Conteúdo verificado

Tripitaka

Assuntos Relacionados: textos religiosos

Você sabia ...

Arranjar uma seleção Wikipedia para as escolas no mundo em desenvolvimento sem internet foi uma iniciativa da SOS Children. Patrocinar crianças ajuda crianças no mundo em desenvolvimento para aprender também.

Tripitaka ( sânscrito ; Pali: Tipitaka; Devanagari: त्रिपिटक; Bengali : ত্রিপিটক; lit. três cestas) é um termo tradicional utilizado por várias seitas budistas para descrever seus vários cânones de escrituras. Budistas do Theravāda escola usar o Pali variante Tipitaka para referir o que é comumente conhecido em Inglês como o Pali Canon . Tradições budistas posteriores também usar outros termos para suas coleções de escrituras, tais como Kangyur (Budismo Tibetano) e 大 藏經 Dà Zang Jing (Far East Budismo Mahayana).

Como o nome sugere, um tripitaka tradicionalmente contém três "cestas" de ensinamentos: a Sūtra Piṭaka (sânscrito; Pali: Sutta Pitaka), um Piṭaka Vinaya (sânscrito & Pali) e um Piṭaka Abhidharma (sânscrito; Pali: Abhidhamma Piṭaka).

Versões existentes

Cada um dos Escolas budista cedo provavelmente tinham suas próprias recensões do Tripitaka, que diferia principalmente sobre o tema da Abhidharma. Em termos de Vinaya e Sutras, os conteúdos eram notavelmente similar. O que se segue sobreviver:

  • Theravāda - O Tripitaka completa da escola Theravada, escrito e preservado em Pali no Pali Canon
  • Sarvastivada - O tripitaka completa ou quase completa da Escola Sarvastivada, escritos em sânscrito e preservado em sânscrito, chinês e tibetano:
    • Sūtra Piṭaka:
      • Samyukta Agama - uma tradução chinesa completa foi feita por Guṇabhadra durante a dinastia Song (435-443CE), embora dois fólios agora estão faltando. Porções também sobreviver em tibetano tradução.
      • Madhyama Agama - uma tradução completa foi feita por Saṃghadeva durante a dinastia Jin Oriental (397-398CE). O Madhyama Agama da escola Sarvastivada contém 222 sutras, em contraste com os 152 suttas em Pali Majjhima Nikāya. Porções também sobreviver em tibetano tradução.
      • Dīrgha Agama - uma parte "muito substancial" sobrevive em sânscrito, e porções sobreviver na tradução tibetana.
      • Ekottara agama - uma versão completa em chinês, traduzido por Dharmanandi do estado Fu Qin (397CE) e alterada por Saṃghadeva no Jin Oriental, embora também possa ser a partir da Mahasamghika escola.
    • Vinaya Piṭaka - sobrevive em tradução chinês
    • Abhidharma Pitaka - sete livros, sobrevivendo em tradução chinês
  • Dharmaguptaka - Partes do Dharmaguptaka Tripitaka, escrito em Gandhari e preservado em Gandhari e tradução chinesa (ver também Gandharan budista Textos):
    • Sūtra Piṭaka:
      • Vários sūtras individuais em Gandhari
      • Dīrgha Agama - uma tradução completa para o chinês foi feito Buddhayaśas e Zhu Fonian na dinastia Qin tarde (413 dC). Ele contém 30 sūtras em contraste com os 34 suttas do Theravadin Dīgha Nikāya.
    • Vinaya Piṭaka - sobrevive em tradução chinês
    • Abhidharma Piṭaka - Vários textos em Gandhari
  • Mahasanghika - Partes do Mahasanghika tripitaka sobreviver em chinês tradução:
    • Sūtra Piṭaka - uma versão completa do Ekottara Agama, traduzido por Dharmanandi do estado Fu Qin (397CE) e alterado por Saṃghadeva no Jin Oriental, embora também possa ser a partir da escola Sarvastivada como mencionado acima
    • Vinaya Piṭaka - sobrevive na tradução chinesa.
  • Mahīśāsaka - Partes do Mahīśāsaka tripitaka sobreviver em chinês tradução:
    • Vinaya Piṭaka - sobrevive na tradução chinesa.
  • Mūlasārvāstivāda - Partes do Mūlasārvāstivāda tripitaka sobreviver em tibetano tradução e Manuscritos nepaleses. A relação da escola Mūlasārvāstivāda à escola Sarvastivada é indeterminado; seus Vinayas certamente diferente, mas não é claro que a sua Sūtra Piṭaka fez:
    • Sūtra Piṭaka - os manuscritos Gilgit pode conter Āgamas da escola Mūlasārvāstivāda em sânscrito.
    • Vinaya Piṭaka sobrevive na tradução tibetana. Os manuscritos Gilgit conter textos vinaya da escola Mūlasārvāstivāda em sânscrito.
  • Kāśyapīya - Pequenas porções do Tipitaka da escola Kāśyapīya sobreviver em tradução chinês
    • Sūtra Piṭaka - uma tradução chinesa incompleta do Samyukta Agama da escola Kāśyapīya por um tradutor desconhecido circa o período de três Qin (三秦) (352-431 dC) sobrevive. :)

O uso do termo em indo-tibetana e do Leste Asiático Mahayana

No Mahayana uma atitude misturado com o termo tripitaka desenvolvido. Por um lado, uma grande escritura Mahayana, o Lotus Sutra, usa o termo para se referir à literatura das primeiras escolas, como distinta da próprias escrituras do Mahayana, e esse uso se tornou bastante comum na tradição. Por outro lado, o termo tripitaka tendia a se tornar sinônimo de escrituras budistas, e, assim, continuou a ser usado para as coleções chineses e tibetanos, apesar de seu conteúdo realmente não se encaixa no padrão de três Piṭakas. Na tradição chinesa, os textos são classificados em uma variedade de maneiras, a maioria dos quais têm, de facto, quatro ou até mais Piṭakas ou outras divisões. Em poucos que tentar seguir uma verdadeira divisão tripla do termo Abhidharma Pitaka é usado para se referir vagamente a literatura não-canônico, se indiano ou chinês, com apenas os outros dois Piṭakas ser considerado estritamente canônico. Na tradição tibetana, por outro lado, quando são feitas tentativas para explicar a aplicação do termo tripitaka ao Kanjur, o cânone tibetano de escritura, o Abhidharma Piṭaka é considerado como consistindo na Prajñāpāramitā.

A forma chinesa de Tripitaka, "SanZang" (三藏), foi usado às vezes como um título honorário para um monge budista que tem dominado todos os cânones Tripitaka, principalmente no caso do monge Tang Dynasty Xuanzang, cuja peregrinação à ?ndia para estudar e trazer de volta ao texto budista China foi retratada no romance Journey to the West como "Tang Sanzang". Devido à popularidade do romance, o termo em "Sanzang" é muitas vezes erroneamente entendida como um nome do monge Xuanzang. Uma tal versão de tela deste é o popular 1979 Monkey (série de TV).

O moderno estudioso indiano Rahul Sankrityayan é por vezes referido como Tripitakacharya em reflexo de sua familiaridade com o Tripitaka.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Tripiṭaka&oldid=400307265 "