Conteúdo verificado

Haiku

Assuntos Relacionados: tipos de Literatura

Informações de fundo

Crianças SOS têm produzido uma seleção de artigos da Wikipedia para escolas desde 2005. Antes de decidir sobre o patrocínio de uma criança, por que não aprender sobre as diferentes instituições de caridade de patrocínio primeiro ?

Haiku ( 俳句) ouvir é uma espécie de Poesia japonesa. Foi dado este nome no final do século 19 por um homem chamado Masaoka Shiki por uma combinação das hokku mais velhos ( 発句) eo haikai (ou versículos) em haikai não renga. Haiku, quando conhecido como hokku foram os versos de uma forma uniu verso de abertura, haikai não renga. Em japonês, hokku e haiku são tradicionalmente impressos em uma linha vertical (embora em forma manuscrita eles podem estar em qualquer número razoável de linhas). Em Inglês, haiku são escritos em três linhas de equiparar aos três partes de um haiku em japonês que, tradicionalmente, consistem em cinco, sete, e depois de cinco em (a contagem japonesa sons, sílabas não, por exemplo, a palavra "haiku" em si conta como três sons em japonês, mas duas sílabas em Inglês e escrever dezessete sílabas em Inglês produz um poema que é na verdade um pouco mais longo, com mais conteúdo, do que um haiku em japonês). O kireji (cortando palavra ou pausa) normalmente ocorre no fim da primeira ou segunda linha. Um haicai tradicional contém um kigo (palavra de estação) representante da temporada em que o poema está definido ou uma referência para o mundo natural.

Porque Substantivos japoneses não têm diferentes formas singular e plural, "haiku" é geralmente usado tanto como um substantivo no singular e plural em Inglês também. Praticar poetas haiku e tradutores se referem a "muitos haiku" em vez de "haikus."

Senryu é uma forma de poesia semelhante que enfatiza ironia, sátira, humor, e fraquezas humanas em vez de estações, e pode ou não pode ter kigo ou kireji.

Sílaba ou "On" em Haiku

Enquanto verso Modern Inglês é tipicamente caracterizada por medidor, que conta "batidas", verso japonês em vez tipicamente conta unidades de som, conhecidos em japonês como " on ". A palavra é muitas vezes traduzido em vagamente (e um tanto imprecisa) como" sílabas ", mas é problemático pensar que eles são equivalentes. O haicai tradicional consistia de um padrão de 5, 7 e 5 por diante.

A palavra japonesa em, literalmente, "som", corresponde a um Mora, uma unidade fonética semelhante mas não idêntico ao sílaba de idiomas como Inglês . (A palavra onji (音字;. 'Símbolo som') é por vezes utilizado para se referir às unidades de sílabas japonesas em Inglês, embora esta palavra é arcaico e não mais atual em japonês) Em japonês, o no corresponde muito de perto à contagem de caracteres kana (perto o suficiente para que Moji (ou "Símbolo do caráter") também é usado às vezes como a unidade de contagem). One on é contada por um curto sílaba, um adicional para uma vogal alongada ou uma consoante o dobro (ou seja, uma glotal), e uma para um "n" adicionados no final de uma sílaba. Assim, a palavra "sinal", apesar de uma sílaba em Inglês, seria contado como três sons se disse em japonês (algo como "suspiro-ya-uhn").

Embora seja possível para dissecar a diferença entre contando com e contando sílabas em grande detalhe, na prática, para alguns haiku japonês clássico a contagem de em muitas vezes é idêntica à contagem de sílabas. No entanto, porque a maioria das palavras japonesas são polissilábico, com sons muito curto (como o de três sílabas Inglês palavra "rádio", mas ao contrário das palavras de uma sílaba "pensamento" ou "estressado"), os dezessete sons de uma haiku japoneses têm menos informações do que dezessete sílabas. Consequentemente, escrita dezessete sílabas em Inglês normalmente produz um poema que é significativamente "mais" do que um haiku japonês tradicional. Como resultado, a grande maioria dos escritores haiku literários em Inglês escrever seus poemas usando cerca de dez a quatorze sílabas, sem um padrão formal.

Possivelmente a mais conhecida do haiku japonês é "Pond velho" haiku de Basho:

古池や蛙飛込む水の音

Este separa-se em como:

furuike ya
(Fu / ru / i / ke ya): 5
kawazu tobikomu
(Ka / wa / zu a / bi / ko / mu): 7
mizu no oto
(Mi / zu não o / a): 5

Traduzido aproximadamente:

lagoa de idade
um sapo pula
o som da água

Haicais são escritas como três linhas diferentes, com um intervalo gramatical distinta entre dois deles, denominados uma kireji, geralmente colocado na extremidade de um ou outro da primeira ou segunda linha. Em japonês, existem palavras kireji reais, que funcionam como uma espécie de pontuação falada (por exemplo, o "ya" no final do poema de Bashō "furuike-ya" é um kireji). Em Inglês, kireji não tem equivalente direto. Em vez disso, poetas de língua Inglês costumam usar vírgulas, traços, elipses, ou quebras implícitas para dividir as três linhas em duas partes gramaticais e imagéticos. O objectivo consiste em criar uma justaposição, o que cria um espaço para uma implicação como o leitor intui a relação entre as duas partes. Entre a maioria dos escritores haiku japonês, o kireji e kigo são os dois requisitos não negociáveis considerados para o gênero, mas raramente são ministradas em Inglês. Estes elementos, apesar de considerada por muitos a ser essencial para haiku, nem sempre são incluídos por escritores modernos de haiku japonês "de forma livre" e alguns não-haiku japonês. Em japonês haiku "de forma livre", esta omissão é deliberada.

Exemplos

  • Um exemplo de hokku clássico por Matsuo Basho:
富士の風や扇にのせて江戸土産
fuji no Kaze ni ya oogi nosete Edo miyage
o vento do Mt. Fuji
Eu trouxe no meu fã!
um presente de Edo
  • Outro clássico Bashō:
初しぐれ猿も小蓑をほしげ也
hatsu shigure saru mo komino wo hoshige nari
o primeiro banho de água fria
até mesmo o macaco parece querer
um pouco casaco de palha

(Naquela época, rain-gear japonês consistiu de um grande, redondo boné e uma palha desgrenhado manto.)

Origem e evolução

De renga para haikai

A origem exata do hokku ainda está sujeito a debate, mas é geralmente aceite que se originou a partir de versos ligados clássica chamado renga (連歌).

Os primeiros 5-7-5 unidades de som de um curto renga é chamado de 'maeku' (e parece e soa como um haiku) para que outra pessoa escreve uma resposta, um 'tsukeku' - acrescentou verso - que está ligado ao anterior usando o equivalente a 7-7 unidades de som japonesa escrita em duas linhas. A renga tan é basicamente um tanka escrito por duas pessoas.

  • A longa renga, chōrenga, consiste de uma sucessão alternada de choku e tanku. Originalmente, a renga consistia de 100, 1000, e as ligações até 10.000. Durante o tempo de Basho ele encurtou o renga 100-verse até 36 links. Foi então chamado de renga "kasen". O primeiro verso de uma longa renga é uma choku (5-7-5) chamado hokku (発句, "o verso de abertura»), o segundo é um tanku (7-7) chamado waki, ... eo último é um chamado tanku ageku.

Em 1400 uma crescente classe média levou ao desenvolvimento de um verso menos cortês ligada chamado brincalhão uniu verso (俳諧の連 haikai não renga). O termo haikai não renga aparece pela primeira vez na coleção renga Tsukubashu. Haiku surgiu quando o verso de haikai não renga foi feito um poema independente em meados do século 17 abertura.

Os inventores da haikai não Renga (abrev. Haikai) são geralmente considerados como sendo Yamazaki Sokan ( 1465- 1553) e Arakida Moritake ( 1473- 1549). Expoentes posteriores do haikai foram Matsunaga Teitoku ( 1571- 1653), o fundador da escola Teimon, e Nishiyama Soin ( 1605- 1682), o fundador da escola Danrin. Coloquialismo deliberada da escola Teimon feito haikai popular, mas também fez dele dependem jogo de palavras. Para combater esta dependência, a escola Danrin explorou a vida diária das pessoas para outras fontes de brincadeira, mas muitas vezes acabamos com frivolidade.

No 1600, surgiu a dois senhores que elevou haikai e deu-lhe uma nova popularidade. Eles eram Matsuo Basho ( 1644- 1694) e Onitsura ( 1661- 1738). Hokku foi apenas o primeiro verso de haikai, mas sua posição como o verso de abertura fez dele o mais importante, dando o tom para toda a composição. Mesmo que às vezes hokku apareceu individualmente, eles foram entendidos para estar sempre no contexto de haikai, como eles faziam parte dos versos de um renga. Bashō e Onitsura foram, assim, escritores de haikai dos quais hokku era apenas uma parte. Muitos mais destes versos 'stand-alone' haikai foram escritos que foram utilizados em renga. Basho também usou seu haiku como pontos de binário para seus esboços prosa curta e mais longos diários de viagem que combinados prosa e haiku. Esta sub-gênero do haikai é conhecido como haibun (veja Haibun Definido: Antologia de haibun Definições) .His livro mais conhecido, Oku não Hosomichi, ou estradas estreitas para o Extremo Norte, é a mais famosa obra literária no Japão e tem sido traduzida em Inglês extensivamente. Ele ainda existe na forma como o jogo Banana Skies.

Basho foi deificado tanto pelo governo imperial e Xintoísmo sede religiosa cem anos após sua morte, porque ele levantou o gênero de um jogo lúdico da sagacidade à poesia sublime. Durante sua vida ele foi o mais famoso poeta no Japão e ainda é hoje.

O tempo de Buson

Sepultura de Yosa Buson

A próxima famoso estilo de haikai a surgir foi o de Yosa Buson ( 1716- 1,783 mil ) e outros, tais como Gyōdai, Chora, Ranko, Ryota, Shōha, Taigi, e Kito, o chamado estilo Tenmei após a Tenmei Época ( 1781 - 1.789 ) na qual ele foi criado. Buson era mais conhecido em sua época como um pintor do que como um escritor de haikai, mas, hoje, que é invertida. Sua afeição para a pintura pode ser visto no estilo pictórico de seu hokku, e em sua tentativa de organizar deliberadamente cenas em palavras. Hokku não era tanto uma questão séria para Buson como foi para Bashō. A popularidade ea frequência dos encontros haikai neste período levou a um maior número de versos que saltam da imaginação, em vez de partir da experiência real.

Nenhum novo estilo popular seguido Buson. Uma abordagem muito individualista para haikai apareceu, no entanto, em que o escritor Kobayashi Issa ( 1763 - 1827 ), cuja infância miserável, a pobreza , a vida triste, e devoção ao Pure seita Terra do budismo estão claramente presentes em sua Hukku.

O aparecimento de Shiki

Depois de Issa, haikai entrou em um período de declínio em que se reverteu a frivolidade ea mediocridade sem inspiração. Os escritores deste período no século 19 são conhecidos pela Tsukinami deprecatory termo, que significa 'mensal', após as reuniões mensais haikai ou duas vezes por mês do final do século 18 . Mas, em relação a este período de haikai, passou a significar 'banal' e 'banal'.

Esta era a situação até o aparecimento de Masaoka Shiki ( 1867 - 1902 ), um reformista e revisionista que marca o fim do hokku num contexto mais amplo. Shiki, um escritor prolífico, embora cronicamente doente durante uma parte significativa de sua vida, não só não gostava dos escritores Tsukinami, mas também criticou Bashō. Como o japonês mundo intelectual em geral, nesse momento, Shiki foi fortemente impressionado com a cultura ocidental. Ele favoreceu o estilo de pintura de Buson e particularmente o conceito europeu de plein-air pintura , que ele adaptou para criar um estilo de hokku reformada como uma espécie de esboço natureza em palavras, uma abordagem chamada shasei, literalmente 'esboço da vida ". Ele popularizou seus pontos de vista por colunas e verso ensaios em jornais .

Todos hokku até o momento de Shiki foram escritas no contexto de haikai, mas Shiki completamente separados seu novo estilo de verso de contextos mais amplos. Ser agnóstico , ele também separou-lo a partir da influência do budismo com o qual hokku muitas vezes tinha sido tingido. E, finalmente, ele descartou o termo "hokku" e chamou o seu verso forma "haiku" revisto. Shiki tornou-se assim o primeiro poeta de haiku. Sua revisionismo trouxe um fim à haikai e hokku, bem como para sobreviver escolas haikai.

Haiga

Haiga, a combinação de haiku e arte, é quase tão antiga quanto a própria haiku. Haiga começou como haiku adicionado a pinturas, mas incluídos no Japão a pintura caligráfica de haiku através de pinceladas, com a caligrafia somando-se o poder do haiku. Anteriores poetas haiku adicionado haiku às suas pinturas, mas Bashō é conhecida por criar pinturas haiga tão simples como o próprio haiku. Yosa Buson, um mestre pintor, trouxe uma abordagem mais artística para haiga. Foi Buson que ilustrou famoso diário de viagem de Basho, Oku não Hosomichi - Estrada estreita para o Extremo Norte.

Hoje, artistas combinar haiku com pinturas, fotografias e outra arte.

Haiku na ?ndia

Línguas indianas que seguem Indic (abugida) sistema alfabético interpretar 5,7,5 estruturas contagem CV, CCV, CCCV ou CCCCV agrupamentos, independentemente da duração das sílabas. No início do século 20 laureado com o Nobel Rabindranath Tagore composta Haiku em Bengali . Ele também traduziu alguns de japonês. Em Gujarati, Jheenabhai Desai 'Sneharashmi' popularizou Haiku e continua a ser o compositor Haiku mais popular. No espírito syncratic tradicional da literatura Gujarati, poetas como Bhagavatikumar Sharma e Bhushit Joshipura compuseram Ghazals com ações formadas como Haiku. Este tipo de poesia é nomeado como Haiku Ghazal. Urdu (que está escrito no sistema alfabético abjad) interpreta 5,7,5 estruturas contando sílabas longas. Dr. Rehmat Yusufzai compôs uma série de Haikus em Urdu.

Haiku no Ocidente

Embora houvesse tentativas de fora do Japão a imitar o antigo hokku no início 1900, havia pouca compreensão genuína dos seus princípios. Os primeiros estudiosos ocidentais, tais como Basil Salão Chamberlain ( 1.850 - 1.935 ) e William George Aston eram em sua maioria não condiz com valor poético de hokku. Um dos primeiros defensores da hokku em língua Inglês foi o poeta japonês Yone Noguchi. Em "Uma Proposta para a American Poets", publicado na revista Reader em fevereiro de 1904, Noguchi deu um breve esboço da hokku e alguns de seus próprios esforços ingleses, que termina com a exortação: "Pray, você tenta japonês hokku, meus poetas americanos ! " Mais ou menos ao mesmo tempo, o poeta Sadakichi Hartmann estava publicando hokku em língua original em Inglês, bem como outras formas japoneses em Inglês e Francês.

Na França, hokku foi introduzido por Paul-Louis Couchoud por volta de 1906. Os artigos de Couchoud foram lidas no início de Imagist teórico FS Flint, que passou idéias (um pouco) idiossincráticas de Couchoud a outros membros do proto Imagist Clube dos Poetas, como Ezra Pound . Amy Lowell fez uma viagem a Londres apenas para atender Pound e descobrir mais sobre haiku. Ela voltou para os Estados Unidos, onde trabalhou para os outros juros nesta forma "nova". Haiku, posteriormente, teve uma influência considerável sobre imagistas na década de 1910, nomeadamente Pound " Em uma estação do Metro "de 1913, mas, apesar de vários esforços por Yone Noguchi para explicar "o espírito hokku," havia ainda tão pouco entendimento da forma e da sua história.

Uma tradução precoce de um livro haiku para um idioma ocidental, neste caso, para o espanhol, foi realizada pelo poeta mexicano e vencedor do Prêmio Nobel Octavio Paz com a colaboração de Eikichi Hayashiya. Em 1956, eles publicaram "Sendas de Oku", o famoso livro de Matsuo Basho, "Oku não Hosomichi." Octavio Paz escreveu um ensaio sobre o trabalho de tradução, e publicado no livro "El signo y el garabato."

Blyth

Depois interesse Imagist no início de haiku do gênero atraiu menos atenção em Inglês até depois da Segunda Guerra Mundial, com o aparecimento de uma série de volumes influentes sobre haiku japonês.

Em 1949, com a publicação no Japão do primeiro volume de Haiku, a obra em quatro volumes por RH Blyth, haiku foi introduzido ao mundo pós-guerra. Blyth foi um Inglês que viveu no Japão. Ele produziu uma série de trabalhos em Zen, haicais, senryu, e em outras formas de Literatura japonesa e asiática. Os mais relevantes aqui são o seu Zen em Inglês e Literatura e Classics Oriental (1942); sua série de quatro volumes Haiku (1949-1952) lidando principalmente com hokku pré-moderno, embora incluindo Shiki; e sua história de dois volumes de Haiku ( 1964 ). Hoje ele é mais conhecido como um grande intérprete de haiku para falantes de inglês.

Atitudes atuais para o trabalho de Blyth variar. Muitos escritores contemporâneos de haiku foram introduzidas para o gênero através de suas obras. Estes incluem a San Francisco e Os escritores de geração, tais como Jack Kerouac, Gary Snyder, e Allen Ginsberg. Muitos membros da internacional "comunidade haiku" também tem suas primeiras exibições de haiku dos livros de Blyth, incluindo James W. Hackett, Eric Amann, William J. Higginson, Anita Virgílio, Jane Reichhold, e Lee Gurga. No final do século XX, os membros daquela comunidade com conhecimento direto do haicai japonês moderno frequentemente observado desgosto de Blyth para haiku em temas mais modernos e sua forte viés em relação a uma conexão direta entre haiku e Zen, uma "conexão" em grande parte ignorada pelos poetas japoneses. (Bashō, na verdade, sentia que sua devoção ao haiku o impediu de realizar a iluminação) Blyth também não ver haiku por mulheres japonesas favoravelmente, minimizando as suas contribuições substanciais para o gênero, especialmente durante a era Bashō e do século XX.

Embora Blyth não previu o aparecimento de haiku originais em outros idiomas que não o japonês quando começou a escrever sobre o tema, e, embora ele fundou nenhuma escola do verso, as suas obras estimulado a escrita de haiku em Inglês. No final do segundo volume de sua História da Haiku (1964), ele observou que "O mais recente desenvolvimento na história do haiku é um que ninguém previu, ... a escrita de haiku fora do Japão, não na língua japonesa. " Ele seguiu o comentário com vários versos originais em Inglês pelo norte-americano James W. Hackett (b. 1929), com quem Blyth correspondeu.

Yasuda

Em 1957, o Charles E. Tuttle Co., com escritórios no Japão e os EUA, publicou O japonês Haiku: sua natureza essencial, História e Possibilidades em Inglês, com exemplos selecionados pelo estudioso e tradutor japonês-americano Kenneth Yasuda. O livro é composto principalmente de material de tese de doutorado de Yasuda em Universidade de Tóquio (1955), e inclui tanto as traduções de poemas japoneses e originais de sua autoria em Inglês que já havia aparecido em seu livro A pimenta-Pod: Poemas japoneses clássicos juntamente com Original Haiku (Alfred A. Knopf, 1947). Em O japonês Haiku, Yasuda apresentaram algum teoria crítica japonês sobre haiku, especialmente com comentários por poetas do século XX primeiros e críticos. Suas traduções aplicar uma contagem 5-7-5 sílaba em Inglês, com a primeira ea terceira linhas de fim-de-rimados. A teoria de Yasuda inclui o conceito de um "momento haiku", que ele disse é baseado na experiência pessoal e fornece a motivação para escrever um haiku. Enquanto o resto de seus escritos teóricos sobre haiku não é amplamente discutido, sua noção do momento haiku tem ressoado com escritores haiku na América do Norte, embora a noção não é amplamente promovida em haiku japonês.

O impulso para escrever haiku em Inglês na América do Norte provavelmente foi dado mais de um empurrão por dois livros que apareceram em 1958 do que por livros de Blyth diretamente. Sua influência indireta foi sentida através dos escritores beat; Jack Kerouac é o Dharma Bums apareceu em 1958, com um de seus personagens principais, Japhy Ryder (com base na Gary Snyder), escrevendo haiku.

Henderson

Também em 1958, An Introduction to Haiku: Uma Antologia de Poemas e poetas de Bashô para Shiki por Harold G. Henderson, veio da editora americana Doubleday Anchor Books. Esta foi uma revisão cuidadosa do anterior livro de Henderson O Bamboo Broom (Houghton Mifflin, 1934), que, aparentemente, chamou pouca atenção quanto o mundo espiral em ditaduras militaristas antes da Segunda Guerra Mundial. (Depois da guerra, Henderson e Blyth trabalhou para a ocupação americana no Japão e para a Casa Imperial, respectivamente, e sua apreciação mútua de haiku ajudou a formar um vínculo entre os dois, mesmo quando eles colaboraram em comunicações entre os respectivos empregadores.)

Henderson traduzido cada hokku e haiku em um rimado tercet (ABA), ao passo que os originais japoneses nunca usaram rima. Ao contrário de Yasuda, no entanto, ele reconheceu que dezessete sílabas em Inglês são geralmente mais tempo do que o dezessete morae de um haiku japonês tradicional. Porque os modos normais de Inglês poesia dependem metros accentual em vez de silábicos, Henderson escolheu para enfatizar a ordem dos eventos e imagens em originais. No entanto, muitas das traduções de Henderson ainda estavam no padrão cinco-sete-cinco.

Henderson também se congratulou com a correspondência e, quando os norte-americanos começou a publicar revistas dedicadas à haicais em Inglês, ele encorajou-os. Não é tão dogmática como Blyth, Henderson insistiu apenas que um haiku deve ser um poema, e que o desenvolvimento de haiku em Inglês seria determinada pelos poetas.

O brotar de haiku americana

Precisamente quem se qualifica como o primeiro poeta de haiku americana depende da definição de haiku. Durante o período Imagist, uma série de poetas tradicionais escreveu o que eles chamavam de "hokku", geralmente no padrão cinco-sete-cinco. Amy Lowell publicou vários "hokku" em seu livro "O que é O'Clock" (1925; vencedor do Prêmio Pulitzer), e até mesmo EE Cummings escreveu hokku um pouco mais cedo, entre outros poetas. Individualistas "haiku-like" versos do poeta budista inovador e artista Paul Reps (1895-1990) apareceu na imprensa, já em 1939 (Mais poder para si - Poemas todos podem fazer, Visualização Publications, Montrose CA.). Outros ocidentais inspirados por traduções de Blyth tentativa de haiku original é em Inglês, embora novamente geralmente não compreender os princípios por trás da forma de verso, que em Blyth é predominantemente o hokku mais desafiador ao invés do haiku mais tarde e mais de forma livre. Os versos resultantes, incluindo as do Período Beat, muitas vezes eram pouco mais do que a brevidade do formulário haiku, combinado com as idéias atuais do conteúdo poético, ou tentativas desinformados na poesia "Zen"; no entanto, alguns por Kerouac e Richard Wright, em particular, continuam a ser marcantes primeiros exemplos do gênero e esboçar a concisão da prática contemporânea.

Neve no meu sapato
Abandonado
Ninho de pardal
--Jack Kerouac (recolhidos no Livro da Haikus, Penguin Books, 2003)

O romancista Africano-Americano Richard Wright, em seus últimos anos, composto cerca de 4.000 haiku, mas apenas 817 dos quais são recolhidas no volume Haiku: O Outro Mundo. Wright alisei a uma estrutura silábica 5-7-5 para cerca de três quartos destes versos, e freqüentemente empregada imagery surreal e temas políticos implícitos. Seu conteúdo e estilo (mesmo para baixo para o seu recuo de linhas) foi fortemente influenciado pelas traduções de RH Blyth (livros de Blyth foram principal influência de Wright, e talvez até mesmo sua única influência). Poetas Gerald Vizenor, Gordon Henry, Jr., e Kimberley Blaeser ter ligado o formulário haiku com a tradição do nativo americano / Primeiras Nações dos Povos da Anishinaabe tribo, salientando, como sempre fazia Wright também, a interligação essencial dos seres humanos eo mundo natural.

Whitecaps na baía:
Um barulho tabuleta quebrado
No vento abril.
--Richard Wright (coletados em Haiku: O Outro Mundo, Arcade Publishing, 1998)

Uma antologia precoce de haiku Americana, ?gua Borrowed (Tuttle: 1966) dos trabalhos do Los Altos (Califórnia) Mesa Redonda foi compilado por Helen Chenoweth Stiles. Haiku naquele tempo eram obrigados pela regra do uso de dezessete sílabas em inglês.

O trabalho experimental de batida e minoria haiku poetas expandiu a popularidade de haiku em Inglês. Apesar das alegações de que haiku não teve muito impacto na cena literária, uma série de poetas "mainstream", como Richard Wilbur, James Merrill, Etheridge Knight, William Stafford, WS Merwin, John Ashbery, Donald Hall, Seamus Heaney, Wendy Cope, Ruth Stone, Sonia Sanchez, Paul Muldoon, Billy Collins, e outros tentaram sua mão em haiku. Muitas vezes, porém, eles se aproximaram de uma maneira relativamente desinformado, mais como uma forma fixa de como o gênero complexa, cheia de nuances que é. O seu trabalho tem demonstrado frequentemente nenhuma consciência dos princípios da palavra de estação, cortando palavra, imagens objectivas, ou outras características dominantes do gênero. Haiku também provou ser muito popular como uma forma de introduzir os alunos a poesia em escolas de ensino fundamental e como um passatempo para numerosos escritores amadores.

O norte-americano "movimento haiku" realmente começa em 1963 com a fundação da revista americana Haiku em Platteville, Wisconsin editada por James Bull and Donald Eulert. Entre os colaboradores para a primeira edição eram poetas JW Hackett, ó Mabson Southard (1911-2000), Nick Virgilio (1928-1989), e Virginia Brady Young. Considerando Hackett representou um experiencial / abordagem existencial / Zen para haiku, Virgilio exemplificado uma concepção mais estética que incorporaram "encontrado" e elementos imaginários. Na segunda edição do American Haiku Virgilio publicou seu "lírio" e haiku "bass", que se tornaram modelos de brevidade, quebrando a forma silábica tradicional 5-7-5, aproximando a duração real de haiku japonês, e na direção do mais magro concepção de haiku que iria tomar posse nas décadas subsequentes.

lírio:
fora da água
fora de si
--Nick Virgilio (seleccionado Haiku, Burnt Lake Imprensa / Preto Moss Press, 1988)
baixo
picking erros
fora da lua
--Nick Virgilio (seleccionado Haiku, Burnt Lake Imprensa / Preto Moss Press, 1988)

Haiku americana terminou publicação em 1968 e foi sucedido por Modern Haiku em 1969, que continua a ser o jornal haiku estréia em Inglês. Outros jornais haiku em língua Inglês early incluído Haiku Destaques (fundada 1965 por Jean Calkins e, mais tarde tomado por Lorraine Ellis Haar, que mudou o nome para Dragonfly), Haiku de Eric Amann (fundada 1967), e Haiku Oeste (fundada 1967).

O Haiku Society of America foi fundada em 1968 e começou a publicar seu jornal Frogpond em 1978. Em 1991, a conferência bienal Haiku América do Norte (www.haikunorthamerica.com) foi realizado pela primeira vez na Califórnia, e continua a ser o principal ponto de encontro para os principais haiku poetas, acadêmicos e tradutores no continente.

Algumas questões-chave que os profissionais haiku americana continuam a debater incluem: comprimento e estrutura apropriada de haiku, o uso e importância de kigo (incluindo em regiões com pouca variação sazonal), a relação de haiku de Zen, o uso de imagens natural e urbano, a distinção entre haiku e senryu relacionados com o gênero, haiku gramática, ea incorporação de elementos subjetivos, incluindo pronomes pessoais. Para alguns poetas de haicai, esses problemas são resolvidos, mas poetas sérios novos ao gênero continuar a levantar estas questões, então eles continuam a persistir. Recursos para poetas e estudiosos tentam compreender de língua Inglês estética haiku ea história são de William J. Higginson Haiku Handbook (McGraw-Hill, 1985), Cor van den Heuvel de O Haiku Anthology (terceira edição, Norton, 1999), e haicais de Lee Gurga : Guia de um Poeta (Modern Haiku Press, 2003).

Embora o idioma Inglês "movimento haiku" é um empreendimento coletivo com muitos contribuintes significativos, pode-se destacar particularmente notáveis realizações individuais por poetas como Hackett, Virgilio, Charles B. Dickson (1915-1991), Elizabeth Searle Cordeiro (1917- 2005), Raymond Roseliep (1917-1983), Robert Spiess (1921-2002), e John Wills (1921-1993). Dickson, Spiess, e Wills são todos os exemplares de uma abordagem orientada para a natureza para haiku, enquanto Roseliep (um padre católico) adoptou um estilo aventureiro metafísica que faz dele o John Donne ou George Herbert de haiku americano.

um willow-- envelhecimento
sua imagem instável
na corrente que flui
--Robert Spiess (Red Moon Anthology, Red Moon Press, 1996)
aguaceiro:
meu "eu-tu"
Camiseta
--Raymond Roseliep (Coelho na Lua, Alambique Press, 1983)

Particularmente notáveis figuras ainda activas na comunidade haiku incluem: Jane Reichhold (b.1937), Peggy Willis Lyles (1939 b.), Marlene Mountain (1939 b.), George sueco (b. 1940), vincent tripi (b. 1941), Alexis Rotella (b. 1947), Christopher Herold (b. 1948), John Stevenson (b. 1948), Lee Gurga (b. 1949), Gary Hotham (b. 1950), Alan Pizzarelli (b. 1950), Jim Kacian (b. 1953), e Michael Welch Dylan (b. 1962). Seu trabalho exemplifica muitas tendências importantes. Por exemplo, sueco, Rotella, Pizzarelli, e Stevenson muitas vezes borrar a linha entre haiku e senryu.

Apenas amigos:
ele vê o meu vestido de gaze
soprando na linha.
--Alexis Rotella (depois de um caso, Mesclando Media, 1984)
chuva de meteoros. . .
uma onda suave
molha as sandálias
--Michael Dylan Welch (HSA Boletim XV: 4, Outono de 2000)
uma mosca
em toda parte
o calor
--Marlene Mountain (Cigarra 2.1, 1978)

Marlene Mountain foi um dos primeiros ou mais persistentes poetas haiku em língua Inglês para escrever haiku em uma única linha horizontal, uma forma menos favorecida, em Inglês, mas que ganha cada vez mais destaque. Este formulário foi introduzido pela primeira vez a um público mais amplo, as traduções de Hiroaki Sato de Ozaki Hosai e outros 20th Century japonês Haiku poetas na década de 1970 (ver do país de oito ilhas co-editado com Burton Watson). O haiku de linha única foi praticado com bastante sucesso por John Ashbery, Allen Ginsberg, Marlene Mountain, John Wills, e Matsuo Allard, e tem sido usado mais recentemente por poetas como M. Kettner, Chris Gordon, Scott Metz, Jim Kacian, e Charles Trumbull, para citar alguns (ver Haiku: Guia de um poeta por Lee Gurga). Haiku das quatro linhas ou mais também são escritos, alguns deles poemas verticais com apenas uma ou duas palavras em uma linha. O poema vertical tem sido adotado pelo poeta prolífico e bookmaker John Martone, cujo trabalho chama a atenção para Gary Snyder, Robert Creeley, e melhor obra de Jack Kerouac.

Outro poeta haiku pioneiro, Cor van den Heuvel (. B 1931), editou a norma Haiku Anthology (1ª ed, 1974;. 2nd ed., 1986;. 3 ed, 1999). A terceira edição, publicado pela WW Norton, continua a ser a melhor introdução para a realização de haiku em língua Inglês poesia até 1999, embora já se tornou um pouco datada em suas seleções por causa da ascensão da Internet. Desde a sua publicação, outra geração de poetas haiku vem ganhando destaque no novo milênio e da era da Internet. Entre as mais amplamente publicada e honrado desses poetas são Fay Aoyagi, Connie Donleycott, Carolyn Hall, Paul M., Scott Metz, Christopher Patchel, Chris Gordon, Chad Lee Robinson, e Billie Wilson (veja o fio solto: A Lua Anthology Red de Inglês-Language Haiku 2001, Jim Kacian Editor-in-Chief: Red Moon Imprensa 2002). Mas o número total de poetas significativos parece estar aumentando, e uma série de outros nomes devem ser apresentados (ver Echoes: The New Ressonância Poets editado por Jim Kacian e Alice Frampton: Red Moon Imprensa 2007). Consequentemente, a necessidade de uma quarta edição da antologia van den Heuvel de, ou um proeminente nova antologia compilada por um outro editor, parece ser muito em ordem. No entanto, van den Heuvel publicou recentemente Baseball Haiku (Norton, 2007), um livro muito popular que representa alguns escritores mais recentes, embora confinado a um determinado assunto.

O trabalho de recentemente o aumento dos poetas de haicai e seus antecessores pertence ao pequeno movimento imprensa e figura proeminente em publicações de longa data, como Haiku Moderna e Frogpond. Outros importantes revistas de haiku contemporâneos incluem Mayfly (fundada por Randy e Shirley Brooks em 1986), Bolota (fundada por AC Missias em 1998), Garrafa Rockets (fundada por Stanford M. Forrester), e O Ninho de Heron (fundada por Christopher Herold em 1999 , uma publicação baseada na Internet com uma cópia anual). Anteriormente, couve de Bruxelas (editado 1988-1995 por Francine Porad), Woodnotes (editado 1989-1997 por Michael Welch Dylan) e de Hal Roth Wind Chimes fez um impacto significativo. Também está sendo publicados são do jornal Australian Vespa de papel e publicações norte-americanos mais recentes, como Wisteria , Moonset , White Lotus , eo baseado na Internet Simplesmente Haiku . Muitas revistas de haiku surgiram e desapareceram ao longo das últimas cinco décadas; o poder de permanência de Modern Haiku (atualmente editada por Charles Trumbull) e Frogpond (atualmente editado por John Stevenson) é a excepção e não a regra -. mas atesta a continuidade ea vibração contínua de idioma Inglês-haiku Raw Nervz Haiku , editada por proeminente poeta haiku canadense Dorothy Howard, foi um bastião de haiku experimental para a maioria da década de 1990 e só recentemente deixou de publicação. formiga formiga formiga formiga formiga haiku contemporânea e experimental, editado por Chris Gordon, tem publicado desde 1994, com ênfase na inovação enquanto permanece enraizada a estética do núcleo do formulário. Scott Metz e haiku revista on-line de Jason Sanford Brown Roadrunner oferece um dos melhores locais da Internet para uma variedade de poetas haiku qualidade.

Entre editores contemporâneas significativas de livros haiku são Red Moon Imprensa de Jim Kacian, Randy Brooks Livros de Brooks, imprensa de Michael Dylan Welch Aqui, AHA Livros de Jane Reichhold, e de John Barlow Snapshot Imprensa no Reino Unido Todos têm produzido antologias de alta qualidade e coleções single-autor .

pomba de lamentação
respostas luto dove--
coolness após a chuva
--Wally Świst (O silêncio entre nós, Brooks Books, 2005)
tão de repente inverno
dentes do bebê na parte inferior
do botão jar
--Carolyn Hall (linhas de água, Snapshot Press, 2006)

Outro acontecimento significativo em haiku em língua Inglês foi a fundação, em 1996, dos haicais Arquivos Americana, que é o maior arquivos públicos de material relacionado com o haicai fora do Japão. É abrigado na Biblioteca Estadual da Califórnia em Sacramento, e inclui os arquivos oficiais da Sociedade dos haicais da América, juntamente com doações significativas das bibliotecas de Elizabeth Searle Lamb, co-fundador Jerry Kilbride, Jane Reichhold, Lorraine Ellis Harr, Francine Porad, e muitos outros. Os arquivos tem um Web site em www.americanhaikuarchives.org.

Hoje, haiku são escritos em muitas línguas, mas a maioria dos poetas ainda estão concentradas no Japão e em países de língua Inglês. Haiku já teve uma influência significativa sobre a poética ocidentais, mas a medida em que o "movimento haiku" irá tornar-se integrado em cânones literários existentes continua a ser visto.

Haiku contemporânea em língua Inglês

Enquanto tradicional hokku / haiku focada em natureza eo lugar de seres humanos na natureza, modernos poetas haiku freqüentemente considerar qualquer assunto adequado, quer relacionados com a natureza, um ambiente urbano, ou mesmo um tecnológica contexto. Enquanto hokku velho evitado alguns temas como romance, sexo, e ostensiva violência, haiku contemporânea muitas vezes lidar especificamente com esses temas.

Hokku tradicional / haiku necessário um longo período de aprendizagem e amadurecimento, mas haiku contemporânea é muitas vezes (e erroneamente) considerados como uma forma de "instantânea" de breve verso que pode ser escrito por qualquer pessoa, desde crianças em idade escolar para os profissionais. Muitos escritores de haiku moderno permanecer fiel aos padrões de Hokuu idade, essas normas no entanto, alguns outros poetas de haicai contemporâneo caíram, enfatizando a liberdade pessoal e perseguindo exploração em curso, tanto na forma e no assunto.

Devido aos vários pontos de vista e práticas de hoje, é impossível destacar qualquer estilo ou formato atual ou submeter a matéria como definitiva "haiku". No entanto, algumas das práticas mais comuns em Inglês são:

  • Uso de três (ou menos) linhas de cerca de 17 ou menos sílabas
  • Uso de uma palavra temporada (kigo)
  • Use de um corte oucesura (às vezes indicado por um sinal de pontuação) para contrastar e comparar, implicitamente, dois eventos, imagens ou situações

Este afrouxamento gradual dos padrões tradicionais, encorajados por esses poetas-críticos como Bob Grumman, resultou na palavra "haiku" aplicado aos breves "poemas", matemáticos ("mathemaku") ea poesia visual por Scott Helms. Essa tentativa de alongamento definições de haiku pode ser considerado excessivo, mas Grumman tenta defender a sua posição, apontando para uma suposta indefinição de limites de definição no Japão. Aqueles cientes do japonês ea cena do haiku no Japão disputam esta reivindicação.

No início do século 21, há uma próspera comunidade de poetas de haicai em todo o mundo, comunicando-se principalmente através de sociedades e periódicos nacionais em no Japão, os países de língua Inglês, no Norte da Europa (principalmente Suécia, Alemanha, França e Países Baixos), no Balcãs (principalmente Croácia, Eslovénia, Sérvia, Bulgária e Roménia), e na Rússia.

Escritores famosos

Pré-Shiki período (hokku)

  • Matsuo Basho ( 1644- 1694)
  • Onitsura ( 1661- 1738)
  • Yosa Buson ( 1716-1,783 mil)
  • Kobayashi Issa (1763-1,827 mil)

Shiki e mais tarde (haiku)

  • Masaoka Shiki (1,867 mil-1.902)
  • Kawahigashi Hekigot? (1.873-1937)
  • Takahama Kyoshi (1,874-1,959)
  • Taneda Santoka (1.882-1,940)
  • Iida Dakotsu (1,885-1,962)
  • Nakamura Kusatao (1901-1983)
  • Ozaki Hosai
  • Ogiwara Seisensui
  • Natsume Soseki
  • Murakami Kijo
  • Akutagawa Ryunosuke
  • Hino Sojo
  • Mizuhara Shuoshi
  • Yamaguchi Seishi
  • Tomiyasu Fusei
  • Kawabata Bosha
  • Nakamura Kusatao
  • Ishida Hakyo
  • Kato Shuson
  • Saito Sanki
  • Tomizawa Kakio
  • Kaneko Tota

(VejaModern japonês Haiku: An Anthology,compilado e traduzido por Makoto Ueda: University of Toronto Press, 1976)

Poetas não-japoneses

Apesar de todos os poetas abaixo tem alguns haiku em impressão, somente Virgilio - e talvez Roseliep e Swede - são conhecidos principalmente para haiku. Amiri Baraka autoria recentemente uma coleção do que ele chama de "baixo golpe de Estado," a sua própria variante do formulário haiku. Poeta Sonia Sanchez também é conhecida por sua mistura pouco convencional de haiku e os azuis do gênero musical.

  • John Ashbery
  • WH Auden
  • Amiri Baraka
  • Jorge Luis Borges
  • John Brandi
  • Billy Collins
  • Cid Corman
  • Charles Henri Ford
  • Allen Ginsberg
  • Dag Hammarskjöld
  • Jack Kerouac
  • Dezső Kosztolányi
  • Lenard D. Moore
  • Paul Muldoon
  • Octavio Paz
  • Raymond Roseliep
  • Kenneth Rexroth
  • Sonia Sanchez
  • Gary Snyder
  • George sueco
  • José Juan Tablada
  • Nick Virgilio
  • Gerald Vizenor
  • Richard Wright
Vindo das madeiras,
Um touro tem um raminho lilás
Que oscila de um chifre.
--Richard Wright

Monoku

  • Monoku Haiku / Senryu na forma de uma linha.

Haiku revistas

  • Revista Modern Haiku
  • O ninho da garça-real - um jornal on-line bem-visto de haiku em língua Inglês contemporâneo
  • Simplesmente Haiku: - Uma revista literária on-line apresentando pequeno formulário japonês poesia
  • tinywords - Um jornal haiku on-line do idioma Inglês, fundada em 2000, que publica um haiku por dia
  • Roadrunner Haiku Journal - Um jornal on-line haiku em língua Inglês internacional, fundada em 2004, que também inclui traduções de haiku gendai eo prêmio Scorpion.
  • Frogpond - Frogpond, o Jornal da Sociedade dos haicais da América
  • DailyHaiku - Publica um contemporâneo haiku em língua Inglês online todos os dias, e põe para fora uma coleção de impressão anual de trabalho contribuiu

Pseudo-haiku

  • O Página Pseudo-haiku noOpen Directory Project
  • Arquivos Spam Haiku no MIT Um arquivo muito grande de relacionados a spam Haiku.
  • Haiku do Salon Revista Mensagens de erro os vencedores do concurso que foi a fonte original para as mensagens de erro haiku que podem ser encontrados por toda a internet
  • O caso de discussão da revista Salon haiku sequestrado da distribuição dos vencedores de sua haiku concurso mensagens de erro, geralmente sem as atribuições para os autores originais
  • DeCSS haicais O código paraDeCSS em haiku por Seth Schoen
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Haiku&oldid=189383329 "