Conteúdo verificado

Crime e Castigo

Assuntos Relacionados: Novels

Você sabia ...

Crianças SOS tentou tornar o conteúdo mais acessível Wikipedia por esta selecção escolas. patrocínio SOS Criança é legal!

Crime e Castigo
See caption.
1956 Random House impressão de Crime e Castigo, traduzido por Constance Garnett.
Autor (s) Fyodor Dostoyevsky
Título original Преступление и наказание
Língua Russo
Gênero (s) suspense, romance literário
Editor O russo Messenger (série)
Data de publicação 1866
Tipo de mídia Imprimir ( Capa Dura & Paperback) e ?udio livro
ISBN 0-679-73450-3
Número OCLC 26399697
Decimal de Dewey 891,73 / 3 20
Classificação LC PG3326 .P7 1993

Crime and Punishment ( russo : Преступление и наказание Pryestupleniye i nakazaniye) é uma novela pelo Autor russo Fyodor Dostoevsky . Este foi publicado em russo jornal literário O Mensageiro Russo em doze parcelas mensais durante 1866. Mais tarde, foi publicado em um único volume. Este é o segundo de romances de longa metragem de Dostoiévski após seu retorno a partir de cinco anos de exílio em Sibéria, onde cumpria sua sentença em Acampamentos Katorga, o czarista sistema de trabalho forçado e predecessor à Soviética Gulag. Crime e Castigo é o primeiro grande romance de seu "período de maturidade" da escrita.

Crime e Castigo centra-se na angústia mental e moral dilemas da Rodion Romanovich Raskolnikov, um ex-estudante pobre em St. Petersburg que formula e executa um plano para matar um inescrupuloso agiota para seu dinheiro. Raskolnikov argumenta que, com o dinheiro do agiota que ele possa realizar boas obras para contrabalançar o crime, enquanto livrar o mundo de uma inútil parasita. Ele também comete este assassinato para testar sua própria hipótese de que algumas pessoas são naturalmente capazes de fazer, e até mesmo ter o direito de, fazer essas coisas. Várias vezes ao longo do romance, Raskolnikov justifica suas ações, conectando-se mentalmente com Napoleão Bonaparte , acreditando que o assassinato é admissível em busca de um propósito mais elevado, apenas para descobrir que ele "... não é um Napoleão."

Criação

Dostoyevsky concebeu a idéia de Crime e Castigo, no Verão de 1865, tendo jogou fora grande parte de sua fortuna, incapaz de pagar suas contas ou pagar refeições adequadas. Na época, o autor devia grandes somas de dinheiro para os credores, e estava tentando ajudar a família de seu irmão Mikhail, falecido no início de 1864. Projetada sob o título Os Bêbados, foi para lidar "com a presente questão da embriaguez ... [in] todas as suas ramificações, especialmente o retrato de uma família ea educação dos filhos nestas circunstâncias, etc., etc. " Uma vez Dostoiévski concebido Raskolnikov e seu crime, agora inspirado no caso de Pierre François Lacenaire, este tema tornou-se subordinado, centrando-se na história da família Marmeladov.

Dostoyevsky ofereceu sua história ou novela (no momento Dostoyevsky não estava pensando de um romance) para o editor Mikhail Katkov, cuja revista mensal, O Mensageiro Russo, era uma publicação de prestígio de seu tipo, e a saída para ambos Ivan Turgenev e Leo Tolstoy . No entanto Dostoiévski, tendo realizado em polêmicas bastante contundentes com Katkov no início dos anos 1860, nunca tinha publicado nada em suas páginas. No entanto, forçado por sua situação, depois de todos os outros recursos em outros lugares falhou, Dostoiévski se virou como um último recurso para Katkov, pedindo um adiantamento sobre uma proposta de contribuição: Em uma carta a Katkov escrito em Setembro de 1865, Dostoiévski explicou-lhe que o trabalho era ser sobre um jovem que produz a "certas idéias estranhas, 'inacabadas', ainda flutuando no ar"; ele tinha, assim, embarcou em seu plano para explorar os perigos morais e psicológicos da ideologia do "radicalismo". Em cartas escritas em novembro 1865 uma importante mudança conceitual ocorreu: a "história" se tornou um "romance", e daqui em diante todas as referências ao Crime e Castigo são para um romance.

Dostoiévski teve de correr contra o tempo, a fim de terminar a tempo ambos The Gambler e Crime e Castigo. Anna Snítkina, um estenógrafo que logo se tornaria sua segunda esposa, foi uma grande ajuda para Dostoiévski durante essa difícil tarefa. A primeira parte do Crime e Castigo apareceu no janeiro 1866 edição de O Mensageiro Russo, eo último foi publicado em dezembro 1866.

" No final de novembro tinha sido escrito muito e estava pronto; Queimei tudo; Posso confessar que agora. Eu não gostava de mim. Uma nova forma, um novo plano de me excitava, e eu comecei tudo de novo. "
- Carta de Dostoiévski a seu amigo Alexander Wrangel em fevereiro 1886

Na edição das obras completas de Dostoiévski publicados na União Soviética , os editores remontado e imprimiu os cadernos que o escritor mantidos enquanto trabalhava em Crime e Castigo, numa sequência que corresponde aproximadamente às várias fases de composição. Devido a estes trabalhos, existe agora um projecto de trabalho fragmentário da história, ou novela, como inicialmente concebido, bem como duas outras versões do texto. Estes têm sido distinguida como a edição de Wiesbaden, a edição Petersburg, eo plano final, envolvendo a mudança de um narrador em primeira pessoa à variedade indígena de forma de terceira pessoa inventado por Dostoiévski. A edição de Wiesbaden concentra inteiramente nas reações moral / físicas do narrador após o assassinato. Ele coincide aproximadamente com a história que Dostoiévski descrito em sua carta a Katkov, e escrito em uma forma de um diário ou revista, corresponde ao que eventualmente se tornou parte II.

" Eu escrevi [este capítulo] com uma verdadeira inspiração, mas talvez não é bom; mas para eles a questão não é o seu valor literário, eles estão preocupados com a sua moralidade. Aqui eu estava no-nada certo era contra a moralidade, e mesmo muito pelo contrário, mas eles viram outra forma e, além do mais, viu vestígios de niilismo ... Eu levei de volta, e esta revisão de um grande capítulo custou-me, pelo menos, três novos capítulos do trabalho, a julgar pelo esforço eo cansaço; mas eu corrigi-lo e deu-lhe de volta. "
- Carta de Dostoiévski a AP Miliukov

Por que Dostoiévski abandonou sua versão inicial continua a ser uma questão de especulação. De acordo com Joseph Frank ", uma possibilidade é que seu protagonista começou a se desenvolver além dos limites em que primeiro havia sido concebido". Os portáteis indicam que Dostoiévski estava ciente do surgimento de novos aspectos do caráter de Raskólnikov como a ação enredo procediam, e ele estruturou o romance em conformidade com o presente "metamorfose", diz Frank. Assim, Dostoiévski decidiu fundir a história com sua idéia anterior para um romance chamado Os Bêbados. A versão final do Crime e Castigo veio ao nascimento somente quando, em Novembro de 1865, Dostoiévski decidiu reformular seu romance na terceira pessoa. Essa mudança foi o culminar de uma longa luta, presente em todas as fases iniciais de composição. Uma vez que a decisão tomada, Dostoiévski começou a reescrever a partir do zero, e foi capaz de integrar facilmente seções do manuscrito cedo para a final text-Frank diz que ele não fez, como ele disse a Wrangel, queimar tudo o que ele havia escrito anteriormente.

O projecto final correu bem, com exceção de um confronto com os editores do Mensageiro Russo, sobre o qual se sabe muito pouco. Desde o manuscrito Dostoiévski transformou-se em Katkov estava perdido, não está claro o que os editores se opuseram à do original. Em 1889, os editores da revista comentou que "não foi fácil para ele [Dostoiévski] para desistir de sua idealização intencionalmente exagerada de Sonya como uma mulher que carregava auto-sacrifício, a ponto de sacrificar seu corpo". Parece que Dostoiévski tinha inicialmente dado Sonya um papel muito mais afirmativa na cena, em que ela lê a história do Evangelho da ressurreição de Lázaro de Raskolnikov.

Enredo

Raskolnikov, um ex-aluno mentalmente instável, vive em uma pequena sala, alugada em São Petersburgo . Ele se recusa toda a ajuda, mesmo de seu amigo Razumikhin, e elabora um plano para assassinar e roubar um idoso peão-broker desagradável e agiota, Alyona Ivanovna. Sua motivação vem da imensa sensação de que ele está predeterminado para matar a velha fora por algum poder de si mesmo. Enquanto ainda considerando o plano, Raskólnikov faz o conhecimento de Semyon Zakharovich Marmeladov, um bêbado que recentemente desperdiçou pouca riqueza de sua família. Ele também recebe uma carta de sua irmã e mãe, fala de sua próxima visita a São Petersburgo, e planos de casamento súbitas de sua irmã que eles planejam discutir em cima de sua chegada.

Depois de muita deliberação, Raskolnikov foge para o apartamento de Alyona Ivanovna, onde ele mata-a com um machado. Ele também mata sua meia-irmã, Lizaveta, que acontece a tropeçar em cima da cena do crime. Abalado por suas ações, Raskólnikov consegue somente para roubar um punhado de itens e uma pequena bolsa, deixando grande parte da riqueza do peão-broker intocado. Raskolnikov, em seguida, foge e consegue sair milagrosamente invisível e sem ser detectado.

Após o assassinato estragado, Raskolnikov cai em um estado febril e começa a se preocupar obsessivamente sobre o assassinato. Ele esconde os itens roubados e bolsa sob uma rocha, e tenta desesperadamente para limpar sua roupa de qualquer sangue ou de provas. Ele cai em uma febre mais tarde naquele dia, embora não antes de chamar brevemente sobre seu velho amigo Razumikhin. Como a febre vai e vem, nos dias seguintes, Raskolnikov se comporta como se ele deseja trair a si mesmo. Ele mostra reações estranhas para quem menciona o assassinato do peão-broker, que agora é conhecido sobre e falou de na cidade. Em seu delírio, Raskolnikov vagueia São Petersburgo, atraindo mais e mais atenção a si mesmo e sua relação com o crime. Em um dos passeios pela cidade, ele vê Marmeladov, que foi atingido mortalmente por um carro nas ruas. Apressando-se para ajudá-lo, Raskolnikov dá o resto do seu dinheiro para a família do homem, que inclui sua filha adolescente, Sonya, que foi forçado a se tornar uma prostituta para sustentar a família.

Enquanto isso, a mãe de Raskolnikov, Pulquéria Alexandrovna, e sua irmã, Avdótia Romanovna (ou Dounia) chegaram na cidade. Avdótia vinha trabalhando como governanta para a família Svidrigailov até este ponto, mas foi forçado a sair da posição do chefe da família, Arkady Ivanovich Svidrigailov. Svidrigailov, um homem casado, foi atraído para a beleza física de Avdótia e suas qualidades espirituais deslumbrantes, e ofereceu suas riquezas e fuga. Avdótia, tendo nada disso, fugiu a família e perdeu sua fonte de renda, apenas para atender Pyotr Petrovich Luzhin, um homem de renda modesta e rank. Lujin propõe se casar com Avdótia, garantindo sua segurança financeira e de sua mãe, assim, desde que ela aceitá-lo rapidamente e sem causa. É por estas razões que os dois vêm a São Petersburgo, tanto para atender Lujin lá e para alcançar a aprovação de Raskolnikov. Lujin, no entanto, exorta Raskolnikov, enquanto ele está em um estado delirante e se apresenta como um homem hipócrita e presumindo tolo. Raskolnikov rejeita-o imediatamente como um potencial marido para sua irmã, e percebe que ela só aceitou-o para ajudar a família.

À medida que o romance avança, Raskolnikov é introduzido para o detetive Porfiry, que começa a suspeitar dele para o assassinato por razões puramente psicológicas. Ao mesmo tempo, uma relação casta desenvolve entre Raskólnikov e Sonya. Sonya, apesar de uma prostituta, está cheia de virtude cristã e só é impulsionado para a profissão pela pobreza de sua família. Enquanto isso, Razumikhin e Raskolnikov conseguem manter Avdótia de continuar seu relacionamento com Lujin, cujo verdadeiro caráter está exposta a ser conivente e base. Neste ponto, Svidrigailov aparece em cena, tendo chegado a partir da província para Petersburg, quase que exclusivamente para procurar Avdótia. Ele revela que sua esposa está morta, e que ele está disposto a pagar Avdótia uma grande soma de dinheiro em troca de nada. Ela, ao ouvir a notícia, se recusa flat out, suspeitando-o de traição.

Como Raskólnikov e Porfiry continuar a satisfazer, os motivos de Raskólnikov para o crime ficam expostas. Porfiry torna-se cada vez mais certa de culpa do homem, mas não dispõe de provas ou testemunhas com os quais fazer backup esta suspeita concreta. Além disso, outro homem admite ter cometido o crime sob interrogatório e de detenção. No entanto, os nervos de Raskólnikov continuar a se desgastar, e ele está constantemente lutando com a idéia de confessar, embora ele sabe que não pode nunca ser realmente condenado. Ele se vira para Sonya para suporte e confessa seu crime para ela. Por coincidência, Svidrigailov passou a residir em uma sala ao lado de Sonya e ouve toda a confissão. Quando os dois homens se encontram face a face, Svidrigailov reconhece este fato, e sugere que ele pode usá-la contra ele, deve ele precisa. Svidrigailov também fala de seu próprio passado, no qual ele revela que ele cometeu um assassinato e, mais recentemente, matou sua esposa.

Raskolnikov é neste momento completamente rasgado; ele é instado por Sonya de confessar, eo testemunho de Svidrigailov poderia condená-lo. Enquanto isso, Svidrigailov tenta seduzir e depois estuprar Avdótia, que convence-lo a não. Em seguida, ele passa uma noite em confusão e na parte da manhã atira em si mesmo. Esta mesma manhã, Raskolnikov vai novamente para Sonya, que insta novamente a confessar e para limpar sua consciência. Ele faz o seu caminho para a delegacia, onde ele se reuniu com a notícia do suicídio de Svidrigailov. Ele hesita por um momento, pensando mais uma vez que ele pode sair com um crime perfeito, mas é persuadido por Sonya para confessar.

O epílogo conta como Raskolnikov é condenado a trabalhos forçados em Sibéria, onde Sonya segue-o. Avdótia e Razumikhin casar e são deixados em uma posição feliz pelo fim do romance. Raskolnikov, no entanto, as lutas na Sibéria. É só depois de algum tempo na prisão que sua redenção e regeneração moral começar sob a influência amorosa de Sonya.

Personagens

Em Crime e Castigo Dostoiévski consegue fundir a personalidade de seu personagem principal, Rodion Romanovich Raskolnikov (russo: Родион Романович Раскольников), com os seus novos temas ideológicos anti-radicais. A trama principal envolve um assassinato como o resultado de "intoxicação ideológica", e descreve todas as consequências morais e psíquicos desastrosas que resultam do assassino. Psicologia de Raskólnikov é colocado no centro, e cuidadosamente entrelaçada com as idéias por trás de sua transgressão; todas as outras características do romance ilumina o dilema angustiante em que Raskólnikov é pego. De outro ponto de vista, do romance enredo é uma outra variação de um tema convencional do século XIX: uma inocente jovem provincial trata de tentar a sorte na capital, onde ele sucumbe à corrupção, e perde todos os vestígios de sua antiga frescor e pureza. No entanto, como Gary Rosenshield aponta, "Raskolnikov não sucumbe às tentações da alta sociedade como Honouré de Balzac de Rastignac ou Stendhal Julien Sorel, mas para aqueles de racionalista Petersburg ".

Raskolnikov é a protagonista, ea ação é focalizado principalmente a partir de sua perspectiva. Apesar do nome, o romance não tanto lidar com o crime e sua punição formal, como com a luta interna de Raskólnikov (O livro mostra que resulta a sua punição mais de sua consciência do que com a lei. Ele cometeu o assassinato com a crença de que ele possuía suficiente coragem intelectual e emocional para lidar com as ramificações, [baseado em sua tese / dissertação, "On Crime", que ele é um Napoleão ], mas o seu sentimento de culpa logo domina-lo. É só no epílogo que ele percebe que seu punição formal, tendo decidido confessar e acabar com sua alienação.

Sofia Semyonovna Marmeladova (russo: Софья Семёновна Мармеладова), variadamente chamado Sonia (Sonya) e Sonechka, é a filha de um bêbado, Semyon Zakharovich Marmeladov, a quem Raskolnikov reúne-se em uma taverna no início do romance, e que, Raskolnikov percebe, compartilha os mesmos sentimentos de vergonha e alienação como ele faz. Ela se torna a primeira pessoa a quem Raskolnikov confessa seu crime, e ela o apóia, embora ela era amiga de uma das vítimas (Lizaveta). Para a maioria da novela, Sonya serve como guia espiritual para Raskolnikov. Após sua confissão, ela segue-o para a Sibéria, onde ela vive na mesma cidade que a prisão.

Outros personagens do romance são:

  • Porfiry Petrovich (Порфирий Петрович) - A detetive encarregado de resolver os assassinatos de Lizaveta e Alyona Ivanovna, que, junto com Sonya, guias de Raskolnikov em direção confissão. Ao contrário de Sonya, no entanto, Porfiry faz isso através de jogos psicológicos. Apesar da falta de evidências, ele se torna certa Raskolnikov é o assassino após várias conversas com ele, mas dá-lhe a oportunidade de confessar voluntariamente. Ele tenta confundir e provocar o instável Raskolnikov, numa tentativa de forçá-lo a confessar.
  • Avdótia Romanovna Raskolnikova (Авдотья Романовна Раскольникова) - irmã forte vontade e auto-sacrificial de Raskolnikov, Dunya chamado, Dounia ou Dunechka para breve. Ela inicialmente planeja se casar com o rico, ainda presunçosa e auto-possuído, Lujin, para salvar a família da miséria financeira. Ela tem o hábito de passear do outro lado da sala, enquanto o pensamento. Ela é seguida a São Petersburgo pelo Svidrigailov perturbado, que busca para reconquistá-la através de chantagem. Ela rejeita os dois homens em favor de amigo leal de Raskólnikov, Razumikhin.
  • Arkady Ivanovich Svidrigailov (Аркадий Иванович Свидригайлов) - antigo empregador Sensual, depravado, e ricos e perseguidor atual de Dunya, Svidrigáilov é suspeito de vários atos de assassinato, e ouve confissões de Raskólnikov para Sonya. Com esse conhecimento, ele atormenta tanto Dunya e Raskolnikov, mas não informa a polícia. Quando Dunya diz-lhe que ela nunca poderia amá-lo (depois de tentar matá-lo), ele permite que ela vá e comete suicídio . Considerando Sonya representa o caminho para a salvação, Svidrigailov representa o outro caminho para o suicídio. Apesar de sua aparente maldade, Svidrigáilov é semelhante ao Raskolnikov em relação a seus atos de caridade. Ele frentes o dinheiro para as crianças Marmeladov para introduzir um orfanato (após ambos os pais morrem), dá cinco por cento no total de notas de banco Sonya três mil rublos, e deixa o resto do seu dinheiro para sua juvenil noiva.
  • Marfa Petrovna Svidrigailova (Марфа Петровна Свидригайлова) - A esposa de Arkady Svidrigailov falecido, a quem ele é suspeito de ter assassinado, e quem afirma já visitou-o como um fantasma. Seu legado de 3.000 rublos para Dunya permite Dunya para rejeitar Lujin como um pretendente.
  • Dmitri Prokofich Razumikhin (Дмитрий Прокофьич Разумихин) - amigo leal de Raskólnikov. Em termos de contribuição do Razumikhin a temática anti-radicais de Dostoiévski, ele se destina a representar algo de uma reconciliação do conflito temática difundida entre fé e razão. O fato de que seu nome significa razão mostra desejo de Dostoiévski a empregar essa faculdade como base fundamental para sua fé cristã em Deus.
  • Katerina Ivanovna Marmeladova (Катерина Ивановна Мармеладова) - O Semyon Marmeladov consumista e segunda esposa mal-humorada, madrasta para Sonya. Ela dirige Sonya para a prostituição em um acesso de raiva, mas depois se arrepende, e bate seus filhos sem piedade, mas funciona ferozmente para melhorar seu padrão de vida. Ela está obcecada com o que demonstra que a vida favela está muito abaixo sua estação. Após a morte de Marmeladov, ela usa o dinheiro de Raskólnikov para realizar um funeral. Mais tarde, ela sucumbe à sua doença. O personagem é parcialmente baseado em Polina Suslova.
  • Semyon Zakharovich Marmeladov (Семён Захарович Мармеладов) - Hopeless bêbado que se entrega a seu próprio sofrimento, e pai de Sonya. Marmeladov poderia ser visto como um equivalente russo do caráter de Micawber em Charles Dickens romance ", David Copperfield .
  • Pulkheria Alexandrovna Raskolnikova (Пульхерия Александровна Раскольникова) - mãe relativamente à nora, esperançoso e amorosa de Raskólnikov. Seguindo a sentença de Raskolnikov, ela adoece (mentalmente e fisicamente) e, eventualmente, morre. Ela sugere em seus estágios agonizantes que ela é um pouco mais consciente sobre o destino de seu filho, que estava escondido dela por Dunya e Razumikhin.
  • Pyotr Petrovich Luzhin (Пётр Петрович Лужин) - Um advogado bem-off que está envolvida com a irmã de Raskolnikov Dunya no início do romance. Seus motivos para o casamento é bastante desprezível, como ele mesmo diz mais ou menos que ele escolheu ela desde que ela será completamente em dívida com ele financeiramente.
  • Andrey Semyenovich Lebezyatnikov (Андрей Семёнович Лебезятников) - Lujin de roommate socialista utópico que testemunha sua tentativa de enquadrar Sonya e, posteriormente, o expõe.
  • Alyona Ivanovna (Алёна Ивановна) - agiota velho Suspeito que acumula dinheiro e é impiedoso com seus clientes. Ela é alvo de Raskólnikov.
  • Lizaveta Ivanovna (Лизавета Ивановна) - irmã deficiente e inocente de Alyona. Raskolnikov assassinatos quando ela anda em imediatamente após Raskolnikov tinha matado Alyona. Lizaveta era amigo de Sonya do.
  • Zossimov (Зосимов) - Um amigo de Razumikhin e um médico que cuidou de Raskolnikov.
  • Nastácia Petrovna (Настасья Петровна) - servo de proprietária de Raskólnikov e um amigo de Raskolnikov.
  • Nikodim Fomich (Никодим Фомич) - O Chefe de Polícia amável.
  • Ilya "Pólvora" Petrovich (Илья Петрович) - Um oficial da polícia e assistente de Fomich.
  • Alexander Grigorievich Zamyotov (Александр Григорьевич Заметов) - caixeiro Cabeça na delegacia de polícia e amigo para Razumikhin. Raskolnikov desperta as suspeitas de Zamyotov, explicando como ele, Raskolnikov, teria vários crimes cometidos, embora Zamyotov depois pede desculpas, acreditando que, para grande diversão de Raskolnikov, que era tudo uma farsa para expor como ridícula as suspeitas eram. Esta cena ilustra o argumento da crença de Raskolnikov em sua própria superioridade como Übermensch.
  • Nikolai Dementiev (Николай Дементьев) - Um pintor e sectária que admite o assassinato, uma vez que sua seita considera isso como sendo extremamente virtuoso de sofrer por crime de outra pessoa.
  • Polina Mikhailovna Marmeladova (Полина Михайловна Мармеладова) - Ten-year-old filha adotiva de Semyon Zakharovich Marmeladov e meia-irmã mais nova para Sonya, às vezes conhecido como Polechka.
Nome Palavra Significado (em russo)
Rodion Romanovich Raskolnikov raskol um cisma, ou cisão; "Raskólnik" é "aquele que divide" ou "dissidente"; raskalyvat o verbo 'significa "unir", "desbastar", "rachar", "dividir" ou "quebrar"
Pyotr Petrovich Luzhin luzha uma poça
Dmitri Prokofich Razumikhin Razum razão, inteligência
Alexander Grigorievich Zamyotov zametit notar, para realizar
Andrey Semyenovich Lebezyatnikov lebezit adulando alguém, se encolher
Semyon Zakharovich Marmeladov marmelad marmelada / jam
Arkady Ivanovich Svidrigailov Svidrigailo um duque lituano do século XV
Porfiry Petrovich Pórfiro (Talvez) em homenagem ao filósofo neoplatônico

Estrutura

Crime e Castigo tem um início distinto, meio e fim. O romance é dividido em seis partes, com um epílogo. A noção de "intrínseco dualidade "em Crime e Castigo foi comentado, com a sugestão de que há um grau de simetria para o livro. Edward Wasiolek que argumentou que Dostoiévski era um artesão habilidoso, altamente consciente do padrão formal em sua arte, comparou o estrutura do Crime & Punishment a um "achatada X", dizendo:

Parts I-III [de Crime e Castigo] apresentar a Raskolnikov predominantemente racional e orgulhoso: Peças IV-VI, a emergente "irracional" e humilde Raskólnikov. A primeira metade do livro mostra a morte progressiva do princípio primeira decisão de seu caráter; a última metade, o nascimento progressiva do princípio nova decisão. O ponto de mudança vem bem no meio da novela.

Este equilíbrio da composição é conseguida por meio da distribuição simétrica de certos episódios-chave ao longo da novela seis partes. A recorrência desses episódios nas duas metades do romance, como David Bethea argumentou, é organizada de acordo com um princípio espelho, através do qual a metade "esquerda" do romance reflete a metade "direito". Por sua vez, Margaret Igreja discerne uma contrapontísticos estruturantes: partes I, III e V negócio em grande parte com relação a principal do herói à sua família (mãe, irmã e substitutos mãe), enquanto partes II, IV e VI acordo com sua relação com as autoridades do Estado "e aos vários pai números ".

A sétima parte do romance, o Epílogo, tem atraído muita atenção e controvérsia. Alguns dos críticos de Dostoiévski têm criticado páginas finais do romance como supérfluo, anti-clímax, indignos do resto do trabalho, enquanto outros correram para a defesa do Epílogo, oferecendo vários esquemas engenhosos que provar conclusivamente a sua inevitabilidade e necessidade. Steven Cassedy argumenta que Crime e Castigo "é formalmente duas coisas distintas, mas estreitamente relacionados, nomeadamente, um determinado tipo de tragédia no molde clássico grego e um conto ressurreição cristã". Cassedy conclui que "as exigências lógicas do modelo trágico, como tal, estão satisfeitos sem o Epílogo em Crime e Castigo ... Ao mesmo tempo, essa tragédia contém um componente cristã, e as demandas lógico desse elemento são atendidas apenas pela ressurreição prometida no Epílogo ".

Crime e Castigo é escrito a partir de um terceira pessoa perspectiva onisciente. Ele está focalizada principalmente a partir do ponto de vista de Raskólnikov; no entanto, ele faz às vezes mudar para a perspectiva de Svidrigailov, Razumikhin, Peter Petrovich, ou Dunya. Esta técnica narrativa, que funde o narrador muito estreitamente com a consciência eo ponto de vista dos personagens centrais da trama, era original para seu período. Franks observa que sua identificação, através do uso de Dostoiévski dos deslocamentos de tempo de memória e sua manipulação de sequência temporal, começa a se aproximar dos experimentos posteriores de Henry James , Joseph Conrad, Virginia Woolf, e James Joyce . Um leitor final do século XIX foi, no entanto, acostumado a tipos mais ordenada e lineares de narrativa expositiva. Isto levou à persistência da lenda que Dostoiévski era um artesão desarrumado e negligente, e às observações críticas como as seguintes por Melchior de Vogüé:

"Uma palavra ... um nem percebe, um pequeno fato que ocupa apenas uma linha, têm suas reverberações cinquenta páginas mais tarde ... [para que] a continuidade torna-se ininteligível se ignora um par de páginas."

Dostoiévski usa diferentes maneirismos de fala e frases de diferentes tamanhos para diferentes personagens. Aqueles que usam artificial linguagem de Lujin, por exemplo, são identificados como pessoas pouco atraentes. Mente desintegração da Sra Marmeladov está refletida em sua língua também. No texto original russo, os nomes dos principais personagens têm algo de uma duplo sentido, mas na tradução a sutileza da linguagem às vezes é perdido. Há até mesmo um jogo com a palavra russa para o crime ("prestuplenie"), que é traduzido literalmente como um reforço em toda ou uma transgressão. A imagem física do crime como uma travessia sobre uma barreira ou um limite se perde na tradução. Assim é a implicação religiosa da transgressão, que em Inglês se refere a um pecado, em vez de um crime.

Simbolismo

Os Sonhos

Sonhos de Raskólnikov sempre tem um significado simbólico, o que sugere uma visão psicológica. No sonho sobre o cavalo, a égua tem que se sacrificar para os homens que estão muito em uma corrida para esperar. Este poderia ser simbólica das mulheres sacrificando-se para os homens, assim como a crença de que Raskolnikov Dunya está sacrificando-se para Rodya ao se casar com Lujin. Alguns críticos têm sugerido este sonho é a mais completa expressão única de todo o romance, contendo a destruição niilista de uma criatura inocente e simpatia suprimida do Rodion para ele (embora o jovem Rodion no sonho corre para o cavalo, ele ainda assassinatos o penhorista logo depois acordar). O sonho também é mencionado quando Raskolnikov fala com Marmeladov. Ele afirma que sua filha, Sonya, tem que vender seu corpo para ganhar a vida para sua família. O sonho é também um aviso flagrante pelo assassinato iminente.

Nas últimas páginas, Raskolnikov, que neste momento está na enfermaria da prisão, tem um sonho febril de uma praga de niilismo, que entra a Rússia ea Europa do leste e que se espalha dissidência sem sentido (nome de Raskólnikov faz alusão a "raskol", dissidência) e dedicação fanático de "novas idéias": ele finalmente engolfa toda a humanidade. Embora nós não aprendemos nada sobre o conteúdo dessas idéias que perturbam claramente sociedade para sempre e são vistos como assaltos exclusivamente críticas sobre o pensamento comum: é claro que Dostoiévski estava prevendo o novo, politicamente e culturalmente ideias niilistas que estavam entrando literatura russa e sociedade nesta década divisor de águas, e com a qual Dostoiévski estaria em debate para o resto de sua vida (cp. Tchernichévski O que e para fazer?, Jornalismo abrasivo de Dobroliúbov, Turgenev de Pais e Filhos e Dostoiévski própria O Possessed). Assim como o romance demonstra e afirma convicção de Dostoiévski que "se Deus não existe (ou não é reconhecido), então tudo é permitido" o sonho resume seu medo de que, se os homens não irá verificar o seu pensamento contra as realidades da vida e da natureza e, se eles não estão dispostos a ouvir a razão ou autoridade, então há idéias ou instituições culturais vai durar e só barbárie bruta pode ser o resultado. Janko Lavrin, que participou nas revoluções da era de WWI, sabia Lenin e Trotsky e muitos outros, e mais tarde iria passar anos escrevendo e pesquisando sobre Dostoiévski e outros clássicos russos, chamado esse sonho final "profético em seu simbolismo".

A Cruz

Sonya dá um Rodya cruzar quando ele vai se entregar Ele leva sua dor sobre ele carregando a cruz pela cidade, como. Jesus ; ele cai de joelhos na praça da cidade no caminho para a sua confissão. Sonya carregou a cruz até então, o que indica que, literalmente como mencionado no livro, ela sofre por ele, de forma semi-Christ-like. Sonya e Lizaveta haviam trocado cruzes e se tornar irmãs espirituais, originalmente a cruz era de Lizaveta - assim Sonya carrega a cruz de Lizaveta, a cruz de vítima inocente de Rodya, a quem ele não tinha a intenção de matar.

São Petersburgo

" Em uma noite excepcionalmente quente no início de julho um rapaz saiu do sótão em que apresentou em S. Local e caminhou lentamente, como se em hesitação, no sentido ponte K.. "
- Fyodor Dostoevsky, Crime e Castigo, I, EU

A frase do romance abertura acima tem uma função simbólica: crítico russo Vadim K. Kozhinov argumenta que a referência à "noite excepcionalmente quente" estabelece não só a atmosfera sufocante de São Petersburgo em pleno verão, mas também "o ambiente infernal do próprio crime ". Dostoiévski foi um dos primeiros a reconhecer as possibilidades simbólicas de vida da cidade e as imagens tiradas da cidade.IFI Evnin respeitaCrime e Castigocomo o primeiro grande romance russo ", no qual os momentos de clímax da acção são jogados fora em bares sujos, na rua, nos quartos negros sórdidos dos pobres".

Petersburg de Dostoiévski é a cidade de pobreza unrelieved; "Magnificência não tem lugar nele, pois magnificência é externa, formal abstrato, frio". Dostoiévski conecta os problemas da cidade aos pensamentos de Raskólnikov e ações subseqüentes. As ruas movimentadas e praças, as casas miseráveis ​​e tabernas, o ruído e mau cheiro, todos são transformados por Dostoiévski em uma loja rica de metáforas para estados de espírito. Donald Fanger afirma que "a verdadeira cidade [...] rendido com uma concretude marcante, é também uma cidade da mente da maneira que sua atmosfera responde a condição espiritual de Raskólnikov e quase simboliza isso. Ele é cheia, sufocando, e ressecada. " A agitação interna sofrida por Raskolnikov também pode ser percebida como uma falácia patética shakespeariana. Por exemplo, a grande tempestade em Rei Lear reflete o estado de espírito do Rei, muito parecido com o caos, a desordem eo ruído de St. Petersburg reflete o estado de espírito de Raskólnikov.

Temas

Carta de Dostoiévski a Katkov revela sua inspiração imediata, para que ele se manteve fiel, mesmo depois de seu plano original evoluiu para uma criação muito mais ambicioso: um desejo de contrariar o que ele considerava como consequências nefastas decorrentes das doutrinas do niilismo russo. Na novela, Dostoiévski identificados os perigos de ambos utilitarismo e racionalismo, as principais idéias de que inspiraram os radicais, dando continuidade a uma crítica feroz ele já tinha começado com suas Memórias do Subterrâneo . Um crente religioso Slavophile, Dostoiévski utilizou a personagens, o diálogo ea narrativa em Crime e Castigo de articular um argumento contra idéias ocidentalizantes em geral. Assim, ele atacou uma mistura peculiar de Russo Francês socialismo utópico e Benthamite utilitarismo, o que levou ao que os revolucionários, como Nikolai Tchernichévski, chamado " egoísmo racional ".

Os radicais recusou, no entanto, a reconhecer-se nas páginas do romance ( Dimitri Pisarev ridicularizou a noção de que as ideias de Raskólnikov poderia ser identificada com os dos radicais do seu tempo), uma vez que Dostoiévski retratou idéias niilistas às suas consequências mais extremas. O objectivo destas idéias era altruísta e humanitária, mas estes objectivos fossem atingidos, baseando-se na razão e suprimindo totalmente a saída espontânea de piedade e compaixão cristã. Ética utilitarista de Tchernichévski propôs que o pensamento ea vontade do homem eram sujeitos às leis da ciência física. Dostoiévski acreditava que tais idéias limitadas homem a um produto de física, química e biologia, negando respostas emocionais espontâneas. Em sua mais recente variedade de Bazarovism, o niilismo russo incentivou a criação de uma elite de indivíduos superiores a quem as esperanças do futuro deveriam ser confiada.

Raskolnikov exemplifica todos os perigos potencialmente desastrosas contidas em tal ideal. Frank observa que "os traços moral e psicológico de seu caráter incorporar essa antinomia entre a bondade instintiva, simpatia e compaixão por um lado e, por outro, um egoísmo orgulhoso e idealista que se tornou pervertido em um desprezo desdenhoso para o rebanho submisso ". Conflito interior de Raskólnikov na seção dos novos resultados abertura em uma justificação utilitária-altruísta para o crime proposta: por que não matar um "inútil" agiota velho miserável e para aliviar a miséria humana? Dostoiévski quer mostrar que este tipo utilitarista de raciocínio e as suas conclusões tinha se tornado comum e banal; eles não eram de forma a invenção solitária de mente atormentada e desordenado de Raskólnikov. Tais idéias radicais e utilitárias agir para reforçar o egoísmo inato do personagem de Raskolnikov, e transformá-lo em um inimigo em vez de um amante de seus companheiros humanos. Ele ainda fica fascinado com a imagem majestosa de uma personalidade de Napoleão que, no interesse de um bem social maior, acredita que ele possui o direito moral de matar. De fato, seu plano de "Napoleon-like" arrasta-o para um assassinato bem calculada, a conclusão final de sua auto-engano com o utilitarismo.

Em sua descrição do fundo Petersburgo, Dostoiévski acentua a miséria e miséria humana que passam diante dos olhos de Raskólnikov. Ele também usa o encontro de Raskolnikov com Marmeladov para apresentar tanto a crueldade de condenações de Raskólnikov eo conjunto alternativo de valores a ser definido contra eles. Dostoiévski acredita que a "liberdade" proposto pelas idéias acima mencionadas é uma liberdade terrível "que está contido por nenhum valor, porque é antes de valores". O produto dessa "liberdade", Raskolnikov, está em revolta perpétua contra a sociedade, a si mesmo, e Deus. Ele acha que ele é auto-suficiente e auto-suficiente, mas no final ", sua auto-confiança sem limites devem desaparecer em face do que é maior do que ele, e sua justificação auto-fabricado deve humilhar-se diante do maior justiça de Deus ". Dostoiévski apela para a regeneração e renovação do "doente" sociedade russa através da re-descoberta de seu país, sua religião, e suas raízes.

Recepção

A primeira parte do Crime e Castigo publicadas nas edições de janeiro e fevereiro de O Mensageiro Russo reuniu-se com sucesso de público. Embora as restantes partes do romance tinha ainda a ser escrito, um revisor anônimo escreveu que "o romance promete ser uma das mais importantes obras do autor de The House of the Dead ". Em suas memórias, o belletrist conservador Nikolay Strakhov lembrou que na Rússia Crime and Punishment foi a sensação literária de 1866.

O romance logo atraiu a crítica dos críticos liberais e radicais. GZ Yeliseyev saltou para a defesa das corporações de estudantes russos, e se perguntou: "Já houve um caso de um assassinato cometido estudante por causa de roubo?" Pisarev, consciente do valor artístico da novela tentou, em 1867, uma outra abordagem: ele argumentou que Raskolnikov foi um produto de seu ambiente, e explicou que o tema principal do trabalho foi a pobreza e os seus resultados. Ele mediu a excelência do romance pela precisão e compreensão com que Dostoiévski retratou a realidade social contemporânea, e focado no que ele considerava como inconsistências no enredo do romance. Strakhov rejeitou a alegação de Pisarev que o tema do determinismo ambiental foi essencial para o romance, e apontou que a atitude de Dostoiévski para seu herói era simpático: "Este não é paródia da geração mais nova, nem uma censura nem uma acusação, é um lamento sobre isto. "

Traduções para o inglês

  • Frederick Whishaw (1885)
  • Constance Garnett (1914)
  • David Magarshack (1951)
  • Princess Alexandra Kropotkin (1953)
  • Jessie Coulson (1953)
  • Sidney Monas (1968)
  • David McDuff (1991)
  • Richard Pevear &Larissa Volokhonsky (1992)
  • Julius Katzer
  • Michael Scammell

Adaptações para o cinema

Foram mais de 25 adaptações cinematográficas deCrime e Castigo. Eles incluem:

  • Raskolnikow(akaCrime e Castigo) (1923, dirigido porRobert Wiene)
  • Crime e Castigo(1935, estrelado porPeter Lorre,Edward Arnold eMarian Marsh)
  • Eigoban Tsumi to Batsu(1953,mangá deOsamu Tezuka, sob a suainterpretação)
  • Crime e Castigo (1970 film)(filme soviético de 1970, estrelado porGeorgi Taratorkin, Tatyana Bedova,Vladimir Basov, Victoria Fyodorova) dir.Lev Kulidzhanov
  • Rikos ja Rangaistus (1983; Crime e Castigo), o primeiro filme pelo diretor finlandês Aki Kaurismäki, com Markku Toikka no papel principal. A história foi transplantado para a moderna Helsínquia, Finlândia .
  • Crime and Punishment in Suburbia(2000, uma adaptação definir na América moderna e "vagamente baseado" na novela)
  • Columbo(1971-1978, e de forma intermitente em contrário, estrelando o ator americanoPeter Falk) De acordo com o criador de "Columbo",William Link, o detetive americano "Columbo", baseia-se, em parte, Porfírio Petrovich.
  • Crime e Castigo (2002 filme)de 2002, estrelado porCrispin Glover eVanessa Redgrave.
  • Crime and Punishment: A Romance falsificado (manga) , de 2007, por Naoyuki Ochiai, uma releitura do romance ambientado no Japão moderno. O personagem principal é um NEET, e os criminosos que as faixas são uma gangue de meninas do ensino médio que praticam Enjo Kosai.
  • Paranoid Park, um filme de Gus van Sant, baseado no romance de mesmo nome. O autor disse que o livro é uma espécie de releitura de Crime e Castigo em um cenário ficção adulta jovem.
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Crime_and_Punishment&oldid=409106310 "