Conteúdo verificado

Confúcio

Assuntos Relacionados: Filósofos

Sobre este escolas selecção Wikipedia

Crianças SOS têm produzido uma seleção de artigos da Wikipédia para escolas desde 2005. Você quer saber sobre o patrocínio? Veja www.sponsorachild.org.uk

Confúcio
Confúcio Tang Dynasty.jpg
Um retrato de Confúcio pela Dinastia Tang artista Wu Daozi (680-740)
Nascido 551 aC
Zou, Lu estado
Morreu 479 BC (com idade entre 71-72)
Estado Lu
Nacionalidade Chinês
Época A filosofia antiga
Região Filosofia chinesa
Escola Fundador do confucionismo
Principais interesses A filosofia moral , Filosofia social, Ética
Idéias notáveis Confucionismo

Confúcio (551-479 aC) foi um chinesa professor, editor, político e filósofo do Primavera e Outono período de história chinesa . A filosofia de Confúcio enfatizou a moralidade pessoal e governamental, a exatidão de relações sociais, a justiça ea sinceridade. Seus seguidores competiram com sucesso com muitas outras escolas durante o Cem Escolas de Pensamento era apenas para ser suprimida em favor da Os legalistas durante a dinastia Qin . Após a vitória de Han sobre Chu após o colapso do Qin, os pensamentos de Confúcio recebeu sanção oficial e foram desenvolvidos em um sistema conhecido como o confucionismo .

Confúcio é tradicionalmente creditado por ter de autoria ou editado muitos dos Textos clássicos chineses, incluindo todos os Cinco Clássicos, mas estudiosos modernos são cautelosos em atribuir afirmações específicas para o próprio Confúcio. Aforismos relativos seus ensinamentos foram compilados no Analectos, mas só muitos anos após sua morte.

Princípios de Confúcio tinha uma base na tradição chinesa comum e crença. Ele defendeu uma forte lealdade da família, o culto dos antepassados, o respeito dos mais velhos por seus filhos (e em interpretações tradicionais) dos maridos de suas esposas. Ele também recomendou a família como base para o governo ideal. Ele abraçou a princípio bem conhecido "Não faça aos outros o que você não quer que façam a ti", uma versão inicial do Regra de Ouro.

Names

Nome de família e pessoal de Confúcio foi, respectivamente Kong Qiu (孔丘Kǒng Qiu). Sua nome de cortesia foi Zhongni (仲尼Zhòngní). Na sequência de um Reconstrução chinês de idade, sua família e nome pessoal, respectivamente, pode ter sido Kʰˤoŋʔ Kʷʰə, enquanto seu nome de cortesia pode ter sido Truŋsnˤərs. Em chinês, ele é mais frequentemente conhecido como Kongzi (孔子, literalmente "mestre Kong"). Ele também é conhecido pelo título honorífico Kong Fuzi (孔夫子Kǒng Fūzǐ, literalmente "mestre Kong"). No Sistema Wade-Giles de romanização, o nome honorífico é processado como "K'ung Fu-tzu". O nome latinizado "Confúcio" é derivada de "Kong Fuzi", que foi cunhado pela primeira vez por missionários jesuítas do século 16 para a China, provavelmente por Matteo Ricci.

Dentro do Analectos, ele é muitas vezes referido simplesmente como "o Mestre" (子). Em 1 AD, Confúcio foi dado seu primeiro nome póstumo, o "louvável declarável Senhor Ni" (褒 成 宣 尼 公). Em 1530, ele foi declarado o "Professor Infiltrados Extremamente sábio" (至聖 先 師). Ele também é conhecido separadamente como o "grande sábio" (至聖), "Primeiro Mestre" (先 師), e "Modelo de Professores para a Ten Thousand Ages" (萬世 師表).

Fundo

Segundo a tradição, três gerações antes do tempo de Confúcio, seus ancestrais tinham migrado do Estado canção para o Lu estado. Confúcio foi dito ter sido um descendente dos reis Shang ou sacerdotes através dos Duques de Song.

Vida pessoal

Infância

Pensa-se geralmente que Confúcio nasceu em 551 aC. Seu local de nascimento foi em Zou, Estado Lu (perto da atual Qufu, Província de Shandong). Seu pai Kong Ele (孔 紇), também conhecido como Shuliang Ele (叔 梁 紇), era um oficial no exército Lu. Kong Ele morreu quando Confúcio tinha três anos, e Confúcio foi criado por sua mãe Yan Zhengzai (顏 徵 在) na pobreza. Aos 19 anos casou-se com sua mulher, de sobrenome Qiguan (亓 官), e um ano mais tarde, o casal teve seu primeiro filho, Kong Li (孔 鯉).

Confúcio nasceu na classe de shi (士), entre a aristocracia e as pessoas comuns. Ele disse ter trabalhado como pastor, pastor, caixeiro, e um guarda-livros. Quando sua mãe morreu, Confúcio (com idade entre 23) é dito ter lamentada por três anos como era a tradição.

Carreira política

O Estado Lu foi chefiada por uma casa ducal decisão. Sob o duque havia três famílias aristocráticas, cujas cabeças tinham o título de visconde e cargos hereditários realizadas no bureacracy Lu. A família Ji ocupou o cargo "Ministro sobre as massas", que também era o "primeiro-ministro"; a família Meng ocupou o cargo "Ministro das Obras"; ea família Shu ocupou o cargo "ministro da Guerra".

No inverno de 505 aC, Yang Hu-um retentor da família Ji-levantou-se em rebelião e tomaram o poder da família Ji.

No entanto, no verão de 501 aC, as três famílias hereditários tinha conseguido expulsar Yang Hu de Lu. Até então, Confúcio tinha construído uma reputação considerável através de seus ensinamentos, enquanto as famílias vieram para ver o valor de conduta e justiça adequada, para que eles pudessem alcançar a lealdade a um governo legítimo. Assim, nesse ano (501 aC), Confúcio chegou a ser nomeado para o cargo de governador minor de uma cidade. Eventualmente, ele levantou-se para o cargo de Ministro do Crime.

Confúcio desejado para voltar a autoridade do estado para o duque por desmantelar as fortificações das cidades-fortalezas pertencentes às três famílias. Dessa forma, ele poderia estabelecer um governo centralizado. No entanto, Confúcio baseou unicamente na diplomacia como ele não tinha autoridade militar si mesmo.

Em 500 aC, Hou Fan-governador de Hou-se revoltou contra o seu senhor da família Shu. Embora as famílias e Meng Shu sem sucesso sitiada Hou, um oficial leal levantou-se com o povo de Hou Hou Fan e forçou a fugir para o Estado Qi. A situação pode ter sido a favor de Confúcio como isso provavelmente tornou possível para Confúcio e seus discípulos para convencer as famílias aristocráticas para desmantelar as fortificações de suas cidades. Eventualmente, depois de um ano e meio, Confúcio e seus discípulos conseguiram convencer a família Shu para arrasar as paredes de Hou, a família Ji em arrasando as paredes do Bi, ea família Meng em demolir as paredes de Cheng.

Primeiro, a família Shu liderou um exército para a sua cidade Hou e derrubou suas paredes em 498 aC. Logo depois, Gongshan Furao-um retentor do controle Ji família-se revoltaram e tomou das forças em Bi. Ele imediatamente lançou um ataque e entrou na capital Lu.

Mais cedo, Gongshan tinha abordado Confúcio se juntar a ele, que Confúcio considerado em primeiro lugar. Mesmo que ele desaprovava o uso de uma revolução violenta, a família Ji dominado o estado Lu pela força por gerações e tinha exilado duque anterior. Embora ele queria a oportunidade de colocar seus princípios na prática, Confúcio deu-se sobre essa idéia no final. Creel (1949) afirma que, ao contrário do rebelde Yang Hu antes dele, Gongshan pode ter procurado destruir as três famílias hereditários e restaurar o poder do duque.

No entanto, Dubs (1946) afirma que ele foi instigado pelo Visconde Ji Huan para invadir a capital Lu em uma tentativa de evitar dismanteling as paredes fortificadas Bi. Seja qual for a situação pode ter sido, Gongshan foi considerado um homem justo que continuou a defender o estado de Lu, mesmo depois que ele foi forçado a fugir.

De acordo com Dubs (1946), os agressores se retiraram depois de perceber que eles teriam que se tornar rebeldes contra o Estado e contra a sua própria senhor. Em caso afirmativo, de acordo com Dubs (1946), este incidente resultou que os funcionários bi inadvertidamente se revoltaram contra o seu próprio Senhor através de Confúcio fazendo, assim, forçar a mão de Visconde Ji Huan em ter que desmontar as paredes do Bi (como poderia ter abrigado esses rebeldes ) ou confessar a instigar o evento, indo contra a conduta e retidão adequada como um oficial. Ele afirma ainda que o incidente trouxe à luz previsão de Confúcio, a capacidade política prática, e introspecção no caráter humano.

Durante a prova, Zhong You (仲 由) tinha conseguido manter o duque e os três viscondes juntos no tribunal. Zhong Você foi um dos discípulos de Confúcio e foi organizado o cargo de governador para a família Ji por Confúcio. Quando Confúcio ouviu falar do ataque, ele pediu de Visconde Ji Huan para permitir que o duque e sua corte para retirar-se para uma fortaleza em seus jardins do palácio. Daí em diante, os chefes das três famílias e retirou-se para o duque complexo do palácio do Ji e ascendeu ao Wuzi Terraço. Confúcio ordenou dois oficiais para liderar um ataque contra os rebeldes. Pelo menos um dos dois magnatas era um retentor da família Ji, embora de acordo com Dubs (1946), provavelmente, ambos eram, mas eram incapazes de recusar as ordens enquanto na presença do duque, viscondes e quadra. Os rebeldes foram acompanhados em busca e derrotado em Gu. Imediatamente após esta revolta foi golpeado para baixo, a família Ji arrasou as muralhas da cidade bi para o chão.

Quando chegou a hora de desmontar as muralhas da cidade da família Meng, o governador estava relutante em ter suas paredes da cidade demolida e convenceu o chefe da família Meng não fazê-lo. O Zuo Zhuan recorda que o governador desaconselhadas arrasando as paredes para o chão como ele disse que fez Cheng vulneráveis à Estado Qi e causar a destruição da família Meng. Embora Visconde Meng Yi deu sua palavra para não interferir com uma tentativa, ele voltou atrás em sua promessa anterior de desmantelar as paredes.

Mais tarde, em 498 aC, Duke Ding pessoalmente fui com um exército para sitiar Cheng em uma tentativa de destruir suas paredes para o chão, mas ele não teve êxito. Assim, Confúcio não poderia alcançar a reforma idealista que queria e restaurar o governo legítimo do duque, retornando para o período da Duque de Zhou. Como resultado de seu grau incomum de sucesso, Confúcio fez inimigos poderosos dentro do estado, especialmente com Visconde Ji Huan. De acordo com relatos no Zuo Zhuan e Shiji,

Confúcio partiu sua terra natal em 497 aC depois de seu apoio à tentativa fracassada de desmantelamento das muralhas da cidade de poderosas famílias Ji, Meng, e Shu. Ele deixou o estado de Lu sem renunciar, permanecendo em auto-exílio e incapaz de regressar enquanto a Visconde Ji Huan estava vivo.

Exílio

O Shiji afirma que a vizinha Estado Qi Lu estava preocupado que estava se tornando poderoso demais enquanto Confúcio estava envolvido no governo do estado Lu. De acordo com esse relato, Qi decidiu sabotar as reformas de Lu enviando 100 bons cavalos e 80 belas dançarinas para o Duque de Lu. O duque entregou-se no prazer e não compareceu para funções oficiais durante três dias. Confúcio foi profundamente decepcionado e resolveu deixar Lu e procurar melhores oportunidades, mas para deixar de uma vez exporia o mau comportamento do duque e, portanto, trazer humilhação pública ao governador Confúcio estava servindo. Portanto, Confúcio esperou para o Duque de cometer um erro menor. Logo depois, o Duque esqueceram de enviar a Confúcio uma parte da carne do sacrifício que lhe era devido de acordo com o costume, e Confúcio apoderou-se este pretexto para deixar tanto o seu posto eo estado Lu.

Após a renúncia de Confúcio, ele começou uma longa viagem ou um conjunto de viagens ao redor do pequenos reinos do nordeste e central da China, incluindo tradicionalmente os estados de Wei, Song, Chen, e Cai. Nos tribunais desses estados, ele expôs suas crenças políticas, mas não vê-los implementados.

Voltar para casa

De acordo com Zuo Zhuan, Confúcio voltou para casa quando ele tinha 68. Os Analectos mostrá-lo passar seus últimos anos ensinando 72 ou 77 discípulos e transmitir a antiga sabedoria através de um conjunto de textos chamado Cinco Clássicos.

Filosofia

O Dacheng Hall, o salão principal do Templo de Confúcio em Qufu.

Embora o confucionismo é muitas vezes seguida de uma forma religiosa pelos chineses, os argumentos continuam sobre se é uma religião. Confucionismo discute elementos do vida após a morte e pontos de vista sobre Céu, mas é relativamente pouco preocupados com algumas questões espirituais muitas vezes consideradas essenciais ao pensamento religioso, como a natureza do almas.

O Analectos de Confúcio.

No Analectos, Confúcio apresenta-se como um "transmissor que nada inventado". Ele coloca a maior ênfase na importância do estudo, e é o caráter chinês para o estudo ( 學) que abre o texto. Longe de tentar construir uma sistemática ou teoria formalista, ele queria que seus discípulos para dominar e internalizar os antigos clássicos, de modo que o seu profundo pensamento e estudo aprofundado lhes permita relacionar os problemas morais da presente aos eventos políticos do passado (como registrado nos anais) ou das últimas manifestações de plebeus 'sentimentos e reflexões dos nobres (como nos poemas do Livro de Odes).

Ética

Um dos ensinamentos mais profundos de Confúcio pode ter sido a superioridade de exemplificação pessoal sobre as regras explícitas de comportamento. Seus ensinamentos morais enfatizou auto-cultivo, emulação de exemplos morais, ea realização de julgamento qualificados ao invés de conhecimento das regras. Ética confucionista pode ser considerado um tipo de ética da virtude. Seus ensinamentos raramente contar com argumentos racionais e ideais éticos e métodos são transmitidas de forma mais indirecta, através de alusão, sugestão, e mesmo tautologia. Seus ensinamentos exigir exame e contexto, a fim de ser compreendido. Um bom exemplo é encontrado nesta famosa anedota:

廄焚子退朝,曰:. "傷人乎?"不問馬.
Quando os estábulos foram queimadas, ao retornar de tribunal Confúcio disse, "ninguém foi ferido?" Ele não perguntou sobre os cavalos.
Analectos X.11 (tr. Waley), 10-13 (tr. Legge), ou X-17 (tr. Lau)

Por não perguntando sobre os cavalos, Confúcio demonstra que o sábio valoriza os seres humanos sobre a propriedade; os leitores são levados a refletir sobre se sua resposta iria seguir Confúcio de e para perseguir o auto-aperfeiçoamento, se não o teria feito. Confúcio, como um exemplo da excelência humana, serve como o modelo final, ao invés de uma divindade ou uma verdade universal conjunto de princípios abstratos. Por estas razões, de acordo com muitos analistas, os ensinamentos de Confúcio pode ser considerado um exemplo Chinesa de humanismo .

Um de seus ensinamentos mais famosos era uma variante do Regra de ouro às vezes chamado de " Regra de Prata ", devido à sua forma negativa:

己所不欲,勿施於人.
"O que você não deseja para si mesmo, não faça para os outros."
?貢?曰:“有一言而?以終身行之者乎???曰:“其?乎?己所?欲?勿施於人。?
Zi Gong [discípulo] perguntou: "Existe alguma palavra que poderia guiar uma pessoa ao longo da vida?"
O Mestre respondeu: "Que tal 'reciprocidade' Nunca impor aos outros o que você não iria escolher para si mesmo!".
Analectos XV.24, tr. David Hinton

Muitas vezes esquecido na ética confucionista são as virtudes da auto: a sinceridade eo cultivo do conhecimento. Ação virtuosa para com os outros começa com pensamento virtuoso e sincero, que começa com o conhecimento. A disposição virtuosa sem conhecimento é suscetível à corrupção e ação virtuosa, sem sinceridade não é verdadeira justiça. Cultivando conhecimento e sinceridade também é importante para o seu próprio benefício; a pessoa superior adora aprender por uma questão de aprendizado e justiça por causa da justiça.

A teoria da ética confucionista como exemplificado em (禮) é baseada em três aspectos conceituais importantes da vida: cerimónias associados com sacrifício aos antepassados e divindades de vários tipos, instituições sociais e políticas, ea etiqueta de comportamento diário. Acreditava-se por alguns que originado dos céus, mas Confúcio enfatizou o desenvolvimento de através das ações de líderes sábios da história humana. Suas discussões de parecem redefinir o termo para se referir a todas as ações cometidas por uma pessoa para construir a sociedade ideal, ao invés de simplesmente aqueles em conformidade com as normas canônicas da cerimônia.

Na tradição confucionista cedo, estava fazendo a coisa certa no momento adequado, de equilíbrio entre a manutenção de normas existentes para perpetuar um tecido social ética, e violá-las, a fim de realizar boa ética. Formação no dos sábios do passado cultiva em pessoas virtudes que incluem juízo ético sobre quando deve ser adaptada à luz dos contextos situacionais.

No confucionismo, o conceito de li está intimamente relacionado com Yi (義), que se baseia na idéia de reciprocidade. pode ser traduzido como justiça, embora possa significar simplesmente que é eticamente melhor para fazer em um determinado contexto. O termo contrasta com ação feita fora do auto-interesse. Ao perseguir o seu próprio auto-interesse não é necessariamente ruim, seria uma pessoa melhor, mais justo, se a vida foi baseada em seguir um caminho projetado para melhorar o bem maior. Assim, um resultado de Yi é fazer a coisa certa pelo motivo certo.

Assim como a ação de acordo com a devem ser adaptados em conformidade com a aspiração de aderir à Yi, então Yi é ligado ao valor central da REN (仁). A REN é composto por 5 virtudes básicas: seriedade, generosidade, sinceridade, diligência e bondade REN é a virtude de cumprir perfeitamente próprias responsabilidades para com os outros, na maioria das vezes traduzido como "benevolência" ou "humanidade";. tradutor Arthur Waley chama de "bondade" (com um capital G), e outras traduções que têm sido formuladas incluem "authoritativeness" e "altruísmo". Sistema moral de Confúcio baseou-se empatia e entender os outros, ao invés de regras divinamente ordenadas. Para desenvolver um de respostas espontâneas da REN para que estes poderiam guiar a ação intuitivamente foi ainda melhor do que viver pelas regras do yì. Confúcio afirma que a virtude é um meio entre extremos. Por exemplo, a pessoa devidamente generoso dá o direito montante não muito e não muito pouco.

Política

Pensamento político de Confúcio é baseada em seu pensamento ético. Ele argumenta que o melhor governo é aquele que governa através de "ritos" (lǐ) e pessoas de moralidade natural, em vez de usar o suborno e coerção. Ele explicou que este é um dos Analectos mais importantes: "Se o povo ser liderada por leis, e uniformidade procurou ser dado a eles por punições, eles vão tentar evitar a punição, mas não têm senso de vergonha Se eles ser conduzido. em virtude, e uniformidade procurado que se lhes pelas regras do decoro, eles terão a sensação de vergonha, e além disso vai se tornar bom. " (Traduzido por James Legge) no Great Learning (大學). Este "sentimento de vergonha" é uma internalização dos dever, onde a punição precede a ação do mal, em vez de segui-lo na forma de leis como em Legalismo.

Confúcio olhou nostalgicamente em cima dos dias anteriores, e instou os chineses, particularmente aqueles com o poder político, a modelar-se em exemplos anteriores. Em tempos de divisão, caos e guerras intermináveis entre os estados feudais, ele queria restaurar o Mandato do Céu (天命) que poderia unificar o "mundo" (天下 ", tudo debaixo do Céu") e conferir paz e prosperidade para o povo. Porque sua visão de perfeições pessoais e sociais foi enquadrado como um renascimento da sociedade ordenada de épocas anteriores, Confúcio é muitas vezes considerado um grande defensor da conservadorismo, mas um olhar mais atento ao que ele propõe muitas vezes mostra que ele usou (e talvez trançado) instituições e ritos passados para empurrar uma nova agenda política própria: um renascimento de um estado real unificado, cujos governantes teria sucesso ao poder na base nos seus méritos morais em vez de linhagem. Estes seriam os governantes dedicados a seu povo, que se esforça para pessoal e social a perfeição, e tal governante iria espalhar suas próprias virtudes para as pessoas em vez de impor um comportamento adequado com as leis e regras.

Enquanto ele apoiou a ideia da decisão do governo por um rei virtuoso, suas idéias continha uma série de elementos para limitar o poder dos governantes. Ele defendeu acordo com língua verdade, e honestidade era de suma importância. Mesmo nas expressão facial, a verdade sempre deve ser representado. Confúcio acreditava que, se fosse uma régua para conduzir corretamente, por ação, que as ordens seriam consideradas desnecessárias, na medida em que outros se seguirão as ações apropriadas de seu governante. Ao discutir a relação entre um rei e seu sujeito (ou um pai e seu filho), sublinhou a necessidade de dar o devido respeito aos superiores. Isso exigiu que os subordinados devem dar conselhos aos seus superiores, se os superiores foram considerados como tendo o curso de ação que estava errado. Confúcio acreditava em governar por exemplo, se você levar corretamente, as ordens são desnecessários e inúteis.

Discípulos

Não há muito conhecido dos discípulos de Confúcio e um pouco mais da metade deles tinha seus sobrenomes registrados no Zuo Zhuan. O Analectos registra 22 nomes que são mais prováveis discípulos de Confúcio, enquanto o Mencius registra 24 nomes, embora seja certo que tem havido muitos mais discípulos cujos nomes não foram registrados. A maioria dos discípulos de Confúcio eram do Lu estado, enquanto outros eram de estados vizinhos. Por exemplo, foi Zigong do Estado Wey e Sima Niu foi a partir do Estado canção. Confúcio discípulo favorito era Yan Hui, mais provavelmente, um dos mais pobres de todos eles. Sima Niu, em contraste com Yan Hui, era de uma família nobre hereditariamente vindos do estado Song. Sob os ensinamentos de Confúcio, os discípulos se tornou bem aprendida nos princípios e métodos de governo. Ele muitas vezes envolvido em discussão e debater com seus alunos e deu grande importância aos seus estudos em história, poesia e ritual. Confúcio defendia lealdade a princípio, em vez de para indivíduo em que a reforma foi a serem alcançados pela persuasão em vez da violência. Mesmo que Confúcio denunciou-os por suas práticas, a aristocracia foi provavelmente atraído pela idéia de ter funcionários de confiança que foram estudados na moral como as circunstâncias do tempo tornou desejável. De fato, o discípulo Zilu mesmo morreu defendendo seu governante em Wei.

Yang Hu, que era um subordinado da família Ji, tinha dominado o governo Lu 505-502 e até mesmo tentou um golpe, que por pouco não conseguiu. Como consequência provável, foi depois disso que os primeiros discípulos de Confúcio foram nomeados para cargos no governo. Poucos dos discípulos de Confúcio passou a atingir posições oficiais de alguma importância, alguns dos quais foram organizados por Confúcio. No momento em que Confúcio tinha 50 anos, a família Ji havia consolidado seu poder no estado Lu sobre a casa ducal decisão. Mesmo que a família Ji tinham práticas que Confúcio discordaram e reprovados, eles ainda deu discípulos de Confúcio muitas oportunidades de emprego. Confúcio continuou a lembrar os seus discípulos a permanecer fiel a seus princípios e renunciou aqueles que não fizeram, sendo abertamente crítico da família Ji.

Legado

Os ensinamentos de Confúcio foram mais tarde se transformou em um conjunto elaborado de regras e práticas pelos seus numerosos discípulos e seguidores, que organizaram seus ensinamentos para os Analectos. Discípulos de Confúcio e seu único neto, Zisi, continuou sua escola filosófica depois de sua morte. Estes esforços espalhar ideais de Confúcio para os alunos que depois se tornou funcionários em muitas das cortes reais na China, dando, assim, o confucionismo o primeiro teste em larga escala de sua dogma.

Dois dos mais famosos seguidores posteriores de Confúcio enfatizou radicalmente diferentes aspectos de seus ensinamentos. Nos séculos após sua morte, Mencius (孟子) e Xun Zi (荀子) ambos os ensinamentos importantes compostas elaborando de maneiras diferentes sobre as idéias fundamentais associados com Confúcio. Mencius (século 4 aC) articulou a bondade inata de seres humanos como uma fonte das intuições éticos que orientam as pessoas para Ren, Yi, e lǐ, enquanto Xun Zi (século 3 aC) destacou os aspectos realistas e materialistas de pensamento confucionista, salientando que a moralidade foi incutida na sociedade através da tradição e em indivíduos através da formação. Com o tempo, seus escritos, juntamente com os Analectos e outros textos fundamentais vieram a constituir o corpus filosófico do confucionismo.

Este realinhamento no pensamento confucionista foi paralelo ao desenvolvimento de O legalismo, que viu a piedade filial como o auto-interesse e não uma ferramenta útil para um governante para criar um Estado eficaz. Em caso de desacordo entre essas duas filosofias políticas veio à tona em 223 aC, quando o Estado Qin conquistou toda a China. Li Ssu, o primeiro-ministro da Dinastia Qin convencido de Qin Shi Huang recomendação de abandonar os confucionistas que atribui a feudos semelhante ao Dinastia Zhou diante deles, que ele via como contra a idéia legalista de centralizar o estado em torno do governante. Quando os assessores de Confúcio pressionou seu ponto, Li Ssu tinha muitos estudiosos de Confúcio mortos e seus livros queimados considerado um grande golpe para a filosofia ea bolsa chinesa.

Sob o sucesso Dinastia Han e Tang Dynasty , idéias confucionistas ganhou destaque ainda mais difundida. Sob Wudi, as obras de Confúcio foram feitas a filosofia imperial oficial e leitura obrigatória para os exames do serviço civil em 140 aC, que foi continuada quase ininterrupta até o final do século 19. Como Moism perdeu apoio no momento do Han, os principais contendores filosóficas eram legalismo, que Confúcio pensou um pouco absorvido, os ensinamentos de Lao-tzu , cujo foco em idéias mais místicas manteve do conflito direto com o confucionismo, eo novo budista religião, que ganhou aceitação durante o Era do Sul e do Norte dinastias. Ambas as idéias de Confúcio e funcionários confucianos-treinados foram invocados na Dinastia Ming e até mesmo a Dinastia Yuan , apesar de Kublai Khan desconfiava entregar o controle provincial.

Durante a dinastia Song , o estudioso Zhu Xi (1130-1200 dC), acrescentou idéias do taoísmo e do budismo em confucionismo. Em sua vida, Zhu Xi foi largamente ignorado, mas não por muito tempo após sua morte suas idéias tornou-se a nova visão ortodoxa do que o confucionismo textos realmente significou. Os historiadores modernos ver Zhu Xi como tendo criado algo bastante diferente, e chamarás o seu modo de pensar Neo-Confucionismo. Neoconfucionismo dominou na China, Japão, Coréia e Vietnã até o século 19.

"A vida e obra de Confúcio", por Prospero Intorcetta, 1687.

As obras de Confúcio foram traduzidos para línguas europeias através da agência de Estudiosos jesuítas estacionados na China. Matteo Ricci começou a informar sobre os pensamentos de Confúcio, e pai Prospero Intorcetta publicou a vida e obra de Confúcio em Latina em 1687. Pensa-se que tais obras tiveram grande importância na pensadores europeus do período, particularmente entre os Deístas e outros grupos filosóficos do Iluminismo que estavam interessados pela integração do sistema de moralidade de Confúcio em A civilização ocidental.

Nos modernos movimentos de Confúcio era, como Novo Confucionismo, ainda existem, mas durante o Revolução Cultural, o confucionismo era freqüentemente atacado por figuras de destaque na Partido Comunista da China. Esta foi parcialmente uma continuação das condenações do confucionismo por intelectuais e ativistas no início do século 20 como uma das causas da etnocêntrica perto de espírito e recusa da dinastia Qing de modernização que deu origem às tragédias que se abateram sobre a China no século 19.

Obras de Confúcio são estudadas por estudiosos em muitos outros países asiáticos, em particular os da Esfera cultural chinesa, como a Coréia, Japão e Vietnã. Muitos desses países ainda mantêm a tradicional cerimônia memorial a cada ano.

O Ahmadiyya comunitário muçulmano acredita Confúcio foi um Profeta Divino de Deus, como foram Lao-Tzu e outros personagens chineses eminentes.

Nos tempos modernos, Asteroid 7853, "Confúcio", foi nomeado após o pensador chinês.

Retratos visuais

Nenhuma pintura ou escultura contemporânea de Confúcio sobrevive, e foi apenas durante o Dinastia Han que ele foi retratado visualmente. Carvings muitas vezes retratam seu encontro lendário com Laozi . Desde essa altura tem havido muitos retratos de Confúcio como o filósofo ideal.

Nos tempos antigos, era costume ter um retrato em Confúcio Templos; no entanto, durante o reinado de Imperador Hongwu (Taizu) da dinastia Ming , foi decidido que o único retrato adequado de Confúcio deve estar no templo em sua cidade natal, Qufu. Em outros templos, Confúcio é representada por uma placa comemorativa. Em 2006, a Fundação Confúcio China encomendou um retrato padrão de Confúcio com base na dinastia Tang retrato por Wu Daozi.

Morte e legado

Túmulo de Confúcio em Kong Lin cemitério, Qufu, Província de Shandong
Confúcio Monumento em Rizal Park, Manila , Filipinas

Sobrecarregados pela perda de tanto seu filho e seus discípulos favoritos, ele morreu com a idade de 71 ou 72. Confúcio foi enterrado em Kong Lin cemitério que fica na parte histórica de Qufu. O túmulo original é erguido lá na memória de Confúcio na margem do rio Sishui tinha a forma de um machado. Além disso, ele tem uma plataforma de tijolo levantada na parte da frente da memória de ofertas, tais como incenso sândalo e fruta.

Memoriais de Confúcio

Logo após a morte de Confúcio, Qufu, sua cidade natal se tornou um lugar de devoção e recordação. Ele ainda é um importante destino para o turismo cultural, e muitas pessoas visitam o seu túmulo e os templos circunvizinhos. Em culturas pan-China, há muitos templos onde representações do Buda , Lao Zi e Confúcio são encontrados juntos. Há também muitos templos dedicados a ele, que foram usados para cerimônias confucionistas.

Os chineses têm uma tradição de realizar cerimônias memoriais espetaculares de Confúcio (祭孔) a cada ano, utilizando cerimônias que supostamente derivados de Zhou Li (周禮) como registrado por Confúcio, na data de nascimento de Confúcio. Esta tradição foi interrompida por várias décadas na China continental, onde a posição oficial do Partido Comunista e do Estado foi que Confúcio e confucionismo representado reacionário crenças feudais que se declara que a subserviência das pessoas para o aristocracia é uma parte da ordem natural. Todas essas cerimônias e ritos foram, portanto, proibidos. Somente após a década de 1990 fez a cerimônia de currículo. Como ele é agora considerado uma veneração da história chinesa e tradição, até mesmo membros do Partido Comunista podem ser encontradas no atendimento.

Em Taiwan, onde o Partido Nacionalista ( Kuomintang) promoveu fortemente crenças confucionistas em ética e comportamento, a tradição da cerimônia memorial de Confúcio (祭孔) é apoiado pelo governo e continuou sem interrupção. Embora não seja um feriado nacional, ele não aparecer em todos os calendários impressos, tanto quanto Dia do Pai faz no Ocidente.

Descendentes

Descendentes de Confúcio foram repetidamente identificado e honrado por governos imperiais sucessivas com títulos de nobreza e postos oficiais. Eles foram homenageados com a patente de um marquês trinta e cinco vezes desde Gaozu do Dinastia Han, e eles foram promovidos ao posto de duque quarenta e duas vezes a partir da Dinastia Tang da Dinastia Qing . Imperador Xuanzong de Tang primeiro concedeu o título de "Duque Wenxuan" na Kong Suizhi da geração 35. Em 1055, Imperador Renzong da Canção primeiro concedeu o título de " Duke Yansheng "na Kong Zongyuan da geração 46.

Apesar mudança dinástica repetido na China, o título de Duque Yansheng foi concedido a sucessivas gerações de descendentes, até que foi abolido pela Governo Nacionalista em 1935. O último detentor do título, Kung Te-cheng da geração 77, foi nomeado Oficial de sacrifício para Confúcio. Kung Te-cheng morreu em outubro de 2008, e seu filho, Kung Wei-yi, o descendente direto 78, tinha morrido em 1989. neto de Kung Te-cheng, Kung Tsui-chang, o descendente direto 79, nasceu em 1975; seu bisneto, Kung Yu-jen, o descendente direto 80, nasceu em Taipei em 1 de Janeiro, a irmã de 2006. Te-cheng, Demao Kong, vive na China continental e tem escrito um livro sobre suas experiências crescendo na família propriedade em Qufu. Outra irmã, Deqi Kong, morreu como uma jovem mulher.

A família de Confúcio, o Kongs, tem o mais longo pedigree existente registrado no mundo de hoje. A árvore de pai para filho familiar, agora em sua 83ª geração, tem sido registrada desde a morte de Confúcio. Segundo o Comitê Compilation Genealogia a Confúcio, ele tem 2 milhões de descendentes conhecidos e registrados, e há uma estimativa de 3 milhões no total. Destes, várias dezenas de milhares de pessoas vivem fora da China. No século 14, um descendente Kong foi para a Coréia, onde um hoje 34 mil descendentes de Confúcio estimado ao vivo. Uma das principais linhagens fugiram da casa ancestral Kong em Qufu durante a guerra civil chinesa na década de 1940, e eventualmente se estabeleceu em Taiwan.

Devido ao grande interesse na árvore genealógica de Confúcio, havia um projeto na China para testar o DNA de familiares conhecidos. Entre outras coisas, isso permitiria aos cientistas identificar um cromossomo Y comum em descendentes masculinos de Confúcio. Se a descida fosse verdadeiramente ininterrupta, de pai para filho, uma vez que a vida de Confúcio, os homens da família que todos têm o mesmo cromossomo Y como seu ancestral masculino direta, com ligeiras mutações devido à passagem do tempo. No entanto, em 2009, as autoridades da família decidiu não concordar com o teste de DNA. Bryan Sykes, professor de genética na Universidade de Oxford, entende esta decisão: "A árvore genealógica de Confúcio tem um enorme significado cultural", disse ele. "Não é apenas uma questão científica." O teste de DNA foi originalmente proposto para adicionar novos membros, muitos de cujos familiares registro livros foram perdidos durante revoltas do século 20, à árvore genealógica de Confúcio.

O quinto e mais recente edição da árvore genealógica de Confúcio foi impresso pela Comissão Genealogia Compilation Confúcio (CGCC). Foi revelado em uma cerimônia na Qufu em 24 de Setembro de 2009. As mulheres são agora incluídos pela primeira vez.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Confucius&oldid=556303626 "