Conteúdo verificado

Mito do dilúvio

Assuntos Relacionados: Mitos

Você sabia ...

Crianças SOS, uma instituição de caridade educação , organizou esta selecção. patrocínio SOS Criança é legal!

O dilúvio por Gustave Doré.

A história de um grande dilúvio (também conhecido como o Dilúvio), enviado por uma divindade ou divindades para destruir a civilização como um ato de retribuição divina é um tema difundido entre muitos culturais mitos . Embora seja mais conhecido nos tempos modernos no mundo ocidental através da bíblica história da Arca de Noé , que também é bem conhecido em outras versões, como histórias de Matsya no Hindu Puranas, Deucalião na mitologia grega e Utnapishtim na Epopéia de Gilgamesh .

Mitos de inundação em várias culturas

Antigo Médio Oriente


Sumeriana

O primeiro mito Flood existente é o fragmentário Sumeriana Eridu Gênesis, datável por seu roteiro para o século BC 17o.

O sumério mito conta como o deus Enki adverte Zi-ud-sura (que significa "ele viu a vida", em referência ao dom da imortalidade que lhe foi dada pelos deuses), da decisão dos deuses para destruir a humanidade em uma inundação - a passagem descrevendo por que os deuses decidiram esta está perdido. Enki instrui Ziusudra a construir um grande barco - o texto que descreve as instruções também é perdido. Depois de uma inundação de sete dias, Zi-ud-sura faz sacrifícios e prostrações apropriados para Anu (deus-céu) e Enlil (chefe dos deuses), e é dada a vida eterna em Dilmun (o Sumeriana Eden) por Anu e Enlil.

Acadiano (Atrahasis épico)

O Acadiano Atrahasis épico (escrito, o mais tardar 1700 aC, o nome Atrahasis significa "extremamente sábio"), dá superpopulação humana como a causa para o grande dilúvio. Depois de 1200 anos de fertilidade humana, o deus Enlil se sentiram perturbados em seu sono em função do barulho e Ruckus causada pela crescente população da humanidade. Ele virou-se para a ajuda à assembléia divina que, em seguida, enviou uma praga, então, uma seca, então uma fome, e depois solo salino , tudo em uma tentativa de reduzir os números da humanidade. Todos estes foram correções temporárias. 1200 anos depois de cada solução, o problema original devolvido. Quando os deuses decidido sobre uma solução final, para enviar uma inundação, o deus Enki, que tinha uma objeção moral a esta solução, divulgou o plano de Atrahasis, que, então, construiu uma embarcação de sobrevivência de acordo com divinamente dadas as medições.

Para evitar que os outros deuses de trazer tal outra calamidade dura, Enki criou novas soluções na forma de fenômenos sociais, como as mulheres não se casar, esterilidade, abortos e de mortalidade infantil, para ajudar a manter a população de crescer fora de controle.

Babilônico (Epopéia de Gilgamesh)

O "tablet Dilúvio" (tablet 11) da Epopéia de Gilgamesh em Acadiano.

Na Babilónia épico de Gilgamesh , em direção ao final do Aquele que viu a versão de profundidade por -Sin-liqe unninni, há referências ao grande dilúvio (tablet 11). Esta foi uma adição tardia para o ciclo de Gilgamesh, em grande parte, parafraseou ou copiados textualmente da Epopéia de Atrahasis (veja acima).

O herói Gilgamesh, buscando imortalidade, procura fora Utnapishtim (cujo nome é uma tradução direta para o acadiano da sumeriana Zi-ud-sura) em Dilmun, uma espécie de paraíso na terra. Utnapishtim conta como Ea (equivalente ao sumeriana Enki) o avisou do plano dos deuses para destruir toda a vida através de uma grande inundação e instruiu-o a construir um navio em que ele poderia salvar sua família, seus amigos, e sua riqueza e gado. Depois do Dilúvio os deuses se arrependeu sua ação e fez Utnapishtim imortal.

Hebraico

A versão mais conhecida da inundação-história hebraica é que no Livro do Gênesis (Gênesis 6-9), mas os dois não-canônicos (não-bíblica) livros de Enoque e Jubileus (tanto mais tardar em Gênesis) contêm elaborações sobre a história do Gênesis.

Genesis:

O registro no livro de Gênesis diz: "Então o Senhor viu que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. E o Senhor se arrependeu de ter feito o homem na terra, e foi . pesou no coração Então o Senhor disse: 'Eu riscarei o homem que criei de sobre a face da terra, de homem para animal, os répteis e as aves do céu, porque estou triste que eu tenho feito deles '".
Deus escolhe Noé, que "achou graça aos olhos do Senhor" e ordena-lhe para construir uma arca . Deus instruiu a construção da arca de ser de trezentos côvados (450 pés / 137 m) de comprimento, cinqüenta côvados (75 pés / 23 m) de largura, e trinta côvados (45 pés / 14 m) de altura. Então, Deus ordenou a Noé que colocar um par de animais impuros e sete pares de animais limpos. Depois de Noé constrói a arca, "todas as fontes do grande explosão profunda abertos, e as comportas do céu foram abertas" por Deus. Chove durante 40 dias. "A água prevaleceram sobre a terra 150 dias." A água recua para 150 dias. No décimo sétimo dia do sétimo mês, a arca repousa sobre a montanhas de Ararat. Após 40 dias na montanha, Noah abre a arca. "Então falou Deus a Noé, dizendo: Sai da arca, você e sua esposa e seus filhos e seus filhos 'esposas com você.'" Todos e cada animal sai da arca para repovoar a Terra frutuosamente. Ver também Arca de Noé .

Livro de Enoque e livro de Jubilees:

O século 2 aC 1º Livro de Enoque é um apocryphon. Ele acrescenta que a história do dilúvio Genesis dizendo que Deus enviou o dilúvio para livrar a Terra da Nephilim, as crianças titânicas do Grigori, os "filhos de Deus" mencionado em Gênesis e de fêmeas humanas. O Livro de Enoque gozava de grande prestígio na época de Jesus e é citado diretamente no Novo Testamento (Jude 1: 14-15), mas não conseguiu ganhar o ingresso para o judaica e cristã cânone.

O Livro de Jubilees, também a partir do segundo século aC início encontrados entre os Manuscritos do Mar Morto também discorre sobre a história em Gênesis; este livro é bastante preocupada com a cronologia.

?sia-Pacífico

China

Existem muitas fontes de mitos de inundação na literatura chinesa antiga. Alguns parecem se referir a um dilúvio mundial:

  • Shujing, ou "Livro da História", provavelmente escrito por volta de 700 aC ou mais cedo, afirma nos capítulos de abertura que o Imperador Yao está enfrentando o problema de águas da inundação que "chegar aos céus". Este é o pano de fundo para a intervenção do famoso Da Yu, que sucedeu no controle das inundações. Ele viria a fundar a primeira dinastia chinesa. O tradutor da edição de 1904 datado do dilúvio chinês a 2348 BC, calculando que este era o mesmo ano em que o Dilúvio bíblico. Na verdade, a tradição mito do Oriente Médio Flood (incluindo o Dilúvio bíblico) foi erroneamente ligado a uma inundação mencionado na lista de reis sumérios , que foi, na verdade, datado de 2900 aC.
  • Shanhaijing, "Classic of the Mountain & Seas", termina com o governante chinês Da Yu passar dez anos para controlar um dilúvio cujo "enchentes transbordou [para] céu".
  • Shiji, Chuci, Liezi, Huainanzi, Shuowen Jiezi, Siku quanshu, Songsi Dashu, e outros, assim como muitos mitos populares, todos contêm referências a uma personagem chamada Nüwa. Nüwa é geralmente representada como uma mulher (embora nem sempre), que repara os céus quebrados após uma grande enchente ou calamidade, e preenche novamente o mundo com as pessoas. Há muitas versões deste mito.

A antiga civilização chinesa concentrada na margem do Rio Amarelo perto do dia atual Xian também acreditava que as graves inundações ao longo da margem do rio foi causada por dragões (representando deuses) que vivem no rio sendo irritado com os erros das pessoas.

?ndia

Encarnação de Vishnu como um peixe, a partir de um texto devocional.

Matsya (peixe em sânscrito ) foi o primeiro Avatara de Vishnu .

De acordo com Matsya Purana e Shatapatha Brâhmana (I-8, 1-6), o mantri ao rei de pré-antigo Dravida, Satyavata que mais tarde se torna conhecido como Manu estava lavando as mãos em um rio quando um peixinho nadou em suas mãos e pediu-lhe para salvar sua vida. Ele colocá-lo em um frasco, que logo superou; ele mudou-se sucessivamente a um tanque, um rio e depois o oceano. O peixe, em seguida, avisou que um dilúvio ocorreria em uma semana que iria destruir toda a vida. Manu, portanto, construiu um barco que o peixe rebocado para uma montanha quando veio o dilúvio, e, assim, ele sobreviveu, juntamente com alguns "sementes de vida" para restabelecer a vida na Terra.

Arqueólogo MS Dhingra liga esse mito para um possível evento de impacto de meteoros no Oceano ?ndico. Esse impacto pode ter ocorrido em 2084 aC.

Ilhas Andaman

Em mitos dos aborígenes tribos que habitam o Ilhas Andaman pessoas tornaram-se negligente dos comandos que lhes são dadas na criação. Puluga, o deus criador, deixou de visitá-los e, em seguida, sem mais aviso enviado uma enchente devastadora. Apenas quatro pessoas sobreviveram a este dilúvio: dois homens, Loralola e Poilola, e duas mulheres, Kalola e Rimalola. Quando eles desembarcaram eles descobriram que haviam perdido o fogo e todos os seres vivos tinham perecido. Puluga depois recriados os animais e plantas, mas não parece ter dado quaisquer instruções adicionais, nem ele retornar o fogo para os sobreviventes.

Indonésia

Em Tradições Batak, a terra repousa sobre uma serpente gigante, Naga-Padoha. Um dia, a cobra cansado de sua carga e balançou a Terra fora no mar. No entanto, o Deus Batara-Guru salvou sua filha, enviando uma montanha no mar, e toda a raça humana descende dela. A Terra foi posteriormente colocado de volta para a cabeça da serpente.

Austrália

De acordo com o Australian aborígenes, na Dreamtime um enorme sapo (Tidalik -. Esta história tem origem no Riverina Murray-Darling de New South Wales e Victoria The Murray-Darling freqüentemente experimenta ciclos de seca pelas cheias que duram até anos por vez, ligado a eventos do El Niño / La Niña em Pacífico) bebeu toda a água do mundo e uma seca varreu a terra. A única maneira de terminar a seca era fazer com que o sapo risada. Animais de todo Austrália se reuniram e, uma a uma tentativa de fazer o sapo risada. Quando finalmente conseguiu enguia, o sapo abriu os olhos sonolentos, seu grande corpo estremeceu, com o rosto relaxado, e, finalmente, ele explodiu em uma gargalhada que soou como um trovão rolando. A água despejada de sua boca em uma inundação. Ele encheu os rios mais profundos e cobriram a terra. Somente os mais altos picos das montanhas eram visíveis, como ilhas no mar. Muitos homens e animais se afogaram. O pelicano que foi blackfellow naquela época pintou a si mesmo com argila branca e foi de ilha em ilha em um grande canoa, resgatando outros blackfellows. Desde aquela época pelicanos ter sido preto e branco em lembrança do Grande Dilúvio.

Europa

Grego

Mitologia grega conhece três inundações. A enxurrada de Ogiges, a inundação de Deucalião ea inundação de Dardanus, dois dos quais terminando dois Idades do Homem: a Ogygian Dilúvio terminou a Era de Prata, ea inundação de Deucalião terminaram a Primeira Idade do Bronze.

Ogiges
"A consequência é que, em comparação do que foi, em seguida, existem restando apenas os ossos do corpo desperdiçado, uma vez que podem ser chamados, como no caso das pequenas ilhas, todas as partes mais ricas e mais suaves do solo ter caído eo mero esqueleto da terra sendo deixado. "
Crítias de Platão (111b)

A inundação Ogygian é assim chamado porque ele ocorreu no tempo de Ogiges, um rei mítico de Attica. Ogiges é um pouco sinônimo de "primevo", "primordial", "mais cedo do amanhecer". Outros dizem que ele foi fundador e rei de Tebas. Em muitas tradições do dilúvio Ogygian é dito ter coberto todo o mundo e foi tão devastador que Attica permaneceu sem reis até o reinado de Cecrops.

Platão em sua Leis, Livro III, estima que esta inundação ocorreu 10.000 anos antes de seu tempo. Também em Timeu (22) e em Crítias (111-112), ele descreve o "grande dilúvio de todos" acontecendo 9.000 anos antes do tempo de Solon, durante o Milênio aC 10. Além disso, os textos relatam que "muitos grandes dilúvios tiveram lugar durante os nove mil anos" desde Atenas e Atlantis estavam preeminente.

Mapa do leste do Mediterrâneo e na Grécia durante 10,000 BC.

A teoria da inundação na Bacia do Egeu, propôs que uma grande inundação ocorreu no final do Pleistoceno Superior ou início do Holoceno. O Holoceno é um período geológico que começou aproximadamente 11.550 anos-calendário BP (ou cerca de 9600 aC) e continua até o presente. Esta inundação coincidiria com o fim da última era do gelo , estimado, aproximadamente, 10 mil anos atrás, quando o nível do mar subiu tanto quanto 130 metros, particularmente durante Meltwater pulso 1A quando o nível do mar subiu cerca de 25 metros em algumas partes do hemisfério norte num período de menos de 500 anos.

O mapa à direita mostra como a região ficaria cerca de 12.000 anos atrás, ou 10.000 aC, quando o nível do mar teria sido 125 metros mais baixo do que hoje. O Peloponeso estava ligada ao continente ea Golfo de Corinto não foi formado. Ilhas ao redor Attica, tais como Egina, Salamis e Eubéia, faziam parte do continente. O Cyclades formou uma grande ilha conhecida como Aegeis, enquanto Bósforo e Hellespont não foi formada ainda.

Estes resultados geológicas suportam a hipótese de que o Ogygian dilúvio pode também ser baseada em um evento real.

Deucalião

O Deucalião lenda contada por Apollodorus em A Biblioteca tem alguma semelhança com a Arca de Noé: Prometeu aconselhou seu filho Deucalião para construir uma arca. Todos os outros homens pereceu com exceção de alguns que escapou às montanhas altas. As montanhas Tessália se separaram, e todo o mundo para além do Istmo e Peloponeso estava sobrecarregado. Deucalião e sua esposa Pirra, depois de flutuar no peito durante nove dias e noites, desembarcou em Parnassus. Uma versão mais antiga da história contada por Hellanicus tem landing "arca" de Deucalião em Monte Ótris em Tessália. Outro relato já lhe aterrar em um pico, provavelmente phouka, em Argolis, mais tarde chamado de Nemea. Quando as chuvas cessaram, ele sacrificou a Zeus. Em seguida, a mando de Zeus, ele jogou pedras atrás dele, e eles se tornaram homens, e as pedras que Pirra jogou tornaram-se mulheres. Appollodorus dá isso como uma etimologia grega laos para "pessoas" como derivados de laas "pedra". Os Megarians disse que Megarus, filho de Zeus, escapou dilúvio de Deucalião nadando ao topo do Monte Gerania, orientada pelos gritos de guindastes.

Dardanus

Conforme Dionísio de Halicarnasso, Dardanus deixou Pheneus em Arcadia para colonizar a terra no Nordeste Mar Egeu. Quando o dilúvio Dardanus 'ocorreu, a terra foi inundada ea montanha na qual ele e sua família sobreviveram, formada ilha de Samotrácia. Ele deixou Samotrácia em uma pele inflado para as margens opostas do ?sia Menor e se estabeleceram no sopé do Monte Ida. Devido ao medo de outra inundação que não construir uma cidade, mas vivia no aberto para 50 anos. Seu neto Tros, eventualmente, construiu uma cidade, que foi nomeado Troy depois dele.

Germânico

Na mitologia nórdica , há dois dilúvios separadas. De acordo com Prosa Edda por Snorri Sturluson, a primeira ocorreu na madrugada de tempo antes que o mundo fosse formado. Ymir, o primeiro gigante, foi morto pela deus Odin e seus irmãos Vili e Ve, e quando ele caiu, muito sangue fluía de suas feridas que se afogaram quase toda a raça de gigantes com exceção do gigante do gelo Bergelmir e sua esposa. Eles fugiram em um navio e sobreviveu, tornando-se os progenitores de uma nova raça de gigantes. O corpo de ymir foi então usada para formar a terra, enquanto o seu sangue tornou-se o mar.

A segunda, no ciclo de tempo mitológica nórdica, está destinado a ocorrer no futuro durante a batalha final entre os deuses e os gigantes, conhecidos como Ragnarök. Durante este evento apocalíptico, Jormungandr, a grande serpente do mundo que se encontra abaixo do mar circundante Midgard, o reino dos mortais, vai levantar-se das profundezas das águas para se juntar ao conflito, resultando em uma inundação catastrófica que vai afogar a terra. No entanto, na sequência de Ragnarök a terra vai renascer e uma nova era da humanidade começará.

O mitólogo Brian Branston notar as semelhanças entre este mito e um incidente descrito na Anglo-saxão poema épico Beowulf, que tinha sido tradicionalmente associado com o dilúvio bíblico, portanto, não pode ter sido um incidente correspondente na mais ampla Mitologia germânica, bem como em Mitologia anglo-saxão.

Irlandês

De acordo com história apócrifa da Irlanda Lebor Gabála Érenn, os primeiros habitantes da Irlanda lideradas pela neta de Noé Cessair foram todos, exceto um dizimado por uma inundação 40 dias após chegar à ilha. Mais tarde, depois Partholon de e O povo de Nemed chegou à ilha, outro dilúvio se levantou e matou todos, mas trinta dos habitantes, que espalhados por todo o mundo.

Finlandês

No início de Kalevala há um par de linhas que descrevem um aumento mar.

Americas

Asteca

Existem diversas variantes do História asteca, muitos deles são questionáveis na exatidão ou autenticidade.

Quando a Era Sun veio, não tinha passado 400 anos. Então veio 200 anos, em seguida, 76. Em seguida, toda a humanidade se perdeu e se afogou e virou-se para peixes. A água eo céu se aproximou um do outro. Em um único dia tudo estava perdido, e Quatro Flor consumido tudo o que havia de nossa carne. As próprias montanhas foram engolidos pelo dilúvio, e as águas se manteve, encontrando-se tranquilo durante cinquenta e duas molas. Mas antes que o dilúvio começou, Titlachahuan tinha advertido o homem e sua esposa Nota Nena, dizendo: 'Não faça nenhum mais pulque, mas oco uma grande cipreste, no qual você entra o mês Tozoztli. As águas perto do céu '. Eles entraram, e quando Titlacahuan os havia prendido ele disse ao homem: "Tu comerás, mas uma única espiga de milho, e tua mulher, mas também um '. E quando eles tinham comido cada uma orelha de milho, se preparavam para sair, pois a água era tranquilo.
- Documento asteca antigo Codex Chimalpopoca, traduzido por Abbé Charles Étienne Brasseur de Bourbourg.

Nota: Essas traduções astecas são controversos. Muitos não têm nenhuma fonte credível e não há nenhuma prova de sua autenticidade. Alguns são baseados na história imagem gráfica de Coxcox, mas outras traduções deste pictograph mencionar nada de uma inundação. Mais significativamente, o tempo que esses mitos foram ouvidos do povo local foi bem depois missionários entraram na região.

Inca

Em Mitologia Inca, Viracocha destruiu os gigantes com uma grande inundação, e duas pessoas repovoado a terra. Excepcionalmente, eles sobreviveram em cavernas selados. Ver Unu Pachakuti.

Chibcha e Muisca

Em Mitologia colombiano, há referências a uma grande inundação que destruiu quase toda a humanidade e um salvador, o deus Bochica.

Maia

Na mitologia maia , a partir do Popol Vuh, Parte 1, Capítulo 3, Huracan ("one-legged") era um deus do vento e tempestade que causou o Grande Dilúvio (de resina) após os primeiros seres humanos (de madeira) provocou a ira dos deuses (por ser incapaz de adorá-los). Ele supostamente viveu nas brumas de vento acima das enchentes e falou a palavra "terra" até que a terra voltou a surgir a partir dos mares.

Mais tarde, na Parte 3, Capítulo 3 e 4,

  • Quatro homens e quatro mulheres repovoar o mundo Quiche após o dilúvio
  • todos falando a mesma língua (mas uma referência confuso)
  • e reunir no mesmo local
  • em que o seu discurso é alterado (afirmado várias vezes)
  • após o que se dispersam por todo o mundo.

Como muitos outros, essa conta não apresentar uma "Arca". A "Torre de Babel" depende da tradução; alguns vertem os povos chegar a uma cidade, outros, em uma cidadela.

Hopi

Em Hopi mitologia, as pessoas afastaram-se Sotuknang, o criador, repetidamente. Ele destruiu o mundo pelo fogo, e, em seguida, pelo frio, e recriado, ambas as vezes para as pessoas que ainda seguiam as leis da criação, que sobreviveram escondendo-se no subsolo. Pessoas se tornou corrupto e guerreira uma terceira vez. Como resultado, Sotuknang guiado o povo a Mulher-Aranha, e ela cortar canas e protegido o povo em hastes ocas. Sotuknang, então, causou uma grande inundação, e as pessoas flutuando em cima da água em suas canas. As palhetas veio descansar em um pequeno pedaço de terra, e as pessoas emergiu, com tanta comida quanto eles começaram com. As pessoas viajavam em suas canoas, guiados pela sabedoria interior (que é dito para vir a partir Sotuknang, através da porta no topo da sua cabeça). Eles viajaram para o nordeste, passando ilhas progressivamente maiores, até que chegaram ao Quarto Mundo. Quando chegaram ao quarto mundo, as ilhas afundou no oceano.

Caddo

Em Caddo mitologia, quatro monstros cresceu em tamanho e poder, até que tocou o céu. Naquela época, um homem ouviu uma voz dizendo-lhe para plantar a cana oca. Ele assim o fez, ea cana cresceu muito grande muito rapidamente. O homem entrou na cana com sua esposa e pares de todos os bons animais. ?guas aumentou, e cobriu tudo, mas o topo da cana e as cabeças dos monstros. Uma tartaruga em seguida matou os monstros escavando sob eles e extirpá-las. As águas baixaram, e os ventos secos da Terra.

Menominee

Em Menominee mitologia, Manabus, o malandro, "demitido por seu desejo de vingança" disparou dois deuses subterrâneas quando os deuses estavam em jogo. Quando todos eles mergulhou na água, uma enorme enchente. "A água subiu até .... Ele sabia muito bem onde Manabus tinha ido." Ele corre, ele corre; mas a água, vindo do Lago Michigan, persegue-o mais rápido e mais rápido, mesmo quando ele sobe uma montanha e sobe até o topo do pinheiro sublime em seu pico. Quatro vezes ele implora a árvore a crescer um pouco mais, e quatro vezes obriga até que ele pode crescer mais. Mas a água continua subindo "para cima, para cima, à direita no queixo, e lá parado": não havia nada além de água que se estende até o horizonte. E então Manabus, ajudado por animais de mergulho, e, especialmente, o mais bravo de todos, o Muskrat, cria o mundo como nós o conhecemos hoje.

Mi'kmaq

Em Mitologia Mi'kmaq, o mal ea maldade dos homens faz com que eles matam uns aos outros. Isso faz com que grande tristeza ao-sol-deus criador, que chora lágrimas que se tornam chuvas suficientes para desencadear um dilúvio. As pessoas tentam sobreviver viajando em canoas de casca, mas somente um único homem e mulher adulta sobreviver povoar a terra.

Polinésio

Várias histórias de inundação diferentes são registrados entre os polinésios. Nenhum deles se aproximar a escala do dilúvio bíblico.

O povo de Ra'iatea dizer de dois amigos, Te-aho-aroa e Ro'o, que foi pescar e acidentalmente despertou o deus do oceano Ruahatu com seus anzóis. Irritado, ele prometeu a afundar Ra'iatea abaixo do mar. Te-aho-aroa e Ro'o pediu perdão, e Ruahatu advertiu-os de que eles poderiam escapar apenas por trazer suas famílias para o ilhéu de Toamarama. Estes vela definido, e durante a noite, a ilha deslizou sob o oceano, apenas para subir novamente na manhã seguinte. Nada sobreviveu, exceto para essas famílias, que erigiram sagrados marae (templos) dedicado ao deus Ruahatu.

Uma legenda similar é encontrada em Tahiti. Não há razão para a tragédia é dado, mas toda a ilha afundou sob o mar, exceto para Mount Pitohiti. Um casal humano conseguiu fugir para lá com seus animais e sobreviveu.

Em uma tradição do Ngāti Porou, uma Maori tribo da costa leste da Ilha Norte da Nova Zelândia, Ruatapu ficou irritado quando seu pai Uenuku elevou seu meio-irmão mais novo Kahutia-te-rangi à frente dele. Ruatapu atraído Kahutia-te-Rangi e um grande número de jovens de elevado nascimento em sua canoa, e levou-os para o mar, onde ele se afogou-los. Ele pediu aos deuses para destruir seus inimigos e ameaçou retornar como as grandes ondas de início do verão. Enquanto lutava por sua vida, Kahutia-te-rangi recitou um encantamento invocando as baleias francas austrais jubarte (Paikea em maori) para levá-lo em terra. Assim, ele foi rebatizado Paikea, e foi o único sobrevivente (Reedy 1997: 83-85).

Algumas versões da história Maori de Tawhaki conter episódios em que o herói faz com que um dilúvio para destruir a aldeia de seus dois irmãos-de-lei de inveja. Um comentário em Polynesian Mythology de Grey pode ter dado o Maori algo que não tinha antes - como AW Reed colocá-lo ", Em polinésia Mitologia cinzento disse que quando os ancestrais de Tawhaki lançado as cheias do céu, a terra estava sobrecarregado e todos os seres humanos pereceram - proporcionando assim a Maori com sua própria versão do dilúvio universal "(Reed, 1963: 165, em nota de rodapé). Influência cristã tem levado ao aparecimento de genealogias, onde o avô de Tawhaki Hema é reinterpretado como Shem, filho de Noé do dilúvio bíblico.

Em Hawaii, um casal humano, Nu'u e Lili-noe, sobreviveu a uma inundação em cima de Mauna Kea na Grande Ilha. Nu'u fizeram sacrifícios para a lua, a quem erroneamente atribuída a sua segurança. Kane, o deus criador, desceu à terra em um arco-íris, explicou o erro de Nu'u, e aceito o seu sacrifício.

No Marquesas, o grande deus da guerra Tu ficou irritado com observações críticas feitas por sua irmã Hii-hia. Suas lágrimas rasgaram andar do céu para o mundo abaixo e criou uma torrente de chuva transportando tudo em seu caminho. Apenas seis pessoas sobreviveram.

Hipóteses de origem dos mitos de inundação

A publicação dos primeiros caçadores de fósseis por Adrienne Mayor, seguido por Legends fósseis dos primeiros americanos, fizeram com que a hipótese de que as histórias de inundação foram inspirados pelas observações antigos fósseis de conchas e peixes do interior e em montanhas a ganhar terreno. Embora o os gregos, egípcios, romanos, chineses e todos comentou em escritos antigos sobre conchas e / ou impressões de peixes que encontraram no interior e / ou nas montanhas, era nada menos do que Leonardo da Vinci que postulou que um dilúvio imediata poderia não ter causado os estratos em camadas e ordenadamente ordenou que ele encontrou nos Apeninos italianos. Os gregos a hipótese de que a terra tinha sido coberta por água várias vezes, e observou as conchas e peixes fósseis que encontraram no cimo das montanhas como a evidência para essa crença. Os nativos americanos também expressou essa crença para os primeiros europeus, embora não tivesse escrito essas idéias para baixo anteriormente.

Alguns geólogos acreditam que bastante dramático, maior do que o normal inundação de rios no passado distante pode ter influenciado nos mitos. Um dos mais recentes, e bastante controversas, as hipóteses deste tipo é o Teoria Ryan-Pitman, que defende um dilúvio catastrófico sobre 5600 aC a partir do Mar Mediterrâneo para o Mar Negro .

Também tem havido especulações de que um grande tsunami no mar Mediterrâneo causada pela Thera erupção datado de ca. 1630-1600 BC geologicamente, mas para ca. 1500 aC arqueologicamente, foi a base histórica para o folclore que evoluiu para o mito de Deucalião. Pode-se argumentar que, embora o tsunami atingiu o Sul Mar Egeu, e Crete, não afetou cidades no continente da Grécia, como Micenas, Atenas, Tebas que continuaram a prosperar, portanto, tinha um local em vez de um efeito de âmbito regional.

Há também é uma hipótese que sugere um asteróide colidiu contra a Terra e criou uma série de grandes inundações em todo o mundo. Arqueólogo Bruce Masse do Los Alamos National Laboratory, em New Mexico analisados 175 mitos de inundação de todo o mundo. Ele acredita que se as histórias refletem um único cataclismo mundial, que as histórias seriam consistentes com um único evento. Masse conclui que "apenas uma de águas profundas impacto de um cometa oceânica global catastrófico pode ser responsável por toda a informação ambiental codificado no corpus de mitos de inundação em todo o mundo". Ele e outros membros da Holoceno Grupo de Trabalho de Impacto acreditamos que o impacto ocorreu perto de Madagascar em Burckle Crater. Outros discordam - o especialista impacto Jay Melosh, da Universidade do Arizona disse: "Eu não acredito que a evidência de uma cratera ao largo de Madagáscar, eo impulso está em Abbott para provar isso."

A maioria dos mitos tinha uma tempestade sustentada juntamente com um tsunami . Masse afirmou que um asteróide iria jogar 10 vezes sua massa em água para o céu. As gotas de água que circunavegar o planeta e que levaria dias para a chuva diminuir. Quando a duração de cada um dos mitos foram representados graficamente, é formado um gráfico em forma de sino , com a maioria ocorrendo entre 4 a 10 dias. Os sobreviventes das histórias tipicamente encontradas segurança entre 150 e 300 metros acima do nível do mar. Várias referências a eventos astronômicos durante a enchente levam a acreditar que o evento ocorreu em ou em torno 10 de maio, 2807 aC.

Há também referências a uma explosão cósmica em alguns mitos, como no mito do dilúvio mesopotâmico. Gilgamesh descreve ver uma coluna de fumaça negra no horizonte, seguido por nuvens escuras e uma inundação.

Hipóteses de origem da história bíblica de Noé

Geologia do Dilúvio

Os defensores da inundação geologia afirmam que o relato bíblico do dilúvio mundial é para ser tomado literalmente em que os processos geológicos mais observados, como a fossilização e estratos sedimentares, são um resultado depois deste evento divino percebido.

Enquanto muitas pessoas têm a crença de que havia um dilúvio universal, geologia inundação em si foi inequivocamente rejeitado pelo grosso da população geólogos, muitos dos quais consideram uma forma de pseudociência. Apesar de uma só vez até mesmo os trabalhadores proeminentes Arqueologia bíblica estavam dispostos a discutir o apoio para a geologia do dilúvio, essa visão não é mais amplamente difundida.


Rei sumério lista inundação

O Lista rei sumério menciona um rio que divide mais velhos, kingships possivelmente míticas de kingships mais recentes e possivelmente históricos em Sumer . Na década de 1920, os arqueólogos associado esta inundação histórica, com uma camada de depósitos ribeirinhas que interromperam assentamentos sumérios sobre uma vasta área do sul da Mesopotâmia. Isso levou à especulação no momento em que "Dilúvio de Noé" tinha sido encontrado, ao tentar conectar o Antigo Oriente Próximo dilúvio tradição (começando com o sumério Eridu Gênesis e continuar com a posterior Atra-Hasis mito, o episódio Utnapishtim na Epopéia de Gilgamesh , ea bíblica história de Noah) com este dilúvio histórico. No entanto, não há nenhuma evidência de que a inundação na mítico Eridu Gênesis foi o mesmo que o dilúvio histórico mencionado na lista de reis, ou que os sumérios próprios já ligados-los juntos.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Flood_myth&oldid=225082387 "