Conteúdo verificado

Friedrich Nietzsche

Assuntos Relacionados: Filósofos

Você sabia ...

Crianças SOS feita esta seleção Wikipedia ao lado de outras escolas recursos . SOS Children trabalha em 45 países africanos; você pode ajudar uma criança em ?frica ?

Friedrich Nietzsche
Friedrich Nietzsche-1872.jpg
Professor Nietzsche, dezembro 1872.
Nascido Friedrich Wilhelm Nietzsche
(1844/10/15) 15 de outubro de 1844
Röcken-bei- Lützen, Reino da Prússia
Morreu 25 de agosto de 1900 (1900/08/25) (55 anos)
Weimar, Saxony, Império Alemão
Residência Alemanha
Nacionalidade Alemão
Época Filosofia do século 19
Região Filosofia ocidental
Escola Weimar classicismo
Principais interesses Estética · Ética
· Metafísica Niilismo
Psicologia · Ontologia
Poesia · Teoria do valor
Voluntarismo · Tragédia
Fato-valor distinção
Antifundacionalismo
Filosofia da história
Idéias notáveis Apolíneo e dionisíaco
Übermensch · Ressentiment
" Vontade de Poder "·" Deus está morto "
Eterno retorno · Amor fati
Instinto de rebanho · Tschandala
" Last Man Perspectivismo
Moralidade mestre-escravo
Transformação de valores
Afirmação nietzschiana
Assinatura Friedrich Nietzsche Signature.svg

Friedrich Wilhelm Nietzsche ( / n Eu ə / Ou / n Eu Eu /; Alemão: [Fʁiːdʁɪç vɪlhɛlm niːt͡sʃə]; 15 de outubro de 1844 - 25 de agosto de 1900) foi um Alemão filósofo , poeta , compositor, crítico cultural, e filólogo clássico. Escreveu textos críticos sobre a religião, a moral, a cultura contemporânea, filosofia e ciência, exibindo uma predileção por metáfora, ironia, e aforismo.

Ideias-chave de Nietzsche incluem o " morte de Deus ", o Übermensch, o eterno retorno, o Dicotomia apolíneo e dionisíaco, perspectivism, eo vontade de poder. Central à sua filosofia é a idéia de "afirmação da vida", que envolve o questionamento de todas as doutrinas que drenam as energias expansivas da vida, no entanto socialmente prevalentes essas opiniões poderiam ser. Sua influência continua a ser substancial dentro da filosofia, nomeadamente no existencialismo , pós-modernismo, e pós-estruturalismo, assim como fora dela. Seu questionamento radical do valor e objetividade da verdade tem sido o foco de extenso comentário, especialmente no tradição continental.

Nietzsche começou sua carreira como um filólogo clássico antes de voltar à filosofia. Em 1869, com a idade de vinte e quatro anos ele foi nomeado para a presidência da Classical Filología no Universidade de Basel (o indivíduo mais jovem a ter realizado esta posição), mas demitiu-se no verão de 1879 devido a problemas de saúde que o atormentaram maior parte de sua vida. Em 1889, com a idade de quarenta e quatro, ele sofreu um colapso e uma perda completa de suas faculdades mentais. A composição tinha sido atribuída ao general atípica paresia atribuída a sífilis terciária, mas esse diagnóstico desde então tem entrado em questão. Ele viveu seus últimos anos sob os cuidados de sua mãe até sua morte em 1897, em seguida, sob os cuidados de sua irmã até sua morte em 1900.

Sua irmã Elisabeth Förster-Nietzsche atuou como curador e editor de manuscritos de Nietzsche durante sua doença. Ela era casada com um proeminente Nacionalista alemão e anti-semita, Bernhard Förster, e ela retrabalhado alguns dos escritos inéditos de Nietzsche para caber ideologia de seu marido, muitas vezes de forma contrária aos pareceres de Nietzsche, que foram fortemente e de forma explícita oposição ao anti-semitismo e do nacionalismo (ver A crítica de Nietzsche de anti-semitismo e do nacionalismo). Através de edições de Förster-Nietzsche, o nome de Nietzsche tornou-se associado com Militarismo alemão e nazismo , mas do século XX estudiosos têm trabalhado duro para combater o abuso da filosofia de Nietzsche por esta ideologia e redescobrir os escritos originais de Nietzsche, não editados por sua irmã.

Vida

Juventude (1844-1869)

Nascido em 15 de outubro de 1844, Nietzsche cresceu na pequena cidade de Röcken, perto Leipzig, na Prussiano Província da Saxônia. Ele foi nomeado após o rei Frederico Guilherme IV da Prússia, que completou quarenta e nove no dia do nascimento de Nietzsche (Nietzsche depois deixou cair a determinado nome do meio, "Wilhelm"). Os pais de Nietzsche, Carl Ludwig Nietzsche (1813-1849), um Luterano pastor e ex-professor, e Franziska Oehler (1826-1897), casou-se em 1843, um ano antes do nascimento de seu filho, e tinha outros dois filhos: uma filha, Elisabeth Förster-Nietzsche, nascido em 1846, e um segundo filho, Ludwig Joseph, nascido em 1848. O pai de Nietzsche morreu de uma doença cerebral em 1849; Ludwig Joseph morreu no ano seguinte, em dois anos. A família então se mudou para Naumburg, onde morava com a avó materna de Nietzsche e duas irmãs solteiras de seu pai. Após a morte da avó de Nietzsche em 1856, a família mudou-se para sua própria casa, agora um museu e centro de estudos Nietzsche.

Nietzsche, 1861.

Nietzsche freqüentou uma escola de meninos e, em seguida, mais tarde, uma escola particular, onde ele se tornou amigo de Gustav Krug, Rudolf Wagner e Wilhelm Pinder, os quais vieram de famílias altamente respeitadas.

Em 1854, ele começou a freqüentar Domgymnasium em Naumburg, mas desde que ele mostrou talentos particulares em música e linguagem, o reconhecido internacionalmente Schulpforta admitiu-o como um aluno, e lá ele continuou seus estudos a partir de 1858 a 1864. Aqui, ele fez amizade com Paul Deussen e Carl von Gersdorff. Ele também encontrou tempo para trabalhar em poemas e composições musicais. No Schulpforta, Nietzsche recebeu um aterramento importante em línguas - grego, latim, hebraico, francês -, de modo a ser capaz de ler fontes primárias da tradição clássica, e pela primeira vez ele experimentou uma distância de sua vida familiar em uma pequena cidade ambiente conservador. Seu fim dos exames semestrais março 1864 mostrou um 1 em Religião e alemão, uma 2a em grego e latim, 2b, em Francês, História e Física, e um "medíocre" 3 em hebraico e Matemática.

Enquanto em Pforta, Nietzsche tinha uma propensão para a prossecução de temas que foram considerados inaptos. Ele tornou-se familiarizado com a obra do poeta então quase desconhecido Friedrich Hölderlin, chamando-o de "meu poeta favorito" e compor um ensaio que disse que o poeta louco levantou consciência com "a idealidade mais sublime." O professor que corrigiu o ensaio deu-lhe uma boa marca, mas comentou que Nietzsche deve se preocupar no futuro com os escritores mais saudável, mais lúcidos e mais alemães. Além disso, ele se familiarizou com Ernst Ortlepp, um poeta excêntrico, blasfemo e muitas vezes bêbado que foi encontrado morto em uma vala semanas depois de conhecer o jovem Nietzsche, mas que pode ter introduzido Nietzsche a música ea escrita de Richard Wagner . Talvez sob a influência de Ortlepp, ele e um estudante chamado Richter voltou para a escola bêbado e encontrou um professor, resultando em rebaixamento de Nietzsche do primeiro em sua classe e ao final de sua condição de prefeito.

Nietzsche, 1864

Após a formatura, em 1864, iniciou estudos em Nietzsche teologia e filologia clássica na Universidade de Bonn. Por um curto período, ele e Deussen se tornaram membros da Burschenschaft Frankonia. Depois de um semestre (e para desespero de sua mãe) ele parou seus estudos teológicos e perdeu sua fé. Em 1865, com a idade de 20, Nietzsche escreveu a sua irmã, Elisabeth Nietzsche, que era profundamente religioso, uma carta a respeito de sua perda de fé. Esta carta terminava com uma frase seguinte:

"Daí os caminhos dos homens parte: se você quiser lutar pela paz da alma e do prazer, então acredito que, se você deseja ser um devoto da verdade, então perguntar ..."

Descrença de Nietzsche pode ter acontecido em parte de sua leitura de David Strauss livro Vida de Jesus, que teve um efeito profundo sobre o jovem Nietzsche, embora em um ensaio intitulado Destino e História escrita em 1862, Nietzsche já havia argumentado que a pesquisa histórica tinha desacreditado os ensinamentos centrais do cristianismo. Nietzsche então concentrada em estudar filologia sob orientação do professor Friedrich Wilhelm Ritschl, a quem ele seguiu para o Universidade de Leipzig no ano seguinte. Lá ele se tornou amigo íntimo de companheiro de estudante Erwin Rohde. Primeiras publicações filológicas de Nietzsche apareceu logo depois.

Em 1865 Nietzsche minuciosamente estudado as obras de Arthur Schopenhauer . Ele devia ao despertar de seu interesse filosófico para ler Die Welt als Wille und de Schopenhauer Vorstellung ( O Mundo como Vontade e Representação) e mais tarde admitiu que Schopenhauer foi um dos poucos pensadores que ele respeitava, dedicando-lhe seu ensaio als Schopenhauer Erzieher ( Schopenhauer como Educador), um de seus Extemporâneas.

A filosofia de Schopenhauer influenciou fortemente Nietzsche de 1865 até o final da vida produtiva de Nietzsche.

Em 1866 ele leu Friedrich Albert Lange de História do Materialismo. Descrições de Lange de filosofia anti-materialista de Kant, a ascensão do materialismo Europeia, aumento da preocupação da Europa com a ciência, de Darwin teoria, ea rebelião geral contra a tradição e autoridade intrigou muito Nietzsche. Este ambiente cultural encorajou-o a expandir seus horizontes para além filologia e para continuar seus estudos de filosofia.

Em 1867 Nietzsche se inscreveu para um ano de serviço voluntário com a divisão de artilharia prussiana em Naumburg. Ele foi considerado como um dos melhores pilotos entre seus companheiros recrutas, e seus oficiais previu que em breve alcançar o posto de capitão. Entanto, em março de 1868, ao saltar para a sela de seu cavalo, Nietzsche golpeou seu peito contra o pomo e arrancou dois músculos em seu lado esquerdo, deixando-o exausto e incapaz de andar por meses. Consequentemente Nietzsche voltou sua atenção para os seus estudos novamente, completá-las e primeira reunião com Richard Wagner no final daquele ano.

Professor em Basileia (1869-1879)

Meados de Outubro de 1871. A partir da esquerda: Erwin Rohde, Karl von Gersdorff, Nietzsche.

Em parte por causa do apoio de Ritschl, Nietzsche recebeu uma oferta extraordinária para se tornar professor de filologia clássica na Universidade de Basel, na Suíça. Ele tinha apenas 24 anos de idade e tinha nem completou seu doutorado nem recebeu seu certificado de ensino. Apesar do fato de que a oferta veio em um momento em que ele estava pensando em desistir de filologia para a ciência, ele aceitou. Para este dia, Nietzsche ainda está entre o mais jovem dos clássicos professores efetivos no registro. Antes de se mudar para Basileia, Nietzsche renunciou à sua cidadania prussiana: para o resto de sua vida, ele manteve-se oficialmente apátrida.

No entanto, Nietzsche serviram nas forças prussianas durante a Guerra Franco-prussiana de 1870-1871 como um médico ordenada. Em seu curto período de tempo no serviço militar ele experimentou muito, e testemunhou os efeitos traumáticos da batalha. Ele também contratou difteria e disenteria. Walter Kaufmann especula que ele também pode ter contraído sífilis, juntamente com suas outras infecções, neste momento, e alguns biógrafos especulam que a sífilis causou sua eventual demência, embora haja alguma discordância sobre esta matéria. Ao voltar para o Basel em 1870 Nietzsche observou a criação do Império Alemão eo seguinte era de Otto von Bismarck como um outsider e com um grau de ceticismo quanto à sua autenticidade. Na Universidade, ele fez sua palestra inaugural, " Homer e Filologia Clássica. "Nietzsche também se reuniu Franz Overbeck, um professor de teologia, que permaneceu seu amigo ao longo de sua vida. Afrikan Spir, um filósofo pouco conhecido russo e autor de Denken und Wirklichkeit (1873), e colega de Nietzsche o historiador Jacob Burckhardt, cujas palestras Nietzsche freqüentemente atendidos, começaram a exercer influência significativa sobre ele durante este tempo.

Nietzsche já conheceu Richard Wagner em Leipzig em 1868, e (algum tempo depois) a esposa de Wagner Cosima. Nietzsche admirava tanto muito, e durante seu tempo em Basel frequentemente visitado a casa de Wagner em No Tribschen Cantão de Lucerna. Os Wagners trouxe Nietzsche em seu círculo mais íntimo, e gostava da atenção que ele deu para o início do Bayreuth Festival de Teatro. Em 1870, ele deu a Cosima Wagner o manuscrito de "A gênese da idéia Tragic" como um presente de aniversário. Em 1872 Nietzsche publicou seu primeiro livro, O nascimento da tragédia. No entanto, seus colegas no campo da filologia clássica, incluindo Ritschl, expressou pouco entusiasmo para o trabalho, em que Nietzsche evitou o método filológica clássica em favor de uma abordagem mais especulativa. Em um polêmica, Filologia do Futuro, Ulrich von Wilamowitz-Moellendorff umedecido recepção do livro e aumentou sua notoriedade. Em resposta, a Rohde (por agora um professor no Kiel) e Wagner saiu em defesa de Nietzsche. Nietzsche observou livremente sobre o isolamento que sentia dentro da comunidade filológica e tentaram alcançar uma posição de filosofia na Basileia, embora sem sucesso.

Nietzsche em Basel , cerca de 1875.

Entre 1873 e 1876, Nietzsche publicou separadamente quatro longos ensaios: David Strauss: o confessor eo escritor, sobre o uso e abuso da história para a vida, Schopenhauer como Educador, e Richard Wagner em Bayreuth. Estes quatro mais tarde apareceu em uma edição recolhida sob o título Extemporâneas. Os quatro ensaios compartilhado a orientação de uma crítica cultural, desafiando a cultura alemã desenvolvendo ao longo das linhas sugeridas por Schopenhauer e Wagner. Em 1873, Nietzsche também começaram a se acumular notas que seriam publicadas postumamente como Filosofia na Idade Trágica dos Gregos. Durante este tempo, no círculo dos Wagners, Nietzsche conheceu Malwida von Meysenbug e Hans von Bülow, e também começou uma amizade com Paul Rée, que em 1876 o influenciou para afastar o pessimismo nos seus primeiros escritos. No entanto, ele ficou profundamente desapontado com a Bayreuth Festival de 1876, onde a banalidade dos shows ea baixeza do público repeliu. Ele também foi alienado ao defender de Wagner de "cultura alemã", que Nietzsche achava uma contradição em termos, bem como pela celebração de Wagner de sua fama entre o público alemão. Tudo isso contribuiu para decisão posterior de Nietzsche se distanciar de Wagner.

Com a publicação em 1878 de Humano, demasiado humano (um livro de aforismos sobre assuntos que vão desde a metafísica da moralidade e da religião para os sexos), a reação de Nietzsche contra a filosofia pessimista de Wagner e Schopenhauer tornou-se evidente, assim como a influência de Afrikan Spir de Denken und Wirklichkeit. A amizade de Nietzsche com Deussen e Rohde arrefecida bem. Em 1879, depois de um declínio significativo na saúde, Nietzsche teve que renunciar a sua posição na Basileia. (Desde a sua infância, várias doenças disruptivas havia atormentado, incluindo momentos de miopia que o deixou quase cego, enxaquecas, e indigestão violenta. O acidente de equitação de 1868 e doenças em 1870 podem ter agravado estas condições persistentes, que continuaram a afetá-lo por meio de seus anos em Basel, forçando-o a tomar cada vez mais longos feriados até que o trabalho regular tornou-se impraticável).

Independente filósofo (1879-1888)

Devido a sua doença levou-o a encontrar climas mais propício à sua saúde, Nietzsche viajou com freqüência, e viveu até 1889 como um autor independente em diferentes cidades. Ele passou muitos verões em Sils Maria, perto St. Moritz, na Suíça, e muitos invernos nas cidades italianas de Gênova , Rapallo e Turin e na cidade francesa de Nice. Em 1881, quando França ocupou a Tunísia, ele planejava viajar para Tunis para ver a Europa a partir do exterior, mas depois abandonou essa idéia (provavelmente por razões de saúde). Enquanto em Genoa , visão falhando de Nietzsche o levou a explorar o uso de máquinas de escrever como um meio de continuar a escrever. Ele é conhecido por ter tentado usar a Hansen Escrita Ball, um dispositivo de máquina de escrever contemporânea.

Nietzsche ocasionalmente retornou ao Naumburg para visitar sua família, e, especialmente durante este tempo, ele e sua irmã tinha repetido períodos de conflito e reconciliação. Ele viveu na sua pensão de Basileia, mas também recebeu ajuda de amigos.

Um estudante de seu passado, Peter Gast (nascido Heinrich Köselitz), tornou-se uma espécie de secretário particular de Nietzsche. Em 1876, Köselitz transcreveu o crabbed, quase caligrafia ilegível de Nietzsche pela primeira vez com Richard Wagner em Bayreuth. Ele iria passar a tanto transcrever e corrigir as galeras para quase toda a obra de Nietzsche a partir daí. Em pelo menos uma ocasião, 23 de fevereiro de 1880, o habitualmente quebrou Köselitz recebeu 200 marcas de seu amigo em comum, Paul Rée. Köselitz foi um dos poucos amigos Nietzsche permissão para criticá-lo. Ao responder com mais entusiasmo para Zaratustra, Köselitz fez sentir a necessidade de salientar que o que foram descritos como pessoas "supérfluos" eram de fato bastante necessário. Ele passou a listar o número de pessoas Epicuro, por exemplo, teve que contar com, mesmo com a sua simples dieta de queijo de cabra.

Para o fim de sua vida, Gast e Overbeck permaneceram consistentemente amigos fiéis. Malwida von Meysenbug permaneceu como um patrono maternal até mesmo fora do círculo Wagner. Logo Nietzsche fez contato com o crítico de música Carl Fuchs. Nietzsche estava no início de seu período mais produtivo. Começando com Humano, demasiado humano em 1878, Nietzsche iria publicar um livro (ou seção principal de um livro) a cada ano até 1888, seu último ano de escrita, durante a qual ele completou cinco.

Lou Salomé, Paul Rée e Nietzsche, 1882.

Em 1882 Nietzsche publicou a primeira parte de A gaia ciência. Naquele ano, ele também se reuniu Lou Andreas Salomé, através Malwida von Meysenbug e Paul Rée. Nietzsche e Salomé passou o verão juntos em Tautenburg em Thuringia, muitas vezes com a irmã de Elisabeth Nietzsche como uma dama de companhia. Nietzsche, no entanto, considerado Salomé menos como um parceiro igual do que como um aluno superdotado. Salomé relata que ele pediu-lhe para casar com ele e que ela se recusou, embora a confiabilidade de seus relatórios de eventos tenha entrado em questão. A relação de Nietzsche com a REE e Salomé se separou no inverno de 1882/1883, parcialmente por causa de intrigas conduzidas pela irmã de Elisabeth Nietzsche. Em meio a lutas renovadas de doença, que vivem em quase isolamento depois de uma queda-out com sua mãe e irmã a respeito de Salomé, Nietzsche fugiu para Rapallo. Aqui, ele escreveu a primeira parte da Assim Falou Zaratustra em apenas dez dias.

Em 1882, Nietzsche estava tomando grandes doses de ópio, mas ainda estava tendo problemas para dormir. Em 1883, durante a sua estada em Nice, ele estava escrevendo as suas próprias receitas para o sedativo hidrato de cloral, assiná-los 'Dr Nietzsche ".

Depois de romper seus laços filosóficas com Schopenhauer e seus laços sociais com Wagner, Nietzsche tinha poucos amigos restantes. Agora, com o novo estilo de Zaratustra, o seu trabalho tornou-se ainda mais alienante eo mercado recebeu somente na medida exigida pela polidez. Nietzsche reconheceu isso e manteve sua solidão, embora muitas vezes ele se queixou sobre isso. Seus livros permaneceram em grande parte por vender. Em 1885 ele imprimiu apenas 40 cópias da quarta parte de Zaratustra, e distribuída apenas uma fração destes entre amigos íntimos, incluindo Helene von Druskowitz.

Em 1883 ele tentou e não conseguiu obter um post falando na Universidade de Leipzig. Ficou claro para ele que, tendo em conta a atitude para com o cristianismo eo conceito de Deus expressa na Zaratustra, ele havia se tornado de fato unemployable em qualquer universidade alemã. Os "sentimentos de vingança e ressentimento" subseqüentes amargurado ele. "E daí a minha raiva desde que eu tenha compreendido no sentido mais amplo possível o que miserável meios (a depreciação do meu bom nome, meu caráter e meus objetivos) são suficientes para tirar de mim a confiança de, e com isso a possibilidade de obter, os alunos".

Em 1886 Nietzsche quebrou com seu editor, Ernst Schmeitzner, desgostoso por suas opiniões anti-semitas. Nietzsche viu seus próprios escritos como "completamente enterrado e unexhumeable nesta lixeira anti-semita" de Schmeitzner - associando a editora com um movimento que deve ser "totalmente rejeitadas com frio desprezo por qualquer mente sensível". Ele, então, impressa Beyond Good and Evil às suas próprias custas, e emitida em 1886-1887 segunda edições de suas obras anteriores (O Nascimento da Tragédia, Humano, demasiado humano, Dawn e The Gay Science), acompanhado de novos prefácios em que ele reconsiderou suas obras anteriores. Depois disso, ele viu seu trabalho como concluído por um tempo e esperar que em breve iria desenvolver um público. Na verdade, o interesse no pensamento de Nietzsche fez aumentar neste momento, se muito lentamente e de forma dificilmente percebida por ele. Durante esses anos, Nietzsche conheceu Meta von Salis, Carl Spitteler, e também Gottfried Keller. Nietzsche tinha adquirido os direitos de publicação para seus primeiros trabalhos em 1886 e iniciou um processo de edição e re-formulação que colocou o corpo de seu trabalho numa perspectiva mais coerente. No mesmo ano, sua irmã Elisabeth casou com a anti-semita Bernhard Förster e viajou para o Paraguai para fundar Nueva Germania, uma colônia-a "germânico" plano para o qual Nietzsche respondeu com risada zombeteira. Através de correspondência, a relação de Nietzsche com Elisabeth continuou no caminho de conflito e reconciliação, mas eles se encontrariam novamente apenas depois de sua queda. Ele continuou a ter ataques frequentes e dolorosas da doença, o que tornava impossível o trabalho prolongado. Em 1887 Nietzsche escreveu o polêmica Na Genealogia da Moral.

Durante o mesmo ano, Nietzsche encontrou a obra de Fyodor Dostoevsky , com quem ele sentiu uma afinidade imediata. Ele também trocou cartas com Hippolyte Taine, e depois também com Georg Brandes. Brandes, que tinha começado a ensinar a filosofia de Søren Kierkegaard na década de 1870, escreveu a Nietzsche pedindo-lhe para ler Kierkegaard, Nietzsche a que respondeu que ele viria a Copenhague e ler Kierkegaard com ele. No entanto, antes de cumprir este compromisso, ele escorregou longe demais para a doença. No início de 1888, em Copenhague, Brandes entregue uma das primeiras palestras sobre a filosofia de Nietzsche.

Embora Nietzsche tinha em 1886 anunciou (no final de On The Genealogia da Moral) um novo trabalho com o título A Vontade de Poder: Tentativa de Reavaliação de todos os valores, ele finalmente parece ter abandonado essa abordagem particular e em vez utilizado alguns dos projectos de passagens para compor Crepúsculo dos ?dolos e O Anticristo (ambas escritas em 1888).

Sua saúde parecia melhorar, e ele passou o verão em alto astral. No outono de 1888 seus escritos e cartas começaram a revelar uma estimativa mais elevada de seu próprio status e "destino". Ele superestimou a resposta crescente aos seus escritos, especialmente para a polêmica recente, O Caso de Wagner. Em seu 44o aniversário, depois de completar Crepúsculo dos ?dolos e O Anticristo, ele decidiu escrever a autobiografia Ecce Homo. No prefácio a esta obra-que sugere Nietzsche estava bem ciente das dificuldades interpretativas sua obra geraria, ele declara: "Ouça-me! Porque eu sou tal e tal pessoa. Acima de tudo, não me confunda com outra pessoa." Em dezembro, Nietzsche começou uma correspondência com August Strindberg, e pensei que, menos do que um sucesso internacional, ele iria tentar comprar de volta seus escritos mais antigos da editora e tê-los traduzidos para outras línguas europeias. Além disso, ele planejou a publicação da compilação Nietzsche Contra Wagner e dos poemas que compõem sua coleção Dionysian- Dithyrambs.

Colapso mental e morte (1889-1900)

Foto por Hans Olde da série fotográfica, The Ill Nietzsche, mid-1899.
A casa Nietzsche se hospedaram no enquanto em Turin (fundo, à direita), como visto através Piazza Carlo Alberto, onde é dito ter tido seu colapso. Para a esquerda é a fachada traseira do Palazzo Carignano.

Em 3 de janeiro de 1889, Nietzsche sofreu um colapso mental. Dois policiais se aproximaram dele depois que ele causou uma perturbação da ordem pública nas ruas de Turim . O que aconteceu permanece desconhecida, mas um conto muitas vezes repetida desde pouco depois de sua morte afirma que Nietzsche testemunhou o flagelação de um cavalo na outra extremidade da Piazza Carlo Alberto, correu para o cavalo, jogou os braços para cima em torno de seu pescoço para protegê-lo, e em seguida caiu no chão.

Nos dias seguintes, Nietzsche enviado curtos escritos conhecido como o Wahnbriefe ("Loucura Letters") - para um número de amigos (incluindo Cosima Wagner e Jacob Burckhardt). Para seu ex-colega Burckhardt, Nietzsche escreveu: "Eu tive Caifás colocar em grilhões. Além disso, no ano passado eu foi crucificado pelos médicos alemães de uma maneira muito longa. Wilhelm, Bismarck , e todos os anti-semitas abolida. "Além disso, ele comandou o imperador alemão para ir a Roma para ser fuzilado, e convocou as potências europeias a tomar medidas militares contra a Alemanha.

Em 6 de janeiro de 1889, Burckhardt mostrou a carta que tinha recebido de Nietzsche para Overbeck. No dia seguinte Overbeck recebeu uma carta revelando de forma semelhante, e decidiu que os amigos de Nietzsche tinha que trazê-lo de volta para Basel. Overbeck viajou para Turim e trouxe Nietzsche para uma clínica psiquiátrica em Basileia. Por esse tempo Nietzsche apareceu totalmente nas garras de uma doença mental grave, e sua mãe Franziska decidiu transferi-lo para uma clínica em Jena, sob a direcção de Otto Binswanger. De novembro de 1889 a fevereiro de 1890, o historiador de arte Julius Langbehn tentou curar Nietzsche, alegando que os métodos dos médicos eram ineficazes no tratamento da condição de Nietzsche. Langbehn assumido progressivamente maior controle de Nietzsche até sua secretiveness desacreditado ele. Em março 1890 Franziska removido Nietzsche da clínica, e maio 1890 levou-o para sua casa em Naumburg. Durante este processo Overbeck e Gast contemplado o que fazer com obras inéditas de Nietzsche. Em janeiro 1889 eles começaram com o lançamento planejado de Crepúsculo dos ídolos, por essa altura já impresso e encadernado. Em fevereiro eles pediram uma cópia cinqüenta edição privada de Nietzsche contra Wagner, mas o editor CG Naumann secretamente impresso cem. Overbeck e Gast decidiu suspender a publicação de O Anticristo e Ecce Homo por causa de seu conteúdo mais radical. Recepção e reconhecimento de Nietzsche gostei de sua primeira onda.

Em 1893 a irmã de Nietzsche Elisabeth voltou de Nueva Germania (no Paraguai), após o suicídio de seu marido. Ela leu e estudou obras de Nietzsche, e peça a peça assumiu o controle deles e da sua publicação. Overbeck acabou sofrendo despedimento e Gast finalmente cooperou. Após a morte de Franziska em 1897, Nietzsche viveu em Weimar, onde Elisabeth se importava com ele e permitiu que as pessoas, incluindo Rudolf Steiner (que em 1895 tinha escrito um dos primeiros livros elogiando Nietzsche) para visitar seu irmão pouco comunicativo. Elisabeth em um ponto foi tão longe como para empregar Steiner como tutor para ajudá-la a entender a filosofia de seu irmão. Steiner abandonaram a tentativa, depois de apenas alguns meses, declarando que era impossível para lhe ensinar alguma coisa sobre filosofia.

Peter Gast iria "corrigir" os escritos de Nietzsche, mesmo após a avaria do filósofo e fê-lo sem a sua aprovação, uma ação severamente criticada pelos estudiosos contemporâneos de Nietzsche.

Doença mental de Nietzsche foi inicialmente diagnosticada como sífilis terciária, de acordo com um paradigma médico prevalecente do tempo. Embora a maioria dos comentaristas consideram seu colapso como alheios à sua filosofia, Georges Bataille cai dicas escuros ("homem encarnado" também deve enlouquecer ") e Psicanálise pós-morte de René Girard postula uma rivalidade de adoração com Richard Wagner . O diagnóstico de sífilis foi desafiado, e doença maníaco-depressiva com a psicose periódica, seguido pela demência vascular foi apresentada pelo Cybulska. antes de Schain. Leonard Sax, após uma revisão da evidência médica, concluiu que o crescimento lento de um meningioma do lado direito retro-orbital, não sífilis, é a explicação mais plausível da demência de Nietzsche. Orth e Trimble postulado demência frontotemporal, enquanto outros pesquisadores propuseram uma síndrome chamada CADASIL.

Em 1898 e 1899 Nietzsche sofreu pelo menos dois derrames, que paralisou parcialmente e deixou incapaz de falar ou andar. Depois de contrair pneumonia em meados de agosto de 1900, ele teve um outro acidente vascular cerebral durante a noite de 24-25 agosto, e morreu por volta do meio-dia em 25 de agosto Elisabeth havia enterrado ao lado de seu pai na igreja de Röcken bei Lützen. Seu amigo, Gast, deu a sua oração fúnebre, proclamando: "Santificado seja o vosso nome para todas as gerações futuras" Nietzsche tinha escrito em Ecce Homo (no momento do funeral ainda não publicado) do seu medo de que um dia seu nome seria considerado "santo".

Elisabeth Förster-Nietzsche compilou A Vontade de Poder de cadernos não-publicados de Nietzsche, e publicou-o postumamente. Porque sua irmã arranjou o livro baseado em sua própria fusão de vários dos primeiros esboços de Nietzsche, e tomou grandes liberdades com o material, o consenso sustenta que ele não reflete a intenção de Nietzsche. Com efeito, Mazzino Montinari, o editor de Nietzsche Nachlass, chamou de falso, no 'Vontade de Poder' não existe. Por exemplo, Elisabeth removido aforismo 35 do anticristo, onde Nietzsche reescreveu uma passagem da Bíblia.

Cidadania, nacionalidade, etnia

Comentaristas Gerais e estudiosos de Nietzsche, seja enfatizando sua origem cultural ou a sua linguagem, esmagadoramente rotular Nietzsche como um "filósofo alemão". Outros não atribuir-lhe um nacional da categoria. Alemanha ainda não tinha sido unificados em um Estado-nação, mas Nietzsche nasceu um cidadão de Prússia, que era então parte do Confederação Alemã. Seu local de nascimento, Röcken, está no estado alemão moderno de Saxony-Anhalt. Quando ele aceitou o cargo no Basileia, Nietzsche pediu a anulação de sua cidadania prussiana. A resposta oficial confirmando a revogação de sua cidadania veio em um documento datado de 17 de abril de 1869, e para o resto de sua vida, ele manteve-se oficialmente apátrida.

Nietzsche acreditava que seus antepassados eram Polonês. O próprio Nietzsche subscrito a esta história para o fim de sua vida. Ele escreveu em 1888: "Meus antepassados eram nobres poloneses (Nietzky), o tipo parece ter sido bem preservada, apesar de três gerações de mães alemãs." Em um ponto Nietzsche torna-se ainda mais inflexível sobre sua identidade polonesa. "Eu sou um nobre polonês puro-sangue, sem uma única gota de sangue ruim, certamente não de sangue alemão." Ainda em outra ocasião Nietzsche afirmou: "A Alemanha é uma grande nação só porque seu povo tem tanto sangue polonês em suas veias [...] Eu sou orgulhoso de minha ascendência polonesa." Nietzsche acreditava que seu nome poderia ter sido Germanized, em uma carta afirmando: "Eu fui ensinado a atribuir a origem do meu sangue e nome de nobres poloneses que foram chamados Niëtzky e deixaram sua casa e nobreza cerca de cem anos atrás, finalmente cedendo à supressão insuportável:. Eles eram protestantes"

A maioria dos estudiosos contestam conta de Nietzsche das origens de sua família. Hans von Müller desmascarou a genealogia apresentada pela irmã de Nietzsche em favor de uma nobre herança polonesa. Max Oehler, o curador do Arquivo Nietzsche em Weimar, argumentou que todos os antepassados ​​de Nietzsche tinham nomes alemães, mesmo as famílias das esposas. Oehler afirma que Nietzsche veio de uma longa linha de alemães luteranos clérigos em ambos os lados de sua família, e os estudiosos modernos consideram a reivindicação de ascendência polonesa de Nietzsche como uma "pura invenção". Colli e Montinari, os editores de cartas montados de Nietzsche, gloss afirmações de Nietzsche como uma "crença equivocada" e "sem fundamento". O nome de Nietzsche em si não é um nome polaco, mas um excepcionalmente comum em toda região central da Alemanha, neste e formas cognatas (como Nitsche e Nitzke ). O nome deriva do nome próprio Nikolaus , abreviado para Nick ; assimilado com o eslavo Nitz , ele se tornou Nitsche e depois Nietzsche .

Não se sabe por que Nietzsche queria ser pensado como nobreza polonesa. Segundo o biógrafo RJ Hollingdale, a propagação do mito ascendência polonesa de Nietzsche pode ter sido parte da "campanha contra a Alemanha" deste último.

Relacionamentos e sexualidade

Apesar de uma proposta de Lou Salomé, Nietzsche nunca se casou. O estudioso Nietzsche Joachim Köhler tentou explicar a história da vida de Nietzsche ea filosofia ao afirmar que Nietzsche era um homossexual. Köhler argumenta que a sífilis de Nietzsche, que é "geralmente considerado o produto de seu encontro com uma prostituta em um bordel em Colônia ou Leipzig, é igualmente provável, agora é realizada, ter sido contratado em um bordel masculino em Gênova". Köhler também sugere Nietzsche pode ter tido um relacionamento romântico, bem como uma amizade com Paul Rée. Visualizações de Köhler não ter encontrado grande aceitação entre os estudiosos e comentadores de Nietzsche: em The Journal of Modern History , Allan Megill argumenta que "Köhler não estabelece que a alegação de que Nietzsche era um homem em confronto com desejo homossexual não pode simplesmente ser demitido", mas observa que " a prova é muito fraco "e argumenta que Köhler pode ser projetando compreensões da sexualidade do século XX em noções de amizade do século XIX. Outros estudiosos têm argumentado que a interpretação baseada em sexualidade de Köhler não é frutífero para compreender a filosofia de Nietzsche.

Filosofia

Friedrich Nietzsche em 1869.

Nietzsche é conhecido por seu uso de poesia e prosa (por vezes em conjunto em estilo de prosa poética) em seus escritos. Um excelente exemplo é sua frase emblemática " Deus está morto ", em alemão : Gott ist tot . Isto, combinado com o fato de que ele desdenhava qualquer tipo de sistema, fez vários aspectos de sua filosofia aparentemente faltam significado coerente ou ser paradoxal. Por causa de Nietzsche estilo evocativo e suas reivindicações muitas vezes escandalosas, sua filosofia gera reações apaixonadas que vão de amor com desgosto, e ele tem atraído os amadores de todos os tipos a ser fortemente envolvido no projeto de interpretação também. Suas obras permanecem controversos, devido a interpretações e interpretações errôneas de sua obra. Na filosofia tradição ocidental, os escritos de Nietzsche é o caso único de pensamento revolucionário gratuito que é revolucionário em sua estrutura e os problemas, mas não está vinculado a qualquer projeto revolucionário em tudo.

Em The Dawn Nietzsche começa sua "Campanha contra a moral". Ele chama-se um "imoralista" e critica duramente as proeminentes filosofias morais de sua época: o cristianismo , Kantianism, e utilitarismo . Nietzsche também é conhecido por ser muito crítico da crença ocidental na igualdade e racionalidade. Conceito de Nietzsche: "Deus está morto" aplica-se às doutrinas do cristianismo, embora não a todas as outras religiões: ele afirmou que o budismo é uma religião de sucesso que ele cumprimenta para fomentar o pensamento crítico. Ainda assim, Nietzsche viu a sua filosofia como um contra-movimento ao niilismo através da valorização da arte :

A arte como a única força contrária superior contra toda a vontade de negação da vida, a arte como o anti-cristão, anti-budista, anti-niilista por excelência ".

Nietzsche afirmava que a fé cristã como praticado não era uma representação adequada dos ensinamentos de Jesus, como ele forçou as pessoas a acreditar apenas no caminho de Jesus, mas não agir como Jesus fez, em particular o seu exemplo de se recusar a julgar as pessoas, algo que cristãos tinham constantemente feito o oposto de. Ele condenou o cristianismo institucionalizado para enfatizar a moralidade da pena, o que pressupõe uma doença inerente à sociedade:

O cristianismo é chamado a religião de piedade. Arquibancadas Pity oposição às emoções tônicas que aumentam a nossa vitalidade: ele tem um efeito deprimente. Estamos privados de força quando nos sentimos pena. Essa perda de força que o sofrimento, como tal, inflige a vida é ainda mais aumentado e multiplicado por piedade. Pity faz sofrer contagiosa.

Em Ecce Homo Nietzsche chamou o estabelecimento de sistemas morais baseados em uma dicotomia de bem e do mal "um erro calamitoso", e desejou para iniciar uma reavaliação dos valores do mundo judaico-cristã. Ele indica o seu desejo de trazer uma nova fonte, mais naturalista de valor nos impulsos vitais da própria vida. Enquanto Nietzsche atacou os princípios do judaísmo , ele não era anti-semita: em sua obra Na Genealogia da Moral , ele condena explicitamente anti-semitismo, e apontou que seu ataque contra o judaísmo não foi um ataque a judeus como um povo mas especificamente um ataque ao antigo sacerdócio judeu quem ele alega anti-semita cristãos paradoxalmente baseado seus pontos de vista sobre.

A "revolta dos escravos" na moral

Em Beyond Good and Evil e No Genealogia da Moral , de Nietzsche conta genealógica da evolução dos sistemas morais modernas ocupa lugar central. Para Nietzsche, uma mudança fundamental teve lugar de pensar em termos de "bom" e "mau" para "bom" e "mal".

A forma inicial da moralidade foi criado por um guerreiro aristocracia e outras castas dominantes de civilizações antigas. Valores aristocráticos de "bom" e "ruim" coincidiu com e refletiu sua relação com castas mais baixas, como escravos. Nietzsche apresenta esta "moralidade mestra", como o sistema original da moralidade, talvez melhor se associa a Grécia homérica. Para ser "bom" era para ser feliz e ter as coisas relacionadas com a felicidade: riqueza, força, saúde, energia, etc. Para ser "ruim" era para ser como os escravos sobre os quais a aristocracia governaram, pobre, fraco, doente , patético-objeto de piedade ou aversão ao invés de ódio.

"Slave moralidade" surge como uma reação a dominar-moralidade. Aqui, o valor emerge do contraste entre o bem eo mal: bom ser associado a outro mundo, a caridade, a piedade, a contenção, mansidão e submissão; e do mal visto como mundano, cruel, egoísta, rico e agressivo. Nietzsche vê moral de escravos tão pessimista e com medo, os valores para eles que serve apenas para facilitar a existência para aqueles que sofrem da mesma coisa. Ele associa-escravo moralidade com as tradições judaicas e cristãs, de uma forma que slave-moral nasce do ressentimento de escravos. Nietzsche argumentou que a idéia de igualdade permitido escravos para superar sua própria condição sem odiar a si mesmos. E negando a desigualdade inerente às pessoas (como o sucesso, força, beleza ou inteligência), os escravos adquiriram um método de fuga, designadamente através da geração de novos valores com base na rejeição de algo que foi visto como uma fonte de frustração percebido. Ele foi usado para superar próprio sentido do escravo de inferioridade diante dos (em melhor situação) mestres. Fá-lo, tornando a fraqueza escravo a ser uma questão de escolha, por, por exemplo, legendagem como "mansidão". O "homem bom" mestre de moral é precisamente o "homem mau" de moral de escravos, enquanto o "homem mau" é reformulado como o "homem bom".

Nietzsche vê o escravo-a moralidade como uma fonte do niilismo que ultrapassou a Europa. Europa moderna e do cristianismo existem em um estado hipócrita devido a uma tensão entre o mestre eo moral de escravos, ambos os valores contraditoriamente determinando, em diferentes graus, os valores da maioria dos europeus (que são heterogéneo ). Nietzsche chama para pessoas excepcionais para não se envergonhar de sua singularidade em face de uma suposta moralidade-for-all, o que ele considera ser prejudicial para o florescimento de pessoas excepcionais. Ele adverte, no entanto, que a moralidade, por si só, não é ruim; é bom para as massas, e deve ser deixado para eles. Pessoas excepcionais, por outro lado, deve seguir sua própria "lei interna". Um lema favorito de Nietzsche, tomado de Pindar, lê-se: "Torne-se o que você é."

A suposição de longa data sobre Nietzsche é que ele preferia mestre sobre moral de escravos. No entanto, Nietzsche estudioso Walter Kaufmann rejeitou esta interpretação, escrevendo que as análises de Nietzsche destes dois tipos de moralidade foram utilizados apenas em um sentido descritivo e histórico, eles não foram feitos para qualquer tipo de aceitação ou glorificações.

Morte de Deus e do niilismo

A declaração Deus está morto , ocorrendo em várias das obras de Nietzsche (nomeadamente em A Gaia Ciência ), tornou-se um dos seus mais conhecidos observações. Com base nisso, a maioria dos comentaristas consideram Nietzsche como um ateu ; outros (como Kaufmann) sugerem que esta declaração reflete uma compreensão mais sutil da divindade. Desenvolvimentos recentes na ciência moderna e da crescente secularização da sociedade europeia tinha efetivamente 'matou' o deus de Abraão, que serviu como base para o significado e valor no Ocidente por mais de mil anos. A morte de Deus pode levar além perspectivismo nua para outright niilismo, a crença de que nada tem qualquer importância inerente e que a vida não tem propósito. Aqui, ele afirma que a doutrina moral cristã fornece as pessoas com valor intrínseco, a crença em Deus (o que justifica o mal no mundo) e uma base para o conhecimento objetivo. Neste sentido, na construção de um mundo em que o conhecimento objectivo é possível, o cristianismo é um antídoto contra uma forma primitiva de niilismo, contra o desespero da falta de sentido. Como Heidegger pôs o problema: "Se Deus como fundamento supra-sensível e objetivo de toda a realidade está morto , se o mundo supra-sensível das idéias sofreu a perda de sua aplicabilidade e acima dela a sua vitalizante e poder edificante, então nada mais resta a qual o homem pode se apegar e pelo qual ele pode orientar-se. "

Uma tal reação à perda de sentido é o que Nietzsche chama de "niilismo passivo ', que ele reconhece na filosofia pessimista de Schopenhauer . A doutrina de Schopenhauer, Nietzsche, que também se refere como o budismo ocidental, defende uma separação de si mesmo de vontade e desejos, a fim de reduzir o sofrimento. Nietzsche caracteriza essa atitude ascética como uma "vontade de nada", pelo qual a vida se afasta de si mesmo, como não há nada de valor a ser encontrado no mundo. Isso se afastando de todo o valor no mundo é característica do niilista, embora neste, o niilista parece ser inconsistente:

Um niilista é um homem que juízes do mundo como ele é que deveria não ser, e de todo o mundo como deveria ser a de que ele não existe. De acordo com este ponto de vista, a nossa existência (ação, sofrimento, disposto, sensação) não tem nenhum significado: o pathos da 'em vão' é pathos dos niilistas - ao mesmo tempo, como pathos, uma incoerência por parte dos niilistas.
Friedrich Nietzsche, KSA 12: 9,tirada deA Vontade de Poder,seção 585, traduzido por Walter Kaufmann

Nietzsche aborda o problema do niilismo como é profundamente pessoal, afirmando que este problema do mundo moderno é um problema que tornou-se "consciente" nele. Além disso, ele enfatiza tanto o perigo de niilismo e as possibilidades que oferece, como visto em sua declaração de que "Eu te louvo, eu não censura, chegada [do niilismo]. Eu acredito que é uma das maiores crises, um momento da mais profunda auto-reflexão da humanidade. Se o homem se recupera de que, se ele se torna o mestre desta crise, é uma questão da sua força! " De acordo com Nietzsche, é só quando o niilismo é superar uma cultura que pode ter um verdadeiro alicerce sobre o qual a prosperar. Ele queria apressar a sua vinda apenas para que ele também pode acelerar a sua partida final. Heidegger interpreta a morte de Deus com o que ele explica como a morte de metafísica. Ele conclui que a metafísica atingiu o seu potencial e que o destino final e queda da metafísica foi proclamada com a afirmação de que Deus está morto .

Apolíneo e dionisíaco

O apolíneo e dionisíaco é um conceito filosófico, ou dicotomia, com base em certas características da mitologia grega antiga, neste caso Apollo e Dionísio. Embora o conceito é notoriamente relacionadas com O Nascimento da Tragédia , poeta Hölderlin falou deles antes, e Winckelmann falou de Baco . Um ano antes da publicação de O nascimento da tragédia , Nietzsche escreveu um fragmento intitulado On Música e Palavras. Nela, ele afirmou a schopenhaueriano julgamento que a música é uma expressão fundamental da essência de tudo. Secundariamente derivado são poesia lírica e dramática , que representam meras aparências fenomenais de objetos. Desta forma, a tragédia nasce da música .

Nietzsche encontrado na tragédia ateniense clássica uma forma de arte que transcendia o pessimismo eo niilismo de um mundo fundamentalmente sentido. Os espectadores gregos, olhando para o abismo do sofrimento humano e afirmando que, apaixonadamente e alegremente afirmou o sentido de sua própria existência. Sua premissa principal em O nascimento da tragédia foi que a fusão do dionisíaco e apolíneo " Kunsttrieben "(" impulsos artísticos ") faz artes dramáticas, ou tragédias. Ele continua a argumentar que essa fusão não foi alcançado desde as antigas tragédias gregas. Apollo representa a harmonia, o progresso, clareza e lógica enquanto Dionísio representa desordem, intoxicação, emoção e ecstasy. Nietzsche usou essas duas forças, porque, para ele, o mundo da mente e do fim de um lado, e da paixão e do caos em outros princípios formados que foram fundamentais para a cultura grega. Lado apolíneo sendo um estado de sonho, cheio de ilusões; e dionisíaco sendo o estado de embriaguez, representando as libertações de instinto e dissolução de fronteiras. Neste molde, o homem aparece como o sátiro. Ele é o horror da aniquilação do princípio da individualidade e, ao mesmo tempo alguém que se deleita em sua destruição. Ambos estes princípios se destinam a representar estados cognitivos que aparecem através da arte como o poder da natureza no homem.

Nietzsche está convencido de que as obras de Ésquilo e Sófocles representam o ápice da criação artística, a verdadeira realização da tragédia; é com Eurípides, ele afirma, que a tragédia começa sua " Untergang "(literalmente," ir abaixo ", o que significa declínio, deterioração, queda, morte, etc.). Nietzsche objetos para uso Eurípides de racionalismo socrático e moralidade em suas tragédias, alegando que a infusão de ética e razão rouba tragédia de sua fundação, a saber, o frágil equilíbrio do dionisíaco e apolíneo. Sócrates sublinhou razão, a tal ponto que ele difundiu a valor de mito e sofrimento para o conhecimento humano. Platão continuou com este caminho em seus diálogos e, eventualmente, herdou mundo razão moderna em detrimento de impulsos artísticos que poderiam ser encontrados apenas na dicotomia apolíneo e Dionísio. Isto leva a sua conclusão de que a cultura europeia da época de Sócrates tinha sempre sido apenas apolíneo e, assim, decadente e insalubre. Ele observa que sempre que domina a cultura apolínea, o dionisíaco não tem a estrutura para fazer uma arte coerente, e quando dionisíaco domina, o apolíneo não tem a paixão necessária. Apenas a bela média; a interação dessas duas forças reuniu como uma arte representada tragédia grega real.

Um exemplo do impacto dessa idéia pode ser visto no livro Padrões de Cultura , onde antropóloga Ruth Benedict usa opostos nietzschianas de "apolíneo" e "dionisíaco", como o estímulo para seus pensamentos sobre as culturas nativas americanas. Carl Jung tem escrito extensivamente sobre a dicotomia em Tipos Psicológicos . Michel Foucault comentou que seu livro História da loucura deve ser lida "sob o sol do grande pergunta nietzschiana". Aqui Foucault faz referência a descrição de Nietzsche do nascimento e da morte da tragédia e sua explicação de que a tragédia subsequente do mundo ocidental foi a recusa de trágico e, com isso, a recusa do sagrado. Pintor Mark Rothko foi influenciado pela visão de Nietzsche da tragédia, que foram apresentadas em O nascimento da tragédia .

Perspectivismo

Nietzsche afirmou que a morte de Deus acabaria por levar à perda de qualquer perspectiva universal sobre as coisas, e junto com ele qualquer sentido coerente de verdade objetiva. O próprio Nietzsche rejeitou a idéia de realidade objetiva argumentando que o conhecimento é contingente e condicional, em relação a várias perspectivas de fluidos ou interesses. Isto leva a uma constante reavaliação das regras (ou seja, aqueles da filosofia, o método científico, etc.) de acordo com as circunstâncias de perspectivas individuais. Esta visão adquiriu o nome perspectivismo .

Em Assim Falou Zaratustra , de Nietzsche proclama que uma tabela de valores paira acima de cada grande povo. Ele ressalta que o que é comum entre os diferentes povos é o ato de estimar, de criação de valores, mesmo que os valores são diferentes de um povo para o próximo. Nietzsche afirma que o que fez as pessoas grandes não foi o conteúdo de suas crenças, mas o ato de valorização. Assim, os valores de uma comunidade se esforça para articular não são tão importantes quanto a vontade colectiva para ver esses valores vir a passar. O disposto é mais essencial do que o valor intrínseco da própria meta, segundo Nietzsche. "Mil metas tem havido até agora", diz Zaratustra ", pois existem milhares de povos Somente o jugo para os mil pescoços ainda está faltando:.. O objetivo é falta humanidade ainda não tem um objetivo." Assim, o título do aforismo, "On The mil e um objetivo". A idéia de que um valor-sistema não é mais digno do que o outro, embora possa não ser diretamente atribuído a Nietzsche, tornou-se uma premissa comum na ciência social moderna. Max Weber e Martin Heidegger absorveram e fez sua própria. Ele em forma seu esforço filosófico e cultural, bem como a sua compreensão política. Weber por exemplo, depende de perspectivismo de Nietzsche, mantendo a objetividade que ainda é possível, mas só depois de um determinado ponto de vista, valor ou final foi estabelecido.

Entre sua crítica da filosofia tradicional de Kant , Descartes e Platão em Beyond Good and Evil , Nietzsche atacou coisa em si e cogito ergo sum ​​( Penso, logo sou ) como irrefutáveis ​​crenças com base na aceitação ingênua de noções e anteriores falácias. Filósofo Alasdair MacIntyre Nietzsche coloca em um lugar de destaque na história da filosofia. Embora criticando niilismo e Nietzsche juntos como um sinal de decadência geral, ele ainda elogia-lo para o reconhecimento de motivos psicológicos por trás Kant e Hume 's filosofia moral:

Pois foi feito histórico de Nietzsche para entender mais claramente do que qualquer outro filósofo ... não é só isso o que pretendia ser apelos deobjetividade eram de fato expressões da vontade subjetiva, mas também a natureza dos problemas que esta colocados para a filosofia.

Vontade de Poder

Um elemento fundamental na perspectiva filosófica de Nietzsche é a vontade de poder ( Wille zur Macht der ), que fornece uma base para a compreensão do comportamento humano - mais do que explicações, tais como os baseados em pressão para a adaptação ou a sobrevivência concorrentes. Como tal, de acordo com Nietzsche, a unidade de conservação aparece como o principal motivador do comportamento humano ou animal apenas em exceções, como a condição geral de vida não é uma emergência, de "luta pela existência". Mais frequentemente do que não, a auto-conservação é apenas uma consequência da vontade de uma criatura de exercer sua força sobre o mundo exterior.

Ao apresentar a sua teoria do comportamento humano, Nietzsche também se dirigiu, e atacou, conceitos de filosofias popularmente abraçaram em seus dias, como a noção de Schopenhauer de uma vontade sem rumo ou de utilitarismo . Utilitarianists afirmam que o que move as pessoas é principalmente o desejo de ser feliz, para acumular prazer em suas vidas. Mas tal concepção de felicidade Nietzsche rejeitou como algo limitado a, e característica de, o estilo de vida burguês da sociedade Inglês, e, em vez colocar diante da idéia de que a felicidade não é um objetivo em si - é sim uma conseqüência de uma busca bem-sucedida de um de objectivos, da superação de obstáculos para suas ações - em outras palavras, do cumprimento da vontade.

Relacionadas com a sua teoria da vontade de poder, é sua especulação, que ele não considerou final, sobre a realidade do mundo físico, incluindo a matéria inorgânica - que, como afeições e impulsos do homem, o mundo material também é definido pela dinâmica de uma forma da vontade de poder. No cerne de sua teoria é uma rejeição do atomismo - a idéia de que a matéria é composta de estáveis, unidades indivisíveis (átomos). Em vez disso, ele parece ter aceitado as conclusões de Ruđer Bošković, que explicou as qualidades da matéria, como resultado de uma interação de forças. Um estudo de Nietzsche define seu conceito totalmente desenvolvido da vontade de poder como "o elemento a partir do qual derivam tanto a diferença quantitativa das forças relacionadas e a qualidade que se transforma em cada força nessa relação", revelando a vontade de poder como "o princípio da a síntese de forças ". Dessas forças Nietzsche disse que eles poderiam talvez ser visto como uma forma primitiva da vontade. Da mesma forma, ele rejeitou como uma mera interpretação da opinião de que o movimento dos corpos é governado por leis inexoráveis ​​da natureza, positing vez que o movimento foi regido pelas relações de poder entre corpos e forças.

O eterno retorno

O eterno retorno (também conhecido como "eterno retorno") é um conceito que postula que o universo tem sido recorrente, e continuará a recorrer, de forma auto-semelhante um número infinito de vezes ao longo do tempo ou espaço infinito. É um puramente físico conceito, que não envolve nenhuma sobrenatural reencarnação, mas o retorno de seres nos mesmos corpos. A idéia de eterno retorno ocorre em uma parábola na Seção 341 de A gaia ciência , e também no capítulo "Da visão e do enigma" em Assim Falou Zaratustra , entre outros lugares. Nietzsche contempla a idéia como potencialmente "horrível e paralisante", e diz que sua carga é o que se possa imaginar "peso pesado" (" das schwerste Gewicht "). O desejo para o eterno retorno de todos os eventos que marcam a afirmação final da vida, uma reação a Schopenhauer louvor de negar a vontade de viver 's. Para compreender eterno retorno em seu pensamento, e não apenas ficar em paz com ele, mas a adotá-la, requer amor fati , "amor ao destino".

Alexander Nehamas escreve em Nietzsche: Life as Literature de três maneiras de ver o eterno retorno: "(A) Minha vida se repitam na moda exatamente idênticos." Isso expressa uma abordagem totalmente fatalista à idéia. "(B) A minha vida pode reaparecer na moda exatamente idênticos." Este segundo ponto de vista condicionalmente afirma cosmologia, mas não consegue captar o que Nietzsche se refere em A gaia ciência , 341. Finalmente, "(C) Se a minha vida fosse se repetir, então ele poderia recorrer apenas em forma idêntica." Nehamas mostra que esta interpretação existe de forma totalmente independente da física e não pressupõe a verdade da cosmologia. Nehamas chega à conclusão de que, se os indivíduos constituem-se através de suas ações, então eles só podem-se manter em seu estado atual, vivendo em uma recorrência de ações passadas (Nehamas 153).

Übermensch

Outro conceito importante para a compreensão do pensamento de Nietzsche é o Übermensch (traduzido variadamente como "super-homem", "super-homem", ou "super-humano"). Desenvolvendo a idéia de niilismo, escreveu Nietzsche Assim falou Zaratustra , nele introduzindo o conceito de Übermensch, não como um projeto, mas de criação de valor como um anti-projeto, a ausência de qualquer projeto .. De acordo com Lampert, "a morte de Deus deve ser seguido por um longo crepúsculo de piedade e niilismo. (II 19;.. III 8) [...] o dom de Zarathustra do super-homem é dado a uma humanidade não tem conhecimento do problema a que o super-homem é a solução. " Zaratustra apresenta o super-homem como o criador de novos valores, e ele aparece como uma solução para o problema da morte de Deus e niilismo. O super-homem não segue a moralidade das pessoas comuns, uma vez que favorece a mediocridade mas em vez se eleva acima da noção de bem e do mal e acima do rebanho . Desta forma Zaratustra proclama seu objetivo final como a jornada em direção ao estado de super-homem. Ele quer uma espécie de evolução espiritual de auto-conhecimento e superação de visões tradicionais sobre moralidade e justiça que decorrem das crenças superstição ainda profundamente enraizadas ou relacionados com a noção de Deus e do Cristianismo.

Enquanto interpretações de super-homem de Nietzsche variar muito, aqui está uma de suas cotações deAssim falou Zaratustra(Prologue, §§3-4):

Eu lhe ensino o super-homem. O homem é algo que deve ser superado. O que você fez para vencê-lo ... Todos os seres até agora criaram algo além de si mesmos?; e você quer ser o refluxo desse grande inundação, e até mesmo voltar para os animais, em vez de superar o homem? O que é o macaco para o homem? Um motivo de chacota ou constrangimento doloroso. E será aquele homem que a super-homem: uma piada ou constrangimento doloroso. Você fez o seu caminho de verme ao homem, e muito em você ainda é verme. Uma vez que você fosse macacos, e até agora, também, o homem é mais macaco do que qualquer macaco ... O super-homem é o sentido da terra. Deixe seu dirão: o super-homem é o sentido da terra ... O homem é uma corda, amarrada entre o animal eo super-homem-uma corda sobre um abismo ... o que é grande no homem é que ele é uma ponte e não um fim.

Zaratustra contrasta o super-homem com o último homem da modernidade igualitária (exemplo mais óbvio sendo a democracia ), um objetivo alternativo que a humanidade pode definir por si. O último homem só é possível pela humanidade de ter criado uma criatura apática que não tem grande paixão ou compromisso, que é incapaz de sonhar, que apenas ganha a vida e mantém quente. Este conceito só aparece em Assim Falou Zaratustra, e é apresentado como uma condição que tornaria a criação do super-homem impossível.

Alguns têm sugerido que a noção do eterno retorno é relacionado com o super-homem desde dispostos eterno retorno do mesmo é um passo necessário, se o super-homem é criar novos valores, não contaminada pelo espírito de gravidade ou ascetismo. Valores envolvem um rank-ordenação das coisas, e por isso são inseparáveis ​​de aprovação e reprovação; Ainda era insatisfação que levou os homens a procurar refúgio em outro mundo e abraçar os valores de outro mundo. Pode parecer que o super-homem, ao ser dedicado a todos os valores em tudo, seria necessariamente deixar de criar valores que não partilharam algum bocado de ascetismo. Disposto eterno retorno é apresentado como aceitar a existência do baixo enquanto ainda reconhecendo-o como o baixo, e assim como a superação do espírito de gravidade ou ascetismo. É preciso ter a força do super-homem, a fim de querer o eterno retorno do mesmo; ou seja, apenas o super-homem vai ter a força para aceitar plenamente toda a sua vida passada, incluindo suas falhas e transgressões, e para realmente será o seu eterno retorno. Esta ação quase mata Zaratustra, por exemplo, ea maioria dos seres humanos não podem evitar outro mundo, porque eles realmente estão doentes, não por causa de qualquer escolha que fizeram.

Leitura e influência

A residência de três anos de Nietzsche, junto com arquivo emWeimar, Alemanha, que detém muitos dos papéis de Nietzsche.

Como uma filólogo, Nietzsche tinha um conhecimento profundo da filosofia grega. Ele leu Immanuel Kant , Platão , John Stuart Mill , Arthur Schopenhauer e Africano Spir, que se tornaram seus principais adversários na sua filosofia, e mais tarde Spinoza , a quem ele via como seu "precursor" em alguns aspectos, mas como uma personificação do "ideal ascético "nos outros. No entanto, Nietzsche se refere a Kant como um "fanático moral", Platão como "chato", Mill como um "cabeça-dura", e de Spinoza ele disse: "Quanto de timidez pessoal e vulnerabilidade faz isso disfarce de um recluso doentio trair?" .

A filosofia de Nietzsche, embora altamente inovador e revolucionário, estava em débito com muitos antecessores. Enquanto em Basileia, Nietzsche ofereceu cursos de palestra sobre os "pré-platônicos Filósofos" para vários anos, e do texto desta série de palestras tem sido caracterizada como um "elo perdido" no desenvolvimento de seu pensamento. "Nela conceitos como a vontade de poder, o eterno retorno do mesmo, o super-homem, a ciência gay, a auto-superação e assim por diante receber formulações ásperas, sem nome e estão ligados à estratégia de pré-platônicos, especialmente Heráclito, que surge como Nietzsche um pré-platônica. " O pensador grego pré-socrático Heráclito era conhecido pela rejeição do conceito de ser como um princípio constante e eterna do universo, e seu abraço de "mudança de fluxo" e incessante. Seu simbolismo do mundo como "brincadeira de criança" marcado pela espontaneidade amoral e falta de regras definidas foi apreciado por Nietzsche. A partir de sua simpatia Heráclito, Nietzsche também foi um detractor vociferante de Parmênides, que se opôs Heráclito e acreditava em tudo mundo é um único ser com nenhuma mudança em tudo.

Em seu egoísmo em Filosofia alemã , Santayana afirmou que a filosofia inteira de Nietzsche foi uma reação ao Schopenhauer. Santayana escreveu que a obra de Nietzsche era "uma emenda do que de Schopenhauer A vontade de viver se tornaria a vontade de dominar;. Pessimismo fundado na reflexão se tornaria optimismo fundado na coragem; o suspense da vontade na contemplação cederia a uma conta de mais biológica da inteligência e bom gosto; finalmente, no lugar de piedade e ascetismo (dois princípios de Schopenhauer da moral) Nietzsche seria configurar o dever de afirmar a vontade a todo o custo e ser cruelmente, mas bem forte Esses pontos de diferença de Schopenhauer cobrir toda a filosofia. de Nietzsche ".

Nietzsche expressou admiração por moralistas franceses do século 17, tais como La Rochefoucauld, Jean de La Bruyère e Vauvenargues, bem como para Stendhal. O organicismo de Paul Bourget influenciado Nietzsche, como aconteceu com Rudolf Virchow e Alfred Espinas. Nietzsche escreveu em uma carta em 1867 que ele estava tentando melhorar o seu estilo alemão de escrever com a ajuda de Lessing, Lichtenberg e Schopenhauer . Foi provavelmente Lichtenberg (juntamente com Paul Rée) cuja aphoristic estilo de escrita contribuíram para uso próprio de Nietzsche do aforismo em vez de um ensaio. Nietzsche cedo aprendeu de darwinismo através de Friedrich Albert Lange. Hippolyte Taine influenciado visão de Nietzsche sobre Rousseau e Napoleão . Notavelmente, ele também ler alguns dos trabalhos póstumos de Charles Baudelaire, Tolstoy 's My Religion , de Ernest Renan Vida de Jesus e Fyodor Dostoyevsky 's The Possessed . Nietzsche chamou de Dostoiévski "o único psicólogo de quem eu tiver algo a aprender." Harold Bloom tem frequentemente afirmado que os ensaios de Ralph Waldo Emerson teve uma influência profunda e favorável sobre Nietzsche. Embora Nietzsche nunca menciona Max Stirner, as semelhanças em suas reflexões levaram uma minoria de intérpretes para sugerir uma relação entre os dois. Em 1861 Nietzsche escreveu um ensaio entusiasmado em seu "poeta favorito", Friedrich Hölderlin, principalmente esquecido naquele momento. Ele também expressou profunda gratidão por Adalbert Stifter de Indian Summer , Lord Byron 's Manfred e Mark Twain 's The Adventures of Tom Sawyer.

Recepção

Retrato de Friedrich Nietzsche porEdvard Munch, 1906.

Obras de Nietzsche não chegaram a um vasto público durante sua ativa carreira de escritor. No entanto, em 1888 o crítico dinamarquês influente Georg Brandes despertou emoção considerável sobre Nietzsche através de uma série de palestras que ele deu no Universidade de Copenhague. Nos anos após a morte de Nietzsche, em 1900, suas obras tornaram-se mais conhecida, e os leitores têm respondido a eles no complexo e às vezes controverso maneiras. Muitos alemães acabou descobrindo seus apelos para um maior individualismo e desenvolvimento da personalidade em Assim Falou Zaratustra , mas respondeu-lhes de forma divergente. Ele tinha alguns seguidores entre esquerdistas alemães na década de 1890; em 1894-1895 conservadores alemães queriam proibir seu trabalho como subversivo. Durante o final do século 19 ideias de Nietzsche eram comumente associado com movimentos anarquistas e parecem ter tido influência dentro deles, particularmente na França e nos Estados Unidos. HL Mencken produzido traduções de obras de Nietzsche que ajudaram a aumentar o conhecimento da sua filosofia nos Estados Unidos. Nietzsche é conhecido hoje como um precursor do expressionismo , existencialismo , e pós-modernismo.

WB Yeats e Arthur Symons descrito Nietzsche como o herdeiro intelectual de William Blake. Symons passou a comparar as idéias dos dois pensadores em movimento simbolista na Literatura enquanto Yeats tentou aumentar a conscientização sobre Nietzsche na Irlanda. A noção semelhante foi defendida por WH Auden, que escreveu de Nietzsche em sua Carta de Ano Novo (lançado em 1941 em O Homem Duplo ): "O magistral debunker de nossas falácias liberais [...] toda a sua vida você invadiram, como seu precursor Inglês Blake ". Nietzsche fez um impacto sobre compositores durante a década de 1890. Escritor sobre música Donald Mitchell observa que Gustav Mahler foi "atraído para o fogo poética de Zaratustra, mas repelido pelo núcleo intelectual de seus escritos." Ele também cita o próprio Gustav, e acrescenta que ele foi influenciado por concepção de Nietzsche e abordagem afirmativa à natureza, que Mahler apresentado em Terceira Sinfonia usando roundelay de Zaratustra. Frederick Delius produziu uma peça de música coral Uma missa de vida baseado em um texto de Assim Falou Zaratustra , enquanto Richard Strauss (que também baseou sua Also sprach Zarathustra no mesmo livro), só estava interessado em terminar "mais um capítulo da autobiografia sinfônico". Escritores e poetas famosos influenciados por Nietzsche incluem André Gide, August Strindberg, Robinson Jeffers, Pío Baroja, DH Lawrence, Edith Södergran e Yukio Mishima.

Nietzsche foi uma influência precoce sobre a poesia de Rainer Maria Rilke. Knut Hamsun contado Nietzsche, juntamente com Strindberg e Dostoyevsky como uma das suas principais influências. Autor Jack London escreveu que ele foi mais estimulado por Nietzsche que por qualquer outro escritor do mundo. Os críticos têm sugerido que o personagem de David Grief em Um Filho do Sol foi baseada em Nietzsche. A influência de Nietzsche sobre Muhammad Iqbal é mais evidenciado em Asrar-i-Khudi (Os Segredos do Self) . Wallace Stevens era um outro leitor de Nietzsche e elementos da filosofia de Nietzsche foram encontrados em todo Harmonium . Olaf Stapledon foi influenciada pela idéia de Übermensch e é o tema central em seus livros Odd John e Sirius . Na Rússia, Nietzsche tem influenciado simbolismo e figuras como o russo Dmitry Merezhkovsky, Andrei Bely, Vyacheslav Ivanovich Ivanov e Alexander Scriabin tem todas as peças incorporadas ou discutidos da filosofia de Nietzsche em suas obras. romance de Thomas Mann Morte em Veneza mostra um uso de apolíneo e dionisíaco e, em Doctor Faustus Nietzsche era uma fonte central para o personagem de Adrian Leverkühn. Hermann Hesse, da mesma forma, em sua Narciso e Goldmund apresenta dois personagens principais no sentido de apolíneo e dionisíaco como os dois espíritos ainda entrelaçadas opostas. Pintor Giovanni Segantini era fascinada por Assim falou Zaratustra , e ele desenhou uma ilustração para a primeira tradução italiana do livro.

Pela Primeira Guerra Mundial, Nietzsche tinha adquirido uma reputação como uma inspiração para tanto de direita alemão militarismo ea política de esquerda. Soldados alemães receberam cópias de Assim Falou Zaratustra como presentes durante a Primeira Guerra Mundial O Caso Dreyfus fornece um exemplo de contraste de sua recepção: o anti-semita direito francês rotulados os intelectuais judeus e esquerdistas que defendiam Alfred Dreyfus como "Nietzscheans". Nietzsche tinha um apelo diferente para muitos sionistas pensadores em torno do início do século 20 mais notável é Ahad Ha'am, Hillel Zeitlin, Micha Josef Berdyczewski, AD Gordon e Martin Buber que foi tão longe como para enaltecer Nietzsche como um "criador" e . "emissário da vida" Chaim Weizmann era um grande admirador de Nietzsche; o primeiro presidente de Israel enviou livros de Nietzsche à sua mulher, acrescentando um comentário em uma carta que "Este foi o melhor e melhor coisa que eu posso enviar para você". Israel Eldad, o chefe ideológico do Grupo Stern, que lutou contra o britânico na Palestina na década de 1940, escreveu sobre Nietzsche em seu jornal clandestino e posteriormente traduzido a maioria dos livros de Nietzsche em hebraico. Eugene O'Neill observou que Zaratustra o influenciou mais que qualquer outro livro que já li. Ele também compartilhou a visão de Nietzsche da tragédia. Plays O Grande Deus Brown e Lázaro Ria são um exemplo da influência de Nietzsche sobre O'Neill. A influência de Nietzsche sobre as obras de filósofos da Escola de Frankfurt Max Horkheimer e Theodor W. Adorno pode ser visto na popular Dialética do Esclarecimento . Adorno resumiu a filosofia de Nietzsche, como expressão da " humana em um mundo no qual a humanidade se tornou uma farsa ".

Proeminência crescente de Nietzsche sofreu um grave revés quando suas obras tornou-se associada com Adolf Hitler e do Reich alemão. Muitos líderes políticos do século XX foram, pelo menos superficialmente familiarizado com as idéias de Nietzsche, embora nem sempre é possível determinar se eles realmente ler seu trabalho. Hitler, por exemplo, provavelmente nunca leu Nietzsche e, se o fez, sua leitura não era extensa, embora ele era um visitante freqüente ao museu Nietzsche, em Weimar e fez uso de expressões de Nietzsche, como "senhores da terra" em Mein Kampf. A nazistas fizeram uso seletivo da filosofia de Nietzsche. Mussolini , Charles de Gaulle e Huey P. Newton ler Nietzsche. Richard Nixon ler Nietzsche com "interesse curioso", e seu livro Beyond Paz poderia ter tomado o título do livro de Nietzsche Beyond Good and Evil que Nixon ler de antemão. Bertrand Russell escreveu que Nietzsche tinha exercido grande influência sobre filósofos e sobre as pessoas da cultura literária e artística, mas advertiu que a tentativa de colocar filosofia da aristocracia de Nietzsche em prática só poderia ser feito por uma organização semelhante à fascista ou nazista Festa.

Uma década após a Segunda Guerra Mundial, houve um ressurgimento de escritos filosóficos graças de Nietzsche para traduções e análises exaustivas por Walter Kaufmann e RJ Hollingdale. Outros, filósofos bem conhecidos em sua própria direita, escreveu comentários sobre a filosofia de Nietzsche, incluindo Martin Heidegger, que produziu um estudo de quatro volumes e Lev Shestov que escreveu um livro chamado Dostoyevski, Tolstoi e Nietzsche , onde ele retrata Nietzsche e Dostoievski como os "pensadores da tragédia ". Georg Simmel compara importância de Nietzsche à ética ao de Copérnico para a cosmologia . Sociólogo Ferdinand Tönnies ler Nietzsche avidamente de sua infância, e mais tarde frequentemente discutido muitos de seus conceitos em suas próprias obras. Nietzsche tem influenciado filósofos como Martin Heidegger, Jean-Paul Sartre , Oswald Spengler, George Grant, Emil Cioran, Albert Camus , Ayn Rand, Jacques Derrida, Leo Strauss, Max Scheler, Michel Foucault e Bernard Williams. Camus descreveu Nietzsche como "o único artista a ter derivado as conseqüências extremas de uma estética do absurdo ". Paul Ricoeur chamado Nietzsche um dos mestres da "escola de suspeita", ao lado de Karl Marx e Sigmund Freud .

Trabalho

  • O Estado grego(1871)
  • O nascimento da tragédia(1872)
  • Sobre Verdade e Mentiras em um sentido não-morais(1873)
  • Nietzsche, Friedrich Wilhelm (1873), Filosofia na Idade Trágica dos Gregos   .
  • -------- (1876), Extemporâneas   .
  • Humano, demasiado humano(1,878; adições em 1879, 1880)
  • -------- (1881), The Dawn   .
  • -------- (1882), A Gaia Ciência   .
  • -------- (1961) [1883-1885], Assim Falou Zaratustra: Um livro para todos e para Nenhum , trans. RJ Hollingdale, New York: Penguin Classics, ISBN 0-14-044118-2   .
  • -------- (1886), Além do Bem e do Mal  
  • -------- (1887), Na Genealogia da Moral   .
  • O Caso de Wagner(1888)
  • -------- (1888b), Crepúsculo dos Ídolos   .
  • -------- (2004) [1888c], O Anticristo, Kessinger   .
  • -------- (2000) [1888d], Ecce Homo , Escritos básicos de Nietzsche, trans. Walter Kaufmann, Modern Library, ISBN 0-679-78339-3   .
  • Nietzsche contra Wagner(1888)
  • A Vontade de Poder(manuscritos inéditos editada porElisabeth Förster-Nietzsche)
  • -------- (1977), O Nietzsche portátil , trans. Walter Kaufmann, Penguin, ISBN 0-14-015062-5   .
  • -------- (2001), Os Filósofos Pré-platônicos , trans. Greg Whitlock, University of Illinois Press, ISBN 0-252-02559-8   .
  • -------- (2005), O Anti-Cristo, Ecce Homo, Crepúsculo dos ídolos, e Outros Escritos , trad. Judith Norman, Aaron Ridley, Cambridge: Cambridge University Press, ISBN 0-521-01688-6   .
Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Friedrich_Nietzsche&oldid=549925140 "