Conteúdo verificado

Roald Amundsen

Assuntos Relacionados: Geógrafos e exploradores

Sobre este escolas selecção Wikipedia

Crianças SOS produziu este website para as escolas, bem como este site de vídeo sobre a ?frica . SOS mães cada um cuidar de uma família de crianças apadrinhadas .

Roald Amundsen Engelbregt Gravning
Roald Amundsen LOC 07622u.jpg
Nascido (1872/07/16) 16 de julho de 1872
Borge, Østfold, Noruega
Desaparecido 18 de junho de 1928 (1928/06/18) (55 anos)
desconhecido
Ocupação Explorador
Pais Jens Amundsen, Hanna Sahlqvist
Assinatura

Roald Amundsen Engelbregt Gravning (norueguês: [ɾuːɑl ɑmʉnsən]; 16 de julho de 1872 - c. 18 de junho de 1928) foi um Norueguês explorador de regiões polares. Ele liderou a Antártida expedição (1910-1912) para descobrir o Pólo Sul em dezembro de 1911 e ele foi o primeiro líder da expedição para ( undisputedly) atingir o Pólo Norte em 1926. Ele também é conhecido como o primeiro a atravessar o Passagem do Noroeste (1903-1906). Ele desapareceu em junho 1928 ao participar de uma missão de resgate. Amundsen, Douglas Mawson, Robert Falcon Scott , e Ernest Shackleton foram os principais líderes da expedição durante a Heroic Age of Exploration Antártica.

Infância

Roald Amundsen como um jovem rapaz em Christiania, 1875

Amundsen nasceu em uma família de armadores noruegueses e capitães em Borge, entre as cidades Fredrikstad e Sarpsborg. Seu pai era Jens Amundsen. Ele era o quarto filho da família. Sua mãe escolheu para mantê-lo fora da indústria marítima da família e pressionou-o a se tornar um médico, uma promessa que Amundsen manteve até que sua mãe morreu quando ele estava com 21 anos, ao que ele sair da universidade para uma vida no mar. Amundsen havia escondido um desejo ao longo da vida inspirado por Cruzamento de Fridtjof Nansen da Groenlândia em 1888 e condenado a Franklin expedição. Como resultado, ele decidiu sobre uma vida de intensa exploração.

Caminhadas polares

Expedição Antártica Belga (1897-1899)

Retratos de Roald Amundsen

Ele era um membro da Expedição Antártica Belga (1897-1899) como o primeiro companheiro. Esta expedição, liderada por Adrien de Gerlache usando o navio a Belgica, tornou-se a primeira expedição para o inverno na Antártida. A Belgica, se por erro ou design, ficou trancada no gelo do mar em 70 ° 30'S fora Alexander Island, oeste do Península Antártica. A tripulação então sofreu um inverno para que a expedição foi mal preparado. Por própria estimativa de Amundsen, o médico da expedição, American Frederick Cook, provavelmente salvou a tripulação do escorbuto pela caça para animais e alimentando a carne fresca tripulação, uma importante lição para as futuras expedições de Amundsen.

Passagem do Noroeste (1903-1906)

Bélgica congelado em gelo de 1898

Em 1903, Amundsen liderou a primeira expedição para atravessar com sucesso do Canadá Passagem do Noroeste entre o Atlântico eo Pacífico. Com ele estavam outros seis em um navio de pesca de 45 toneladas, Gjøa. Sua técnica era usar um pequeno navio e abraçar a costa. Amundsen teve o navio equipado com um pequeno motor a gasolina. Eles viajaram via Baffin Bay, o Parry Channel e depois para o sul através de Peel Sound, James Ross Strait, Simpson e Estreito Rae Estreito e passou dois invernos em King William Ilha no que é hoje Gjoa Haven, Nunavut, Canadá. Durante este tempo Amundsen aprendeu desde o nível local Pessoas Netsilik sobre Arctic habilidades de sobrevivência que viria a revelar-se útil. Por exemplo, ele aprendeu a usar cães de trenó e de usar peles de animais em vez de pesados, parkas de lã. Deixando Gjoa Haven, ele foi para o oeste e passou Cambridge Bay, que tinha sido alcançado a partir do oeste por Richard Collinson em 1852. Continuando para o sul da Victoria Island, o navio abriu o Arquipélago ártico canadiano em 17 de agosto de 1905, mas teve que parar para o inverno antes de ir para Nome no Distrito Alaska costa do Pacífico. Quinhentas milhas (800 quilômetros) de distância, ?guia City, Alaska, teve um estação de telégrafo; Amundsen viajou lá (e volta) por terra para ligar uma mensagem de sucesso ( coletar) em 5 de dezembro de 1905. Nome foi alcançada em 1906. Porque a água ao longo da rota era tão superficial quanto 3 pés (0,91 m), um navio maior não poderia ter feito a viagem.

Foi nessa época que Amundsen recebeu a notícia de que Noruega tinha formalmente tornar-se independente da Suécia e teve um novo rei. Amundsen enviou o novo Rei Haakon VII notícia de que ele "foi uma grande conquista para a Noruega". Ele disse que esperava fazer mais e assinado "seu súdito leal, Roald Amundsen." A tripulação voltou para Oslo, em Novembro de 1906, depois de quase 3,5 anos a bordo. Demorou até 1972 para obter o Gjøa de volta para a Noruega. Depois de uma viagem de 45 dias a partir de San Francisco em um navio graneleiro, o Gjøa foi colocado em seu atual lugar de repouso fora do Museu Fram em Oslo.

South Pole Expedition (1910-1912)

Roald Amundsen e sua equipe olhando para a bandeira norueguesa no Pólo Sul, 1911

Depois de cruzar a Passagem do Noroeste, Amundsen fez planos para ir para o Pólo Norte e explorar o Bacia Polar Norte. Amundsen teve problemas e hesitação angariar fundos para a partida e na audição em 1909 que o primeiro Frederick Cook e, em seguida, Robert Peary alegou o Pólo, ele decidiu redirecionar para a Antártida. No entanto, ele não fez esses planos conhecido e enganados tanto o inglês, Robert F. Scott e os noruegueses. Usando o navio Fram ("Forward"), usada anteriormente por Fridtjof Nansen, ele deixou a Noruega para o sul, deixando Oslo em 3 de Junho de 1910. No Madeira, Amundsen alertado seus homens que estariam indo para a Antártica, além de enviar um telegrama para Scott notificando-o simplesmente: ". BEG de informar FRAM DE PROCEDER ANT?RTICA - AMUNDSEN" A expedição chegou ao extremo oriental da Ross Ice Shelf (então conhecida como "a Grande Barreira de Gelo") em uma grande entrada de chamada Baía das Baleias em 14 de Janeiro de 1911, onde Amundsen localizado seu acampamento base e nomeou- Framheim. Além disso, Amundsen evitou a pesada roupas usadas em tentativas anteriores da Antártica em favor dos esquimós peles de estilo.

Roald Amundsen

Usando skis e trenós puxados por cachorros para o transporte, Amundsen e seus homens criado depósitos de suprimentos a 80 °, 81 ° e 82 ° Sul na Barreira, ao longo de uma linha directa para o sul para o pólo. Amundsen também planejava matar alguns de seus cães no caminho e usá-los como uma fonte para a carne fresca. Uma tentativa prematura, que incluiu Hjalmar Johansen, Kristian Prestrud e Jørgen Stubberud, estabelecido em 8 de Setembro de 1911, mas teve de ser abandonado devido a temperaturas extremas. O retiro dolorosa causada uma briga têmpera dentro do grupo, com o resultado que Johansen e outros foram enviados para explorar King Edward VII Land.

Uma segunda tentativa com uma equipe, composta por Olav Bjaaland, Helmer Hanssen, Sverre Hassel, Oscar Wisting, eo próprio Amundsen, partiu em 19 de outubro de 1911. Eles levaram quatro trenós e 52 cães. Usando um percurso ao longo da anteriormente desconhecido Axel Heiberg Glacier, eles chegaram na borda do Planalto Polar em 21 de novembro depois de uma subida de quatro dias. Em 14 de dezembro de 1911, a equipe de cinco, com 16 cães, chegou ao Pólo (90 ° 0 'S). Eles chegaram 33-34 dias antes de o grupo de Scott. Amundsen nomeado seu acampamento Pólo Sul Polheim, "Home on the Pole". Amundsen rebatizado de Antarctic Plateau Plateau como do rei Haakon VII. Eles deixaram uma pequena barraca e carta indicando a sua realização, no caso de eles não retornou com segurança para Framheim. A equipe voltou a Framheim em 25 de Janeiro de 1912, com 11 cães. O sucesso de Amundsen foi publicamente anunciada em 7 de março de 1912, quando chegou ao Hobart, Austrália.

A expedição de Amundsen beneficiaram de uma preparação cuidadosa, um bom equipamento, vestuário adequado, uma tarefa primordial simples (Amundsen fez nenhum levantamento em sua rota ao sul e é conhecido por ter tomado apenas duas fotografias), uma compreensão de cães e seu manuseio, eo uso eficaz de skis. Em contraste com os infortúnios da equipe de Scott, trek de Amundsen revelou bastante suave e sem complicações.

Nas próprias palavras de Amundsen:

Eu posso dizer que este é o maior fator-a maneira em que a expedição é equipada a maneira em que está prevista todas as dificuldades, e as precauções tomadas para o cumprimento ou evitá-lo. Vitória espera por ele que tem tudo em ordem - sorte, as pessoas chamam. A derrota é certa para aquele que tem negligenciado a tomar as precauções necessárias no tempo; isso é chamado de má sorte.
- A partir do Pólo Sul, por Roald Amundsen

Amundsen escreveu sobre a expedição no Pólo Sul: um relato da Norwegian Expedição Antártica no "Fram", 1910-1912, publicado em 1912.

Passagem do Nordeste (1918-1920)

O Polarship Maud em junho de 1918

Em 1918, Amundsen começou uma expedição com um novo navio Maud, que duraria até 1925. Maud navegou Ocidente para o Oriente através do Passagem Nordeste, agora chamado de Caminho do Norte (1918-1920).

Com ele nesta expedição foram Oscar Wisting e Helmer Hanssen, ambos os quais tinha acompanhado Amundsen ao Pólo Sul. Além disso, Henrik Lindstrøm foi incluído como um cozinheiro, mas ele sofreu um derrame e ficou tão reduzida que fisicamente ele não poderia participar.

O objetivo da expedição era para explorar as áreas desconhecidas do Oceano ?rtico, fortemente inspirados pela expedição de Fridtjof Nansen mais cedo com Fram. O plano era para velejar ao longo da costa de Sibéria e ir para o gelo mais para o norte e para o leste do que Nansen tinha. Em contraste com expedições anteriores de Amundsen, esta expedição tinha um perfil acadêmico claro, com geofísico Harald Sverdrup a bordo.

A viagem foi para a direção nordeste, ao longo do Mar de Kara. Amundsen planejado para congelar a Maud na calota polar de gelo e deriva em direção ao Pólo Norte (como Nansen tinha feito com o Fram), e fê-lo fora Cape Chelyuskin. Infelizmente, o gelo tornou-se tão espessa que o navio estava incapaz de se libertar, mesmo que o navio foi projetado especificamente para tal viagem. Em setembro de 1919, o navio se soltou do gelo, mas congelou novamente depois de apenas 11 dias em algum lugar entre o Ilhas da Nova Sibéria e Wrangel Island.

Durante este tempo, Amundsen participou pouco no trabalho ao ar livre, como passeios de trenó e caça, porque ele tinha sido sujeito a numerosos acidentes. Ele tinha um braço quebrado e tinha sido atacado por ursos polares. Hanssen e Wisting, juntamente com outros dois, embarcou em uma expedição por cão de trenó para Nome, Alaska, apesar de seu ser mais de mil quilômetros de distância. Mas o gelo não foi congelado no Estreito de Bering e não podia ser cruzado. Eles foram, pelo menos, capaz de enviar um telegrama de Anadyr.

Capitão Roald Amundsen na roda durante a expedição ao Pólo Norte, 1920

Após dois invernos congelados no gelo sem ter alcançado a meta de deriva sobre o Pólo Norte, Amundsen decidiu ir para si mesmo Nome para reparar o navio e comprar provisões. Havia vários da tripulação em terra, incluindo aí Hanssen, que não tinha retornado para o navio. Amundsen considerava-o em quebra de contrato, e, como tal, demitiu-o da tripulação.

O terceiro inverno viu Maud congelado no oeste do Estreito de Bering, antes de finalmente chegar Seattle para reparos em 1921. Amundsen agora devolvidos à Noruega, estimulado pela necessidade de colocar suas finanças em ordem. Ele trouxe com ele duas meninas indígenas, adotada quatro anos Kakonita e sua companheira Camilla. Quando ele faliu dois anos depois, no entanto, eles foram enviados para o pai de Camilla na Rússia.

Amundsen voltou a Maud, que agora estava em Nome, em junho de 1922. Mudou-se o foco de expedições navais para expedições aéreas, e, portanto, dispostos a obter um avião. A expedição foi dividido em dois: uma parte foi para sobreviver ao inverno para se preparar para uma tentativa de voar sobre o pólo. Esta parte foi conduzido por Amundsen. Maud, sob o comando do Wisting, foi para retomar o plano original à deriva sobre o Pólo Norte no gelo. O navio deriva no gelo por três anos a leste das ilhas Nova Sibéria, antes de ser finalmente apreendidos pelos credores de Amundsen como garantia para a dívida que ele tinha incorrido.

A tentativa de sobrevoar o Pólo falhou também. Amundsen e Oskar Omdal, do Marinha Real Norueguesa, tentou voar a partir de Wainwright, Alasca, para Spitsbergen através do Pólo Norte. Seu avião foi danificado, e eles abandonaram a viagem. Para levantar fundos adicionais, Amundsen viajou por todo os Estados Unidos em 1924 uma turnê de palestras. Embora ele não foi capaz de chegar ao Pólo Norte, os resultados científicos da expedição, principalmente o trabalho de Sverdrup, eram de valor considerável. Muitos destes dados científicos cuidadosamente recolhidos tinha sido perdido durante a viagem malfadada de Peter e Paul Tessem Knutsen, dois membros da tripulação enviado em uma missão de Amundsen, mas eles foram mais tarde recuperados pelo cientista russo Nikolay Urvantsev como eles configuração abandonada às margens do mar de Kara.

Chegar ao Pólo Norte

Em 1925, acompanhado por Lincoln Ellsworth, piloto Hjalmar Riiser-Larsen, e três outros membros da equipe, Amundsen levou dois Dornier Do J voando barcos, a N-24 e N-25 até 87 ° 44 'norte. Foi a latitude mais ao norte atingido por avião até aquele momento. A aeronave pousou algumas milhas de distância, sem contato por rádio, mas as tripulações conseguiu reunir. Um dos dois aricraft, a N-24 foi danificado. Amundsen e sua equipe trabalhou por mais de três semanas para limpar uma pista para decolar de gelo. Eles pá 600 toneladas de gelo, enquanto consumindo apenas £ 1 (400 g) de rações alimentares diárias. No final, seis membros da tripulação foram embalados para o N-25. Em um feito notável, Riiser-Larsen decolou, e eles mal se tornou no ar sobre o gelo rachar. Eles voltaram triunfante quando todos pensavam que tinha sido perdido para sempre.

Em 1926, Amundsen e outros 15 homens (incluindo Ellsworth, Riiser-Larsen, Oscar Wisting, ea tripulação aérea italiana liderada pelo engenheiro aeronáutico Umberto Nobile) fizeram a primeira travessia do ?rtico no dirigível Norge projetado por Nobile. Eles deixaram Spitzbergen em 11 de Maio de 1926, e eles pousaram no Alasca dois dias depois. Os três reivindicações anteriores para ter chegado no Pólo-Norte por Frederick Cook em 1908; Robert Peary em 1909; e Richard E. Byrd em 1926 (apenas alguns dias antes da Norge) -são todos disputada, como sendo ou de precisão duvidosa ou fraude absoluta. Se suas alegações são falsas, a tripulação da Norge seriam os primeiros exploradores verificados ter chegado ao Pólo Norte. Se a expedição Norge foi realmente o primeiro para o Pólo Norte, Amundsen e Oscar Wisting seria, portanto, as primeiras pessoas a chegar cada pólo geográfico, por terra ou por ar, conforme o caso pode ser.

Desaparecimento e morte

Amundsen monumento em Ny-Ålesund, Svalbard , Noruega

Amundsen desapareceu no dia 18 de junho de 1928 durante o vôo em uma missão de resgate com o piloto norueguês Leif Dietrichson, piloto francês René Guilbaud, e mais três franceses, à procura de falta membros da tripulação do Nobile, cujo novo dirigível Italia caiu enquanto o retorno do Pólo Norte. Depois, uma asa-float e tanque de gasolina inferior do francês Latham 47 barco que ele estava no vôo, improvisado em uma substituição asa-float, foi encontrado perto do Costa Tromsø. Acredita-se que o avião caiu na névoa no Mar de Barents, e que Amundsen foi morto no acidente, ou morreu pouco depois. Seu corpo nunca foi encontrado. A busca por Amundsen foi cancelada em setembro pelo Governo norueguês.

Em 2004 e no final de agosto 2009 pesquisas mal sucedidas foram feitas pelo Marinha Real Norueguesa para os destroços do avião de Amundsen, usando o submarino não tripulado Hugin 1000. As pesquisas voltadas para a 40 milhas quadradas (100 km 2) a área do fundo do mar, e foram documentadas pelo ContextTV empresa de produção alemã.

Legado

Um número de lugares foram nomeados depois dele:

  • O Amundsen-Scott Estação Pólo Sul é nomeado conjuntamente com o seu rival
  • Mar de Amundsen, ao largo da costa da Antártida
  • Amundsen Glacier, na Antártida
  • Amundsen Bay, na Antártida
  • Mount Amundsen, na Antártida
  • Amundsen do Golfo, no Oceano ?rtico, ao largo da costa da Territórios do Noroeste do Canadá (que separam Banks Island e as partes ocidentais de Victoria ilha do continente)
  • Um grande cratera cobrindo a Lua pólo sul 's é nomeado Amundsen
  • Roald Amundsen Grau, em Chicago, IL

Vários navios são nomeados após ele:

  • O Canadian Coast Guard nomeado um navio quebra-gelo CCGS Amundsen, cuja missão é realizar pesquisas científicas em águas do ?rtico
  • O Marinha Real Norueguesa é a construção de uma classe de Égide fragatas, a segunda das quais, é o HNoMS Roald Amundsen (concluído 2006)
  • O alemão brigue Roald Amundsen

Outras homenagens incluem:

  • Escritor Roald Dahl foi nomeado após Amundsen
  • Nobel Laureate, Químico e Poet Roald Hoffmann foi nomeado após Amundsen
  • O Amundsen Trail e Amundsen Circle, Oakwood, Staten Island, Nova Iorque
  • Amundsen Segundo Grau, Chicago, Illinois

Obras de Amundsen

  • Nordvestpassagen, 2-vols, 1907. traduzida como a Passagem Noroeste: Sendo o registro de uma viagem de exploração do navio "Gjøa" 1903-1907, 1908.
  • Sydpolen, 2-vols, 1912. Traduzido como o Pólo Sul: um relato da Norwegian Expedição Antártica no "Fram", 1910-1912, traduzido por AG Chater de 1912.
  • Nordostpassagen. Maudfærden langs Asiens kyst 1918-1920. HU Sverdrups ophold tsjuktsjerne blandt. Godofredo Hansens depotekspedition 1919-1920. Gyldendal, Kristiania 1921.
  • Gjennem luften até 88 ° Nord (por Roald Amundsen, Lincoln Ellsworth e outros membros da expedição, 1925). Traduzido como nosso voo Polar: The Polar Amundsen-Ellsworth Flight, de 1925; também como meu voo Polar de 1925.
  • Flukt Den første sobre polhavet, com Lincoln Ellsworth e outros, 1926. Traduzido como o primeiro voo sobre o mar polar, 1927; também como a primeira travessia do Mar Polar de 1927.
  • Mitt liv som polarforsker, 1927. Traduzido como Minha vida como um explorador de 1927.
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Roald_Amundsen&oldid=545777104 "