Conteúdo verificado

Zoroastro

Assuntos Relacionados: figuras e líderes religiosos

Sobre este escolas selecção Wikipedia

Esta seleção é feita para as escolas de caridade infantil leia mais . Para comparar instituições de caridade de patrocínio esta é a melhor ligação de patrocínio .

Zoroastro
Zaraθuštra Spitama

No terceiro século, zoroastrismo e idéias de Zoroastro tinha se espalhado por todo o Oriente Médio. Zoroastro com maça bull-cabeça, o varza (persa médio, gurz) apontando para o céu.
Conhecido por Fundador do zoroastrismo
Cônjuge (s) Hvōvi (tradicional)
Crianças Freni, Pourucista, Triti;
Isat Vastar, Uruvat-Nara, Hvare Ciθra (tradicional)
Pais Pourušaspa Spitama, Dughdova (tradicional)

Zoroastro ( / ˌ z ɒr æ s t ər / Ou / z ɒr ˌ æ s t ər /), Também conhecido como Zaratustra ( / ˌ z ɑr ə θ u s t r ə /; Avestan: Zaraθuštra), foi o fundador da Zoroastrismo. Embora ele é conhecido mais provável que tenha sido persa, seu local de nascimento é incerta. É agora geralmente pensou que ele nasceu na parte oriental da antiga Pérsia . Ele é creditado com a autoria do Yasna Haptanghaiti, bem como a Gathas, hinos que estão no centro litúrgico do zoroastrismo. A maior parte de sua vida é conhecido através dos textos zoroastristas. No entanto, a língua falada por Zoroastro, Old Avestan, usado para compor o Yasna Haptanghaiti eo Gathas, por razões arqueológicas e linguísticas, é datado de ter sido falado provavelmente na primeira metade do segundo milênio aC.

Etimologia

O nome de Zoroastro em sua língua nativa, Avestan, foi provavelmente Zaraθuštra. Seu nome Inglês ", Zoroastro", e os derivados de uma mais tarde (século BCE quinta-) grego transcrição, Zoroastres (Ζωροάστρης), como usado no Xanthus de Lydiaca (fragmento 32) e em Platão 's Primeiro Alcibíades (122a1). Este formulário é exibido posteriormente na Zoroastres Latina e, em ortografias gregas posteriores, como Zōroastris. A forma grega do nome parece estar baseado em uma transliteração fonética ou substituição semântica do Zaraθ- Avestan com as zōros gregos (literalmente "não diluídas") e do -uštra Avestan com Astron (" estrela ").

Em Avestan, Zaraθuštra é geralmente aceite que decorre de uma velha iraniano * Zaratuštra-. Enquanto zarat- está fortemente referenciada para significar "de ouro" (a partir do idade Oriente-iraniano zar- não [-زر], que significa "ouro") ele próprio aparece em Avestan. A segunda metade do nome (-uštra-) é universalmente aceito para significar "camelo". Esses fatores combinados aberta a porta para reconstruir o significado do nome, embora tenha havido outras etimologias alternativas propostas.

Reconstruções de iranianos posteriores línguas, particularmente a partir do Médio Persa (300 aC) Zardusht, que é a forma que o nome pegou no 9th- a do século 12 Zoroastristas textos-sugerem que * Zaratuštra- pode ser um formulário de grau zero da * Zarantuštra-. Assunto em seguida, para se Zaraθuštra deriva * Zarantuštra- ou de * Zaratuštra-, têm sido propostas várias interpretações.

Seguindo * Zarantuštra- são:

  • "Com velhos / envelhecimento camelos": relacionadas com a Zarant- Avestic. (Cf. Pashto Zor e Zœrond Ossetic, "velho"; Zal persa velho, "velho")
  • "Com irritados / furiosos camelos": de Avestan * zarant-, "irritado, furioso".

Seguindo * Zaratuštra- são:

  • "[Dono da] camelo de ouro": este é derivado do antigo palavra iraniana Oriente * zar- de ouro e ushtra para camelo, ainda corresponde a uma origem iraniana oriental (a palavra dar persa velha como um dialeto ocidental-iraniana seria o igual período de zar iraniano Oriental; persa moderno usa a palavra iraniana oriental de ouro).
  • "Quem está dirigindo camelos" ou "quem está promovendo / apreciativo camelos": relacionadas com a Avestan zarš-, "para arrastar".
  • Mayrhofer (1977) propôs uma etimologia de "quem está desejando camelos" ou "saudade de camelos" e relacionada com Har- védica, "gostar", e talvez (embora ambígua) também para avestan zara-.
  • "Com camelos amarelos": paralelo ao mais jovem Avestan zairi-.

A etimologia popular do nome é de zaraθa, "ouro", eo * Ustra, "light" (de os EUA raiz, "brilhar"). Em ainda uma outra variação etimológico, Zaraθuštra é dividido em duas palavras: zara, "ouro", e θuštra, "amigo". Várias outras etimologias foram propostas, algumas bastante fantasiosa, mas nenhum é baseado factualmente.

A interpretação do -θ- (/ θ /) em Avestan zaraθuštra foi por um tempo próprio submetido a debate acalorado porque o -θ- é um desenvolvimento irregular: Como regra geral, * zarat- (um primeiro elemento que termina em um consoante dental) deve ter Avestan zarat- ou zarat̰- como um desenvolvimento a partir dele. Por que isso não é assim para zaraθuštra ainda não foi determinada. Não obstante a irregularidade fonética, que zaraθuštra Avestan com seu -θ- foi lingüisticamente um formulário real é mostrado por atestados posteriores refletem a mesma base. Todas as variantes de hoje, de língua iraniana de seu nome deriva da Variantes iranianas Média de Zarθošt, que, por sua vez, todas refletem -θ- fricativa de Avestan.

Data

A data de Zoroastro, ou seja, a data de composição dos gathas Avestan velhos, é desconhecido. Escritores clássicos, tais como Plutarco proposto datas anteriores a 6000 aC. As datas propostas na literatura acadêmica divergem amplamente, entre os dias 18 e sexto séculos aC.

Até o final do século 17, Zoroastro era geralmente datada por volta do século 6 aC, o que coincidiu com a "data tradicional" (veja detalhes abaixo) e contas historiográficas ( Amiano Marcelino xxiii.6.32, do século 4 dC). No entanto, já na época (final do século 19), a questão foi longe de ser resolvido.

A "data tradicional" se origina no período imediatamente após Alexandre o Grande conquista 's do Aquemênida Império, em 330 aC. Os reis selêucidas que ganharam poder após a morte de Alexander instituiu um "Age of Alexander" como a nova época de calendário. Isso não apelar para o sacerdócio Zoroastrian que então tentou estabelecer uma "Era de Zoroastro." Para fazer isso, eles precisavam para estabelecer quando Zoroastro tinha vivido, o que eles conseguiram através da contagem de volta o comprimento de sucessivas gerações até que eles concluíram que Zoroastro deve ter vivido "258 anos antes de Alexander." Esta estimativa, em seguida, re-apareceu no 9th- a textos de tradição zoroastriana, que por sua vez deu a data legitimidade doutrinal do século 12, especialmente desde que foi feito plausível também pela história de observação das Plêiades no Geoponica que indica Zoroastro como principal fonte de algumas observações. No início do século 20, esta manteve-se a data aceite (sujeito às incertezas do 'Age of Alexander') para um número de estudiosos de renome, entre eles Hasan Taqizadeh, uma reconhecida autoridade sobre os vários calendário persa, e, portanto, tornou-se a data citada por Henning e outros.

Até o final do século 19, estudiosos como Bartholomea e Christensen observou problemas com a "data tradicionais", nomeadamente nas dificuldades linguísticas que ele apresentadas. O Língua Avestan velho dos Gathas (que são atribuídas ao próprio profeta) ainda é muito perto da Sânscrito do Rigveda . Portanto, parecia improvável que os Gathas e Rigveda poderia ser mais do que alguns séculos de distância, o que sugere uma data para as mais antigas partes sobreviventes da Avesta de aproximadamente o segundo milênio aC.

A data da data BC 11o / século 10 é considerado às vezes entre Iranists, que nas últimas décadas descobriram que os costumes sociais descritos nos Gathas cerca de coincidir com o que é conhecido de outros povos pré-históricos do período. Suportado por esta evidência histórica, a "data tradicional" pode ser conclusivamente descartada, eo descrédito pode em certa medida ser suportado pelos próprios textos: Os Gathas descrever uma sociedade de bipartidos (padres e pastores / agricultores) nómada pastores com estruturas tribais organizados a mais como pequenos reinos. Isso contrasta fortemente com a visão de Zoroastro ter vivido em um império, em que a sociedade tempo é atestada por ter tido uma estrutura tripartite (nobreza / soldados, padres e agricultores). Embora uma data um pouco mais cedo (em um século ou dois) tem sido proposta com o fundamento de que os textos não refletem a migração para o Planalto iraniano, também é possível que Zoroastro viveu em uma das sociedades rurais que permaneceram na ?sia Central.

Lugar

Yasna 9 e 17 de citar o Rio ditya em Airyanem Vaejah ( Persa médio Eran WEJ) como casa de Zoroastro ea cena de sua primeira aparição. O Avesta (tanto do Antigo e porções mais jovens) não menciona as Achaemenids ou de quaisquer tribos Oeste iranianos, como o Medes, Persas, ou mesmo Partos.

No entanto, em Yasna 59.18, o zaraθuštrotema, ou chefe supremo do sacerdócio de Zoroastro, é dito que residem em 'Ragha'. No 9th- a textos persas meio do século 12 de tradição zoroastriana, este 'Ragha', juntamente com muitos outros lugares-aparecem como locais na Irão Ocidental. Enquanto a terra de mídia não figura de todo na Avesta (o local mais ocidental observado na escritura é Aracósia), o Būndahišn, ou "Criação primordial", (20,32 e 24,15) coloca em Ragha Mídia (medievais Rai). No entanto, em Avestan, Ragha é simplesmente um topônimo que significa "planície, encosta".

Para além destas indicações no Média fontes persas que estão abertas a interpretações, há uma série de outras fontes. As fontes gregas e latinas estão divididos sobre o local de nascimento de Zaratustra. Há muitos relatos gregos de Zaratustra, referidos geralmente como persa ou Perso-Median Zoroastro. Além disso, eles têm a sugestão de que não foi mais do que um Zoroastro. Por outro lado, em fontes de pós-islâmicos Shahrastani (1086-1153) um iraniano escritor originalmente de Shahristān, atual Turcomenistão , propôs que o pai de Zoroastro era de Atropatene (também em Medea) e sua mãe era de Rey. Vindo de um estudioso de renome de religiões, este foi um duro golpe para as diversas regiões que todos afirmavam que Zoroastro originado de suas terras, alguns dos quais, em seguida, decidiu que Zoroastro deve, então, ter sido enterrado, em seguida, em suas regiões ou compor seus Gathas lá ou pregado Lá. Também fontes árabes do mesmo período e na mesma região da Pérsia histórica considere Azerbaijão como o local de nascimento de Zaratustra.

Até o final do século 20, a maioria dos estudiosos haviam se estabelecido em uma origem no Oriente Irã e / ou Afeganistão . Gnoli proposta Sistan (embora em um escopo muito mais amplo do que a província atual) como a pátria do Zoroastrismo; Frye votou Bactria e Chorasmia; Sugere a Khlopin Delta Tedzen no atual Turcomenistão . Sarianidi considerado o BMAC região como "a terra natal dos zoroastristas e, provavelmente, do próprio Zoroastro." Boyce inclui o estepes a oeste do Volga . A "da mídia" hipótese medieval não é mais levado a sério, e Zaehner até mesmo sugeriu que este era um problema Magi-mediada para angariar legitimidade, mas este foi igualmente rejeitada por Gershevitch e outros.

A 2005 Enciclopédia Iranica artigo sobre a história do zoroastrismo resume a questão com "enquanto há um consenso geral de que ele não viveu no oeste do Irã, tenta localizá-lo em regiões específicas do leste do Irã, incluindo a ?sia Central, permanecem frágeis."

Vida

Zoroastro detém o esfera celeste em Raphael 's Escola de Atenas

Os Gathas conter alusões a acontecimentos pessoais, tais como o triunfo de Zoroastro sobre os obstáculos impostos por sacerdotes concorrentes e da classe dominante. Eles também indicam que ele tinha dificuldade em espalhar seus ensinamentos, e foi mesmo tratada com má vontade na cidade natal de sua mãe. Eles também descrevem eventos familiares, como o casamento de sua filha, a que presidiu Zoroastro. Nos textos do Younger Avesta (composta muitos séculos depois que os Gathas), Zoroastro é descrito luta com o daeva s e é tentado por Angra Mainyu a renunciar à sua fé (Yasht 17,19; Vendidad 19). A Spend Nask, a secção 13 do Avesta, é dito ter uma descrição da vida do profeta. No entanto, este texto foi perdido ao longo dos séculos, e sobrevive apenas como um resumo no sétimo livro do século 9 Dēnkard. Outros 9th- histórias de Zoroastro do século 12, como no Shahnameh, também são considerados para ser baseado em textos anteriores, mas deve ser considerado como sendo principalmente um conjunto de lendas. O Zoroastro histórico, no entanto, escapa categorização como um personagem lendário.

Zoroastro nasceu na família sacerdotal do Spitamids e seu antepassado Spitama é mencionado várias vezes no Gathas. O nome de seu pai era Pourušaspa, ou "Poroschasp," um nobre Persa, e sua mãe era Dughdova (Duγδōuuā). Com sua esposa, Huvovi (Hvōvi), Zoroastro teve três filhos, Isat Vastar, Uruvat-Nara e Hvare Ciθra; três filhas, Freni, Pourucista e Triti. Sua esposa, filhos e um primo chamado Maidhyoimangha, foram seus primeiros convertidos depois de sua iluminação de Ahura Mazda na idade 30. De acordo com Yasnas 5 & 105, Zoroastro orou a Anahita para a conversão do rei Vištaspa, que aparece nos Gathas como um personagem histórico. Em lendas, Vištaspa é dito ter tido dois irmãos como cortesãos, Frašaōštra e Jamaspa, e para quem Zoroastro estava intimamente relacionado: sua esposa, Hvōvi, era filha de Frashaōštra, enquanto Jamaspa era o marido de sua filha Pourucista. O real papel de intermediário foi jogado pela rainha piedoso Hutaōsa. Além dessa conexão, o novo profeta baseou especialmente sobre a sua parentela (hvaētuš).

A morte de Zoroastro não é mencionado no Avesta. Em Shahnameh 5,92, ele disse ter sido assassinado no altar pela Turanians no assalto Balkh.

Morte

A morte de Zoroastro foi dito ter sido em Balkh localizado no atual Afeganistão durante a guerra santa entre Turan eo império persa em 583 aC Jamaspa, seu filho-de-lei, em seguida, tornou-se o sucessor de Zoroastro.

Filosofia

Detalhe de A Escola de Atenas por Raphael , 1509, mostrando Zoroastro (à esquerda, com o globo cheio de estrelas).

Nos Gathas, Zaratustra vê a condição humana como a luta entre mentais ASA (verdade) e druj (mentira). O conceito fundamental da ASA -que é altamente diferenciada e apenas vagamente traduzível-está na base de toda a doutrina de Zoroastro, incluindo o de Ahura Mazda (que é ASA), criação (ou seja ASA), a existência (ou seja ASA) e como a condição para o livre arbítrio.

O objetivo da humanidade, como a de todos os outros criação, é sustentar ASA. Para a humanidade, isso ocorre através de uma participação activa na vida e no exercício de pensamentos construtivos, palavras e ações.

Elementos da filosofia de Zoroastro entrou o Ocidente através de sua influência sobre o judaísmo e Platonism médio e foram identificados como um dos principais eventos precoces no desenvolvimento da filosofia. Entre os filósofos gregos clássicos, Heráclito é muitas vezes referida como inspirados pelo pensamento de Zoroastro.

Iconografia

Arte devocional Zoroastrian retrata o fundador da religião com roupa branca e uma longa barba

Embora algumas representações recentes de Zoroastro mostrar o profeta realizar algum ato de lenda, em geral, as representações meramente apresentá-lo em vestes brancas (que também são usados pelos atuais sacerdotes zoroastristas). Muitas vezes ele é visto segurando uma baresman (Avestan; Barsom persa médio), que é geralmente considerado para ser um outro símbolo de sacerdócio, ou com um livro na mão, o que pode ser interpretado como o Avesta. Como alternativa, ele aparece com uma maça, a varza -normalmente estilizado como uma haste de aço coroada por uma cabeça de boi-sacerdotes que carregam em sua cerimônia de instalação. Em outras representações, ele aparece com uma mão levantada e cuidadosamente levantou o dedo, como se para fazer um ponto. Zoroastro raramente é retratado como olhando diretamente para o espectador; em vez disso, ele parece estar olhando ligeiramente para cima, como se estivesse implorando. Zoroastro é quase sempre representado com uma barba, este juntamente com outros fatores que carregam semelhanças com retratos de século 19 Jesus .

Uma variante comum das imagens Zoroastro deriva de uma Sassanid-era do rock-face escultura. Nessa representação no Taq-e Bostan, uma figura é vista para presidir a coroação de Ardashir I ou II. A figura está em pé sobre uma flor de lótus, com um baresman na mão e com um gloriole em torno de sua cabeça. Até a década de 1920, esse número era comumente suposto ser uma representação de Zoroastro, mas nos últimos anos é mais comumente interpretado como uma representação de Mitra. Entre os mais famosos das representações europeias de Zoroastro é o da figura em Raphael de 1509 A Escola de Atenas. Nele, Zoroastro e Ptolomeu estão tendo uma discussão no canto inferior direito. O profeta está segurando um globo cheio de estrelas.

Percepções ocidentais

Na antiguidade clássica

Embora, no núcleo, os gregos (na Helenístico sentido do termo) compreendido Zoroastro para ser o "profeta e fundador da religião dos povos iranianos" (por exemplo, Plutarco ?sis e Osíris 46-7, Diógenes Laércio e 1,6-9 Agathias 2,23-5), "o resto foi principalmente fantasia." Ele foi criado no passado impossivelmente antigo, de seis a sete milênios antes da era comum, e foi diversas vezes um rei de Bactria, ou um babilônico (ou professor de babilônios), e com uma biografia típica para cada Neopythagorean sábio, ou seja, uma missão precedida pela retirada ascética e iluminação.

Mais importante no entanto, foi a sua imagem de Zoroastro como o feiticeiro-astrólogo -non-plus ultra, e de fato como o "inventor" de ambos magia e astrologia. Derivando a partir dessa imagem, e reforçando-a, era uma "massa de literatura" atribuída a ele e que circulou o Mediterrâneo mundo a partir do terceiro século aC até o fim da Antiguidade e além. "Os gregos consideravam a melhor sabedoria para ser a sabedoria exótico" e "que autoridade melhor e mais conveniente do que o distante-temporal e geograficamente Zoroastro?"

A linguagem do que a literatura era predominantemente grega , embora em um estágio ou outro várias partes atravessou Aramaico, Siríaco, Copta ou Latina . A sua matriz ethos e cultural foi igualmente helenístico, e "a atribuição de literatura para fontes além desse quadro político, cultural e temporal representa uma oferta para a autoridade e uma fonte de legitimação" sabedoria alien ". Zoroastro e os magos não compô-lo, mas seus nomes sancionada-lo. " As atribuições a nomes "exóticos" (não restrito a Magians) conferiu uma "autoridade de uma sabedoria remoto e revelação".

Uma vez que os magos foram associados com a magia no imaginário grego, Zoroastro foi obrigado a se metamorfosear em um mágico também. O primeiro século Plínio os nomes Elder Zoroastro como o inventor da magia ( História Natural 30.2.3). "No entanto, um princípio de divisão do trabalho parece ter poupado Zoroastro maior parte da responsabilidade para a introdução das artes das trevas para a mundos grego e romano." Que "honra duvidosa" foi para o "mago fabuloso, Ostanes, a quem a maioria da literatura mágica pseudepigraphic foi atribuída. "Embora Plínio chama o inventor da magia, o Roman não fornece uma" persona mágico "para ele. Além disso, o pequeno" ensino mágica "que lhe é atribuído Zoroastro é na verdade, muito tarde, com o muito mais antigo exemplo de ser do século 14.

Um fator para a associação com a astrologia era o nome de Zoroastro, ou melhor, o que os gregos fizeram dele. No âmbito do regime de pensamento grego (que foi sempre à procura de significados ocultos e significados "reais" das palavras) seu nome foi identificado no início com a estrela-adoração (astrothytes "estrela sacrificador") e, com a Zo-, assim como a estrela de estar. Mais tarde, um mythoetymology ainda mais elaborado evoluiu: Zoroastro morreu pelo (zo-) fluxo de estar (-ro-) do fogo da estrela (-astr-), que ele próprio havia chamado, e ainda, que as estrelas matou em vingança por ter sido impedido por ele.

Idéias semelhantes sobre Zoroastro também aparecem na literatura cristã primitiva, começando com o Clementine Homilias 9,4-5, o que o identifica com uma série paralela de tradições sobre Nimrod tendo sido o fundador da astrologia. Nesta conta, Nimrod é morto por um raio e postumamente endeusado pelos persas como "Zoroastro, por conta dos vivos (zosan) córrego da estrela (asteros) que está sendo derramado sobre ele."

A segunda, e fator "mais grave" para a associação com a astrologia era a noção de que Zoroastro foi um babilônico . O nome grego alternativo para Zoroastro foi Zaratas / Zaradas / Zaratos (cf. Agathias 2,23-5, Clement Stromata I.15), que tão Cumont e Bidez-derivada de uma forma semítica do seu nome. O Tradição pitagórica considerado o matemático ter estudado com Zoroastro na Babilônia ( Porfírio Vida de Pitágoras 12, de Alexander Polyhistor apud Clement Stromata I.15, Diodoro da Eritreia, Aristoxenus apud Hippolitus VI32.2). Lydus (Nas Meses II.4) atribui a criação da semana de sete dias para "os babilónios no círculo de Zoroastro e Hystaspes", e que o fizeram porque havia sete planetas. O O capítulo de Suda em astronomia observa que os babilônios aprenderam a astrologia de Zoroastro. Luciano de Samósata (Mennipus 6) decide viagem para a Babilônia "para pedir a um dos magos, discípulos e sucessores de Zoroastro", a sua opinião.

Enquanto a divisão ao longo das linhas de Zoroastro / astrologia e Ostanes / magia é uma "simplificação excessiva, as descrições que, pelo menos, indicar quais as obras não são." Eles não eram expressões de doutrina de Zoroastro, eles não foram até mesmo expressões do que os gregos e romanos "imaginado as doutrinas do Zoroastrismo ter sido." Os fragmentos montados nem sequer mostram semelhança notável de perspectivas e de ensino entre os vários autores que escreveram sob cada nome.

Quase todos pseudepigrapha Zoroastrian já está perdida, e dos atestados textos-fragmentos com apenas uma exceção somente ter sobrevivido. Plínio de 2º ou 3º atribuição de "dois milhões de linhas" a Zoroastro século sugerem que (mesmo exagero e duplicatas são levados em consideração) um corpus pseudepigraphic formidável existiu uma vez na Biblioteca de Alexandria . Este corpus pode seguramente ser assumido como sendo pseudepigrapha porque ninguém antes de Plínio refere-se a literatura por "Zaratustra", e sobre a autoridade do século 2 Galeno de Pérgamo e de um comentador do século sexto em Aristóteles sabe-se que as políticas de aquisição das bibliotecas reais bem-dotados criou um mercado para a fabricação de manuscritos de autores famosos e antigos.

A exceção à evidência fragmentária (ie reiteração de passagens nas obras de outros autores) é um tratado completo copta intitulado Zostrianos (após o narrador em primeira pessoa) descoberto no Biblioteca de Nag Hammadi em 1945. Um criptograma três-line nos seguintes colophones a 131 páginas tratado identificar o trabalho como "palavras de verdade de Zostrianos. Deus da Verdade [logos]. Palavras de Zoroastro." Invocando um "Deus da verdade" pode parecer de Zoroastro, mas não há outra maneira "nada visivelmente Zoroastrian" sobre o texto e "no conteúdo, estilo, ethos e intenção, suas afinidades são inteiramente com as congéneres entre os tractates gnósticos."

Entre as obras nomeadas atribuídos a "Zaratustra" é um tratado sobre a Natureza (Peri physeos), que parece ter sua composição originária quatro volumes (ou seja, rolos de papiro). O quadro é uma releitura de Platão Mito de Er, com Zoroastro tomando o lugar do herói originais. Enquanto Porfírio imaginado Pitágoras ouvir o discurso de Zoroastro, Na Natureza tem o sol na posição do meio, que foi como ele foi compreendido no século terceiro. Em contraste, a quarta versão século aC de Platão tinha o sol em segundo lugar acima da lua. Ironicamente, Colotes acusado Platão de plagiar Zoroastro, e Heraclides Ponticus escreveu um texto intitulado Zoroastro com base em (o que o autor considerou) filosofia "Zoroastrian", a fim de manifestar o seu desacordo com Platão filosofia natural. No que diz respeito à substância e conteúdo em Na Natureza apenas dois factos são conhecidos: que ela estava cheia de especulações astrológicas, e que Necessidade (Ananke) foi mencionado pelo nome e que ela estava no ar.

Outro trabalho que circulam sob o nome de "Zoroastro" era o Asteroskopita (ou Apotelesmatika), e que correu para cinco volumes (ou seja, rolos de papiro). O título e os fragmentos sugerem que era um manual astrológico, "embora muito variada, para a fabricação de previsões." Um terceiro texto atribuído a Zoroastro é sobre a virtude de Pedras (Peri lithon timion), dos quais nada se sabe que não seja a sua extensão (um volume) e que pseudo-Zoroastro cantei (a partir do qual Cumont e Bidez concluir que era em verso) . Numerosos outros fragmentos (preservada nas obras de outros autores) são atribuídos a "Zaratustra", mas os títulos de cujos livros não são mencionados.

Estes textos pseudepigráficas lado, alguns autores se desenhar em algumas idéias genuinamente zoroastristas. Os Oráculos de Hystaspes, por " Histaspes ", outro proeminente mago pseudo-autor, é um conjunto de profecias distinguido do outro pseudepigrapha Zoroastrian na medida em que se baseia em fontes zoroastristas reais Algumas alusões são mais difíceis de avaliar:. No mesmo texto que atribui a invenção da magia para Zoroastro, Plínio afirma que Zoroastro riu no dia de seu nascimento, embora em um lugar anteriormente (VII, I), Plínio tinha jurado em nome de Hercules que nenhuma criança jamais havia feito antes do dia 40 desde o seu nascimento. Esta noção de riso de Zoroastro (como a de "dois milhões de versos") também aparece nos textos do século 9 a 11 de genuína tradição de Zoroastro, e por um tempo pensava-se que a origem desses mitos se deitou com fontes indígenas. Plínio também registros (VII, XV) que a cabeça de Zoroastro tinha pulsava tão fortemente que repeliu a mão quando colocada em cima dele, um presságio de sua sabedoria futuro. Os iranianos foram, contudo, tão familiarizado com os escritores gregos. A proveniência de outras descrições são claras, assim, por exemplo, a descrição de Plutarco de suas teologias dualistas: "Outros chamam a melhor delas um deus e seu rival um daemon, como, por exemplo, Zoroastro o Mago, que viveu, para que eles registro, cinco mil anos antes do cerco de Tróia. Ele costumava chamar o Horomazes e a outra Areimanius "(Isis e Osiris 46-7).

Na era pós-clássica

Este desenho foi feito por um persa no início do século 20, que descreve Zoroastro como um guerreiro

Zoroastro era conhecido como um sábio, mágico e milagreiro na cultura ocidental pós-clássico. Embora quase nada se sabe de suas idéias até o final do século 18, seu nome já foi associado a sabedoria antiga perdido. No entanto tão cedo quanto 1643 declarações de Sir Thomas Browne são as primeiras referências gravadas às Zoroastro no idioma Inglês.

Zoroastro aparece como "Sarastro" na ópera de Mozart Die Zauberflöte , que tem se destacado por seus elementos maçônicos. Ele é também o objecto do 1749 ópera Zoroastre, por Jean-Philippe Rameau.

Iluministas escritores como Voltaire promoveu a investigação sobre Zoroastrismo na crença de que era uma forma de racional Deísmo, preferível cristianismo . Com a tradução do Avesta por Abraham Anquetil-Duperron, bolsa de estudos ocidental do zoroastrismo começou.

Em sua obra seminal Also sprach Zarathustra (Assim Falou Zaratustra) (1885), o filósofo Friedrich Nietzsche usa o nome iraniano nativo Zaratustra, que tem um significado importante como ele tinha usado o familiar nome grego-latino em suas obras anteriores. Acredita-se que Nietzsche inventa uma caracterização de Zaratustra como o porta-voz de idéias próprias de Nietzsche contra moralidade. Richard Strauss 's Opus 30, inspirado pelo livro de Nietzsche, é também chamado de Also sprach Zarathustra.

Zoroastro foi mencionado pelo poeta irlandês William Butler Yeats . Sua esposa e ele teriam afirmou ter contactado através de Zoroastro " escrita automática ".

O protagonista e narrador de 1981 romance de Gore Vidal Criação é descrita para ser o neto de Zoroastro.

Zaratustra , o herói mítico em 2011 dramático romance de Giannina Braschi "Estados Unidos da Banana", junta forças com Shakespeare Hamlet para libertar Calderon de la Barca de Segismundo da masmorra de Vlad Plasmius.

Em outros sistemas religiosos

No Islã

Citando a autoridade do século 8 al-Kalbi, a 9 / historiador do século 10 al-Tabari (i.648) relata que Zaradusht bin Isfiman (um árabe adaptação de "Zarathustra Spitama") era um habitante da Palestina, e um servo de um dos discípulos do profeta Jeremias. De acordo com este conto, Zaradusht defraudadas seu mestre, que ele amaldiçoou, levando-o a tornar-se leprosa (cf. Servo de Eliseu Geazi nas Escrituras judaico). O apóstata Zaradusht então, eventualmente, fez a sua maneira de Balkh (atual Afeganistão), onde ele converteu Bishtasb (ou seja, Vishtaspa), que por sua vez obrigou seus súditos a adotar a religião dos magos. Recordando outra tradição, al-Tabari (i.681-683) relata que Zaradusht acompanhado de um profeta judeu para Bishtasb / Vishtaspa. Após a sua chegada, Zaradusht traduzidos ensinamentos do sábio hebreu para o rei e assim convenceu-o para converter (Tabari também observa que tinham sido anteriormente Sabi s) à religião Magian.

A 10 / heresiographer século 11 ai descreve-Shahrastani o Majusiya em três seitas, o Kayumarthiya, o Zurwaniya eo Zaradushtiya, entre os quais Al-Shahrastani afirma que apenas o último dos três foram corretamente seguidores de Zoroastro. No que respeita ao reconhecimento de um profeta, o Zoroastro disse: "Pedem-lhe a forma como eles devem reconhecer um profeta e acreditar nele para ser verdade no que ele diz, dizer-lhes o que ele sabe os outros não, e ele deve dizer- você mesmo o que está escondido em sua natureza, ele será capaz de lhe dizer o que quer que você perguntar a ele e ele deverá realizar tais coisas que os outros não podem realizar ". (Namah Shat Vakhshur Zartust, 0,5-7. 50-54) Pouco antes do advento do profeta do Islã, [Muhammad], Persia estava sob a soberania de Sasan V. Quando os companheiros do Profeta, em invadir a Pérsia, veio em contacto com as pessoas zoroastristas e aprendeu esses ensinamentos, eles de uma vez chegou à conclusão de que Zoroastro foi realmente um profeta divinamente inspirada. Assim, eles concedido o mesmo tratamento para as pessoas zoroastristas que fizeram a outros "Povo do Livro". Embora o nome de Zoroastro não é mencionado no Alcorão, ainda assim ele foi considerado como um dos profetas cujos nomes não foram mencionados no Alcorão, pois há um versículo do Alcorão: "E Nós fizemos enviar apóstolos diante de ti: existem alguns deles que Mencionamos a ti e há outros que não mencionamos a Ti ". (40: 78). Assim os muçulmanos tratado fundador do zoroastrismo como um verdadeiro profeta e acreditou em sua religião, como fizeram em outros credos inspiradas, e, portanto, de acordo com a profecia, protegeu a religião de Zoroastro. James Darmestar comentou na tradução de Zend Avesta: "Quando o Islã assimilou os zoroastristas ao Povo do Livro, que demonstraram um sentido histórico raro e resolveu o problema da origem do Avesta." (Introdução ao Vendiad. P. 69.)

Vista Ahmadiyya

Ahmadi muçulmanos ver Zoroastro como um profeta de Deus e descrever as manifestações de Ahura Mazda, o Deus de bondade e Ahraman, o Deus do mal como meramente referindo-se a coexistência de forças do bem e do mal seres humanos que permitam exercer o livre arbítrio. Mirza Tahir Ahmad, o quarto Califa do Ahmadiyya Comunidade Muçulmana, em seu livro Revelação, racionalidade, conhecimento & verdade vê Zoroastro como Profeta de Deus e descreve essas expressões para ser um conceito que é similar aos conceitos no judaísmo, cristianismo e islamismo.

Em maniqueísmo

Maniqueísmo considerado Zoroastro a ser uma figura (juntamente com Jesus eo Buddha ) em uma linha de profetas de que Mani (216-276) foi o ponto culminante. Dualismo ético de Zoroastro é-a uma extensão-incorporada na doutrina de Mani, que via o mundo como sendo trancado em uma batalha épica entre as forças opostas do bem e do mal. Maniqueísmo também incorporou outros elementos da tradição zoroastriana, particularmente os nomes de seres sobrenaturais; no entanto, muitos desses outros elementos do Zoroastrismo ou não são parte de próprios ensinamentos de Zoroastro ou são usados ​​de forma bastante diferente de como eles são usados ​​no Zoroastrismo.

Na Fé Bahá'í

Zoroastro aparece no Fé Bahá'í como uma " Manifestação de Deus ", um de um linha de profetas que têm revelado progressivamente a Palavra de Deus para a humanidade amadurecendo gradualmente. Zoroastro partes, assim, uma estação exaltado com Abraão, Moisés, Jesus , Maomé , o Báb, eo fundador da Fé Bahá'í, Bahá'u'lláh. Shoghi Effendi, o Guardião da Fé Bahá'í, Bahá'u'lláh viu como o cumprimento de um post profecia Zoroastrian -Sassanid que viu um retorno de Sassanid imperador Bahram: Shoghi Effendi também declarou que Zoroastro viveu cerca de 1.000 anos antes de Jesus.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Zoroaster&oldid=538069054 "