Conteúdo verificado

Pássaro

Assuntos Relacionados: Birds

Você sabia ...

Crianças SOS oferecem um download completo desta seleção para as escolas para uso em escolas intranets. Visite o site da SOS Children at http://www.soschildren.org/

Pássaro
Gama Temporal: Tarde Holoceno
Esqueleto e modelo de um Dodo
Esqueleto Elenco e modelo Dodo com base em pesquisa moderna, em Oxford University Museum of Natural History
Estado de conservação

Extinto (cerca de 1662) ( IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Columbiformes
Família: Columbidae
Subfamília: Raphidae
Género: Raphus
Brisson, 1760
Espécie: R. cucullatus
Nome binomial
Raphus cucullatus
( Linnaeus , 1758)
O ex-range (área em azul)
Sinônimos
  • Struthio cucullatus Linnaeus, 1758
  • Didus ineptus Linnaeus, 1766

O Dodo (Raphus cucullatus) é um extinto flightless pássaro que era endêmica para a ilha de Maurício , a leste de Madagáscar , no Oceano ?ndico . O seu mais próximo parente genético foi o também extinto Rodrigues solitário, os dois formando a subfamília Raphidae do família de pombos e pombas . O mais próximo parente vivo do Dodo é o Nicobar Pigeon. A Dodo branca foi uma vez incorretamente pensado para ter existido na vizinha ilha de Reunião.

Aparência externa do Dodo é evidenciada apenas por pinturas e relatos escritos do século 17. Porque estas variam consideravelmente, e porque apenas alguns esboços são conhecidos por terem sido retirados de espécimes vivos, sua aparência exata na vida permanece um mistério. Da mesma forma, pouco se sabe com certeza sobre seu habitat e comportamento. Subfóssil permanece mostrar o Dodô era cerca de um 1 metro (3,3 pés) de altura e pode ter pesado 10-18 kg (22-40 lb) no selvagem. Ele foi representado com cinza-amarronzado plumagem, pés amarelos, um tufo de penas da cauda, uma cabeça nua cinza, e um bico preto, amarelo e verde. Ela costumava pedras de moela para ajudar digerir a comida, que é pensado para ter incluído frutas, e sua principal habitat se acredita ter sido a floresta nas áreas costeiras mais secas da ilha Maurícia. Uma conta declara a sua embraiagem consistiu de um único ovo. Presume-se que o Dodo tornou-se voar por causa da disponibilidade de fontes de alimento abundante e uma relativa ausência de predadores em Maurício.

A primeira menção registrada do Dodo era por marinheiros holandeses em 1598. Nos anos seguintes, o pássaro era predado por marinheiros famintos, sua animais domesticados e de espécies invasoras introduzidas durante esse tempo. A última aparição amplamente aceita de um Dodo foi em 1662. Sua extinção não foi imediatamente notado, e alguns consideraram ser uma criatura mítica. No século 19, a pesquisa foi realizada em uma pequena quantidade de restos de quatro espécimes que tinham sido trazidos para a Europa no início do século 17. Desde então, uma grande quantidade de material de subfóssil foram coletados a partir de Maurício, principalmente a partir da Mare aux Songes pântano. A extinção do Dodo dentro de apenas cerca de um século de sua descoberta chamou a atenção para o problema anteriormente não reconhecido de envolvimento humano no desaparecimento de toda espécie . O Dodo alcançado amplo reconhecimento do seu papel na história de Alice no País das Maravilhas , e desde então se tornou um dispositivo elétrico na cultura popular, muitas vezes como um símbolo de extinção e obsolescência. É freqüentemente usado como um mascote em Maurício.

Taxonomia

Litografia do crânio Dodo no Museu Oxford
1848 litografia do crânio espécime Oxford

O Dodo foi por diversas vezes declarou um pequeno avestruz , uma trilho, um albatroz , e um abutre . Em 1842, Johannes Theodor Reinhardt propôs que Dodos foram moídas pombos , com base em estudos de um crânio Dodo ele havia descoberto na coleção real dinamarquesa em Copenhague . Este ponto de vista foi recebida com escárnio, mas mais tarde foi apoiada por Hugh Edwin Gordon Strickland e Alexander Melville no seu 1848 A monografia Dodo e Sua Família, que tentou separar o mito da realidade. Depois dissecando o preservada cabeça e pé do espécime na Oxford University Museum e comparando-o com os poucos restos então disponíveis do extinto Rodrigues Solitaire (Pezophaps solitaria) eles descobriram que os dois estavam intimamente relacionados. Strickland afirmou que, embora não idênticos, estes pássaros compartilharam muitas características distintivas dos ossos da perna, também conhecido apenas em pombos.

O Dodo era anatomicamente semelhantes a pombos em muitas características. Strickland apontou para a muito curto queratinoso porção do bico, com o seu, magro, nu parte basal longo. Outros pombos também têm a pele nua em torno de seus olhos, quase atingindo o seu bico, como em Dodos. A testa era alta em relação ao bico, e o narina foi localizado em baixo do meio do bico e rodeado por uma pele, uma combinação de recursos compartilhados apenas com pombos. As pernas do Dodo foram geralmente mais semelhantes às de pombos terrestres do que de outras aves, tanto na sua escalas e em suas características esqueléticas. Representações da grande colheita insinuado uma relação com os pombos, no qual esse recurso é mais desenvolvido do que outras aves. Pombos geralmente têm muito pequeno embreagens, eo Dodo é dito ter colocado um único ovo. Como pombos, o Dodô faltou a vômer e septo das narinas, e ele compartilhou detalhes no mandíbula, o osso zigomático, o palato ea hálux. O dodo diferiam dos outros pombos principalmente no pequeno tamanho das asas e o grande tamanho do bico em relação ao resto do crânio.

Esboço da cabeça Dodo seco a Oxford Museum
Esboço do cabeçote de amostra Oxford antes de sua dissecção

Ao longo do século 19, várias espécies foram classificadas como congêneres com o Dodo, incluindo o Rodrigues Solitaire eo Reunião Solitaire, como Didus solitarius e Raphus solitarius, respectivamente (Didus e Raphus ser nomes para o gênero Dodo utilizado por diferentes autores da época). Uma descrição do século 17 atípico de um Dodo e ossos encontrados na Rodrigues, conhecido agora para ter pertencido ao Rodrigues Solitaire, liderada Abraham Dee Bartlett para nomear uma nova espécie, Didus Nazarenus, em 1852. Com base em Solitaire permanece, agora é sinônimo de que espécie. Desenhos em bruto do Red Rail de Maurício também foram mal interpretadas como espécies Dodo, Didus broeckii e Didus herberti.

Evolução

Durante muitos anos o Dodo o Rodrigues solitário e foram colocados num família própria, a Raphidae (anteriormente Dididae), porque as suas relações exatas com outros pombos estavam por resolver. Cada um foi colocado na sua própria família monotypic (Raphidae e Pezophapidae, respectivamente), como se pensava que tinham evoluído suas características similares de forma independente. Osteológicos e dados moleculares, desde então, levou à dissolução da família Raphidae, eo Dodo solitário e são agora colocado na sua própria subfamília, raphidae, da família Columbidae.

Comparação de mitocondrial citocromo b e 12S rRNA sequências isoladas a partir de um dodo tarsal e Rodrigues Solitaire fêmur confirmaram a sua estreita relação e sua colocação dentro do Columbidae . A evidência genética foi interpretada como mostrando o Sudeste Asiático Nicobar pombo para ser o seu parente mais próximo de estar, seguido pela Pombos coroadas da Nova Guiné ea superficialmente Dodo-like Dente-de-bico Pigeon de Samoa . O nome genérico do último é Didunculus ("pouco Dodo"), e ele foi chamado de "Dodlet" por Richard Owen. A seguir cladogram, de Shapiro e colegas (2002), mostra as relações mais próximos do Dodo dentro do Columbidae, uma clado consistindo de endemismos insulares geralmente habitando-terra.

Pé do espécime Oxford, utilizado como fonte para o estudo genético



Goura Victoria (pombo coroado Victoria)






Caloenas nicobarica (Nicobar Pigeon)




Pezophaps solitaria (Rodrigues Solitaire)



Raphus cucullatus (Dodo)








Strigirostris Didunculus (Pigeon faturado-Tooth)



Um cladogram semelhante foi publicado em 2007, invertendo a colocação de Goura e Dicunculus e incluindo o Faisão Pigeon eo Grosso-faturado Pombo-do-chão, na base do clado. O estudo de 2002 indicou que os antepassados do Solitaire eo Dodo divergiram em torno do Paleogene- Limite Neogene. O Mascarene Islands ( Ilhas Maurícias , Réunion, e Rodrigues), são de vulcânica origem e são menos de 10 milhões de anos. Portanto, os antepassados de ambos aves provavelmente permaneceu capaz de voo para um tempo considerável após a separação da sua linhagem. A falta de mamíferos herbívoros competindo por recursos nessas ilhas permitiu o Solitaire eo Dodo para atingir tamanhos muito grandes. O DNA obtido a partir da amostra de Oxford é degradado, e nenhum DNA utilizável foi extraído do subfóssil permanece, por isso, estes resultados ainda precisam ser verificadas de forma independente. Outra, pombo flightless grande, o Viti Levu gigante Pigeon, foi descrita em 2001 de material de subfóssil de Fiji . Foi apenas ligeiramente menor do que o Dodô eo Solitaire, e isso também é pensado para ter sido relacionada com os pombos coroados.

Etimologia

Pintura de uma floresta enchida com os pássaros, incluindo um Dodo
Paisagem com os pássaros, mostrando um Dodo no canto inferior direito, por Roelant Savery, 1628

Um dos nomes originais para o Dodô era o "walghvogel" holandês, usado pela primeira vez na revista da Vice-Almirante Wybrand van Warwijck, que visitou Maurício durante o Segunda Expedição Holandês para a Indonésia em 1598. Sua descrição, traduzido para o Inglês em 1599, explicou o significado do nome da seguinte forma:

Em sua mão esquerda foi uma pequena ilha a que chamaram Heemskirk Island, ea baía ele selve eles chamavam Warwick Bay ... encontrar neste lugar grande quantidade de foules duas vezes bigge como cisnes, que eles chamam Walghstocks ou Wallowbirdes sendo muito boa carne . Mas encontrar uma abundância de pombos e papagaios popinnayes [], eles desdenhavam mais para comer aqueles grandes foules chamando-os Wallowbirds, ou seja lothsome ou birdes fulsome.

Esboço bruto de três pássaros terrestres, legendados com as palavras
Rotulados esboço de 1634 por Sir Thomas Herbert, que mostra um papagaio Largo-faturado ("Cacato"), um trilho vermelho ("galinha"), e um Dodo

Outro relato de viagem que, talvez, o primeiro a mencionar o Dodo, afirma que o Português se refere a eles como pingüins. O significado não pode ter sido derivado do pinguim , mas a partir de pinhão, uma referência às pequenas asas. A tripulação do navio holandês Gelderland referido o pássaro como "Dronte" (que significa "inchada") em 1602, um nome que ainda é usado em algumas línguas. Esta equipe também chamou de "Griff-eendt" e "kermisgans", em referência ao aves cevadas para o Kermesse festival em Amsterdam , que foi realizada no dia seguinte à ancorado na ilha Maurícia.

O etimologia da palavra Dodo não é clara. Alguns atribuem isso a palavra holandesa dodoor para "preguiçoso", mas é mais provavelmente relacionada com Dodaars, o que significa tanto "fat-ass" ou "nó-ass", referindo-se ao nó de penas na extremidade traseira. O primeiro registro da palavra Dodaars está na revista capitão Willem Van West-Zanen em 1602. O escritor Inglês Sir Thomas Herbert foi o primeiro a usar a palavra Dodo na imprensa em 1634 o seu viagens, alegando que foi referido como tal pelo Português, que visitou Maurício em 1507. Outro inglês, Emmanuel Altham, tinha usado a palavra em uma carta de 1628, no qual ele também alegou a origem era Português. O nome "Dodar" foi introduzido em Inglês, ao mesmo tempo que Dodô, mas só foi utilizado até o século 18. Tanto quanto se sabe, o Português nunca mencionou o pássaro. No entanto, algumas fontes afirmam ainda que a palavra deriva do Dodo Português doudo palavra (atualmente doido), que significa "enganar" ou "louco". Também foi sugerido que era uma Dodo aproximação onomatopoeic da chamada do pássaro, um pombo-como o som de duas notas que se assemelha "doo-doo".

O nome latino cucullatus ("bordado") foi utilizado pela primeira vez por Juan Eusebio Nieremberg em 1635 como Cygnus cucullatus, em referência ao Carolus Clusius '1605 descrição de um Dodo. Em sua obra clássica do século 18 Systema Naturae, Carl Linnaeus usado cucullatus como o nome específico, mas isso combinado com o nome do gênero Struthio (avestruz). Mathurin Jacques Brisson cunhou o Raphus nome do gênero (referindo-se ao bustards) em 1760, resultando em o nome atual Raphus cucullatus. Em 1766, Linnaeus criou o novo ineptus Didus binomial (que significa "Dodo inepto"). Isto tornou-se um sinônimo do nome anterior por causa de prioridade nomenclatural.

Descrição

Pintura de um Dodo entre as aves indígenas
Dodo entre as aves da ?ndia, por Ustad Mansur, ca 1625

Como não existem espécimes Dodo completos, sua aparência externa, como a plumagem e coloração, é difícil de determinar. Ilustrações e relatos escritos de encontros com o Dodo entre sua descoberta e sua extinção (1598-1662) são a evidência primária para sua aparência externa. De acordo com a maioria das representações, o Dodô tinha acinzentada ou acastanhada plumagem, com isqueiro penas primárias e um tufo de penas leves encaracolado altas em sua extremidade traseira. A cabeça era cinza e nu, o bico verde, preto e amarelo, e as pernas eram robustas e amarelada, com garras pretas. Subfóssil permanece e restos das aves que foram trazidos para a Europa no século 17 mostra que eles eram muito grandes pássaros, um metro (3,3 pés) de altura e, possivelmente, com peso de até 23 kg (51 libras). Os maiores pesos foram atribuídos para as aves em cativeiro; pesos em estado selvagem foram estimados para ter sido na faixa 10,6-21,1 kg (23-47 lb). Uma estimativa mais tarde dá um peso médio tão baixo quanto 10,2 kg (22 libras). Este tem sido questionada, e ainda há alguma controvérsia. Tem sido sugerido que o peso depende da estação, e que os indivíduos eram gordura durante as estações frias, mas menos durante quente. O pássaro foi dimorfismo sexual: os machos eram maiores e tinham bicos proporcionalmente mais longos. O bico era até 23 centímetros (9,1 polegadas) de comprimento e tinha um ponto viciado. Um estudo dos poucos remanescentes penas na cabeça Oxford amostra mostrou que eles eram pennaceous em vez de plumaceous (míldio) e mais semelhantes aos de outros pombos.

Muitas das características do esqueleto que distinguem o Dodô eo Rodrigues Solitaire, seu parente mais próximo, a partir de pombos têm sido atribuídos a sua flightlessness. Os elementos pélvicos eram mais espessas do que as dos pombos flighted para suportar o peso mais elevado, e o região peitoral e as pequenas asas eram paedomorphic, o que significa que eles eram pouco desenvolvidas e mantidas características juvenis. O crânio, tronco e membros pélvicos foram peramorphic, o que significa que eles mudaram consideravelmente com a idade. O Dodo compartilhado vários outros traços com o Rodrigues Solitaire, como características do crânio, pélvis, eo esterno, bem como seu grande tamanho. É diferente em outros aspectos, tais como ser mais robusto e mais curto do que o Solitaire, tendo um crânio e bico maior, um arredondada teto do crânio, e menor órbitas. Pescoço e as pernas do Dodo foram proporcionalmente mais curto, e não possuir um equivalente ao botão presente em pulsos do Solitaire.

Relatos contemporâneos

A maioria das descrições contemporâneas do Dodo são encontrados em logs e revistas das embarcações holandesa Companhia das ?ndias Orientais que entraram na Maurícia do navio quando a Holandês Império governou a ilha. Esses registros foram usados como guias para viagens futuras. Poucos relatos contemporâneos são confiáveis, como muitos parecem basear-se em contas anteriores, e nenhum deles foi escrito por cientistas.

Um dos relatos mais antigos, a partir de 1598 o diário de van Warwijck, descreve a ave assim:

Pintura de uma cabeça Dodo do peito e se
Pintura de uma cabeça Dodo por Cornelis Saftleven de 1638, a última versão inicial

Papagaios azuis são muito numerosos lá, bem como outras aves; entre os quais um tipo, conspícuo para o seu tamanho, maior do que os nossos cisnes, com enormes cabeças apenas metade coberto com pele como se vestido com um capuz. Estas aves não possuem asas, no lugar do que 3 ou 4 penas enegrecidas sobressair. A cauda consiste em algumas penas encurvado moles, que são de cor cinza. Estes que costumávamos chamar de 'Walghvogel', pela razão de que o mais longo e mais freqüentemente eles foram preparados, a comer menos macio e mais insípida eles se tornaram. Não obstante a sua barriga e peito eram de um sabor agradável e facilmente mastigado.

Uma das descrições mais detalhadas é por Sir Thomas Herbert numa relação de Alguns yeares travaille em Afrique e da Grande ?sia a partir de 1634:

Primeiro aqui apenas e em Dygarrois [Rodrigues, provavelmente referindo-se ao Solitaire] é gerado o Dodo, que por forma e raridade pode antagonizar o Phoenix of Arabia: seu corpo é redondo e gordura, poucos pesam menos de £ 50. Ele tem a fama mais para admirar do que para alimentos, stomackes greasie pode seeke atrás deles, mas para o delicado eles são ofensivos e de nenhum alimento. Seus dardos visage diante melancolia, como sensata de injurie da natureza em que quadro tão grande de um corpo para ser guiado com asas complementall, tão pequenos e impotentes, que apenas servem para provar seu pássaro. O halfe de sua cabeça é aparente nu couered com uma multa Vaile, a conta é torto para baixo, no meio é o trinado [narina], a partir do qual parte para o fim tis uma luz verde, misturados com tintura amarelo pálido; seus olhos são pequenos e como a Diamonds, redondo e Rowling; suas penas roupas felpudas, seus comboios três pequenas plumas, curtas e inproportionable, suas pernas adequando seu corpo, sua pounces Sharpe, seu apetite forte e ganancioso. Pedras e ferro são digeridos, o que permitirá uma melhor descrição ser concebida em sua representação.

Representações contemporâneas

Várias páginas de uma revista contendo esboços de Dodos vivos e mortos
Compilação dos esboços Gelderland de 1601 de ao vivo e morto recentemente Dodos

Alguns vinte ilustrações do Dodo do século 17 são conhecidos que poderiam ter sido baseado em qualquer espécimes vivos ou recheadas. Todas as representações pós-1638 parece ser baseada em imagens anteriores, em torno dos relatórios em tempo citam Dodos tornou-se mais raras. As diferenças nas representações levou os autores, tais como Anthonie Cornelis Oudemans e Masauji Hachisuka a especular sobre dimorfismo sexual, traços ontogênicas, variação sazonal, e até mesmo a existência de espécies diferentes, mas essas teorias não são aceitos hoje. Porque detalhes como marcações do bico, a forma de as penas da cauda, e coloração pode variar de conta para conta, é impossível determinar a morfologia exata desses recursos, se eles sinalizam idade ou sexo, ou se eles ainda refletem a realidade. Especialista Dodo Julian Hume argumentou que as narinas do dodo vivo teria sido fendas, como pode ser visto na Gelderlândia, Cornelis Saftleven, Crocker Art Gallery, e Imagens Ustad Mansur. De acordo com esta afirmação, as narinas abertas, muitas vezes visto em pinturas indicam que espécimes de taxidermia foram utilizados como modelos.

O diário de viagem do navio holandês Gelderland (1601-1603), redescoberto na década de 1860, contém os esboços conhecidos apenas de vida ou espécimes mortos recentemente desenhados em Maurício. Eles têm sido atribuídas ao artista profissional Joris Joostensz Laerle, que também chamou a outras aves maurícias agora extintas, e uma segunda artista, menos refinado. Para além destes desenhos, não se sabe quantos dos outros ilustrações foram tiradas da vida ou de espécimes empalhados, afetando a sua fiabilidade.

Pintura de um Dodo, com um papagaio vermelho no seu lado esquerdo, e uma azul em seu direito
O famoso Edwards 'Dodo, pintado por Roelant Savery em 1626

A imagem tradicional do Dodo é de um pássaro muito gordo e desajeitado, mas esta visão pode ser exagerada. A opinião geral dos cientistas hoje é que muitas representações europeias velhos foram baseados em aves em cativeiro superalimentados ou espécimes empalhados cruamente. Pintor holandês Roelant Savery foi o ilustrador mais prolíficos e influentes do Dodo, que fizeram pelo menos dez representações, muitas vezes mostrando-lo nos cantos inferiores. A famosa pintura de seu a partir de 1626, agora chamado Edwards 'Dodo como foi uma vez possuído por George Edwards, desde então se tornou a imagem padrão de um Dodo. Ele ocupa o Museu Britânico. A imagem mostra uma ave particularmente gordura e é a fonte de muitas outras ilustrações Dodo.

Um índio Pintura Mughal redescoberto em St. Petersburg na década de 1950 mostra um Dodo, juntamente com os pássaros indígenas. Ela retrata um pássaro marrom mais magro, e seu descobridor A. Iwanow e Dodo especialista Julian Hume considerá-la como uma das representações mais precisas do Dodo vivo; os pássaros ao redor são claramente identificáveis e representado com coloração adequada. Acredita-se ser do século 17 e tem sido atribuída ao artista Ustad Mansur. O pássaro retratado provavelmente viveu no zoológico de Imperador Mughal Jahangir, localizado em Surat, onde viajante Inglês Peter Mundy também afirmou ter visto Dodos.

Comportamento e ecologia

Pintura de um Dodo que preening suas pé
Pássaro preening em uma pintura Roelant Savery desde 1626

Pouco se sabe sobre o comportamento do Dodo, como a maioria das descrições contemporâneas são muito breve. Estudos da cantilever força de seus ossos da perna indicam que ela pode correr muito rápido. Como era de voar e terrestre e não havia mamíferos predadores ou outros tipos de inimigo natural em Mauritius, provavelmente aninhada no chão. A conta de François Cauche de 1651 é a única descrição do ovo e da ligue para:

Tenho visto em Maurício aves maiores do que um cisne, sem penas no corpo, que é coberto com um baixo preto; a popa é redonda, o garupa adornado com penas enroladas como muitos em número como o pássaro está a anos de idade. No lugar de asas têm penas como estes últimos, preto e curvas, sem teias. Eles não têm línguas, o bico é grande, curvando-se um pouco para baixo; suas pernas são longas, escamoso, com apenas três dedos em cada pé. Tem um grito como um ganso , e não é de forma tão saboroso para comer como o Flamingos e patos de que temos falado pouco. Eles só colocam um ovo que é branco, do tamanho de um rolo halfpenny, ao lado do que eles colocam uma pedra branca do tamanho de um ovo de galinha. Eles colocada na grama que eles coletam, e fazem seus ninhos nas florestas; se uma mata o jovem, uma pedra cinzenta encontra-se na moela. Chamamos-lhes Oiseaux de Nazaret. A gordura é excelente para dar facilidade para os músculos e nervos.

A conta de Cauche é problemática, uma vez que também menciona que o pássaro que ele estava descrevendo tinha três dedos do pé e sem língua, ao contrário Dodos. Isto levou alguns a acreditar que Cauche estava descrevendo uma nova espécie de Dodo ("Nazarenus Didus"). A descrição foi provavelmente misturada com a de um casuar , e os escritos de Cauche ter outras inconsistências. A menção de um "jovem avestruz" levado a bordo de um navio em 1617 é a única outra referência a um eventual Dodo juvenil.

Velho mapa mostrando uma baía da Ilha Maurícia, com um D indicando onde foram encontrados Dodos
1601 mapa de uma baía na ilha Maurícia; o pequeno D sobre as marcas lado direito, onde foram encontrados Dodos

Por causa da embraiagem única de ovo e o grande tamanho da ave, foi proposto que o dodo era K-seleccionada, o que significa que ela produziu um baixo número de prole altricial, o que exigiu cuidados dos pais até que eles amadureceram. Algumas evidências, incluindo o grande tamanho eo fato de que as aves tropicais e frugívoros têm taxas de crescimento mais lento, indica que o pássaro pode ter tido um período de desenvolvimento prolongado.

O habitat preferido do Dodo é desconhecida, mas as descrições antigas sugerem que habitavam as florestas nas zonas costeiras mais secas do sul e oeste Maurícia. Esta opinião é corroborada pelo fato de que o Mare aux Songes pântano, onde a maioria dos restos Dodo foram encontrados, é perto do mar no sudeste da ilha Maurícia. Tal distribuição limitada em toda a ilha poderia muito bem ter contribuído para a sua extinção. Um mapa de 1601 da revista Gelderland mostra uma pequena ilha ao largo da costa da ilha Maurícia, onde Dodos foram capturados. Julian Hume sugeriu esta ilha estava em Tamarin Bay, na costa oeste da ilha Maurícia. Subfóssil ossos também foram encontrados dentro de cavernas nas terras altas, indicando que uma vez ocorreu em montanhas. Trabalho no pântano Mare aux Songes mostrou que seu habitat foi dominado por tambalacoque e Pandanus árvores e palmeiras endêmicas.

Muitas espécies endêmicas de Maurício tornou-se extinto após a chegada dos seres humanos, de modo a ecossistema da ilha é muito danificado e difícil de reconstruir. Antes da chegada dos humanos, Maurício foi inteiramente coberta de florestas, mas muito pouco resta-los hoje, por causa de desmatamento. O endêmica sobrevivendo fauna ainda está seriamente ameaçada. O Dodo viveu ao lado de outras aves maurícias recentemente extintos, como o flightless Red Rail, a Largo-faturado Papagaio, Papagaio do cinza do Thirioux, o Mauritius Azul Pombo, o Mauritius Coruja, o Mascarene galeirão, o Maurício Shelduck, o Maurício Duck, ea Mauritius Night Heron. Répteis extintos maurícias incluir o Maurício tartaruga gigante lastreados em Saddle, o Abobadado Mauritius tartaruga gigante, a Maurício gigante Skink, eo Round Island buraqueira Boa. O Pequeno maurício Flying Fox eo caracol Tropidophora carinata viveu na ilha Maurícia e ilha da Reunião, mas desapareceu de ambas as ilhas. Algumas plantas, como o Casearia tinifolia eo Palma Orchid, também se tornaram extintas.

Dieta

Esboço de três Dodos, dois no primeiro plano, uma na distância
Esboço Savery de três Dodos de c. 1626, Crocker Art Gallery

Um documento de 1631 holandês, redescoberto em 1887, mas agora perdeu, é a única conta da dieta do Dodo e também menciona que ele usou seu bico para a defesa:

Esses prefeitos são soberbo e orgulhoso. Indicaram-se a nós com rostos duros e severos, e bocas escancaradas. Jaunty e audacioso da marcha, eles dificilmente mover um pé diante de nós. Sua arma de guerra era a sua boca, com os quais poderia morder ferozmente; sua alimentação era fruto; eles não foram bem franjadas mas abundantemente cobertos de gordura. Muitos deles foram trazidos a bordo para o deleite de todos nós.

Além de frutos caídos, o Dodo provavelmente subsistiu com nozes, sementes, bulbos e raízes. Anthonie Oudemans sugeriu que, como Maurício marcou estações seca e chuvosa, o Dodo provavelmente engordados se de frutos maduros no final da estação chuvosa para sobreviver a estação seca, quando o alimento era escasso; relatos contemporâneos descrevem o apetite "ganancioso" da ave. França Staub sugeriu que eles principalmente alimentados com palma frutas, e ele tentou correlacionar o ciclo de gordura do Dodo com o regime de frutificação das palmas das mãos. Também tem sido sugerido que o Dodo pode ter comido caranguejos e crustáceos, como seus parentes os pombos coroados. Seus hábitos alimentares deve ter sido versátil, uma vez que os espécimes em cativeiro foram provavelmente dado uma grande variedade de comida nas longas viagens marítimas.

Desenho de um Dodo ao lado de uma grande pedra moela
Dodô e sua pedra moela por Carolius Clusius de 1605, copiado de uma ilustração na revista da van Neck

Várias fontes contemporâneas afirmam que o Dodo usado pedras de moela para ajudar a digestão. O escritor Inglês Sir Hamon L'Estrange testemunhou um pássaro vivo em Londres e descreveu-o como segue:

Sobre 1638, enquanto eu caminhava ruas de Londres, eu vi a imagem de um estranho Fowle olhando pendurado para fora em cima de uma veste e myselfe com um ou dois mais na companhia entrou para vê-lo. Ele foi mantido em uma câmara, e foi um grande Fowle um pouco maiores do que o maior pau Turquia, e assim pernas e patas, mas mais robusta e mais espessas e de forma mais ereta, coloridos antes como o peito de um jovem Fesan galo, e na traseira de um dunn ou dearc cor. O goleiro do time chamou-lhe um Dodo, e no ende de um chymney na câmara estava uma Heape de grandes pedras seixo, da qual hee deu muitos em nossa visão, alguns tão grande como noz-moscada, e o guarda-redes nos disse que ela come-los (conduzindo a digestão), e embora eu não lembro o quão longe o guarda-redes foi aí questionada, mas estou confiante de que depois ela lançá-los todos novamente.

Pombos não se sabe como o jovem foram alimentados, mas relacionados fornecem leite colheita. Representações contemporâneas mostram uma grande safra, o que provavelmente foi usada para adicionar espaço para armazenamento de alimentos e para a produção de leite das culturas. Tem sido sugerido que o tamanho máximo atingido pelo Dodo e o solitário foi limitado pela quantidade de leite que poderia produzir culturas para a sua nova durante o crescimento inicial.

Sementes de uma árvore Dodo em um vidro MONTRE
Sementes Tambalacoque na exposição Dodo em ' Naturalis '

Em 1973, o tambalacoque, também conhecida como a "árvore Dodo", foi pensado para estar morrendo para fora em Mauritus, para o qual é endêmica. Havia, supostamente, apenas 13 espécimes restantes, todos estimadas em cerca de 300 anos de idade. Stanley Temple hipótese de que dependia o Dodo para sua propagação, e que suas sementes germinam iria somente depois que passa através do trato digestivo da ave. Ele alegou que o tambalacoque era agora quase coextinct por causa do desaparecimento do Dodo. Templo esquecido relatórios de 1940 que constatou que as sementes germinadas tambalacoque, embora muito raramente, sem ser abrasão durante a digestão. Outros contestaram sua hipótese e sugeriu que a queda da árvore foi exagerada, ou sementes também foram distribuídos por outros animais extintos, como Cylindraspis tartarugas , morcegos frugívoros ou o papagaio Largo-faturado. De acordo com Wendy Strahm e Anthony Cheke, dois especialistas na ecologia da Ilhas Mascarenhas, a árvore, apesar de raros, germinou desde o desaparecimento do Dodo e números de várias centenas, e não 13, como reivindicado por Temple, portanto, desacreditar a visão de Temple quanto à Dodo e única relação a sobrevivência da árvore.

Também tem sido sugerido que o Largo-faturado Papagaio pode ter dependia Dodos e Cylindraspis tartarugas para comer frutos de palmeiras e excretar as suas sementes, que se tornou o alimento para os papagaios. Araras Anodorhynchus dependia agora extinta Sul americana megafauna da mesma forma, mas agora dependem de gado domesticado para este serviço.

Relacionamento com os seres humanos

Gravura que mostra marinheiros holandeses que trabalham em Mauritius, bem como vários animais locais, incluindo um Dodo
1601 gravura mostrando atividades holandesas na costa da ilha Maurícia e, (2), à esquerda, a primeira descrição publicada de um Dodo

Maurícia tinha sido anteriormente visitado por árabes navios nos Idade Média e navios portugueses entre 1507 e 1513, mas foi resolvido por nenhum dos dois. Não há registros de Dodos por estes são conhecidos, embora o nome Português para Maurício, "Cerne (cisne) Island", pode ter sido uma referência para Dodos. O Império holandês adquiriu Maurícias em 1598, renomeá-lo depois Maurício de Nassau, e foi usado para o abastecimento de navios comerciais do Dutch East India Company, doravante. As primeiras descrições conhecidas do Dodo foram fornecidos por viajantes holandeses durante a Segunda Expedição Holandês para a Indonésia, liderada por almirante Jacob van Neck em 1598. Eles aparecem em relatórios publicados em 1601, que também contêm a primeira ilustração publicada do pássaro. Desde os primeiros marinheiros para visitar Maurício tinha estado no mar por um longo tempo, seu interesse por estas aves de grande porte foi principalmente culinário. O jornal 1602 por Willem Van West-Zanen do navio Bruin-Vis menciona que 24-25 Dodos foram caçados para o alimento, que eram tão grandes que dois dificilmente poderia ser consumido na hora das refeições, os seus restos sendo preservado por salga. Uma ilustração feita para a versão publicada 1648 desta revista, que mostra a morte de Dodos, um dugong, e, possivelmente, papagaio do cinza de um Thirioux, legenda era com um poema holandês, aqui na tradução de Hugh Strickland:

Gravura mostrando cenas de animais de abate holandeses em Maurícias, incluindo Dodos
1648 gravura que mostra a morte de Dodos (centro-esquerda, retratada como pinguim-like) e outros animais extintos a partir de Maurícias

Para alimentar os marinheiros caçar a carne de ave emplumada,
Eles bater as palmas, e dodos redondas-rumped eles destroem,
A vida do papagaio poupam que ele pode espiar e uivo,
E, assim, os seus companheiros à prisão chamariz.

Alguns primeiros viajantes encontrado Dodo carne desagradável, e preferiu comer papagaios e pombos, outros descreveu como difícil, mas bom. Alguns caçado Dodos apenas para suas moelas, já que esta foi considerada a parte mais deliciosa do pássaro. Dodos eram fáceis de pegar, mas caçadores tinha que ter cuidado para não ser mordido por seus bicos poderosos.

A aparência do Dodo eo Red Rail levou Peter Mundy para especular, 230 anos antes deCharles Darwin'steoria da evolução:

Desses dois tipos de folga afforementionede aves, para oughtt wee yett sabe, não para qualquer abelha Encontrado fora deste Iland, que lyeth aboutt 100 léguas de St. Lawrence. A questão pode abelha demaunded como devem abelha aqui e não elcewhere, beeing soe Farer de outros terrenos e pode Nem voar ou swymme; Mistura para onde por fora kindes produtoras straunge e formes monstruoso, ou a Natureza do Clima, ayer ea terra em alltring os Primeiros formas em longo tyme, ou como.

Dodos transportados no estrangeiro

Painting of a slender, brownish Dodo
Pintura de um espécime na coleção do imperador Rodolfo II em Praga, porJacob Hoefnagel

O Dodo foi considerada interessante o suficiente para que espécimes vivos foram enviados para a Europa eo Oriente. O número de Dodos transportados que atingiram seus destinos vivo é incerto, e não se sabe como eles se relacionam com representações contemporâneas e os poucos não-fósseis em museus europeus. A descrição de Hamon L'Estrange de um Dodo que ele viu em Londres em 1638, é a única conta que menciona especificamente um espécime vivo na Europa. Em 1626 Adriaen van de Venne desenhou um Dodo que ele alegou ter visto em Amsterdã, mas ele não mencionou se ele estava vivo, e sua representação é uma reminiscência de Savery de Edwards 'Dodo . Dois espécimes vivos foram vistos por Peter Mundy em Surat, Índia, entre 1628 e 1634, um dos quais pode ter sido o indivíduo pintado por Ustad Mansur em torno de 1625. Um Dodo foi enviada tanto quanto Nagasaki, Japão, em 1647, mas é desconhecido se ele chegou. Em 1628, Emmanuel Altham visitou Maurício e enviou uma carta ao seu irmão na Inglaterra:

Drawing of an obese Dodo, with van de Venne's signature below
1626 descrição de um Dodo de Adriaen van de Venne

Direito wo e lovinge irmão,

Fomos ordenados por dissestes Councell para ir para uma ilha chamada Maurício, que encontra-se em 20d. . de latt sul, onde chegamos ye 28 de maio; esta ilha tem muitos goates, porcos e cowes sobre ela, e Fowles muito estranhas, chamado por vós portingalls Dodo, que para a raridade do mesmo, a não ser como no mundo, passais mas aqui, eu te enviei um por Mr. Perce , que chegou com o navio William neste ye 10th ilha de junho.

[Na margem da carta] do Sr. Perce você deve receber uma Jarr de gengibre para a minha irmã, algumas beades para meus primos suas filhas, e um pássaro chamado de Dodo, se vivo.

Se o Dodo sobreviveu a viagem é desconhecida, e que a carta foi destruído por um incêndio no século 19. A imagem mais antiga conhecida de um espécime Dodo na Europa é de uma ca. 1610 coleção de pinturas que descrevem animais no zoológico real de imperador Rodolfo II em Praga. Esta coleção inclui pinturas de outros animais maurícias bem, incluindo um trilho vermelho. O Dodo, que pode ser um juvenil, parece ter sido secos ou embalsamado, e provavelmente viveu no jardim zoológico do imperador por um tempo junto com os outros animais. Inteiros de pelúcia que Dodos estavam presentes na Europa indica que eles tinham sido trazidos vivos e morreu ali; é improvável que taxidermistas estavam a bordo dos navios que visitam, e os espíritos ainda não foram usadas para preservar espécimes biológicos. A maioria dos tropicais espécimes foram preservados como cabeças secas e pés. Com base em uma combinação de relatos contemporâneos, pinturas e espécimes, Julian Hume tem inferir que pelo menos onze transportados Dodos atingiram seus destinos vivo.

Extinção

Forest filled with animals, including a dark Dodo in the lower right
De SaveryThe Paradisedesde 1626 com um Dodo, no canto inferior direito

Como muitos animais que evoluíram de forma isolada a partir de predadores significativos, o Dodô estava totalmente sem medo dos seres humanos. Este destemor e sua incapacidade de voar feita a presa fácil Dodo para os marinheiros. Embora alguns relatos dispersos descrever assassinatos em massa de Dodos para provisões de bordo, investigações arqueológicas encontraram poucas evidências de predação humana. Ossos de pelo menos dois Dodos foram encontrados em cavernas em Baie du Cap que abrigavam escravos fugitivos e condenados no século 17 e não teria sido facilmente acessível para Dodos por causa do alto, terreno quebrado. A população humana em Mauritius (uma área de 1,860 km 2 ou 720 sq mi) nunca excedeu 50 pessoas no século 17, mas eles introduziram outros animais, incluindo cães, porcos, gatos, ratos e macacos comedores de caranguejo, que saquearam ninhos Dodo e competiu para os recursos alimentares limitados. Ao mesmo tempo, os seres humanos destruído floresta do Dodo habitat. O impacto destes animais introduzidos, em especial os porcos e macacos, na população Dodo é actualmente considerado como mais grave do que o da caça. Os ratos não foram, talvez, uma grande ameaça aos ninhos, desde Dodos teria sido usado para lidar com locais caranguejos.

Tem sido sugerido que o Dodo pode já ter sido rara ou localizada antes da chegada dos seres humanos em Maurícia, uma vez que teria sido pouco provável que se extinguiram-se tão rapidamente que se tinha ocupado todas as áreas remotas da ilha. A 2005 expedição subfóssil encontrados restos de Dodos e outros animais mortos por inundações flash. Tais mortes em massa teria comprometido mais uma espécie já em perigo de extinção.

Alguma controvérsia envolve a data da sua extinção. O último registro amplamente aceita de um avistamento Dodo é o relatório de 1662 pelo marinheiro náufrago Volkert Evertsz do navio holandês Arnhem , que descreveu aves capturadas em uma pequena ilhota fora Mauritius, agora sugerido para ser Âmbar Island:

Estes animais na nossa vinda até eles olharam para nós e permaneceu quieto onde estão, sem saber se eles tinham asas para voar para longe ou pernas para fugir, e sofrendo nos abordá-los tão perto como nós ficarão satisfeitos. Entre essas aves eram aqueles que na Índia eles chamam Dod-aersen (sendo uma espécie de grande ganso); estas aves são incapazes de voar, e em vez de asas, eles têm apenas alguns pequenos pinos, mas eles podem funcionar muito rapidamente. Dirigimos-los juntos em um só lugar, de tal maneira que pudéssemos pegá-los com as mãos, e quando realizamos um deles por sua perna, e que após isso, ele fez um grande barulho, os outros todos de repente veio correndo como mais rápido que podia para sua assistência, e por que eles foram capturados e feitos prisioneiros também.

Drawing of a Dodo, a one horned sheep and a Red Rail
1617 desenho de um Dodo, uma ovelha de um chifre, e um trilho vermelho da Pieter van den Broecke

A última aparição de um alegado Dodo foi relatado nos registros de caça de Isaac Johannes Lamotius em 1688. A análise estatística desses registros por Roberts e Solow dá uma nova data de extinção estimado de 1693, com um 95% de intervalo de confiança de 1688-1715. Os autores também apontou que, porque a última observação antes de 1662 era em 1638, o Dodô foi, provavelmente, já bastante rara por década de 1660, e, portanto, um relatório disputada a partir de 1674 por um escravo fugido não pode ser descartada.

Anthony Cheke apontou que algumas descrições depois de 1662 usam os nomes "Dodo" e "Dodaers" quando se refere ao trilho vermelho, indicando que haviam sido transferidas para si após o desaparecimento da própria Dodo. Portanto Cheke aponta para a descrição 1662 como a última observação credível. Até esta explicação foi proposta, uma descrição do "Dodos" de 1681 foi pensado para ser a última conta. Um 1668 por conta de viajante Inglês John Marshall, que usou os nomes de "Dodo" e "Red Hen" alternadamente para a Rail Vermelho, mencionou que a carne era "duro", que ecoa a descrição da carne na conta 1681. Mesmo a conta de 1662 tem sido questionada por Errol Fuller, como a reação à angústia chora coincide com o que foi descrito pela Rail Vermelho. É improvável que o problema nunca vai ser resolvido, a menos que os relatórios atrasados ​​que citam o nome ao lado de uma descrição física são redescobertos. O Lista Vermelha da IUCN aceita lógica de Cheke para escolher a data de 1662, tendo todos os relatórios subseqüentes para se referir a Rails vermelhos. Em qualquer caso, o Dodô foi provavelmente extinto em 1700, cerca de um século após sua descoberta em 1598. Os holandeses deixaram Maurícias em 1710, mas até então o Dodo ea maioria dos grandes vertebrados terrestres não havia se tornado extinto.

Mesmo que a raridade do Dodo foi já relatado no século 17, sua extinção não foi reconhecido até o século 19. Isto foi em parte porque, por motivos religiosos, a extinção não se acreditava possível até mais tarde provou-lo por Georges Cuvier, e em parte porque muitos cientistas duvidavam de que o Dodo nunca tivesse existido. Parecia por demais estranho uma criatura, e muitos acreditavam que um mito. O pássaro foi usado pela primeira vez como um exemplo de extinção induzida pelo homem, em Penny Revista em 1833.

Restos físicos

Espécimes do século 17

Fragmentary leg and skull bones of a Dodo
Fragmentos de perna e crânio no Museu Nacional de Praga

Os únicos vestígios existentes de Dodos tomadas para a Europa no século 17 são uma cabeça e pés secos na Oxford University Museum of Natural History, um pé, uma vez alojados no Museu Britânico, mas agora perdido, um crânio na Universidade do Museu Zoológico de Copenhague, e um maxilar superior e ossos das pernas no Museu Nacional de Praga. Os dois últimos foram redescobertos e identificado como Dodo permanece em meados do século 19. Outros Dodos empalhados foram mencionados nos estoques museu, mas nenhum são conhecidos por ter sobrevivido.

Plaster casts of the dried Oxford head and a dried foot
Moldes de gesso da cabeça aos pés e Oxford Londres feita quando eles ainda estavam intactos,Booth Museu de História Natural

O tecido mole conhecida apenas permanece, o chefe Oxford (espécime OUM 11605) e do pé, pertencia ao último conhecido Dodo recheado, que foi mencionado pela primeira vez como parte da coleção Tradescant em 1656 e foi transferido para o Museu Ashmolean em 1659. Tem foi sugerido que isso pode ser os restos da ave que Hamon L'Estrange viu em Londres. Muitas fontes afirmam que o museu queimou o Dodo enchido por volta de 1755 por causa de deterioração grave e salvar apenas a cabeça e perna. Estatuto 8 dos estados museu "Que, como qualquer particular, envelhece e perecendo o guarda-redes pode removê-lo em um dos armários ou outro repositório;. E alguns outros para ser substituído" A destruição deliberada do espécime é acreditado agora para ser um mito. Ele foi retirado da exposição para preservar o que restou dela. Este tecido mole permanecendo desde então tem degradado ainda mais; a cabeça foi dissecada por Strickland e Melville, separando a pele do crânio em duas metades. O pé está num estado esquelético, com apenas pedaços de pele e tendões. Muito poucas penas permanecer na cabeça. É provavelmente uma fêmea, como o pé é 11% menor e mais do que isso gracile do espécime Londres, mas parece ser totalmente crescida.

O pé Londres seca, mencionado pela primeira vez em 1665, foi durante muito tempo exibido no British Museum ao lado de Savery Dodo Edwards ' pintura, e também foi dissecada por Strickland e Melville. Em 1896 foi mencionado como sendo sem seus tegumentos, e só os ossos são acreditados para permanecer hoje. Seus atual paradeiro é desconhecido.

Skull and lower jaw of a Dodo in a box
Crânio no Museu Zoológico de Copenhague

O crânio Copenhaga (espécime ZMUC 90-806) é conhecido por ter sido parte da coleção de Bernardus Paludanus em Enkhuizen até 1651, quando foi transferido para o museu em Gottorf Castle, Schleswig. Depois que o castelo foi ocupado por forças dinamarquesas em 1702, o acervo do museu foi assimilado na coleção real dinamarquesa. O crânio foi redescoberto por JT Reinhardt em 1840. Ele é de 13 mm mais curto do que o crânio Oxford, e pode ter pertencido a uma mulher. Ele foi mumificado , mas a pele tenha perecido. Sua anel esclerosada é preservada.

A parte frontal de um crânio (espécime NMP P6V-004.389) e alguns ossos do pé do Museu Nacional de Praga foram encontrados em 1850 entre os restos do Museu Böhmisches. Pode ser o que resta de um dos Dodos recheado conhecido por ter sido no zoológico de imperador Rodolfo II, possivelmente, o espécime pintado por Hoefnagel ou Savery lá.

Para além destes restos, um pé seco foi mencionado por Carolus Clusius em 1605, mas agora está perdido. Ele pertencia ao professor holandês Pieter Paul, e sua proveniência é desconhecida. Ele pode ter sido recolhidos durante a viagem Van Neck.

Espécimes subfóssil

Até 1860, os restos Dodo conhecidos apenas foram os quatro espécimes incompletos do século 17. Philip Burnard Ayres encontrados os primeiros ossos subfóssil, que foram enviados para Richard Owen no Museu Britânico, que não publicar os resultados. Em 1863, Owen pediu o mauriciano Bispo Vincent Ryan para espalhar a palavra que ele deve ser informado se todos os ossos foram encontrados Dodo. Em 1865, George Clark, o governo professor em Mahébourg, finalmente encontrou uma abundância de ossos Dodo subfóssil no pântano de Mare aux Songes no sul da ilha Maurícia, depois de uma pesquisa de 30 anos inspirado pelo de Strickland e Melville monografia. Em 1866, Clark explicou o seu procedimento para os Ibis , um jornal ornitologia: ele havia enviado seus cules de percorrer o centro do pântano, sentindo-se para os ossos com os pés. No início, eles encontraram alguns ossos, até que cortar erva que cobria a parte mais profunda do pântano, onde encontraram muitos fósseis. O pântano rendeu os restos de mais de 300 Dodos, mas muito poucos crânio e ossos da asa, possivelmente porque os corpos superiores foram lavados ou limparam enquanto a parte inferior do corpo estava preso. A situação é semelhante a muitos achados de Moa permanece na Nova Zelândia pântanos.

Brown, mounted Dodo skeleton
O esqueleto Richard Owen montado a partir de ossos encontrados nas Mare aux Songes

Relatórios de Clark sobre os achados reacendeu o interesse na ave. Sir Richard Owen e Alfred Newton tanto queria ser o primeiro a descrever a anatomia pós-craniana do Dodo, e Owen comprou um carregamento de ossos Dodo originalmente destinados para Newton, o que levou à rivalidade entre os dois. Owen descreveu os ossos em Memória sobre o Dodo , em outubro de 1866, mas erroneamente baseado a sua reconstrução no Dodo Edwards ' pintura por Savery, tornando-se muito agachamento e obesos. Em 1869, ele recebeu mais ossos e corrigido a sua posição, tornando-se mais ereta. Newton mudou seu foco para a ilha da Reunião Solitaire vez. Os restantes ossos não vendidos para Owen ou Newton foram leiloados ou doados a museus.

Em 1889, Théodour Sauzier foi encomendado para explorar as "lembranças históricas" das Ilhas Maurícias e encontrar mais Dodo permanece no Mare aux Songes. Ele foi bem sucedido, e também encontrou restos de outras espécies extintas. Um barbeiro chamado Louis Etienne Thirioux também encontrou muitos Dodo permanece em torno de 1900, que agora estão perdidos. Eles incluíram os primeiros restos de um juvenil e o espécime primeira articulados. Não se sabe exatamente onde ele fez suas descobertas, exceto que alguns foram encontrados em uma caverna, que pode ter sido localizado nas encostas de Le Pouce montanha.

Replica Dodo egg and nest
Réplica de um alegado ovo Dodo em um ninho reconstruído, East London Museum

No mundo todo, 26 museus têm participações significativas de material Dodo, quase todos encontrados no Mare aux Songes. O Museu de História Natural, Museu Americano de História Natural, da Universidade de Cambridge Museu de Zoologia, o Museu Senckenberg, e outros espécimes quase completos montados a partir destes dissociada subfóssil permanece. Um ovo alegou ser a de um Dodo é armazenado no museu de East London, África do Sul. Foi doado por Marjorie Courtenay-Latimer, cuja tia grande tinham recebido a partir de um capitão que alegou tê-lo encontrado em um pântano na ilha Maurícia. Em 2010, o curador do museu proposto por meio de estudos genéticos para determinar a sua autenticidade. Ela pode, em alternativa ser um ovo de avestruz aberrante.

Em outubro de 2005, depois de cem anos de negligência, uma parte do pântano Mare aux Songes foi escavada por uma equipe internacional de pesquisadores. Para prevenir a malária , os britânicos haviam coberto o pântano com núcleo duro durante o seu domínio sobre Maurício, que teve de ser removida. Muitos restos mortais foram encontrados, incluindo os ossos de pelo menos 17 Dodos em vários estágios de maturidade (embora não juvenis), e vários ossos, obviamente, a partir do esqueleto de uma ave individual, que foram preservados na sua posição natural. Estes resultados foram divulgados em dezembro de 2005 no museu Naturalis em Leiden. 63% dos fósseis encontrados no pântano pertencia a tartarugas do extinto cylindraspis gênero, e 7,1% pertenciam a Dodos, que haviam sido depositadas dentro de vários séculos, há 4.000 anos. Escavações posteriores sugeriram que Dodos e outros animais ficaram atolados nas Mare aux Songes ao tentar chegar água durante um longo período de seca severa cerca de 4.200 anos atrás.

Em junho de 2007, os aventureiros que exploram uma caverna na ilha Maurícia descobriram o esqueleto Dodo mais completo e mais bem preservado já encontrado. O espécime foi apelidado de "Fred", após o finder. Em 2011, uma caixa de madeira contendo ossos Dodo da era eduardiana foi redescoberto no Museu Grant no University College de Londres durante os preparativos para uma jogada.

The White Dodo

Painting of various animals and people in a forest, including a whitish Dodo
Pintura Savery Roelant com uma Dodo esbranquiçada no canto inferior direito, 1611

A suposta "White Dodo" (ou "Solitaire") da Reunião é hoje considerada uma conjectura errada com base em relatórios contemporâneos da Réunion Ibis e pinturas de branco, pássaros Dodo-como do século 17 por Pieter Withoos e Pieter Holsteyn que vieram à tona no século 19. A confusão começou quando Willem Ysbrandtszoon Bontekoe, que visitou a ilha da Reunião volta de 1619, mencionado gordura pássaros, flightless que ele se referiu como "Dod-eersen" em seu diário, embora sem mencionar a sua coloração. Quando a revista foi publicada em 1646, foi acompanhada de uma cópia de "Crocker Art Gallery sketch" de Savery. Um pássaro branco, encorpado, e flightless foi mencionado pela primeira vez como parte da fauna Réunion por Diretor J. Tatton em 1625. esporádica menciona, foram posteriormente apresentados por Sieur Dubois e outros escritores contemporâneos.

Barão Edmund de Selys-Longchamps cunhou o nome Raphus solitarius para estas aves em 1848, como ele acreditava nas contas referidas uma espécie de Dodo. Quando pinturas de Dodos branco do século 17 foram descobertos por naturalistas do século 19, foi assumido eles retratavam essas aves. Anthonie Cornelis Oudemans sugeriu que a discrepância entre as pinturas e as antigas descrições era que as pinturas mostrou fêmeas, e que a espécie era, portanto, dimorfismo sexual. Alguns autores também acreditavam que os pássaros foram descritos de uma espécie semelhante à Rodrigues Solitaire, como foi referido pelo mesmo nome, ou mesmo que havia espécies brancas de tanto Dodo e Solitaire na ilha.

Painting of a white Dodo with yellow wings
Pintura de um Dodo branco de Pieter Holsteyn

A pintura Pieter Withoos, que foi descoberto pela primeira vez, parece estar baseada em uma pintura por Pieter Holsteyn anterior, três versões do que são conhecidos por ter existido. De acordo com Hume, Cheke, e Valledor de Lozoya, parece que todas as representações de Dodos brancos foram baseados em 1.611 pintura de Roelant Savery Paisagem com Orpheus e os animais , ou em cópias do mesmo. A pintura mostra um espécime esbranquiçada e aparentemente foi baseado em uma amostra de pelúcia, em seguida, em Pragum; a walghvogel descrito como tendo um "sujo coloração off-white" foi mencionado em um inventário de espécimes na coleção Praga do Sacro Imperador Romano Rodolfo II, a quem Savery foi contratado na época (1607-1611). Várias imagens posteriores de todos os Savery mostrar aves acinzentados, possivelmente porque ele tinha até então visto outra amostra. Cheke e Hume acredita que o espécime foi pintado branco devido ao albinismo . Valledor de Lozoya tem vez sugeriu que a plumagem luz era um traço juvenil, resultado de branqueamento de espécimes de taxidermia de idade, ou simplesmente licença artística.

Em 1987, cientistas descreveram fósseis de uma espécie extinta de recentemente ibis de Réunion com um relativamente curto bico, latipes Borbonibis , antes de uma conexão com as Solitaire relatórios tinha sido feito. Cheke sugeriu a um dos autores, François Moutou, que os fósseis podem ter sido da Réunion Solitaire, e esta sugestão foi publicado em 1995. O ibis foi transferido para o gênero Threskiornis , actualmente combinada com o epíteto específico solitarius do binômio R . solitarius . Aves deste gênero também são branco e preto com bicos finos, encaixando as antigas descrições da Réunion Solitaire. Não há restos fósseis de aves Dodo-like já foram encontrados na ilha.

Significado cultural

Drawing of a little girl talking to a Dodo with a cane
1865 ilustração de John Tenniel de Alice eo Dodo

A importância do Dodo como um dos animais extintos os mais conhecidos e sua aparência singular levou à sua utilização na literatura e na cultura popular como um símbolo de um conceito ou objeto desatualizado, como na expressão " morto como um Dodo ", que tem vindo a quer dizer, sem dúvida, morto ou obsoletos. Da mesma forma, a frase " a seguir o caminho do Dodo "significa tornar-se extinto ou obsoleta, cair fora do uso ou prática comum, ou para se tornar uma coisa do passado. Em 1865, o mesmo ano em que George Clark começou a publicar relatórios sobre fósseis escavados Dodo, o pássaro recém-vindicado foi caracterizado como um personagem de Lewis Carroll Alice no País das Maravilhas . Pensa-se que ele incluiu o Dodo, porque ele identificou com ele e tinha adotado o nome como um apelido para si mesmo por causa de sua gagueira, o que o fez acidentalmente apresentar-se como "Do-do-dodgson", seu sobrenome legal. A popularidade do livro fez o Dodo um ícone bem conhecido de extinção.

Hoje, o Dodô aparece freqüentemente em obras de ficção popular e é usado como um mascote para muitos tipos de produtos, especialmente em Maurício. O Dodo aparece como um defensor no brasão de armas da ilha Maurícia. Ele também é usado como uma marca d'água em todas as notas da rupia maurícia. A Dodo sorrir é o símbolo da Brasseries de Bourbon, um fabricante de cerveja popular na ilha da Reunião, cujo emblema mostra as espécies brancas que se pensava ter vivido lá.

O Dodo é usado para promover a proteção de espécies ameaçadas de extinção por muitas organizações ambientais, como o Durrell Wildlife Conservation Trust e da Durrell Wildlife Park . Em 2011, o nephilid aranha Nephilengys dodo , que habita as mesmas madeiras como o Dodo fez uma vez, foi nomeado após o pássaro sensibilizar para a necessidade urgente de protecção da Maurícia biota. O nome Dodo também foi imortalizado por cientistas de nomeação elementos genéticos, honrando a natureza flightless do Dodo. Um gene fruitfly dentro de uma região de um cromossoma necessário para habilidade de voar foi batizada de "dodo". Além disso, um defeito de família elemento transponível de Phytophthora infestans foi nomeado "dodo", uma vez que continha mutações que eliminaram a capacidade do elemento para saltar para novos locais no cromossoma.

Painting of a grey Dodo, captioned with the word
Inéditos ilustração do século 17 de um Dodo vendido aChristie

Em 2009, uma ilustração holandesa do século 17 inéditos de um Dodo fui para a venda em Christie e era esperado para vender por R $ 6.000. Desconhece-se se a ilustração baseou-se numa amostra ou numa imagem anterior. Foi vendido por £ 44.450.

Uma suposta dodo última chamada Polly vida é um fio condutor principal no filme de animação, 2012 British-American The Pirates! Em uma aventura com os Cientistas !, baseado no Gideon Defoe The Pirates! série de livros.

O poeta Hilaire Belloc incluíram o seguinte poema sobre o Dodo em seu livro Bad da criança de Beastsde 1896:

O Dodo costumava andar,
. E tomar o sol eo ar
O sol ainda aquece sua terra natal -
O Dodo não está lá!

A voz que costumava chiar e ranger
é agora para sempre mudo -
No entanto, pode você vê seus ossos e bico
Tudo no Mu-se-um.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Dodo&oldid=546289203 "