Conteúdo verificado

Literatura persa

Assuntos Relacionados: tipos de Literatura

Você sabia ...

Esta seleção Wikipedia está offline disponível a partir de Crianças SOS, para distribuição no mundo em desenvolvimento. Crianças SOS é a maior doação de caridade do mundo órfãos e crianças abandonadas a chance da vida familiar.

Kelileh va Demneh persa cópia do manuscrito datado de 1429, a partir de Herat, descreve o Chacal tentando levar o Leão extraviados.
Uma cena do Shanama descrevendo o valor de Rustam

Literatura persa ( Persa: ادبیات فارسی) é uma das literaturas mais antigas e mais conhecidas do mundo. Ela abrange milênios two-and-a-half, embora grande parte da pré- islâmica material foi perdido. Suas fontes foram dentro histórico Persia incluindo atual Irã , Iraque e Azerbaijão , bem como as regiões de ?sia Central, onde o Língua persa tem sido historicamente a língua nacional. Por exemplo, Molana (Rumi), uma das mais amadas poetas da Pérsia, nascido em Balkh ou Vakhsh (no que hoje é o Afeganistão ou o Tajiquistão ), escreveu em persa, e viveu em Konya, em seguida, a capital do Seljuks. O Gaznávidas conquistou grandes territórios na Europa Central e Sul da ?sia e adotou como sua língua persa tribunal. Há literatura persa, assim, a partir de Irã , Afeganistão , Iraque , Azerbaijão , Turquia , Paquistão , Tajiquistão e outras partes do ?sia Central. Nem todos esta literatura é escrita em Persa, como alguns consideram obras escritas por étnica Persas em outras línguas, como grego e árabe , para ser incluído. Ao mesmo tempo, não toda a literatura escrita em persa é escrito por étnicas Persas / iranianos. Particularmente poetas e escritores índicos e turcos também têm utilizado a língua persa no ambiente de Culturas Persianate.

Descrito como uma das grandes literaturas da humanidade, literatura persa tem suas raízes na sobrevivência obras de Médio persa e Old persa, o último dos quais data de volta, tanto quanto 522 aC (a data dos primeiros sobrevivo Inscrição Aquemênida, a Inscrição de Behistun ). A maior parte da literatura persa sobrevivência, no entanto, trata dos tempos seguintes a Conquista islâmica da Pérsia cerca de 650 CE. Depois que os Abbasids chegou ao poder (750 dC), os persas se tornaram os escribas e os burocratas do império islâmico e, cada vez mais, também os seus escritores e poetas. The New literatura persa surgiu e floresceu em Khorasan e Transoxiana por causa de razões políticas - as dinastias iranianas adiantados tais como Tahirids e Samânidas foram baseados em Khorasan.

Persas escreveu tanto em persa e árabe; Persa predominou nos círculos literários posteriores. Poetas persas tais como Ferdowsi, Sa'di, Hafiz, Attar, Nezami, Rumi e Omar Khayyam também são conhecidos no Ocidente e influenciaram a literatura de muitos países. Literatura persa tem sido considerada por pensadores como Goethe um dos quatro órgãos principais da literatura mundial.

Literatura persa clássica

Literatura persa pré-islâmica

Muito poucas obras literárias de Achaemenid Persia sobreviveram, em parte devido à destruição da biblioteca em Persépolis. A maior parte do que resta consiste nas inscrições reais de Reis aquemênidas, particularmente Darius I (522-486 aC) e seu filho Xerxes. Muitos Escritos zoroastristas foram destruídos no Conquista islâmica da Pérsia no século 7. O Parsis que fugiu para a ?ndia , no entanto, levaram com eles alguns dos livros do cânon de Zoroastro, incluindo alguns dos Avesta e comentários antigos (Zend) dos mesmos. Algumas obras de Sassanid geografia e viagens também sobreviveu, embora em traduções árabes.

Não existe um único texto dedicado a crítica literária tem sobrevivido da Pérsia pré-islâmica. No entanto, alguns ensaios em Pahlavi, como "Ayin-e nome nebeshtan" (Princípios do livro da escrita) e "Bab-e edteda'I-vos" ( Kalileh o Demneh), têm sido considerados como a crítica literária (Zarrinkoub, 1959).

Alguns pesquisadores têm citou o Sho'ubiyye como afirmando que os persas pré-islâmicas tinha livros sobre eloquência, como 'Karvand'. Nenhum vestígio permanece de tais livros. Há algumas indicações de que alguns entre os elite persas estavam familiarizados com a retórica grega e crítica literária (Zarrinkoub, 1947).

Literatura persa dos períodos medieval e pré-modernas

Embora inicialmente ofuscado pelo árabe durante a Umayyad e início de Abbasid caliphates, Novo persa logo tornou-se uma língua literária novamente do Terras da ?sia Central. O renascimento do idioma na sua nova forma muitas vezes é credenciado para Ferdowsi, Unsuri, Daqiqi, Rudaki, Taleb Amoli e sua geração, como costumavam nacionalismo pré-islâmica como um canal para reavivar a língua e os costumes da antiga Pérsia.

Em particular, diz Ferdowsi-se na sua Shahnama:

بسی رنج بردم در این سال سی
عجم زنده کردم بدین پارسی

"Por 30 anos, eu suportou muita dor e luta,
Eu despertar o Ajam por esta persa [livro] ".

Poesia

Tão forte é a aptidão persa para versificar expressões cotidianas que se pode encontrar poesia em quase todas as obra clássica, seja de literatura persa, ciência ou metafísica. Em suma, a capacidade de escrever em verso era um pré-requisito para qualquer estudioso. Por exemplo, quase metade dos Médicos escritos de Avicena estão em verso.

Obras do início da era da poesia persa são caracterizados por forte patrocínio judicial, uma extravagância de panegíricos, e que é conhecido como سبک فاخر "exaltado em grande estilo". A tradição de patrocínio real começou talvez sob a Sassanid era e transitado através do Abbasid e Samanid tribunais em todos os grandes Dinastia persa. O Qasida foi talvez o mais famoso forma de panegírico usados, embora quadras, tais como aqueles em Omar Khayyam de Ruba'iyyat também são muito populares.

Estilo Khorasani, cujos seguidores foram associados principalmente com Mais Khorasan, é caracterizada pela sua dicção arrogante, o tom digno e linguagem relativamente alfabetizados. Os principais representantes desta lirismo são Asjadi, Farrukhi Sistani, Unsuri, e Manuchehri. Mestres panegírico como Rudaki eram conhecidos por seu amor pela natureza, a sua verso abundante com descrições evocativas.

Através destes tribunais e sistema de patrocínio surgiu o estilo épico da poesia, com Ferdowsi de Shahnama no vértice. Ao glorificar o passado histórico do Irã nos versos heróicos e elevados, ele e outros notáveis, tais como Daqiqi e Asadi Tusi apresentou o " Ajam "com uma fonte de orgulho e inspiração que tem ajudado a preservar um senso de identidade para os povos iranianos ao longo dos tempos. Ferdowsi definir um modelo a ser seguido por uma série de outros poetas mais tarde.

O século 13 marca a ascensão da poesia lírica, com a consequente desenvolvimento do Ghazal em uma grande forma de verso, bem como o surgimento de mística e Poesia Sufi. Este estilo é muitas vezes chamado Araqi estilo (Iraque), (províncias ocidentais do Irã eram conhecidos como Iraque persa (Araq-e-Ajam) e é conhecido por suas qualidades emocionais líricos, medidores rico e relativa simplicidade de sua linguagem. Emocional poesia romântica não era algo novo no entanto, como obras como Mostrar o Ramin por Asad Gorgani, e Yusof o Zoleikha por Am'aq Bokharai exemplificar. Poetas como Sana'i e Attar (que aparentemente têm inspirado Rumi), Khaqani Shirvani, Anvari, e Nizami, eram altamente respeitados escritores Ghazal. No entanto, a elite desta escola são Rumi, Sadi, e Hafiz Shirazi.

Quanto à tradição da poesia persa amor durante a Era Safavid, historiador persa Ehsan Yarshater observa: "Como regra geral, o amado não é uma mulher, mas um homem jovem. Nos primeiros séculos do Islã, os ataques em ?sia Central produziu muitos jovens escravos . Os escravos também foram comprados ou recebidos como presentes. Eles foram feitos para servir como páginas na corte ou nas casas dos ricos, ou como soldados e guarda-costas. Os homens jovens, escravos ou não, também, servido vinho em banquetes e recepções, e mais talentoso entre eles poderia tocar música e manter uma conversa cultivada. Era amor para com páginas jovens, soldados ou noviços em ofícios e profissões que foi objecto de apresentações líricas para panegíricos desde o início da poesia persa, e do Ghazal. "

No um gênero didático pode mencionar De Sanai Hadiqat-ul-Haqiqah (Garden of Truth), bem como De Nizami Makhzan-ul-asrar (Tesouro dos Segredos). Alguns As obras de Attar também pertencem a este gênero como fazem as grandes obras de Rumi, embora alguns tendem a classificar estes no tipo lírico, devido às suas qualidades místicas e emocionais. Além disso, alguns tendem a agrupar As obras de Naser Khosrow neste estilo bem; no entanto verdadeiras jóias do gênero são dois livros por Sadi, um peso pesado da literatura persa, o Bustan eo Gulistan.

Após o século 15, o Indian estilo de poesia persa (às vezes também chamado de Isfahani ou estilos Safavi) assumiu. Este estilo tem suas raízes na Era timúrida e produziu os gostos de Amir Khosrow Dehlavi, e Bhai Nand Lal Goya.

Essays

Os ensaios mais importantes desta época são Nizami Arudhi Samarqandi de "Chahār Maqāleh", bem como Zahiriddin Nasr Muhammad Aufi de compêndio anedota Jawami ul-Hikayat. Famosa obra de Shams al-Mo'ali Abol-Hasan ibn Ghaboos Wushmgir, o Qabus nama (Um Espelho para Princes), é um muito estimado Belas-letras trabalhar da literatura persa. Também é altamente considerado Siyasatnama, por Nizam al-Mulk, um famoso persa vizir. Kelileh va Demneh, traduzido do indiano contos populares, também pode ser mencionado nesta categoria. Ele é visto como uma coleção de adágios em estudos literários persas e, portanto, não transmite noções folclóricas.

Biografias, hagiografias e obras históricas

Entre as principais obras históricas e biográficas no clássico persa, pode-se mencionar Abolfazl Beyhaghi do famoso Tarikh-i Beyhaqi, Lubab ul-Albab de Zahiriddin Nasr Muhammad Aufi (que tem sido considerada como uma fonte fiável cronológica por muitos especialistas), bem como Ata al-Mulk Juvaíni do famoso Tarikh-i-i Jahangushay Juvaini (que abrange o Mongolid e Era Ilkhanid do Irã ). Attar de Tadkhirat al-Awliya ("biografias dos santos") também é um relato detalhado de Místicos sufis, que é referenciado por muitos autores subseqüentes e considerado uma obra significativa na mística hagiografia.

A crítica literária

O mais velho sobrevivente trabalho de crítica literária persa depois da conquista islâmica da Pérsia é Muqaddame-ye-ye Shahname Abu Mansuri, que foi escrito durante o Samanid período. A obra trata dos mitos e lendas de Shahname e é considerado o mais antigo exemplo sobrevivente de prosa persa. Ele também mostra uma tentativa pelos autores para avaliar criticamente obras literárias.

Storytelling persa

Mil e Uma Noites ( Persa: هزار و یک شب) é um medieval conto popular coleção que conta a história de Scheherazade ( Persa: شهرزاد Šahrzād), um Sassanid rainha que deve relacionar uma série de histórias a seu marido malévolo, Rei Shahryar ( Persa: شهریار Šahryār), para atrasar sua execução. As histórias são contadas ao longo de um período de mil e uma noites, e cada noite, ela termina a história com uma situação de suspense, forçando o rei para mantê-la viva por mais um dia. As histórias individuais foram criados ao longo de vários séculos, por muitas pessoas a partir de um número de diferentes terras.

O núcleo da recolha é formado por um Pahlavi Sassanid Livro persa chamado Hazar Afsānah ( Persa: هزار افسان, Thousand Mitos), uma coleção de antigos contos populares indianos e persas.

Durante o reinado do Abbasid Califa Harun al-Rashid, no século oitavo, Bagdá tornou-se uma importante cidade cosmopolita. Mercadores de Pérsia , China , ?ndia , ?frica e Europa foram todos encontrados em Bagdá. Durante este tempo, muitas das histórias que eram originalmente histórias folclóricas são pensados para ter sido recolhidos por via oral ao longo de muitos anos e, posteriormente, compilados em um único livro. O compilador e tradutor século 9-em árabe é supostamente o contador de histórias Abu Abd-Allah Muhammad el-Gahshigar. O quadro história de Shahrzad parece ter sido acrescentado no século 14.

Dicionários

Nomes Dehkhoda 200 obras lexicográficas persas em sua monumental Dehkhoda dicionário, o mais antigo, Farhang-i Avim (فرهنگ اویم) e Farhang-i Menakhtay (فرهنگ مناختای), a partir do final de Sassanid era.

O persa mais utilizado léxicos nos Idade Média eram os de Abu Hafs Soghdi (فرهنگ ابوحفص سغدی) e Asadi Tusi (فرهنگ لغت فرس), escrito em 1092.

Também altamente considerado na literatura persa corpus lexical contemporânea são as obras do Dr. Mohammad Moin. O primeiro volume de Moin dicionário foi publicado em 1963.

Em 1645, Christian Ravius completou um Persian- Latina dicionário, impresso em Leiden. Isto foi seguido pela Em dois volumes edição de J. Richardson Oxford (1777) e de Gladwin-Malda (1770) persa-Inglês Dicionários, Scharif e persa-russo Dicionário S. Peters '(1869), e 30 outras traduções lexicográficas persas até os anos 1950.

Em 2002, o professor Hassan Anvari publicou seu persa-to-persa dicionário, Farhang-e Bozorg-e Sokhan, em oito volumes por Sokhan Publications.

Atualmente dicionários Inglês-persas de Manouchehr Aryanpour e Soleiman Haim são amplamente utilizados no Irã.

Frases persas


PERSA FRASES
* Milhares de amigos são muito poucos, um inimigo é demais. *
هزاران دوست كم اند, يك دشمن زياد است

Poeira Hezārān kam e, yek doshman Ziad ast.

* O inimigo sábio é melhor do que o amigo ignorante. *
دشمن دانا بهتر از دوست نادان است

Doshman-e Dana behtar az-e poeira Nadan ast.

* O inimigo sábio levanta-te, o amigo ignorante lança-lo para baixo. *
دشمن دانا بلندت ميكند. بر زمينت ميزند نادان دوست

Doshman-e Dana bolandat mikonad. Bar zaminat mizanad Nadan-e poeira.

A influência da literatura persa na literatura mundial

Literatura Sufi

William Shakespeare que se refere ao Irã como a "terra do Sophy". Alguns dos best-amados poetas medievais da Pérsia foram Sufis, e sua poesia era, e é, amplamente lido por Sufis de Marrocos a Indonésia . Rumi (Maulana), em particular, é conhecido tanto como poeta e como o fundador de uma ordem sufi generalizada. Os temas e estilos desta poesia devocional têm sido amplamente imitado por muitos poetas sufis. Veja também o artigo sobre Poesia Sufi.

Muitos textos notáveis na literatura mística persa não são poemas, mas altamente lido e considerado. Entre aqueles que são Kimiya-yi e Sa'adat Asrar al-Tawhid.

?reas de uma vez sob o domínio Ghaznavid ou Mughal

Subcontinente indiano

Com o surgimento da Gaznávidas e seus sucessores, como o Ghurids, Timurids e Império Mughal , Cultura persa e sua literatura gradualmente mudou-se para a grande Subcontinente indiano. Persa era a língua da nobreza, círculos literários, e os tribunais de Mughal reais para centenas de anos. (Nos tempos modernos, persa tem sido geralmente suplantado por Urdu , um dialeto persa-fortemente influenciada de Hindustani.)

Sob o império mongol da ?ndia durante o século 16, a língua oficial da ?ndia tornou-se Pérsico. Só em 1832 é que o exército britânico forçar o subcontinente indiano para iniciar a realização de negócios em Inglês. (Clawson, p. 6) poesia persa de fato floresceram nessas regiões, enquanto pós- Safavid iraniano literatura estagnou. Dehkhoda e outros estudiosos do século 20, por exemplo, em grande parte baseado suas obras na lexicografia detalhada produzido na ?ndia, usando compilações como Adat al-Ghazi Khan Fudhala Badr Muhammad Dehlavi (اداة الفضلا), De Ibrahim Ghavamuddin Farughi Farhang-i Ibrahimi (فرهنگ ابراهیمی), e particularmente Farhang-i de Maomé Padshah Anandraj (فرهنگ آناندراج). Famosos poetas do sul da ?sia e estudiosos como Amir Khosrow Dehlavi, Mirza Ghalib e Muhammad Iqbal de Lahore encontrado muitos admiradores no Irã em si.

Literatura ocidental

Literatura persa era pouco conhecido no Ocidente antes do século 19. Tornou-se muito mais conhecido após a publicação de várias traduções das obras de poetas persas final da Idade Média, e que inspirou obras de vários poetas e escritores ocidentais.

Literatura alemã

  • Em 1819, Goethe publicou sua West-östlicher Divan, uma coleção de poemas líricos inspirados por uma tradução alemã do Hafiz (1326-1390).
  • O ensaísta e filósofo alemão Nietzsche foi o autor do livro Assim Falou Zarathustra (1883-1885), referindo-se ao antigo profeta persa Zoroastro (cerca de 1700 aC).

Literatura Inglês

  • Uma selecção de Ferdowsi de Shahnameh (935-1020) foi publicado em 1832 por James Atkinson, um médico contratado pela British East India Company .
  • Uma parte deste resumo foi posteriormente versified pelo poeta britânico Matthew Arnold em sua Rustam 1853 e Sohrab.
  • O poeta americano Ralph Waldo Emerson foi outro admirador da poesia persa. Ele publicou vários ensaios em 1876 que discutir poesia persa: Letras e objectivos sociais, a partir do persa de Hafiz, e Ghaselle.

Talvez o poeta persa mais popular dos séculos 20 e início dos anos 19 foi Omar Khayyam (1048-1123), cujo Rubaiyat foi livremente traduzido por Edward Fitzgerald em 1859. Khayyam é estimado mais como cientista do que um poeta em seu Persia nativa, mas na prestação de Fitzgerald, ele se tornou um dos poetas mais citados em Inglês. Linha de Khayyam, "Um pedaço de pão, um jarro de vinho, e tu", é conhecido por muitos que não poderia dizer quem o escreveu, ou onde.

O poeta persa e místico Rumi (1207-1273) (conhecido como Molana no Irã), atraiu um grande número de seguidores no final dos anos 20 e início do século 21. Popularizando traduções por Coleman Barks apresentaram Rumi como um New Age sábio. Há também um número de mais traduções literárias por estudiosos como AJ Arberry.

Os poetas clássicos (Hafiz, Sa'di, Khayyam, Rumi, Nizami e Ferdowsi) são agora amplamente conhecido em Inglês e pode ser lido em várias traduções. Outras obras de literatura persa são não traduzida e pouco conhecido.

Literatura sueca

Durante o último século, numerosas obras de literatura clássica persa foram traduzidos para Sueco pelo barão Eric Hermelin. Traduziu obras de, entre outros, Farid al-Din Attar, Rumi, Ferdowsi, Omar Khayyam, Sa'adi e Sana'i. Influenciado pelos escritos do sueco místico Emanuel Swedenborg, ele foi especialmente atraída para a religião ou Sufi aspectos da poesia clássica persa. Suas traduções tiveram um grande impacto sobre numerosos escritores suecos modernos, entre eles Karl Wennberg, Willy Kyrklund e Gunnar Ekelof. Trechos de Ferdousi de Shahnama também foi proferida em Sueco prosa por Namdar Nasser e Anja Malmberg.

Literatura italiana

Durante o último século, numerosas obras de literatura clássica persa foram traduzidos para italiano por Alessandro Bausani (Nizami, Rumi, Iqbal, Khayyam), Carlo Saccone ('Attar, Sana'i, Hafiz, Nasir-i Khusraw, Nizami, Ahmad Ghazali , Ansari de Herat), Angelo Piemontese (Amir Khusraw Dihlavi), Pio Filippani-Ronconi (Nasir-i Khusraw, Sa'di), Riccardo Zipoli (Kay Ka'us, Bidil), Maurizio Pistoso (Nizam al-Mulk), Giorgio Vercellin (Nizami 'Aruzi), Giovanni Maria D'Erme (' Ubayd Zakani, Hafiz), Sergio Foti (Suhrawardi, Rumi, Jami), Rita Bargigli (Sa'di, Farrukhi, Manuchehri, 'Unsuri). A tradução completa de Shah-nama de Firdawsi foi feito por Italo Pizzi no século 19. Veja na Wikipedia italiana: persiana letteratura para mais informações.

Literatura persa Contemporânea

História

No século 19, a literatura persa experimentaram uma mudança dramática e entrou em uma nova era. O início desta mudança foi exemplificado por um incidente em meados do século 19 na corte de Nasereddin Shah, quando o primeiro-ministro reformista, Amir Kabir, criticou o poeta Habibollah Qa'ani para "mentir" num qasida panegírico escrito em honra de Kabir. Kabir viu poesia em geral e do tipo de poesia que tinha desenvolvido durante o período de Qajar como prejudicial para o "progresso" e "modernização" na sociedade iraniana, que ele acreditava que era extrema necessidade de mudança. Tais preocupações foram também expressas por outras pessoas, tais como Fath-'Alí Akhundzadeh, Mirza Aqa Khan Kermani, e Mirza Malkom Khan. Khan também abordou a necessidade de uma mudança na poesia persa em termos literários, bem como, sempre relacionando-a com preocupações sociais.

O novo movimento literário persa não pode ser entendida sem uma compreensão do movimentos intelectuais entre os círculos filosóficos iranianas. Dado o clima social e político da Pérsia (Irã) no final do século 19 e início do século 20, o que levou à Revolução Constitucional Persa de 1906-1911, a idéia de que a mudança era necessária na poesia tornou-se generalizada. Muitos argumentaram que a poesia persa deve refletir as realidades de um país em transição. Esta ideia foi propagada por figuras literárias notáveis como Ali-Akbar Dehkhoda e Abolqasem Aref, que desafiou o sistema tradicional de poesia persa em termos de introdução de novos conteúdos e experimentação com retórica, léxico-semânticas, e estrutura. Dehkhoda, por exemplo, usou uma forma tradicional menos conhecido, o Mosammat, para elegize a execução de um jornalista revolucionário. 'Aref empregou o ghazal, "o gênero mais central dentro da tradição lírica" (p. 88), para escrever o seu "Payam-e Azadi" (Mensagem da Liberdade).

Alguns pesquisadores argumentam que a noção de "ramificações sócio-políticas de mudanças estéticas" levou à idéia de poetas "como líderes sociais que tentam os limites e as possibilidades de mudança social."

Um movimento importante na literatura persa moderno centrado na questão da modernização e Ocidentalização e se esses termos são sinônimos ao descrever a evolução da sociedade iraniana. Pode argumentar-se que quase todos os defensores do modernismo na literatura persa, a partir de Akhundzadeh, Kermani, e Malkom Khan para Dehkhoda, Aref, Bahar, e Taqi Rafat, foram inspirados por desenvolvimentos e mudanças que ocorreram em literaturas ocidentais, particularmente Europeia,. Tais inspirações não quis dizer cegamente copiar modelos ocidentais, mas, sim, adaptar os aspectos da literatura ocidental e alterá-los para atender às necessidades da cultura iraniana.

Abdolhossein Zarrinkoub, estudioso proeminente da literatura persa e crítica literária

Na sequência dos trabalhos pioneiros de Ahmad Kasravi, Sadeq Hedayat e muitos outros, a onda iraniana de literatura comparativa e crítica literária atingiu uma crista simbólico com o surgimento de Abdolhossein Zarrinkoub, Shahrokh Meskoob, Houshang Golshiri e Ebrahim Golestan.

Literatura persa no Afeganistão

Literatura persa no Afeganistão também passou por uma mudança dramática no século passado. No início do século 20, o Afeganistão foi confrontado com a mudança económica e social, o que provocou uma nova abordagem à literatura. Em 1911, Mahmud Tarzi, que voltou para o Afeganistão depois de anos de exílio na Turquia e foi influente nos círculos governamentais, começou uma publicação quinzenal chamado Saraj'ul Akhbar. Saraj não foi a primeira publicação no país, mas no campo do jornalismo e da literatura lançou um novo período de mudança e modernização. Saraj não só desempenhou um papel importante no jornalismo, ele também deu nova vida à literatura como um todo e abriu o caminho para a poesia para explorar novas vias de expressão através dos quais pensamentos pessoais assumiram uma forma mais color social.

Em 1930 (1309 AH), depois de meses de estagnação cultural, um grupo de escritores fundou o Círculo Literário Herat. Um ano mais tarde, um outro grupo que se autodenomina o Círculo Literário Cabul foi fundado na capital. Ambos os grupos publicados revistas regulares dedicado à cultura e literatura persa. Ambos, especialmente a publicação Cabul, teve pouco sucesso em tornar-se espaços para poesia persa moderna e escrita. Com o tempo, a publicação Cabul transformou em um reduto de escritores e poetas tradicionais, e do modernismo na literatura Dari foi empurrado para as margens da vida social e cultural.

Três dos mais importantes poetas clássicos no Afeganistão na época eram Qari Abdullah, Abdul Haq e Betab Khalil Ullah Khalili. Os dois primeiros recebeu o título honorário Malek ul Shoara (Rei dos Poetas). Khalili, o terceiro e mais jovem, foi atraído para o estilo de Khorasan da poesia em vez do estilo Hendi habitual. Ele também estava interessado na poesia moderna e escreveu alguns poemas em um estilo mais moderno, com novos aspectos do pensamento e significado. Em 1318 (AH), após dois poemas de Nima Youshij intitulado "Gharab" e "Ghaghnus" foram publicados, Khalili escreveu um poema sob o nome "Sorude Kuhestan" ou "The Song of the Mountain" no mesmo padrão de rimas como Nima e enviou-o para o Círculo Literário Cabul. Os tradicionalistas em Cabul recusou-se a publicá-lo porque ele não foi escrita na rima tradicional. Eles criticaram Khalili para modernizar seu estilo.

Muito gradualmente novos estilos encontrado o seu caminho para a literatura e círculos literários apesar dos esforços dos tradicionalistas. O primeiro livro de poemas novos foi publicado no ano de 1957 (1336 AG), e em 1962 (1341 AH), uma coleção de poesia persa moderno foi publicado em Cabul. O primeiro grupo a escrever poemas no novo estilo consistia em Mahmud Farani, Baregh Shafi, Solayman Layeq, Sohail, Ayeneh e alguns outros. Mais tarde, Vasef Bakhtari, Asadullah Habib e Latif Nazemi, e outros se juntou ao grupo. Cada um tinha sua própria parte na modernização da poesia persa no Afeganistão. Outras figuras notáveis incluem Leila Sarahat Roshani, Sayed Elan Bahar e Parwin Pazwak. Poetas como Mayakovsky, Yase Nien e Lahouti (um poeta iraniana que vive no exílio na Rússia) exerceu uma influência especial sobre os poetas persas no Afeganistão. A influência de iranianos (por exemplo, Farrokhi Yazdi e Ahmad Shamlou) em prosa e poesia moderna afegão, especialmente na segunda metade do século 20, também devem ser levados em consideração.

Escritores proeminentes do Afeganistão como Asef Soltanzadeh, Reza Ebrahimi, Ameneh Mohammadi, e Abbas Jafari cresceu no Irã e foram influenciados por escritores e professores iranianos.

Literatura persa no Tajiquistão

A nova poesia no Tajiquistão está principalmente preocupada com o modo de vida das pessoas e é revolucionário. Da década de 1950 até o advento da nova poesia em França, ?sia e América Latina, o impacto do esforço de modernização era forte. Na década de 1960, a poesia moderna iraniana e que de Mohammad Iqbal Lahouri causou uma profunda impressão em tadjique poesia. Este período é provavelmente o período mais rico e fértil para o desenvolvimento de temas e formas da poesia persa no Tajiquistão. Alguns poetas tajiques eram meros imitadores, e pode-se facilmente ver os traços de poetas estrangeiros em seu trabalho. Apenas dois ou três poetas foram capazes de digerir a poesia estrangeira e compor poesia original. No Tajiquistão, o formato e os aspectos pictóricos de contos e romances foram retirados de literatura européia da Rússia e outros. Alguns dos Tajiquistão nomes proeminentes 's na literatura persa são Golrokhsar Safi Eva, Mo'men Ghena'at, Farzaneh Khojandi e Layeq Shir-Ali.

Novelas

Romancistas conhecidos incluem:

  • Mohammad-Ali Jamalzadeh
  • Sadeq Hedayat
  • Sadeq Chubak
  • Gholam-Hossein Sa'edi
  • Ahmad Mahmoud
  • Jalal Al-e-Ahmad
  • Simin Daneshvar
  • Bozorg Alavi
  • Ebrahim Golestan
  • Bahman Sholevar
  • Mahmoud Dowlatabadi
  • Bahram Sadeghi
  • Ghazaleh Alizadeh
  • Bahman Forsi
  • Houshang Golshiri
  • Reza Baraheni
  • Abbas Maroufi
  • Reza Ghassemi
  • Zoya Pirzad
  • Shahriyar Mandanipour
  • Abutorab Khosravi

Sátira

  • Dehkhoda
  • Iraj Mirza
  • Kioumars Saberi Foumani
  • Obeid Zakani
  • Ebrahim Nabavi
  • Hadi Khorsandi
  • Bibi Khatoon Astarabadi
  • Bahman Sholevar
  • Emran Salahi

A crítica literária

Pioneiros da crítica literária persa do século 19 em incluir Mirza Fath `Ali Akhundzade, Mirza Malkom Khan, Mirza `Abd al-Rahim e Talebof Zeyn al-`Abedin Maraghe`i.

Proeminentes críticos do século 20 incluem:

  • Jamshid Behnam
  • Allameh Dehkhoda
  • Badiozzaman Forouzanfar
  • Mohammad Taqi-Bahar
  • Jalal Homaei
  • Mohammad Moin
  • Saeed Nafisi
  • Parviz Natel-Khanlari
  • Sadeq Hedayat
  • Ahmad Kasravi.
  • Abdolhossein Zarrinkoub
  • Shahrokh Meskoob
  • Hamid Dabashi

Saeed Nafisi analisados e editou vários trabalhos críticos. Ele é bem conhecido por seus trabalhos sobre Rudaki e Sufi literatura. Parviz Natel-Khanlari e Gholamhossein Yousefi, que pertencem à geração de Nafisi, também estavam envolvidos na literatura moderna e escritos críticos. Natel-Khanlari distingue-se pela simplicidade de seu estilo. Ele não seguiu os tradicionalistas, nem ele defender o novo. Em vez disso, sua abordagem acomodados todo o espectro de criatividade e expressão na literatura persa. Outro crítico, Ahmad Kasravi, uma autoridade experiente em literatura, atacou os escritores e poetas cujas obras servido despotismo.

Contemporâneo persa crítica literária atingiu sua maturidade depois Sadeq Hedayat, Ebrahim Golestan, Houshang Golshiri, Abdolhossein Zarrinkoub e Shahrokh Meskoob. Entre essas figuras, Zarrinkoub ocupou cargos acadêmicos e tinha uma reputação não apenas entre os intelectuais, mas também no meio acadêmico. Além de sua contribuição significativa para a maturidade de língua persa e da literatura, Zarrinkoub impulsionou literatura comparativa e crítica literária persa. De Zarrinkoub Serr e Ney é uma análise crítica e comparativa dos Masnavi de Rumi. Por sua vez, Shahrokh Meskoob trabalhou em Ferdowsi de Shahnameh, usando os princípios da crítica literária moderna.

A principal contribuição de Mohammad Taghi Bahar a este campo é seu livro chamado SABK Shenasi (Stylistics). É um trabalho pioneiro sobre a prática da historiografia literária persa eo surgimento e desenvolvimento da literatura persa como uma instituição distinta no início do século 20. Alega que o status exemplar de SABK-shinasi repousa sobre o reconhecimento das suas realizações disciplinares ou institucionais. Alega ainda que, em vez de um texto em persa "estilística", SABK-shinasi é uma vasta história da prosa literária persa, e, como tal, é uma intervenção significativa na historiografia literária persa.

Jalal Homaei, Badiozzaman Forouzanfar e seu aluno, Mohammad Reza Shafiei-Kadkani, são outras figuras notáveis que editaram uma série de importantes obras literárias.

Análise crítica das obras de Jami foi realizada por Ala Khan Afsahzad. Seu livro clássico ganhou o prestigioso prêmio de Ano Melhor livro do Irã no ano de 2000.

Contos persa

Historicamente, o moderno conto persa passou por três estágios de desenvolvimento: um período de formação, um período de consolidação e crescimento, e um período de diversidade.

O período formativo

O período de formação foi anunciada por A coleção de Mohammad Ali Jamalzadeh Yak-i Bud Yak-i Nabud (1921; tr H. Moayyad e P. Sprachman como Once Upon a Time, New York, 1985.), E ganhou impulso com os primeiros contos de Sadeq Hedayat (1903-1951). Jamalzadeh (1895-1997) é geralmente considerado como o primeiro escritor de contos modernas em persa. Suas histórias se concentrar no enredo e acção, em vez de humor ou desenvolvimento de personagens e, nesse aspecto são uma reminiscência das obras de Guy de Maupassant e O. Henry. Em contraste, Sadeq Hedayat, o escritor que introduziu o modernismo com a literatura persa, trouxe uma mudança fundamental na ficção persa. Além de suas histórias mais longas ", Buf-e kur" (sua obra-prima;. Ver acima ii) e "Haji Aqa" (1945), ele escreveu coletâneas de contos, incluindo Se Ghatra-ye Khun (três gotas de sangue, 1932 ;. tr para o francês por G. Lazard como Trois gouuttes de sang , Paris 1996) e Zenda ser Gur (Buried Alive, 1930). Suas histórias foram escritas em uma linguagem simples e lúcido, mas ele empregou uma variedade de abordagens, de realismo e naturalismo à fantasia surrealista, abrindo novos caminhos e introduzir toda uma gama de modelos literários e apresentando novas possibilidades para o desenvolvimento futuro do gênero. Ele experimentou com cronologia interrompido e não-linear ou parcelas circulares, aplicando essas técnicas para ambos os seus escritos realistas e surrealistas. Ao contrário Hedayat, que incidiu sobre a complexidade psicológica e vulnerabilidades latentes do indivíduo, Bozorg Alavi retrata personagens ideologicamente motivados desafiando a opressão ea injustiça social. Tais personagens, raramente retratados antes na ficção persa, são a principal contribuição de Alavi à gama temática do modem conto persa. Este compromisso com questões sociais é emulado por Fereydun Tonokaboni (b 1.937.), Mahmud Dawlatabadi (b 1.940.), Samad Behrangi (qv; 1939-1968), e outros escritores da esquerda na próxima geração.

Sadeq Chubak foi um dos primeiros autores a quebrar o tabu. Seguindo o exemplo de William Faulkner, John Steinbeck, Erskine Caldwell, e Ernest Hemingway , sua abordagem contundente aparece nas coleções primeiros contos Khayma Shab-bazi (The Puppet Show, 1945) e Antar-i ke Luti-ash Morda Bud (1949; tr. P. Avery como "The Baboon quem Buffoon estava morto", New World Writing 11, 1957, pp. 14-24), histórias posteriores como "Zir-e Cheragh-e Ghermez", "Pirahan-e Zereski", e "Chera Darya Tufani Shoda Bud "descrever a bestialidade nu e degradação moral das personagens sem nenhum traço de melindres. Seus contos espelhar apodrecendo sociedade, preenchido pelo esmagados e derrotados. Chubak pega marginais caracteres de vagabundos, pombo-pilotos, cadáver-lavadoras, prostitutas e viciados em ópio-que raramente aparecem na ficção de seus antecessores, e quem ele retrata com vivacidade e força. Seus leitores ficar cara a cara com a realidade e os incidentes que têm muitas vezes testemunhado por si mesmos na vida cotidiana, mas têm evitado fora de sua mente através de complacência sombrias.

Um traço distintivo da ficção persa pós-guerra, em todas as três fases de desenvolvimento é a atenção dedicada à narrativa estilos e técnicas. Em matéria de estilo prevalecer duas tendências principais. Alguns autores, como Chubak e Al-e Ahmad, siga padrões de fala coloquial; outros, tais como Ebrahim Golestan (b 1.922.) e Mahmoud Etemadzadeh "Behazin" (1915 b.), adotaram um tom mais literário e lírico. Embora o trabalho de todos os quatro escritores esticar em períodos posteriores, algumas breves observações sobre suas técnicas diferentes, o que delineou caminhos futuros, precisamos mencionar desde o início. Golestan experimentou com diferentes estilos narrativos, e foi somente em duas coleções de histórias tardias, Juy o Divar o Teshna (The Stream eo Muro ea Parched, 1967) e Madd o Meh (The Tide e da névoa, 1969) que ele conseguiu encontrar um estilo e voz própria. Sua linguagem poética inspira tanto de formas sintáticas de prosa clássica persa e as experiências de escritores modernistas, notadamente Gertrude Stein. A influência do modernismo é evidente também na estrutura de contos de Golestan, em que o enredo linear tradicional é abandonada em favor da cronologia interrompida e livre associação de idéias. Contrariamente à maioria dos outros autores persas modernos, Golestan dá pouca atenção ao estado dos pobres e despossuídos. Em vez disso, seus contos são dedicados ao mundo dos intelectuais persas, suas preocupações, angústias e obsessões privadas. Marca de Golestan do modernismo tem influenciado a geração posterior de escritores como Bahman Forsi (b. 1933) e Houshang Golshiri (b. 1937). Embora as histórias de Behazin mostrar endividamento semelhante aos modelos clássicos persas, ele não segue experimentos modernistas de Golestan com sintaxe. Behazin é um autor cujas histórias, entregues em um estilo literário lúcido, expressar suas crenças sociais de esquerda. Em alguns de seus trabalhos posteriores, como a coleção de história curta Mohra-ye Mar (The Snake Charme, 1955), ele se vira para alegoria literária, imbuindo contos antigos com uma nova mensagem, uma técnica, o que lhe permite expressar os seus pontos de vista críticos obliquamente. Antecessores de Behazin no sub-gênero do conto alegórico eram Hedayat (em Ab-e Zendegi , 1931) e Chubak ("Esa'a-ye Adab" na coleção Khayma-Shab-Bazi ).

Período de crescimento e desenvolvimento

Este segundo período no desenvolvimento do moderno conto persa começou com o golpe de Estado de 19 de Agosto de 1953, e terminou com a revolução de 1979. Jalal Al-e Ahmad está entre os proponentes de novas ideias políticas e culturais, cuja influência e impacto ficar em cima do primeiro eo segundo períodos da história da ficção persa moderno. Seus escritos mostram uma consciência das obras de Franz Fanon e da nova geração de escritores do terceiro mundo preocupados com os problemas de dominação cultural por potências coloniais. Al-e Ahmad, Behazin, Tonekaboni, e Behrangi tudo pode ser descrito como escritores envolvidos porque a maioria de suas histórias são construídas em torno de um princípio ideológico central ou tese e ilustrar pontos de vista e inclinações políticas dos autores. Entre os poetas deste período, Forough Farrokhzad (1935-1967) tem um lugar especial como o primeiro poeta feminino da língua persa aclamado por seus contemporâneos e que deixou um legado duradouro apesar de sua curta vida. Seu legado e influência não é principalmente (ou exclusivamente) político; no entanto, ela foi uma das primeiras mulheres capazes de definir uma marca pessoal e original. Neste sentido, ela é elevada ao status de ícone.

Outro autor notável deste período é Simin Daneshvar (b. 1931), o primeiro escritor mulher de nota em literatura persa contemporânea. Sua reputação repousa em grande parte em seu romance popular Savusun ("Os choros de Siy?vosh ", 1969). Contos de Simin Daneshvar merecem menção, porque eles se concentram sobre a situação ea exclusão social das mulheres na sociedade persa e abordar temas da actualidade do ponto de vista de uma mulher.

(1935-1985) contos de Gholam Hossein Saedi, que ele chamou Ghessa , muitas vezes transcendem os limites do realismo e atingir um significado simbólico. Suas histórias alegóricas, que ocasionalmente se assemelham a contos folclóricos e fábulas, são habitadas por pessoas deslocadas, preso em becos sem saída (Sepanlu, p. 117). Eles enfatizam as ansiedades e as perturbações psicológicas de seus personagens profundamente problemáticos. Sadeghi (1936-1984) foi mais um autor que incidiu sobre as ansiedades e angústias mentais secretos de seus personagens.

Hooshang Golshiri (1937-2000) e Asghar Elahi (b. 1944) criou retratos psicológicos memoráveis ​​através de monólogo interino e fluxo de técnicas de consciência. Golshiri, o autor da longa história "Shazda Ehtejab" (Príncipe Ehtejab, 1968), é particularmente conhecido por suas experiências de sucesso com monólogos interiores estendidos. A, escritor inovadora e ousada ansiosos para explorar métodos e estilos modernos, Golshiri usa fluxo de consciência narrativa de reavaliar teorias e eventos familiares.

Período da diversidade

Neste período, a influência da literatura ocidental sobre os escritores e autores iranianos é óbvio. As novas e modernas abordagens da escrita é introduzida e vários gêneros têm desenvolvido especialmente no campo da história curta. As tendências mais populares são para os métodos pós-modernos e ficção especulativa.

Poesia

Poetas persas notáveis, modernas e clássicas, incluemMehdi Akhavan-Sales,Simin Behbahani,Forough Farrokhzad,Mohammad Zohari,Bijan Jalali,Mina Assadi,Siavash Kasraie,Fereydoon Moshiri,Nader Naderpour,Sohrab Sepehri,Mohammad-Reza Shafiei-Kadkani,Ahmad Shamlou ,Nima Yushij,Manouchehr Atashi,Houshang Ebtehaj,Mirzadeh Eshghi (clássica),Mohammad Taghi Bahar (clássica),Aref Ghazvini (clássica),Parvin Etesami (clássica), eShahriar (clássica).

O Sepid poema (que se traduz em poema branco), que desenha suas fontes deste poeta, evitou as regras obrigatórias que tinham entrado escola de poesia o Nimai 'e adoptou uma estrutura mais livre. Isto permitiu uma relação mais directa entre o poeta e suas raízes emocionais. Na poesia anterior, as qualidades de visão do poeta, bem como a extensão do assunto só poderia ser expresso em termos gerais e foram subsumidas pelas limitações formais impostas a expressão poética.

Simin Daneshvar, o Irã do primeiro romancista feminino e contista.

A poesia de Nima transgrediu essas limitações. Ele contou com a função natural inerente a própria poesia para retratar o poeta solidariedade com a vida eo mundo inteiro em torno dele ou dela em detalhes e cenas específicas e inequívocas. Poesia Sepid continua a visão poética como Nima expressou e evita as regras artificiais impostas à sua criação. No entanto, sua diferença mais distinta com poesia Nimai 'é a afastar-se os ritmos ele empregadas. Nima Youshij pago a atenção para uma rima harmonioso do conjunto e criou muitos exemplos experimentais para alcançar este fim.

Ahmad Shamlu descobriu as características internas de poesia e sua manifestação nas criações literárias de mestres clássicos, bem como a experiência Nimai '. Ele ofereceu uma abordagem individual. Distanciando-se das obrigações impostas pela poesia mais velho e algumas das limitações que tinham entrado poema o Nimai ", reconheceu o papel da prosa e música escondida na língua. Na estrutura de Sepid poesia, em contraste com as regras prosódicas e Nimai ', o poema é escrito em palavras mais "naturais" e incorpora um processo de prosa-like sem perder a sua distinção poética. Poesia Sepid é um ramo de desenvolvimento da poesia Nimai 'construída sobre as inovações da Nima Youshij. Nima pensei que qualquer mudança na construção e as ferramentas de expressão de um poeta é condicional em sua / seu conhecimento do mundo e uma visão revolucionou. Poesia Sepid não poderia ter raiz fora este ensinamento e sua aplicação.

Conforme Simin Behbahani, Sepid poesia não recebeu aceitação geral antes de as obras de Bijan Jalali. Ele é considerado o fundador da Sepid poesia de acordo com Behbahani. Behbahani-se usou o estilo "Char Pareh" de Nima, e, posteriormente, virou-se para Ghazal, um estilo de poesia livre fluxo semelhante ao soneto Ocidental. Simin Behbahani contribuiu para um desenvolvimento histórico sob a forma de o ghazal, enquanto acrescentava assuntos teatrais e eventos diários e conversas em sua poesia. Ela ampliou a gama de formas de verso persa tradicional e produziu algumas das obras mais significativas da literatura persa do século 20.

Um seguidor relutante de Nima Yushij, Mehdi Akhavan-Sales publicou seu Organ (1951) para apoiar as alegações contra os esforços inovadores de Nima Yushij. Na poesia persa, Mehdi Akhavan Vendas estabeleceu uma ponte entre o Khorassani e Nima Escolas. Os críticos consideram Vendas Mehdi Akhavan como um dos melhores poetas persas contemporâneos. Ele é um dos pioneiros do verso livre (nova poesia estilo) na literatura persa, particularmente de épicos de estilo moderno. Era a sua ambição, por um longo tempo, a introdução de um novo estilo de poesia persa.

Forough Farrokhzad é importante na história literária do Irã por três razões. Em primeiro lugar, ela estava entre a primeira geração de abraçar o novo estilo de poesia, foi pioneiro por Nima Yushij durante a década de 1920, que exigia que os poetas experimentar com rima, aparência, ea voz individual. Em segundo lugar, ela foi a primeira mulher iraniana moderna para articular graficamente paisagens sexuais privadas a partir da perspectiva de uma mulher. Finalmente, ela transcendeu seu próprio papel literário e experimentou com a atuação, pintura, e realização de documentários.

Fereydoon Moshiri é mais conhecido como conciliador da poesia persa clássica com a Nova Poesia iniciada por Nima Yooshij. Uma das principais contribuições da poesia de Moshiri, de acordo com alguns observadores, é o alargamento do âmbito social e geográfica da literatura persa moderno.

Um poeta da última geração antes da Revolução Islâmica digno de menção é Mohammad-Reza Shafiei-Kadkani (M. Sereshk). Embora ele é de Khorassan e oscila entre fidelidade a Nima Youshij e Akhavan Saless, em sua poesia, ele mostra as influências do Hafiz e Mowlavi. Ele usa uma linguagem simples, lírico e é em grande parte inspirado pelo ambiente político. Ele é o mais bem sucedido desses poetas que nas últimas quatro décadas têm tentado difícil encontrar uma síntese entre os dois modelos de Ahmad Shamloo e Nima Youshij.

Entre os poetas mais jovens nascidos no Irã nas últimas décadas do século 20, Maryam Ala Amjadi é provavelmente o mais conhecido na Ásia e no Ocidente. Tendo recebido distinções tanto dos EUA (Iowa famosa Programa Internacional de Escritores) e China (distinguido Prêmio de Poesia Yinchuan), ela leu sua poesia em muitos festivais e universidades ao redor do mundo.

Prêmios de literatura persa

  • Sadegh Hedayat Award
  • Prêmio Nacional de Ferdowsi
  • Houshang Award Golshiri
  • Bijan Award Jalali
  • Prémio do Livro Anual do Irã
  • Mártir Avini Literary Award
  • Prêmio Adab Mehrgan
  • Parvin Award Etesami
  • Yalda Literary Award
  • Isfahan Literary Award
  • Art especulativa persa e Prêmio de Literatura
  • Jalal Al-e Ahmad literárias Prêmios
  • Ouro Pen Prêmios
  • Lois Roth Prémio de Tradução Persa

Autores e poetas

(("Poetisas Eminentes da Pérsico" por RM Chopra, 2010.))

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Persian_literature&oldid=544045524 "