Conteúdo verificado

Royal National Theatre

Assuntos Relacionados: Teatro

Sobre este escolas selecção Wikipedia

Crianças SOS voluntários ajudaram a escolher artigos e fez outro material currículo Você quer saber sobre o patrocínio? Veja www.sponsorachild.org.uk

Teatro Nacional

O Teatro Nacional de Waterloo Bridge
Endereço South Bank
Cidade Lambeth, Londres
Coordenadas 51,5071 ° N ° 0,1141 W / 51,5071; -0,1141 Coordenadas: 51,5071 ° N ° 0,1141 W / 51,5071; -0,1141
Designação Grade II *
Arquiteto Denys Lasdun
Capacidade Olivier Theatre 1.160 assentos
Lyttelton Theatre 890 assentos
Cottesloe Theatre 400 lugares
Tipo Teatro nacional
Inaugurado 1976
Produção Repertório
www.nationaltheatre.org.uk

O Theatre Royal National (geralmente conhecido como o Teatro Nacional e comumente como The National) em Londres é um dos Reino Unido dois mais proeminentes financiamento público 's teatro empresas, juntamente com a Real Shakespeare Company.

Desde a sua fundação em 1963 até 1976, a empresa foi baseada no Teatro Old Vic em Waterloo. O edifício atual foi projetado pelo arquiteto Sir Denys Lasdun e contém três etapas, que abriu individualmente entre 1976 e 1977. Ele está localizado ao lado do Tamisa, no ?rea de South Bank do centro de Londres.

Desde 1988, o Teatro foi permitida a chamar-se o Royal National Theatre, mas o título completo é raramente usado. O teatro apresenta um programa variado, incluindo Shakespeare e outro clássico drama Internacional; e novas peças de dramaturgos contemporâneos. Cada auditório no teatro pode executar até três shows em repertório ou repertório, ampliando ainda mais o número de peças que podem ser colocados em qualquer durante uma temporada.

O NT tem um volume de negócios anual de cerca de £ 54.000.000 (em 2008-09). Rendimentos do trabalho feito até aproximadamente 54% deste total (34% das vendas de bilhetes e 20% de receitas provenientes de restaurantes, livrarias, etc.), o apoio do Conselho de Artes e uma série de subsídios governamentais menores desde 35% deste rendimento, eo restantes 11% veio de uma mistura de apoio privado de empresas, indivíduos e trusts e fundações.

Origins

Em 1847, um crítico usando o pseudônimo Dramaticus publicou um panfleto descrevendo o estado precário de teatro britânico. Produção de peças de teatro graves foi restrita ao teatros de patentes e novas peças foram submetidos a censura por parte do Gabinete do Senhor Chamberlain. Ao mesmo tempo, houve um sector teatro florescente com uma dieta de baixo melodrama e musical burlesque; mas os críticos descrito teatro britânico como impulsionado pelo mercantilismo e um sistema de "estrela". Havia uma demanda para comemorar teatro sério, com o "Comitê de Shakespeare" compra local de nascimento do dramaturgo para a nação demonstrando um reconhecimento da importância do 'drama sério'. No ano seguinte, mais panfletos sobre uma demanda para um Teatro Nacional de Londres editor, Effingham William Wilson. A situação continuou, com um apelo renovado a cada década para um Teatro Nacional, em particular por volta de 1879, quando a Comédie-Française tomou uma residência no Gaiety Theatre, descrito no The Times como representando "mais alta aristocracia do teatro". As principais demandas agora se aglutinaram ao redor: uma estrutura na capital que iria apresentar "teatro exemplar"; que formaria um memorial permanente para Shakespeare; a Companhia apoiou que representam o melhor dos atores britânicos; e uma escola de teatro.

Alguns ganhos foram feitas, quando o Shakespeare Memorial Theatre foi inaugurado em Stratford upon Avon em 23 de abril 1879 , com a Empresa New Shakespeare; e Herbert Beerbohm Tree fundou uma Academia de Arte Dramática em Teatro de Sua Majestade em 1904. Isso ainda deixou a capital sem um Teatro Nacional; um Shakespeare League Londres foi fundada em 1902 para desenvolver um Teatro Nacional Shakespeare - e com o tri-centenário iminente em 1916 de sua morte - em 1913 comprou a terra para um teatro em Bloomsbury, esta foi uma aspiração interrompido por a Primeira Guerra Mundial . Finalmente, em 1948, o Conselho do Condado de Londres apresentou um local próximo à Royal Festival Hall para o efeito, e um "Ato Teatro Nacional", oferecendo apoio financeiro, foi aprovada pelo Parlamento em 1949.

Dez anos após a primeira pedra tinha sido colocado em 1951, o Governo declarou que a nação não podia pagar um Teatro Nacional - o LCC oferecido em renunciar a qualquer aluguel e pagar metade dos custos de construção. Ainda assim, o Governo tentou aplicar condições inaceitáveis, a fim de economizar dinheiro; tentando forçar a fusão das empresas apoiadas publicamente existentes: a RSC, Sadler Wells e Vic velho. Em julho de 1962, com os acordos finalmente chegou, uma placa foi criada para supervisionar a construção e uma placa separada foi constituída para executar uma Companhia de Teatro Nacional e alugar o teatro Old Vic. A "Companhia de Teatro Nacional" abriu em 22 outubro 1963 com Hamlet. A Companhia era permanecer no Old Vic até 1976, quando a construção do Olivier estava completa.

Arquitetura

O edifício Teatro Nacional abriga três auditórios separados:

  • O Teatro Olivier (nomeado após o primeiro diretor artístico do teatro, Laurence Olivier ), o maior espaço, é o auditório principal, e foi inspirado no grego antigo teatro em Epidaurus; ele tem um palco aberto e uma audiência área de estar em forma de leque por cerca de 1.160 pessoas. Abriga o Cilindro de revolução, uma peça única de tecnologia fase, que vai de 8 m sob o palco. O tambor tem duas gira aro e duas plataformas que pode levar 10 toneladas, facilitando cenário muda dramáticas e fluidos.
  • O Teatro Lyttelton (nomeado após Oliver Lyttelton, o primeiro presidente do Conselho Nacional de Teatro) tem um concepção e arco do proscênio tem capacidade para até 890 pessoas.
  • O Teatro Cottesloe (nomeado após Senhor Cottesloe, presidente do Conselho de South Bank Theatre) é um pequeno espaço estúdio adaptável, projetado por Iain Mackintosh, com capacidade para até 400 pessoas, dependendo da configuração de assentos.
Construção de Denys Lasdun para o Teatro Nacional - uma "paisagem urbana" de bloqueio terraços que responderam ao local ao alcance do rei no rio Tamisa para explorar pontos de vista Catedral de São Paulo e Somerset House.

O adro ribeirinha do teatro é utilizado para performances ao ar livre regulares nos meses de verão. Os terraços e foyers do complexo de teatro também têm sido utilizados para performances experimentais ad hoc. A decoração é frequentemente dinâmico, com exposições recentes do relvado como "fora de papel de parede ', diferentes estátuas localizadas em vários lugares aleatórios e cadeiras gigantes e móveis no pátio.

Foyers do Teatro Nacional são abertas ao público, com uma grande livraria teatral, restaurantes, bares e espaços de exposição. Nos bastidores passeios executado durante todo o dia, e há música ao vivo todos os dias no foyer antes de performances.

O estilo do edifício Teatro Nacional, descrito por Mark Girouard como "uma estética das formas quebradas" no momento da abertura. Architectural opinião foi dividida no momento da construção. Mesmo entusiastas defensores da Movimento Moderno como Sir Nikolaus Pevsner ter encontrado o Béton brut concreto tanto dentro como fora arrogante. Mais notoriamente, o príncipe Charles descreveu o edifício em 1988 como "uma maneira inteligente de construção de uma central nuclear no meio de Londres sem qualquer objeção". Senhor John Betjeman, no entanto, um homem não conhecido por seu entusiasmo para arquitetura brutalista, foi efusivo em seus elogios e escreveu a Lasdun afirmando que ele "engasgou com prazer no cubo do seu teatro no céu azul pálido e um vislumbre de São Paulo para o sul do mesmo. É um lindo trabalho e assim por bom de tantos ângulos ... ele tem que olhar inevitável e terminou a grande obra faz. "

Apesar da controvérsia, o teatro tem sido um Grade II * edifício listado desde 1994. Embora o teatro é frequentemente citado como um arquétipo de Arquitetura brutalista na Inglaterra, desde a morte de Lasdun o edifício foi reavaliado como tendo ligações mais estreitas com o trabalho de Corbusier, em vez de edifícios contemporâneos 1960 monumentais, tais como aqueles de Paul Rudolph. O saldo cuidadosamente refinado entre elementos horizontais e verticais no prédio de Lasdun foi contrastou favoravelmente com a lumpiness de prédios vizinhos, como o Hayward Gallery e Queen Elizabeth Hall, e está agora na situação incomum de ter aparecido simultaneamente no top dez e edifícios de Londres "mais populares" "mais odiado" em pesquisas de opinião. Um esquema de iluminação recente iluminando o exterior do edifício, em particular, o torres voar, revelou-se muito popular, e é uma das várias respostas artísticas positivas para o edifício.

Em setembro de 2007, uma estátua de Lord Olivier como Hamlet foi revelado no exterior do edifício, para marcar o centenário do primeiro diretor artístico do Nacional.

O Nacional também tem um estúdio, asa pesquisa e desenvolvimento do Nacional, fundada em 1984. O estúdio tem desempenhado um papel vital no desenvolvimento de trabalho para estágios do Nacional e em todo teatro britânico. Escritores, atores e profissionais de todos os tipos podem explorar, experimentar e conceber um novo trabalho lá, livre da pressão de execução pública. O Arquivo Nacional do Teatro está alojado no mesmo edifício, que fica em frente à rua da Old Vic na Corte, Waterloo, e utilizado para abrigar seus workshops.

Diretores artísticos

Laurence Olivier foi o primeiro diretor artístico da Royal National Theatre, em 1963. Mostrado em uma fotografia por Carl Van Vechten de 1939

Laurence Olivier tornou-se diretor artístico do Teatro Nacional em sua formação em 1963. Ele foi considerado o filme e ator de teatro britânico mais importante do período, e se tornou o primeiro diretor do Chichester Festival Theatre - há formação da empresa que iria se unir com o Old Vic Company para formar a Companhia de Teatro Nacional. Além de dirigir, ele continuou a aparecer em muitas produções de sucesso. Ele se tornou um vida de pares em 1970, pelos serviços prestados ao teatro, e se aposentou em 1973.

Peter Hall assumiu, para gerenciar a mudança para o Banco do Sul. A sua carreira incluiu a execução do Theatre Arts entre 1956-1959 - onde dirigiu o idioma Inglês première de Samuel Beckett 's Esperando Godot. Ele passou a assumir o Teatro Memorial em Stratford, e para criar uma permanente Royal Shakespeare Company, em 1960, estabelecendo também uma nova base no Aldwych Theatre para transferências para o West End. Foi Diretor Artístico do National entre 1973 e 1988; e continua a dirigir grandes performances, tanto para o Nacional e da RSC. Em 2008, ele abriu um novo teatro, O Rose, e continua a ser seu diretor emérito.

Um dos Diretores Associados do Nacional, Richard Eyre tornou-se diretor do artista em 1988; sua experiência incluiu a execução Royal Lyceum Theatre, Edimburgo eo Nottingham Playhouse. Ele era conhecido por sua série de colaborações com David Hare sobre o estado da Grã-Bretanha contemporânea.

Em 1997, Trevor Nunn tornou-se diretor artístico. Ele veio para o Nacional da RSC, depois de ter realizado uma grande expansão da empresa no Swan, The Other Place eo Teatros Barbican. Ele trouxe um estilo mais populista ao Nacional, introduzindo teatro musical ao repertório.

O atual diretor artístico, Nicholas Hytner assumiu em abril de 2003. Anteriormente, ele trabalhou como Diretor Associado com o Royal Exchange Theatre eo Nacional. Um número de suas produções de sucesso foram transformados em filmes.

Produções notáveis

1963-1973

Em 1962, a empresa do Teatro Old Vic foi dissolvido, e reconstituída como o "National Theatre Company" abertura em 22 outubro 1963 com Hamlet. A empresa permaneceu com base no Old Vic até que os novos edifícios abriu em Fevereiro de 1976.
  • Hamlet, dirigido por Laurence Olivier , com Peter O'Toole no papel-título e Michael Redgrave como Claudius (1963).
  • O oficial de recrutamento, dirigido por William Gaskill com Laurence Olivier como o capitão de bronze, Maggie Smith como Sylvia e Robert Stephens como Capitão Plume (1963).
  • Othello, dirigido por John Dexter, com Laurence Olivier no papel-título, Frank Finlay como Iago e Maggie Smith como Desdemona (1964).
  • A caça real da Sun por Peter Shaffer, dirigida por John Dexter (1964); primeira estreia mundial do Nacional
  • As You Like It, dirigido por Clifford Williams, a produção do todo-macho com Ronald recolhimento como Rosalind, Jeremy Brett como Orlando, Charles Kay como Celia, Derek Jacobi como Touchstone, Robert Stephens como Jaques ( 1967 ).
  • Rosencrantz e Guildenstern Estão Mortos por Tom Stoppard, dirigida por Derek Goldby, com John Stride e Edward Petherbridge (1967).
  • A Dança da Morte por August Strindberg, com Laurence Olivier como Edgar, Geraldine McEwan como Alice e Robert Stephens como Kurt (1967).
  • Édipo por Seneca traduzido por Ted Hughes, dirigido por Peter Brook, com John Gielgud como Édipo, Irene Worth como Jocasta (1968).
  • O Mercador de Veneza , dirigido por Jonathan Miller, com Laurence Olivier como Shylock e Joan Plowright como Portia (1970)
  • Hedda Gabler por Henrik Ibsen , dirigido por Ingmar Bergman, com Maggie Smith como Hedda (1970)
  • Jornada para a noite de Long Day by Eugene O'Neill, dirigido por Michael Blakemore, com Laurence Olivier como James Tyrone (1971)
  • Jumpers por Tom Stoppard, dirigida por Peter Wood, estrelando Michael Hordern e Diana Rigg (1972)
  • O Misanthrope por Molière, traduzida por Tony Harrison, dirigido por John Dexter com Alec e McCowen Diana Rigg (1973-1974)

1973-1988

  • The Tempest com John Gielgud como Prospero, dirigido por Peter Hall (1974).
  • Terra de Ninguém por Harold Pinter , dirigido por Peter Hall, com Ralph Richardson e John Gielgud (1975)
  • Illuminatus!, Um de oito horas de cinco jogar ciclo de Ken Campbell O Teatro de ficção científica de Liverpool (abrindo a produção no Cottesloe, 1977 )
  • Bedroom Farce por Alan Ayckbourn, dirigido por Peter Hall (1977)
  • Lark Rise por Keith Dewhurst, dirigido por Bill Bryden (1978)
  • Contos dos Bosques de Viena por Ödön von Horváth, traduzido por Christopher Hampton, dirigido por Maximilian Schell, com Stephen Rea e Kate Nelligan
  • Plenty por David Hare , dirigido pelo autor, com Stephen Moore e Kate Nelligan (1978)
  • Amadeus por Peter Shaffer, dirigida por Peter Hall, com Paul Scofield e Simon Callow ( 1979 - 80 )
  • Galileu, por Bertolt Brecht, traduzido por Howard Brenton dirigido por John Dexter com Michael Gambon (1980)
  • Os romanos na Grã-Bretanha por Howard Brenton, dirigido por Michael Bogdanov, objecto de uma acusação particular por Mary Whitehouse (1980)
  • O Oresteia por Ésquilo, traduzido por Tony Harrison, dirigido por Peter Hall (1981)
  • Guys and Dolls por Frank Loesser dirigido por Richard Eyre (1982), primeiro musical do Teatro Nacional com Bob Hoskins como Nathan Detroit
  • Glengarry Glen Ross por David Mamet, dirigido por Bill Bryden (1983)
  • Jean Seberg, musical com um livro por Julian Barry, letra de Christopher Adler, e música de Marvin Hamlisch; dirigido por Peter Hall (1983).
  • Os Mistérios de medieval Mistério joga em uma versão por Tony Harrison, dirigido por Bill Bryden (1985)
  • Pravda por Howard Brenton e David Hare , dirigido por David Hare, com Anthony Hopkins (1985)
  • Antony and Cleopatra dirigido por Peter Hall, com Anthony Hopkins e Judi Dench (1987)

1988-1997

  • Fuente Ovejuna por Lope de Vega, traduzido por Adrian Mitchell, dirigido por Declan Donnellan (1989)
  • Richard III estrelado por Ian McKellen e dirigido por Richard Eyre (1990).
  • Domingo no Parque com George por Stephen Sondheim e James Lapine, dirigido por Steven Pimlott (estréia britânica) (1990)
  • A Loucura de George III por Alan Bennett , dirigido por Nicholas Hytner, estrelando Nigel Hawthorne (1991)
  • Angels in America: Part One: Millennium Approaches; Parte II; Perestroika por Tony Kushner dirigido por Declan Donnellan ( 1991-1992)
  • Um Inspector Calls por JB Priestley, dirigido por Stephen Daldry (1992)
  • A Trilogia David Hare: Corrida de Demônio, Juízes murmurando: A ausência de guerra por David Hare , dirigido por Richard Eyre (1993)
  • Arcadia por Tom Stoppard, dirigida por Trevor Nunn (1993)
  • Sweeney Todd por Stephen Sondheim e Hugh Wheeler, dirigido por Declan Donnellan (1993)
  • Les parents terribles por Jean Cocteau, dirigido por Sean Mathias (1994)
  • A Little Night Música de Stephen Sondheim e Hugh Wheeler, dirigido por Sean Mathias, com Judi Dench (1995)
  • Rei Lear dirigido por Richard Eyre, com Ian Holm (1997)
  • O círculo de giz caucasiano por Bertolt Brecht, traduzido por Frank McGuinness, dirigido por Simon McBurney (1997)

1997-2002

  • Copenhaga por Michael Frayn, dirigido por Michael Blakemore (1998)
  • Oklahoma! Por Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, dirigido por Trevor Nunn, com Maureen Lipman e Hugh Jackman (1998)
  • O Mercador de Veneza dirigido por Trevor Nunn, com Henry Goodman (1999)
  • Summerfolk por Maxim Gorky, dirigido por Trevor Nunn (1999)
  • Honk!, Vencedor Laurence Olivier Award (1999)
  • Azul, Laranja, por Joe Penhall dirigido por Roger Michell, com Chiwetel Ejiofor, Bill Nighy e Andrew Lincoln (2000)
  • A Ilha por Athol Fugard, John Kani e Winston Ntshona, dirigido por Peter Brook e executada por Kani e Ntshona (2000)
  • Far Side of the Moon escrito, dirigido e interpretado por Robert Lepage (2001)
  • Menino humilde por Charlotte dirigido por Jones John Caird, com Simon Russell Beale (2001)
  • South Pacific por Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, dirigido por Trevor Nunn, com Philip Quast (2001)
  • Conto do Inverno por William Shakespeare dirigido por Nicholas Hytner, com Jennings e Alex Phil Daniels (2001)
  • Vincent em Brixton por Nicholas Wright, dirigido por Richard Eyre, com Clare Higgins (2002)
  • The Coast of Utopia, uma trilogia por Tom Stoppard, compreendendo: Voyage, Naufrágio e Salvamento, dirigido por Trevor Nunn, com projetos de vídeo informatizados por William Dudley (2002)
  • Anything Goes por Cole Porter, dirigido por Trevor Nunn, com John Barrowman e Sally Ann Triplett (2002)
  • Dinner by Moira Buffini, estrelando Harriet Walter, Nicolau e Farrell Catherine McCormack, dirigido por Fiona Buffini.

2003-

  • Jerry Springer - The Opera, um musical de Stewart Lee e Richard Thomas (2003)
  • Henry V por William Shakespeare . Uma versão vestido moderno notável dirigido por Nicholas Hytner estrelando Adrian Lester (2003).
  • Cozinha de Elmina escrito por Kwame Kwei-Armah, dirigido por Angus Jackson e estrelado Doña Croll, George Harris, Emmanuel Idowu, Oscar James, Paterson Joseph e Shaun Parkes (2003).
  • Democracia por Michael Frayn dirigido por Michael Blakemore (2003)
  • His Dark Materials, uma adaptação de duas partes de O romance de Philip Pullman dirigido por Nicholas Hytner estrelando Anna Maxwell Martin e Dominic Cooper (2003)
  • The History Boys por Alan Bennett dirigidos por Nicholas Hytner estrelando Richard Griffiths (2004)
  • Coram Boy por Helen Edmundson, dirigido por Melly Still (2005, 2006)
  • O Marinheiro por Conor McPherson dirigido pelo autor, estrelando Jim Norton, Conleth Hill, Karl Johnson, Michael e McElhatton Ron Cook (2006)
  • Caroline, or Change Livro e letra de Tony Kushner, música de Jeanine Tesori, dirigido por Jack O'Brien (2006)
  • O homem de modo dirigido por Nicholas Hytner e estrelado Rory Kinnear como Sir Foppling Flutter (2007).
  • Paisagem com Arma escrito por Joe Penhall, dirigido por Roger Michell e estrelado Tom Hollander, Julian Rhind-Tutt, Jason Watkins e Pippa Haywood (2007).
  • Santa Joana de Bernard Shaw, dirigido por Marianne Elliott (2007)
  • Cavalo de guerra baseado em um romance de Michael Morpurgo, adaptado por Nick Stafford, dirigido por Marianne Elliott e Tom Morris, apresentado em associação com Handspring (2007).
  • Muito Barulho por Nada, dirigido por Nicholas Hytner, estrelando Simon Russell Beale e Zoe Wanamaker (2007-8).

Produções atuais e futuros

Produções de janeiro a junho de 2009 temporada incluem:

  • Every Good Boy Deserves Favour, um jogo por Tom Stoppard e André Previn
  • Sra Affleck por um novo Samuel Adamson de Henrik Ibsen 's Pouco Eyolf
  • Os Pitmen Pintores por Lee Hall (dramaturgo), inspirado em um livro escrito por William Feaver
  • Inglaterra pessoas muito agradáveis de um novo jogo por Richard feijão, o primeiro do Travelex £ 10 bilhetes produções para 2009
  • Burnt by the Sun, por Peter Flannery, a partir do roteiro de Nikita Mikhalkov e Rustam Ibragimbekov
  • Dido, rainha de Cartago, por Christopher Marlowe
  • Morte e do rei Cavaleiro, por Wole Soyinka, o segundo da Travelex £ 10 bilhetes produções para 2009
  • Tempo e os Conways, um jogo por JB Priestley
  • Berlim uma leitura por David Hare
  • Cavalo de Guerra, baseado em um romance de Michael Morpurgo, adaptado por Nick Stafford
  • Stovepipe, uma nova jogada de Adam Brace
  • Fedra com Helen Mirren
  • The Observer, um jogo por Matt Charman, dirigido por Richard Eyre
  • Nation, baseado em um romance de Terry Pratchett, adaptado por Mark Ravenhill

National Theatre Estúdio

O estúdio Teatro Nacional é um espaço de desenvolvimento em The Cut, fundada em 1985 sob a direção do Peter Gill. As casas de estúdio trabalho em andamento, tais como leituras de lazer e oficinas, e oferece um local para formação profissional.

O estúdio está situado num edifício classificado Grade II projetado por arquitetos Lyons, Israel e Ellis. Concluído em 1958, o edifício foi remodelado pelos arquitetos Haworth Tompkins e reaberto no outono de 2007. Purni Morrell tem sido o chefe de estúdio desde 2006.

Conexões Teatro Nacional

Connections (também conhecidos como Novas Conexões e anteriormente Conexões Shell) é anual esquema de teatro juvenil fundada em 1995. A cada ano o Teatro Nacional comissiona dez peças de dramaturgos estabelecidos que são realizadas por grupos de jovens de teatro em todo o Reino Unido. Os grupos são convidados a apresentar no Conexões festivais realizados em um teatro profissional em sua área. Cada jogo é então realizada por um grupo diferente no próprio Teatro Nacional no final do ano.

O esquema foi inicialmente patrocinado pela Shell , mas desde 2007 tem sido apoiada pela Bank of America.

Conexões seis peças foram produzidos profissionalmente. Queime por Deborah Engrenagem, por Chatroom Enda Walsh e Cidadania por Mark Ravenhill foram realizados em 2006; os dois últimos foram revividos em 2007, quando eles também visitadas.

Em 2008 bebé por Roy Williams, ADN por Dennis Kelly e The Miracle por Lin Coghlan recebeu produções profissionais no Cottesloe.

2009

Os 2.009 novas ligações são dramaturgos Anthony Horowitz, Anthony Neilson, Ben Energia, Christopher William Hill, Conor Mitchell, Davey Anderson, David Mamet, Georgia Fitch, Lisa McGee, Michael Lesslie, Nick Drake e William Boyd.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Royal_National_Theatre&oldid=312560334 "