Conteúdo verificado

Dietrich Bonhoeffer

Assuntos Relacionados: Filósofos ; figuras e líderes religiosos

Informações de fundo

Crianças SOS têm produzido uma seleção de artigos da Wikipedia para escolas desde 2005. Antes de decidir sobre o patrocínio de uma criança, por que não aprender sobre as diferentes instituições de caridade de patrocínio primeiro ?

Dietrich Bonhoeffer
Pastor Bonhoeffer.jpg
Bonhoeffer na Alemanha, circa 1930
Nascido 04 de fevereiro de 1906 (1906/02/04)
Breslau, Silesia Province, Prússia
Morreu 09 de abril de 1945 (1945/04/10) (idade 39)
Campo de concentração de Flossenbürg, Alemanha nazista
49.734958 ° N ° 12,35577 E / 49,734958; 12,35577 (Execução de Sítio de 20 de julho de 1944 Plot (Alemanha nazista Resistência))
Educação Doutorado em teologia
Igreja Igreja Evangélica da antiga União-Prussiana
Confessante Igreja
Escritos Autor de vários livros e artigos (ver abaixo)
Congregações servido Igreja congregação de Sião, Berlim
Congregações de S. Paulo e Sydenham, Londres de língua alemã
Escritórios realizada Professor associado na Frederick William Universidade de Berlim (1931-1936)
Pastor estudante na Technical College, Berlim (1931-1933)
Docente de Confessando candidatos Igreja de pastorado em Finkenwalde (1935-1937)
Título Pastor ordenado

Dietrich Bonhoeffer (alemão: [Diːtʁɪç boːnhœfɐ]; 04 de fevereiro de 1906 - 09 de abril de 1945) foi um alemão Luterano pastor, teólogo, dissidente anti-nazista e membro fundador da Confessando Igreja. Seus escritos sobre o papel do cristianismo no mundo secular tornaram-se amplamente influente, e muitos têm rotulado seu livro O custo do discipulado um clássico moderno. Além de seus escritos teológicos, Bonhoeffer tornou-se conhecido por sua firme resistência à ditadura nazista . Ele se opôs fortemente programa de eutanásia de Hitler e perseguição genocida dos judeus. Ele também estava envolvido em planos por membros do Abwehr (Serviço de Inteligência Militar Alemão) para assassinar Adolf Hitler. Ele foi preso em abril de 1943 pela Gestapo e executado por enforcamento em abril de 1945 enquanto estava preso em um Campo de concentração nazista, apenas 23 dias antes da rendição alemã.

Família e juventude

Bonhoeffer nasceu em 1906, pouco antes de sua irmã gêmea Sabine. Ele foi o sexto de oito filhos de uma família proeminente em Breslau ( Wrocław). Seu pai Karl Bonhoeffer era um neurologista distinto. Em 1912, ele levou a família para Berlim para se tornar um professor de neurologia e psiquiatria na Universidade de Berlim e diretor da clínica psiquiátrica em Hospital Charité. A mãe de Bonhoeffer, Paula von Hase, era filha de Klara von Hase, uma condessa pelo casamento que tinha sido um aluno de Clara Schumann e Franz Liszt, e uma neta de Karl von Hase, o historiador da igreja e pregador distinto para a corte de Kaiser Wilhelm II. Paula era um professor da escola e educado em casa as crianças, incluindo instrução cristã, até que cada um foi de 6 ou 7. No entanto, a família Bonhoeffer raramente participou de cultos da igreja. Irmão segunda mais antiga de Bonhoeffer Walter foi morto em ação na Primeira Guerra Mundial , em abril de 1918. Sua irmã Christel casado Hans von Dohnanyi, um jurista que mais tarde se tornou um dos conspiradores contra Hitler. Sua irmã Sabine casado Gerhard Leibholz, um jurista notável de ascendência judaica que tinham sido batizados como uma criança.

Esperado para acompanhar seu pai em psiquiatria, Bonhoeffer surpreendeu e consternado seus pais quando decidiu como um adolescente para se tornar um teólogo e mais tarde um pastor. Quando seu irmão mais velho lhe disse para não desperdiçar sua vida em um "pobre débil chato, mesquinho instituição,,, burguesa como a igreja" tal, quatorze anos de idade, Dietrich respondeu: "Se o que você diz é verdade, vou reformá-lo ! "

Formação académica

Bonhoeffer participaram Universidade de Tübingen por um ano e visitou a Itália , onde ele começou a acreditar na universalidade da Igreja. Em 1924, ele se matriculou na Universidade de Berlim, em seguida, um centro de A teologia liberal com teólogos como Adolf von Harnack. Em torno deste tempo, ele descobriu os escritos de Karl Barth, o eminente teólogo suíço, cujo trabalho pioneiro na neo-ortodoxia foi uma reação contra a teologia liberal. Barth acreditava que "a teologia liberal" (entendida como enfatizando a experiência pessoal e desenvolvimento social) minimizado Escritura, reduzindo-o a um mero livro da metafísica enquanto sancionar a deificação da cultura humana. Von Harnack advertiu Bonhoeffer contra os perigos colocados pelo "desprezo pela teologia científica" de Barth, mas o mais jovem Bonhoeffer tornou-se cada vez mais crítica da teologia liberal não só como demasiado restritivas, mas também responsável pela falta de relevância na igreja. Conquistou a teologia dialética de Barth, Bonhoeffer não foi, no entanto, além de criticar Barth. A confluência de Barth A preocupação de Cristocentrismo e Harnack mostrar a relevância do cristianismo ao mundo moderno teve um efeito indelével na abordagem de Bonhoeffer para a teologia.

Bonhoeffer graduado summa cum laude pela Universidade de Berlim em 1927 e doutorou-se em teologia com a idade de 21 com uma tese, Sanctorum Communio (Comunhão dos Santos), que apresentou uma significativa nova maneira de olhar para a natureza da igreja cristã e foi elogiado por Barth como um "milagre teológico".

Para se preparar para se tornar um pastor, Bonhoeffer servido (por um ano em 1928-1929), como coadjutor na paróquia luterano alemão em Barcelona, Espanha . Em 1929, Bonhoeffer voltou para a Universidade de Berlim para escrever sua tese de habilitação Akt und Sein ("Lei e do Ser"), no qual ele traçou a influência de filosofia transcendental em protestantes e católicos teologias.

Bonhoeffer em Harlem

Ainda muito jovem para ser ordenado, Bonhoeffer foi para os Estados Unidos em 1930 para estudo de pós-graduação e uma bolsa de ensino em New York City de Union Theological Seminary. Embora Bonhoeffer encontramos o seminário americano não até os mais exigentes padrões alemães ("Não há teologia aqui."), Ele teve experiências de mudança de vida e amizades. Ele estudou com Reinhold Niebuhr e conheceu Frank Fisher, um companheiro seminarista preto que o apresentou a Igreja Batista Abissínia em Harlem, onde Bonhoeffer ensinado na escola dominical e formaram um amor ao longo da vida para Africano-Americano spirituals - uma coleção de que ele levou de volta para a Alemanha. Ouviu Adam Clayton Powell, Sr., pregar o Evangelho da Justiça Social e tornou-se sensível a não apenas injustiças sociais enfrentadas por minorias, mas também a inépcia da igreja para trazer integração. Bonhoeffer começou a ver as coisas "de baixo" - a partir da perspectiva daqueles que sofrem opressão. Ele observou: "Aqui se pode verdadeiramente falar e ouvir sobre o pecado ea graça eo amor de Deus ... o Cristo Negro é pregado com paixão arrebatadora e visão." Mais tarde Bonhoeffer foi para se referir a suas impressões no exterior, como o ponto em que "Eu me virei de fraseologia à realidade." Ele também aprendeu a dirigir um automóvel, embora ele falhou no teste de condução três vezes. Ele viajou de carro através dos Estados Unidos para o México, onde ele foi convidado para falar sobre o tema da paz. Suas visitas iniciais para a Itália, Líbia, Espanha, Estados Unidos, México e Cuba abriu para Bonhoeffer ecumenismo.

Dietrich Bonhoeffer em um refúgio de fim de semana com confirmandos da Igreja congregação de Sião (1932)

Após o seu regresso à Alemanha da América em 1931, Bonhoeffer tornou-se professor em teologia sistemática na Universidade de Berlim. Profundamente interessado em ecumenismo, foi nomeado pela Aliança Mundial para a Promoção da Amizade Internacional através das Igrejas (um precursor do Conselho Mundial de Igrejas) como um de seus três secretários de juventude europeias. Nesta época, ele parece ter sofrido uma espécie de conversão pessoal de ser um teólogo atraídos principalmente para o lado intelectual do cristianismo para ser um homem dedicado de fé, decidiu executar o ensinamento de Cristo, como ele achou revelada nos Evangelhos. Em 15 de Novembro 1931 - com a idade de 25 - foi ordenado no Igreja de old-prussiana unida São Mateus ( alemão : St. Matthäuskirche) em Berlim.

Confessante Igreja

Promissora carreira acadêmica e eclesiástica de Bonhoeffer foi alterada drasticamente com a ascensão dos nazistas ao poder em 30 de janeiro de 1933. Ele era um oponente determinado do regime a partir de seus primeiros dias. Dois dias depois de Hitler foi empossado como Chanceler, como Bonhoeffer fez um discurso de rádio em que ele atacou Hitler e advertiu contra Alemanha escorregar em um culto idólatra do Führer (líder), que poderia muito bem vir a ser Verführer (mis-líder, ou sedutor), ele foi cortado fora do ar no meio de uma frase, embora não esteja claro se o regime nazista recém-eleito foi o responsável. Em abril, Bonhoeffer levantou a primeira voz para a resistência à igreja a perseguição dos judeus de Hitler, declarando que a igreja não deve simplesmente "enfaixar as vítimas sob a roda, mas emperrar o raio na roda em si."

Em novembro de 1932 (antes da ocupação nazista), tinha havido uma eleição para presbíteros e synodals (funcionários da igreja) do Alemão Landeskirche (protestante igrejas estabelecidas). Esta eleição foi marcada por uma luta no seio da União Evangélica Igreja Velha-Prussiana entre o nacionalista Movimento cristão alemão e Reformadores Jovens - uma luta que ameaçava explodir em cisma.

Hitler agora inconstitucionalmente impôs novas eleições da igreja em julho de 1933. Bonhoeffer colocar todos os seus esforços para a eleição, campanha para a selecção de funcionários independentes, não-nazistas.

Apesar dos esforços de Bonhoeffer, na eleição de julho fraudada uma esmagadora maioria de posições-chave da igreja foi para cristãos alemães nazistas suportados. Os cristãos alemães conquistaram a maioria no sínodo geral da Igreja Evangélica União Old-Prussiana e todos os seus sínodos provinciais, com excepção Westphalia, e em sínodos de todos os outros organismos da Igreja Protestante, exceto para as igrejas luteranas da Bavaria, Hanover, e Württemberg. Esses órgãos da oposição não-nazista considerado como não corrompidos "igrejas intactas", ao contrário das outras chamadas "igrejas destruídas."

Em oposição a desnazificação, Bonhoeffer instou um interdito a todos os serviços pastorais (batismos, casamentos, funerais, etc.), mas Karl Barth e outros desaconselhadas uma proposta tão radical.

Em agosto de 1933, Bonhoeffer e Hermann Sasse foram substituiu pelos líderes da igreja oposição para elaborar o Bethel Confissão, uma nova declaração de fé em oposição aos cristãos alemães. Notável por afirmar a fidelidade de Deus para os judeus como povo escolhido, o Bethel Confissão foi, porém, tão diluído para torná-lo mais palatável que mais tarde se Bonhoeffer recusou-se a assiná-lo. Em setembro de 1933, Bonhoeffer e seu colega Martin Niemöller ajudou a formar a Pfarrernotbund - um precursor para a Confessando Igreja que estava a ser organizado maio 1934 em Barmen em oposição aos cristãos alemães.

Embora não seja grande, a Igreja Confessante fez representam uma importante fonte de oposição cristã ao governo nazista. O Declaração Barmen, elaborado por Barth e adotada pela Igreja Confessante, insistiu em que Cristo, e não o Führer, foi o cabeça da igreja. No entanto, as igrejas protestantes reorganizados e do recém-criado pelos nazistas submisso Alemão Igreja Evangélica - sendo influenciados pelo nacionalismo e sua obediência tradicional para a autoridade do Estado como igrejas estatais (até 1918) - concordou com nazificação das igrejas. Em setembro de 1933, o sínodo da igreja nacional em Wittenberg aprovou a Parágrafo ariano que proíbe não-arianos de tomar postos paroquiais. Quando Bonhoeffer foi oferecido um posto de paróquia no leste de Berlim, ele recusou em protesto contra a política nacionalista.

Ministério Londres

Desanimado com a complacência das Igrejas alemãs com o regime nazista, a 27-year-old Bonhoeffer aceitou, no Outono de 1933 um compromisso de dois anos como pastor de duas igrejas protestantes de língua alemã em Londres: a Igreja Evangélica Alemã em Sydenham ea Igreja Reformada alemão de St Paul, Whitechapel. Ele explicou-Barth que havia encontrado pouco apoio para seus pontos de vista - mesmo entre amigos - e que "já era hora de ir por um tempo para o deserto", mas Barth considerado este como fugir de batalha real. Ele repreendeu fortemente Bonhoeffer, dizendo: "Eu só posso responder a todas as razões e desculpas que você colocar para frente:"? E o que dizer da Igreja alemã '"Barth acusou Bonhoeffer de abandonar seu posto e desperdiçando sua" esplêndida arsenal teológico ", enquanto" o casa de sua igreja está pegando fogo "e repreendeu-o a voltar a Berlim" pelo próximo navio ".

Bonhoeffer no entanto, não ir para a Inglaterra simplesmente para evitar problemas em casa, mas que esperava para colocar o movimento ecumênico para trabalhar no interesse da Igreja Confessante. Ele continuou seu envolvimento com a Igreja Confessante, correndo-se um projeto de lei alto telefone para manter seu contato com Martin Niemöller. Em encontros internacionais, Bonhoeffer se reuniram as pessoas para se opor à Movimento cristão alemão e sua tentativa de amalgamar o nacionalismo nazista com o evangelho cristão. Quando o Bispo Theodor Heckel - o funcionário encarregado das relações exteriores da Igreja Evangélica Alemã - viajou para Londres para avisar Bonhoeffer de se abster de qualquer atividade ecumênica não diretamente autorizado pelo Berlim, Bonhoeffer recusou-se a abster-se.

Seminário Finkenwalde

Bonhoeffer em Sigurdshof de 1939.

Em 1935, Bonhoeffer foi presenteado com uma oportunidade muito procurados para estudar a resistência não-violenta sob Gandhi em sua ashram, mas, talvez lembrando a repreensão de Barth, decidiu voltar para a Alemanha a fim de dirigir um seminário de formação subterrânea para pastores da Igreja em Confessante Finkenwalde. Como a repressão nazista da Igreja Confessante intensificou, Barth foi levado de volta para a Suíça em 1935; Martin Niemöller foi preso em julho de 1937; e em agosto de 1936, a autorização de Bonhoeffer para lecionar na Universidade de Berlim foi revogada depois que ele foi denunciado como um " pacifista e inimigo do Estado "por Theodor Heckel ( alemão : de: Theodor Heckel).

Esforços de Bonhoeffer para os seminários subterrâneos incluído obtenção de fundos necessários, e ele encontrou um grande benfeitor em Ruth von Kleist-Retzow. Em momentos de angústia, ex-alunos de Bonhoeffer e suas esposas se refugiar-se em Pomeranian propriedade de von Kleist-Retzow, e Bonhoeffer era um convidado frequente. Mais tarde, ele se apaixonou por neta de Kleist-Retzow Maria von Wedemeyer, a quem ele se envolveu três meses antes de sua prisão. Em agosto de 1937, Himmler decretou a educação e exame de candidatos Confessante Igreja ministério ilegal. Em setembro de 1937, a Gestapo fechou o seminário em Finkenwalde e em novembro prendeu 27 pastores e ex-alunos. Foi nessa época que Bonhoeffer publicou seu livro mais conhecido, O Custo do Discipulado, um estudo sobre o Sermão da Montanha , no qual ele não só atacou "graça barata" como uma cobertura para frouxidão ética, mas também pregou "graça caro".

Bonhoeffer passou os próximos dois anos secretamente viajam de uma vila oriental alemã para outro para conduzir "seminário on the run" supervisão de seus alunos, a maioria dos quais estavam trabalhando ilegalmente em pequenas paróquias dentro do velho-Prussiana Província Eclesiástica de Pomerania. O família von Blumenthal sediou o seminário em sua propriedade de Groß Schlönwitz. Os pastores de Gross Schlönwitz e aldeias vizinhas apoiou a educação através do emprego e da habitação dos alunos (entre os quais estava Eberhard Bethge, que mais tarde iria editar Bonhoeffer de "Cartas e Documentos da Prisão") como vigários em suas congregações.

Em 1938, a Gestapo proibido Bonhoeffer de Berlim. No verão de 1939, o seminário foi capaz de mover-se para Sigurdshof, uma propriedade periféricas ( Vorwerk) do família von Kleist em Wendisch Tychow. Em março de 1940, a Gestapo encerrar o seminário lá após a eclosão da II Guerra Mundial. Vida comunitária monástica de Bonhoeffer e ensino em Finkenwalde seminário formaram a base de seus livros, o custo do discipulado e vida juntos.

A irmã de Bonhoeffer Sabine, junto com seu marido judeu-classificado Gerhard Leibholz e suas duas filhas, fugiu para a Inglaterra por meio de Suíça em setembro de 1940.

Voltar para os Estados Unidos

Em fevereiro de 1938, Bonhoeffer fez um contato inicial com os membros do Resistência Alemã, quando seu irmão-de-lei Hans von Dohnanyi o apresentou a um grupo que busca a derrubada de Hitler em Abwehr, a inteligência militar alemão.

Bonhoeffer também aprendeu com Dohnanyi que a guerra era iminente e estava particularmente preocupado com a perspectiva de ser recrutados. Como um pacifista convicto oposição ao regime nazista, ele nunca poderia fazer um juramento a Hitler e lutar em seu exército. Não fazer isso era potencialmente um crime capital. Ele também se preocupava com consequências recusar o serviço militar poderia ter para a Igreja Confessante, como era um movimento que seria desaprovada pela maioria dos cristãos e suas igrejas na época.

Foi nesta conjuntura que Bonhoeffer partiu para os Estados Unidos em junho de 1939, a convite do Union Theological Seminary em Nova York. Em meio a muita turbulência interna, ele logo se arrependeu de sua decisão apesar das fortes pressões de seus amigos para ficar em os EUA Ele escreveu a Reinhold Niebuhr: "Eu vim à conclusão de que eu cometi um erro em vir para a América tenho que viver este período difícil da nossa história nacional com o povo da Alemanha não terei direito a participar na reconstrução da vida cristã.. na Alemanha após a guerra, se eu não compartilhar os ensaios desta vez com meu povo ... os cristãos na Alemanha terá de enfrentar a terrível alternativa de qualquer dispostos a derrota de sua nação, a fim de que a civilização cristã pode sobreviver ou dispostos a vitória de sua nação e destruindo assim civilização. Eu sei qual dessas alternativas devo escolher, mas eu não posso fazer essa escolha de segurança. " Ele voltou para a Alemanha no último navio programado para atravessar o Atlântico.

Agente de Abwehr

De volta à Alemanha, Bonhoeffer foi ainda mais assediado pelas autoridades nazistas como ele foi proibido de falar em público e era obrigada a informar regularmente as suas actividades com a polícia em 1940. Em 1941, ele foi proibido de imprimir ou publicar. Enquanto isso, Bonhoeffer - um pastor - entrou para a Abwehr (a organização de inteligência militar alemão), que foi também o centro da resistência anti-Hitler. Dohnanyi, já parte da Abwehr, trouxe para a organização sobre a alegação de seus amplos contatos ecumênicos seria de uso para a Alemanha, protegendo-o, assim, de recrutamento para o serviço ativo. Bonhoeffer presumivelmente sabia sobre várias 1943 conspirações contra Hitler através Dohnanyi, que estava ativamente envolvidos no planejamento. Em face das atrocidades nazistas, à escala completa do que Bonhoeffer aprendidas através da Abwehr, ele concluiu que "a questão fundamental para um homem responsável para perguntar não é como ele é livrar-se heroicamente do caso, mas como a próxima geração deve continuar a viver ". Ele não justificar sua ação, mas admitiu que ele estava levando a culpa sobre si mesmo como ele escreveu "quando um homem toma sobre si a culpa na responsabilidade, ele atribui a culpa a si mesmo e ninguém mais. Ele responde por ele ... Antes que outros homens ele é justificado pela extrema necessidade; antes se ele for absolvido por sua consciência, mas diante de Deus que espera apenas por graça ". (Neste contexto, vale a pena recordar o seu sermão 1932, na qual ele disse: "o sangue dos mártires pode mais uma vez ser exigido, mas este sangue, se realmente temos a coragem ea lealdade para com o derramou, não vai ser inocente , brilhando como que das primeiras testemunhas da fé. Em nosso sangue cabe culpa pesado, a culpa do servo inútil que está lançados nas trevas exteriores. ")

Sob o manto da Abwehr, Bonhoeffer serviu como um mensageiro para o movimento de resistência alemã para revelar sua existência e intenções aos aliados na esperança de angariar o seu apoio, e, através de seus contatos ecumênicos no exterior, para assegurar possíveis termos de paz com os Aliados para uma governo pós-Hitler. Suas visitas a Noruega, Suécia e Suíça foram camuflados como atividades de inteligência legítimas para a Abwehr. Em maio de 1942, ele conheceu Anglicana Bishop George Sino de Chichester, um membro da Câmara dos Lordes e um aliado da Igreja Confessante, contactado por exilado Leibholz de Bonhoeffer irmão-de-lei; através dele antenas foram enviados para ministro das Relações Exteriores britânico Anthony Eden. No entanto, o governo britânico ignorou estes, como ele tinha todas as outras abordagens da resistência alemã. Dohnanyi e Bonhoeffer também estavam envolvidos em operações de Abwehr para ajudar os judeus alemães fugir para a Suíça. Foi durante esse tempo que Bonhoeffer trabalhou em Ética e escreveu cartas para manter os espíritos de seus ex-alunos. Ele pretendia Ética como seu opus magnum, mas permaneceu inacabado quando ele foi preso.

Prender

Em 5 de abril de 1943, Bonhoeffer e Dohnanyi foram presos não por causa de sua conspiração, mas por causa da rivalidade de longa data entre SS e Abwehr para a inteligência feudo. Um dos informantes de Abwehr, Wilhelm Schmidhuber, foi preso pela Gestapo por envolvimento em um caso de moeda privado. Nas investigações subsequentes, a Gestapo descobriu operação de Dohnanyi em que 14 judeus foram enviados para a Suíça ostensivamente como agentes Abwehr e grandes somas em moeda estrangeira foram pagos a eles como compensação por propriedades confiscadas. A Gestapo, que tinha sido à procura de informações para desacreditar Abwehr, sentiu que tinha um caso de corrupção contra Dohnanyi e procurou seu escritório Abwehr onde descobriram notas revelando contatos estrangeiros e outros documentos relacionados com a conspiração anti-Hitler de Bonhoeffer. Um deles foi uma nota que discutiram planos para uma viagem por Bonhoeffer para Roma, onde ele iria explicar aos líderes da igreja por que o tentativas de assassinato contra Hitler março 1943 tinha falhado. No entanto, o envolvimento de Bonhoeffer em planos de assassinato não era conhecido pela Gestapo, como Abwehr conseguiu explicar afastado os documentos mais prejudiciais como materiais oficiais codificados inteligência militar. Dohnanyi e Bonhoeffer foram, no entanto, suspeito de subverter a política nazista contra os judeus e abusar Abwehr para fins impróprios. Bonhoeffer era suspeito de sonegar militar call-up, usando Abwehr para contornar a liminar contra a Gestapo falar em público e ficar em Berlim, e usando Abwehr para promover Confessante Igreja trabalha, entre outras acusações.

Prisão

Durante um ano e meio, Bonhoeffer foi preso em Prisão militar Tegel aguardando julgamento. Lá, ele continuou seu trabalho na divulgação religiosa entre seus companheiros prisioneiros e guardas. Guardas simpáticos ajudou a contrabandear suas cartas da prisão para Eberhard Bethge e outros, e essas cartas sem censura foram publicadas postumamente em cartas e documentos da prisão. Um guarda chamado Corporal Knobloch até se ofereceu para ajudá-lo a escapar da prisão e "desaparecer" com ele, e foram feitos planos para esse fim. Mas Bonhoeffer recusou temendo represália nazista em sua família, especialmente seu irmão Klaus e irmão-de-lei Hans von Dohnanyi que também foram presos.

Flossenbürg campo de concentração, Arrestblock-Hof: Memorial aos membros da resistência alemã executado em 09 de abril de 1945

Depois da falha da Atentado de 20 de julho contra a vida de Hitler em 1944 ea descoberta em setembro de 1944 de Abwehr documentos secretos relacionados com a conspiração, conexão de Bonhoeffer com os conspiradores foi descoberto. Ele foi transferido da prisão militar de Tegel, em Berlim, onde ele tinha sido mantido por 18 meses, para o porão da casa de detenção da prisão Reich Escritório Central de Segurança, prisão de alta segurança da Gestapo. Em fevereiro de 1945, ele foi secretamente mudou-se para Buchenwald campo de concentração, e, finalmente, a Campo de concentração de Flossenbürg.

Em 4 de abril de 1945, os diários de Almirante Wilhelm Canaris, chefe da Abwehr, foram descobertos, e em uma raiva ao ler eles, Hitler ordenou que os conspiradores Abwehr ser destruído. Bonhoeffer foi levado assim como ele concluiu seu serviço final de domingo e perguntou a um prisioneiro Inglês Payne Melhor de lembrar-lhe que Bishop George Sino de Chichester, se ele nunca deve chegar a sua casa: "Este é o fim - para mim o começo da vida."

Execução

Bonhoeffer foi condenado à morte em 8 de Abril de 1945 pelas SS juiz Otto Thorbeck numa drumhead corte marcial, sem testemunhas, registros de processos ou uma defesa em Campo de concentração de Flossenbürg. Ele foi executado por lá pendurado na madrugada de 09 de abril de 1945, apenas duas semanas antes de os soldados dos Estados Unidos 90 e Divisões de Infantaria 97 libertaram o campo, três semanas antes da captura soviética de Berlim e um mês antes da capitulação da Alemanha nazista . Bonhoeffer foi destituído de seu vestuário e levou para o quintal nu execução, onde ele foi enforcado, juntamente com os colegas conspiradores Admiral Wilhelm Canaris, Canaris vice Geral Hans Oster, militar jurista Geral Karl Sack, Geral Friedrich von Rabenau, empresário Theodor Strunck, e combatente da resistência alemã Ludwig Gehre. O irmão de Bonhoeffer, Klaus Bonhoeffer, e seu irmão-de-lei Rüdiger Schleicher foram executados em Berlim na noite de 22-23 de abril como as tropas soviéticas já lutou na capital. Seu irmão-de-lei Hans von Dohnanyi tinha sido executado em Campo de concentração de Sachsenhausen, em 8 ou 9 de Abril.

Eberhard Bethge, um estudante de Bonhoeffer do, escreve sobre um homem que viu a execução: "Eu vi o pastor Bonhoeffer ... ajoelhado no chão, orando fervorosamente a Deus. Eu estava mais profundamente comovido pela forma como este homem amável orava, tão devoto e tão certos de que Deus ouviu sua oração. No local da execução, ele novamente fez uma pequena oração e, em seguida, subiu os poucos passos para a forca, bravo e compostas. Sua morte seguiu-se após alguns segundos. Nos quase 50 anos em que trabalhei como médico, eu quase nunca vi um homem morrer tão completamente submisso à vontade de Deus. "

Herança teológica

Galeria de Mártires do século 20 na abadia de Westminster . A partir da esquerda, Mãe Elizabeth da Rússia, Martin Luther King, Jr. , Oscar Romero e Dietrich Bonhoeffer

Ofuscado pelos dramáticos acontecimentos de sua vida, a teologia de Bonhoeffer tem, no entanto, sido influente. Sua teologia tem uma natureza não sistemática fragmentária, devido, pelo menos em parte, à sua morte prematura, e está sujeita a diversas e contraditórias interpretações, às vezes necessariamente com base em especulação e projeção. Assim, por exemplo, enquanto o seu Apelações abordagem cristocêntrica para conservadores, protestantes confissão de espírito, seu compromisso com a justiça e idéias sobre "cristianismo sem religião" sociais são enfatizados por protestantes liberais, embora algumas de suas interpretações foram desafiados por John G. Stackhouse.

Central para a teologia de Bonhoeffer é Cristo, no qual Deus eo mundo são reconciliados. Deus de Bonhoeffer é um Deus que sofre, cuja manifestação é encontrado nesta-mundanismo. Bonhoeffer acreditava que o Encarnação de Deus em carne tornou inaceitável para falar de Deus e do mundo "em termos de duas esferas" - um ataque implícito sobre Lutero doutrina dos dois reinos. Bonhoeffer salientou piedade pessoal e coletiva e reviveu a idéia de imitação de Cristo. Ele argumentou que os cristãos não devem retirar do mundo, mas agir dentro dele. Ele acreditava que dois elementos foram constitutivo da fé: a implementação da justiça e da aceitação do sofrimento divino. Bonhoeffer insistiu que a igreja, como os cristãos, "teve que compartilhar dos sofrimentos de Deus nas mãos de um mundo sem Deus" se fosse para ser uma verdadeira igreja de Cristo.

Em suas cartas da prisão, Bonhoeffer levantou questões tentadoras sobre o papel do Cristianismo e da Igreja em um "mundo vêm de idade", onde os seres humanos não precisam mais um Deus metafísica como um tapa-buracos para limitações humanas; e meditou sobre o surgimento de um "cristianismo sem religião", onde Deus seria sem nuvens a partir de construções metafísicas dos 1900 anos anteriores. Influenciado pela distinção de Barth entre fé e religião, Bonhoeffer tinha uma visão crítica do fenômeno da religião e afirmou que a revelação aboliu a religião (o que ele chamou de "vestuário" da fé). Tendo testemunhado o fracasso completo da igreja protestante alemã, como instituição, em face do nazismo, ele viu este desafio como uma oportunidade de renovação para o cristianismo.

Anos depois da morte de Bonhoeffer, alguns pensadores protestantes desenvolveram sua crítica em um ataque contra o cristianismo tradicional profunda no " . A morte de Deus "movimento, que brevemente atraiu a atenção da cultura mainstream em meados dos anos 1960. No entanto, alguns críticos - tais como Jacques Ellul e outros - têm cobrado que essas interpretações radicais de insights de Bonhoeffer equivaleria a uma grave distorção, que Bonhoeffer não quer dizer que Deus não tinha mais nada a ver com a humanidade e tornou-se um mero artefato cultural. Mais recente interpretação Bonhoeffer é mais cauteloso a esse respeito, respeitando os parâmetros da neo-ortodoxo escola a que pertencia.

A vida de Bonhoeffer como um pastor e teólogo de grande intelecto ea espiritualidade que viveu como ele pregou - e seu martírio em oposição ao nazismo - exerceu grande influência e inspiração para os cristãos em toda denominações e ideologias amplos, como Martin Luther King, Jr. eo Movimento dos Direitos Civis, no Estados Unidos , o movimento democrático anti-comunista na Europa Oriental durante a Guerra Fria e do anti- Apartheid movimento na ?frica do Sul .

Bonhoeffer é comemorado como um teólogo e mártir pela United Methodist Church, Igreja Evangélica Luterana na América e vários membros da Igreja da Comunhão Anglicana .

Bonhoeffer influenciado Comboni Pai missionário Ezechiele Ramin.

O Deutsche Evangelische Kirche em Sydenham, em Londres, no qual ele pregou entre 1933 e 1935, foi destruída pelo bombardeio em 1944. A igreja de substituição foi construído em 1958 e chamado Dietrich-Bonhoeffer-Kirche em sua honra.

Obras de Bonhoeffer

Inglês traduções de obras de Bonhoeffer, a maioria dos quais foram originalmente escritos em alemão, estão disponíveis. Muitas de suas palestras e livros foram traduzidos para o Inglês ao longo dos anos e estão disponíveis a partir de várias editoras. Estas obras estão listados na sequência da Fortress Press edição dos escritos de Bonhoeffer, que, quando concluído, será a edição definitiva de obras teológicas e correspondência de Bonhoeffer. A edição das Obras de Bonhoeffer idioma Inglês contém, em muitos casos, mais material do que a série por causa da descoberta de correspondência até então desconhecido Obras alemães.

Quinze dos dezesseis volumes do Bonhoeffer Funciona Edições da obra de Bonhoeffer foram publicados em dezembro de 2012. O trabalho que resta a ser publicado é o volume 14 Educação Teológica no Finkenwalde:. 1935-1937 A data de lançamento para este volume não foi publicado.

Definitive Editions Fortress Press das obras de Bonhoeffer:

  • Sanctorum Communio. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 1 Dietrich Bonhoeffer.; Clifford Verde, Editor Traduzido por Reinhard Krauss e Nancy Lukens. Capa dura, 392 páginas; 978-0-8006-8301-6 e Paperback, 386 páginas; 978-0-8006-9652-8. Dissertação de Bonhoeffer, concluída em 1927 e publicada pela primeira vez em 1930 como Sanctorum Communio: eine Dogmatische Untersuchung zur Kirche der Soziologie. Nela, ele tenta elaborar uma teologia da pessoa na sociedade, e em particular na igreja. Junto com explicando suas posições iniciais sobre o pecado, o mal, a solidariedade, espírito coletivo, e culpa coletiva, ele se desdobra uma teologia sistemática do Espírito no trabalho, na igreja e que isso implica para perguntas sobre autoridade, liberdade, ritual, e escatologia.
  • Lei e Ser. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 2 Dietrich Bonhoeffer.; Wayne Whitson Floyd e Hans Richard Reuter, Editors; Traduzido por H. Martin Rumscheidt. Capa dura, 256 páginas: 978-0-8006-8302-3. Segunda dissertação de Bonhoeffer, escrito em 1929-30 e publicado em 1931 como Akt und Sein , lida com a consciência ea consciência em teologia a partir da perspectiva da visão de Reforma para a pecaminosidade origem no "coração voltado sobre si mesmo e, assim, aberta nem a a revelação de Deus nem para o encontro com o vizinho. "pensamentos de Bonhoeffer sobre o poder, revelação, Alteridade, método teológico, e antropologia teológica são explicados.
  • Criação e Queda. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 3 Dietrich Bonhoeffer.; John W. De Gruchy, Editor Traduzido por Douglas Stephen Bax. Em 1932, Bonhoeffer apelou aos seus estudantes na Universidade de Berlim, a centrar a sua atenção sobre a palavra de Deus, a palavra da verdade, em um momento de turbulência. Capa dura, 214 páginas: 978-0-8006-8303-0. Papel, 224 páginas: 978-0-8006-8323-8.
  • Discipulado. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 4 Dietrich Bonhoeffer.; John D. Dodsey e Geoffrey B. Kelly, Editores. Originalmente publicado em 1937, este livro (geralmente conhecido em Inglês pelo título O Custo do Discipulado ) logo se tornou uma exposição clássica do que significa seguir a Cristo em um mundo moderno atormentado por um governo perigoso e criminal. Capa dura, 384 páginas: 978-0-8006-8304-7. Papel, 354 páginas: 978-0-8006-8324-5.
  • Life Together e Prayerbook da Bíblia. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 5 Dietrich Bonhoeffer.; James H. Burtness e Geffrey B. Kelly, Editors; Traduzido por Daniel W. Bloesch. Capa dura, 242 páginas: 978-0-8006-8305-4. Papel, 232 páginas:. 978-0-8006-8325-2 Life Together é um clássico que contém meditação de Bonhoeffer sobre a natureza da comunidade cristã. Prayerbook da Bíblia é uma meditação clássica sobre a importância dos Salmos para a oração cristã . Nesta interpretação teológica dos Salmos, Bonhoeffer descreve os humores do relacionamento do indivíduo com Deus e também as voltas de amor e desgosto, de alegria e tristeza, que são eles próprios o caminho da comunidade cristã de Deus.
  • Ética. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 6 Dietrich Bonhoeffer.; Clifford Verde, Editor; Traduzido por Reinhard Krauss, Douglas W. Stott, e Charles C. Oeste. A jóia da coroa do corpo de trabalho de Bonhoeffer, Ética é a culminação de sua odisséia teológica e pessoal. Capa dura, 544 páginas: 978-0-8006-8306-1. Paperback, 605 páginas: 978-0-8006-8326-9.
  • Ficção de Tegel prisão. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 7 Dietrich Bonhoeffer.; Clifford Verde, Editor Traduzido por Nancy Lukens. Capa dura, 288 páginas: 978-0-8006-8307-8. Escrever ficção-um drama incompleta, uma novela fragmento, e uma muito curta história ocupada do primeiro ano de Bonhoeffer em Tegel prisão, assim como a escrita para sua família e sua noiva e lidar com seu interrogatório. "Há uma boa dose de autobiografia misturado com ele", explicou a seu amigo e biógrafo Eberhard Bethge. Ricamente anotado por editores alemães Renate Bethge e Ilse Todt e por Clifford Verde, os escritos neste livro divulga uma grande quantidade de contexto de Bonhoeffer família, mundo social, e meio cultural. Eventos de sua vida são contadas de uma forma que ilumina sua teologia. Personagens e situações que representam tipos nazistas e atitudes se tornaram uma forma de crítica social e ajudam a explicar a participação de Bonhoeffer no movimento de resistência e da conspiração para matar Hitler.
  • Letras e papéis da prisão. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 8 Dietrich Bonhoeffer.; John W. de Gruchy, Editor; Traduzido por Isabel Melhor; Lisa E. Dahill; Reinhard Krauss; Nancy Lukens. Este volume esplêndido, de muitas maneiras a pedra angular das Dietrich Bonhoeffer Works, é a primeira coleção integral de 1943-1945 cartas da prisão de Bonhoeffer e escritos teológicos. Aqui estão mais de 200 documentos que incluem extensa correspondência com sua família e Eberhard Bethge (muito do que em Inglês pela primeira vez), bem como suas notas teológicas, e seus poemas de prisão. O volume oferece uma introdução esclarecedora pelo editor John de Gruchy e um posfácio histórica pelos editores do volume original em alemão: Christian Gremmels, Eberhard Bethge, e Renate Bethge. Capa dura, 800 páginas: 978-0-8006-9703-7.
  • O jovem Bonhoeffer, 1918-1927. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 9 Dietrich Bonhoeffer.; Paul Duane Metheny, Editor. Reúne 100 primeiras cartas e diários de Bonhoeffer de depois da Primeira Guerra Mundial, através de sua graduação na Universidade de Berlim. Capa dura, 720 páginas: 978-0-8006-8309-2. Este trabalho reúne suas primeiras cartas e periódicos através de sua graduação da Universidade de Berlim. Ele também contém seus escritos teológicos início até sua dissertação. Os dezessete ensaios incluem trabalhos sobre o período patrístico por Adolf von Harnack, no humor de Lutero para Karl Holl, na interpretação bíblica para Professor Reinhold Seeberg, bem como ensaios sobre a igreja e escatologia, razão e revelação, Job, John, e até mesmo alegria . Completando esse quadro de teologia nascente de Bonhoeffer são seus sermões do período, juntamente com suas palestras sobre homilética, catequese e teologia prática.
  • Barcelona, ​​Berlim, Nova York: 1928-1931. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 10 Dietrich Bonhoeffer.; Clifford Verde, Editor. Este período 1928-1931, que se seguiu a conclusão de sua dissertação, foi formativo para orientação pessoal, pastoral e teológica de Bonhoeffer. Capa dura, 790 páginas: 978-0-8006-8330-6.
  • Ecumênico, Academic e Trabalho Pastoral: 1931-1932, as obras de Dietrich Bonhoeffer, Volume 11 , é uma tradução de Ökumene, Universität, Pfarramt: 1931-1932. Capa dura, 576 páginas: 978-0-8006-9838-6.
  • Berlim: 1932-1933. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 12 Dietrich Bonhoeffer.; Larry L. Rasmussen, Editor. Traduzido por Isabel Best, David Higgins, e Douglas W. Stott. Berlim documenta a crise de 1933 na Alemanha como Bonhoeffer ensinou Capa dura, 650 páginas "em uma faculdade cuja teologia ele não compartilhar.": 978-0-8006-8312-2.
  • Londres, 1933-1935. Obras de Dietrich Bonhoeffer, Volume 13 Dietrich Bonhoeffer.; Keith C. Clements, Editor. Traduzido por Isabel Best. Inclui registros e atas de suas reuniões congregacionais, relatórios de conferências internacionais de 1934, mais de 20 sermões que ele pregou em Londres, e muito mais. Capa dura, 550 páginas: 978-0-8006-8313-9.
  • Educação Teológica no Finkenwalde: 1935-1937, as obras de Dietrich Bonhoeffer, Volume 14, é uma tradução de Illegale Theologenausbildung: 1935-1937, e é "ainda não publicada".
  • Educação Teológica de metro: 1937-1940, as obras de Dietrich Bonhoeffer, Volume 15 , é uma tradução de Illegale Theologenausbildung: 1937-1940. Capa dura, 750 páginas: 978-0-8006-9815-7.
  • Conspiração e Prisão 1940-1945. Dietrich Bonhoeffer Works, Volume 16 Dietrich Bonhoeffer.; Mark Brocker, Editor Traduzido por Lisa E. Dahill. Centenas de cartas, incluindo 10 cartas nunca antes publicadas para sua noiva, Maria von Wedemeyer, bem como documentos oficiais, peças originais curtas, e seus sermões finais. Capa dura, 912 páginas: 978-0-8006-8316-0.

Vários trabalhos no corpus Bonhoeffer publicado individualmente em Inglês:

  • Cristologia (1966) Londres: William Collins e New York: Harper and Row. Tradução de palestras dadas em Berlim, em 1933, do vol. 3 de Gesammelte Schriften , Christian Kaiser Verlag, 1960. renomeado como Cristo o Centro , Harper San Francisco 1978 paperback: ISBN 0-06-060811-0
  • O Custo do Discipulado (1948 em Inglês). Edição Touchstone com introdução pelo Bispo George Bell e memórias por G. Leibholz de 1995 paperback: ISBN 0-684-81500-1. Edição crítica publicada sob o título original Discipulado : John D. Godsey (editor); Geffrey B. Kelly (editor). Fortress Press, 2000. ISBN 0-8006-8324-2. Livro mais lido de Bonhoeffer começa, "A graça barata é o inimigo mortal de nossa igreja. A nossa luta hoje é pela graça caro." Essa foi uma severa advertência para sua própria igreja, que estava envolvido em um amargo conflito com a igreja oficial do estado nazificado, O livro foi publicado pela primeira vez em 1937 como Nachfolge (Discipulado). Ele logo se tornou uma exposição clássica do que significa seguir a Cristo em um mundo moderno atormentado por um governo perigoso e criminal. No seu centro está uma interpretação do Sermão da Montanha : o que Jesus exigiu de seus seguidores, e como a vida de discipulado deve ser continuado em todas as épocas da Igreja pós-ressurreição.
  • Life Together. O estímulo para a escrita de Life Together foi o fechamento da pregadores 'Seminário de Finkenwalde. O tratado contém os pensamentos de Bonhoeffer sobre a natureza da comunidade cristã baseada na vida comum que ele e seus seminaristas experimentado no seminário e na "Casa do irmão" lá. Life Together foi concluída em 1938, publicado em 1939 como Gemeinsames Leben , e primeiro traduzido para o Inglês em 1954. Harper San Francisco 1978 paperback: ISBN 0-06-060852-8
  • Ética (1955 em Inglês pela SCM Press). Touchstone edição de 1995 paperback: ISBN 0-684-81501-X. Este é o culminar de odisséia teológica e pessoal de Bonhoeffer. Com base na reconstrução cuidadosa dos manuscritos, recém-e habilmente traduzido e anotado, a edição crítica apresenta uma introdução perspicaz por Clifford verde e um posfácio de editores da edição alemã. Embora apanhados no turbilhão de forças momentosos no período nazista, Bonhoeffer imaginou sistematicamente uma radicalmente cristocêntrica, ética encarnada para um mundo pós-guerra, propositadamente reformulação relação dos cristãos com a história, a política ea vida pública.
  • Letras e papéis da prisão , (A primeira tradução Inglês foi em 1953 pelo SCM Press). Esta edição traduzido por Reginald H. Fuller e Frank Clark de Widerstand und Ergebung: Briefe und Aufzeichnungen aus der Haft . Munique: Christian Kaiser Verlag (1970). Touchstone 1997 paperback: ISBN 0-684-83827-3. Em centenas de cartas, incluindo as cartas escritas para sua noiva, Maria von Wedemeyer (selecionado da correspondência completa, publicados anteriormente como cartas de amor de celular 92 Ruth-Alice von Bismarck e Ulrich Kabitz (editores), Abingdon Press (Abril de 1995) ISBN 0 -687-01098-5), bem como documentos oficiais, peças originais curtas, e alguns sermões finais, o volume lança luz sobre resistência ativa de Bonhoeffer para e crescente envolvimento na conspiração contra o regime de Hitler, sua prisão, e sua longa prisão. Finalmente, muitas trocas de Bonhoeffer com sua família, noiva, e os amigos mais próximos, demonstrar o afeto ea solidariedade que acompanhou Bonhoeffer para sua cela na prisão, campo de concentração, e eventual morte.
  • Um Testamento para a Liberdade: Os Escritos essenciais de Dietrich Bonhoeffer (1990). Geffrey B. Kelly e F. Burton Nelson, editores. Harper San Francisco 1995 2ª edição, paperback: ISBN 0-06-064214-9
  • Von guten machten : "Ao Powers graciosos", uma oração que ele escreveu pouco antes de sua morte. Também pouco antes de sua morte, Bonhoeffer teve um ataque de asma grave que quase o matou. Ele foi executado dois dias depois. Várias traduções inglesas.

Trabalha sobre Bonhoeffer

  • Livros
    • Não-ficção
      • Frick, Peter (editor),formação intelectual de Bonhoeffer: Teologia e Filosofia em seu pensamento(Mohr Siebeck, 2008)ISBN 3161495357
      • Geffrey B. Kelly & F. Burton Nelson (editores),"um testemunho de Liberdade: Os Escritos essenciais de Dietrich Bonhoeffer"(HarperSan Francisco, 1990)ISBN 0-06-060813-7
      • Ferdinand Schlingensiepen,Dietrich Bonhoeffer, 1906-1945: mártir, pensador, homem de resistência(T & T Clark, 2010).ISBN 978-0-567-03400-7
      • Eric Metaxas,Bonhoeffer: Pastor, Mártir, Profeta, Spy(Thomas Nelson, 20 de abril de 2010).ISBN 978-1-59555-138-2
      • Gillian Tribunal,coração de carne, Dietrich Bonhoeffer, um estudo em profecia cristã(Churches Together na Grã-Bretanha e da Irlanda, 2007).ISBN 0-85169-330-X
      • Keith Clements,Bonhoeffer e Grã-Bretanha(Churches Together na Grã-Bretanha e da Irlanda, 2006).ISBN 0-85169-307-5
      • Eberhard Bethge, Dietrich Bonhoeffer: Teólogo, cristão, homem por Sua Times: A Biography Rev. ed. (Minneapolis, Fortress Press, 2000).
      • Craig J. Slane,Bonhoeffer como mártir: responsabilidade social e compromisso cristão moderno(Brazos Press, 2004).
      • Stephen R. Haynes,The Legacy Bonhoeffer: Post-Holocausto Perspectives(Fortress Press, 2006).ISBN 0-8006-3815-8.
      • Stephen Flora,Bonhoeffer(Continuum International Publishing, 2004).ISBN 0-8264-5089-X.
      • Edwin Robertson,Legado de Bonhoeffer: A maneira cristã em um mundo sem religião(Collier Books, 1989).ISBN 0-02-036372-9.
      • Edwin Robertson,da vergonha e do Sacrifício: A vida e os ensinamentos de Dietrich Bonhoeffer(Hodder & Stoughton, 1987).ISBN 0-340-41063-9.
      • Dallas M. Roark, Dietrich Bonhoeffer Makers da Theological Mente Moderna. (Word Publishing Group, 1972) ISBN 0-8499-2976-8
      • Audrey Constant,No Compromise: A história de Dietrich Bonhoeffer. Fé em série de açãoISBN 0-08-029272-0 (não líquida)ISBN 0-08-029273-9 (líquida)
      • Michael J. Martin, Dietrich Bonhoeffer . Campeão da série Liberdade. (Morgan Reynolds Publishing, 2012). ISBN 978-1-59935-169-8. Vencedor de 2013 Wilbur Award de Melhor Livro, Audiências da Juventude.


    • Ficção
      • Daniel Jándula,El Reo(Tarragona: Ediciones Noufront, 2009).ISBN 978-84-937017-0-3
      • Denise Giardina, Santos e Vilões (Ballantine Books, 1999). ISBN 0-449-00427-9. Um relato fictício da vida de Bonhoeffer.
      • Mary Glazener,a taça da ira: A Novel baseada na resistência de Dietrich Bonhoeffer para Hitler(Macon, GA: Smyth & Helwys Publishing, 1996).ISBN 1-57312-019-7.
      • George Mackay Brown, Magnus(Hogarth Press, 1973) Um romance em que o 10º século saint Orcadian presoMagnus Erlendsson é transformado em Bonhoeffer.
      • Simon Perry,Todos quantos vieram antes(Wipf e da de 2011), em que a ética e as ações de Bonhoeffer dar carne para a figura histórica,Barrabás.
  • Filmes
    • Bonhoeffer- Martin Doblmeier de 2003
    • Bonhoeffer: Agent of Grace (2000), no Internet Movie Database Eric Till, PBS de 2000
    • Enforcado em uma cruz torcida (1996)noTN Internet Movie Database Mohan, 1996
    • A View From The Underside - O Legado de Dietrich Bonhoeffer- Al Staggs, 1992
    • A Consciência Restless Hava Kohav Beller, (USA 1991)
    • Bonhoeffer, A Vida de Desafio, (Panagraph, Inc.), Dr. John F. Boogaert, Diretor, (EUA, 1978)
  • Plays
    • Bonhoeffer- um jogo americano escrito por Tim Jorgenson, disponível em uma edição impressa (Xulon Press, 2002ISBN 1-59160-343-9), estreou em 2004 noAcacia Theatre Company, Milwaukee, Wisconsin.
    • Bonhoeffer- um finlandêsjogo monólogo escrito e realizado por Timo Kankainen e dirigido por Eija-Irmeli Lahti, estreou em janeiro de 2008 noSeinäjoki teatro da cidade.
    • Honra pessoal: Sugerida pela Vida de Dietrich Bonhoeffer - escrito por Nancy Axelrad e executada pelo Ricks-Weil Theatre Company (dirigido por Thom Johnson), estreou 01 de maio de 2009 no Centro de Ricks HJ para as Artes em Greenfield, Indiana.
    • As vigas são Ranger - um jogo americano escrito por Douglas Anderson, do padeiro Plays, Boston ( ISBN 0-87440-963-2). Estreou no Case Western University, em outubro de 1978. Ganhou o Marc A. Klein dramaturgo e Prémio Wichita Concurso Nacional de Dramaturgia Estado no mesmo ano.
    • Custo de Bonhoeffer - uma peça estreia mundial baseado na vida de Dietrich Bonhoeffer. Escrito por Mary Ruth Clarke com Timothy Gregory, apresentado pela Provisão Theatre, Chicago, 17 setembro - 30 outubro de 2011. A peça centra-se na vida de Bonhoeffer a partir do momento de sua prisão.
  • Verso sobre Bonhoeffer
    • "Criança de sexta-feira"o texto,a leitura porWH Auden, 1958
  • Ópera
    • BonhoefferAnn Gebuhr de 2000
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Dietrich_Bonhoeffer&oldid=543989221 "