio desta edição, que continha a explicação de Cranmer a respeito de porque um novo livro de orações era necessário, começou: "Nunca houve qualquer coisa pela sagacidade do homem tão bem concebido, ou tão certo estabelecida, que na continuidade do tempo não tem sido corrompido. " Embora o trabalho é comumente atribuída a Cranmer, as suas origens são obscuras detalhados (Procter & Frere 1965, p. 45) (MacCulloch 1996, p. 414). Um grupo de bispos e teólogos encontraram pela primeira vez em Chertsey e depois em Windsor em 1548, elaborado a partir de conservadores e reformadores, concordou apenas "o serviço da igreja deveria ser na língua materna" (Procter & Frere 1965, p. 47) . Cranmer recolhido o material de muitas fontes; mesmo a abertura de prefácio (acima) foi emprestada (MacCulloch 1996, p. 225). Ele emprestou muito de fontes alemãs, particularmente do trabalho encomendado pela Hermann von Wied, Arcebispo de Colónia; e também a partir de Osiander (a quem ele foi relacionado pelo casamento) (MacCulloch 1996, p. 414). A Ordem Igreja de Brandenberg e Nuremberg era em parte o trabalho deste último. Muitas frases são característicos do reformador alemão Martin Bucer, ou do italiano Pedro Mártir, (que estava hospedado com Cranmer, no momento da finalização dos projectos), ou de seu capelão, Thomas Becon. No entanto, para Cranmer é 'creditado o trabalho global da editoria ea estrutura global do livro ", incluindo a alteração sistemática dos seus materiais para remover qualquer idéia de que o mérito humano contribuiu para a sua salvação (MacCulloch 1996, p. 417).

O serviço de comunhão de 1549 manteve o formato de ritos distintos de Consagração e Comunhão, que havia sido introduzido no ano anterior; mas com o rito latino da Missa (principalmente seguindo a estrutura familiar na Uso de Sarum), traduzido para o Inglês. Ao manter fora formas familiares, Cranmer esperava estabelecer a prática da comunhão congregacional semanal, e incluiu exortações a promover esta; e as instruções que a Comunhão nunca devem ser recebidos pelo padre sozinho. Isso representou uma mudança radical a partir do final medieval-prática segundo a qual o foco principal de adoração congregacional foi levado para ser participação na consagração e adoração ao elevado Hóstia Consagrada. No final de Inglaterra medieval, as congregações recebia regularmente Comunhão somente na Páscoa ; e leigos caso contrário individuais poderia esperar para receber apenas Comunhão quando gravemente doente, ou sob a forma de um Missa nupcial em se casar.

O trabalho de Cranmer de simplificação e revisão também foi aplicado aos Escritórios diárias, que estavam a tornar-se Manhã, e Vésperas; e que ele esperava que serviria também como uma forma de oração diária para ser usado por leigos, substituindo, assim, tanto a observação lay medieval tardio da Latina Horas da Virgem, e seu equivalente Inglês, o Primer. Esta simplificação foi antecipada pela obra do Cardeal Francis Quiñones, um espanhol Franciscana, em sua revisão abortiva do Breviário Romano editado em 1537 (Procter & Frere 1965, p. 27). Cranmer assumiu o princípio de Quiñones que tudo deve ser sacrificado para garantir a continuidade em cantar o saltério e lendo a Bíblia. Sua primeira versão, produzida durante o reinado de Henry, manteve o tradicional sete distinta Canônica horas de oração do Office; mas em sua segunda versão, enquanto ele manteve o latim, ele consolidou-los em dois (Procter & Frere 1965, p. 34). O livro 1549, em seguida, dispensado com o latim, e com todas as leituras não bíblicas; e estabeleceu um ciclo rigorosamente bíblica de leituras para manhã e oração vespertina (definido de acordo com o ano civil, em vez do ano eclesiástico) e um Saltério para ser lido consecutivamente ao longo de cada mês. Ele forneceu que o Novo Testamento (que não seja o Livro do Apocalipse) ser lido por três vezes no ano, enquanto o Velho Testamento , incluindo a Apocrypha seria lido através de uma vez. Do conjunto de cânticos, apenas o Te Deum foi retida do material não-bíblica.

Introduzido no Domingo de Pentecostes 1549, após um amplo debate e revisão no Parlamento, mas não há nenhuma evidência de que ele nunca foi submetido a qualquer Convocação-disse que era para ter agradado nem os reformadores, nem os seus adversários, de fato o Catholic Bishop Gardiner podia dizer era que ele "era paciente de uma interpretação católica". Era claramente impopular nas freguesias de Devon e Cornwall, onde, juntamente com graves problemas sociais, a sua introdução foi uma das causas dos "tumultos", ou rebeliões no verão daquele ano, em parte porque muitos povos Cornish faltava Inglês suficiente para compreendê-lo (Duffy (b) 2003, pp. 131ff), (Caraman 1994). [Parece que era muito menos significativa nos outros "comoções" nos condados ingleses ea "Rebelião Médio".] (MacCulloch 1996, pp. 431ff) Particularmente impopular foi a proibição das procissões e o envio de comissários para aplicar as novas exigências. Houve ampla oposição à introdução de comunhão congregacional regular, em parte porque os custos extras de pão e vinho que cairia na paróquia; mas, principalmente, de uma intensa resistência à empresa em adoração regular, uma prática religiosa anteriormente associado com o casamento ou doença.

1552

Livro de oração de Cranmer de 1552

O livro 1549 foi, desde o início, destina-se apenas como um expediente temporário, como Bucer foi assegurado reunida Cranmer, pela primeira vez em abril 1549: «concessões ... fez tanto como o respeito pela antiguidade e à enfermidade do presente idade ", como ele escreveu (MacCulloch 1996, p. 411). Ambos Bucer e Pedro Mártir escreveu propostas detalhadas para a modificação; Censura de Bucer correu para 28 capítulos que influenciaram Cranmer significativamente embora ele não segui-los servilmente eo novo livro foi devidamente produzido em 1552, tornando "totalmente perfeito" o que já estava implícito (Procter & Frere 1965, p. 71) (McCulloch 1996, p. 505). A política de reforma incremental foi agora revelado: práticas católicas romanas foram mais agora extirpada, como doutrinas tinha em 1549 foi sutilmente alteradas. Assim, no Eucaristia, foram-se as palavras Missa e altar; o ' Senhor, tem piedade 'foi intercaladas em uma recitação do Dez Mandamentos eo Gloria foi removido ao fim do serviço. A oração eucarística foi dividido em dois para que o pão eo vinho da Eucaristia foram compartilhadas imediatamente após as palavras da instituição (Este é o meu Body..This é o meu sangue ... em memória de mim.); enquanto seu elemento final, a Oração de Oblação, (com a sua referência a uma oferta de um "sacrifício de louvor e ação de graças '), foi transferido, muito alterado, para uma posição depois de o sacerdote ea congregação recebeu Comunhão, e foi feito opcional com uma oração de ação de graças alternativa fornecida. A elevação da hóstia havia sido proibida em 1549; todos os atos manuais foram agora omitidos. As palavras na administração da Comunhão, que, no livro de orações de 1549 descreveu as espécies eucarísticas como "O corpo de nosso Lorde Jesus Christe ... ',' O sangue de nosso Lorde Jesus Christe ... 'foram substituídos com as palavras "Tomai, comei, em memória que Cristo morreu por ti .." etc. A Paz, em que na Igreja primitiva congregação haviam trocado uma saudação, foi removido por completo. Paramentos tais como o estola, casula e lidar já não virem a ser usado, mas apenas um surplice. Foi a fase final do trabalho de remoção de todos os elementos da oferta de sacrifício da missa em latim dos reformadores; para que ele deve deixar de ser vista como um ritual em que o sacerdote, em nome do corpo de Cristo fiéis ofereceram e sangue para Deus; e pode ser vista como um ritual em que Cristo compartilhou seu corpo e sangue, de acordo com uma teologia sacramental diferente, com os fiéis.

Cranmer reconheceu que o rito da Comunhão 1549 tinha sido capaz de má interpretação conservadora e uso indevido nesse rito da consagração ainda pode ser realizada mesmo quando não há comunhão congregacional seguido. Consequentemente, em 1552 ele completamente integrado Consagração e Comunhão em um único rito, com congregacional preparação que antecede as palavras da instituição, de modo que não seria possível para imitar a missa com o padre comunicar sozinho. Ele aparece, no entanto, ter sido renunciou para ser incapaz para o presente para estabelecer nas paróquias a prática semanal de receber a Comunhão; então ele reestruturou o serviço de modo a permitir ante-Comunhão como um rito diferente do rito da Comunhão através das leituras e ofertório seguinte adoração, tanto quanto o de intercessão "Oração para a Igreja militante".

Diarmaid MacCulloch sugere que a própria teologia eucarística de Cranmer nestes anos uma aproximação mais estreita com a de Heinrich Bullinger; mas que pretendia o Livro de Oração de ser aceitável para a mais ampla gama de crença Eucarística reformada, incluindo a alta teologia sacramental de Bucer e João Calvino (MacCulloch 1996, p. 615). Ao mesmo tempo, no entanto, pretende que Cranmer partes constituintes dos ritos reunidos no livro A oração deve ainda, tanto quanto possível, ser reconhecidamente derivadas de formas e elementos tradicionais.

No serviço Batismo a assinatura com a cruz foi movido até depois do batismo e do exorcismo, a unção, a colocação do manto chrysom ea tríplice imersão foram omitidos. Mais drástica de tudo foi a remoção do serviço de enterro da igreja: era para ter lugar ao lado da sepultura (Spinks 1999, p 187).. Em 1549, tinha havido uma provisão para Requiem (não chamado) e orações de louvor e comprometedora, o primeiro dirigido ao falecido. Tudo o que restou foi uma única referência ao falecido, dando graças pela sua entrega a partir de 'os myseryes deste mundo sinneful'. Esta nova Ordem para o Enterro dos mortos era um drasticamente despojado memorial serviço destinado a minar definitivamente todo o complexo de crenças tradicionais sobre o Purgatório e oração de intercessão (Procter & Frere 1965, p. 81) (Duffy (a) 1992, pp . 472-5).

Em outros aspectos, no entanto, tanto o Batismo e serviços de enterro implica uma teologia da salvação que está de acordo nomeadamente com menos Ensinamentos reformados do que fazer as passagens de contrapartida do Artigos de Religião. No serviço de enterro, a possibilidade de que uma pessoa falecida que morreu na fé não pode, todavia, ser contado entre Deus eleito, não está entretido. No serviço Batismo, o sacerdote pronuncia explicitamente o bebê batizado como sendo agora regenerar. Em ambos os casos, a conformidade com os princípios rigorosos Reformada Protestante teria resultado em uma formulação condicional. A inconsistência continuou entre os artigos da Religião e da Prayer Book permaneceu um ponto de discórdia para puritanos; e que no século 19 chegou perto de rasgar a Igreja da Inglaterra à parte, através do curso da Gorham julgamento.

As ordens de manhã e à noite oração foram prorrogadas pela inclusão de uma seção penitencial no início, incluindo uma confissão corporativa do pecado e uma absolvição geral, embora o texto foi impresso apenas em Oração da manhã com orientações rubrical para usá-lo na noite bem . O padrão geral de leitura da Bíblia em 1549 foi mantido (como foi em 1559), excepto que as leituras do Antigo e do Novo Testamento distintas foram agora especificados para orações matutinas e vespertinas em certos dias de festa. Na sequência da publicação do Livro de Oração 1552, uma revista Inglês Primer foi publicado em 1553; adaptação dos Escritórios e Manhã e oração vespertina, e outras orações, para leigos piedade doméstica (MacCulloch 1996, p. 510).

Inglês Livro de Oração no reinado de Maria I

No entanto, o livro 1552 foi utilizado apenas por um curto período, uma vez que Edward VI morreu no verão de 1553 e, assim que ela poderia fazê-lo, Mary I , restaurou a antiga religião. O Massa foi restabelecida, altares, roods e estátuas foram restabelecidas; Foi feita uma tentativa de restaurar a Igreja à sua filiação romana. Cranmer foi punido por seu trabalho no Inglês Reforma ao ser queimado na fogueira em 21 de Março de 1556. No entanto, o livro 1552 foi para sobreviver. Após a morte de Mary em 1558, tornou-se a principal fonte para o Livro de Oração Comum elisabetano, com se as únicas alterações significativas sutis.

Centenas de protestantes fugiram para uma igreja Inglês em estabelecer exílio Frankfurt am Main . Um amargo, e muito público, disputa seguiu entre aqueles que, como Edmund e Grindal Richard Cox, que desejava preservar no exílio a forma exata de adoração do Livro 1552 Oração; e aqueles que, como John Knox, o pastor da congregação, que considerava que o livro como ainda parcialmente contaminado com compromisso. Eventualmente, em 1555 as autoridades civis expulsos Knox e os seus apoiantes para Genebra , onde eles adotaram um novo Livro de Oração O Formulário de Orações, que derivam principalmente do francês La Forme de Calvino des Prières (Maxwell 1965, p. 5). Consequentemente, quando a adesão de Elizabeth I re-afirmar o domínio do protestantismo na Inglaterra, restava um corpo significativo de crentes reformados que estavam, no entanto, hostil ao Livro de Oração Comum. John Knox tomou a forma de orações com ele para a Escócia , onde se formou a base dos escoceses Livro Ordem dos Comuns.

1559 Prayer Book

Livro de Oração de 1559.

Assim, sob Elizabeth , uma aplicação mais permanente da religião reformada foi realizado, eo livro 1552 foi republicado em 1559, pouco alterado (Procter & Frere 1965, p. 94).

As alterações, embora menor, foram, contudo, para lançar uma longa sombra. Um deles, o " Rubrica ornamentos ", relacionado com o que foi gasto. Em vez de a proibição de todos os paramentos salvar o rochet (por bispos) ea surplice para párocos, permitiu 'tais ornamentos ... como estavam em uso ... no segundo ano de K. Edward VI'. Isto permitiu uma margem de manobra considerável para mais clérigos tradicionalistas para reter alguns dos paramentos que sentiram eram apropriadas para celebração litúrgica (pelo menos até a Rainha deu mais instruções sob o Ato de Uniformidade de 1559). Era para ser a base dos sinistros no século 19 que vestes dirige como casulas, alvas e estolas eram legais. Na Comunhão, as palavras do livro 1549 "o Corpo de nosso Senhor Jesus Cristo", etc. foi combinado com as palavras do segundo livro de Edward, "Tome comer em memória." etc. A instrução para a congregação a se ajoelhar na Comunhão foi retido; mas o acompanhamento Preto Rubrica negando qualquer "presença real e essencial" de carne e sangue de Cristo, foi removido (MacCulloch 1996, p. 527). A natureza conservadora dessas mudanças sublinha o facto de que o protestantismo era de modo algum universalmente populares - um facto que a própria rainha reconhecido: ela reviveu Ato de Supremacia, dando-lhe o título ambíguo de Governador Supremo passou sem dificuldade, mas o Ato da uniformidade 1559 dando força legal para o Livro de Oração, passou pela House of Lords, por apenas três votos. (Starkey 2001, p. 284f) Ele fez história constitucional em que está sendo imposta pelos leigos sozinho, como todos os bispos, exceto aqueles preso pela rainha e impossibilitado de comparecer, votaram contra (Guy 1988, p. 262). Convocação tinha feito a sua posição clara ao afirmar a doutrina tradicional da Eucaristia, a autoridade do Papa, ea reserva por direito divino a eclesiásticos "de manobra e definindo a respeito das coisas que pertencem à fé, sacramentos e disciplina eclesiástica" (Clarke 1954 , p. 182).

Após as diversas inovações e reversões, as novas formas de culto teve tempo para se instalar. Entre as inovações de Cranmer, retidos no novo livro foi a exigência de comunhão semanal. Na prática, como antes da Reforma, muitos receberam comunhão raramente, tão pouco quanto uma vez por ano, em alguns casos, George Herbert . Estima-lo como não mais do que seis vezes \ (Marsh, 1998, p 50).. No entanto prática foi variável: muito alto comparecimento foi em festivais na maioria dos lugares na ordem do dia e em alguns lugares comunhão regular era muito popular, em outros lugares que fiquei afastado ou enviado "um servo para ser o representante litúrgica do seu agregado familiar." (Maltby 1998, p. 123) (Furlong 2000, p. 43). Poucos clero paroquial foram inicialmente licenciado para pregar pelos bispos; na ausência de um pregador licenciado, serviços de domingo eram obrigados a ser acompanhada pela leitura de um dos homilias escritos por Cranmer (Chapman 2006, p. 29). George Herbert foi, no entanto, não está sozinho em seu entusiasmo para a pregação, que ele considerada como uma das principais funções de um pároco (Maltby 1998, p. 67). A música foi muito simplificada e uma distinção radical desenvolvido entre, por um lado, adoração paróquia onde apenas o salmos métricos de Sternhold e Hopkins pode ser cantado e, por outro lado, o culto em igrejas com órgãos e sobreviventes fundações corais, onde a música de John Marbeck e outros foi desenvolvido em uma rica tradição coral (Procter & Frere 1965, p. 125) (Marsh 1998, p. 31). Todo o ato de adoração paróquia pode demorar bem mais de duas horas; e, consequentemente, as igrejas foram equipados com bancos em que as famílias poderiam sentar-se juntos (ao passo que na igreja medieval, homens e mulheres adoraram separadamente). Diarmaid MacCulloch descreve o novo ato de adoração como ", uma maratona manhã de oração, leitura das escrituras, e louvor, que consiste em mattins, ladainha, e ante-comunhão, de preferência como matriz para um sermão para proclamar a mensagem da escritura de novo por semana semana. " (Furlong 2000, p. 43).

Muitos fiéis que-comuns é, aqueles que podiam pagar uma cópia, como era caro-possuiria uma cópia do livro de orações. Judith Maltby cita uma história de paroquianos na Flixton em Suffolk que trouxeram seus próprios livros de oração para a igreja, a fim de vergonha seu vigário em conformidade com isso: eles finalmente deposto ele (Maltby 1998, p 44).. Entre 1549 e 1642, cerca de 290 edições do livro de oração foram produzidos (Maltby 1998, 24 p.). Antes do fim da Guerra Civil e da introdução do livro de orações de 1662, algo como um meio milhão de livros de oração são estimados para ter sido em circulação (Maltby 1998, 24 p.).

A (re) tradução para o latim do 1559 Livro de Oração Comum foi feita sob a forma de De Walter Haddon Liber Precum Publicarum de 1560. Seu uso foi destinado para as universidades.

Alterações em 1604

Com a morte de Elizabeth em 1603, o livro 1559, substancialmente o de 1552, que tinha sido considerado como ofensivo pelos gostos de Bishop Stephen Gardiner como sendo uma ruptura com a tradição da Igreja Ocidental, tinha vindo a ser considerado por alguns como indevidamente Católica. Em sua adesão e seguir o chamado Petição milenar, James I chamado o Hampton Court Conference, em 1604, a mesma reunião de bispos e sacerdotes Puritanos que iniciaram a versão autorizada da Bíblia. Este foi na verdade uma série de duas conferências: (i) entre James e os Bispos; (Ii) entre James e os puritanos no dia seguinte. Os puritanos criaram quatro áreas de preocupação: pureza da doutrina; os meios de mantê-la; o governo da igreja; e do Livro de Oração Comum. Aqui Confirmação, a cruz no batismo, batismo privado, o uso da sobrepeliz, ajoelha-se na comunhão, a leitura do Apocrypha; ea subscrição do BCP e os artigos foram todos abordados. No terceiro dia, depois de James tinha recebido um relatório de volta dos bispos e fez modificações finais, ele anunciou suas decisões para os puritanos e Bispos. (Procter & Frere 1965, pp. 138-140)

O negócio de fazer as mudanças foi então confiada a um pequeno comitê de bispos e do Conselho Privado e, além de arrumar detalhes, esta comissão introduzido na manhã e à noite oração uma oração para a família real; adicionadas várias ações de graças às orações ocasionais no final da Ladainha; alteraram as rubricas do Batismo privada limitando-o ao ministro da paróquia, ou algum outro ministro lícitas, mas ainda permitindo que em casas particulares (os puritanos queriam só na igreja); e adicionado ao Catecismo da seção sobre os sacramentos. As mudanças foram postas em prática por meio de uma explicação emitido por James no exercício da sua prerrogativa sob os termos do ato da uniformidade 1559 e Ato de Supremacia. (Procter & Frere 1965, pp. 140-143)

A adesão de Charles I (1625-1649) trouxe uma mudança completa no cenário religioso em que o novo rei usou a sua supremacia sobre o estabelecido, igreja estatal "para promover o seu próprio estilo idiossincrático de sacramental Reinado", que era "uma muito estranho aberração dos primeiros cem anos do início reformada Igreja da Inglaterra ". Ele questionou "a base populista e parlamentar da Igreja da Reforma" e instável em grande medida "a acomodação consensual do anglicanismo" (Davies 1992, p. 2-3) e isso levou à Guerra Civil e republicana Commonwealth.

Com a derrota de Charles I (1625-1649) na Guerra Civil a pressão puritana, exercida através de um Parlamento muito mudado, tinha aumentado. Petições de inspiração puritanos para a remoção do livro de oração e episcopado " raiz e ramo 'resultou em inquietação local em muitos lugares e, eventualmente, a produção de petições de balcão organizado localmente. O governo parlamentar teve o seu caminho, mas tornou-se claro que a divisão não estava entre católicos e protestantes, mas entre Puritans e aqueles que valorizaram a liquidação elizabetano. (Maltby 1998, 24 p.). O livro 1604 foi finalmente banida pelo Parlamento em 1645 para ser substituído pelo Diretório do Culto Público, que era mais um conjunto de instruções do que um livro de orações. Como amplamente o Diretório foi utilizado não é certo; há alguma evidência de ter sido comprado, nas contas dos Churchwardens, mas não muito. O Livro de Oração certamente foi usada clandestinamente em alguns lugares, até porque o diretório não previa nada para os serviços de sepultamento. Após a execução de Carlos I em 1649 eo estabelecimento da Commonwealth sob Lord Protector Cromwell , que não iria ser reintegrado até pouco depois da restauração da monarquia para a Inglaterra.

John Evelyn registra em sua Diário tomando Comunhão de acordo com o Livro rito 1604 Oração:

Dia de Natal 1657. Eu fui a Londres com a minha mulher para celebrar o Dia de Natal ... sermão terminou, como [o ministro] estava nos dando o santo sacramento, a capela foi cercada com soldados, e todos os comungantes e montagem surpreso e mantidos prisioneiros por eles, alguns em casa, outros levar ... Esses canalhas miseráveis realizou seus mosquetes contra nós como veio-se para receber os elementos sagrados, como se teria atirado nós no altar.

Alterações feitas na Escócia

Abortivo 1637 livro Oração do Laud.

Em 1557, os senhores escoceses protestantes havia adotado o Inglês Livro de Oração de 1552, para a adoração reformada na Escócia. No entanto, quando John Knox retornou à Escócia em 1559, continuou a utilizar a forma de oração que ele havia criado para os exilados ingleses em Genebra , e em 1564, este suplantou o Livro de Oração Comum, ao abrigo do título da Livro Ordem dos Comuns.

Na sequência da adesão do rei James VI da Escócia ao trono da Inglaterra, seu filho, o rei Charles I , com a assistência do Arcebispo Laud procurou impor o livro de oração na Escócia (Perry 1922). O livro em questão não foi, no entanto, o livro 1559, mas muito a de 1549, o primeiro livro de Edward VI. Utilizado pela primeira vez em 1637, nunca foi aceite, tendo sido violentamente rejeitado pelos escoceses. Seguindo Guerras dos Três Reinos (incluindo a Guerra Civil Inglês ), o Igreja da Escócia foi re-estabelecida em uma base presbiteriano, mas pelo Acto de Compreensão 1690, a alcatra de episcopais foram autorizados a manter o seu benefices. Para liturgia eles olharam para o livro de Laud e em 1724 o primeiro dos 'pequeninos' Bookies foi publicado, contendo, por uma questão de economia, a parte central da Comunhão começando com o Ofertório (Perry 1922, Capítulo 4).

Entre então e 1764, quando uma versão mais formal revista foi publicada, uma série de coisas aconteceu que estavam para separar a liturgia Scottish Episcopal de forma mais firme a partir de qualquer dos livros em inglês de 1549 ou 1559. Em primeiro lugar, as alterações informais foram feitas para a ordem do várias partes do serviço e inserção de palavras que indicam uma intenção sacrificial da Eucaristia; em segundo lugar, como resultado das pesquisas de Bishop Rattray para as liturgias de São Tiago e São Clemente, publicado em 1744, a forma da invocação foi alterado. Essas mudanças foram incorporadas ao livro 1764, que era para ser a liturgia da Igreja Episcopal da Escócia (até 1911, quando foi revisto), mas foi para influenciar a liturgia da Igreja Episcopal nos Estados Unidos. Um completamente nova revisão foi concluída em 1929, e várias ordens alternativas do serviço de comunhão e outros serviços foram elaboradas desde então.

Edição 1662

Página de título do livro Oração de 1662, impresso porJohn Baskerville em 1762.

O livro foi impresso oração 1662 apenas dois anos após a restauração da monarquia, na sequência da Conferência Savoy entre representativos presbiterianos e doze bispos que foi convocada pela Royal Warrant para "aconselhar sobre e rever o Livro de Oração Comum" (Procter & Frere 1965, p. 169.170). Tentativas dos presbiterianos liderados por Richard Baxter para conseguir a aprovação de um livro de serviço alternativo fracassou. Suas principais objeções (excepções) foram: em primeiro lugar, que era impróprio para a congregação leiga de tomar qualquer parte vocal em oração (como no Ladainha ou Oração do Senhor), além de dizer "Amém"; em segundo lugar, que nenhuma oração conjunto deve excluir a possibilidade de uma alternativa de improviso do Ministro; em terceiro lugar, que o ministro deve ter a opção de omitir parte da liturgia conjunto, a seu critério; em quarto lugar, que os curtos Coleta deve ser substituído por orações e exortações mais longos; e em quinto lugar, que todos os sobreviventes cerimonial "Católica" deve ser removido. (Harrison & Sansom 1982, p. 53)

Incapaz de aceitar o novo livro, de 936 ministros foram privados. (. Spurr 1991, p 43: ver) Com efeito, o Livro de Oração de 1662 marcou o fim de um período de pouco mais de 100 anos, quando uma forma comum de liturgia serviu por quase toda a adoração pública reformada na Inglaterra; eo início da divisão permanente entre anglicanos e não-conformistas (Edwards 1983, p. 313). A linguagem real da revisão 1662 foi mudado pouco desde que de Cranmer. Com duas exceções, algumas palavras e frases que se tornaram arcaicas foram modernizadas; em segundo lugar, as leituras do Epístola e Evangelho na Santa Comunhão, que tinha sido estabelecido no total desde 1549, foram agora definido para o texto de 1611 Versão Autorizada da Bíblia. O Saltério, que não tinha sido impresso no 1549, 1552 ou 1559 Books-se em 1662 fornecido na tradução de Miles Coverdale da Grande Bíblia de 1538.

Foi esta edição, que era para ser o oficialLivro de Oração Comum, durante o crescimento do Império Britânico, e, como resultado, tem sido uma grande influência sobre os livros de orações das igrejas Anglicana mundial,liturgias de outras denominações em Inglês, e doidioma Inglêscomo um todo.

Outras tentativas de revisão

1662-1832

A Recolha para 05 de novembro, no Livro de Oração Comum publicada Londres 1689, referindo-se aConspiração da Pólvora e a chegada deWilliam III

Depois que o livro 1662 oração, desenvolvimento cessou em Inglaterra até o século XX; que ele fez foi, no entanto, um pouco de uma coisa correr perto. Com a morte de Carlos II, seu irmão, um católico romano, tornou-se James II . James desejava alcançar tolerância para aqueles de sua própria fé católica romana, cujas práticas ainda foram proibidos. Isso, no entanto, chamou os presbiterianos mais perto da Igreja da Inglaterra em seu desejo comum de resistir "papado"; falar de reconciliação e litúrgica compromisso foi, assim, no ar. Mas, com o vôo de James em 1688 e com a chegada do calvinista William de Orange a posição das partes mudou. Os presbiterianos poderia alcançar a tolerância das suas práticas, sem esse direito a ser dada aos católicos romanos e sem, portanto, terem de submeter-se a Igreja da Inglaterra, mesmo com uma liturgia mais aceitável para eles. Eles estavam agora em uma posição muito mais forte para exigir mudanças que eram cada vez mais radical. John Tillotson, Dean de Canterbury pressionado o rei a criação de uma Comissão para produzir uma tal revisão (Fawcett 1973, 26 p.). A chamada Liturgia da Compreensão de 1689, que foi o resultado, sofreu dois terços das demandas Presbiteriana de 1661; mas quando veio a convocação dos membros, agora mais medo de agenda percebida de William, nem sequer discutir o assunto e seu conteúdo foram, durante muito tempo, nem mesmo acessível (Fawcett 1973, p. 45). Este trabalho, no entanto, fez a influenciar os livros de orações de muitas colônias britânicas.

1833-1906

Por volta do século 19 outras pressões sobre o livro de 1662 tinham surgido. Os adeptos da Movimento de Oxford, iniciado em 1833, levantou questões sobre a relação da Igreja da Inglaterra para a igreja apostólica e, portanto, sobre as suas formas de culto. Conhecido como Tractarians após a sua produção de Tracts para o Times sobre questões teológicas, eles avançaram o caso de a Igreja da Inglaterra sendo essencialmente uma parte da 'Igreja do Ocidente ", do qual a Igreja Católica Romana foi o principal representante. O uso ilegal de elementos do rito romano, o uso de velas, incensos, paramentos e práticas conhecidas como ritualismo, tornou-se generalizada e levou à Lei de Regulamentação Culto Público 1874, que estabeleceu um novo sistema de disciplina, com a intenção de trazer as 'Romanisers 'na conformidade (Carpenter 1933, p. 234). A Lei não teve efeito sobre práticas ilegais: cinco clero foram presos por desacato ao tribunal e depois do julgamento do muito amado Bispo Edward King of Lincoln, ficou claro que alguma revisão da liturgia teve que ser levada a cabo (Carpenter 1933, p . 246).

"A Câmara dos Comuns foi dentro de seus direitos constitucionais ao rejeitar em poucas horas o trabalho de muitos anos ansiosos. Membros não-conformistas e membros de círculos eleitorais que não foram afetados pelo Livro Revisado foram apenas exercer seus direitos legais completos em jogar fora um Medida que foi aprovado pela maioria dos membros do Parlamento Inglês. Mas o que foram as razões por trás dos votos da maioria, a rejeição das medidas deixou claro que a Igreja não possui liberdade espiritual completa para determinar a sua adoração ... " (Garbett 1947, p. 194)

Stephen Neill aponta que os membros católicos romanos do Parlamento se abstiveram de votar. (Neill 1960, p. 397note)

Em resposta a essa rejeição, os bispos emitiram uma declaração unânime, afirmando o direito da Igreja de ordenar as suas formas de culto, e, em 1929, a Câmara Alta do Convocação de Canterbury resolvido que os bispos pode aprovar o uso do livro 1928, não obstante a falta de autoridade parlamentar. Tornou-se comum para livros de oração para imprimir as 1662 e 1928 formas de serviço em colunas paralelas, embora a base jurídica da revisão ainda não está claro. Foram bastante amplamente adotado os 1.928 formulários revisados ​​de Matrimônio e Batismo, mas os de outros ritos tendiam a não ser; a consequência, na prática, ser muito grande variação na prática litúrgica de paróquia em paróquia, com muito poucos clérigos que aderem de forma consistente com a observação estrita quer dos 1662 ou de 1928 formas de culto.

O efeito do fracasso do livro 1928 foi salutar: não há mais tentativas foram feitas para rever o Livro de Oração Comum . Em vez de um processo diferente, a de produzir um livro alternativa, levou à publicação da série 1, 2 e 3 em 1960, 1980 Alternativa Livro de serviço e, posteriormente, para o 2000 Adoração Comum série de livros. Ambos diferir substancialmente do Livro de Oração Comum, embora este último inclui o formulário de pedido Dois da Sagrada Comunhão uma muito ligeira revisão do serviço de livro de orações, em grande parte, ao longo das linhas proposto para o Livro de Oração 1928. Uma ordem segue o padrão de bolsa de estudos litúrgica moderna.

Desde 2001

Em 2003, um católico romano adaptação do BCP foi publicado chamado o Livro de Culto Divino . É um compromisso de material retirado da proposta livro 1928, de 1979 ECUSA livro, eo Missal Romano. Convertidos católicos do anglicanismo no Anglicana Use publicou principalmente para seu uso.

Livros de Oração da Comunhão Anglicana

Com a expansão colonial britânico do século XVII em diante, a Igreja Anglicana foi plantada em todo o globo. Essas igrejas no início utilizadas e então revista a utilização do Livro de Oração, até que eles, como seu pai, produziu livros de oração, que teve em conta os desenvolvimentos no estudo e prática litúrgica nos séculos XIX e XX, que vêm sob o título geral de o Movimento Litúrgico.

?frica

O Livro de Oração Comum da África é o mesmo que os de outros lugares. Cada província tem sua própria assinatura que é colocada nas páginas de capa do livro, pois há algumas palavras que diferem de província para outra. Em iorubá que é conhecido como "Iwe Adura gbogbo ti Ijo Anglikan".

?sia

China e Hong Kong

O Livro de Oração Comum é chamado公禱書em chinês ( pinyin : Gong Shu Dao , Jyutping: Gung Tou Sy). As antigas dioceses do agora extinto Chung Hua Sheng Kung Hui teve seu próprio Livro de Oração Comum. O Sínodo Geral e do Colégio dos Bispos do Chung Hwa Sheng Kung Hui planejado para publicar uma versão unificada para o uso de todas as igrejas anglicanas na China em 1949, que foi o 400º aniversário da primeira publicação do Livro de Oração Comum. Depois que os comunistas tomaram o poder China continental, os Diocese de Hong Kong e Macau tornou-se independente do Chung Hua Sheng Kung Hui, e continuou a usar a edição emitido em Xangai em 1938, com uma revisão em 1959. Esta edição, também chamado de "Black -Cobrir Livro de Oração Comum "黑皮公禱書por causa de sua capa preta, ainda permanece em uso após o estabelecimento do Hong Kong Sheng Kung Hui (província anglicana em Hong Kong). O estilo de linguagem de "Black-Cover Livro de Oração Comum" está mais perto do que clássica chinesa chinesa contemporânea.

Coréia

O Igreja Anglicana da Coréia fez uma tradução 1965 do BCP em coreano e chamou-lhe "gongo-do-gi-do-mun", que significa orações comuns. Em 1994, as orações anunciou "permitido" pelo Conselho 1982 Bispos da Igreja Anglicana da Coreia foi publicado em uma segunda versão do Livro de Orações Comuns Em 2004, o Conselho Nacional Anglicana publicou o terceiro eo Livro atual de Orações Comuns conhecidos como "-gong-Seoung hwe gi-do-seo" ou as "Orações Anglicanas", incluindo as missas diárias, missas especiais, baptismo, confirmação, Exéquias, missa de casamento, rito de ordenação Missa, e todos os outros eventos do Igreja Anglicana da Coréia celebra. A dicção dos livros mudaram a partir da versão 1965 para a versão de 2004. Por exemplo, a palavra "Deus", o que costumava ser "Cheon-joo" foi alterado para "ha-nu-nim" de acordo com a tradução cristã Pública. A Bíblia que a Igreja Anglicana da Coréia usa é a edição de 1994 chamado de "gongo-dong beon-yuk-Seong-seo" ou a tradução da Bíblia Comum.

?ndia

O Igreja do Sul da Índia foi a primeira moderna igreja Episcopal unindo, que consiste, como o fez, desde a sua fundação em 1947, no momento da independência da Índia, dos anglicanos, metodistas, presbiterianos e congregacionais, cristãos reformados. Sua liturgia, a partir do primeiro, combinado a livre utilização da linguagem de Cranmer com uma adesão aos princípios de participação congregacional ea centralidade da Eucaristia, muito em linha com o Movimento Litúrgico. Porque era uma igreja minoritária de tradições muito diferentes em uma cultura não-cristã (exceto em Kerala , onde o cristianismo tem uma longa história), a prática variou descontroladamente.

As Filipinas

Livro de Oração Comum da Igreja de Santa Maria,Sagada,província da montanha, Filipinas
O Diglot Livro Inglês-Chinês de Orações Comuns, usado pela comunidade filipino-chinês dePro-Catedral de Santo Estêvão

À medida que as Filipinas está ligado ao mundo inteiroComunhão Anglicanaatravés daIgreja Episcopal das Filipinas, a edição principal do Livro de Oração Comum em uso em toda as ilhas é a mesma que a dos Estados Unidos.

Além da versão americana eo Livro filipino recém-publicado de Oração Comum, o filipino-chinês de Pro-Catedral de Santo Estêvão, nodiocese de Filipinas Central usa o Inglês-ChinêsDiglot Livro de Oração Comum, publicado pela Igreja Episcopal de Sudeste Asiático.

A ECP, desde então, publicou o seu próprio Livro de Oração Comum após a conquista da plena autonomia em 1 de Maio de 1990. Esta versão é notável para a inclusão das orações para a Misa de Gallo, um populardevoção Christmastide entrefilipinos.

Europa

Irlanda

William Bedell havia empreendido uma tradução irlandesa do Livro de Oração Comum em 1606. Uma tradução irlandês do livro de oração revista de 1662 foi efectuada por John Richardson (1664-1747) e publicado em 1712. Ele foi revisto várias vezes, e o presente edição tem sido usado desde 2004.

País de Gales

Uma lei do Parlamento aprovada no ano de 1563, intitulada "Um Acto para o Translating da Bíblia e do Serviço Divino para a língua galesa," ordenou que o Antigo eo Novo Testamento, em conjunto com o Livro de Oração Comum, estavam a ser traduzido em galês. A tradução por Richard Davies, bispo de St David eo estudioso William Salesbury foi publicado em 1567 por Humphrey Toy como Y Llyfr Gweddi Gyffredin . Uma nova revisão - provavelmente pelo Bispo George Griffith (1601-1666), de St Asaph - baseado no livro Inglês revisto de 1662, foi publicado em 1664.

Mesmo após a criação da Igreja no País de Gales de 1920, o livro 1662 (e seu equivalente Galês) foi usado até 1966, quando os ensaios de novos serviços começou. O livro atual foi publicado em 1984, e está atualmente sob revisão.

Ilha de Man

O primeiro Manx tradução do Livro de Oração Comum foi feito pelo bispo John Phillips deSodor e Man em 1610. A mais bem-sucedida "Nova Versão" pelo bispo Mark Hildesley (1698-1772) estava em uso até 1824 quando Inglês liturgia se tornou universal na ilha .

Oceânia

Austrália

O Igreja Anglicana da Austrália , até 1981 oficialmente conhecida como a Igreja da Inglaterra, na Austrália e Tasmânia , tornou-se auto-regulam, em 1961. Entre outras coisas, o Sínodo Geral acordado que o Livro de Oração Comum foi o de "ser considerado como o padrão autorizado de culto e doutrina desta Igreja ... ". Em 1978 Uma Oração australiano livro foi produzido que pretendia aderir a este princípio, de modo que quando o Comité das litúrgica não poderiam concordar com uma formulação, as palavras ou expressões do BCP estavam a ser utilizados ( A Igreja da Inglaterra na Austrália Trust Corporation 1978 ). O resultado foi a revisão conservador.

Em 1995, um processo semelhante pode ser observada como em outros lugares com a produção de um livro de orações para a Austrália , que partiu de tanto a estrutura e redação do BCP. O processo foi acompanhado por numerosas acusações, nomeadamente pelos profundamente conservadores evangélicos Diocese de Sydney que anotou a perda de redacção BCP e de uma "doutrina bíblica da expiação substitutiva" explícito. A Diocese de Sydney desenvolveu o seu próprio livro pequena oração, chamado Serviços de domingo , para complementar o livro de orações existente e preservar a teologia original, que a diocese Sydney afirma ter sido modificada.

América do Norte e Central

Canadá

O Igreja Anglicana do Canadá desenvolveu seu primeiro Livro de Oração Comum separadamente da versão em Inglês em 1918, que recebeu autorização final da Sínodo Geral em 1922. A revisão de 1959 foi muito mais substancial, tendo uma relação familiar com a do abortivo livro em 1928 Inglaterra. A linguagem foi modernizada de forma conservadora, bem como material adicional sazonal foi adicionado. Como na Inglaterra, enquanto muitas orações foram retidos a estrutura do serviço de Comunhão foi alterado: a Oração de Oblação foi adicionado à oração eucarística depois das palavras da instituição ", reflectindo assim a rejeição da teologia de Cranmer em desenvolvimentos litúrgicos em toda a Comunhão Anglicana . Mais controversa, o Saltério incluído no livro omitidas determinadas seções, incluindo a totalidade do Salmo 58. Sínodo Geral deu a autorização final para a revisão, em 1962, para coincidir com o 300º aniversário da 1662 Livro de Oração Comum. Uma tradução francesa, Le Recueil des Prières de la Communauté Chrétienne , foi publicado em 1967.

Após um período de experimentação com a publicação de vários suplementos, o Livro dos serviços alternativos foi publicado em 1985. Este livro (que deve muito a Católica Romana, Luterana, Anglicana e outras fontes) foi amplamente suplantado o livro de 1959, embora os últimos restos autorizado. Como em outros lugares, tem havido uma reação e a versão canadense do Livro de Oração Comum encontrou apoiantes.

Línguas indígenas

O Livro de Oração Comum, também foi traduzido para línguas indígenas da América do Norte: Cowitchan, Cree, Haida, Ntlakyapamuk, Slavey, Esquimó-Aleut, Dakota, Delaware, Mohawk, Ojibwe.

Ojibwa

Joseph Gilfillan era o editor-chefe de 1911Ojibwa edição do Livro de Oração Comum, intituladoIu Wejibuewisi Mamawi Anamiawini Mazinaigun(Mazina'igan Iw Wejibwewizi Maamawi-anami'aawini) (Wohlers 2007, capítulo 68).

Estados Unidos

O Igreja Episcopal separou-se da Igreja da Inglaterra em 1789, tendo sido estabelecido nos Estados Unidos em 1607. Seu livro de orações, publicado em 1790, teve como suas fontes, a 1.662 Inglês livro eo 1764 Scottish Liturgia (veja acima), que Bishop Seabury de Connecticut tinha trazido após a sua consagração em Aberdeen em 1784, contendo elementos de cada Perry (1922). O prefácio de 1789 Livro de Oração Comum diz que "esta Igreja está longe de ser a intenção de afastar-se da Igreja da Inglaterra, em qualquer ponto essencial da doutrina, disciplina, ou adoração ... ainda mais do que as circunstâncias locais exigem." Houve algumas diferenças notáveis. Por exemplo, no serviço de Comunhão após as palavras da instituição segue-se uma oração de oblação de 1549, mas no qual foram inseridas as palavras "que nós oferecemos agora a ti" (em small caps) com referência aos "dons sagrados '. Um epiclesis foi incluída, como no livro escocês, embora modificada para atender às objeções reformistas. Em geral, o livro foi modelado no Inglês Livro de Oração, a Convenção ter resistido tentativas de supressão e revisão (McGarvey & Gibson 1907).

Revisões posteriores ocorreram em 1892 e 1928, em que foram efectuadas pequenas alterações, retirando, por exemplo, algumas das Exortações de Cranmer e introduzindo inovações como orações para os mortos.

Em 1979, uma revisão mais substancial foi feita. Havia agora dois ritos para os serviços mais comuns, o primeiro que manteve a maior parte do idioma de 1928, eo segundo usando apenas linguagem contemporânea (alguns deles recém-composta, e alguns adaptados a partir da linguagem mais velho). Muitas mudanças foram feitas nas rubricas e as formas dos serviços, que geralmente eram feitas para ambas as versões tradicionais e contemporâneas de linguagem. No entanto, não foi sem dúvida um maior grau de continuidade do que era o caso na Inglaterra, o que pode explicar o facto de todos os livros da série, 1790-1979 reter o mesmo título. O livro 1979 deve muito ao Movimento Litúrgico e para o renascimento católico do século 19. Muitos tradicionalistas, ambos os Anglo-católicos e evangélicos, se sentiam alienados pelas mudanças teológicas feitas no BCP 1979, e em 1991 A Igreja do Bom Pastor, em Rosemont, PA publicou um livro intitulado, a Anglicana Livro de serviço que é "uma adaptação da linguagem tradicional 1979 Livro de Oração Comum juntamente com o Saltério ou Salmos de David e Devoções adicionais. " Livros como este são permitidos na Igreja Episcopal por causa de uma rubrica no Livro de Oração 1979 que permite a tradução da linguagem contemporânea para a linguagem tradicional de 1928 Livro de Oração Comum.

Mesmo assim, a revisão causou alguma controvérsia e, em 2000, da Convenção Geral da Igreja Episcopal emitiu um pedido de desculpas para os "ofendidos ou alienados durante o tempo de transição para litúrgica de 1979 Livro de Oração Comum." Uso de 1928 Livro de Oração Comum está desanimado. Artigo X dos Cânones da Igreja Episcopal prevê que "[o] Livro de Oração Comum, conforme estabelecido agora ou futuramente alterada pela autoridade desta Igreja, devem estar em uso em todas as Dioceses desta Igreja", que, de Claro, é uma referência para o 1979 Livro de Oração Comum, mas muitas paróquias ainda usá-lo regularmente ou ocasionalmente, para a sensibilidade pastoral, por razões doutrinais e pela beleza de sua linguagem.

O Livro de Oração Cruz foi erguida em Golden Gate Park de San Francisco em 1894 como um presente da Igreja da Inglaterra. Criado por Ernest Coxhead, ele fica em um dos pontos mais altos no Golden Gate Park. Ele está localizado entre John F. Kennedy Drive e Parque Presidio Drive, perto de Cross Over Drive. Este 57 pés (17 m) cruz arenito comemora o primeiro uso do Livro de Oração Comum na Califórnia pelo capelão de Sir Francis Drake em 24 de junho de 1579.

Influência religiosa

O Livro de Oração Comum teve uma grande influência sobre uma série de outras denominações. Enquanto teologicamente diferente, a língua e fluxo do serviço de muitas outras igrejas tem uma grande dívida para o livro de orações. Em particular, muitos livros de orações cristãs têm desenhado na Coleta para os domingos do Ano-Igrejas principalmente livremente traduzido ou mesmo "repensado" (Neill 1960, p. 69) por Cranmer a partir de uma ampla gama de tradições cristãs, mas incluindo um número de são amplamente reconhecidos como obras-primas da construção litúrgica comprimido que composições originais.

John Wesley , um padre anglicano cujo revivalista pregação levou à criação do Metodismo , escreveu: "Eu acredito que não há Liturgia no mundo, seja na língua antiga ou moderna, que respira mais de um sólido, escritural, piedade racional do que a oração comum da Igreja da Inglaterra. " Muitas igrejas metodistas na Inglaterra e nos Estados Unidos continuaram a usar uma versão ligeiramente revista do livro para os serviços de comunhão bem para o século 20. No United Methodist Church, a liturgia para celebrações eucarísticas é quase idêntico ao que é encontrado no Livro de Oração Comum , como são alguns dos outros liturgias e serviços.

Uma variante original foi desenvolvido em 1785 em Boston , Massachusetts, quando a histórica Capela do rei (fundada 1686) deixaram a Igreja Episcopal e tornou-se uma igreja Unitária independente (Reis Capela 2007). Para este dia, Capela do rei usa exclusivamente o Livro de Oração Comum acordo com a utilização em Capela do rei em sua adoração (Reis Capela 2007).

Influência literária

Juntamente com a versão autorizada e as obras de Shakespeare , o Livro de Oração Comum foi uma das três bases fundamentais do Inglês moderno. Como tem sido em uso regular durante séculos, muitas frases de seus serviços passaram para o idioma Inglês , tanto cotações deliberadas ou por empréstimos como inconscientes. Eles são usados ​​de maneiras não-litúrgicas. Por exemplo, muitos autores têm utilizado citações do livro de oração como títulos para seus livros.

Alguns exemplos de frases bem conhecidas do Livro de Oração Comum são:

  • "Fale agora ou segure para sempre sua paz" daliturgia casamento.
  • "Até que a morte nos separe", a partir da liturgia casamento.
  • "Terra à terra, cinzas às cinzas, pó ao pó" doserviço de funeral.
  • "De todos os enganos do mundo, a carne eo diabo" daladainha.
  • "Leia, marca, aprender e digerir internamente" a partir dorecolher, para o segundo domingo doAdvento.
  • "Fígado Evil" a partir das rubricas para a Sagrada Comunhão.
  • "Todos os tipos e condições de homens" da decisão de Laudes.
  • "A pazno nosso tempo "de Laudes, Versículos.

A frase "até que a morte nos separe" ("até que a morte nos despedir" antes de 1662) foi alterado para "até que a morte nos separe" em alguns livros de oração mais recentes, como o 1962 Canadian Livro de Oração Comum.

As referências e alusões a serviços de livro de orações nas obras de Shakespeare foram rastreados e identificados por Richmond Noble (Noble 1935, p. 82). Escárnio do Livro de Oração ou o seu conteúdo "Em qualquer interlúdios, jogos, canções, rimas, ou por outras palavras abertos" era uma ofensa criminal sob a 1,559 ato da uniformidade e, consequentemente, Shakespeare evita referência muito directa; mas Noble identifica particularmente a leitura do Saltério de acordo com a versão Grande Bíblia especificado no Livro de Oração, como o livro bíblico de gerar o maior número de referências bíblicas em peças de Shakespeare. Noble encontrado um total de 157 alusões aos Salmos nas peças do First Folio, relativa a 62 separados Salmos-tudo, exceto um, do qual ele vinculado à versão no Saltério, e não aqueles na Bíblia de Genebra ou Bishops ' Bíblia. Além disso, há um pequeno número de alusões diretas para os textos litúrgicos do Livro de Oração; por exemplo, Henry VIII 3: 2, onde Wolsey afirma "Pomp Vain e glória deste mundo, eu odeio-vos!", uma clara referência ao rito do Batismo Pública; onde os padrinhos são perguntou: "Tu fazes abandonar o pompe Vaine e glória do worlde ..?"

Mais recentemente, PD James usou frases doLivro de Oração Comume os transformou em best-seller titles- Devices e Desejose os filhos dos homens,enquantofilme de 2006 de Alfonso Cuarón Children of Mencolocou a frase sobre marquises de cinema em todo o mundo.

Status de direito autoral

Como o Livro de Oração Comum é muito tempo fora de direitos autorais, ele pode ser reproduzido livremente na maior parte do mundo. No entanto, no Reino Unido, o Crown detém os direitos como parte da prerrogativa real e, como tal, eles são perpétua. Publishers estão licenciados para reproduzir o Livro de Oração Comum, ao abrigo cartas patentes que proíbem qualquer outra pessoa que os titulares (e aqueles autorizados por eles) de impressão, publicação ou importar o Livro de Oração Comum para o Reino Unido.

Cartas patentes para Inglaterra , País de Gales e Irlanda do Norte são detidas pela impressora rainha, e para a Escócia pelo Conselho Bíblia escocês. O escritório de impressora da rainha tem sido associada com o direito de reproduzir a Bíblia por muitos anos, com a mais antiga referência conhecida vinda em 1577. Outras cartas patentes de semelhante concessão antiguidade Cambridge University Press e Oxford University Press o direito de produzir o Livro de comum Oração independentemente de Imprensa da Rainha. Imprensa da Rainha é atualmente a Cambridge University Press, a partir de sua takover de Eyre & Spottiswoode (que tinha sido Printer rainha desde 1901), no final do século 20. A proteção que o Livro de Oração Comum e da Versão Autorizada desfrutar é o último remanescente do momento em que a Coroa detinha o monopólio sobre toda a impressão e publicação no Reino Unido. Esta prerrogativa não deve ser confundida com a Crown copyright, ou direito de autor sobre obras do governo do Reino Unido.

O O livro de Episcopal Church é sempre colocado em domínio público. Uso de ensaio e liturgias suplementares são no entanto protegidas por copyright Igreja Publishing, o braço editorial oficial da Igreja.

Edições

  • Anglican Church of Canada (1962),O Livro de Oração Comum, Toronto: Anglicana Book Centre Publishing, pp 736,. ISBN 0-921846-71-1
  • Igreja da Inglaterra (1977) [1549 e 1552],A Primeira e Segunda Livros de Oração do Rei Edward VI, Londres: Biblioteca do Everyman, ISBN 0-460-00448-4
  • Igreja da Inglaterra (1999) [1662],O Livro de Oração Comum, Londres: Biblioteca do Everyman, ISBN 1-85715-241-7
  • A Igreja Episcopal (1979),Livro de Oração Comum (1979), Oxford University Press, ISBN 0-19-528713-4
  • A Igreja da Inglaterra na Austrália Trust Corporation (1978),Um livro de oração australiano, Casa de St.Andrew, Sydney Square, Sydney:. Anglicana Information Office Press, pp 636 p, ISBN 0-909827-79-6
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Book_of_Common_Prayer&oldid=540038685 "