Conteúdo verificado

Frankenstein

Assuntos Relacionados: Novels

Sobre este escolas selecção Wikipedia

Crianças SOS voluntários ajudaram a escolher artigos e fez outro material currículo Visite o site da SOS Children at http://www.soschildren.org/

Frankenstein;
ou O Moderno Prometeu
Frank1818.jpg
Volume I, primeira edição
Autor (s) Mary Shelley
Língua Inglês
Gênero (s) Horror, Gótico, romance , ficção científica
Editor Lackington, Hughes, Harding, Mavor & Jones
Data de publicação 01 de janeiro 1818
Páginas 280

Frankenstein; ou O Moderno Prometeu é uma novela escrita por Mary Shelley sobre um criatura produzida por um experimento científico ortodoxo. Shelley começou escrever a história quando ela tinha dezenove anos, ea novela foi publicada quando tinha vinte e um anos. A primeira edição foi publicada anonimamente em Londres em 1818. O nome de Shelley aparece na segunda edição, publicada na França em 1823.

Shelley tinha viajado na região de Genebra, onde grande parte da história se passa, e os temas de galvanism e outras idéias ocultas semelhantes foram temas de conversa entre os seus companheiros, particularmente seu futuro marido, Percy Shelley. O enredo surgiu a partir de um sonho. Mary, Percy, Lord Byron , e John Polidori decidiu ter uma competição para ver quem poderia escrever o melhor história de horror. Depois de pensar por semanas sobre o seu possível enredo poderia ser, Shelley sonhou com um cientista que criou a vida e ficou horrorizado com o que ele tinha feito. Ela, então, escreveu Frankenstein.

Frankenstein é infundido com alguns elementos da Romance gótico eo romântico movimento e também é considerado para ser um dos primeiros exemplos de ficção científica. Brian Aldiss alegou que deveria ser considerada a primeira verdadeira história de ficção científica, porque ao contrário de em histórias anteriores com elementos fantásticos parecidos com os da ficção científica depois, o personagem central "faz uma decisão deliberada" e "se transforma em experimentos modernos em laboratório" para alcançar resultados fantásticos. Ele teve uma influência considerável em toda a literatura e cultura popular e spawned um gênero completo de histórias de horror, filmes e peças.

Desde a publicação do romance, o nome de "Frankenstein" é muitas vezes usado para se referir ao próprio monstro, como é feito na adaptação para o palco por Peggy Webling. Esse uso é considerado às vezes errôneo, mas comentaristas consideram o uso sentido monstro de "Frankenstein", como bem estabelecido e um uso aceitável. No romance, o monstro é identificado através de palavras tais como "criatura", "monstro", "demônio", "desgraçado", "inseto vil", "daemon", "ser", e "". Em declarações à Victor Frankenstein, o monstro se refere a si mesmo como "o Adão de seus trabalhos", e em outros lugares como alguém que "teria" sido "o seu Adam", mas em vez disso é "o anjo caído."

Resumo

Frankenstein é escrito na forma de uma história de quadro que começa com o capitão Robert Walton escrever cartas para sua irmã.

Introdutória estrutura narrativa do Capitão Walton

O romance Frankenstein é escrito em forma epistolar, documentando uma correspondência entre o capitão Robert Walton e sua irmã, Margaret Walton Saville. Walton é um escritor fracassado que se propõe a explorar a North Pole e expandir seu conhecimento científico, na esperança de alcançar a fama. Durante a viagem, a tripulação avista um trenó do cão dominado por uma figura gigantesca. Algumas horas mais tarde, a tripulação resgata um homem quase congelado e emaciado nomeado Victor Frankenstein. Frankenstein foi em busca do homem gigantesco observado pela equipe de Walton. Frankenstein começa a se recuperar de seu esforço; ele vê em Walton o mesmo excesso de ambição e narra uma história de misérias de sua vida para Walton como um aviso.

A narrativa de Victor Frankenstein

Victor começa contando de sua infância. Nascido em uma família rica em Genebra , ele é encorajado a buscar uma maior compreensão do mundo ao seu redor através da ciência. Ele cresce em um ambiente seguro, cercado pela família e amigos loving. Quando ele é de cerca de quatro anos de idade, seus pais adotar Elizabeth Lavenza, um órfão cuja mãe acaba de morrer (ela é primo biológico de Victor na primeira edição, mas uma criança adotada sem nenhuma relação de sangue na edição de 1831). Victor tem uma paixão possessiva com Elizabeth. Ele tem dois irmãos mais novos: Ernest e William.

Como um jovem rapaz, Victor está obcecado em estudar teorias ultrapassadas da ciência que se concentram na obtenção de maravilhas naturais. Quando ele testemunha relâmpago golpear um carvalho, dividindo-o em dois, ele é inspirado que ele pode de alguma forma aproveitar o poder do relâmpago. Ele planeja participar da Universidade de Ingolstadt, na Alemanha. Semanas antes de sua partida prevista, sua mãe morre de escarlatina. Na universidade, ele se destaca em química e outras ciências, e desenvolve uma técnica secreta para imbuir os corpos inanimados com vida. Victor constrói uma criatura reanimado.

Os detalhes da construção do monstro são deixados ambígua, mas Frankenstein encontra-se forçado a fazer a criatura aproximadamente oito pés de altura por causa da dificuldade em replicar as partes minutos do corpo humano. Sua criação, que ele esperava ser bonito, é, em vez medonho, com olhos amarelos lacrimejantes e um murcho, pele translúcida, amarelada que mal esconde o sistema e os vasos sanguíneos musculares. Estranhamente a criatura tem, dentes brancos e perfeitos, lábios pretos e longos cabelos negros. Depois de trazer sua criação à vida, Victor é repelido por seu trabalho: ele foge da sala, deixando o monstro. Desesperada e triste da rejeição, o monstro desaparece.

Victor fica doente com a experiência. Ele é nutrido de volta à saúde por seu amigo de infância, Henry Clerval. Depois de uma recuperação de quatro meses, ele determina que ele deve voltar para casa quando seu irmão William é encontrado assassinado. Ao chegar em Genebra, ele vê o monstro perto do local do assassinato, e torna-se determinado a criatura é o assassino. A babá de William, Justine, é enforcado pelo assassinato baseada na descoberta de medalhão de William em seu bolso. Victor, embora certo que o monstro é responsável, as dúvidas ninguém iria acreditar nele e é incapaz de parar o enforcamento.

Devastado por sua tristeza e auto-censura, Victor foge para as montanhas para encontrar a paz. O monstro se aproxima dele, ignorando suas ameaças e articulado com Victor para ouvir o seu próprio conto. Inteligente e articulada, a criatura diz Victor de seus próprios encontros com as pessoas, e como ele se tornou medo deles e passou um ano vivendo perto de uma casa de campo, observando a família DeLacey vivendo lá e crescente gostava deles. Através da observação da família De Lacey, o monstro tornou-se educado e auto-consciente. Ele também descobriu uma mochila perdida de livros e aprendeu a ler. Vendo seu reflexo em uma poça, ele acredita que sua aparência física é hediondo em comparação com os seres humanos que ele assiste. Embora ele finalmente se aproximou da família com esperança de se tornar seu amigo, eles estavam com medo por sua aparência e dirigi-lo, e, em seguida, deixou a residência permanente. A criatura, em um acesso de raiva, queimou a casa e à esquerda.

Em suas viagens, algum tempo depois, o monstro viu uma jovem cair em um córrego e salvou de afogamento. Um homem, vendo-o com a criança em seus braços, o perseguiu e disparou uma arma, ferindo-o. Viajar para Genebra, ele conheceu um menino - de Victor irmão William - nas madeiras fora da cidade de Plainpalais. O monstro esperava que o menino era jovem demais para temer deformidade, mas sobre a sua abordagem, William gritou, ameaçando o monstro com o peso de sua família - os Frankensteins. A criatura agarrou o menino pelo pescoço para silenciá-lo, e estrangulou-o. O monstro tomou isso como seu primeiro ato de vingança contra o seu criador. Ele removeu um medalhão do corpo do menino e colocou-o nas dobras do vestido de uma jovem mulher - babá de William, Justine - que estava dormindo em um celeiro nas proximidades, assumindo que ela seria acusado de assassinato.

O monstro conclui sua história com uma demanda que Frankenstein criar para ele uma companheira como ele. Ele argumenta que, como uma coisa viva, ele tem o direito à felicidade. Ele promete que, se Victor concede o seu pedido, ele e seu companheiro vai desaparecer no deserto da América do Sul desabitada pelo homem, para nunca mais reaparecer.

Temendo por sua família, Victor relutantemente concorda e viaja para a Inglaterra para fazer o seu trabalho. Ele é acompanhado por Clerval, mas eles se separam na Escócia. Através de suas viagens, Victor suspeita que o monstro é segui-lo. Trabalhando em um segundo ser nas Ilhas Orkney , ele é atormentado por premonições de que seu trabalho pode causar, em particular a ideia de que a criação de um companheiro para a criatura poderia conduzir à criação de toda uma raça de criaturas que poderiam afligem a humanidade. Ele destrói a criatura do sexo feminino inacabado depois que vê sua primeira criação olhando pela janela. As testemunhas monstro Este e, confrontando Victor, promete estar com Victor sobre sua próxima noite de núpcias. O monstro assassinatos Clerval e deixa o cadáver em uma praia irlandesa, onde Victor terras em cima de sair da ilha. Victor está preso pelo assassinato de Clerval, e torna-se gravemente doente, sofrendo outro colapso mental na prisão. Depois de ter sido absolvido, e com a sua saúde renovada, ele retorna para casa com seu pai.

Uma vez em casa, Victor se casa com Elizabeth e se prepara para uma luta com o monstro. Erradamente acreditando que era o monstro da jurou vingança por sua própria vida, Victor pede Elizabeth se aposentar ao seu quarto para a noite, enquanto ele vai à procura de "o demônio". Ele procura a casa e jardim, mas os assassinatos criatura Elizabeth vez. Victor vê o monstro na janela, e as provocações monstro Victor apontando para o cadáver de Elizabeth. Pela morte de William, Justine, Clerval, e agora Elizabeth De luto, o pai de Victor morre. Victor promete perseguir o monstro. Os dois se encontram eo Monstro diz ele, em mais ou menos palavras, para pegá-lo se ele puder. Depois de meses de perseguição, os dois acabam no Círculo Polar ?rtico, perto do Pólo Norte, mas ele não matá-lo. Em vez disso, Victor diz a seu amigo Robert "Ouvi-lhe que não; invocar as memórias de William, Justine, Clerval, Elizabeth, meu pai, e do Victor miserável, e enfiou sua espada em seu coração. I vai pairar perto e dirigir o aço corretamente. "(Shelley, Frankenstein) Ele então promete ajudá-lo matar o monstro, mesmo quando ele está morto como um fantasma.

Quadro de conclusão narrativa do Capitão Walton

No final da narrativa de Victor, o Capitão Walton retoma a narrativa da história. Poucos dias após o desaparecimento da criatura, o navio torna-se sepultado no gelo e equipe de Walton insiste em retornar ao sul uma vez que eles são liberados. Apesar de um discurso apaixonado de Frankenstein, incentivando a equipe para empurrar mais ao norte, Walton percebe que ele deve ceder às demandas de seus homens e concorda em ir para casa. Frankenstein morre pouco depois.

Walton descobre a criatura em seu navio, lamentando sobre o corpo de Frankenstein. Walton ouve razões erradas da criatura para sua vingança, assim como expressões de remorso. A morte de Frankenstein não lhe trouxe paz. Em vez disso, seus crimes aumentaram sua miséria e alienação; ele encontrou somente sua própria ruína emocional na destruição de seu criador. Ele promete se matar na sua própria pira funerária para que nenhum outro nunca vai saber de sua existência. Walton observa enquanto ele se afasta em uma jangada de gelo que é logo perdido na escuridão.

Composição

Projecto de Frankenstein ("Foi em uma noite triste de Novembro que vi meu homem concluída ...")
Como eu, então uma jovem, chegou a pensar, e para dilatar em cima, de modo muito hediondo uma idéia?

Durante o verão chuvoso de 1816, o " Ano sem verão ", o mundo estava trancada em um longo frio inverno vulcânico causada pela erupção do Monte Tambora em 1815. Mary Shelley , com 18 anos, e seu amante (e mais tarde marido) Percy Bysshe Shelley, visitou Lord Byron no Villa Diodati por Lago de Genebra, na Suíça. O clima foi consistentemente muito frio e triste que o verão para aproveitar as atividades ao ar livre férias que haviam planejado, para que o grupo se aposentou dentro de casa até o amanhecer.

Entre outros assuntos, a conversa virou-se para galvanismo ea viabilidade de retornar um cadáver ou montados partes do corpo para a vida, e para os experimentos do século 18 filósofo natural e poeta Erasmus Darwin, que disse ter animado matéria morta. Sentados em torno de uma lareira na casa de campo de Byron, a empresa também se divertiam lendo histórias de fantasmas alemães traduzido para o francês do livro Fantasmagoriana, levando Byron para sugerir que cada um escrever o seu próprio conto sobrenatural. Pouco depois, em um sonho acordado, Mary Shelley concebeu a idéia para Frankenstein:

Eu vi o pálido estudante de artes profanas ajoelhado ao lado da coisa que ele tinha reunido. Eu vi o fantasma hediondo de um homem estendido, e, em seguida, sobre o funcionamento de algum poderoso motor, mostrar sinais de vida, e mexa com, um movimento vital metade inquieto. Frightful ele deve ser; para SUPREMAMENTE assustador seria o efeito de qualquer esforço humano para zombar o mecanismo estupenda do Criador do mundo.

Ela começou a escrever o que ela assumiu seria uma história curta. Com o encorajamento de Percy Shelley, ela expandiu este conto em um romance de pleno direito. Mais tarde, ela descreveu que o verão na Suíça como o momento "quando eu pisei pela primeira vez desde a infância para a vida". Shelley escreveu os primeiros quatro capítulos nas semanas após o suicídio de sua meia-irmã Fanny. Byron conseguiu escrever apenas um fragmento com base nos vampiro lendas que ouviu durante a viagem a Balcãs, ea partir deste John Polidori criado A Vampyre (1819), o progenitor do gênero literário vampiro romântico. Assim, dois contos de terror lendários originado a partir desta circunstância.

O grupo falou sobre Iluminismo e idéias Counter-iluministas também. Shelley acreditou na idéia iluminista de que a sociedade pudesse progredir e crescer, se os líderes políticos usaram seus poderes de maneira responsável; no entanto, ela também acreditava que o ideal romântico que usurpada poder poderia destruir a sociedade (Bennett 36-42).

Manuscritos de de Mary e Percy Bysshe Shelley para a primeira edição em três volumes em 1818 (escrito 1816-1817), bem como cópia justa de Mary Shelley para sua editora, estão agora alojados no Biblioteca Bodleian, em Oxford . O Bodleian adquiriu os papéis em 2004, e eles pertencem agora ao Coleção Abinger. Em 1 de Outubro de 2008, a Bodleian publicou uma nova edição de Frankenstein que contém comparações de texto original de Mary Shelley com adições e intervenções de Percy Shelley ao lado. A nova edição é editado por Charles E. Robinson: The Frankenstein Original ( ISBN 978-1851243969).

Em setembro de 2011 o astrônomo Donald Olson, inspecionando os dados sobre o movimento da lua e das estrelas, concluiu que a conversa original, eo sonho de vigília, teve lugar na noite de 16 de junho de 1816.

Publicação

Mary Shelley por Richard Rothwell (1840-1841)

Shelley completou sua escrita maio 1817, e Frankenstein; ou O Moderno Prometeu foi publicado no 01 de janeiro de 1818 pela pequena editora de Londres Lackington, Hughes, Harding, Mavor, & Jones. Foi emitido anonimamente, com um prefácio escrito por Mary por Percy Bysshe Shelley e com uma dedicação ao filósofo William Godwin, seu pai. Foi publicado em uma edição de apenas 500 cópias em três volumes, o padrão " formato triple-decker "para as primeiras edições do século 19. O romance tinha sido anteriormente rejeitado pela editora de Percy Bysshe Shelley, Charles Ollier, e pela editora de Byron, John Murray.

A segunda edição do Frankenstein foi publicado em 11 de agosto de 1822 em dois volumes (por G. e WB Whittaker), após o sucesso da Presunção peça de teatro; ou, o Fate of Frankenstein por Richard Brinsley Peake; Nesta edição creditado Mary Shelley como o autor.

Em 31 de outubro de 1831, a primeira edição "popular" em um volume apareceu, publicado pela Henry Colburn & Richard Bentley. Esta edição foi fortemente revisado por Mary Shelley, parcialmente por causa da pressão para tornar a história mais conservadora, e incluiu um novo, mais longo prefácio por ela, apresentando uma versão um pouco embelezado da gênese da história. Esta edição tende a ser o mais amplamente lido agora, embora as edições contendo o texto original 1818 ainda são publicados. Muitos estudiosos preferem o texto de 1818, argumentando que ele preserva o espírito da publicação original de Shelley (ver Anne K. Mellor "Escolhendo um texto de Frankenstein para Ensinar" no WW Norton edição crítica).

Nome origens

O monstro

Um cartunista editorial Inglês concebeu o irlandês como semelhante ao monstro de Frankenstein. Ilustração de uma emissão de 1882 Soco

Parte da rejeição da sua criação de Frankenstein é o fato de que ele não dar-lhe um nome, o que lhe confere uma falta de identidade. Em vez disso, é referido por palavras tais como "monstro", "criatura", "demônio", "diabo", "demônio", "infeliz" e "". Quando Frankenstein conversa com o monstro no capítulo 10, ele se dirige a ele como "vil inseto", "abominou monstro", "demônio", "diabo miserável" e "diabo abominou".

Durante uma narração de Frankenstein, Shelley refere à criatura como " Adam ". Shelley estava se referindo ao primeiro homem na Jardim do Éden, como na sua epígrafe:

Será que eu te pedi, ó Criador, da minha argila
Me modelar homem? Será que eu solicitar ti
Da escuridão promover-me?
John Milton , Paradise Lost (X.743-5)

A criatura tem sido muitas vezes erroneamente chamado de "Frankenstein". Em 1908, um autor disse: "É estranho notar como quase universalmente o termo" Frankenstein "é mal utilizado, mesmo por pessoas inteligentes, como a descrição de alguns monstro horrível ...". Edith Wharton The Reef (1916) descreve uma criança rebelde como uma "criança de Frankenstein". "O ornamento de panela" de David Lindsay, publicado no The Rover, 12 de junho de 1844, mencionou "o fabricante de pobres Frankenstein". Após o lançamento do Populares 1,931 filme de James Whale Frankenstein, o público em geral começou a falar do próprio monstro como "Frankenstein". Uma referência para este ocorre em Noiva de Frankenstein (1935) e em vários filmes subsequentes na série, bem como em títulos de filmes, tais como Abbott and Costello Meet Frankenstein.

O sobrenome de Victor Frankenstein

Mary Shelley sustentou que ela derivou o nome de "Frankenstein" a partir de uma visão-sonho. Apesar de suas reivindicações públicas de originalidade, o significado do nome tem sido uma fonte de especulação. Literalmente, em alemão, o nome Frankenstein significa "pedra da Franks ". O nome está associado a vários lugares da Alemanha, tais como Castelo Frankenstein (Burg Frankenstein) em Mühltal, Hesse, ou Castelo Frankenstein em Frankenstein, Palatinado. Há também um castelo chamado Frankenstein em Bad Salzungen, Thuringia. Além disso, existe um chamado município Frankenstein em Saxónia, e antes de 1946, Ząbkowice Śląskie, uma cidade no Silesia, Polónia, era conhecido como Frankenstein em Schlesien. Além disso, o nome é transportado pelo nobre Casa de Franckenstein de Franconia.

Mais recentemente, Radu Florescu, em seu livro In Search of Frankenstein, argumentou que Mary e Percy Shelley visitou Castelo Frankenstein perto Darmstadt, em seu caminho para a Suíça, onde um alquimista famoso chamado Konrad Dippel tinha experimentado com corpos humanos, mas que Maria suprimida mencionar esta visita, para manter a sua reivindicação pública de originalidade. Um recente ensaio literário por dia AJ apoia a posição do Florescu que Mary Shelley conhecia, e visitou Castelo Frankenstein antes de escrever seu romance de estréia. Dia inclui detalhes de um suposto descrição do castelo de Frankenstein que existe em revistas de Mary Shelley 'Lost'. No entanto, esta teoria não é sem críticos; Especialista Frankenstein Leonard Lobo chama isso de "teoria da conspiração ... convincente." De acordo com Jörg Heléne, não pôde ser verificada das revistas perdidas ", bem como as afirmações de Florescu.

Dado o nome de Victor Frankenstein

Uma possível interpretação de nome Victor deriva Paraíso perdido pela John Milton , uma grande influência sobre Shelley (uma citação de Paradise Lost está na página de Frankenstein e Shelley abertura ainda permite que o monstro se a lê-lo). Milton freqüentemente refere-se a Deus como "Victor" in Paradise Lost, e Shelley vê Victor como brincar de Deus através da criação de vida. Além deste, o retrato do monstro de Shelley deve muito ao caráter de Satanás em Paraíso Perdido; na verdade, o monstro diz, depois de ler o poema épico, que ele empathises com o papel de Satanás na história.

Há muitas semelhanças entre Victor e Percy Shelley, o marido de Maria. Victor era um pseudônimo de Percy Shelley, como na coleção de poesia que ele escreveu com sua irmã Elizabeth, Poesia original pelo vencedor e Cazire. Há especulações de que um dos modelos de Mary Shelley para Victor Frankenstein era Percy, que em Eton tinha "experimentado com eletricidade e magnetismo, bem como com pólvora e numerosas reações químicas", e cujos quartos em Oxford estavam cheios de equipamento científico.

Percy Shelley foi o primeiro filho de um latifundiário país rico com fortes ligações políticas e descendente de Sir Bysshe Shelley, 1º de Baronet Castelo Goring, e Richard Fitzalan, 10 Conde de Arundel. A família de Victor é um dos mais ilustres dessa república e seus ancestrais eram conselheiros e síndicos.

Percy tinha uma irmã chamada Elizabeth. Victor tinha uma irmã adotada, chamada Elizabeth.

Em 22 de Fevereiro de 1815, Mary Shelley entregue um bebê prematuro de dois meses e que o bebê morreu duas semanas depois. Percy não se preocupam com a condição de este bebê prematuro e saiu com Claire, meia-irmã de Mary, para um caso escabroso. Quando Victor viu a criatura vir a vida fugiu do apartamento, embora a criatura recém-nascido se aproximou dele, como uma criança faria um pai. A questão da responsabilidade de Victor para a criatura é um dos principais temas do livro.

Modern Prometheus

O Moderno Prometeu é o subtítulo do romance (embora algumas edições modernas agora deixar cair o subtítulo, mencioná-lo apenas em uma introdução). Prometeu, em versões posteriores do mitologia grega, era o Titan que criou a humanidade, a mando de Zeus. Ele fez um ser à imagem dos deuses que poderiam ter um espírito soprou-lo. Prometeu ensinou o homem a caçar, ler, e sararei a sua doente, mas depois que ele enganou Zeus a aceitar ofertas de baixa qualidade de seres humanos, Zeus mantido fogo da humanidade. Prometeu ser o criador, tomou de volta o fogo de Zeus para dar ao homem. Quando Zeus descobriu isso, ele condenado a ser eternamente Prometheus punido, fixando-o a uma rocha do Cáucaso, onde a cada dia uma águia poderia bicar o seu fígado, apenas para o fígado para regenerar o dia seguinte por causa de sua imortalidade como um deus. Ele tinha a intenção de sofrer sozinho por toda a eternidade, mas finalmente Heracles (Hércules) soltou.

Prometeu também era um mito dito em latim, mas era uma história muito diferente. Nesta versão Prometheus faz o homem do barro e da água, novamente um tema muito relevante para Frankenstein, como rebeldes Victor contra as leis da natureza (como a vida é feita naturalmente) e, como resultado é punido por sua criação. Prometeu, um grego Titan que esculpiu o homem de argila e, em seguida, roubou a luz do fogo dos deuses para dar ao homem, esses atos podem ser atribuídas à habilitação de civilização e do dom do homem conhecimentos adquiridos a partir dele. Zeus Prometheus punido; obrigado a pedra enquanto uma águia cada dia iria corroer o fígado de Prometeu. Sofrendo esta Prometheus tormento agonizante teria de enfrentar o seu castigo por toda a eternidade. "Prometeu se tornou uma figura que representava as aspirações humanas, particularmente a busca pelo conhecimento científico, eo risco de consequências não intencionais ou overreaching. Em particular, ele foi considerado na era romântica como incorporando o gênio solitário, cujos esforços para melhorar a existência humana também pode resultar em tragédia: Mary Shelley, por exemplo, deu o PROMETHEUS moderno como o subtítulo de seu romance Frankenstein "Mary Shelley aparentemente intitulado. o livro depois de os princípios conflitantes de conhecimento da história, simbolizando Victor como o PROMETHEUS moderno. Vitoriosos busca sede de conhecimento científico e da tragédia que aconteceu com ele para ultrapassando em seus empreendimentos.

Em 1910, Edison Studios lançou o primeira adaptação cinematográfica da história de Shelley.

O Titan na mitologia grega de Prometeu paralelo Victor Frankenstein. A obra de Victor por criar o homem por novos meios reflete o mesmo trabalho inovador da Titan na criação de seres humanos.

Alguns alegaram que, para Mary Shelley, Prometheus não era um herói, mas sim algo de um diabo, a quem ela culpou por trazer fogo para o homem e, assim, seduzindo a raça humana para o vice de comer carne (fogo trouxe culinária que trouxe caça e matança) .

Byron foi particularmente ligado à peça Prometeu Acorrentado por Ésquilo, e Percy Shelley logo escrever sua própria Prometheus Unbound (1820). O termo "Modern Prometheus" foi realmente inventado por Immanuel Kant , referindo-se a Benjamin Franklin e seus seguida recentes experimentos com eletricidade .

Recepção

Ilustração por Theodor von Holst do frontispício da Edição 1831

Recepção crítica inicial do livro em sua maioria foi desfavorável, agravada pela especulação confuso quanto à identidade do autor. Sir Walter Scott escreveu que "no todo, a obra que nos impressiona com uma alta idéia de gênio original do autor e poder de expressão feliz", mas o Quarterly Review descreveu "um tecido de absurdo horrível e repugnante".

Mary Shelley teve contato com algumas das mentes mais influentes de seu tempo. O pai de Shelley, William Godwin, foi muito progressiva e incentivou sua filha a participar nas conversações que tiveram lugar em sua casa com várias mentes científicas, muitos dos quais estavam ativamente envolvidos no estudo da anatomia. Ela estava familiarizado com as idéias do uso de cadáveres para estudo, a teoria mais recente de usar eletricidade para animar os mortos, e as preocupações da religião e do público em geral sobre a moralidade de adulteração com o trabalho de Deus.

Apesar dos comentários, Frankenstein alcançou um sucesso popular quase imediata. Ele se tornou amplamente conhecido especialmente por meio de adaptações teatrais-Mary Shelley melodramáticos vi uma produção de Presunção; ou The Fate of Frankenstein, um jogo por Richard Brinsley Peake, em 1823. Uma tradução francesa apareceu tão cedo quanto 1821 (Frankenstein: ou le Prométhée Moderne, traduzido por Jules Saladino).

Frankenstein foi tanto bem recebido e ignorado desde a sua publicação anônima em 1818. comentários críticos da época demonstram esses dois pontos de vista. O Belle Assemblee descreveu o romance como "ficção muito corajoso" (139). Quarterly Review afirmou que "o autor tem o poder de ambos concepção e língua" (185). Sir Walter Scott, escrevendo em Compartimento do Edimburgo do Blackwood felicitou "gênio do autor original e poder de expressão feliz" (620), embora ele seja menos convencido sobre a maneira pela qual o conhecimento ganhos monstro sobre o mundo e linguagem. A Revista Edinburgh Literary e Miscelânea esperava ver "mais produções deste autor" (253).

Em dois outros comentários em que o autor é conhecido como a filha de William Godwin, a crítica do romance faz referência à natureza feminina de Mary Shelley. O crítico britânico ataca falhas do romance como a culpa do autor: "O escritor é, entendemos, uma fêmea; este é um agravamento do que a culpa é predominante do romance, mas se a nossa autora pode esquecer a gentileza de seu sexo, não é nenhuma razão pela qual devemos, e devemos, portanto, negar provimento ao romance sem mais comentários "(438) The Literary Panorama e Cadastro Nacional ataca o romance como um." imitação fraca dos romances de Mr. Godwin "produzido pelo "filha de um romancista de estar célebre" (414).

Apesar dessas demissões iniciais, recepção crítica foi largamente positiva desde meados do século 20. Principais críticos como MA Goldberg e Harold Bloom têm elogiado a relevância "estético e moral" do romance e nos anos mais recentes o romance se tornou um tema popular para a crítica psicanalítica e feminista. O romance, hoje, é geralmente considerada como uma obra de referência da literatura romântica e gótica, bem como ficção científica.

Em seu livro 1981 de não-ficção Danse Macabre, autor Stephen King considera o monstro de Frankenstein (juntamente com Drácula ea -Lobo) ser um arquétipo de inúmeras criações terríveis que se seguiram na literatura, cinema e televisão, em um papel que ele se refere como "A Coisa sem nome." Ele considera tais criações contemporâneas como o filme de 1951 A coisa de outro mundo e The Incredible Hulk como exemplos de monstruosidades semelhantes que seguiram em sua esteira. Ele vê o livro como "uma tragédia de Shakespeare" e argumenta: "a sua unidade clássica é quebrado apenas pela incerteza do autor a respeito de onde a falha fatal encontra-são em hubris de Victor (usurpando um poder que pertence somente a Deus) ou em sua incapacidade de assumir a responsabilidade por sua criação após dotando-a a centelha de vida? "

Frankenstein discutidos temas controversos e tocou em idéias religiosas. Victor Frankenstein joga Deus quando ele cria um novo ser. Frankenstein lida com temas cristãos e metafísicas. A importância de Paradise Lost e crença da criatura que é "uma verdadeira história" traz um tom religioso para o romance.

Trabalhos derivados

Existem inúmeros romances recontar ou continuando a história de Frankenstein e seu monstro.

Filmes, peças de teatro e televisão

Uma foto promocional de Boris Karloff como o monstro de Frankenstein
  • 1826: A adaptação de Henry M. Milner, O Homem e O Monstro; ou The Fate of Frankenstein início em 3 de julho no Real Coburg Theatre, em Londres.
  • 1910: Edison Studios produziu a primeira Frankenstein filme, dirigido por J. Searle Dawley.
  • 1915: Vida sem alma, a segunda adaptação cinematográfica do romance de Mary Shelley, foi liberado. Nenhuma cópia conhecida do filme sobreviveu, mas fontes não confiáveis afirmam que o filme foi em uma coleção privada anônima, pelo menos desde 2004.
  • 1931: Frankenstein se tornou um filme da Universal, dirigido por James Whale, estrelando Colin Clive, Mae Clarke, John Boles, Edward Van Sloan, Dwight Frye, e Boris Karloff como o monstro.
  • 1935: James Whale dirigiu a sequela Noiva de Frankenstein, estrelando Colin Clive como o doutor, e Boris Karloff como o monstro mais uma vez. Este incorporou o enredo do romance motivo do Doutor Frankenstein criando uma noiva para o monstro omitido do filme anterior da baleia. Havia mais duas sequelas, antes da Universal "comício monstro" filmes que combinam vários monstros de várias franquias de filme ou série de filmes.
  • 1942-1948: Universal fez filmes "rali monstro" que caracterizam monstro de Frankenstein, Drácula eo Lobo-Man. Incluiu seria Frankenstein encontra o lobo do homem, A Casa de Frankenstein, House of Dracula e Abbott and Costello Meet Frankenstein.
  • 1957-1974: Hammer Films em Inglaterra fez uma série de filmes de Frankenstein estrelando Peter Cushing, incluindo A Maldição de Frankenstein, The Revenge of Frankenstein e Frankenstein deve ser destruído. Co-estrelando esses filmes foram Christopher Lee, Hazel Court, Veronica e Carlson Simon Ward. Outro filme Hammer, O Horror de Frankenstein, estrelou Ralph Bates como o personagem principal, Victor Frankenstein.
  • 1965: Toho Studios criou o filme Frankenstein conquista o mundo ou Frankenstein vs. Baragon, seguido por um pouco de uma sequela Guerra dos Gargantuas. Esta foi a final da franquia Frankenstein de Toho.
  • 1973: O filme de TV Frankenstein: The True Story apareceu na TV americana. O filme fez estrelou Inglês Leonard Whiting, Michael Sarrazin, James Mason, e Jane Seymour.
  • 1981: A adaptação Broadway por Victor Gialanella jogou para um desempenho (aos 29 previews) e foi considerado o flop mais caro já produzido para essa data.
  • 1985: A produção da Broadway falhanço produziu um filme de TV estrelado porRobert Powell,Carrie Fisher,David Warner, eJohn Gielgud.
  • 1992: Frankensteinse tornou um filme Turner Network Television dirigido porDavid Wickes, estrelado porPatrick Bergin eRandy Quaid.John Mills jogou o homem cego.
  • 1994: Frankenstein de Mary Shelleyapareceu em teatros, dirigido e estrelado porKenneth Branagh, comRobert De Niro e Helena Bonham Carter.seu elenco de estrelas também incluiuJohn Cleese,Ian Holm, eTom Hulce.
  • 2011: O Teatro Nacional , em Londres, apresenta uma versão teatral de Frankenstein , correndo até 2 de Maio de 2011. A peça foi escrita por Nick Caro e dirigido por Danny Boyle. Jonny Lee Miller e Benedict Cumberbatch alternam os papéis de Frankenstein ea Criatura. O Teatro Nacional transmitido performances ao vivo do jogo em todo o mundo (às 13:00 e 19:30) em 17 de março.
Adaptações livres
  • 1967: Desculpe a ponte está fora, você vai ter que passar a noite e sua continuação, Frankenstein Unbound (Outro Musical Monstro) , são um par de comédias musicais escritos por Bobby Pickett e Sheldon Allman. Os elencos de ambos apresentam vários personagens de terror clássicos incluindo o Dr. Frankenstein e seu monstro.
  • 1973: The Rocky Horror Show , é um britânico horror comédia palco musical escrito por Richard O'Brian em que o Dr. Frank N. Furter criou uma criatura (Rocky), para satisfazer suas (pro) unidades criativas. Elementos são semelhantes aos que eu sou pesaroso a ponte está fora, você vai ter que passar a noite .
  • 1973: Frankenstein: The True Story tem o monstro ser inicialmente muito bonito, mas tornam-se progressivamente mais feia como a história avança. Ele incorpora diversos elementos da série de terror Hammer.
  • 1973: Frankenstein, de Andy Warhol . Normalmente, o médico é um homem cuja dedicação à ciência leva muito longe, mas aqui o seu interesse é para governar o mundo com a criação de uma nova espécie que lhe obedecem e fazer o seu lance.
  • 1974: Jovem Frankenstein . Dirigido por Mel Brooks, esta sequela-paródia é frequentemente listado como um dos melhores comédias de todos os tempos. Ele reutiliza muitos adereços de James Whale 1931 Frankenstein e é baleado em branco preto-e-1930 com créditos de estilo.
  • 1975: The Rocky Horror Picture Showé o1975 adaptação cinematográfica do britânico rocha stageplay musical, The Rocky Horror Show(1973), escrito porRichard O'Brien.
  • 1984: Frankenweenie é uma paródia dirigido por Tim Burton, estrelado por Oliver Barrett, Shelley Duvall e Daniel Stern. No entanto, Burton foi demitido pela Walt Disney Pictures, porque era muito escuro e assustador para as crianças.
  • 1985: A noiva . Especificamente, um remake de 1935 de A Noiva de Frankenstein que incorporou o romance noiva-motif omitido do filme 1931.
  • 1990: Frankenstein Unbound . Combina uma história de viagem no tempo com a história do romance de Shelley. Cientista Joe Buchanan cria acidentalmente um tempo-rift que o leva de volta para os eventos do romance. Filmado como um filme independente de baixo orçamento em 1990, baseado em um romance publicado em 1973 por Brian Aldiss. Este romance tem qualquer relação com o palco musical 1967 com o mesmo nome listado acima.
  • 1991:Frankenstein: The College Years, dirigido por Tom Shadyac, é outra sequela-paródia em que o monstro de Frankenstein é revivido por estudantes universitários.
  • 1995: Monster Mash é uma adaptação cinematográfica de Desculpe a ponte está fora, você vai ter que passar a noite estrelada por Bobby Pickett como Dr. Frankenstein. O filme também apresenta Candace Cameron Bure, Anthony Crivello e Mink Stole.
  • 2004: Frankensteinfeito para TV filme baseado em Frankenstein de Dean Koontz.
  • 2009:O Diário de Anne Frankenstein, um curta-metragem de Chillerrama.
  • 2011: Frankenstein: Dia da Bestaé um filme de terror independente, baseada frouxamente no livro original.
  • 2011: Victor Frankenstein aparece no ABC mostram Once Upon a Time.
  • 2012: Frankenweenie, remake do filme de Tim Burton de curta-metragem de mesmo nome.
  • 2012:A Nightmare on Lime Street,jogo comédia de Fred Lawless, estrelado porDavid Gest encenada noRoyal Court Theatre, Liverpool.
  • 2014 Bruce vs. Frankenstein, Bruce Campbell - O ator e direção, filme vagamente baseado no livro original.
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Frankenstein&oldid=549961510 "