Conteúdo verificado

Biblioteca de Alexandria

Você sabia ...

Os artigos desta seleção Escolas foram organizados por tópico currículo graças a voluntários Crianças SOS. SOS mães cada um cuidar de uma família de crianças apadrinhadas .

Inscrição em relação Tiberius Claudius Balbilus de Roma (79 dc CE) que confirma que a Biblioteca de Alexandria deve ter existido em alguma forma no primeiro século.

A Biblioteca Real de Alexandria ou antiga Biblioteca de Alexandria em Alexandria , Egito , já foi o maior biblioteca do mundo antigo.

A Biblioteca de Alexandria, geralmente pensado para ter sido fundada no início do Século III aC, foi concebido e inaugurado durante o reinado de Ptolomeu I Soter, ou a do seu filho Ptolomeu II do Egito. Tem sido razoavelmente estabelecido que a Biblioteca ou peças da coleção foram destruídos em um número de ocasiões, mas até hoje os detalhes da destruição (ou destruições) continuam a ser uma fonte de controvérsia animada com base em provas inconclusivas. O Bibliotheca Alexandrina, uma instituição destinada tanto como uma comemoração e uma emulação do original, foi inaugurado em 2003 perto do local da Biblioteca de idade.

A Biblioteca como uma instituição de pesquisa

A biblioteca antiga de Alexandria.

De acordo com a primeira fonte de informação, o pseudepigraphic Carta de Aristeu, a Biblioteca foi inicialmente organizada por Demetrius de Phaleron, um aluno de Aristóteles sob o reinado de Ptolomeu Soter.

Construído no Brucheion (Royal Quarter) no estilo do Liceu de Aristóteles, ao lado e em serviço do Musaeum (um templo grego ou "Casa dos musas", onde nós temos o termo "museu"), a Biblioteca compreendia um Peripatos caminhada, jardins, uma sala para refeições partilhadas, uma sala de leitura, salas de aula e salas de reuniões. No entanto, o esquema exacto não é conhecido. Influência deste modelo pode ainda ser visto hoje no layout do campus universitários. A biblioteca em si é conhecido por ter um departamento de aquisições (possivelmente construído perto das pilhas, ou para o utilitário mais perto do porto), e um departamento de catalogação. O hall continha prateleiras para as coleções de pergaminhos (como os livros estavam no momento em rolos de papiro), conhecido como bibliothekai. Escavado na parede acima das prateleiras, uma inscrição famoso ler: O lugar da cura da alma.

A biblioteca primeiro conhecido de seu tipo para reunir uma coleção de livros de grave para além das fronteiras de seu país, a Biblioteca de Alexandria foi encarregado de recolher todo o conhecimento do mundo. Fê-lo através de uma agressiva e bem financiados mandato envolvendo viagens reais para as feiras do livro de Rodes e Atenas uma política (potencialmente apócrifo ou exagerado) de puxar os livros fora de cada navio que entrou em porta, mantendo os originais e cópias de retornar a seus proprietários e. Este detalhe é informado pelo facto de Alexandria, por causa de sua porta bidirecional feito pelo homem entre o continente ea Ilha de Pharos, congratulou-se com o comércio do Oriente e do Ocidente e logo encontrou-se o centro internacional de comércio, bem como o principal produtor de papiro e, em breve, livros.

Além de coletar obras do passado, a biblioteca foi também o lar de uma série de estudiosos internacionais, bem apadrinhado pela dinastia ptolomaica com viagens, alojamento e estipêndios para suas famílias inteiras. Como uma instituição de pesquisa, a Biblioteca preenchido suas pilhas com novas obras em matemática, astronomia, física, ciências naturais e outros assuntos. Foi na Biblioteca de Alexandria que o método científico foi concebido e posto em prática, e seus padrões empíricos aplicados em um dos primeiros e certamente casas mais fortes para grave crítica textual. Como o mesmo texto existido muitas vezes em várias versões diferentes, comparativa crítica textual foi crucial para garantir a sua veracidade. Uma vez determinado, cópias canônicas, então, ser feita por estudiosos, direitos autorais e bibliófilos ricos de todo o mundo, este comércio trazendo renda para a biblioteca. Os editores na Biblioteca de Alexandria são especialmente bem conhecido por seu trabalho no homéricos textos, os editores mais famosos geralmente também segurando o título de chefe bibliotecário. Estes incluíram, entre outros,

  • Zenodotus (início do século III aC)
  • Apolônio de Rhodes (metade do século III aC)
  • Eratóstenes (final do século III aC)
  • Aristófanes de Bizâncio (início do século II aC)
  • Aristarco de Samotrácia (final do século II aC)

Coleção

O termo grego "biblioteke", usado por muitos historiadores da época, refere-se, de facto, para o [real] "Coleção de Livros", não para o prédio em si, o que complica a história e cronologia da sua destruição. A coleção real pode ser visto como tendo começado no edifício do Bairro Real, vulgarmente conhecido como "The Great Library", antes de ser transferido para a biblioteca no Sarapeum, uma acrópole no trimestre egípcio da cidade, que abriga o templo de Sarapis. A transferência ocorreu entre Fogo de César A Guerra Alexandrina em 48bce e 272ce quando o Bairro Real foi arrasada na guerra com Zenobia. A coleção permaneceu no Sarapeum até pelo menos 391bce, a data da destruição do templo e, especificamente, do Sarapeum. Ele pode ter sido destruída por mob Christian Theophilus "como parte de sua destruição da Sarapeum, ou talvez foi mantido em seu domicílio Sarapeum. Há também a possibilidade de que a recolha foi preservada em bibliotecas privadas durante anos depois. Uma conta debatido por Abd al Latif (1160-1231), um Muhamadan de cartas, narra a morte da coleção nas mãos de Omar: "A Academia erguido por Alexander quando ele construiu esta cidade, e no qual ele depositou a biblioteca consignado às chamas, com a permissão de Omar, por 'Amr ibn el-As. (EA Parsons). Scholars, em particular / estudiosos muçulmanos árabes do século 21, competição essa afirmação, cuja veracidade pode ser contestada por si só na base de que Alexander, embora escolher o local e planejar o layout geral da cidade, morreu antes que ele pudesse ter uma mão na construção da biblioteca ou academia nele.

Já famoso no mundo antigo, a coleção da biblioteca ficou ainda mais célebre nos anos posteriores. No entanto, agora é impossível determinar o tamanho da coleção em qualquer época. Rolos de papiro compreendeu a recolha, e apesar de pergaminho códices foram usados predominantemente como um material de escrita mais avançado depois de 300 aC, a Biblioteca de Alexandria nunca é documentada como tendo mudado para pergaminho, talvez por causa de suas fortes ligações com o tráfico de papiro. (A Biblioteca de Alexandria, de facto, tinha uma causa indireta na criação de escrever pergaminho - devido à necessidade crítica da biblioteca para papiro, pouco foi exportado e, portanto, uma fonte alternativa de material de cópia tornou-se essencial.)

Uma única peça de escrita pode ocupar vários pergaminhos, e esta divisão em auto-suficientes "livros" era um aspecto importante do trabalho editorial. Rei Ptolomeu II (309-246 aC) é dito ter definido 500.000 pergaminhos como um objectivo para a biblioteca. Marco Antônio supostamente deu Cleopatra mais de 200.000 rolos (retirados do grande Biblioteca de Pérgamo) para a biblioteca como um presente de casamento, mas este é considerado por alguns historiadores como uma reivindicação propagandista significou para mostrar lealdade de Antony para o Egito em vez de Roma. Carl Sagan , em sua série Cosmos, afirma que a Biblioteca continha quase um milhão de pergaminhos, embora outros especialistas estimam um número menor. No índice da biblioteca sobrevive, e não é possível saber com certeza o quão grande e diverso como a coleção pode ter sido. Por exemplo, é provável que, mesmo que a biblioteca tinha centenas de milhares de rolos (e, assim, talvez dezenas de milhares de obras individuais), alguns deles teriam sido cópias duplicadas ou versões alternativas dos mesmos textos.

Uma história possivelmente apócrifo ou exagerado preocupa como a coleção da biblioteca cresceu tanto. Por decreto de Ptolomeu III do Egito, todos os visitantes para a cidade eram obrigados a entregar todos os livros e pergaminhos, bem como qualquer forma de mídia escritos em qualquer língua em sua posse e que, de acordo com Galen, foram listados sob o título "Livros dos navios". Escribas oficiais, em seguida, rapidamente copiado esses escritos, algumas cópias que comprovem tão preciso que os originais foram colocados na biblioteca e as cópias entregues aos proprietários desavisados. Este processo também ajudou a criar um reservatório de livros na cidade relativamente nova.

De acordo com Galen, Ptolomeu III pediu permissão dos atenienses para emprestar os roteiros originais de Ésquilo, Sófocles e Eurípides, para o qual os atenienses exigiu a quantidade enorme de quinze talentos como garantia. Ptolomeu felizmente pago a taxa, mas manteve os roteiros originais para a biblioteca. Esta história pode também ser construído erroneamente para mostrar o poder de Alexandria sobre Atenas.

Destruição da Biblioteca

As fontes antigas e modernas identificar quatro ocasiões possíveis para a destruição da Biblioteca:

  1. Júlio César Fire 's em A Guerra Alexandrina, em 48 aC
  2. O ataque de Aurelian no século terceiro lugar;
  3. O decreto de Teófilo em 391 dC;
  4. O Conquista muçulmana em 642 dC ou depois disso.

"É inerentemente difícil obter informação fiável sobre um evento que consistia na destruição de toda a informação gravada", escreveu Neal Stephenson na sua dezembro 1996 Artigo da revista Wired, "Mother Earth Mother Board".

Conquista de César em 48 aC

Plutarco Vidas, escrito no final do primeiro ou início do segundo século, descreve uma batalha em que César foi forçado a queimar seus próprios navios, que o historiador William Cherf provou teve todos os ingredientes de um tempestade de fogo e, por sua vez atearam fogo ao cais e, em seguida, a Biblioteca, destruindo-o. Isso teria ocorrido em 48 aC, durante a luta entre César e Ptolomeu XIII. No século II dC, o historiador romano Aulus Gellius escreveu em seu livro Noites do sótão que a Real Biblioteca de Alexandria foi queimado por engano quando alguns soldados romanos de tropas de César definir algum fogo. Além disso, no século IV dC, tanto o historiador pagão Amiano Marcelino eo historiador Christian Orosius concordam que a Bibliotheca Alexandrina foi destruída por engano após o incêndio que César tinha começado. O próprio César escreveu em seu livro o Alexandrino guerras que os fogos seus soldados tinham posto para queimar a marinha egípcia no porto de Alexandria foi tão longe como a queima de uma loja cheia de papiros localizado perto do porto. No entanto, o estudo geográfico da localização do histórico Bibliotheca Alexandrina, no bairro de Bruchion sugere que esta loja não pode ser a biblioteca. O mais provável é aqui que esses historiadores confundido as duas palavras gregas bibliothekas, que significa "conjunto de livros" com Bibliotheka, o que significa Library. Como resultado, eles pensaram que o que havia sido gravada anteriormente, relativo à queima de alguns livros armazenados perto do porto constitui a queima da famosa Biblioteca de Alexandria. Em qualquer caso, se os livros queimados foram apenas alguns livros encontrados em armazenamento ou livros encontrados dentro da própria biblioteca, o filósofo estóico romano Seneca (c 4 aC -. 65 AD) refere-se a 40 mil livros tendo sido queimado em Alexandria. Durante Marcus Antonius regra da parte oriental do Império (40-30 BC) ', ele saqueou a segunda maior biblioteca do mundo (que pelo Pergamon) e apresentou a coleção como um presente a Cleópatra como um substituto para os livros perdidos para fogo de César.

" As galeras romanas que transportam a Trigésima Sétima Legião da ?sia Menor já tinha atingido a costa egípcia, mas por causa de ventos contarry, eles foram incapazes de avançar em direção a Alexandria. Fundeado no porto off Lochias, a frota egípcia colocado um problema adicional para os navios romanos. No entanto, em um ataque de surpresa, os soldados de César incendiar os navios egípcios, e as chamas, espalhando-se rapidamente com o vento condução, consumiu a maior parte do estaleiro, muitas estruturas perto do palácio, e também vários milhares de livros que foram alojados em um dos os prédios. A partir deste incidente, os historiadores mistakingly assumido que a Grande Biblioteca de Alexandria tinha sido destruída, mas a biblioteca não estava nem perto das docas. "
" O dano mais imediato ocorreu na área em torno das docas, em estaleiros, arsenais e depósitos de grãos e em que os livros foram armazenados. Cerca de 40.000 rolos de livros foram destruídos no incêndio. Nem em todos conectados com a Grande Biblioteca, que eram livros de contabilidade e livros que contêm registros de mercadorias de exportação de Alexandria com destino a Roma e outras cidades em todo o mundo. "

No entanto, 25 anos após a queima da biblioteca reivindicado por César, Estrabão viu a biblioteca e trabalhou nela. Em 25 aC Estrabão livros usados localizados na Biblioteca de Alexandria como fontes e referências para seu livro Geografia. Outro ponto usado para refutar a alegação de que a biblioteca foi queimada por César é que Cícero, o mais famoso de todos os historiadores do Império Romano e que era bem conhecido por seu ódio de Júlio César, nunca mencionou em seu mais famoso livro Philippics que César queimou a Biblioteca. Isso por si só constitui mais uma prova da inocência dessa acusação de César

Portanto, é mais provável que a Real Biblioteca de Alexandria foi queimado depois da visita de Estrabão para a cidade (25 aC), mas antes do início do segundo século dC; caso contrário, esses historiadores não teria mencionado o incidente e equivocadamente atribuiu a Júlio César. Também é mais provável que a biblioteca foi destruída por alguém que não seja César, embora as gerações posteriores ligado o fogo que teve lugar em Alexandria durante o tempo de César para a queima da Bibliotheca. Alguns acreditam que o cenário mais provável foi a destruição que acompanharam as guerras entre Zenobia de Palmira e do imperador romano Aurelian, na segunda metade do século 3 (ver abaixo).

Deve-se notar, contudo, que a Real Biblioteca de Alexandria, ou o Museu como era chamado para incluir as versões originais dos livros mais famosos do mundo, não era a única biblioteca localizada na cidade. Havia pelo menos duas outras bibliotecas em Alexandria: a biblioteca do Templo Serapeum ea biblioteca do Templo Cesarion. A continuidade da vida literal e científica em Alexandria após a destruição da Biblioteca Real, bem como o florescimento da cidade como o centro do mundo para ciências e literatura entre o primeiro eo sexto séculos dC, dependia em grande medida da presença destas duas bibliotecas e os livros e referências nelas contidas. Assim, enquanto ele está historicamente registrado que a Biblioteca Real foi uma privada para a família real, bem como para cientistas e pesquisadores, as bibliotecas dos templos Serapeum e Cesarion foram bibliotecas públicas acessíveis para as pessoas.

Além disso, enquanto a Real Biblioteca foi fundada por Ptolomeu II nos aposentos reais de Bruchion perto dos palácios e jardins reais, era seu filho Ptolomeu III que fundou o templo Serapeum e sua biblioteca adjacente nos bairros populares de Rhakotis. Mais tarde, a biblioteca Serapeum ficou conhecida como a Biblioteca Filha, porque continha cópias das versões originais encontrados na Biblioteca Real.

A extensão exata dos danos para a biblioteca é desconhecida, como historiadores contemporâneos não se atreveu a publicar detalhes devastadoras para um bibliófilo alfabetizados, como César, durante sua vida. Como um ponto de contexto, fogos de bibliotecas eram comuns e substituição de manuscritos foi extremamente difícil, dispendioso e consome muito tempo. E depois da longa e cara guerra Alexandrino havia menos se todos os fundos para a reconstrução e ao reabastecimento do library-- especialmente como foi agora sob o controle de Roma cujos cidadãos não estavam prestes a comprovar fundos para uma biblioteca especialmente egípcio como César era , sem dúvida, in memoriam, a construção de sua própria em Roma.

A próxima consideração que temos é Estrabão de Geographia em 28bce, que não menciona especificamente a biblioteca, mas não mention-- entre outras details-- que ele não é capaz de encontrar um mapa na cidade que ele estava em uma viagem anterior para Alex, pré-fogo. Alguns estudiosos têm usado essa conta para sugerir que a partir deste podemos inferir a biblioteca foi dizimada até os alicerces e coleta destruídas (Abbadi). Certezas nesta conclusão é abalada quando se considera o contexto. O Museion adjacente foi, de acordo com a mesma conta, em condition-- completamente operacional que complica a suposição de que um edifício poderia ser perfeitamente bem eo outro totalmente destruído. Além disso, sabemos que neste momento a Biblioteca filha na Sarapeum era próspera e intocado pelo fogo, e como ele não menciona pelo nome que podemos afirmar que por Estrabão omissão não necessariamente denotam ausência. Finalmente, como já mencionado, ele confirma a vida do "Museion" de que a Grande Biblioteca foi o collection-- real e no seu outras menções do Sarapeum e ele Museion e outros historiadores são inconsistentes em sua inferência do composto inteiro ou a edifícios do templo, especificamente. Então, nós não podemos inferir que, ao mencionar o instituto pai do Museion, mas não o braço biblioteca especificamente, que é por qualquer meio confiança demolidas. Finalmente, como um dos principais geógrafos do mundo é inteiramente possível que, nos 20 anos positivos desde a sua última visita à biblioteca, o mapa foi referencing-- muito possivelmente um mapa esotérico raro considerando a sua experiência ea vasta coleção da biblioteca --que poderia ter sido qualquer parte da biblioteca que foi parcialmente destruída, ou simplesmente uma vítima de vinte anos de uso, desgaste e condições precárias em uma biblioteca que já não tem os fundos inesgotáveis ele fez uma vez para re-cópia e preservar a sua coleção.

Ataque de Aurelian, terceiro século

A biblioteca parece ter sido mantida e continuada em existência até o seu conteúdo se perderam durante a tomada da cidade pelo imperador Aureliano (270-275), que foi suprimir uma revolta por Rainha Zenobia de Palmyra. A biblioteca menor localizada no Serapeum sobreviveu, mas parte de seu conteúdo pode ter sido levado para Constantinopla para adornar a nova capital no decurso do século IV . No entanto, Amiano Marcelino, escrevendo em torno de 378 AD parece falar da biblioteca no templo Serapeum como uma coisa do passado, e ele afirma que muitos dos volumes da biblioteca Serapeum foram queimados quando César demitido Alexandria. Como ele diz em livro 22.16.12-13:

" Além disto, existem muitos templos grandiosos e, especialmente, um a Serapis, que, embora não há palavras para descrevê-lo adequadamente, podemos ainda dizer, a partir de suas salas esplêndidas suportada por pilares, e suas belas estátuas e outros enfeites, é tão soberbamente decorados, que ao lado do Capitólio, de que a cada vez venerável Roma possui, o mundo inteiro não tem nada mais digno de admiração. Nele foram bibliotecas de valor inestimável; eo testemunho concorrente de registros antigos afirmam que 70 mil volumes, que haviam sido recolhidos pela ansioso cuidado dos Ptolomeus, foram queimados na guerra de Alexandria, quando a cidade foi saqueada no tempo de Caesar o Ditador. "
Rolagem do século V que ilustra a destruição do Serapeum por Teófilo.

Enquanto Amiano Marcelino pode ser simplesmente reiterando tradição de Plutarco sobre a destruição de César da biblioteca, é possível que sua declaração reflete seu próprio conhecimento empírico de que o acervo da biblioteca Serapeum ou tinham sido seriamente esgotada ou já não existia em seu próprio dia.

Decreto de Teófilo em 391

Em 391, Imperador cristão Teodósio I ordenou a destruição de todos os templos pagãos, e os cristãos Patriarca Teófilo de Alexandria atendeu ao pedido.

Sócrates Escolástico fornece o seguinte relato da destruição dos templos em Alexandria, no quinto livro de sua Historia ecclesiastica, escrito por volta de 440:

" Na solicitação de Teófilo, Bispo de Alexandria, o imperador emitiu uma ordem neste momento para a demolição dos templos pagãos naquela cidade; ordenando também que deve ser posto em execução sob a direcção de Teófilo. Aproveitando esta oportunidade, Theophilus esforçou-se ao máximo para expor os mistérios pagãos ao desprezo. E, para começar, ele causou a Mithreum de ser limpo, e expôs à opinião pública os sinais de seus mistérios sangrentas. Em seguida, ele destruiu o Serapeum, e os ritos sangrentos da Mithreum ele caricaturado publicamente; Serapeum também mostrou cheio de superstições extravagantes, e ele tinha a falos de Príapo realizada a meio do fórum. Assim, esta perturbação de ter sido desativado, o governador de Alexandria, eo comandante-em-chefe das tropas no Egito, assistida Theophilus em demolir os templos pagãos. "

O Serapeu uma vez alojado parte da biblioteca, mas não se sabe quantos, se for o caso, os livros eram nela contida no momento da destruição. Notavelmente, a passagem por Sócrates Escolástico, ao contrário do que Amiano Marcelino, não faz qualquer referência clara a uma biblioteca ou biblioteca conteúdo sendo destruídas, apenas para objetos religiosos sendo destruído. O autor pagão Eunápio de Sardes presenciou a demolição, e embora ele detestava os cristãos, e era um erudito, sua conta da destruição do Serapeum não faz nenhuma menção de qualquer biblioteca. Paulus Orosius admitiu no sexto livro de sua História contra os pagãos:

" Hoje existem em templos reservar baús que nós mesmos temos visto, e, quando esses templos foram saqueados, estes, segundo nos dizem, foram esvaziados pelos nossos próprios homens do nosso tempo, o que, de fato, é uma afirmação verdadeira. "

No entanto Orosius não está aqui discutindo o Serapeum, nem está claro que "os nossos próprios homens" são (a frase pode significar não mais que "homens de nosso tempo", já que sabemos a partir de fontes contemporâneas que os pagãos também, ocasionalmente, saquearam templos).

Quanto ao Museu, Mostafa El-Abbadi escreve na Vida e Fate of the biblioteca antiga de Alexandria (Paris 1992):

" O Mouseion, sendo ao mesmo tempo um "santuário dos musas", gozava de um grau de santidade, enquanto outros templos pagãos permaneceram sem serem molestados. Sinésio de Cirene, que estudou com Hypatia no final do século IV, viu o Mouseion e descreveu as imagens dos filósofos nele. Nós não temos nenhuma referência posterior à sua existência no quinto século. Como Theon, o eminente matemático e pai de Hypatia, ela mesma um renomado estudioso, foi o último gravado estudioso-membro (c. 380), é provável que o Mouseion não sobreviver por muito tempo a promulgação do decreto de Teodósio em 391 destruir todos os templos pagãos na cidade. "

John Julius Norwich, em sua obra Byzantium: Os primeiros séculos, coloca a destruição da coleção da biblioteca durante o anti- Arian motins em Alexandria que ocorreram após o decreto imperial de 391 (p.314).

Conquista muçulmana em 642

Vários historiadores disseram que variam contas de um exército muçulmano liderada por Aas Amr ibn al 'saqueando a cidade em 642 depois que o exército bizantino foi derrotado na Batalha de Heliópolis, e que o comandante pediu ao califa Umar o que fazer com a biblioteca. Ele deu a resposta famosa: "Eles vão contradizem o Alcorão, caso em que eles são heresia, ou eles vão concordar com isso, então eles são supérfluas." Os árabes posteriormente queimou os livros para aquecer água do banho para os soldados. Também foi dito que a coleção da Biblioteca ainda era suficientemente importante nesta data tardia para proporcionar equivalente a seis meses de combustível para os banhos. No entanto, essa conta tenha sido indeferido por alguns como uma lenda. Enquanto a primeira conta ocidental do suposto evento foi em 1663 tradução de Edward Pococke de História das dinastias, foi descartada como uma brincadeira ou propaganda tão cedo quanto 1713 por Fr. Eusèbe Renaudot. Ao longo dos séculos, numerosos estudiosos subsequentes concordaram com o P. A conclusão de Renaudot, incluindo Alfred J. Butler, Victor Chauvin, Paul e Casanova Eugenio Griffini. Mais recentemente, em 1990, observou estudioso do Oriente Médio Bernard Lewis argumentou que a conta original não é verdade, mas que sobreviveu ao longo do tempo, porque era um mito útil para o grande líder muçulmano do século XII Saladino , que achou necessário para quebrar a Coleção do califado fatímida de herético Textos Isma'ili em Cairo após sua restauração de Sunnism para o Egito. Lewis propõe que a história do califa apoio de Umar de destruição de uma biblioteca pode ter feito ações de Saladino parecem mais aceitáveis para o seu povo.

Conclusão

Embora as circunstâncias reais e tempo da destruição física da Biblioteca permanecem incertos, no entanto, é claro que por volta do século VIII dC, a Biblioteca já não era uma instituição importante e tinha deixado de funcionar a qualquer título importante.

Na ficção

A Biblioteca tem sido destaque em inúmeras obras de ficção ao longo dos milênios, em várias formas de mídia. Exemplos recentes notáveis incluem:

  • Romance de aventura de Clive Cussler Tesouro.
  • O jogo de computador Tomb Raider: The Last Revelation, todos os que envolvem a sobrevivência de pelo menos partes do catálogo da Biblioteca de textos.
  • Manuscritos da Biblioteca fazem parte do tesouro perdido recuperado no filme 2004 Tesouro Nacional.
  • Todos os cinco jogos de computador de Sid Meier de Série Civilization inclui a Biblioteca como um edificável Maravilha do Mundo. Em dois dos jogos, seu ato é a aquisição de tecnologias que foram descobertos a partir de duas ou mais outras civilizações.
  • No jogo de construção de cidade Faraó por Impressions Games, em uma missão de expansão do 'Cleópatra', a Biblioteca de Alexandria é construído como um monumento.
  • A queima da Biblioteca pelas forças de Júlio César é destaque no 1963 filme épico Cleopatra.
  • Autor O romance de Steve Berry O Elo de Alexandria caracteriza uma caça moderna do dia para o lugar de descanso da instituição lendária.
  • Autor O romance de Conn Iggulden The Gods of War, última da série Imperador, onde diz-se que Júlio César define acidentalmente acesa a biblioteca como ele tenta afundar seus navios para bloquear o porto próximo como uma tática diversionista e defensiva.
  • Autor Série de Jonathan Stroud A Bartimeu Trilogy, refere-se à Biblioteca no terceiro livro, Portão de Ptolomeu, na narração dos Bartimaues Djinn 'do Egito em 124 aC.
  • No show seaQuest DSV Season 1 Episode 4, o capitão Bridger e equipe de descobrir o edifício de recepção para a antiga biblioteca subaquática.
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Library_of_Alexandria&oldid=229050766 "