Conteúdo verificado

Osama bin Laden

Assuntos Relacionados: Pessoas Políticos

Você sabia ...

Arranjar uma seleção Wikipedia para as escolas no mundo em desenvolvimento sem internet foi uma iniciativa da SOS Children. Com SOS Children você pode escolher para patrocinar crianças em mais de cem países

Osama bin Laden
أسامة بن لادن
Osama bin Laden portrait.jpg
Bin Laden sendo entrevistado pelo jornalista paquistanês Hamid Mir
Nascido Osama bin Mohammed bin Awad bin Laden
(1957/03/10) 10 de março de 1957
Riyadh , Arábia Saudita
Morreu 02 de maio de 2011 (2011-05-02) (idade 54)
Abbottabad, Paquistão 34 ° 10'9 "N 73 ° 14'33" E
Lugar de descanso Mar Arábico
Nacionalidade Saudi Arabian (1957-1994)
Nenhum (Stateless) (1994-2011)
Anos ativos 1979-2011
Sucessor Ayman al-Zawahiri
Religião Sunismo ( Qutbism)
Crianças
Carreira militar
Fidelidade al-Qaeda
Anos de serviço 1988-2011
Batalhas / guerras

Guerra soviética no Afeganistão
Guerra global ao terrorismo :

  • Guerra no Afeganistão
    • Batalha de Tora Bora
  • Guerra no Noroeste do Paquistão
  • Lança de Netuno operação

Osama bin Mohammed bin Awad bin Laden (pron .: / s ɑː m ə b ɪ n m h ɑː m ɨ d b ɪ n ə w ɑː d b ɪ n l ɑː d ən /; árabe : أسامة بن محمد بن عوض بن لادن,'Usāmah bin Muhammad bin'Awaḍ Bin Laden; 10 de março de 1957 - 02 de maio de 2011) foi o fundador da al-Qaeda, o organização jihadista que assumiu a responsabilidade pelos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, juntamente com numerosos outros ataques massivos de feridos contra alvos civis e militares. Ele era um membro da rica Arábia família bin Laden, e um étnica iemenita Kindite.

Ele nasceu na família bin Laden ao bilionário Mohammed bin Awad bin Laden na Arábia Saudita. Ele estudou na faculdade lá até 1979, quando entrou para o forças mujahedin no Paquistão contra a Soviéticos no Afeganistão . Ele ajudou a financiar os mujahideen por canalizar armas, dinheiro e combatentes do mundo árabe para o Afeganistão, também ganhando popularidade de muitos árabes. Em 1988, ele formou a al-Qaeda. Ele foi banido da Arábia Saudita em 1992, e mudou sua base para o Sudão, até US pressão obrigou-o a deixar o Sudão em 1996. Depois de estabelecer uma nova base no Afeganistão, declarou uma guerra contra os Estados Unidos, iniciando uma série de atentados a bomba e ataques relacionados.

Bin Laden estava no americana Federal Bureau of Investigation (FBI) listas de 's de Dez fugitivos mais procurados e A maioria dos terroristas procurados por seu envolvimento no 1.998 ataques às embaixadas dos Estados Unidos. Ele foi acreditado responsável pelos ataques de 9/11 nos Estados Unidos, em 2001, e outros atos terroristas.

De 2001 a 2011, bin Laden era um dos principais alvos da guerra contra o terror , com US $ 25 milhões de recompensa pelo Federal Bureau of Investigation. Em 2 de Maio de 2011, bin Laden foi baleado e morto dentro de um complexo residencial privado em Abbottabad, Paquistão, por membros do Estados Unidos grupo especial naval do desenvolvimento e Agentes da Agência Central de Inteligência em uma operação secreta ordenada pelo presidente dos Estados Unidos Barack Obama .

Juventude e educação

Osama bin Mohammed bin Awad bin Laden nasceu em Riad , na Arábia Saudita, um filho de Mohammed bin Awad bin Laden, um magnata da construção bilionário com laços estreitos com a Família real saudita, ea décima esposa de Mohammed bin Laden, Hamida al-Attas (então chamada Alia Ghanem). Em uma entrevista de 1998, Bin Laden deu a sua data de nascimento como 10 de março de 1957.

Mohammed bin Laden se divorciou Hamida logo após Osama bin Laden nasceu. Mohammed recomendado Hamida de Mohammed al-Attas, um associado. Al-Attas casado Hamida na década de 1960 final de 1950 ou início, e eles ainda estão juntos. O casal teve quatro filhos, e bin Laden viveu no novo lar com três meio-irmãos e uma meia-irmã. A família bin Laden fez US $ 5 bilhões em indústria da construção, dos quais Osama mais tarde herdou cerca de US $ 25-30 milhões.

Bin Laden foi criado como um devoto Wahhabi muçulmano. De 1968 a 1976, ele participou da elite secular Al-Thager Escola Modelo. Ele estudou economia e administração de empresas na Rei Abdulaziz University. Alguns relatórios sugerem que ele se formou em engenharia civil em 1979, ou uma licenciatura em administração pública em 1981. Uma fonte descreveu-o como "trabalho duro"; outro disse que ele deixou a universidade durante seu terceiro ano sem concluir um diploma universitário. Na universidade, o principal interesse de bin Laden era a religião, onde ele estava envolvido em ambos "interpretar o Alcorão e jihad "e trabalho de caridade Outros interesses incluíam escrever poesia;. ler, com as obras de Marechal de Campo Bernard Montgomery e Charles de Gaulle disse para estar entre seus favoritos; preto garanhões; e associação de futebol, em que ele gostava de jogar na centro-avante e seguiu o clube Inglês Arsenal FC

Vida pessoal

Em 1974, com a idade de 17, casou-se com bin Laden Najwa Ghanem em Latakia, na Síria; eles foram separados antes de 11 de setembro de 2001. As outras esposas conhecidos de Bin Laden foram Khadija Sharif (1983 casado, divorciado da década de 1990); Khairiah Sabar (casado 1985); Siham Sabar (casado 1987); e Amal al-Sadah (casado 2000). Algumas fontes também lista uma sexta esposa, nome desconhecido, cujo casamento com bin Laden foi anulada logo após a cerimônia. Bin Laden foi pai de entre 20 e 26 crianças com suas esposas. Muitos dos filhos de Bin Laden fugiu ao Irão na sequência do 11 de Setembro ea partir de 2010, as autoridades iranianas supostamente continuar a controlar os seus movimentos.

O pai de Bin Laden Mohammed morreu em 1967 em um acidente de avião na Arábia Saudita quando seu piloto americano calculou mal uma aterragem. Mais velho meio-irmão de Bin Laden, Salem bin Laden, o chefe subsequente da família Bin Laden, foi morto em 1988 perto San Antonio, Texas, nos Estados Unidos, quando ele acidentalmente um avião voou em linhas de energia.

O FBI descreveu Bin Laden como um adulto como alto e magro, entre 6 ft 4 e 6 pés 6 em (193-198 cm) de altura e pesando cerca de 160 libras (73 kg). Bin Laden tinha uma pele morena e era canhoto, geralmente andando com uma bengala. Ele usava um branco liso turbante e tinha parado de usar o cocar tradicional Arábia masculino. Bin Laden foi descrito como afável e bem-educado no comportamento.

Nome

Não há um padrão universalmente aceito para transliteração árabe palavras e Nomes árabes para o Inglês; nome de Bin Laden é mais freqüentemente traduzido por "Osama bin Laden". O FBI ea Agência Central de Inteligência (CIA), bem como outras agências governamentais dos EUA, usaram ou "Osama bin Laden" ou "Osama bin Laden". Renderizações menos comuns incluem "Ussamah bin Laden" e, nos meios de comunicação de língua francesa ", Oussama ben Laden". Outras grafias incluem "Binladen" ou, como utilizado por sua família no Ocidente, "Binladin". A descapitalização de bin é baseado na convenção de deixar as preposições e artigos curtos com inicial minúscula de apelidos; no entanto, bin significa "filho de" e não é, estritamente falando, uma preposição ou artigo. As grafias com o e e vêm de uma Persa-influenciada pronúncia também usado no Afeganistão, onde Bin Laden passou muitos anos.

Nome completo de Osama bin Laden, Osama bin Mohammed bin Awad bin Laden, significa "Osama, filho de Mohammed, filho de Awad, filho de Laden". "Mohammed" refere-se ao pai de Bin Laden Mohammed bin Laden; "Awad" refere-se a seu avô, Awad bin Aboud bin Laden, um Kindite Hadhrami tribo; "Laden" não se refere ao bisavô de Bin Laden, que foi nomeado Aboud, mas a um ancestral mais distante.

O árabe convenção linguística seria para se referir a ele como "Osama" ou "Osama bin Laden", não "bin Laden" sozinho, como "Bin Laden" é um patronímico, não um sobrenome da maneira ocidental. De acordo com o filho de Bin Laden Omar bin Laden, sobrenome hereditário da família é "al-Qahtani" ( árabe : القحطاني, Al-Qahtani), mas o pai de Bin Laden Mohammed bin Laden nunca tenha se registrado oficialmente o nome.

Osama bin Laden também havia assumido a kunyah "Abū'Abdāllāh" ("pai de Abdallah "). Seus admiradores se referiram a ele por vários apelidos, incluindo o" Príncipe "ou" Emir "(الأمير, al-Amir), o" Sheik "(الشيخ, AS-Sayh), o" jihadista Sheik "ou" Sheik al- Mujahid "(شيخ المجاهد, al-Muǧāhid Sayh)," Hajj "(حج, Ḥaǧǧ), eo" Diretor ". A palavra'usāmah (أسامة) significa" leão ", o que lhe valeu o apelido" Leão "e" Leão Sheik " .

Crenças e ideologia

Segundo o ex- Analista da CIA Michael Scheuer, que liderou caça da CIA para Osama bin Laden, o líder da Al-Qaeda foi motivada pela crença de que Política externa dos EUA tem oprimido, mortos, ou de outra forma prejudicado muçulmanos no Oriente Médio, condensada na frase: "Eles nos odeiam por aquilo que fazemos, não quem nós somos." Bin Laden também disse que apenas o restabelecimento da Sharia lei iria "acertar as coisas" no mundo muçulmano. Ele se opôs a tais alternativas como " pan-arabismo, socialismo, comunismo, a democracia ".

Essa crença, em conjunto com a violenta jihad, às vezes tem sido chamado Qutbism depois de ser promovido pelo Sayyid Qutb. Bin Laden acreditava que o Afeganistão, sob o governo de Mullah Omar de Taliban, foi "o único país islâmico" no mundo muçulmano. Bin Laden consistentemente habitou sobre a necessidade de jihad violenta para corrigir o que ele acreditava serem injustiças perpetradas contra os muçulmanos pelos Estados Unidos e às vezes por outros Estados não-muçulmanos. Ele também pediu para eliminar o estado de Israel , e forçando os Estados Unidos a retirar-se do Oriente Médio. Ele pediu aos americanos para "rejeitar os atos imorais de prostituição, homossexualismo, bebidas alcoólicas, jogos de azar, e usura ", em uma carta Outubro de 2002.

A ideologia de Bin Laden incluiu o conceito de que civis, incluindo mulheres e crianças, são alvos legítimos de jihad. Bin Laden foi anti-semita, e entregue advertências contra supostas conspirações judaicas: "Esses judeus são mestres da usura e líderes em traição Eles vão te deixar nada, nem neste mundo nem no próximo.". Muçulmanos xiitas foram listados, juntamente com " hereges, [...] América e Israel ", como os quatro principais" inimigos do Islã "em aulas de ideologia de organização al-Qaeda de Bin Laden.

Bin Laden oposição música por motivos religiosos, e sua atitude em relação à tecnologia era mista. Ele estava interessado em "máquinas de terraplanagem e engenharia genética de plantas ", por um lado, mas rejeitado" água gelada "na outra.

Seus pontos de vista e métodos de alcançar os tinham o levou a ser designada como terrorista pelos estudiosos, jornalistas de The New York Times, a BBC , e estação de notícias do Qatar Al Jazeera , analistas, tais como Peter Bergen, Michael Scheuer, Marc Sageman, e Bruce Hoffman. Ele foi indiciado por acusações de terrorismo por parte das agências de aplicação da lei em Madrid , New York City, e Tripoli .

Estratégia global de Bin Laden contra os inimigos muito maiores, como a União Soviética e os Estados Unidos foi o de atraí-los para uma longa guerra de atrito em países muçulmanos, atraindo um grande número de jihadistas que nunca se renderia. Ele acreditava que isso levaria a um colapso econômico das nações inimigas. Manuais Al-Qaeda expressar claramente essa estratégia. Em uma fita de 2004 transmitido pela al-Jazeera, Bin Laden falou de "sangrando a América até o ponto de falência".

Atividade militante

Mujahideen no Afeganistão

Depois de deixar a faculdade em 1979, bin Laden foi para o Paquistão, se juntou Abdullah Azzam e usou o dinheiro e máquinas de sua própria empresa de construção para ajudar a resistência mujahideen no Guerra soviética no Afeganistão. Mais tarde, ele disse a um jornalista: "Senti-me indignado que uma injustiça foi cometida contra o povo do Afeganistão". Sob Operação Ciclone 1979-1989, os Estados Unidos forneceram ajuda financeira e armas para o mujahideen através do Paquistão ISI. Bin Laden conheceu e relações com construído Hamid Gul, que era um três estrelas geral na Exército paquistanês e chefe da agência ISI. Embora os Estados Unidos desde que o dinheiro e as armas, a formação de grupos militantes foi inteiramente feito pelo Forças Armadas paquistanesas eo ISI.

Em 1984, Bin Laden e Azzam estabelecido Maktab al-Khidamat, que canalizou dinheiro, armas e combatentes de todo o mundo árabe para o Afeganistão. Através de al-Khadamat, fortuna da família herdou de Bin Laden pagou por passagens aéreas e alojamento, pagos papelada com as autoridades paquistanesas e forneceu outros serviços para os combatentes jihadistas. Bin Laden estabeleceu acampamentos no interior Khyber Pakhtunkhwa, no Paquistão e voluntários treinados de todo o mundo muçulmano para lutar contra o regime fantoche soviético, o República Democrática do Afeganistão. Foi nessa época que ele se tornou idolatrado por muitos árabes.

Formação e estruturação da al-Qaeda

Em 1988, Bin Laden tinha dividido a partir Maktab al-Khidamat. Enquanto Azzam atuou como apoio para combatentes afegãos, Bin Laden queria um papel mais militar. Um dos principais pontos que levam à divisão ea criação de al-Qaeda foi a insistência de que Azzam combatentes árabes ser integrada entre os grupos de combate no Afeganistão, em vez de formar uma força de combate separado. Notas de uma reunião de Bin Laden e outros, em 20 de agosto de 1988 indicam que a Al-Qaeda era um grupo formal naquela época: "Basicamente uma facção islâmica organizada, seu objetivo é levantar a palavra de Deus, para fazer a sua religião vitoriosa. " Uma lista de requisitos para a adesão relacionou os seguintes: capacidade de escuta, os bons costumes, a obediência, e fazer uma promessa ( bayat) para seguir seus superiores.

De acordo com Wright, o verdadeiro nome do grupo não foi utilizada em pronunciamentos públicos, porque "a sua existência ainda era um segredo bem guardado". Sua pesquisa sugere que a Al-Qaeda foi formado em um 11 de agosto de 1988, reunião entre "vários líderes seniores" de Jihad Islâmica Egípcia, Abdullah Azzam, e Bin Laden, em que foi acordada a juntar dinheiro de Bin Laden com a experiência da organização Jihad Islâmica e assumir a causa jihadista em outro lugar depois que os soviéticos se retiraram do Afeganistão. Após a retirada da União Soviética do Afeganistão em Fevereiro de 1989, Osama bin Laden voltou à Arábia Saudita em 1990 como um herói da jihad. Junto com sua legião árabe, ele foi pensado para ter "derrubado o poderoso superpotência" da União Soviética. Ele ficou irritado com a luta tribal intestina entre os afegãos.

O iraquiano invasão do Kuwait sob Saddam Hussein, em 2 de agosto de 1990, colocar o reino saudita ea Casa de Saud em risco. Com as forças iraquianas na fronteira saudita, o apelo de Saddam para o pan-arabismo foi potencialmente incitar a dissidência interna. Bin Laden se reuniu com King Fahd, eo ministro da Defesa saudita Sultan, dizendo-lhes para não depender de assistência não-muçulmano dos Estados Unidos e outros, e oferecendo-se para ajudar a defender a Arábia Saudita com sua legião árabe. Oferta de Bin Laden foi rejeitado, ea monarquia saudita convidou a implantação das forças americanas em território saudita. Bin Laden denunciou publicamente a dependência saudita sobre os militares dos EUA, alegando que os dois santuários mais sagrados do Islã, Meca e Medina , as cidades em que o Profeta Mohamed recebidos e recitou a mensagem de Deus, só deve ser defendida pelos muçulmanos. Críticas ao de Bin Laden Monarquia saudita levou-os a tentar silenciá-lo. A Divisão de US 82nd desembarcou na cidade saudita nordeste da Dhahran e foi implantado no deserto mal 400 milhas a partir de Medina.

Enquanto isso, em 8 de Novembro de 1990, o FBI invadiram a New Jersey casa de El Sayyid Nosair, um associado da al-Qaeda Ali Mohamed. Eles descobriram evidências copiosa de terroristas parcelas, incluindo planos para explodir os arranha-céus de Nova York. Isto marcou a primeira descoberta da al-Qaeda planos terroristas fora dos países muçulmanos. Nosair acabou por ser condenado em conexão com o 1993 World Trade Center bombardeio, e mais tarde admitiu culpa pelo assassinato do rabino Meir Kahane em Nova York em 05 de novembro de 1990.

Bin Laden continuou a falar publicamente contra o governo da Arábia Saudita, para o qual os sauditas o baniu. Em 1992, ele passou a viver no exílio no Sudão, em um acordo mediado por Ali Mohamed.

Sudão e regresso ao Afeganistão

No Sudão, Bin Laden estabeleceu uma nova base de operações mujahideen em Cartum . Comprou uma casa em Al-Mashtal Street, no afluente bairro Al-Riyadh e um retiro em Soba na Nilo Azul. Durante seu tempo no Sudão, ele investiu pesadamente na infra-estrutura, na agricultura e empresas. Ele foi o agente do Sudão para a firma britânica Opiniões caça e estradas construídas utilizando os mesmos tratores ele tinha empregadas para a construção de pistas de montanha no Afeganistão. Muitos de seus trabalhadores foram os mesmos combatentes que tinham sido seus companheiros na guerra contra a União Soviética. Ele foi generoso para com os pobres e popular com as pessoas. Ele continuou a criticar o rei Fahd da Arábia Saudita. Em resposta, em 1994 Fahd bin Laden despojado de sua cidadania saudita e convenceu sua família para cortar seus US $ 7 milhões por ano bolsa.

Por esse tempo, bin Laden estava sendo ligado com a Jihad Islâmica Egípcia (EIJ), que compunham o núcleo da Al-Qaeda. Em 1995, o Eij tentou assassinar o presidente egípcio Hosni Mubarak. A tentativa falhou, e Sudão expulsou o Eij.

O Departamento de Estado dos EUA acusou o Sudão de ser " patrocinador do terrorismo internacional "e bin Laden de funcionamento" campos de treinamento de terroristas no deserto do Sudão ". De acordo com funcionários do Sudão, no entanto, essa postura tornou-se obsoleto como o líder político islâmico Hassan al-Turabi perdeu influência em seu país. Os sudaneses queria se envolver com os EUA, mas autoridades americanas se recusaram a reunir-se com eles, mesmo depois de terem expulso bin Laden. Não foi até 2000 que o Departamento de Estado autorizou oficiais de inteligência dos EUA a visitar o Sudão.

O Relatório da Comissão 9/11 dispõe:

No final de 1995, quando Bin Laden ainda estava no Sudão, o Departamento de Estado ea Agência Central de Inteligência (CIA) aprenderam que as autoridades sudanesas estavam discutindo com o governo saudita a possibilidade de expulsar Bin Laden. CIA oficial paramilitar Billy Waugh rastreou Bin Laden no Sudão e preparou uma operação para prendê-lo, mas foi negada autorização. O embaixador dos EUA Timothy Carney incentivou os sudaneses para perseguir este curso. Os sauditas, porém, não queria Bin Laden, dando como motivo a sua revogação de sua cidadania. Ministro do Sudão de defesa, Fatih Erwa, afirmou que o Sudão se ofereceu para entregar Bin Laden para os Estados Unidos. A Comissão não encontrou quaisquer provas credíveis de que este era assim. Embaixador Carney tinha instruções para só pressionar o Sudão de expulsar Bin Laden. Embaixador Carney não tinha base legal para pedir mais do Sudão, já que, na época, não havia nenhuma acusação pendente contra bin Laden em qualquer país.

O 11/09 Relatório da Comissão afirma ainda:

Em fevereiro de 1996, as autoridades sudanesas começou a se aproximar funcionários dos Estados Unidos e outros governos, pedindo que ações de deles pode aliviar a pressão externa. Em encontros secretos com as autoridades sauditas, Sudão se ofereceu para expulsar Bin Laden para a Arábia Saudita e pediu aos sauditas a perdoá-lo. Autoridades dos EUA tornou-se ciente destas discussões secretas, certamente até março. Autoridades sauditas, aparentemente, queria Bin Laden expulso do Sudão. Eles já tinham revogou sua cidadania, no entanto, e não iria tolerar sua presença em seu país. Também Bin Laden pode ter não se sente seguro no Sudão, onde já havia escapado pelo menos uma tentativa de assassinato que ele acredita ter sido o trabalho dos regimes egípcias ou sauditas, e pago pelo CIA.

Devido ao aumento da pressão sobre o Sudão a partir de Arábia Saudita, Egito , e os Estados Unidos, Bin Laden foi autorizado a sair para um país de sua escolha. Ele escolheu para voltar ao Jalalabad, Afeganistão a bordo de um vôo fretado em 18 de maio de 1996; lá ele forjou uma relação estreita com Mullah Mohammed Omar. Segundo a Comissão 11/9, a expulsão do Sudão significativamente enfraquecida bin Laden e sua organização. Algumas fontes de inteligência africanos têm argumentado que a expulsão deixou bin Laden sem uma opção diferente de se tornar um radical de tempo integral, e que a maioria dos 300 árabes afegãos que saíram com ele posteriormente se tornou terroristas.

Em agosto de 1996, Bin Laden declarou guerra contra os Estados Unidos. Apesar da garantia do presidente George HW Bush para Rei Fahd, em 1990, que todas as forças dos EUA com base na Arábia Saudita seria retirado uma vez que a ameaça iraquiana tinha sido tratado, em 1996 os americanos ainda estavam lá. Bush citou a necessidade de lidar com os remanescentes do regime de Saddam (que Bush havia escolhido não destruir). A visão de Bin Laden era que "os 'males' do Oriente Médio surgiu da tentativa dos Estados Unidos para assumir a região e de seu apoio a Israel. A Arábia Saudita tinha sido transformado em" uma colônia americana ".

Ele emitiu um Fatwa contra os Estados Unidos, que foi publicado pela primeira vez em Al Quds Al Arabi, um jornal com sede em Londres. Foi intitulado "Declaração de Guerra contra os americanos ocupando a Terra dos Dois Lugares Santos." A Arábia Saudita é às vezes chamado "A Terra das Duas Mesquitas Sagradas", em referência à Meca e Medina, os dois lugares mais sagrados do Islã. A referência a "ocupação" no fatwa referido forças dos EUA com base na Arábia Saudita com a finalidade de controlar o espaço aéreo no Iraque, conhecido como Operação Relógio do Sul.

No Afeganistão, Bin Laden e al-Qaeda levantou dinheiro de "doadores desde os dias da jihad Soviética", e do ISI paquistanês para estabelecer mais campos de treinamento para lutadores Mujahideen. Bin Laden levou efetivamente sobre Ariana Afghan Airlines, que transportou os militantes islâmicos, braços, caixa e ópio através dos Emirados ?rabes Unidos e Paquistão, bem como identificações falsas fornecidas aos membros da rede terrorista de bin Laden. O contrabandista de armas Viktor Bout ajudou a executar a companhia aérea, a manutenção de aviões e carregamento da carga. Michael Scheuer, chefe da unidade bin Laden da CIA, concluiu que Ariana estava sendo usado como um "serviço de táxi terrorista".

Os primeiros ataques e ajuda para ataques

Paquistanesa jornalista Hamid Mir entrevistar Osama bin Laden em Cabul em 1997

Acredita-se que o primeiro ataque de bombardeio envolvendo bin Laden era o 29 de dezembro de 1992, o bombardeio do Ouro Mihor Hotel em Aden em que duas pessoas foram mortas.

Foi depois desse bombardeio que a Al-Qaeda foi relatado para ter desenvolvido a sua justificativa para o assassinato de pessoas inocentes. De acordo com uma fatwa emitida pela Mamdouh Mahmud Salim, a morte de alguém que está perto do inimigo justifica-se porque qualquer espectador inocente vai encontrar uma recompensa adequada na morte, vai Jannah (Paraíso), se eles eram bons muçulmanos e para Jahannam (inferno) se eles eram ruins ou não-crentes. A fatwa foi emitida aos membros da Al-Qaeda, mas não o público em geral.

Na década de 1990, de Bin Laden al-Qaeda jihadis assistida financeiramente e militarmente, por vezes, em Argélia , Egito e Afeganistão. Em 1992 ou 1993 bin Laden enviou um emissário, Qari el-Said, com US $ 40.000 para a Argélia para ajudar os islamitas e exortar guerra, em vez de negociação com o governo. Seu conselho foi atendido. A guerra que se seguiu causaram a morte de 150.000-200.000 argelinos e terminou com a rendição islâmica para o governo.

Bin Laden financiou a Luxor massacre de 17 de Novembro de 1997, que matou 62 civis, e ultrajou o público egípcio. Em meados de 1997, a Aliança do Norte ameaçou invadir Jalalabad, causando bin Laden a abandonar a sua Composto Najim Jihad e mover suas operações para Tarnak Farms, no sul.

Outro ataque bem-sucedido foi realizado na cidade de Mazar-e-Sharif, no Afeganistão. Bin Laden ajudou a consolidar sua aliança com o Talibã através do envio de várias centenas de combatentes árabes afegãos junto para ajudar o Taleban matar entre cinco e seis mil Hazaras ultrapassagem da cidade.

Em fevereiro de 1998, Osama bin Laden e Ayman al-Zawahiri co-assinou uma fatwa em nome do Frente Islâmica Mundial para a Jihad contra os Judeus e os Cruzados, que declarou a morte de norte-americanos e seus aliados um "dever individual para todo muçulmano" para "libertar o al-Aqsa (em Jerusalém ) e da mesquita sagrada (em Meca) a partir de seu controle ". No anúncio público da fatwa bin Laden anunciou que os norte-americanos são" alvos muito fácil ". Ele disse aos jornalistas presentes:" Você vai ver os resultados deste em um tempo muito curto ".

Bin Laden e Al-Zawahiri organizado um congresso al-Qaeda em 24 de junho de 1998. O 1998 bombardeios da Embaixada dos EUA foram uma série de ataques que ocorreram em 7 de agosto de 1998, em que centenas de pessoas foram mortas em simultâneo explosões caminhão bomba em Estados Unidos embaixadas nas principais cidades do Leste Africano de Dar es Salaam , Tanzânia e Nairobi , Quênia. Os ataques foram ligados a membros locais da Jihad Islâmica Egípcia, trouxeram Osama bin Laden e Ayman al-Zawahiri para a atenção do público dos Estados Unidos pela primeira vez, e resultou em os EUA Federal Bureau of Investigation colocando bin Laden em seu Ten lista Most Wanted.

Em dezembro de 1998, o Diretor da Central Intelligence contraterrorismo Centre relatou ao presidente Bill Clinton de que a Al-Qaeda estava se preparando para ataques nos Estados Unidos da América, incluindo a formação de pessoal para seqüestrar aviões. No final de 2000, Richard Clarke revelou que militantes islâmicos liderados por bin Laden tinha planejado uma ataque triplo em 03 de janeiro de 2000, que teria incluído atentados em Jordan do Radisson SAS Hotel em Amman e turistas em Mount Nebo e um site na Rio Jordão , o afundamento do destróier USS The Sullivans no Iêmen, assim como um ataque contra um alvo dentro dos Estados Unidos. O plano foi frustrado pela prisão da célula terrorista jordaniano, o naufrágio do skiff explosiva-cheia destina-se a orientar o destruidor, ea prisão de Ahmed Ressam.

Guerras iugoslavas

Um ex-funcionário do Departamento de Estado dos EUA em outubro de 2001 descreveu a Bósnia-Herzegovina como um refúgio seguro para os terroristas, e afirmou que militantes elementos do anterior governo Sarajevo estavam protegendo extremistas, alguns com vínculos com Osama bin Laden. Em 1997, Rzeczpospolita, um dos maiores jornais diários polacos, havia relatado que os serviços de inteligência do Nordic-polonês SFOR Brigada suspeita que um centro de treinamento para terroristas de países islâmicos foi localizado na aldeia Bocina Donja perto Maglaj na Bósnia e Herzegovina. Em 1992, centenas de voluntários se juntou a uma "unidade de todos os mujahedeen" chamado El Moujahed em uma fábrica abandonada encosta, um composto com um salão do hospital e da oração.

De acordo com relatórios de inteligência no Oriente Médio, Bin Laden financiou pequenos comboios de recrutas do mundo árabe por meio de suas empresas em Sudão . Entre eles estava Karim disse que Atmani, que foi identificado pelas autoridades como o falsificador de documentos para um grupo de argelinos acusados de planejar os atentados nos Estados Unidos. Ele é um ex-colega de quarto de Ahmed Ressam, o homem preso na fronteira com o Canadá e os EUA em meados de Dezembro de 1999, um carro cheio de nitroglicerina e materiais para fazer bombas. Ele foi condenado por conspirar com Osama bin Laden por um tribunal francês.

Uma pesquisa do governo bósnio de passaportes e registros de residência, realizou a pedido dos Estados Unidos, revelou outros mujahideen antigos que estavam ligadas a um mesmo grupo argelino ou a outros grupos de suspeitos de terrorismo, tendo vivido na área 60 milhas (97 quilômetros ) ao norte de Sarajevo, a capital, nos últimos anos. Khalil al-Deek foi preso na Jordânia no final de Dezembro de 1999, sobre suspeita de envolvimento em um complô para explodir locais turísticos. Um segundo homem com cidadania bósnia, Hamid Aich, viveu no Canadá, ao mesmo tempo que Atmani e trabalhou para uma instituição de caridade associada com Osama bin Laden. Em sua 26 de junho de 1997, relatório sobre o bombardeio do edifício Al Khobar, em Riade, Arábia Saudita, The New York Times observou que os detidos confessaram a servir com bósnios muçulmanos forças. Além disso, os homens capturados também admitiu ter vínculos com Osama bin Laden.

Em 1999, a imprensa noticiou que Bin Laden e seu assistente tunisiano Mehrez Aodouni foi concedida a cidadania e Passaportes bósnios em 1993 pelo governo de Sarajevo. Esta informação foi negada pelo governo bósnio na sequência dos atentados de 11 de setembro, mas foi encontrado mais tarde que Aodouni foi preso na Turquia e que, naquela época, ele possuía o passaporte bósnio. Na sequência desta revelação, uma nova explicação foi dada que Bin Laden "não pessoalmente recolher o seu passaporte bósnio" e que os funcionários da embaixada da Bósnia em Viena, que emitiu o passaporte, não poderia ter sabido que Bin Laden estava no momento. O diário bósnio Oslobodjenje publicado em 2001 que três homens, que se acredita ser ligado a Bin Laden, foram presos em Sarajevo em julho de 2001. Os três, um dos quais foi identificado como Imad El Misri, foram cidadãos egípcios. O jornal adianta que dois dos suspeitos estavam segurando passaportes bósnios.

Em 1998, quatro membros da Jihad Islâmica Egípcia (EIJ) foram presos na Albânia e extraditado para o Egito.

Durante o seu julgamento no Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia, o ex-presidente sérvio Slobodan Milošević apresentou documentos do FBI que o verificado de Bin Laden al-Qaeda tinha uma presença nos Balcãs e ajudou a Exército de Libertação do Kosovo. O Departamento de Estado dos EUA havia identificado esta como uma organização terrorista pouco antes dos atentados às embaixadas de 1998 em Tanzânia e Quênia . Milošević tinha argumentado que os Estados Unidos ajudaram os terroristas, que culminou com o seu apoio do 1.999 operação forças aliadas durante a guerra do Kosovo.

11 de Setembro

"Deus sabe que não cruzou nossas mentes para atacar as Torres , mas depois a situação se tornou insuportável e assistimos a injustiça ea tirania da aliança americano-israelense contra nosso povo em Palestina e Líbano -Eu pensei sobre isso. E os eventos que me foram afetadas diretamente o de 1982 e os acontecimentos que se seguiram, quando a América permitiu que os israelenses a invadir o Líbano, ajudado pelo Sexta Frota dos EUA. Enquanto eu observava as torres destruídas no Líbano, ocorreu-me punir os injustos da mesma maneira:. destruir torres na América para que ele pudesse provar alguns do que estamos degustação e parar de matar as nossas crianças e as mulheres "

- Osama bin Laden, 2004

United Airlines Flight 175 cai na torre sul

Depois de sua negação inicial, em 2004, Osama bin Laden, finalmente, assumiu a responsabilidade pelo 11 de setembro de 2001 atentados nos Estados Unidos. Os ataques envolveu o seqüestro de quatro aviões comerciais de passageiros e voando-los contra as Torres Gêmeas do World Trade Center em Nova York, Nova York e O Pentágono, em Arlington, Virgínia, destruindo o primeiro, e severamente danificar este último. Isso resultou na morte de 2.973 pessoas eo dezenove seqüestradores. Em resposta aos ataques, os Estados Unidos lançaram a guerra contra o terror para depor o regime Taliban no Afeganistão e capturar membros da Al-Qaeda, e vários países reforçaram a sua legislação anti-terrorismo para impedir futuros ataques. A CIA Atividades Especiais Divisão foi dada a liderança na rastrear e matar ou capturar bin Laden.

O Federal Bureau of Investigation afirmou que provas confidenciais que liga al-Qaeda e Bin Laden para o 11 de Setembro é clara e irrefutável. O Governo do Reino Unido chegou a uma conclusão semelhante em relação al-Qaeda e culpabilidade de Osama bin Laden pelos ataques de 11 de setembro, embora o relatório do governo observou que as provas apresentadas não é necessariamente suficiente para julgar o caso.

Bin Laden inicialmente negou envolvimento nos ataques. Em 16 de setembro de 2001, bin Laden leu uma declaração mais tarde transmitido pela Qatar 's Al Jazeera canal por satélite negando a responsabilidade pelo ataque. Em uma fita de vídeo recuperado por forças dos EUA em novembro de 2001, em Jalalabad, Bin Laden foi visto discutindo com o ataque Khaled al-Harbi de uma forma que indica presciência. A fita foi transmitido em várias redes de notícias em 13 de dezembro de 2001. Os méritos desta tradução foram contestados.Arabista Dr. Abdel El Husseini M. declarou: "Esta tradução é muito problemático Nos lugares mais importantes onde se realiza a prova da culpa de Bin Laden, não é idêntico com o árabe.".

2001 vídeo de Bin Laden

No 2004 video Osama bin Laden, Bin Laden abandonou suas negações sem retrair declarações passadas. Nela, ele disse que ele dirigiu pessoalmente os dezenove seqüestradores. Na fita de 18 minutos, jogou no Al-Jazeera, quatro dias antes da eleição presidencial americana, Bin Laden acusou o presidente dos Estados Unidos George W. Bush de negligência no seqüestro dos aviões em 11 de setembro De acordo com as fitas, bin Laden afirmou ele se inspirou para destruir o World Trade Center, depois de ver a destruição de torres no Líbano por Israel durante a Guerra do Líbano de 1982.

Através de duas outras fitas foi ao ar pela Al Jazeera em 2006, Osama bin Laden anunciou: "Eu sou o encarregado dos dezenove irmãos. [...] Eu era responsável por confiar às dezenove irmãos [...] com os raids" (23 de maio, 2006). Nas fitas ele foi visto com Ramzi bin al-Shibh, bem como dois dos sequestradores 11/09, Hamza al-Ghamdi e Wail al-Shehri, como eles fizeram preparativos para os ataques (broadcast videotape 07 de setembro de 2006). Identificado motivações dos ataques de 11 de setembro incluem o apoio a Israel pelos Estados Unidos, a presença dos militares dos EUA no Reino da Arábia Saudita, e à execução dos EUA de sanções contra o Iraque.

Acusações criminais

Osama Bin Laden
Dez foragidos mais procurados pelo FBI
Encargos
  • Assassinato de Cidadãos dos EUA Fora dos Estados Unidos
  • Conspiração para matar EUA Nationals Fora dos Estados Unidos
  • Ataque a uma instalação federal, resultando em morte
Recompensa 25.000 mil dólares
Aliás
  • Osama Bin Muhammad Bin Ladin
  • Shaykh Osama Bin Ladin
  • o príncipe
  • o Emir
  • Abu Abdallah
  • Mujahid Shaykh
  • Hajj
  • o diretor
Descrição
Nascido (1957/03/10) 10 de março de 1957
Arábia Saudita
Morreu 02 de maio de 2011 (2011-05-02) (idade 54)
Abbottabad, Paquistão
Causa da morte Trauma Ballistic
Gênero Masculino
Altura 6'4 "a 6'6"
Peso Cerca de £ 160
Ocupação Desconhecido
Estado
Adicionado 07 de junho de 1999
Número 456

Morto durante tentativa de capturar

Em 16 de março de 1998, a Líbia emitiu o primeiro oficial Interpol mandado de prisão contra bin Laden e outras três pessoas. Eles foram acusados ​​de matar Silvan Becker, agente do serviço de inteligência interna da Alemanha, o Escritório Federal para a Proteção da Constituição, no Departamento Terrorismo, e sua esposa Vera na Líbia em 10 de março de 1994. Bin Laden ainda era procurado pela Líbia governo no momento de sua morte. Osama bin Laden foi indiciado pela primeira vez por um grande júri dos Estados Unidos em 08 de junho de 1998 sob a acusação de matar cinco americanos e dois indianos no 14 de novembro de 1995, caminhão bombardeio de um centro de treinamento Arábia Guarda Nacional dos Estados Unidos operado em Riad. Bin Laden foi acusado de "conspiração para atacar serviços públicos de defesa dos Estados Unidos" e os promotores ainda mais carregadas que bin Laden era o chefe da organização terrorista chamado al-Qaeda, e que ele era um grande financiador de combatentes islâmicos em todo o mundo. Bin Laden negou envolvimento, mas elogiou o ataque. Em 4 de novembro de 1998, Osama bin Laden foi indiciado por um júri federal no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul de Nova York, sob a acusação de assassinato de Cidadãos norte-americanos fora dos Estados Unidos, conspiração para matar EUA Nationals Fora dos Estados Membros, e os ataques a uma instalação federal, resultando em morte por seu suposto papel nos Estados Unidos 1.998 atentados às embaixadas no Quênia e na Tanzânia. As provas contra Bin Laden incluiu tribunal depoimento de ex-membros da Al-Qaeda e os registros de telefone via satélite, a partir de um telefone comprado por ele pelo agente de contratação al-Qaeda Ziyad Khaleel nos Estados Unidos. No entanto, o Taliban governava não extraditar Bin Laden, alegando que não havia provas suficientes publicado nas acusações e que os tribunais não-muçulmanos faltava pé para tentar muçulmanos.

Bin Laden se tornou a pessoa 456 listadas na lista do FBI dez fugitivos mais procurados, quando ele foi adicionado em 7 de junho de 1999, na sequência da sua denúncia, juntamente com outros para crimes capitais nos ataques às embaixadas 1998. As tentativas de assassinato e pedidos de extradição de Bin Laden desde o Taliban do Afeganistão foram satisfeitas com falha antes do bombardeio do Afeganistão em Outubro de 2001. Em 1999, o presidente dos EUA Bill Clinton convenceu a Organização das Nações Unidas para impor sanções contra o Afeganistão em uma tentativa de forçar o Taliban a extraditá-lo.

Anos mais tarde, em 10 de outubro de 2001, Bin Laden apareceu bem na lista inicial dos top 22 FBI A maioria dos terroristas procurados, que foi lançado ao público pelo presidente dos Estados Unidos George W. Bush, em resposta direta ao 11 de setembro ataques, mas que foi novamente baseado na acusação para o ataque 1998 embaixada. Bin Laden estava entre um grupo de treze terroristas fugitivo procurado em que esta última lista para um interrogatório sobre os atentados às embaixadas 1998. Bin Laden continua sendo o único fugitivo já coletados em ambas as listas fugitivos do FBI.

Apesar das múltiplas acusações listadas acima e vários pedidos, os talibãs se recusou a extraditar Osama bin Laden. Eles fizeram no entanto oferecem a julgá-lo antes de um tribunal islâmico se evidências do envolvimento de Osama bin Laden nos atentados de 11 de setembro foi fornecida. Não foi até oito dias após o bombardeio do Afeganistão começou em outubro de 2001 que o Taliban finalmente fez oferta para entregar Osama bin Laden a um país terceiro para o julgamento no retorno para os Estados Unidos terminando o bombardeio. Esta oferta foi rejeitada pelo Presidente Bush declarando que este já não era negociável, com Bush respondendo "não há necessidade de discutir a inocência ou culpa. Sabemos que ele é culpado." Em junho de 2006 chefe do FBI de publicidade investigativo, Rex Tomb, não viu nenhuma evidência sólida que liga bin Laden a 9/11.

Em 15 de junho de 2011, os promotores federais dos Estados Unidos da América caiu oficialmente todas as acusações criminais contra Osama bin Laden após a sua morte, em maio.

Perseguição pelos Estados Unidos

US folheto de propaganda utilizado no Afeganistão, com bin Laden segundo a partir da esquerda

Administração Clinton

Captura de Osama bin Laden tinha sido um objetivo do governo dos Estados Unidos desde a presidência de Bill Clinton . Logo após o 11 de Setembro, foi revelado que o presidente Clinton assinou uma directiva que autoriza a CIA (e especificamente a sua elite Divisão de Atividades Especiais) para apreender bin Laden e trazê-lo para os Estados Unidos para ser julgado após as 1998 Estados Unidos atentados às embaixadas em África; se tomar bin Laden vivo era considerado impossível, então força letal foi autorizada. Em 20 de agosto de 1998, 66 mísseis de cruzeiro lançados por navios da Marinha dos Estados Unidos no Mar da Arábia atingiu campos de treinamento de Bin Laden perto de Khost, no Afeganistão, perdendo-lo por algumas horas. Em 1999, a CIA, juntamente com a inteligência militar paquistanesa, tinha preparado uma equipe de aproximadamente 60 comandos paquistaneses para se infiltrar no Afeganistão para capturar ou matar Bin Laden, mas o plano foi abortado pelo golpe de Estado paquistanês 1999 d'état; em 2000, agentes estrangeiros que trabalham em nome da CIA tinha disparado uma granada propelida por foguete contra um comboio de veículos em que bin Laden estava viajando através das montanhas do Afeganistão, atingindo um dos veículos, mas não aquele em que Bin Laden estava em .

Em 2000, antes do 11 de Setembro,Paul Bremer caracterizou aadministração Clinton como "corretamente focado em bin Laden", enquantoRobert Oakley criticou sua "obsessão com Osama".

Administração Bush

IG da Força Delta disfarçados de civis afegãos, enquanto procuravam bin Laden em Novembro de 2001

Imediatamente após os ataques de 11 de setembro, funcionários do governo norte-americano chamado bin Laden ea organização Al-Qaeda como os principais suspeitos e ofereceram uma recompensa de US $ 25 milhões por informações que levem à sua captura ou morte. Em 13 de julho de 2007, este valor foi dobrou para US $ 50 milhões. O Airline Pilots Association e da Associação de Transporte Aéreo ofereceu uma recompensa adicional de US $ 2 milhões.

Conforme O Washington Post , o governo dos EUA concluiu que Osama bin Laden estava presente durante a batalha de Tora Bora, no Afeganistão no final de 2001, e de acordo com oficiais civis e militares com conhecimento de primeira mão, ao facto de os Estados Unidos para cometer suficientes tropas terrestres norte-americanas para caçar o levou a sua fuga e foi a falha mais grave pelos Estados Unidos na guerra contra a Al-Qaeda. Oficiais de inteligência montaram o que eles acreditam ser uma evidência decisiva, a partir de interrogatórios contemporâneos e posteriores e comunicações interceptadas, que Bin Laden começou a batalha de Tora Bora no interior do complexo de cavernas ao longo da fronteira leste montanhoso do Afeganistão.

O Washington Posttambém informou que a unidade CIA composta de operações especiais das forças paramilitares dedicados à captura de bin Laden foi encerrado no final de 2005. Bush havia defendido anteriormente esta escala de trás do esforço por diversas vezes, dizendo: "Eu não sei onde bin Laden é. Eu não tenho idéia e realmente não me importo. Não é tão importante assim. Não é a nossa prioridade. "

As forças dos EUA e do Afeganistão invadido as cavernas de montanha em Tora Bora entre agosto 14-16, 2007. O militar foi atraído para a área após receber informações de uma pré- reunião Ramadan detidas por membros da Al-Qaeda. Depois de matar dezenas de al-Qaeda e dos talibãs, eles não encontraram qualquer Osama bin Laden ou Ayman al-Zawahiri.

Administração Obama

Membros da administração Obama acompanhar a missão que matou Bin Laden

Em 7 de outubro de 2008, no segundo debate presidencial, sobre a política externa, o então candidato presidencial Barack Obama prometeu: "Nós vamos matar Bin Laden. Nós vamos esmagar a Al-Qaeda. Isso tem que ser a nossa maior prioridade de segurança nacional". Ao ser eleito, em seguida, o presidente eleito Obama expressou seus planos para "renovar o compromisso dos EUA para encontrar o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, de acordo com seus assessores de segurança nacional", em um esforço para engrenar na caça ao terrorista. Presidente Obama rejeitou a política da administração Bush sobre bin Laden que "confundiu todas as ameaças terroristas da Al-Qaeda ao Hamas ao Hezbollah", substituindo-a "com um foco laserlike dissimulada em al-Qaeda e sua desova."

Secretário de Defesa dos EUA , Robert Gates, disse em dezembro de 2009 que os funcionários não tinha informações confiáveis ​​sobre o paradeiro de Bin Laden há anos. Uma semana depois, o general Stanley McChrystal, principal comandante dos EUA no Afeganistão disse em dezembro de 2009 que a Al-Qaeda não será derrotado, a menos que seu líder, Osama bin Laden, for capturado ou morto. Testemunhando ao Congresso dos EUA, disse bin Laden havia se tornado uma "figura icônica, cuja sobrevivência incentiva a Al-Qaeda como uma organização de franquia em todo o mundo", e que a implantação de Obama de 30.000 soldados adicionais para o Afeganistão significava que o sucesso seria possível. "Eu não acho que possamos finalmente derrotar a Al-Qaeda até que ele seja capturado ou morto", disse McChrystal de bin Laden. "Matar ou capturar bin Laden não significaria o fim da al-Qaeda, mas o movimento não poderia ser erradicada enquanto ele permaneceu em geral."

Em abril de 2011, o presidente Obama ordenou uma operação secreta para matar ou capturar bin Laden. Em 2 de maio de 2011, a Casa Branca anunciou que US Navy SEALs tinha levado-o para fora, matando-o em seu composto Abbottabad, no Paquistão.

Atividades e paradeiro após o 11 de Setembro

Embora referindo-se a Osama bin Laden em um clipe de filme CNN em 17 de setembro de 2001, o então presidente George W. Bush declarou: "Eu quero justiça. Há um cartaz velho para o oeste, pelo que me lembro, que disse:" Procurado vivo ou morto '". Posteriormente, bin Laden recuou ainda mais a partir de contato com o público para evitar a captura. Numerosos relatos da imprensa especulativos foram emitidos sobre o seu paradeiro ou mesmo a morte; alguns colocado bin Laden em diferentes locais durante a sobreposição de períodos de tempo. Nada jamais foi definitivamente comprovada. Depois de ofensivas militares no Afeganistão não conseguiu descobrir seu paradeiro, o Paquistão foi regularmente identificado como seu suposto esconderijo. Alguns dos relatórios conflitantes sobre continuaram paradeiro de Bin Laden e reivindicações equivocadas sobre seu acompanhamento morte:

  • Em 11 de dezembro de 2005, uma carta de Atiyah Abd al-Rahman de Abu Musab al-Zarqawi indicou que bin Laden ea liderança da Al-Qaeda foram baseadas na região do Waziristão do Paquistão no momento. Na carta, traduzido por militares dos Estados Unidos Centro de Combate ao Terrorismo em West Point, "Atiyah" instrui Zarqawi para "enviar mensageiros do seu fim de Waziristan, para que eles se encontram com os irmãos da liderança [...] Eu estou agora em diante uma visita a eles e eu estou escrevendo esta carta para você como eu estou com elas ... "Al-Rahman também indica que bin Laden ea Al-Qaeda são" fracos "e" tem muitos de seus próprios problemas. " A carta foi considerada autêntica por oficiais militares e de contraterrorismo, de acordo com o The Washington Post .
  • Al-Qaeda continuou a lançar vídeos sensíveis ao tempo e profissionalmente verificados demonstrando sobrevivência continuada de Bin Laden como recentemente, em Agosto de 2007. Bin Laden reivindicou a responsabilidade exclusiva do 11 de Setembro e, especificamente, negou qualquer conhecimento prévio deles peloTaliban ou osafegãospessoas.
  • Em 2009, uma equipa de investigação liderada por Thomas W. Gillespie eJohn A. Agnew deUCLA análise geográfica auxiliado por satélite utilizado para identificar três compostos emParachinar como prováveis ​​esconderijos de Bin Laden.
  • Em março de 2009, oNew York Daily News informou que a busca por Bin Laden tinha centrado noDistrito de Chitral Paquistão, incluindo oKalam Valley. Autor Rohan Gunaratna afirmou que os líderes da Al-Qaeda capturados tinha confirmado que bin Laden estava escondido em Chitral.
  • Na primeira semana de Dezembro de 2009, um detento Taliban no Paquistão disse que tinha informações de que Bin Laden estava no Afeganistão em 2009. O detido informou que em janeiro ou fevereiro (2009) que ele conheceu um contato de confiança que tinha visto bin Laden no Afeganistão sobre 15 a 20 dias mais cedo. No entanto, em 6 de dezembro de 2009, o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, afirmou que os Estados Unidos não tinha informações confiáveis ​​sobre o paradeiro de bin Laden em anos. Do Paquistão Primeiro-Ministro Gillani rejeitou alegações de que Osama bin Laden estava escondido no Paquistão.
  • Em 9 de dezembro de 2009, BBC News informou que US Army GeralStanley McChrystal, que serviu como comandante das forças dos EUA no Afeganistão a partir de 15 de junho de 2009 até 23 de junho de 2010, enfatizou a importância continuada da captura ou abate das bin Laden, indicando assim que o alto comando americano acredita que Bin Laden ainda estava vivo.
  • Em 2 de fevereiro de 2010, o presidente afegão, Hamid Karzai, chegou à Arábia Saudita para uma visita oficial. A agenda incluiu a discussão de um possível papel da Arábia Saudita em plano de Karzai de reintegrar militantes do Taliban. Durante a visita de uma autoridade anônima do Ministério das Relações Exteriores saudita declarou que o reino não tinha intenção de se envolver no processo de paz no Afeganistão a menos que o Taliban rompeu os laços com os extremistas e expulsou Osama bin Laden.
  • Em 7 de junho de 2010, o jornal kuwaitiano Al Siyassa informou que bin Laden estava escondido na cidade montanhosa de Savzevar, no nordeste da Iran . Em 9 de junho, edição online do The Australian Notícias repetiu a afirmação.
  • Em 18 de outubro de 2010, um oficial da Otan sem nome sugerido que Bin Laden era "vivo e bem e vivendo confortavelmente" no Paquistão, protegido por elementos dos serviços de inteligência do país. Um alto funcionário paquistanês negou as acusações e disse que as acusações foram projetados para colocar pressão sobre o governo paquistanês à frente das negociações destinadas a reforçar os laços entre o Paquistão e os Estados Unidos.
  • Em 16 de abril de 2011, um vazouAl Jazeerarelatório afirmou que Bin Laden havia sido capturado pelas forças dos EUA no Afeganistão.

Em 29 de março de 2012 jornal paquistanês Amanheceradquiriu um relatório produzido por funcionários de segurança do Paquistão, com base no interrogatório de suas três esposas sobreviventes, que detalhou seus movimentos, enquanto vivem no subsolo no Paquistão.

Em uma carta de 2010, Bin Laden criticou seguidores que tinha reinterpretados al-tatarrus - uma doutrina islâmica significava para desculpar o assassinato não intencional de não-combatentes em circunstâncias incomuns - para justificar massacres rotineiros de civis muçulmanos que haviam transformado os muçulmanos contra o movimento jihadista. Dos grupos afiliados à Al-Qaeda, Bin Laden condenou Tehrik-e-Taliban Paquistão por um ataque a membros de uma tribo hostil, declarando que "a operação não se justifica, como não havia vítimas de não-combatentes." Bin Laden escreveu que a doutrina tatarrus "precisa ser revista com base no contexto moderno e limites claros estabelecidos." Ele pediu a um subordinado a elaborar um código de conduta jihadista que iria restringir as operações militares, a fim de evitar vítimas civis. No Iêmen , Bin Laden pediu a seus aliados para buscar uma "trégua" que traria o país "estabilidade" ou que, pelo menos "mostrar às pessoas que somos cuidadosos em manter ... os muçulmanos segura com base em paz." Na Somália , ele chamou a atenção para a extrema pobreza causada pela guerra constante, e ele aconselhou al-Shabab para prosseguir o desenvolvimento econômico. Ele instruiu seus seguidores ao redor do mundo para se concentrar na educação e persuasão ao invés de "entrar em confrontos" com os partidos políticos islâmicos.

Paradeiro pouco antes de sua morte

Em abril de 2011, vários pontos de inteligência foram capazes de identificar suspeitos localização perto Abbottabad, Paquistão de Bin Laden. Foi inicialmente acreditava-se que Bin Laden estava escondido perto da fronteira entre Afeganistão e do Paquistão Áreas Tribais Administradas Federalmente, mas ele foi encontrado 100 milhas (160 km) de distância em uma de três andares mansão em Abbottabad em 34 ° 10'9.51 "N 73 ° 14'32.78 "E . Mansão de Bin Laden foi localizado 0,8 milhas (1,3 km) a sudoeste da Academia Militar do Paquistão, "do país West Point ". Mapas Google Earth mostram que o composto não estava presente em 2001, mas estava presente em imagens tiradas em 2005.

Morte

Site do Federal Bureau of Investigation listagem bin Laden como falecido nalista dos mais procurados em 03 de maio de 2011

Osama bin Laden foi morto no Paquistão em 2 de maio de 2011, pouco depois de 01:00 locais por um tempo Estados Unidos forças especiais unidade militar. A operação, de codinome lança de Netuno operação , foi condenada por Estados Unidos o presidente Barack Obama e realizado em uma operação de US Central Intelligence Agency (CIA) por uma equipa de Navy Seals do Estados Unidos Grupo desenvolvimento da guerra especial naval (também conhecido como DEVGRU ou informalmente pelo seu antigo nome, SEAL Team Six), do Comando de Operações Especiais Conjunta, com apoio de agentes da CIA no terreno. O ataque no composto de Bin Laden em Abbottabad, Paquistão foi lançado do Afeganistão. Após o ataque, as forças dos EUA levaram o corpo de Bin Laden ao Afeganistão para identificação, em seguida, enterrou-o no mar dentro de 24 horas após a sua morte.

Críticos acusaram estabelecimento militar e de segurança do Paquistão de proteger bin Laden. Por exemplo, Mosharraf Zaidi, um colunista do Paquistão líder, declarou: "Parece profundamente improvável que Bin Laden poderia ter sido onde ele foi morto sem o conhecimento de algumas partes do Estado paquistanês." O presidente do Paquistão , Asif Ali Zardari negou que as forças de segurança do seu país abrigou Bin Laden, e chamou qualquer suposto apoio a Bin Laden pelo governo paquistanês "especulações infundadas".

Especulou-se que o problema pode esticar ainda mais US laços com o Paquistão. Bin Laden foi morto em que alguns sugerem era sua residência por cinco anos. Foi um composto caro localizado a menos de uma milha da Academia Militar do Paquistão, provavelmente construído por ele e dirigir menos de 100 quilômetros da capital '.

Ministério das Relações Exteriores do governo paquistanês emitiu um comunicado que "nega categoricamente" quaisquer relatórios dos meios de comunicação que a liderança do país ", civil, bem como militar, tinham qualquer conhecimento prévio da operação dos EUA contra Osama bin Laden".

Estados Unidos enviado do Paquistão, o embaixadorHusain Haqqani, promete uma "investigação completa" sobre como paquistanês serviços de inteligência não conseguiram encontrar bin Laden em um complexo fortificado, apenas algumas horas de carro de Islamabad, e afirmou que "obviamente bin Laden tinha um sistema de apoio ; a questão é, foi que sistema de apoio dentro do governo e do Estado do Paquistão ou no seio da sociedade do Paquistão "?

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Osama_bin_Laden&oldid=544224327 "