Conteúdo verificado

Rama

Assuntos Relacionados: Divindades

Você sabia ...

Crianças SOS voluntários ajudaram a escolher artigos e fez outros materiais currículo SOS mães cada um cuidar de uma família de crianças apadrinhadas .

Rama

Senhor Rama (centro) com a esposa Sita, irmão Lakshmana (com ventilador) e devoto, Hanuman (extrema esquerda).
Devanagari राम
Sânscrito Transliteration rāma
Afiliação Avatar de Vishnu
Casa Ayodhya
Arma O Bow Kodanda
Consorte Sita

Rama ( IAST: Rama, Devanāgarī: राम, Thai: Phra Ram, Lao: Phra Lam) ou Ramachandra era um lendário rei de Ayodhya em ?ndia antiga. No hinduísmo , ele é considerado um avatar de Vishnu e um lila-avatara como descrito no Bhagavata Purana.

Rama é uma das figuras mais populares e divindades em Vaishnavismo e Vaishnava escrituras religiosas em Sul e Sudeste da ?sia . A maioria dos detalhes a respeito de Rama vem do Ramayana , um dos dois grande épicos da ?ndia. Nascido como o filho mais velho de Kaushalya e Dasharatha, rei de Ayodhya, Rama é referido no hinduísmo como Maryada Purushottama, literalmente o Homem Perfeito ou Senhor das restrições. Rama é o marido de Sita, que Hindus considera ser um Avatar de Lakshmi ea personificação da feminilidade perfeito.

Vida ea viagem de Rama é um dos perfeita aderência ao dharma apesar dos testes ásperos da vida e do tempo. Por uma questão de honra de seu pai, Rama abandona sua reivindicação ao trono de Kosala para servir um exilado de 14 anos na floresta. Sua esposa, Sita e irmão, Lakshmana ser incapaz de viver sem Rama decidem juntar-se a ele, e todos os três passam os 14 anos no exílio juntos. Isso leva ao rapto de Sita por Ravana, o Rakshasa monarca de Lanka. Após uma busca longa e árdua que testa sua força pessoal e virtude, Rama luta uma guerra colossal contra os exércitos de Ravana. Em uma guerra de seres poderosos e mágicos, extremamente o armamento destrutivo e as batalhas, Rama mata Ravana na batalha e liberam sua esposa. Depois de terminar o exílio, Rama retorna para ser coroado rei em Ayodhya (a capital de seu reino) e, eventualmente, torna-se imperador do mundo, depois do qual reina por 11 mil anos - uma era de felicidade perfeita, a paz, a prosperidade ea justiça conhecidas como Rama Rajya.

A coragem de Rama na pesquisa por Sita e lutar uma guerra terrível para salvar sua esposa e sua honra é complementada pela devoção absoluta de Sita ao amor de seu marido, e castidade perfeita apesar de ser cativo de Ravana. Irmãos mais novos de Rama, a saber, Lakshmana, Shatrughna e Bharata complementam fortemente sua piedade, virtude e força, e são acreditados por muitos pertencer ao Mariyada Purshottama eo sétimo Avatara, incorporada principalmente por Rama. Piedade e virtude de Rama atraem aliados poderosos e devotados tais como Hanuman eo Vanaras de Kishkindha, com cuja ajuda ele resgata Sita. A lenda de Rama está profundamente influente e popular nas sociedades do Subcontinente indiano e em frente Sudeste Asiático. Rama é venerado por sua inesgotável compaixão, coragem e devoção aos valores e ao dever religiosos.

Etimologia

Um artigo relacionado a
Hinduismo
Om.svg
  • Hindu
  • História

Rama no Rigveda eo Atharvaveda é um adjetivo que significa "escuro, preto", ou um substantivo que significa "escuridão", por exemplo RV 10.3.3 (trans. Griffith):

10.3.3cd Agni,-se espalhando distante com brilho visível, tem cercaram Night [Rama] com vestes resplandecentes whitely.

Rama composta de + 'ama' 'Ra', que significa luz que vem de dentro.

Como um nome pessoal aparece em RV 10.93.14:

Este 10.93.14ab para Duhsima Prthavana tenho cantado, para Vena, Rama, aos nobres [ Asuras], eo rei.

A forma feminina do adjetivo, rāmī' é um epíteto da noite ( Ratri), como é kṛṣṇī', o feminino de kṛṣṇa, viz. "Escuro um; o preto". Mayrhofer (1996) sugere uma derivação PIE (H) reh 1 -mo-, cognato para OHG RAMAC "sujo".

Dois Ramas são mencionados na Vedas, com a patronímicos Mārgaveya e Aupatasvini; outro Rama com o Jāmadagnya patronímico é o suposto autor de um hino Rigvedic. Conforme Monier-Williams, três Ramas foram comemorados em tempos pós-védicos,

  1. Rama-Chandra ("Rama-moon"), filho de Dasaratha, que se acredita ter descendido de Raghu. (O Rama deste artigo).
  2. Parashu-Rama ("Rama da Machado de guerra "), a Sexta Avatara de Vishnu, às vezes também referida como Jāmadagnya, ou como Bhargava Rama (descendente de Bhrigu), um "Chiranjeevi" ou Immortal.
  3. Bala-Rama ("o forte Rama"), também chamado Halayudha (Wielder do Plough em batalha), o irmão mais velho e companheiro próximo de Krishna, o oitavo Avatara de Vixnu.

No Vishnu sahasranama, Rama é o nome 394 de Vishnu. Na interpretação da Adi Sankara comentário 's, traduzido por Swami Tapasyananda do Missão Ramakrishna, Rama tem dois significados: o supremo Brahman , que é o Ser espiritual eternamente feliz em quem iogues deliciar ou o One (ou seja, Vishnu) que, por sua própria vontade assumiu a forma encantadora de Rama, o filho de Dasaratha.

Avatara

O Ramayana fala de como a Deusa da Terra, Bhumidevi, veio ao Senhor Criador, Brahma implorando para ser resgatados de maus reis que estavam saqueando seus recursos e destruindo a vida através de guerras sangrentas e má conduta. O Devas também veio a Brahma com medo de o Estado de Ravana, o imperador rakshasa dez cabeças de Lanka. Ravana tinha vencido o Devas e agora dominava os céus, a terra e os submundos. Apesar de um monarca poderoso e nobre, ele também era arrogante, destrutivo e patrono de malfeitores. Ele tinha bênçãos que lhe deu imensa força e era invulnerável a todos os seres vivos e celestes, exceto o homem e os animais.

Brahma, Bhumidevi e os Devas adorado Vishnu, o Conservador, para a libertação do domínio tirânico de Ravana. Vishnu prometeu matar Ravana encarnando como um homem - o filho mais velho do rei de Kosala Dasaratha. Sua consorte eterna, Lakshmi nasceu como Sita e foi encontrado pelo rei Janaka de Mithila enquanto ele estava arando um campo. Companheiro eterno de Vishnu, o Ananta Sesha é dito ter encarnado como Lakshmana para ficar ao lado de seu Senhor na Terra. Ao longo de sua vida, ninguém, exceto a si mesmo e uns poucos sábios selecione (entre os quais estão incluídos Vasishta, Sharabhanga, Agastya e Vishwamitra) sabe de seu destino. Rama está continuamente reverenciado por muitos sábios que ele encontra através de sua vida, mas apenas o know mais instruído e exaltada de sua verdadeira identidade. No final da guerra entre Rama e Ravana, assim como Sita passa seu pariskha Agni, o Senhor Brahma, Indra e os Devas, os sábios celestes e Lord Shiva aparecem fora do céu. Eles afirmam pureza de Sita e pedir-lhe para acabar com esta terrível prova. Agradecendo o Avatara para entregar o universo das garras do mal, eles revelam a identidade divina de Rama sobre o ponto culminante de sua missão.

Príncipe de Ayodhya

Rei Dasaratha realiza um yajña putrakameṣṭi, um sacrifício para obter prole por agradar os deuses. Ele dá o sagrado, néctar de sacrifício para suas três esposas segundo a sua antiguidade: Kousalya, Sumitra e Kaikeyi. Na noite do nono dia após Amavasya, sob a asterism de Punarvasu eo signo cardinal do Caranguejo, Rama nasceu na cidade de Ayodhya, que é a capital do antigo reino de Kosala. A cidade ea região estão localizados na região central do Estado moderno de Uttar Pradesh, na ?ndia . Rama era o príncipe do Suryavamsha ( Sun Dynasty) House of Ikshvaku, descendente de grandes monarcas como Ikshvaku, Raghu e Bhagiratha. Ele é o irmão mais velho de Bharata, filho de Kaikeyi, e os filhos gêmeos de Sumitra, Lakshmana e Shatrughna. Rama é moreno, principalmente azulada - um símbolo da divindade.

O Ramayana descreve o relacionamento entre os irmãos com a mesma intensidade de amor e devoção, embora Rama e Lakshmana compartilham um vínculo especial, inseparáveis, enquanto Bharata é especialmente perto de Shatrughna. Os quatro irmãos desfrutar de um amor indiscriminado de Dasaratha e seus três rainhas, mas principais afeições de Dasaratha estão afixadas sobre Rama. Rama e seus irmãos são treinados por Rishi No Vasishta Vedas, a religião, a filosofia e as ciências. Eles são descritos como mais alto do que os homens mais altos dos tempos modernos, possessivos de perspicácia e coragem excepcional em ciências militares e das artes.

Início do Avatara

Rama quebrando o arco, Raja Ravi Varma (1848-1906)

Sábio Vishwamitra leva os dois príncipes, Rama e Lakshmana, ao Cerimônia Swayamvara para Sita. O desafio consiste em seqüência o arco de Shiva , e atirar uma flecha com ele. Esta tarefa é considerada impossível para qualquer rei comum ou ser vivo, pois esta é a arma pessoal de Shiva, mais poderoso, santo e da criação divina do que concebível. Durante a tentativa de corda do arco, Rama divide-se em dois. Essa façanha de força inacreditável, ter quebrado o arco de Shiva, sua fama se espalha entre os mundos e sela seu casamento com Sita.

Depois de Rama e Sita casados toda a família real eo exército Ayodhya começar a sua jornada de volta, o grande rishi Parashurama Bhargava aparece diante deles, tendo descido da sua ermida montanhosa. Parashurama é um rishi extremamente poderoso, responsável pela morte de todos os guerreiros do mundo e reis 21 vezes. Ele foi o sexto Avatara de Vishnu, e considera que é inacreditável que alguém poderia quebrar o arco de Shiva. Considerando-se a continuar a ser o mais poderoso guerreiro-rishi na Terra, ele traz consigo o arco de Vishnu , e pretende desafiar Rama para provar sua força amarrando-o e, em seguida, lutando uma batalha com ele para provar superioridade. Apesar de todo o exército Ayodhya é prevenido por seu poder místico, Rama é o próprio irritou. Ele respeitosamente se curva ao Parashurama, e dentro de um piscar de pálpebra arrebata o arco de Vishnu, amarra-lo, coloca uma seta e aponta diretamente para o coração do challenger. Rama pede Parashurama o que ele vai dar como um alvo para a seta em troca da sua vida? Neste ponto, Parashurama se sente desprovido da energia mística que ele possuía uma tremenda por tanto tempo. Ele percebe que Rama é Vishnu encarnado, seu sucessor e, definitivamente, seu superior. Ele aceita a superioridade de Rama, dedica seu tapasya para ele, é uma homenagem ao Rama e promete voltar a seu eremitério e deixar o mundo dos homens.

Rama, em seguida, disparou a flecha para o céu com arco de Vishnu, realizando uma façanha fiel à sua Supremo, a natureza divina com sua arma natural. Sua avassalador de Parashurama e usando a arma suprema com incrível facilidade e perfeição deslumbrar os espectadores e seus parentes, mas ninguém salvar Parashurama e Vasishta associar isso com a sua verdadeira identidade. Diz-se que a flecha do Rama ainda está voando através do espaço, através do tempo e em todos do universo. O dia vai retornar à Terra, é dito, ele vai trazer o fim do mundo. Outros dizem que o vôo da seta destrói todo o mal na terra para defender dharma e justiça.

Outra versão

Outra versão da história é, que Sábio Vishvamitra, juntamente com o príncipe Rama e Lakshmana participou da Swayamvara da princesa Sita. Para encontrar a melhor correspondência para sua filha Sita, o rei Janaka realizou um teste no qual o competidor bem sucedido foi capaz de levantar o arco do Senhor Shiva e amarrá-lo, seria capaz de casar com Sita. No entanto, nenhum dos Reis foram capazes de alcançar esta tarefa, e decepcionado, o rei Janaka derrama seu dilema e miséria. Ao ouvir isso Lakshmana fica enfurecido e ofendido que o Rei Janaka não oferecem Rama o mesmo teste. A convite do rei Janaka, o Senhor Rama seguiu para o arco do Senhor Shiva. Pagar reverência ao arco, Rama foi elevador capaz o arco, corda-lo e no mesmo processo quebrou o arco em dois. Este evento enviou um som de trovão alto ao longo de todo o planeta eo barulho chegou aos ouvidos de Parasurama que era naquele tempo meditando e sabia que o som feito foi o arco do Senhor Shiva está sendo quebrado. Quando Parasurama chegou à corte do rei Janaka, ele enfrentou o príncipe e lançou um desafio. Isso levou a um confronto entre Lakshmana e Parusurama, que de raiva foi aumentando em backtalk impetuoso de Lakshmana. No entanto, o Senhor Rama, sem qualquer confronto físico foi capaz de pacificar Parasurama. Depois de se acalmar Parasurama percebeu que Rama era o Senhor Vishnu encarnado e concedeu Senhor Rama todas as armas que havia obtido a partir de seus tapas.

Dharma de exílio

Rei Dasaratha anuncia a Ayodhya que ele planeja para coroar Rama, seu filho mais velho do Yuvaraja (príncipe herdeiro). Embora a notícia é bem-vinda por todos no reino, a mente de rainha Kaikeyi é envenenado por seu mau serva, Manthara. Kaikeyi, que é inicialmente satisfeito por Rama, é feita a temer pela segurança eo futuro de seu filho Bharata. Temendo que Rama iria ignorar ou possivelmente vitimar o seu irmão mais novo por causa do poder, Kaikeyi exige que Dasaratha banir Rama a um exílio floresta por quatorze anos, e que Bharata ser coroado no lugar de Rama. Ela tinha sido concedida dois benefícios junto ao rei quando ela tinha salvado sua vida há muito tempo, e agora a rainha usou-os para servir o seu propósito. Corte do rei e as pessoas estão indignados com o rumo dos acontecimentos. Dasaratha amado e amado Rama caro, e estava em tumulto pessoal. Completamente afastado agora de sua esposa mais jovem, ele abomina a perspectiva de separação de Rama. Mas Rama percebe que o rei não deve quebrar uma promessa solene a qualquer momento, e nem deve um filho desobedecer a ordem de seu pai. Sita junta-se o marido no exílio, apesar de sua desencorajando-la, como é seu dever e por amor a Rama que ela deve estar ao seu lado em todos os momentos. Seu irmão mais novo Lakshmana também decide imediatamente para se juntar Rama, em vez de permanecer na cidade.

Quando ele sai para o exílio, o povo de Ayodhya estamos profundamente tristes e irritados com Dasaratha e Kaikeyi. O coração de Dasaratha é quebrada e ele cai e morre no dia seguinte, incapaz de suportar a agonia da separação de Rama. Apesar do raciocínio de Vasishtha e os fundamentos de seus irmãos, Rama se recusa a voltar. Embora horrorizada com a notícia da morte de seu pai, Rama acha impossível que ele deve quebrar palavra de seu pai morto. O Rama não suportar qualquer raiva em relação a Kaikeyi, acreditando firmemente no poder do destino. De acordo com a explicação do clássico, este exílio, na verdade, apresenta Rama a oportunidade de confrontar Ravana e seu império do mal.

Rama e Sita

Uma representação moderna de Sita e Rama

Rama e Sita são os protagonistas de uma das mais famosas histórias de amor de todos os tempos. Descrito como sendo profundamente no amor, Sita e Rama são teologicamente entendida como avatares de Lakshmi e Vishnu respectivamente. Quando Rama é banido do reino, ele tenta convencer Sita para não se juntar a ele em uma existência potencialmente perigoso e certamente árdua na selva, mas Sita rejeita isso. Quando Rama ordena que ela na sua qualidade de marido, Sita rejeita-o, afirmando que era um dever essencial de uma esposa para estar ao lado de seu marido venha o bem ou mal. Rama por sua vez, é assiduamente proteção e cuidar de Sita durante todo o exílio.

Quando Sita é raptada por Ravana, tanto Sita e Rama passar por grandes dificuldades pessoais durante a sua separação. Sita protege sua castidade assiduamente, e sobrevive mais de um ano em cativeiro com a força de seu amor e atenção aos valores e ao dever religiosos. Ela é completamente irrestrito em sua decisão, apesar de cortejo de Ravana, bajulando e ameaças. Enquanto isso Rama, sem saber quem tinha sequestrado Sita ou onde ela foi feita, muitas vezes sucumbe ao desespero e lágrimas, denunciando a si mesmo por não defendê-la e agonizando sobre a segurança dela e dor. Sita sabe que é no destino de Rama a lutar para resgatá-la (ela se recusa a ser resgatado, assim, por Hanuman, que descobre ela), mas está profundamente ansioso por sua segurança e com medo do poder de Ravana.

Agni pariksha

Depois de Rama mata Ravana e ganha a guerra, Sita quer vir antes dele no estado que, ao longo de um ano de prisão havia reduzido a ela para, Rama Sita organiza para ser banhado e dado belas vestes antes de serem re-unida. Mas mesmo como Sita vem antes dele em grande emoção e felicidade, Rama não olhar para ela, olhando fixamente para o chão. Ele diz a ela que ele tinha lutado a guerra só para vingar a desonra que Ravana havia infligido em Rama, Sita e agora estava livre para ir onde quisesse. Neste súbita mudança de eventos, todos os Vanaras, rakshasas, Sugriva, Hanuman e Lakshmana são profundamente chocado.


Sita implora Lakshmana para construir-lhe uma pira sobre a qual ela poderia acabar com sua vida, como ela não podia viver sem Rama. Neste ponto, Lakshmana é irritados com Rama pela primeira vez em sua vida, mas depois de um aceno de Rama, ele constrói uma pira para Sita. No grande choque e tristeza dos vigias, Sita caminha para as chamas. Mas a sua maior choque e admiração, ela é completamente ileso. Em vez disso, ela brilha radiante do centro da pira. Imediatamente Rama corre para Sita ea abraça. Ele nunca havia duvidado de sua pureza por um segundo, mas, como ele explica a um Sita deslumbrado, as pessoas do mundo não teria aceitado ou honrado-la como uma rainha ou uma mulher se ela não tivesse passado esta pariksha Agni diante dos olhos de milhões, onde Agni destruiria a impura e pecaminosa, mas não toque na pura e inocente.

Outra versão deste, utilizados em Ramayan de Ramanand Sagar, foi que Rama tinha conhecido Sita estava indo para ser sequestrado por Ravana antes do tempo. Então, ele confiou a Agni Dev, ou o Deus do Fogo. Rama fez isso para que ele, que na realidade era Vishnu, poderia matar Ravana. Sita, por sua vez, deixou para trás uma "sombra", ou versão de gêmeo-like de si mesma para trás. A "sombra" Sita havia sido raptada por Ravana. Portanto, o lila de Agni Pariksha era recuperar a genuína Sita do cuidado temporário de Agni Dev. Rama explica que este Lakshmana antes do chamado "Pariksha" é feito. Esta versão também foi escrito no Ram Charit Manas.

Banimento de Sita

No Uttara Kanda, Rama expulsa sua mulher Sita, mesmo quando ela está grávida, pedindo Lakshmana para entregar-lhe com segurança para Rishi Ashram de Valmiki. Ele faz isso quando ele é relatado a ele que alguns temas de seu em Ayodhya acreditam que Sita é impuro devido ao seu longo cativeiro na cidade de Ravana. O Agni pariksha não convence esses poucos críticos, mas Rama, por sua compreensão da dharma de um rei, decide banir Sita. Rama aderiu estritamente ao seu dever tanto como um rei e um marido. Estes conflito quando a sociedade achava que Sita era imprópria para se tornar rainha. Mas Rama tinha que mandar embora Sita desde o seu dever de rei veio primeiro. Uma lenda por Rishi Agastya nos estados épicas que Vishnu em uma idade anterior havia sido amaldiçoado por um rishi, cuja esposa havia sido morto por Vishnu para abrigar seus inimigos escapar da batalha. O Rishi condena Vishnu a ser negado por um longo idade, a companhia de sua alma gêmea, assim como Vishnu, por uma exposição inadvertida de raiva, privou o rishi de sua amada esposa. Assim Rama, encarnação de Vishnu, deve viver o resto de sua vida sem Sita.

Maryada Purushottama

Como uma pessoa, Rama personifica as características de uma pessoa ideal (Purushottama) que está a ser emulado. Ele tinha dentro de si todas as virtudes desejáveis que qualquer indivíduo que procuram a aspirar, e ele cumpre todas as suas obrigações morais (maryada). Pureza e piedade de Rama em suas intenções e ações inspira afeto e devoção por ele a partir de uma variedade de personagens de diferentes origens. Por exemplo, ele desistiu de seu legítimo direito ao trono, e concordou em ir para o exílio por 14 anos, para cumprir a promessa que seu pai tinha dado a Kaikeyi, uma das esposas do rei Dashratha. Isto é, apesar do fato de que o filho de Kaikeyi, Bharat, implorou-lhe para voltar para Ayodhya e disse que ele não queria governar no lugar de Rama. Mas Rama considerou seu dharma como um filho acima do seu direito de primogenitura e ambição de sua vida. Para tais sacrifícios supremos, e muitas outras qualidades, Shri Rama é considerado um Purushottam maryada. Alguns de seus ideais são as seguintes:

1. No momento em que era normal para os reis de ter mais de uma esposa, Rama deu ideal de ter uma única mulher. Depois Sita foi banido, ele estava fazendo penitência com uma estátua de ouro de Sita. Em Balakanda de Valmiki Ramayana está escrito que Rama e Sita residia em cada coração outros.

2. Rama sempre seguiu sua promessa a qualquer custo. Na verdade, ele foi para a floresta para fazer promessa de seu pai para Kaikeyi verdade. Há muitos exemplos de promessas de Rama, que ele mantinha. O mais importante são a promessa de sábios para salvar suas vidas a partir de Rakshasas, recebendo de volta O reino de Sugreeva, tornando Vibhishana o rei de Lanka.

3. Excelente amigo: Rama tinha relações muito tocantes com seus amigos, independentemente do seu status. Alguns de seus amigos são Nishad-raj Guh, Rei de Nishaads (uma casta cuja profissão era a caça das aves), Sugreeva (o Vanar rei) e Vibhishana um Rakshasa.

Rama e não-violência

Rama é sempre mostrado com um arco (chamado Kodanda) em seu ombro. Conforme Valmiki Ramayana, Sita, uma vez perguntou a respeito de porque seu Senhor, Rama sempre carregava um arco com ele. Sita estava chateado com a promessa de Rama de sábios que oferecem proteção enquanto realizavam seus rituais de sacrifício e, portanto, pediu que Rama "Estamos na floresta e nós devemos viver a vida dos sábios então por empunhar esta arma? '. Sita, em seguida, narrou uma história sobre um antigo salmo que se tornou violenta simplesmente por ter uma arma em sua posse (neste caso, uma espada). Rama sorriu e prometeu Sita que ele nunca iria atacar qualquer um a menos que a outra pessoa provoca a fazê-lo, uma promessa que ele manteve durante toda sua vida. Na verdade, ele sempre tinha dado duas chances para seus inimigos Tataka, Maarich, Vali e até mesmo Ravana. Ele mesmo oferecido um tratado de paz para Ravana antes de iniciar a guerra. Angada levou sua mensagem de paz a Ravana que foi recusado.

Companheiros

Mesmo como Rama é a concepção ideal de masculinidade, ele é muitas vezes ajudado e complementado em diferentes situações pelas características por aqueles que o acompanham. Eles servem Rama devotadamente, com grande risco pessoal e sacrifício.

Bharata e Lakshmana

Ausente quando Rama é exilado, após o seu regresso Bharata está chocado ao saber dos acontecimentos. E mesmo que Kaikeyi tivesse feito tudo isso para seu benefício, Bharata está irritado com a sugestão de que ele deve tomar o trono de Ayodhya. Denunciando sua mãe, Bharata proclama à cidade que ele iria para a floresta para buscar Rama de volta, e serviria para o período do seu próprio exílio. Embora inicialmente ressentido e desconfiado, o povo de Ayodhya granizo Bharata da natureza altruísta e ato de coragem. Apesar de seus pedidos fervorosos para retornar, Rama afirma que ele deve ficar na floresta para manter a palavra de seu pai. Ele ordena Bharata para executar o seu dever como rei de Ayodhya, especialmente importante após a morte de Dasaratha, e ordens Shatrughna para apoiar e servi-lo. Voltando entristecido para a cidade, Bharata se recusa a usar a coroa ou sentar-se no trono. Em vez disso, ele coloca os chinelos de Rama que tinha levado de volta com ele no trono, e as regras Ayodhya assiduamente mantendo crenças e valores de Rama em mente. Quando Rama finalmente retorna, Bharata é executado pessoalmente em recebê-lo de volta.

Bharata é saudado por sua devoção a seu irmão mais velho e dharma, distinguido de Lakshmana como ele é deixado sozinho por 14 anos. Mas ele infalivelmente nega interesse próprio ao longo deste tempo, governar o reino única imagem de Rama na. Vasishtha proclama que ninguém tinha aprendido dharma melhor do que Bharata, e para isso a piedade que ele constitui uma parte essencial da concepção de homem perfeito, da Sétima Avatara de Vishnu. O papel da Shatrughna a Bharata é semelhante ao de Lakshmana para Rama. Acredita-se ser um quarto de Vishnu encarnado, ou como a encarnação de sua companheira eterna, Ananta Sesha, Lakshmana é sempre ao lado de Rama. Embora limitados por promessa de Dasaratha a Kaikeyi, Lakshmana resiste argumentos de Rama e Sita e acompanha-o para dentro da floresta. Durante os anos de exílio, Lakshmana serve constantemente Rama e Sita - construção de cabanas, guarda permanente e encontrar novas rotas. Quando Sita é sequestrado, Rama arde com seu poder divino e em sua imensa raiva, expressa o desejo de destruir toda a criação. Lakshmana reza e implora por Rama para se acalmar, e apesar do choque do momento ea promessa de penúrias que estão por vir, começam uma busca árdua, mas sistemática para Sita. Durante os tempos quando a pesquisa está provando medos inúteis e Rama para Sita, e expressa o desespero em sua tristeza e solidão, Lakshmana encoraja-o, fornecendo a esperança e consolo.

Quando Rama em seu desespero teme que Sugriva esqueceu sua promessa de ajudá-lo a traçar Sita, Lakshmana vai para Kishkindha onde ele lembra o monarca complacente de sua promessa de ajudar. Mas Lakshmana também ameaça com destruição Sugriva com a sua própria divina, poder pessoal, incapaz de tolerar a cena em que Sugriva é materiais e prazeres sensuais que apreciam ao Rama sofre sozinho. Na guerra, Lakshmana é exclusivamente responsável por assassinato Indrajit, filho invencível de Ravana que tinha humilhado Indra e os Devas, e enganou os irmãos eo Vanaras em várias ocasiões. Rishi Agastya aponta mais tarde que esta vitória foi o ponto de viragem do conflito. Rama é muitas vezes tomado pela emoção e profunda afeição por Lakshmana, reconhecendo como o amor eo apoio importante e crucial de Lakshmana era para ele. Ele também confia Lakshmana de cumprir as ordens difíceis - Lakshmana foi convidado a tomar Sita ao ashrama de Valmiki, onde estava a gastar seu exílio. O profundo amor de Lakshmana para Rama, o seu serviço incondicional e sacrifício, bem como qualidades de julgamento prático e lucidez fazê-lo Rama do superior em determinadas situações e perspectivas. Lakshmana simboliza dever de um homem para sua família, irmãos e amigos, e constitui uma parte essencial da concepção de masculinidade ideal, que incorpora principalmente Rama.

Jatayu, Hanuman e Vibhishana

Quando Rama e Lakshmana começar a busca desesperada para descobrir onde Sita havia sido tomada. Depois de percorrer uma distância em muitos sentidos, eles se deparam com a águia mágico Jatayu, que está morrendo. Eles descobrem a partir de Jatayu que um rakshasa estava voando afastado com um grito, lutando Sita para o sul. Jatayu tinha voado para o resgate de Sita, mas devido à sua idade e do poder do rakshasa, tinha sido derrotado. Com isso, Jatayu morre nos braços de Rama. Rama é superada com amor e carinho para o pássaro que sacrificou sua própria vida por Sita, ea raiva de sua morte retorna a ele na batalha final com Ravana.

Únicos aliados de Rama na luta para encontrar Sita são os Vanaras de Kishkindha. Encontrar um aterrorizado Sugriva sendo caçado por seu próprio irmão, rei Vali, Rama promete matar Vali e Sugriva livre do terror e da carga injusta de conspirar para assassinar Vali. Os dois juram amizade eterna sobre o fogo sagrado. A piedade de Rama natural e compaixão, seu senso de justiça e dever, bem como a sua coragem, apesar de grande sofrimento pessoal depois do seqüestro de Sita inspirar devoção do Vanaras e Sugriva, mas especialmente Hanuman, o ministro de Sugriva. Dedicada a Rama, Hanuman exerce-se muito sobre a busca por Sita. Ele é o primeiro a descobrir que Sita foi levada para Lanka, e os voluntários a usar seus dons divinos em um reconhecimento perigosa de Lanka, onde ele é verificar a presença de Sita. Hanuman o anel das mãos de Rama para Sita, como um sinal de amor de Rama e sua intenção iminente de resgatá-la. Embora capturado, ele candidamente entrega a mensagem de Rama para Ravana a libertar imediatamente Sita, e quando sua cauda é queimado, ele foge e define Lanka em chamas. Quando Lakshmana é ferido e perto da morte e Rama superar com amor e preocupação pelo seu irmão, Hanuman voa para os Himalayas sobre a missão urgente de buscar as ervas medicinais Sanjeevani, trazendo toda a montanha para Lanka para que não se perca tempo em salvar Lakshmana . Os Vanaras combater os rakshasas, totalmente devotados à causa de Rama. Eles furiosamente demitir esforços de Ravana para criar divisões, sugerindo que Rama considerou-os, macacos, como meros animais. No final da guerra, Rama venera Brahma, que restaura a vida aos milhões de Vanaras caído.

Antes do início da guerra, príncipe rakshasa Vibhishana, irmão mais novo de Ravana vem juntar-se Rama. Embora ele ama o seu irmão e Lanka, ele falha em repetidos esforços para tornar Ravana siga valores religiosos e devolver Sita. Vibhishana acredita que a arrogância e insensibilidade de Ravana causará a destruição de Lanka, que é uma grave violação do dever de um rei, e que as acções de Ravana só propagadas mal. Vibhishana se recusa a defender o mal de maneiras de Ravana e inspirado por compaixão e piedade de Rama, deixa Lanka para se juntar ao Exército Vanara. Seu conhecimento de maneiras rakshasa e mente a ajuda de Rama e Ravana o Vanaras superar magia negra e armas místicas. No final da guerra, Rama coroa Vibhishana como o rei de Lanka. Vibhishana, e em maior medida Hanuman, encarnam o devoto perfeito na concepção mais ampla de humanidade perfeita.

Rama na guerra

A história épica de Ramayana foi adotado por diversas culturas em toda a ?sia. Mostrado aqui é um Thai artwork histórico que descreve a batalha que teve lugar entre Rama e Ravana.

Quando Rama é 16 anos de idade, ele e seu irmão Lakshmana são tomadas por Vishwamitra para as florestas, com o propósito de matar rakshasas que estão destruindo o tapasya e sacrifícios de brâmanes. Rama e Lakshmana são ensinadas as artes militares avançados e dado o conhecimento de todas as armas celestes por Vishwamitra. Rama continua a matar Thatakhi, um demônio amaldiçoado. Quando lhe pediram para matar o yaksha demônio, Rama demurs, considerando-o um pecado matar uma mulher. Mas Vishwamitra explica que o mal não tem gênero. O assassinato de Taraka liberta a alma yaksha que foi amaldiçoado por um pecado, e teve que adotar o corpo de uma rakshasi. Ele restaura a pureza dos sacrifícios dos brâmanes que vivem nas proximidades, e protege os animais que vivem na floresta, e os viajantes. O principal objetivo do exursion de Vishwamitra é conduzir o seu yagna sem interrupção de dois demônios, Maricha e Subahu. Rama e Lakshmana guardar o sacrifício, e quando os dois demônios aparecem, Rama atira uma flecha que transporta Maricha através das terras e para o oceano, mas não matá-lo. Rama e seu irmão, em seguida, avance para matar Subahu e demônios acompanhantes. Rama explica a Lakshmana que deixar Maricha vivo foi um ato de compaixão, mas os outros não atendeu o ponto e escolheu para atacar. Durante o exílio floresta, sábios pleitear para a proteção e ajuda contra rakshasas malignas que estragam seus sacrifícios e atividades religiosas e aterrorizá-los. Muitos rakshasas tinha mesmo matado e sábios e pessoas inocentes comido. No Janasthana, Rama usa seu talento excepcional para matar, sozinho, mais de quatorze mil hordas de demônios liderados pelo poderoso Khara, que é um primo de Ravana.

Sagara

Pintura Raja Ravi Varma - 'Rama conquista Varuna'

Confrontado com o dilema de como cruzar o oceano, Rama realiza uma penitência tapasya, jejuando e meditando em perfeito dhyana durante três dias e três noites para sagara, o Senhor dos Oceanos. O deus do oceano não responde por arrogância, e Rama na quarta de manhã, apontou o Brahmastra em direção ao oceano. Os Vanaras se encanta e temerosos em testemunhar a Rama furioso demolir os oceanos, e Lakshmana reza para acalmar a mente de Rama. Assim como Rama invoca o Brahmastra, considerada a mais poderosa arma capaz de destruir toda a criação, Saagara surge dos oceanos. Ele se curva diante de Rama, e implora por perdão. Desde senhor Rama tinha que usar a arma, ele sugere Rama re-direcionar a arma em uma raça demoníaca que vive no coração do oceano. Flechas de Rama destrói os demônios, e estabelece um ambiente mais puro, libertado lá. Saagara promete que ele iria manter os oceanos ainda para todos do exército de Rama para passar, e Nala constrói uma ponte ( Ponte de Rama) em toda a Lanka. Rama justifica seu ataque com raiva sobre os oceanos como ele seguiu o processo correto de petições e adorando Saagara, mas obter o resultado à força para o bem maior.

Em outra versão da história, o Senhor Rama redirecionado seu míssil para a ilha estéril, e como resultado enorme erupção vulcânica resultou. Este vulcão é aquele que é encontrado até hoje na parte sul da península indiana.

Enfrentando Ravana

Ravana, Hindu DemônioKing of Lanka

Rama afirma sua dedicação ao dharma quando ele compromete-se a oferecer Ravana uma última oportunidade de fazer a paz, apesar de suas ações odiosas e patrocínio do mal, por devolver imediatamente Sita e pedir desculpas a ambos Rama e Sita, mas Ravana se recusa. Na guerra, Rama mata os mais poderosos comandantes-demônio, incluindo Prahasta, Atikaya e com o irmão de Ravana, Kumbhakarna juntamente com centenas de milhares de soldados-demônio. Ele outfights Ravana em sua primeira batalha, destruindo seu carro e as armas, e ferindo gravemente ele, mas devido a isso, ele lhe permite viver e voltar para lutar outro dia. Mas como um ser humano, Rama também prova vulnerável na ocasião para seus inimigos. Ele é colocado em um sono profundo com Lakshmana pelos nagapoosas de Indrajit, mas eles se recuperam quando Hanuman obtém a medicina mágica de acordo com o conselho de Vibheesana.

Na grande final da batalha, Rama se engaja Ravana, que através da devastação de perder seus filhos, seus irmãos e amigos e milhões de seus guerreiros, desperta seus poderes incríveis e mágicas e faz pleno uso das dádivas de Shiva e Brahma, e o conhecimento mágico de guerra possuída pelo maior dos rakshasas. Rama e Ravana competem ferozmente, causando ferimentos graves em uma outra com as mais poderosas armas que poderiam destruir o universo. Depois de uma longa e árdua batalha, Rama decapita com sucesso cabeça central de Ravana, mas uma cabeça feia, simbólico de todos os poderes do mal de Ravana surge em seu lugar. Depois de mais uma longa batalha, Rama decapita-lo, apenas para encontrar outro a crescer em seu lugar. Esse ciclo continua, e como a escuridão se aproxima, poderes mágicos de Ravana aumentar em vigor. Vibhishana, vendo isto, então, diz Rama algo vital. Ravana tinha obtido amrita, o néctar da imortalidade, dos deuses. Embora ele não poderia consumi-lo, ele, no entanto, armazenado num recipiente de que em seu estômago. Este amrit estava causando suas cabeças para regenerar logo que foram cortadas. Após o conselho de Agastya, Rama adora o Senhor Aditya, o Sol, com a famosa Aditya Hridayam oração e em seguida, chama a arma mais poderosa, o Brahmastra . Rama dispara a grande seta que entra de Ravana peito / estômago e destrói a loja de Amrit, matando-o finalmente. Após a morte de Ravana, Rama é imediatamente compassivo. Depois de investir Vibhishana como o próximo rei de Lanka, ele pede ao novo rei e os rakshasas sobreviventes para cremar adequadamente seu rei morto, que ele reconhece era um grande ser digno de respeito e admiração, apesar de seu patrocínio do mal.

Rama Rajya

O fim da guerra coincide com o final do mandato do exílio de Rama. Voar para casa no Pushpaka Vimana , Rama retorna para uma Ayodhya alegre. Suas mães, irmãos e as pessoas com alegria recebê-lo. Kaikeyi está arrependido de seus atos, e Rama a perdoa. No dia seguinte, Rama é investido como o Rei de Ayodhya, e Imperador do Mundo. Embora ele primeiro pede Lakshmana para se tornar o Yuvaraja , mediante os conselhos de Lakshmana ele investe a posição a Bharata, que teve 14 anos de experiência como o governante de Ayodhya. Rama executa o santo Ashwamedha sacrifício, purificando e estabelecer religião em toda terra.

Além do Ramayana , as onze mil anos do governo de Rama sobre a terra representa para milhões de indianos modernos um tempo e idade quando Deus como um homem governou o mundo. Houve perfeita justiça e liberdade, paz e prosperidade. Não há desastres naturais, doenças, doenças ou má sorte de qualquer natureza para qualquer ser vivo. Não há pecados cometidos no mundo por qualquer de seu povo. Sempre atento e acessível para o seu povo, Rama é adorado e saudada por todos - o próprio símbolo do moksha, o objetivo final e destino de toda a vida, eo melhor exemplo de caráter perfeito e conduta humana, os seres humanos de inspiração para incontáveis ​​eras seguintes.

Rama como outros reis indianos foi disfarçado todas as noites para ouvir os apelos de seus súditos e tem a perspectiva de um homem comum de seu governo. Durante o mandato de Rama como rei, as pessoas aparentemente não tinham fechaduras em suas portas como eles temiam não há assaltos ou outros tais infortúnios.

Rama e do mundo

Divindades de Sri Sri Sita (extrema direita), Rama (centro), Lakshmana (extrema esquerda) e Hanuman (abaixo sentado) no Bhaktivedanta Manor,templo Hare Krishna em WatfordInglaterra

Seja como uma manifestação de Deus ou simplesmente como um herói lendário de mitos e lendas populares, Rama é uma figura imensamente reverenciado e inspirador para pessoas em todo o subcontinente indiano e no Sudeste Asiático, bem como cada vez mais em toda a civilização ocidental, onde os épicos hindus e Os valores estão ganhando reconhecimento e popularidade. Em jainismo, Rama é enumerado entre os nove brancos Balas . Ele é reverenciado no Sikhismo , (no Guru Granth Sahib)

Rama é um grande herói para os adeptos do Agama Hindu Dharma e para os muçulmanos que praticam Abangan, uma forma sincrética do Islã e hinduísmo , na Indonésia . Ele é reverenciado pelo povo da Tailândia , Malásia , Mianmar , Camboja e Vietnã , que de outra forma aderem a diferentes formas de budismo , o islamismo eo hinduísmo. O Rama Leela é realizada em todo o Sudeste Asiático em numerosas línguas locais ea história tem sido objeto de arte, arquitetura, música, dança folclórica e escultura. A antiga cidade de Ayutthaya permanece na Tailândia, como o tributo de um antigo reino tailandês para a grande lenda. Muitos reis antigos e medievais da era do Sudeste da Ásia adotaram Rama como seu nome.

Um budista versão do conto é encontrado nas histórias de Jataka, na Dasharatha Jataka (Jataka Atthakatha 461) no vernáculo Pali. Aqui Rama é representado como um ex-vida de Buda como um Bodhisatva e supremo Rei Dharma de grande sabedoria. No conto budista, ele é o rei de Varanasi e não Ayodhya, que tradicionalmente é a capital da Kosala.

Festivais de Senhor Rama

Dia de Rama e hora do nascimento, assim como o casamento com Sita são comemorados pelos hindus em todo o mundo como Rama Navami . Ele cai no nono dia de um ano lunar Hindu, ou Chaitra Masa Suklapaksha Navami . Este dia é observado como o dia do casamento de Rama e Sita, bem como o aniversário de Rama. As pessoas normalmente realizar Kalyanotsavam ( festa de casamento ) para as pequenas estátuas de Rama e Sita em suas casas e no final do dia, os ídolos são levados em procissão nas ruas. Este dia também marca o fim de nove dias utsavam chamado Vasanthothsavam ( Festival da Primavera ), que começa com Ugadi. Alguns destaques deste dia são:

  1. Kalyanam(casamento cerimonial realizado pelos sacerdotes do templo) emBhadrachalam nas margens do rioGodavari nodistrito de Khammam de Andhra Pradesh.
  2. Panakam, uma bebida doce preparado neste dia com açúcar mascavo e pimenta.
  3. Procissão de ídolos na noite que é acompanhado com o jogo de água e cores.
  4. Para a ocasião, os hindus deveriam jejuar (ou restringir-se a uma dieta específica).
  5. Templos são decorados e leituras do Ramayana ter lugar. Junto com Rama, as pessoas também orar a Sita, Lakshmana e Hanumana.

A ocasião da vitória sobre Ravana e os rakshasas é celebrado como o de 10 dias Vijayadashami , também conhecido como Dussehra. The Ram Leela é realizada publicamente em muitas aldeias, vilas e cidades da Índia. O retorno de Rama para Ayodhya e sua coroação são celebradas como Diwali , também conhecido como o Festival das Luzes . Os dois últimos são os festivais mais importantes e populares na Índia e para os hindus em todo o mundo. Na Malásia , Diwali é conhecido como Hari Deepavali , e é comemorado durante o sétimo mês do calendário solar Hindu. É um feriado público federal. Em muitos aspectos, se assemelha às tradições seguidas no subcontinente indiano. No Nepal , Diwali é conhecido como Tihar e celebrada durante o período de outubro / novembro. Aqui, embora o festival é comemorado por cinco dias, as tradições variam daquelas seguidas na Índia. No primeiro dia, as vacas são adoradas e dadas ofertas. No segundo dia, os cães são reverenciados e ofereceu comida especial. No terceiro dia, as celebrações seguem o mesmo padrão como na Índia, com luzes e as luzes e muita atividade social. No quarto dia Yama, o Senhor da Morte, é adorado e apaziguado. No quinto e último dia, irmãos irmãs conhecer e trocar gentilezas. Em Trinidad e Tobago , Diwali é marcado como uma ocasião especial e comemorou com muita fanfarra. Ele é observado como um feriado nacional nesta parte do mundo e alguns ministros do Governo também tomar parte nas celebrações publicamente.

Inspiração

Mohandas Karamchand Gandhi, o líder espiritual e político indiano foi profundamente inspirado pela estrita observância de Rama de satya (verdade) e dharma apesar de dificuldades e angústias pessoais. Gandhi foi incentivada pelo exemplo de Rama quando enfrentou crises pessoais e dificuldades cruciais. Um capítulo em sua autobiografia é intitulado o mesmo: Nirbal ke Bal Ram ( Rama é a força para os fracos ). Quando Gandhi foi baleado três vezes no peito em 30 de janeiro de 1948 , suas últimas palavras foram Ele Ram, Ram Ele . Em ocasiões religiosas, os hindus, muitas vezes cantar o nome de Rama para expressar sua devoção a Deus e invocar o santo. Ram Naam Japo ( Cantem o nome de Rama ) é um popular bhajan, música devocional e uma meditação mantra. Na cerimônia de cremar os mortos, hindus, muitas vezes cantar Ram Nam Hai Satya ( nome de Rama é a Verdade ).

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Rama&oldid=220127523"