Conteúdo verificado

Tibete

Assuntos Relacionados: ?sia ; países asiáticos

Você sabia ...

Crianças SOS produziu este website para as escolas, bem como este site de vídeo sobre a ?frica . Patrocínio da criança ajuda as crianças uma a uma http://www.sponsor-a-child.org.uk/ .

Tibet ( / Tɨbɛt /; Tibetano: བོད་, Wylie: bod, pronunciado [Pʰøʔ]; chinesa : 西藏; pinyin : Xizang) é uma plateau região da ?sia , norte dos Himalaias . É a casa do Povo tibetano, e de alguns outros grupos étnicos, tais como Monpas e Lhobas, e é habitada por um número considerável de Han e Povo Hui. Tibet é a região mais alta do mundo, com uma média elevação de 4.900 metros (16.000 pés). É por vezes referido como o teto do mundo.

Durante História do Tibete, a partir do século 7, que já existia como um império unificado e como uma região de territórios de autogoverno separadas, estados vassalos, e as províncias chinesas. Nos interregnos, várias seitas de Budismo tibetano, nobres seculares, e os governantes estrangeiros disputavam poder no Tibete. A última luta religiosa marcou a ascensão do Dalai Lamas ao poder no Tibete ocidental no século 17, embora seu governo era muitas vezes meramente nominal de descanso com poder real nas mãos de vários regentes e vice-reis. Hoje, a maioria dos Tibet cultural é governado como áreas autónomas nos República Popular da China .

Cultural / Tibete histórico (em destaque) representado com várias reivindicações territoriais concorrentes.
Luz green.PNG Yellow.svg sólido Região Autônoma do Tibet dentro da República Popular da China
Red.svg Orange.svg sólido Yellow.svg sólido "Grande Tibet"; Tibet como reivindicado por grupos de exilados tibetanos
Lightblue.png sólido Orange.svg sólido Luz green.PNG Yellow.svg sólido ?reas tibetanas conforme designado pela República Popular da China
Luz green.PNG Chinês áreas controladas reivindicados pela ?ndia como parte de Aksai Chin
Lightblue.png sólido ?reas indígenas controlada reivindicadas pela China como parte de Tibet
Blue.svg sólido Outras áreas historicamente dentro esfera cultural tibetana

A economia do Tibete é dominado por agricultura de subsistência, embora o turismo tornou-se uma indústria crescente no Tibete nas últimas décadas. A religião dominante no Tibete é Budismo tibetano, embora existam Minorias muçulmanas e cristãs. O budismo tibetano é uma influência principal na arte, música, e festivais da região. Arquitetura tibetana reflete Chinês e Influências indianas. Os alimentos básicos no Tibete são torrados cevada , iaque carne, e chá de manteiga.

Names

Himalaias, na borda sul do planalto tibetano

Os nomes e as definições de "Tibet" constituem linguisticamente e politicamente linguagem carregada.

O Tibetano padrão endonym, (nome do Tibete para o povo do Tibete), Bod བོད་ significa "Tibet" ou " Platô tibetano ", embora originalmente significava a região central" Ü-Tsang ". A pronúncia padrão de Bod, [Pʰø˨ʔ], é transcrito P oi g (BHO ou Po em THDL) em Pinyin tibetano. Alguns estudiosos acreditam que a primeira referência escrita a DBO "Tibet" foram os antigos "Bautai" pessoas registradas no (ca. primeiro século) Périplo do Mar da Eritréia e (ca. segundo século) Geographia.

Os dois Mandarin padrão exonyms para "Tibet" são clássicos Tǔbō土蕃ou Tǔfān 吐蕃e Xizang moderno 西藏 (que agora especifica o " Região Autônoma do Tibet "). Tubo ou Tufan" nome antigo para o Tibete "foi o primeiro transliterado em caracteres chineses como 土番 no século 7-( Li Tai) e como 吐蕃 no século 10-( Livro de Tang descrevendo 608-609 emissários do rei tibetano Namri Songtsen para Emperor Yang de Sui). No Médio chinês falado durante esse período, Tǔbō ou Tǔfān são reconstruídos (por Bernhard Karlgren) como T'uopuâ e T'uop'i̭wɐn. Xizang西藏foi cunhada durante a Dinastia Qing período do Jiaqing Imperador (r. 1796-1820). Os República Popular da China governo equivale xizang com o xizang Zizhiqu西藏自治区"Região Autônoma do Tibet".

O Inglês palavra Tibete ou Thibet remonta ao século 18. Enquanto lingüistas históricos em geral concordam que os nomes "Tibete" em línguas europeias são empréstimos do árabe طيبة, توبات Tibat ou Tobatt, eles discordam sobre o original etimologia. Muitas fontes propor tibetano Stod-bod (pronuncia-a-bhöt) "Alta Tibet", alguns sugerem Turcomana Töbäd "The Heights" (plural de Toban), e alguns favor chinesa Tǔbō ou Tǔfān. Seja qual for a origem exacta da palavra, de acordo com a Alexandra David-Neel os tibetanos não usá-lo. "Eles chamam seu país DBO yul e os próprios pas DBO."

Língua

O Língua tibetana é geralmente classificado como um Língua Tibeto-Burman do Sino-tibetano família linguística, embora as fronteiras entre "tibetano" e alguns outros Himalaia línguas podem não ser claro. Conforme Matthew Kapstein:

Do ponto de vista da lingüística histórica, tibetano mais se assemelha Birmanês entre os principais idiomas da ?sia. Agrupar os dois juntos com outras linguagens aparentemente relacionados faladas nos Himalaias terras, bem como nas montanhas de Sudeste Asiático e nas regiões de fronteira sino-tibetanas, os linguistas têm, em geral concluiu que existe uma família Tibeto-Burman de idiomas. Mais controversa é a teoria de que a família Tibeto-Burman em si faz parte de uma família de língua maior, chamado Sino-tibetana, e que através dele tibetano eo birmanês são primos distantes dos chineses.

A língua é falada em vários dialetos regionais que, embora às vezes mutuamente inteligíveis, geralmente não podem ser compreendidos pelos alto-falantes das diferentes formas orais de tibetano. É empregado em todo o planalto tibetano e Butão e é falado também em partes do Nepal e do norte da ?ndia, como Sikkim . Em geral, os dialetos do Tibete central (incluindo Lhasa), Kham, Amdo e algumas áreas vizinhas menores são consideradas dialetos tibetanos. Outras formas, particularmente Dzongkha, Sikkimese, Sherpa, e Ladakhi, são considerados por seus alto-falantes, em grande parte por razões políticas, como sendo línguas distintas. No entanto, se o último grupo de línguas tibetano-tipo são incluídos no cálculo, em seguida, 'maior tibetano "é falado por cerca de 6 milhões de pessoas em todo o Platô tibetano. Tibetano também é falado por cerca de 150.000 falantes de exilados que fugiram de moderno-dia Tibet para a ?ndia e outros países.

Embora tibetano falada varia de acordo com a região, a língua escrita, com base em Classical tibetano, é consistente em todo. Este é provavelmente devido à influência de longa data do império tibetano, cujo governo abraçou (e estendido às vezes muito além) da atual área linguística tibetano, que vai de norte Paquistão , a oeste com Yunnan e Sichuan, no leste, e do norte de Qinghai Lake sul, na medida do Butão. A língua tibetana tem a sua próprio script que partilha com Ladakhi e Dzonga, e que é derivado a partir da antiga indiana Certificado de Brahmi.

História

Rei Songtsan Gampo
Guerreiro Tibetian em cota de malha reforçada com placa do espelho
A área colorida em verde-oliva monótono mostra o Império tibetano como era em 820
Tibet em 1734. Royaume de Tibete ("Kingdom of Tibet") em la Chine, la Tartarie Chinoise, et le Tibete ("China, Chinese Tartária, e Tibet ") em um 1734 mapa Jean Baptiste Bourguignon d'Anville, com base em mapas anteriores jesuítas.
Tibet em 1892 durante a Dinastia Qing .

A história geral do Tibet começa com o Estado de Songtsan Gampo (604-650 dC) que uniu partes do Yarlung River Valley e fundou o Império tibetano. Ele também trouxe muitas reformas e poder tibetano espalhar rapidamente criando um grande e poderoso império. Em 640 ele se casou Princesa Wencheng, a sobrinha do poderoso imperador chinês Taizong de Tang China.

Sob os próximos reis tibetanos, o budismo tornou-se estabelecido como a religião do Estado e do poder tibetano aumentou ainda mais em grandes áreas da ?sia Central, enquanto grandes avanços foram feitos em território chinês, atingindo até o Tang capital "s Chang'an (atual Xi'an) no final de 763. No entanto, a ocupação tibetana de Chang'an durou apenas 15 dias, após o que foram derrotados por Tang e seu aliado, o turco Uyghur Khaganate.

O Reino de Nanzhao (em Yunnan e as regiões vizinhas) permaneceu sob o controle tibetano 750-794, quando eles se voltaram contra seus senhores tibetanos e os chineses ajudou a infligir uma derrota séria sobre os tibetanos.

Em 747, o domínio do Tibete foi afrouxado pela campanha do general Gao Xianzhi, que tentou reabrir as comunicações directas entre ?sia Central e Caxemira . Por 750 os tibetanos tinha perdido quase todos os seus bens da ?sia Central para os chineses . No entanto, após a derrota de Gao Xianzhi pelo ?rabes e No Qarluqs Batalha de Talas (751), a influência chinesa diminuiu rapidamente e influência tibetana retomada. Em 821/822 CE Tibete ea China assinaram um tratado de paz. Uma conta bilingue de este tratado, incluindo detalhes das fronteiras entre os dois países, está inscrito em um pilar de pedra que fica fora da Templo de Jokhang em Lhasa. Tibete continuou como um império da ?sia Central até meados do século nono.

13, 14 e 15 séculos

Príncipe mongol Khuden conquistou Tibet nos 1240s e fez o Sakya Pandita o vice-rei da Mongólia para o Tibete Central, embora as províncias orientais de Kham e Amdo permaneceu sob domínio mongol direto. Quando Kublai Khan fundou a dinastia Yuan em 1271, o Tibete tornou-se uma parte dela.

Entre 1346 e 1354, Tai Situ Changchub Gyaltsen derrubou o Sakya e fundou a Dinastia Phagmodrupa. Os 80 anos seguintes viram a fundação da Escola Gelugpa (também conhecido como Yellow Chapéus) pelos discípulos de Tsongkhapa Lobsang Dragpa, ea fundação da importante Ganden, Drepung, e Sera mosteiros perto de Lhasa.

Séculos 16 e 17

Em 1578, Altan Khan do Tümed mongóis deu Sonam Gyatso, um alto lama da escola Gelugpa, o nome do Dalai Lama; Dalai sendo o mongol tradução do nome tibetano Gyatso, ou "Ocean".

Os primeiros europeus a chegar no Tibete eram os Missionários portugueses António de Andrade e Manuel Marques em 1624. Eles foram recebidos pelo rei e rainha de Guge, e foram autorizados a construir uma Igreja e para introduzir a crença cristã. O rei de Guge avidamente aceitou o cristianismo como uma influência religiosa compensação para diluir a próspera Gelugpa e para contrabalançar seus potenciais rivais e consolidar sua posição. Todos os missionários foram expulsos em 1745.

Na década de 1630, o Tibete tornou-se enredado em disputas de poder entre o nascer Manchu e vários Mongol e Oirat facções. Gushi Khan do Khoshud se tornou o soberano sobre o Tibete, e agiu como um "protetor da Igreja Amarelo". Gushi ajudou a quinto Dalai Lama estabelecer-se como a mais alta autoridade espiritual e político no Tibete e destruiu todos os rivais em potencial.

Século 18

A Dinastia Qing put Amdo sob seu controle em 1724, e incorporou oriental Kham em províncias chinesas vizinhas em 1728. O governo Qing mandou um comissário residente, chamado de Amban, para Lhasa. Em 1751, Imperador Qianlong instalado o Dalai Lama como o líder espiritual e líder político do Tibete líder do governo, ou seja, Kashag.

O século 18 viu algum contato com Jesuítas e Capuchinhos da Europa, e em 1774 um nobre escocês, George Bogle, veio a Shigatse para investigar o comércio para a British East India Company .

Século 19

No entanto, por volta do século 19, a situação de estrangeiros no Tibet cresceu mais tênue. O Império Britânico foi invadindo do norte da ?ndia nos Himalaias , a Emirado do Afeganistão e do Império Russo estava se expandindo para ?sia Central e cada poder ficou desconfiado das intenções dos outros em Tibet. Sándor Kőrösi Csoma, um cientista húngaro, passou 20 anos na ?ndia britânica (4 anos em Ladakh) tentando visitar o Tibete. Ele criou o primeiro dicionário tibetano-Inglês.

Em 1865, os britânicos começaram secretamente mapeamento Tibet.

Início do século 20.

Sera Monastery em Lhasa (2006)

Em 1904, uma Expedição britânica ao Tibete sob o comando do coronel Francis Younghusband, acompanhado por uma grande escolta militar, invadiram o Tibete e chegou a Lhasa. Os britânicos foram estimulados em parte pelo medo de que a Rússia estava estendendo seu poder no Tibete, e em parte pela esperança de que as negociações com o 13º Dalai Lama seria mais eficaz do que com os representantes chineses. Mas em seu caminho para Lhasa, Younghusband abatidos muitas tropas tibetanas em Gyangze que tentou deter o avanço britânico. Quando a missão chegou a Lhasa, Younghusband impôs um tratado que foi posteriormente repudiou, e foi sucedido por um tratado de 1906 assinado entre a Grã-Bretanha e China.

Em 1910, o governo Qing mandou uma expedição militar própria para estabelecer o domínio chinês direta e depôs o Dalai Lama em um edito imperial, que fugiu para a ?ndia britânica. Após Revolução Xinhai derrubou o Qing, a nova República Popular da China pediu desculpas para as ações do Qing e ofereceu-lhe a sua posição anterior. Ele se recusou, e declarou-se governante de uma independente teocracia absolutista no Tibete em conluio com Mongólia teocrático. Para os próximos 36 anos, o 13º Dalai Lama regido este território, enquanto a China sofreu sua Era Warlord, guerra civil, e da Segunda Guerra Mundial . Durante este tempo, ele tentou capturar Xikang e Qinghai (ou o tibetanos províncias de Kham e Amdo), que ainda foram realizadas pela China, mas não conseguiu. A dinastia Qing foi derrubado na Revolução Xinhai e até o final de 1912 as últimas tropas de Qing foram escoltados para fora do Tibete. No entanto, nenhum Estado independente reconheceu estado do Dalai Lama como um país independente.

Final do século 20

Emergindo com controle sobre a maior parte China continental após a Guerra Civil Chinesa, a Exército Popular de Libertação confrontado exército do Dalai Lama em Qamdo em 1950 e negociou o Dezessete Acordo Point com o recém-coroado 14º Dalai Lama 's governo, afirmando a República Popular da China 's soberania, mas a concessão da autonomia área. Depois que o governo Dalai Lama fugiu para a Dharamsala, ?ndia durante o 1959 Rebellion tibetano, ele denunciou o Acordo Seventeen Point. O Governo Popular Central também renunciou ao acordo e iniciou a implementação das reformas sociais e políticas interrompidas. Esta progressão foi interrompido quando o Revolução Cultural viu mudanças radicais na governação e da destruição do Quatro Olds em quase toda a China continental, incluindo no Tibete, até que a facção que liderou a Revolução foi expulso do poder. Em 1980, o Secretário-Geral e reformista Hu Yaobang visitou o Tibete, e marcou o início de um período de liberalização social, político e econômico. Prática livre da religião era permitido, mosteiros foram reconstruídas, e o governo parou de interferência estrangeira Transmissões de rádio língua tibetana. No final da década, porém de forma análoga aos protestos de Tiananmen de 1989 , monges no Drepung e Sera mosteiros começou a protestar pela independência, e por isso o governo suspendeu as reformas e começou um anti- campanha separatista. Algumas organizações de direitos humanos criticaram a abordagem do governo chinês e tibetano para direitos humanos no Tibete quando reprimir separatismo.

Geografia

Tibete está localizado na Platô tibetano, região mais alta do mundo.

Tradicionalmente, fontes (europeus e americanos) ocidentais têm considerado como estando em Tibet ?sia Central, embora mapas de hoje mostram uma tendência para considerar toda a China moderna, incluindo o Tibete, para fazer parte do Leste da ?sia. Tibet é oeste do Central China planície, e dentro China , o Tibete é considerado como parte do西部(Xibu), um termo geralmente traduzido por meios de comunicação chineses como "a seção ocidental", que significa " Oeste da China ".

Tibete tem algumas das montanhas mais altas do mundo, com vários deles fazendo a lista dos dez melhores. Mount Everest , em 8.848 metros (29.029 pés), é a a montanha mais alta da Terra, localizada na fronteira com o Nepal . Vários grandes rios têm a sua origem no planalto tibetano (principalmente na atual Província de Qinghai). Estes incluem Yangtze , Rio Amarelo , Rio Indo , Mekong , Ganges , Saluen eo Yarlung Zangbo ( Brahmaputra River ). O Yarlung Zangbo Grand Canyon, ao longo do Yarlung Zangbo, está entre os cânions mais profundos e mais longas do mundo.

Os rios Indus e Brahmaputra são originários de um lago (Tib: Tso Mapham) na região oeste do Tibet, próximo Monte Kailash. A montanha é um local de peregrinação sagrada para ambos Hindus e tibetanos. Os hindus consideram a montanha para ser a morada do Senhor Shiva. O nome tibetano para Mt. Kailash é Khang Rinpoche. Tibete tem numerosos lagos de alta altitude a que se refere, em tibetano como TSO ou co. Estes incluem Qinghai Lake, Lake Manasarovar, Namtso, Pangong Tso, Yamdrok Lake, Siling Co, Lhamo La-tso, Lumajangdong Co, Lago Puma Yumco, Lake Paiku, Lake Rakshastal, Co e Dagze Dong Co. O Lago Qinghai (Koko Nor) é o maior lago da República Popular da China.

Yarlung Tsangpo Rio

A atmosfera é severamente seca nove meses do ano, e queda de neve média anual é de apenas 18 polegadas, devido à efeito de sombra de chuva. Passes ocidentais receber pequenas quantidades de neve fresca a cada ano, mas permanecem traversable todo o ano. As baixas temperaturas são predominantes em todas essas regiões ocidentais, onde desolação desolado é unrelieved por qualquer vegetação além do tamanho de arbustos baixos, e onde vento varre desmarcada através de vastas extensões de planície árida. O índio monção exerce alguma influência sobre leste do Tibete. Northern Tibet está sujeita a altas temperaturas no verão e frio intenso no inverno.

Tibet Cultural consiste em várias regiões. Estes incluem Amdo (A mdo) no nordeste, que é administrativamente parte das províncias de Qinghai, Gansu e Sichuan. Kham (Khams) no sudeste é dividido entre Sichuan ocidental, do norte Yunnan, Qinghai sul ea parte oriental da Região Autônoma do Tibet. Ü-Tsang (dBus gTsang) (Ü no centro, Tsang no centro-oeste, e Ngari (ris mNga ') no extremo oeste) cobriu a parte central e oeste da Região Autônoma do Tibet.

Influências culturais tibetanos estender para os estados vizinhos do Butão , Nepal , regiões da ?ndia, como Sikkim , Ladakh, Lahaul, e Spiti, além de áreas autônomas tibetanas designados nas províncias adjacentes.

Cidades, vilas e aldeias

Olhando em frente à praça em Templo Jokhang, Lhasa

Existem mais de 800 assentamentos no Tibete. Lhasa é a capital tradicional do Tibete ea capital da Região Autônoma do Tibet. Ele contém dois sítios do património mundial - o Palácio de Potala e Norbulingka, que eram as residências do Dalai Lama . Lhasa contém um número de templos e mosteiros significativos, incluindo Jokhang e Templo de Ramoche.

Shigatse é a segunda maior cidade do Tibet AR, a oeste de Lhasa. Gyantse e Qamdo também estão entre os maiores.

Outras cidades em Tibet cultural incluem Nagchu, Nyingchi, Nedong, Barkam, Sakya, Gartse, Pelbar, Lhatse, e Tingri; em Sichuan, Kangding (Dartsedo); em Qinghai, Jyekundo ou Yushu, Machen, e Golmud. Há também um grande assentamento tibetano no sul da ?ndia perto Kushalanagara. ?ndia criou esse assentamento para refugiados tibetanos que fugiram para a ?ndia.

Economia

O tibetano yak é uma parte integrante da vida tibetana

A economia tibetana é dominado por agricultura de subsistência. Devido à limitada terra arável, a principal ocupação do planalto tibetano é a criação de gado, como ovelhas , gado , cabras , camelos , iaques , dzo, e cavalos . As principais culturas cultivadas são de cevada , trigo , trigo mourisco, centeio, batatas e frutas e legumes variados. Tibet é classificada como a mais baixa entre 31 províncias da China sobre o ?ndice de Desenvolvimento Humano de acordo com dados do Programa de Desenvolvimento da ONU. Nos últimos anos, devido ao aumento do interesse no budismo tibetano, o turismo tornou-se um sector cada vez mais importante, e é activamente promovida pelas autoridades. Turismo traz mais renda a partir da venda de artesanato. Estes incluem os chapéus tibetanos, jóias (prata e ouro), artigos de madeira, roupas, cobertores, tecidos, Tapetes e tapetes tibetanos. O Governo Popular Central Tibet isenta de todos os impostos e fornece 90% dos gastos do governo do Tibete.

Centro da cidade Shigatse

O Qingzang férrea que liga o Região Autônoma do Tibet de Província de Qinghai foi inaugurado em 2006, mas não sem controvérsia.

Em janeiro de 2007, o governo chinês emitiu um relatório sobre a descoberta de um grande depósito mineral sob a Platô tibetano. O depósito tem um valor estimado de 128.000 milhões dólares e pode dobrar as reservas chinesas de zinco, cobre e chumbo. O governo chinês vê isso como uma forma de aliviar a dependência do país das importações de minerais estrangeira para a sua economia em crescimento. No entanto, os críticos temem que a mineração desses vastos recursos irá prejudicar o frágil ecossistema do Tibete e minar a cultura tibetana.

Em 15 de janeiro de 2009, a China anunciou a construção do Tibete pela primeira via expressa, um trecho de 37,9 quilômetros da estrada no sudoeste Lhasa. O projeto vai custar 1.550 milhões yuan ( $ 227 milhões).

A partir de janeiro 18-20, 2010, uma conferência nacional sobre o Tibete e áreas habitadas por tibetanos em Sichuan, Yunnan, Gansu e Qinghai foi realizada na China e um plano substancial para melhorar o desenvolvimento das áreas foi anunciado. A conferência contou com a presença do presidente chinês Hu Jintao, Wu Bangguo, Wen Jiabao, Jia Qinglin, Li Changchun, Xi Jinping, Li Keqiang, He Guoqiang e Zhou Yongkang sinalizando o compromisso de altos líderes chineses para o desenvolvimento do Tibete e áreas tibetanas étnicas. O plano prevê a melhoria da renda rural tibetana com as normas nacionais até 2020 e educação gratuita para todas as crianças tibetanas rurais. China investiu 310 bilhões de yuans (cerca de 45.600 milhões dólares americanos) no Tibete desde 2001. "O PIB do Tibete deverá atingir 43,7 bilhões de yuans em 2009, um aumento de 170 por cento do que em 2000 e postando um crescimento anual de 12,3 por cento nos últimos nove anos. "

Zona de Desenvolvimento

Lhasa Economic & Technology Development Zone

O Conselho de Estado aprovou o Tibete Lhasa Zona Económica e Desenvolvimento Tecnológico como uma zona de desenvolvimento a nível de Estado em 2001. Ele está localizado nos subúrbios do oeste de Lhasa, capital da Região Autônoma do Tibet. Fica a 50 km de distância do Aeroporto de Gonggar, e 2 km de distância da Estação Ferroviária de Lhasa ea 2 km de distância da estrada nacional 318.

A zona tem uma área de planeamento de 5,46 km quadrados e é dividido em duas zonas. Zona A desenvolveu uma área de terra de 2,51 quilômetros quadrados para a construção. É uma zona plana, e tem as condições naturais para uma boa drenagem.

Demografia

Nômades pastorais acampando perto Namtso em 2005. Aproximadamente 40% da etnia População tibetana é nômade ou semi-nômade.

Historicamente, a população de Tibete consistiu principalmente étnico Tibetanos e alguns outros grupos étnicos. Segundo a tradição dos antepassados originais do povo tibetano, como representados pelas seis faixas vermelhas na bandeira tibetana, são: a Sé, Mu, Dong, Tong, Dru e Ra. Outros grupos étnicos tradicionais, com população significativa ou com a maioria do grupo étnico residem no Tibete (excluindo área disputada com a ?ndia) incluem Pessoas Bai, Blang, Bonan, Dongxiang, Han, Pessoas Hui, Lhoba, Pessoas Lisu, Miao, Mongóis, Monguor (pessoas Tu), Menba (Monpa), Mosuo, Nakhi, Qiang, Pessoas Nu, Pumi, Salar, e Yi pessoas.

A questão da proporção da população não-tibetano no Tibete é politizado por grupos de exilados tibetanos. Uma delas, a Administração Central Tibetana do Dalai Lama, afirma que a RPC tem inundado ativamente Tibet com os migrantes, a fim de alterar a composição demográfica do Tibet. Os números exatos dependem de definições de "Tibet", "os tibetanos", e "chinês" diferindo, embora o censo chinês 2000 mostrou que os tibetanos étnicos compõem 92,8% da Região Autônoma do Tibet.

Cultura

Religião

Budismo tibetano

O Primeiro Dalai Lama

Religião é extremamente importante para os tibetanos e tem uma forte influência sobre todos os aspectos de suas vidas. Bön é a antiga religião do Tibete, mas tem sido quase eclipsada por Budismo Tibetano, uma forma distinta de Mahayana e Vajrayana, que foi introduzido no Tibete a partir da tradição sânscrito budista do norte da ?ndia. Budismo Tibetano é praticada não só no Tibete, mas também na Mongólia , partes do norte da ?ndia, o República Buryat, o República tuva, e no República da Kalmykia e algumas outras partes da China, além de Tibet. Durante China Revolução Cultural, quase todos do Tibet mosteiros foram saqueados e destruídos pelo Guardas Vermelhos. Alguns mosteiros começaram a reconstruir desde os anos 1980 (com suporte limitado do governo chinês) e maior liberdade religiosa foi concedida - embora ainda seja limitada. Monges retornou aos mosteiros em todo o Tibete e educação monástica retomada, embora o número de monges impostas é estritamente limitada.

Budismo tibetano tem quatro tradições principais (o pa sufixo é comparável a "er" em Inglês):

  • Gelug (pa), caminho da virtude, também conhecido casualmente, como chapéu amarelo, cujo líder espiritual é o Ganden Tripa e cuja cabeça temporal é o Dalai Lama . Sucessiva Dalai Lamas governou Tibet do mid-17th a séculos de mid-20th. Esta ordem foi fundada em 14 a 15 séculos por Je Tsongkhapa, com base nos fundamentos da Tradição Kadampa. Tsongkhapa era conhecido tanto por sua escolástica e sua virtude. O Dalai Lama pertence à escola Gelugpa, e é considerado como a encarnação do Bodhisattva da Compaixão.
  • Kagyu (pa), Lineage Oral. Este contém uma grande subsect e um subsect menor. O primeiro, o Dagpo Kagyu, abrange as escolas Kagyu que remontam a Gampopa. Por sua vez, o Dagpo Kagyu consiste em quatro principais sub-seitas: a Karma Kagyu, chefiado por um Karmapa, o Tsalpa Kagyu, o Barom Kagyu, e Pagtru Kagyu. O outrora obscura Shangpa Kagyu, que foi famosamente representada pelo professor do século 20 Kalu Rinpoche, traça a sua história de volta para o mestre indiano Niguma, irmã do detentor da linhagem Kagyu Naropa. Esta é uma tradição oral, que está muito preocupado com a dimensão vivencial da meditação. Seu mais famoso expoente foi Milarepa, um místico do século 11.
  • Nyingma (PA), The Ancient Ones. Este é o mais antigo, a ordem original fundada por Padmasambhava.
  • Sakya (pa), terra cinzenta, chefiada pelo Sakya Trizin, fundada por Khon Konchog Gyalpo, um discípulo do grande tradutor Drokmi Lotsawa. Sakya Pandita 1182-1251CE era o bisneto de Khon Konchog Gyalpo. Esta escola enfatiza bolsa.

Islão

Os muçulmanos têm vivido no Tibete desde já no oitavo ou nono século. Em cidades tibetanas, existem pequenas comunidades de Muçulmanos, conhecidos como Kachee (Kache), que têm sua origem aos imigrantes de três regiões principais: Kashmir (Kachee Yul em tibetano antigo), Ladakh eo Países turcos da ?sia Central. Influência islâmica no Tibete também veio da Pérsia. Depois de 1959 um grupo de muçulmanos tibetanos fizeram um caso de nacionalidade indiana com base em suas raízes históricas a Caxemira eo governo indiano declarou que todos os muçulmanos tibetanos cidadãos indianos mais tarde naquele ano. Outros grupos étnicos muçulmanos que há muito habitadas Tibet incluem Hui, Salar, Dongxiang e Bonan. Há também uma comunidade muçulmana chinesa bem estabelecida (gya kachee), que segue sua ascendência de volta para o Hui grupo étnico da China.

Cristandade

Os primeiros cristãos documentado ter atingido Tibet foram o Nestorians, dos quais vários restos e inscrições foram encontradas no Tibete. Eles também estavam presentes no acampamento imperial de Möngke Khan no Shira Ordo, onde se debateu em 1256 com Karma Pakshi (1204 / 6-83), chefe da Ordem Karma Kagyu. Desideri, que chegou a Lhasa em 1716, encontrou armênio e comerciantes russos.

Católico Jesuítas e Capuchinhos chegaram da Europa nos séculos 17 e 18. Missionários portugueses padre jesuíta Antonio de Andrade e Irmão Manuel Marques primeiro chegou ao reino de Gelu no Tibete ocidental em 1624 e foi recebido pela família real que lhes permitiu construir uma igreja mais tarde. Por 1627, havia cerca de cem conversos locais no Reino Guge. Mais tarde, o Cristianismo foi introduzido para Rudok, Ladakh e Tsang e foi recebido pelo governador da Tsang reino, onde Andrade e seus companheiros estabeleceu um posto avançado dos Jesuítas em Shigatse em 1626.

Em 1661 outro jesuíta, Johann Grueber, cruzou Tibet de Sining para Lhasa (onde passou um mês), antes de seguir para o Nepal. Ele foi seguido por outros que realmente construíram uma igreja em Lhasa. Estes incluíram o Pai jesuíta Ippolito Desideri, 1716-1721, que ganhou um profundo conhecimento do tibetano cultura, língua e no budismo, e vários Capuchinhos de 1707-1711, 1716-1733 e 1741-1745, o cristianismo foi usado por alguns monarcas tibetanos e seus tribunais e do Karmapa seita lamas para contrabalançar a influência do Seita Gelugpa no século 17 até que em 1745, quando todos os missionários foram expulsos por insistência da lama.

Em 1877, o Protestante James Cameron desde o China Inland Mission orientado do Chongqing para Batang em Garzê prefeitura autônoma tibetana, Província de Sichuan, e "levou o Evangelho ao povo tibetano." A partir do século 20, em Diqing prefeitura autônoma tibetana em Yunnan, um grande número de pessoas Lisu e algumas pessoas Yi e Nu convertidos para o cristianismo . Famosos missionários anteriores incluem James O. Fraser, Alfred James e Broomhall Isobel Kuhn de Missão do Interior da China, entre outros que estavam activas nesta área.

Arte tibetana

A pintura thangka em Sikkim

Representações tibetanos de arte estão intrinsecamente ligado com Budismo tibetano e comumente retratam divindades ou variações de Buda em várias formas de estátuas de bronze e santuários budistas, a altamente colorido pinturas thangka e mandalas.

Arquitetura

Arquitetura tibetana contém influências chinesas e indianas, e reflete uma profunda budista abordagem. O Roda budista, juntamente com dois dragões, pode ser visto em quase todos os Gompa no Tibete. O design do tibetano Chortens pode variar, de paredes arredondadas em Kham para Squarish, paredes de quatro lados em Ladakh.

A característica mais marcante da arquitetura tibetana é que muitas das casas e mosteiros são construídos em elevados, ensolarado sites voltados para o sul, e são muitas vezes feitas de uma mistura de rochas, madeira, cimento e terra. Pouco combustível está disponível para calor ou de iluminação, de modo telhados planos são construídos para conservar o calor, e várias janelas são construídos para deixar entrar a luz solar. Paredes são geralmente inclinada para o interior a 10 graus como medida de precaução contra os terremotos freqüentes nesta área montanhosa.

O Palácio de Potala

Situando-se em 117 metros de altura e 360 metros de largura, a Palácio de Potala é o exemplo mais importante da arquitetura tibetana. Anteriormente a residência do Dalai Lama , que contém mais de mil quartos dentro treze histórias e casas retratos do passado Dalai Lamas e estátuas de Buda. Ele está dividido entre o exterior Palácio Branco, que serve como os bairros administrativos, e os Quarters vermelho interno, que abriga a sala de reunião dos Lamas, capelas, santuários 10.000, e uma vasta biblioteca de escrituras budistas. O palácio de Potala é um Patrimônio da Humanidade , como é Norbulingka, a antiga residência de verão do Dalai Lama.

Música

Boudhanath, Nepal. 1973

A música do Tibete reflete a herança cultural da região trans-Himalaia, centrado no Tibete, mas também conhecido onde quer étnicos grupos tibetanos são encontrados na Índia, Butão , Nepal e mais no exterior. Música tibetana primeiro e mais importante é a música religiosa, refletindo a profunda influência do budismo tibetano na cultura.

Tibetano música muitas vezes envolve cantar em tibetano ou sânscrito , como parte integrante da religião. Estes cânticos são complexos, muitas vezes, recitações de textos sagrados ou na celebração de vários festivais. Yang cantando, realizada sem tempo métrico, é acompanhada por ressonância bateria e baixo, sustentada sílabas. Outros estilos incluem aqueles única para as várias escolas do budismo tibetano, tais como a música clássica do popular escola Gelugpa, ea música romântica dos Nyingmapa, Sakyapa e escolas Kagyupa.

Nangma música de dança é especialmente popular nos bares de karaokê do centro urbano do Tibete, Lhasa . Outra forma de música popular é o clássico estilo gar, que é realizado em rituais e cerimônias. Lu são um tipo de canções que apresentam vibrações glotais e tons altos. Há também bardos épicos que cantam do herói nacional do Tibete Gesar.

Festivais

O Oração Monlam Festival
Mandala de areia tibetano

Tibete tem vários festivais que são comumente realizados para adorar o Buda ao longo do ano. Losar é o Ano Novo Tibetano Festival. Os preparativos para o evento festivo manifestam-se por ofertas especiais para divindades santuário da família, portas pintadas com símbolos religiosos, e outros trabalhos meticulosos feitos para se preparar para o evento. Tibetanos comer Guthuk (cevada alimento migalha com enchimento) na véspera de Ano Novo com suas famílias. O Oração Monlam Festival segue no primeiro mês do Calendário tibetano, caindo no quarto até o décimo primeiro dia do primeiro mês tibetano. que envolve muitos tibetanos que dançam e participam em eventos desportivos e compartilhamento de piqueniques. O evento foi criado em 1049 por Tsong Khapa, o fundador do Dalai Lama ea ordem do Panchen Lama.

Cozinha

A cultura mais importante no Tibete é cevada e massa feita de farinha de cevada chamada tsampa-se o alimento básico do Tibete. Isto é tanto rolou em macarrão ou feitas em bolinhos cozidos no vapor chamados momos. carne pratos são susceptíveis de ser yak , cabra , ou carne de carneiro, muitas vezes seca, ou cozidos em um picante guisado com batatas . semente de mostarda é cultivada no Tibete, e, portanto, caracteriza fortemente em sua cozinha. Iaque iogurte,manteigaequeijosão frequentemente consumidos, e iogurte bem preparado é considerado algo de um item de prestígio.chá de manteiga é muito popular para beber.

Retirado de " http://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Tibet&oldid=406894706 "